Arquivo da tag: voltar

Polícia Civil investigará se jovem que morreu ao cair de camionete ao voltar de comício foi empurrado

alexUm adolescente de 17 anos morreu, na noite desta quarta-feira (21), após cair de uma camionete na PB-148, que liga as cidades de Boqueirão e Cabaceiras, no Cariri paraibano, ao retornar de um comício, na Zona Rural de Boqueirão.

Segundo a PM, o jovem teria se desequilibrado quando a camionete saiu de uma estrada vicinal e entrou na PB-148. Ele bateu com a cabeça no chão e morreu no local.

A hipótese do jovem ter sido empurrado de cima do veículo na está descartada, uma vez que o motorista e o carro não foram localizados. O caso vai ser investigado pela Polícia Civil.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Após alta nos preços dos combustíveis, Sindipetro diz que situação deve voltar ao normal nesta quarta

GASOLINAOs preços da gasolina na Paraíba só devem voltar ao normal na quarta-feira (30). Isto porque de acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Derivados de Petróleo no Estado da Paraíba (Sindipetro-PB), Omar Hamad, o desabastecimento dos postos no final de semana aconteceu devido ao atraso em um navio de entrega do produto.

O desabastecimento fez com que o preço dos combustíveis chegassem a R$ 4,15 nesta segunda-feira. De acordo com Omar, o abastecimento só deverá ser normalizado na quarta-feira (30).

A respeito da alta estratosférica, o presidente do Sindipetro afirmou que se deu devido a lei da oferta e da procura, mas aponta que essa alta será temporária. A gasolina estava sendo comercializada entre R$ 3,25 e R$ 3,61, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Procon no dia 10 de dezembro.

Nesta segunda, a variação ia de R$ 3,59 no bairro do José Américo a R$ 4,15, em um posto em Mangabeira.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

No feriado, o sindicato informou que aconteceu o atraso na chegada de um navio com combustíveis. A embarcação deveria ter atracado no Porto de Cabedelo na quarta-feira (23), mas que só deve chegar nesta terça-feira (29) e a partir da quarta-feira o abastecimento será normalizado. Com isso, o preço deve cair conforme o combustível volte aos postos.

Segundo o presidente do Sindipetro-PB, o aumento do preço acontece apenas em alguns pontos da cidade, mas que a maioria dos postos não alterou o valor do produto. “Os postos que possuem bandeira não tiveram seu abastecimento comprometido e o preço continua do mesmo jeito. O que aconteceu em alguns postos é que com a falta de produto, quem não tem o combustível ou quem tem muito pouco, está valorizando mais seu produto e por isso os preços subiram nestes locais”, explicou.

Hamad comenta ainda que a questão do aumento dos preços é livre e que os empresários é quem devem resolver qual o preço que vai praticar dentro do estabelecimento comercial. “O sindicato não interfere de forma alguma em relação ao preço. O comerciante opta pelo preço que quiser, não há uma orientação, por parte do sindicato, sobre qual preço deve ser praticado”, comenta.

Por nota, o Procon-JP informou que uma equipe do órgão vai ser reunida para analisar com calma o que aconteceu. O secretário Helton Renê disse que a falta de gasolina em alguns postos não pode justificar o aumento, e que os postos serão notificados e chamados para explicar a alta nos preços.

paraiba.com.br

Senador devolve R$ 1,4 mil após voltar de jogo da Copa com verba pública

senadorA assessoria de imprensa do senador Cidinho Santos (PR-MT) informou nesta sexta-feira (11) que o parlamentar devolveu aos cofres públicos R$ 1.044,53 referentes a uma passagem aérea para Cuiabá usada pelo parlamentar para voltar de São Paulo, onde assistiu ao jogo de abertura da Copa do Mundo, entre Brasil e Croácia, em 12 de junho.

Outro senador, Anibal Diniz (PT-AC), usou R$ 2.988,27 para assistir a dois jogos da Copa (entre Brasil e Croácia, em São Paulo, e entre Brasil e Alemanha, em Belo Horizonte). No caso de Diniz, a assessoria informou que ele não pretende devolver o dinheiro porque assistiu às partidas a convite da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) na condição de parlamentar.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O uso da verba parlamentar para compra dos bilhetes aéreos pelos dois senadores para ir a partidas de futebol foirevelado nesta sexta pelo jornal “O Globo”. O G1 consultou a assessoria administrativa do Senado para saber se é considerado regular o uso de passagem aérea para esse fim, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

Todos os senadores recebem mensalmente a chamada Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar – um total de R$ 15 mil (para aluguel de escritórios políticos e outras despesas, como combustíveis) e mais cinco passagens aéreas de ida e volta da capital do estado de origem do parlamentar a Brasília. As viagens institucionais a outras localidades são reembolsadas pelo Senado.

Cidinho Santos
O gabinete de Cidinho Santos disse ao G1 que o senador não tinha intenção de usar passagens pagas pelo Senado para assistir à partida.

Segundo o gabinete, antes de ir a São Paulo ele usou verba do Senado para voar de Cuiabá a Brasília – o que é previsto pela legislação por se tratar da capital federal, onde trabalha. Depois, de acordo com a assessoria, pagou do próprio bolso a viagem de Brasília a São Paulo.

A compra da passagem São Paulo-Cuiabá com dinheiro do Senado foi motivada por um “erro da administração”, informou o gabinete. Cidinho Santos voltou a Cuiabá no mesmo dia do jogo de abertura da Copa (12 de junho).

Anibal Diniz
O site do Senado informa que Anibal Diniz (PT-AC) gastou R$ 1.431,25 para voar o trecho Brasília-São Paulo em 12 de junho, data da abertura a Copa do Mundo. Ele retornou à capital federal no mesmo dia, pagando R$ 535,47.

O jornal “O Globo” informou que o senador acreano pediu reembolso de um terceiro trecho, no valor de R$ 1.021,55, desta vez de Brasília para Belo Horizonte, onde assistiu à partida do Brasil contra a Alemanha, na última terça-feira.

Conforme a publicação, Diniz não conseguiu encontrar passagem nas companhias aéreas e retornou a Brasília de ônibus, ao custo de R$ 130, pagos do próprio bolso.

G1

Conselheiro do TCE diz que leis não transformam sociedade e ‘ficha limpa’ não impede ‘mal gestor’ de voltar ao governo

fernando-cataoO conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Fernando Catão, comentou em entrevista ao programa Rádio Verdade da Arapuan FM nesta quinta (10) que as pessoas tem a ‘mania’ de achar que as leis transformam a sociedade’ e destaca que a Ficha Limpa não vai impedir que ‘determinado mal gestor volta ao governo’.

Para Catão, quem tem esse poder (de colocar alguém no poder) é o eleitor que tem o poder máximo da democracia. Ele apontou que a Lei Ficha Limpa é benéfica, mas apontou execessos e pontos obscuros e ratificou que a lei não vai mudar a sociedade.

“Quemt em que fazer a transformação maior é a sociedade”, diz e critica o excesso de judicialização no país. “Estamos tentando resolver tudo na via judicial”, diz.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Outro exemplo que o conselheiro citou foi a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) que foi um avanço para o país, pois deu ordenamento para a gestão pública, mas também conta que a interpretação dessa lei tem que evoluir.

 

Marília Domingues

 

“Vai voltar”: advogado de Reginaldo Pereira mostra confiança e prevê anulação da cassação

reginaldoO prefeito cassado de Santa Rita, Reginaldo Pereira (PRB) pode assumir o cargo novamente nos próximos dias. Conforme o advogado do caso, Johnson Abrantes ainda há recursos jurídicos para que Reginaldo retorne ao mandato de Chefe do Executivo municipal. O jurista revelou ainda na tarde desta sexta-feira (30), que já entrou com um pedido para que a Câmara Municipal disponibilize os documentos que geraram o afastamento do prefeito e aguarda o deferimento, já na próxima semana, do desembargador Abraham Lincoln.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Com a liberação dos documentos, o advogado afirmou que o próximo passo é entrar com uma ação na justiça para anular a decisão da Câmara. Ele ainda destacou que o processo que cassou Reginaldo tem muitos erros. E é nesses supostos equívocos que vai fundamentar a defesa. “Existe a ausência do processo legal e de citação válida. Também não houve a aplicação da legislação pertinente ao caso”, ressaltou.

Reginaldo Pereira X Cassação

Reginaldo acredita que a Justiça paraibana também entenderá que a sua cassação não se sustenta em provas e que tudo não passou de um golpe. De acordo com o prefeito, as acusações são infundadas. “Me acusam de nepotismo, mas o próprio Ministério Público já emitiu parecer alegando que familiar em cargo de secretário não configura nepotismo”, disse Reginaldo.

O prefeito afastado também alega que em nenhum processo de cassação, o direito de defesa foi respeitado, o que levanta suspeitas sobre a agilidade da cassação.

Reginaldo acredita ainda que até o final do mês retornará ao mandato conquistado democraticamente em 2012, e promete uma gestão diferente. “Fomos sabotados esse tempo todo por aqueles que planejavam o golpe. Nossas ações não eram divulgadas pelo secretário de Comunicação, aliado do vice-prefeito Netinho. Também existia sabotagem em outras pastas da prefeitura. Mas agora será diferente”, promete Reginaldo.

Relembre o caso

O afastamento do prefeito pela Câmara Municipal se deu devido a suspeita por vários crimes administrativos, como nepotismo, afastamento do cargo, incorreções em licitações improbidade administrativa.

 

clickpb

Genoino recorre ao plenário do STF para voltar à prisão domiciliar

genoinoA defesa do ex-deputado José Genoino (PT-SP) entrou nesta segunda-feira (5) com recurso no qual pede que o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) analise o pedido de prisão domiciliar ao petista. Em documento de 31 páginas apresentado ao Supremo, a defesa argumenta que manter o ex-parlamentar na prisão será impor “pena de morte”.

Genoino se apresentou na quinta-feira (1º) ao Centro de Internamento e Reeducação (CIR) do presídio da Papuda, em Brasília, onde dará continuidade ao cumprimento da pena pela condenação no processo do mensalão do PT.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ele voltou à prisão por ordem do presidente do Supremo, Joaquim Barbosa, após laudo de médicos da Universidade de Brasília indicar que ele não possui doença cardíaca grave.

Condenado a 4 anos e 8 meses de prisão, o ex-deputado, que tem problemas cardíacos, foi preso em novembro do ano passado, mas passou mal no presídio e, desde então, obteve o direito a cumprir temporariamente a pena em prisão domiciliar provisória. A defesa pleiteava a prisão domiciliar definitiva, o que Barbosa negou.

No recurso apresentado ao Supremo, a defesa argumentou que a ordem de Joaquim Barbosa para que Genoino retornasse ao presídio “afastou-se da cautela e prudência que devem presidir situações de risco à saúde dos apenados”.

Segundo o documento, a prisão no caso de Genoino é “caso de pena de morte a qual estaria sendo levado o paciente em caso de se haver negado o direito à vida ou pelo menos de lutar pela não morte prematura”.

A defesa diz que o fato de o condenado não ter cardiopatia grave “não afasta” a necessidade de prisão domiciliar. “Isto porque o encarcerado não tem as mesmas possibilidades de tratamento médico, exames e controle da alimentação do que alguém em liberdade.”

Conforme laudos médicos, afirmam os advogados, o ex-deputado tem alto risco cardiovascular, além de ter sofrido recentemente um acidente vascular cerebral, que o obrigou ao uso continuado de anticoagulantes orais, e síndrome depressiva.

“Mesmo após mais de noventa dias de tratamento domiciliar, continua ostentando quadro de alto risco cardiovascular e que, embora possa não integrar o conceito previdenciário de cardiopatia grave, é caracterizado pela alta mortalidade diante das intercorrências clínicas verificadas em seu caso, tudo a recomendar a manutenção definitiva da prisão domiciliar”, afirmou a defesa.

Os advogados apontam ainda que, no presídio da Papuda, há “ausência de regularidade de alguns cuidados médicos tidos por indispensáveis ao paciente”.

G1

Segundo Deputado, a pistolagem começa a voltar à tona na Paraíba

O clima de violência durante a campanha eleitoral em alguns municípios paraibanos fez o deputado Luiz Couto se pronunciar na Câmara Federal e pedir tropas federais para algumas cidades. Segundo Couto, “a pistolagem começa a voltar à tona na Paraíba”.

Durante pronunciamento, o deputado narrou que após quatro tentativas de assassinato já registradas na Paraíba, tendo lideranças políticas e candidatos a prefeitos e a vice-prefeitos como alvos, no último final de semana foi a vez de um dos coordenadores da campanha da candidata à prefeita de Pombal – Polyana Feitosa (PT), o engenheiro agrônomo José Tavares de Araújo Neto, mais conhecido por Boquinha.

O parlamentar informou que o engenheiro registrou ocorrência na Delegacia de Polícia da cidade alegando que vem recebendo ameaça de morte. Couto relatou que, com as provas em mãos, a vítima apresentou uma correspondência onde a pessoa que a ameaça diz o seguinte: “Boquinha, se você continuar a conversar muita besteira, vai se arrepender. É melhor parar agora, depois pode ser tarde demais”. “Assina como amigo”.

Luiz Couto disse esperar que a polícia tome as providências, pois, segundo ele, a política é um espaço de discussão de ideias e propostas e não de violência como alguns querem. “Que cada eleitor possa escolher os seus candidatos de forma livre e soberana e não através de ameaça ou tentativa de assassinato, como tem acontecido”, completou.

O deputado pediu ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que acione a Polícia Federal para coibir a violência “que estão tentando implantar em Pombal”. “Também apelo à Justiça Eleitoral que solicite tropas federais para o município”.

Com PolíticaPB

Campinense recebe Baraúnas e inicia luta para voltar à Série C

Desde 2008, quando iniciou sua primeira passagem pelo Campinense, o técnico Freitas Nascimento já disputou 10 mata-matas, esses decisivos jogos divididos entre a ida e a volta.

Entre Campeonato Paraibano, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro, de lá pra cá, nas suas três passagens pelo clube, o comandante rubro-negro soma seis vitórias em fases como essa, onde os “boleiros” também costumam chamar de “jogo de 180 minutos”.

Com essa experiência, aliada ao mistério nos treinamentos durante a semana, Freitas começa hoje, às 20h, no Estádio Governador Ernani Sátyro – “O Amigão”, em Campina Grande, contra o Baraúnas-RN, a última batalha até chegar ao segundo objetivo da Raposa na temporada: o acesso à Série C 2013.

As equipes já se encontraram três vezes em 2012, sendo um amistoso na pré-temporada, em janeiro, e as duas partidas pela fase de grupos da Série D. Uma vitória para cada mandante, repetidos 2 a 1 no marcador, e um empate em Campina Grande (1×1), no início do ano.

– Todos se conhecem sim. Hoje em dia a internet, a velocidade da informação, possibilita aos times conhecerem uns aos outros. Mas aí é onde entra o detalhe, uma jogada ensaiada, um disposição tática diferente. Nessa reta final, todo mistério é válido – comentou o treinador do Campinense, que fechou os portões do Amigão para imprensa e torcida no coletivo apronto de quinta-feira.

Em Mossoró o segredo é menor. O técnico do Baraúnas, Wassil Mendes, vai poder contar com os zagueiros Michel e Nildo, além do volante Sorato. Os três cumpriram suspensão por cartão contra o Sousa, na vitória do último domingo.

Quem passar dessa fase estará na terceira divisão do futebol brasileiro em 2013. A única vantagem do Baraúnas, que tem melhor campanha do que o Campinense até aqui, é decidir em casa.

Para mediar o primeiro duelo dos paraibanos contra os norte-riograndenses, o árbitro escalado através de sorteio pela CBF foi o sergipano Cláudio Francisco Lima e Silva, que terá os auxílios dos pernambucanos Elan Vieira de Sousa e José P. Wanderley da Silva.

paraibaonline

Desportiva empata com o Atlético e dá adeus ao sonho de voltar a 1ª Divisão

 

Em partida válida pela última rodada do Campeonato Paraibano da 2ª Divisão, a Desportiva Guarabira, jogando no Silvio Porto, necessitava apenas de uma vitória simples contra a equipe do Atlético de Cajazeiras que veio para Guarabira já comemorando o título antecipado, com poucos titulares e apenas dois jogadores no banco de reservas.

O jogo começou nervoso e os atletas do time guarabirense tensos dentro de campo. Na primeira etapa foram poucos os lances de perigo de gol para ambos os lados.

No segundo tempo, o time da casa começou a pressionar a equipe do sertão e o nome do jogo, o goleiro Aloísio, um dos poucos titulares, apareceu por diversas vezes evitando o que poderia ser o passaporte da Desportiva para elite do futebol paraibano.

A cada minuto passado o jogo foi ficando mais tenso e os jogadores do Atlético tão somente se defendiam para garantir a todo custo o empate. Erros grotescos da arbitragem de José Renato, juiz da partida, irritaram torcedores e jogadores e o empate persistiu até o final da partida.

Sendo assim, como o Cruzeiro de Itaporanga fez seu dever de casa, vencendo o Miramar de Cabedelo, as duas equipes do sertão garantiram vaga no pelotão de elite do futebol paraibano para a temporada 2013.

Ao final da partida muitos torcedores foram de encontro ao árbitro discordando de sua atuação e houve confusão em um dos portões do estádio.

Em entrevista o técnico Cirino e o Presidente Domingos, da Desportiva, concordaram sobre a atuação de baixo nível do juiz José Renato e a cerca de que com a pouca quantidade de recursos que tinha a Desportiva, o time conseguiu chegar até onde pôde. Os dois parabenizaram o elenco, que saiu de campo cabisbaixo.

Nordeste1

Ex-prefeitos que disputam eleição para voltar ao cargo são mais de 3 mil em todo o país

O grande número de ex-prefeitos que se candidataram este ano para voltar ao cargo é um fato que divide opiniões no meio acadêmico. Pesquisa feita pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) mostra que mais de 3 mil candidatos a prefeito nas eleições de outubro já ocuparam o cargo. Eles foram eleitos nos pleitos de 1996, 2000 e 2004.

Para alguns cientistas políticos, a busca permanente pelo poder municipal é reflexo de uma democracia incipiente, que possibilita ao candidato estabelecer feudos políticos. Outros, no entanto, consideram a prerrogativa de disputar um cargo que já foi exercido nada além do exercício pleno da democracia, que transfere ao povo o poder de colocar quem quiser no cargo.

Para o cientista político José Luciano Dias, da Universidade de Brasília (UnB), é normal um político buscar  exercer novamente um cargo como o de prefeito. Dias não faz críticas ao que chama de “pensamento de classe média”. Segundo ele, o problema é que “pensadores” dessa classe social, que representa 7% dos brasileiros, “acha que pode impor aos mais pobres em quem deve votar”.

Luciano Dias qualifica de “bobagem” essa postura e lembra que, na hora em que digita na urna eletrônica o número de seu candidato, a população mais pobre exerce o direito de escolher aquele que prefere ver no cargo.
“Esse eleitor é pragmático e vota em quem satisfaz suas necessidades. Não adianta querer impor uma decisão utópica, que tire o poder do eleitor de escolher em quem votar”, diz o cientista político.

Também cientista político da UnB, João Paulo Peixoto faz uma avaliação diferente da de Luciano Dias. Candidaturas recorrentes ao mesmo cargo não passam de um método criado pelos políticos para estabelecer “feudos”, nos quais eles dominam o eleitorado, ressalta Peixoto.

Para ele, não há leis capazes de modificar tal realidade. Trata-se de um problema cultural da sociedade brasileira, que convive com um capitalismo incipiente, que se reflete na política, fazendo com que haja pouca renovação dos quadros existentes, explica.

“Nos Estados Unidos, por exemplo, o político chega à Presidência da República e, cumprido o mandato, vai para casa. Não tem esse negócio de se candidatar a senador, a deputado ou a governador, como no Brasil”, acrescenta Peixoto. De acordo com ele, depois de cumprir o mandato na prefeitura, o político brasileiro deveria buscar novas cargos, como parlamentar federal ou até mesmo governador.

O cruzamento de dados feito pela Confederação Nacional dos Municípios demonstra, por exemplo, que 1.075 políticos que foram prefeitos entre 2005 e 2008 querem retornar ao cargo e vão disputar as eleições deste ano. Com 207 ex-prefeitos na disputa, Minas Gerais é o estado com maior número de candidatos a voltar à prefeitura.

Agência Brasil