Arquivo da tag: Vox

Pesquisa: Polyana diz que resultado é ‘fraudulento’ e que empresa lhe ofereceu resultado favorável; DataVox nega

O resultado da pesquisa de opinião pública de intenção de votos, divulgada nesta sexta-feira (10), pelo instituto Data Vox, em Pombal provocou opiniões diferentes das duas candidatas a prefeita.

De acordo com o resultado, Mayene-Van (PMDB) lidera a intenção de votos com 47,6%, contra 43,6% de Polyana.

Procurada pela nossa reportagem para comentar os números, a petista desqualificou o resultado, que chamou de “fraudulento”.

De acordo com Polyana, o dono da DataVox teria lhe procurado “perguntando se queria a pesquisa, pois quem dizia o resultado era ela”.

Ela também afirmou que a Fundação Eulália Queiroga é ligado a pessoas da família da candidata Mayene, e é um “elefante branco”.

“Em 2008, eles divulgaram uma pesquisa, onde eu estava perdendo e eu ganhei a eleição”, declarou a prefeita, que disputa a reeleição.

OUTRO LADO:

O advogado Antônio César Ugulino, que também é representante legal da coligação da candidata Mayene, negou haver ligação dela com a Fundação “Eulália Queiroga”, e que soubesse detalhes da pesquisa.

“Nós ficamos de que essa pesquisa seria divulgada através das redes sociais”, declarou.

Ele disse que é normal o descrédito da prefeita, “em virtude de ter dado um resultado desfavorável a ela”.

Por telefone, um dos diretores da empresa DataVoz, Bruno Agra, participou do programa “Liberdade Notícias”, e também rebateu as acusações de Polyana, principalmente de que havia sido fraudada e que teria sido oferecida a ela, para dar um resultado diferente.

“Nunca mantive contato com a prefeita, e a pesquisa mostra um resultado do momento, podendo sofrer alteração até o dia da eleição”, declarou Bruno.

Naldo Silva – Liberdade 96 FM

Data Vox: Maranhão e Agra empatam; Estela tem 9,8% e bate Cartaxo em João Pessoa

O ex-governador José Maranhão (PMDB) continua liderando a disputa pela prefeitura de João Pessoa, de acordo com pesquisa divulgada pelo Instituto Data Vox e registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número 00010/2012.  De acordo com os dados repassados pelo Data Vox, o contratante foi a Oftalmoclinica Saulo Freire Ltda.
No primeiro cenário estimulado, com o refeito Luciano Agra como opção do PSB, Maranhão tem apenas 0,3% de vantagem sobre o prefeito socialista. O ex-governador obteve 23,4% da intenção de votos contra 23,1

%, o que revela empate mais do que técnico entre os dois. Neste cenário, o senador Cícero Lucena (PSDB) aparece com 17,9% da intenção de votos.

O empate de Maranhão e Agra se repete na espontânea, onde cada um teve 4,8% das citações espontâneas dos entrevistados.
O interessante é que, conforme revela a pesquisa, num eventual confronto direto entre Maranhão e Agra no segundo turno é o prefeito que leva a melhor, aparecendo com 36,8% contra 30,5% do ex-governador peemedebista.
Num segundo cenário estimulado – por enquanto o que está definido – com Estelizabel Bezerra (PSB) no lugar de Agra, Maranhão vai a 24,1%, ficando o senador Cícero Lucena, do PSDB, como segundo colocado com 18,5%. Já Estelizabel aparece com 9,8%, ficando com a terceira colocação e batendo o deputado Luciano Cartaxo (9%), candidato que tirou da socialista o apoio do PT.
Neste cenário, o deputado Toinho do Sopão (3,6%), o jornalista Nonato Bandeira (2,8%) e a professora Lourdes Sarmento (1,5%) compõem a disputa.
O número de indecisos é de 16,5% e do brancos/nulos 14,2%, percentuais bem maiores do que os que parecem quando Luciano Agra está como opção no lugar de Estela.
O Instituto Data Vox, que tem sede em Campina Grande, ouviu 809 eleitores em João Pessoa, entre os dias 19 e 20 de maio.
Cícero mantém liderança no índice ´REJEIÇÃO´
O senador Cícero Lucena (PSDB) continua campeão nas pesquisas eleitorais em João Pessoa. Mas no item Rejeição. 18,4% dos entrevistados disseram que não votariam em Cícero em hipótese alguma. Maranhão é o segundo colocado entre os mais rejeitados. Ele tem 17,3% de rejeição, seguindo de Toinho do Sopão (10,9% ), Estelizabel Bezerra (8,4%), Lourdes Sarmento (5,7%) e Luciano Agra (3,2%). O deputado Luciano Cartaxo e o jornalista Nonato Bandeira são os que registram menor índice de rejeição. Ambos tem apenas 3,1% de rejeição.

Luis Torres

Para diretor do Vox Populi, Dilma tem vantagem de não ostentar projeto de poder

Marcos Coimbra acredita que Dilma pretende garantir boas condições para a administração pública (Foto: Roberto Stuckert Filho. Presidência)

São Paulo – O diretor do Instituto Vox Populi, Marcos Coimbra, acredita que os partidos de oposição deveriam deixar para trás os “maus ensinamentos” do convívio político e apoiar a tentativa de mudança na lógica que rege a relação entre Executivo e Legislativo. Para ele, o modelo atual determina que os parlamentares votem contra o Palácio do Planalto, mesmo que saibam que o projeto em questão é de interesse do país.

Coimbra entende que a recente aprovação do Código Florestal na Câmara não se deu unicamente pela força da bancada de representantes do agronegócio, mas pela soma de forças de oposição que gostariam de aplicar uma derrota ao governo de Dilma Rousseff. Sobre a presidenta, aliás, o analista político avalia que ela irá tão longe quanto puder na mudança do paradigma da política nacional. “A Dilma, ao contrário dos políticos tradicionais, não tem um projeto de ficar no poder. A Dilma tem um projeto de administração e ela enxerga dificuldades para executar esse projeto de administração de uma maneira bem diferente de um político mais tradicional”, afirma.

Ele acredita que a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Congresso para apurar as relações entre políticos e o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, pode começar a definir quais partidos estarão na chapa do PT em 2014, de amplo favoritismo. O diretor do Vox Populi avalia que as conexões entre parte da imprensa e a quadrilha ligada à exploração de jogos ilegais também precisa entrar na pauta do colegiado. “Dizer que quando alguém que questiona isso está questionando a imprensa é usar o conceito de liberdade de imprensa para se proteger, para proteger uma prática que é francamente condenável”, adverte.

Confira a seguir a primeira parte da entrevista concedida à Rede Brasil Atual.

Existe uma tentativa de discutir e aprovar a questão do financiamento público de campanha. Isso implicaria mudança na relação política? 

Eu tenho, como observador e como analista, um entendimento de que o financiamento público seria muito positivo para o país e acredito que seria uma maneira em que se poderiam considerar a interferência excessiva do poder econômico, como no processo eleitoral, sendo diminuído e até eliminado. Evidente que se fizéssemos um sistema de financiamento público, a força de interferência de lobbies empresariais, associativos e corporativos seria muito menor.

O modelo que está em discussão na Câmara poderia logo ser posto em prática. Curioso que no Senado todos os partidos aprovaram a ideia. Faltava definir um modelo mais específico, mas houve acordo entre as principais lideranças políticas. Na Câmara, o relator apresentou uma proposta, mas as coisas ficaram um pouco travadas. Não sei qual andamento ela terá, mas de qualquer maneira já se decidiu que não havia por que correr para aprovar ainda a tempo de aplicar para as eleições de 2012.  Mas provavelmente nós teremos tempo ao longo deste ano e do próximo, se houver a chamada vontade política, para votar ainda a tempo de valer para 2014.

De que maneira todos sairiam ganhando com uma mudança na relação entre os partidos políticos e entre o Legislativo e o Executivo?

Uma das razões que explicam a duração dos embates políticos no Brasil é a partidarização excessiva de algumas questões. É totalmente natural que alguns temas sejam tratados a partir da identificação partidária do parlamentar. Mas existem outros em que o que está em jogo é uma coisa mais ampla, que é o interesse nacional, para usar como uma palavra que serve em situações como essa. Não é incomum e diferente em outros lugares do mundo, quando o sistema político está perante questões que não são partidárias, são quase que consenso, em questões como essa eu acredito que o mais correto seria o parlamentar votar contra o consenso. E na votação do Código Florestal, nós vimos isso.

Quem de fato acabou tendo a vitória defende as teses que não vão ao encontro do interesse nacional de longo prazo, pelo menos a mim me parece. Quem acabou apoiando isso não foi o setor diretamente interessado, mas uma coalizão na qual pessoas que no fundo não acreditam que essa é a melhor solução para o Brasil, e votaram desse jeito apenas para derrotar o posicionamento do governo. Isso que eu acho que era um mau ensinamento da época em que o próprio PT tinha um comportamento muito negativo, mas que foi revisto quando o partido chegou ao governo. O que é estranho é que as atuais oposições que foram governo e cobravam do PT, agora fazem o mesmo jogo.

Dilma tem conseguido imprimir essa mudança de lógica política ou ainda é cedo? Qual o limite dessa mudança? 

Eu acho que ela está fazendo. Se ela consolidará como uma marca da administração dela, talvez seja coisa para dizer. A Dilma, ao contrário dos políticos tradicionais, não tem um projeto de ficar no poder. A Dilma tem um projeto de administração e ela enxerga dificuldades para executar esse projeto de administração de uma maneira bem diferente de um político mais tradicional, até que o Lula. O Lula tinha uma tolerância que ela não tem. E isso é muito salutar para ficar na política brasileira. É muito positivo. Agora, até que ponto ela irá é difícil dizer. Eu acho que ela vai tão longe quanto ela conseguir e é desejável para todos que ela tenha apoio.

Você tem alguma expectativa de que a CPMI do Cachoeira resulte em revelações efetivas ou se transformará em mais um palco para essa partidarização excessiva?  

Ele é um exemplo 100% político. Em outros casos não vejo, pelo menos por enquanto, que já esteja na hora de invocar o que seria, digamos, interesse nacional. Eu acho, no entanto, que já está na hora de uma oportunidade para uma revisão do relacionamento do sistema político com os grupos de interesse, nesse caso, envolvendo uma organização com atividades ilegais ou criminosas. É o mais longe que pode ir na privatização da política, fazendo não só parte do sucesso de um grupo econômico e de um grupo de interesses, mas de um grupo econômico e de interesses cujas raízes estão na ilegalidade. Se for colocada essa discussão, o assunto passa a ser suprapartidário. Mas, por enquanto, não, por enquanto nós estamos vendo um tensionamento político característico da vida parlamentar. Puxam para um lado, puxam para o outro, partidariamente.

Discutir a relação entre veículos de imprensa, criminosos e políticos pode ser benéfico à sociedade?

Para mim não tem dúvida. O que nós tivemos nos últimos anos e as revelações que até agora foram feitas sugerem que houve uma deliberada concordância dos veículos de imprensa em nada fazer para denunciar uma coisa que estava vendo. Denunciar como imprensa e não como autoridade policial, que não é o caso. Em troca de uma estratégia de tomada de posição política dos veículos. O que se fez foi a aplicação do velho princípio de que os fins justificam os meios – para atacar o governo vale qualquer coisa, inclusive fazer um papel muito discutível de colaboração duradoura, digamos assim, com o grupo do Cachoeira. Dizer que quando alguém que questiona isso está questionando a imprensa é usar o conceito de “liberdade de imprensa” para se proteger, para proteger uma prática que é francamente condenável. Não se conhece nos anais da imprensa política internacional um caso desse tipo. Em Watergate os repórteres do Washington Post usaram de alguém que fazia confidências e que estava diante do governo. É completamente diferente.

É cedo para falar sobre companhia nessa chapa do PT em 2014? O PMDB está hoje mais desgastado do que estava naquele momento, em 2010, e o PSB está mais forte? 

É difícil dizer. Talvez seja uma das coisas que a CPI pode fazer: levar esse processo para um lado ou para o outro. A impressão que eu tenho é que a preferência do Lula é manter a coligação com o PMDB voltando a apresentar um candidato a vice. Fala-se muito que um candidato que o Lula tinha como muito provável seria o Sérgio Cabral. Isso do jeito que é a coisa ficou agora, certamente mudou. Pode ser que o Sérgio Cabral se recupere, mas nesse momento essa possibilidade ficou muito menor. Agora, o PSB é parte importante da equação de 2014, pode ser um caminho para o Eduardo Campos ser candidato a vice junto com a Dilma e, certamente, se Lula for o candidato, com ele.

redebrasilatual