Arquivo da tag: vive

Após 18 sangrias em 60 anos de história, Boqueirão vive pior seca

(Foto: Reprodulção/TV Paraíba/Arquivo)
(Foto: Reprodulção/TV Paraíba/Arquivo)

O açude Epitácio Pessoa conhecido como Açude de Boqueirão, no Cariri paraibano completa 60 anos de fundação nesta segunda-feira (16) em uma realidade preocupante. Depois de já ter sangrado por 18 vezes, o manancial vive a pior seca de sua história, estando em um nível de apenas 4,8% da capacidade total. Abastecendo Campina Grande e outras 18 cidades do Agreste paraibano, a esperança de dias melhores para o açude está na conclusão das obras da Transposição do Rio São Francisco.

Com capacidade para armazenar 411,686 milhões de metros cúbicos de água, o manancial inaugurado em 16 de janeiro de 1957 está com apenas 18,565 milhões, conforme os dados da Agência Executiva de Gestão de Águas da Paraíba (Aesa). Por conta do baixo nível, as cidades abastecidas enfrentam um forte esquema de racionamento de água há mais de dois anos. Segundo o especialista e recursos hídricos, Isnaldo Luna, que durante 20 anos monitorou o açude como gerente de bacias hidrográficas da Aesa, o açude de Boqueirão divide momentos de sangrias maravilhosas, mas também de secas terríveis.

Sangrias e secas
O açude que hoje comemora 60 anos tem registrado em sua história eventos que são de sangrias maravilhosas e também de secas terríveis. “Desde a inauguração ele sangrou 18 vezes, nos anos de 1967, 1968, 1973, 1974, 1975, 1976, 1978, 198, 1984, 1985, 1986 e 1989. Depois ele passou 15 anos sem sangrar.

Em 28 de dezembro de 1999, o manancial atingiu o pior nível de sua história, antes da seca atual, chegando ao nível de 14%. Os dias de preocupação acabaram da época cessaram em 1º de fevereiro de 2004 voltou a atingir o nível máximo. As outras novas sangrias ocorreram em 2005, 2006, 2008, 2009 e 2011”, contou o especialista.

Melhor fase da história
Quando o açude de Boqueirão sangrou pela última vez, em 2011, ele teve a melhor fase de sua história. Segundo os dados da Aesa, ele passou 202 dias transbordando água sem parar. A sangria começou no dia 6 de março de 2011 e só parou no dia 22 de setembro daquele ano.

“Toda essa história mostra que o açude é resistente, mas precisa de mais atenção para que possa ter um bom inverno e depois superar os dias difíceis. Desde que houve a última seca em 1999, se passaram 18 anos e não foi feita nenhuma mudança para garantir a segurança hídrica. E isso não é só em relação ao governo, mas a própria população. É preciso aproveitar mais a água da chuva. Parece que as pessoas esqueceram que moramos no Nordeste”, explicou ele.

Operários trabalham no canal que vai levar água da Transposição em Monteiro (PB) (Foto: Katherine Coutinho / G1)Operários trabalham no canal  da Transposição em
Monteiro (Foto: Katherine Coutinho/G1/Arquivo)

Transposição
Vivendo a pior seca de sua história, a esperança de dias melhores para o açude Epitácio Pessoa está na conclusão da obra da Transposição do Rio São Francisco. A previsão é que a água chegue ao açude neste primeiro semestre de 2017. A transposição deságua em Monteiro e segue até Boqueirão passando por rios e outras barragens.

Para agilizar o processo, por meio de uma parceria agenciada pelo Ministério da Integração, o Governo do Estado São Paulo vai empresar quatro conjuntos de motobombas e outros equipamentos da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). A previsão é de que essas bombas antecipem a chegada das águas em 25 dias.

Sobre a transposição, Isnaldo Cândido disse que ela está sendo um “plano B” para a falta de chuvas e vai chegar em excelente hora. Entretanto, ele destacou que é preciso ter uma melhor gestão da água, pois o mal uso dessa água, mesmo com a transposição,  pode fazer com que a região enfrente novas crises no futuro.

“É preciso entender que a água é um bem finito em qualquer parte do mundo e se não houver gestão ela acaba. Que o governo faça uma boa gestão da água desde já e que as pessoas também se conscientizem de que não podem usar a água como querem”, disse ele.

Medidas de segurança
Para garantir uma segurança hídrica, o especialista destacou medidas que podem ser adotadas a curto e longo prazo. Isnaldo Cândido disse que esta seca precisa deixar um legado para o alerta de novos cuidados para o futuro.

“A construção civil precisa começar a usar medidas alternativas e não usar água tratada para construção. A Indústria também precisa reutilizar a água. As prefeituras e o governo precisam construir os novos prédios já com sistemas de aproveitamento da água da chuva. E os consumidores precisam entender que no Nordeste as cisternas são necessárias. Tem que aproveitar a água da chuva e reutilizar o que puder”, explicou ele.

G1 PB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Vasco cede empate ao Luverdense e vive drama na reta final da Série B

vascoO Vasco vive um drama na reta final da Série B. Nesta terça-feira (9), pela 35ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, o Vasco saiu à frente do placar, mas cedeu o empate ao Luverdense em São Januário e chegou ao terceiro jogo sem vitória na competição.

Thales marcou para os donos da casa, mas Alfredo deixou tudo igual para os visitantes. Com o empate, o Vasco fica na terceira posição, com 59 pontos, mesma contagem do Bahia, segundo colocado. Mas viu a diferença para o primeiro time fora do G-4, o Naútico, cair para apenas dois pontos.

A partida desta terça ainda ficou marcada pelo baixo público em São Januário, poucos mais de 2.500 pagantes, e pela proibição do Vasco às torcidas organizadas Guerreiro do Almirante e Torcida Jovem de entrarem no estádio.

Vasco afasta pressão no primeiro tempo com gol de Thales

O time de Jorginho não começou bem a partida. Mais tranquilo em campo, o Luverdense levou perigo pelo menos duas vezes nos minutos iniciais, forçando Jordi fazer boa defesa aos quatro minutos. Com o passar do tempo, o Vasco foi se encontrando no jogo, principalmente pelos pés de Nenê. E foi camisa 10, aliás, que surgiu o passe milimétrico para Thales abrir o placar aos 20 minutos.

Cara a cara com o goleiro Diogo Silva, velho conhecido do torcedor Cruzmaltino, Thales bateu rasteiro e colocado para aliviar o clima de pressão que rondava a Colina. Mesmo pós sair à frente, o Vasco não conseguiu dominar completamente o Luverdense, que assustava pelas descidas nas laterais, embora não tenha produzido nenhuma grande chance de gol. Apesar disso, o time não sofreu grandes sustos.

Luverdense empata no segundo tempo e Vasco sente o baque

Se o primeiro tempo serviu para tirar a pressão do Vasco, o início da etapa final serviu para trazê-la de volta. Logo aos sete minutos, Jordi deu rebote em cobrança de escanteio desviada, e Alfredo aproveitou a sobra para testar às redes. E o Vasco sentiu o gol.

O Cruzmaltino chegou com perigo apenas aos 27 minutos, com Julio César após passe de Nenê. Mais uma vez, Diogo Silva evitou o gol do Vasco. À vontade no jogo, o Luverdense continuou chegando bem em velocidade pelas laterais, assustando a torcida em São Januário.

Ex-Vasco, Diogo Silva salva o Luverdense

Apontado por muitos vascaínos como um dos responsáveis pelo rebaixamento da equipe em 2013, o goleiro Diogo Silva fez uma grande partida. Ele foi xingado e vaiado na entrada de campo, mas deu o troco à altura: fechou o gol dos visitantes e evitou a vitória do Vasco em chute de Luan aos 40 minutos do segundo tempo. No finzinho, em bate-rebate na pequena área, ele ainda salvou o Luverdense mais uma vez,

Diretoria proíbe entrada de organizadas

Por determinação da diretoria, as torcidas organizadas Guerreiros do Almirante e Força Independente foram proibidas de entrar em São Januário. A alegação do Vasco é que a medida foi tomada para evitar transtornos.

Além disso, o setor da social onde fica a parcela mais crítica da torcida foi isolado. O motivo apresentado foi a presença dos andaimes que estão sendo utilizados para pintar a marquise. O setor, aliás, fica ao lado da sala da Presidência, onde Eurico Miranda costuma assistir aos jogos do Vasco. No último jogo em São Januário, contra o Avaí, ele foi alvo de críticas e protesto.

Desfalques fazem Jorginho mexer no time

O Vasco teve três desfalques para o jogo desta terça. Sem poder contar lateral direito Madson e o volante Douglas, suspensos, e com o goleiro Martin Silva, que se apresentou à seleção uruguaia para as Eliminatórias da Copa, Jorginho precisou mexer na equipe. Escalou Jordi gol e Yago Pikachu na lateral direita, enquanto apostou em Bruno Gallo como segundo homem no meio de campo.

Aproveitamento do Vasco despenca no segundo turno

Dois números resumem a campanha do Vasco na Série B. O Gigante da Colina teve 68% de aproveitamento no turno da competição, mas tem apenas 41% no returno da competição.

FICHA TÉCNICA
VASCO DA GAMA 1 X 1 LUVERDENSE

Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 8 de novembro de 2016 (Terça-feira)
Horário: 21h30(de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS)
Assistentes: Elio Nepomuceno de Andrade Junior (RS) e Lucio Beiersdorf Flor (RS)
Gols: Thales, 20′ do 1º tempo; Alfredo, 7′ do 2º tempo

VASCO: Jordi, Yago Pikachu, Luan, Rodrigo e Julio Cesar; William, Bruno Gallo, Andrezinho e Nenê; Jorge Henrique e Éderson.
Técnico: Jorginho

LUVERDENSE: Diogo Silva, Raul Prata, Everton, Gabriel Valongo e Paulinho; Jean Patrick, Ricardo, Rafael Silva e Sérgio Mota; Douglas Baggio e Alfredo.
Técnico: Júnior Rocha

uOL

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Síndrome do Pensamento Acelerado atinge quem vive em grandes centros e quer estar conectado o tempo todo

estressePensar em várias coisas ao mesmo tempo, participar de muitas reuniões, checar o celular a todo momento e chegar ao fim do dia com a sensação de que são necessárias mais 24 horas para cumprir todas as obrigações. Era assim que se sentia a jornalista Flavia Lobo, de 40 anos. Ela se cobrava demais no trabalho e na elaboração da tese de mestrado. Não percebeu que o excesso de perfeccionismo e a má gestão do próprio tempo anunciavam o esgotamento físico e emocional.

“Me cobrava estar perfeita no trabalho e perfeita com a demanda do estudo. Um dia, voltando do mestrado, eu passei mal dentro do ônibus. Eu tive um desmaio curto, mas foi um desmaio. E desci do ônibus bastante fraca, no meio do caminho. O meu corpo inteiro doía. Como se fossem câimbras, ele doia muito. Eu fui ao hospital, os médicos vieram conversar comigo, eles falaram: Flávia, você está com o que a gente chama de Burnout. Ou seja, é como se você tivesse queimado o seu corpo até o talo”.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

O excesso de informações no dia a dia e a rotina desgastante são os principais fatores para o surgimento de sintomas típicos de ansiedade. A falta de atenção, dificuldades de memória, fadiga e, principalmente, alterações no sono e irritabilidade são características da chamada Síndrome do Pensamento Acelerado. O termo ainda não é amplamente adotado por psicólogos e psiquiatras, mas pessoas relatam sentir os sintomas. Pesquisador do assunto, o psiquiatra Augusto Cury explica que essa vontade de querer checar e resolver tudo ao mesmo tempo funciona como uma bomba-relógio para a saúde e pode impactar as relações pessoais.

“A Síndrome do Pensamento Acelerado ocorre devido aos excessos de uma sociedade altamente consumista e urgente. Por exemplo: excesso de informação, excesso de uso de smartphones. Há jovens que têm depressão…angústia, quando ficam algumas horas sem contato com redes sociais. Adultos que ficam o dia inteiro no celular, inclusive no final de semana, o que trai a sua saúde, o seu sono. Tenha uma conexão com o celular, mas tenha uma conexão consigo mesmo”.

Já a professora do departamento de psiquiatria da Escola Paulista de Medicina, Elisa Bretzke, pondera e afirma que a sensação de sobrecarga mental nem sempre é sinal de algum transtorno.

“Essa dificuldade que algumas pessoas referem de se sentirem sobrecarregadas podem acontecer em uma variedade de contextos. Ela pode ser uma coisa normal, esperada, se a pessoa está numa situação de vida que tem uma demanda maior. Ela pode ser um sintoma de transtorno de ansiedade, uma depressão. Ou ela pode ser uma adaptação a alguma circunstância normal da vida”.

A palavra de ordem para quem sofre os sintomas do Pensamento Acelerado é… desacelerar. Dedicar períodos a momentos de descanso e lazer, se cobrar menos e procurar uma atividade física são formas de aliviar a correria. Professora de yoga há 10 anos no Rio, Roberta de Amorim conta que muitos alunos relatam sintomas de ansiedade.

“A maioria dos alunos é assim, né? A maioria das pessoas que procura a gente, claro que tem outros motivos, mas 98% das pessoas são aceleradas demais.  Vivem no 220. Então eles querem, até pelo estresse. A ansiedade também é causada pelo estresse que a pessoa está vivendo. Então a prática do ioga ajuda bastante”.

Embora seja mais comum em adultos, a Síndrome do Pensamento Acelerado também pode atingir crianças e adolescentes. Por apresentarem traços semelhantes, transtornos de ansiedade podem ser confundidos com hiperatividade. Foi o que aconteceu com a estudante de psicologia Natália Margem, de 23 anos. Na adolescência, ela foi diagnosticada como hiperativa e tomou ritalina por cinco anos. Hoje, depois de ter passado pela faculdade de psicologia, ela afirma que o diagnóstico estava errado…

“Tudo começou com as notas baixas do colégio. Eu sou uma pessoa acelerada, falo alto, é uma coisa minha. É uma coisa controlável mas que não precisa ser diagnosticada como hiperatividade. As vezes é um momento. Hoje em dia eu sou bem menos ansiosa do que eu era com 12 anos de idade”.

Não há dados oficiais sobre a incidência da Síndrome do Pensamento Acelerado, cuja nomeclatura ainda não é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde. No entanto, segundo os últimos dados da OMS, de 2013, 10% dos brasileiros sofrem de algum transtorno ligado à ansiedade.

 

 

CBN

Comerciante busca por familiares de mulher solanense que vive abandonada em Goiânia

Luzia Clotilde Germana da Silva
Luzia Clotilde Germana da Silva

Fabiana Cardoso Mecias procura por algum parente da senhora, Luzia Clotilde Germana da Silva, de 48 anos, que está morando no Centro de Goiânira, em Goias. Desde o mês de dezembro de 2014 que a Fabiana cuida de dona Luzia.

Luzia mora debaixo de uma varanda em uma casa abandonada, na Avenida José Rodrigues Naves, Quadra 33, no Centro de Goiânia-GO. A comerciante, em contato com a redação do Bananeiras Online, contou que “a senhora todos os dias fala que quer ver os filhos, ela mora na rua, mas passa o dia quase todo no meu comércio, lancha, almoça, janta e também toma banho”, revelou.

O que Fabiana sabe é que a senhora tem três filhos, Célia, Luiz Henrique e Beatriz e que moram com seus pais na zona rural de Solânea-PB. “O pai de Luzia se chama Edgar e a mãe Clotilde Germana e tem nove irmãos”, disse a comerciante. Ela não soube precisar a localidade, mas falou que a família mora próximo ao sítio Covão, perto do sítio Serra Branca, em Solânea.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Qualquer informação é só ligar para o número (62) 8625-2013, ou entrar em contato com Fabiana pela sua página, no facebook.

Bananeiras Online

Agricultor de 25 anos vive como marido de menina que tem apenas 10, no Sertão da Paraíba

catingueiraUma ocorrência registrada pela Polícia Militar de Catingueira, a 315 quilômetros de João Pessoa, chocou os moradores da cidade de cerca de 5 mil habitantes,  que fica encravada no Sertão da Paraíba, nessa quinta-feira (15). A avó de uma menina de dez anos denunciou à polícia que um agricultor de 25 anos estaria vivendo com a neta, como marido, na Zona Rural do município.

O agricultor foi detido e levado para a Delegacia do município vizinho de Piancó, onde foi ouvido pelo delegado de plantão e depois liberado.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Sobre o fato do agricultor estar em liberdade, o delegado de Piancó, José Pereira de Sousa, explicou que ele foi ouvido, mas como não houve flagrante e por isso não ficou preso. José Pereira disse que fez os encaminhamentos para que a menina fosse levada na manhã desta sexta-feira (16) para fazer exames na Gerência de Medicina e Odontologia Legal (Gemol) no município de Patos, que fica na mesma região.

O delegado disse que está aguardando o resultado dos exames e se ficarem comprovadas as denúncias, o suspeito irá responder pelo crime de estupro de vulnerável. Ele disse ainda que encaminhará o processo de investigação para a delegacia especializada que atende o município de Catingueira, para que dê  procedimento ao caso.

José Francisco contou que o agricultor, ao ser ouvido extraoficialmente, teria admitido a relação com a menina e dito que teria acontecido há cerca de uma semana.

O mais impressionante nesse caso é que as informações repassadas pela Polícia Militar de Catingueira são de que a mãe da menina saberia do caso e aceitaria a situação.

“Os três estavam vivendo no mesmo casebre e, para a mãe, que tinha conhecimento de tudo, o agricultor era tido como um rapaz de bem”, contou o soldado Vandemberg, que efetuou a prisão do suspeito.

A avó da criança teria procurado a polícia assim que tomou conhecimento do que estava acontecendo. De acordo com o soldado Vandemberg, o agricultor e a menina estariam namorando há um mês, e após ele ter mantido relações com a criança, teria vindo morar no casebre com a menina e a mãe dela.

 

 

portalcorreio

PE ainda vive clima de tensão após fim de greve de PMs

greve-da-pmApesar da presença ostensiva de soldados da Força Nacional na Região Metropolitana do Recife, a madrugada desta sexta-feira, 16, foi marcada por saques e tentativas de arrombamento em diversos pontos da cidade. Na zona sul, nos bairros de Boa Viagem e Pina, dois supermercados foram saqueados depois que vândalos quebraram as portas e grades. Televisores, eletrônicos de pequeno porte, roupas e alimentos foram levados. Pelo menos um suspeito foi preso por integrantes da Força Nacional quando tentava esconder uma TV de 32 polegadas no vão de um viaduto próximo ao local. Outro estabelecimento do mesmo tipo foi saqueado no final da noite de quinta no bairro do Arruda, na zona norte do Recife.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Nos bairros do Cordeiro e Cidade Universitária, na zona leste da cidade, houve registro de arrastões e assaltos a coletivos, de acordo com o plantão da Coordenadoria de Polícia Civil. Em pelo menos duas ocorrências houve feridos. Um deles foi o aposentado Hildo França, que levou um tiro de raspão no braço após reagir a uma tentativa de assalto na porta de casa.

No município de São Lourenço da Mata, onde está localizada a Arena Pernambuco, que vai sediar os jogos da Copa do Mundo, uma loja de eletrodomésticos foi saqueada. Cerca de 50 pessoas invadiram o local e levaram TVs, celulares, eletrodomésticos e dezenas de outros produtos. Quatro suspeitos foram presos e encaminhados para a Delegacia de Camaragibe, cidade vizinha.

Nos municípios de Abreu e Lima e Paulista, localizado ao norte da região metropolitana, a madrugada foi de tensão. Depois de mais de 150 lojas terem sido saqueadas nas duas cidades durante o período mais crítico da paralisação (noite e madrugada da última quarta para quinta-feira) os comerciantes locais apelaram para a contratação de seguranças privados em larga escala. Não houve registro de novos saques nas últimas 12 horas na região.

Na manhã desta sexta-feira pelo menos quatro ocorrências de tentativas e assaltos foram registradas na zona norte da cidade. No bairro dos Aflitos, assaltantes tentaram roubar uma van escolar e foram impedidos por populares. Minutos depois policiais miliares chegaram ao local e prenderam um dos suspeitos. No bairro de Casa Forte uma padaria e uma farmácia foram roubadas logo que abriram as portas, por volta das 8h. Os assaltantes renderam os funcionários que abriram os estabelecimentos, roubando produtos das lojas e pertences dos mesmos. Um posto de gasolina no bairro de Campo Grande também foi assaltado por dois homens em uma moto. O Instituto de Medicina Legal (IML) recolheu 13 corpos na região metropolitana desde a noite da quinta-feira até às 7h da manhã desta sexta.

Acordo

Após três dias de pânico, bombeiros e policiais militares de Pernambuco decidiram encerrar a greve na noite desta quinta-feira, 15. Em assembleia, a categoria aceitou a proposta do governo de incorporar a gratificação por risco de vida ao salário. A remuneração passa de R$ 1,9 mil para R$ 2,8 mil por mês – os militares pediam até 50% de aumento. A Força Nacional de Segurança teve de agir no Grande Recife em meio à onda de saques, arrastões, assaltos e homicídios, e fica nesta cidade ainda nesta sexta.

Estadão

 

Em Guarabira, irmão que vive com irmã de sangue agora é acusado de estuprar a sobrinha

Casos de polícia1O caso foi denunciado na manhã do sábado (12), ao Conselho Tutelar e encaminhado à Delegacia da Mulher da cidade de Guarabira.

Ailton de Lima Santos, 22 anos, residente no bairro Santa Terezinha, na Rainha do Brejo, que disse na delegacia ter um relacionamento amoroso com a sua própria irmã, de 34 anos, há cerca de um ano, está sendo acusado de abuso sexual contra a filha da sua irmã, uma adolescente de apenas 14 anos de idade.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

De inicio ele negou as acusações, mas depois confessou ter mantido relações sexuais com a menor, com o consentimento da mesma.

Em entrevista à imprensa, a conselheira tutelar, Marisa, disse que desde que começaram os abusos a adolescente perdeu a fala e só consegue se comunicar com as pessoas através de mímica. Marisa disse também que, sempre que é indagada sobre o fato, em maios à lágrimas, a vítima confirma balançando a cabeça e demonstra ter muito medo do acusado.

Ainda segundo a conselheira, a mãe da vítima disse que não acredita nas acusações da filha e sai em defesa do seu irmão e amante.

O caso foi entregue à delegada da mulher, Dra. Juliana Brasil, que deu início aos procedimentos cabíveis.

 

Juka Martins, do Portal Mídia

“A imprensa vive uma crise de credibilidade”, diz Bruno Torturra, da Mídia Ninja

Nessa segunda-feira (7/10), IMPRENSA promove a segunda edição do seminário internacional mídia.JOR. Bruno Torturra, um dos líderes do Mídia Ninja (braço jornalístico do movimento Fora do Eixo), participou do painel “Os desafios da cobertura de conflitos: valor da notícia x liberdade de imprensa”.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

 

Crédito:Alf Ribeiro
Torturra defende que a rua é lugar de jornalista, tanto quanto dos manifestantes

 

 

Para o jornalista, a violência contra os profissionais da mídia durante os protestos de junho foi resultado da falta de reflexão por parte da polícia e dos manifestantes acerca do papel da imprensa em uma democracia, além de uma reação provocada pelo próprio jornalismo que, segundo a população, não representava o povo.

 

IMPRENSA – Como a cobertura da Mídia Ninja influenciou os demais meios de comunicação?

Bruno Torturra – Essa pergunta pode ser melhor respondida pelos outros veículos. Acho que provocou, de alguma forma, os veículos a estarem um pouco mais dentro das próprias manifestações. Teve uma questão estética, em que alguns veículos houve uma influência clara – de usar celulares, de entrar mais no meio das pessoas para transmitir ao vivo. E acho que gerou um debate muito forte sobre a própria mídia, em tempos de crise financeira, e sobre qual o papel do jornalista dentro de uma grande crise social e política de uma sociedade em rede.

 

Quais são os maiores desafios de cobrir uma manifestação?

Por elas não terem uma organização vertical é muito difícil você prever o que vai acontecer. Isso deixa o trabalho jornalístico ainda mais importante: você estar presente de fato, testemunhar e relatar como a coisa está se desenrolando. O desafio é você justamente não saber o que vai acontecer, você tem que estar preparado para tudo, para uma repressão policial violenta e um eventual descontrole dos manifestantes, eventos inesperados mesmo. Pessoalmente, não acho muito difícil cobrir, já que temos uma equipe muito ágil, com experiência em manifestações e equipamentos muito simples de usar.

 

Por que, na sua opinião, os jornalistas viraram alvo, tanto de manifestantes quanto da polícia?

É uma boa pergunta. Acho que isso tem dois lados. Um é a pouca reflexão por parte da polícia e dos manifestantes de entender que, se a gente de fato está em uma democracia, a imprensa é radicalmente fundamental para esse processo acontecer de maneira madura e saudável. Entender que a rua também é lugar do jornalista. Se os manifestantes estão lutando pelo direito de estar na rua, é injusto e ignorante expulsar [os repórteres].

 

Apesar de uma reação, para mim, totalmente inadequada, também tem o lado de algo que a mídia provocou nos manifestantes ao longo de muitos anos de uma erosão de credibilidade como representantes do povo. A imprensa vive uma crise de credibilidade, as pessoas identificam a mídia como parte do poder opressor. Existe uma autocrítica que a mídia precisa fazer. Mas expulsar os jornalistas e agredi-los não é justo.

 

Qual a importância que você vê em um evento como o mídia.JOR, que debate o jornalismo?

Hoje em dia, acho fundamental, pois se discute pouco o jornalismo. Tem um movimento importante começando esse processo de reflexão, de autoanálise do jornalismo. Mas, em tempos de crise financeira do jornalismo e do desabrochar de novas possibilidades tecnológicas, culturais e de redes para difusão de informação, é fundamental que o jornalista repense seu papel.

 

portalimprensa

Advogado de sacerdote condenado por abuso diz que ele vive de caridade

Julio César GrassiEm uma desesperada tentativa de melhorar sua imagem, o réu Julio César Grassi busca demonstrar que sua vida está marcada por uma austeridade monástica. Uma apresentação jurídica de seu advogado a qual tivemos acesso, diz sobre o sacerdote condenado: “Vive da caridade”.

Juan José Díaz afirmou em um documento ao Juizado Nacional de Primeira Instância no Contencioso Administrativo Federal N° 11, secretaria 21, que se propõe litigar sem gastos.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Em transcrição respeitosa da sintaxe original: “A presente ação se baseia na condição de pessoa humilde e de escassos recursos econômicos de seu representado, o que motiva que se encontre frente à impossibilidade de enfrentar os gastos inerentes ao processo judicial”.

O representante do réu acrescenta: “Não se celebrou convênio de quota litis nos termos da lei de honorários, e que o Sr. Julio César Grassi não é proprietário de nenhum bem imóvel e/ou móvel registrável, nem é titular de contas correntes, caderneta de poupança, investimentos bancários, títulos ou ações”.

“Outrossim”, continua o escrito, e afirma: “Vive da caridade, já que não tem salário nem remuneração alguma como sacerdote católico apostólico romano congregado na diocese de Morón, província de Buenos Aires, sendo a atividade que lhe demanda mais tempo – além da própria missão sacerdotal – a de administrar a Fundação Felices Los Niños, dedicada à alimentação, cuidado, educação e contenção de crianças carentes com problemas de família ou com falta dela”.

Em junho de 2009 Grassi foi condenado por abuso sexual reiterado contra um menino que o expediente judicial chama simplesmente de “Gabriel”, para protegê-lo. A Câmara de Cassação da província de Buenos Aires ratificou a sentença, mas os defensores de Grassi recorreram à Suprema Corte bonaerense. Enquanto isso, Grassi estava livre. Tal como informou o jornal Página/12 no último dia 22 de abril, a Sala Um da Câmara de Apelações de Morón estabeleceu que corresponde “revogar o regime alternativo à prisão preventiva” e “proceder à detenção do citado”. Os camaristas Fabián Cardozo e Elisabet Miriam Fernández entenderam que Grassi violou as condições de liberdade restrita que gozava. Segundo o tribunal, está “comprovado, sem hesitação alguma, o descumprimento, por parte de Julio César Grassi, de sua obrigação de não referir-se publicamente a nenhuma das vítimas nem a qualquer outra pessoa intimamente ligada às mesmas”, irregularidade que Grassi teria cometido em uma entrevista na televisão.

Quando comentou a decisão dos camaristas ao Página/12, o advogado Juan Pablo Gallego disse que “o que esperamos como denunciantes, e o que esperam as vítimas, não só ‘Gabriel’, mas também os outros dois meninos que denunciaram Grassi e não foram escutados pela Justiça, é que o padre seja preso, porque já foi condenado duas vezes por pedofilia, e é incrível que continue em liberdade”. Gallego opinou que “por um delito menos grave, está na cadeia o goleiro Pablo Migliore”.

Sem sentença como Grassi, o goleiro do San Lorenzo cumpre prisão preventiva desde 31 de março por suposto delito de encobrimento agravado em favor do torcedor do Boca Maximiliano Mazzaro.

Debate mundial
Em 2009 Grassi foi condenado há 15 anos pelo delito de corrupção de menores.

As atuações contra o réu argentino se produzem em meio a uma polêmica mundial sobre a pedofilia que recrudesceu depois da eleição do papa Francisco.

No dia 5 de abril, Francisco ordenou a Gerhard Ludwig Müller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, que atue “com decisão contra os casos de abusos sexuais”. Também o instruiu para que atue em apoio daqueles que no passado padeceram “semelhantes violências” inclusive quando haja processos contra os culpáveis.

Os escândalos se tornaram mais conhecidos desde 2000 e chegaram ao ponto que no último conclave de eleição papal o cardeal escocês Keith O’Brien tomou a decisão de não participar porque disse haver tido “comportamentos impróprios” com relação a quatro sacerdotes.

Depois da inauguração de seu pontificado, Jorge Mario Bergoglio nomeou um conselho de oito cardeais para assessorá-lo no governo da Igreja Católica: o italiano Giuseppe Bertello, os latino-americanos Oscar Andrés Rodríguez Madariaga, arcebispo de Tegucigalpa, e Francisco Javier Errázuriz Ossa, emérito de Santiago; o alemão Reinhard Marx, arcebispo de Munique; o arcebispo de Bombaim, Índia, Oswald Gracias; George Pell, cardeal de Sydney, Austrália; Laurent Monsengwo Pasinya, cardeal de Kinshasha, República Democrática do Congo; e o arcebispo de Boston, Estados Unidos, Sean Patrick O’Malley. O sacerdote e vaticanólogo estadunidense Thomas Reese disse que ele “tem um histórico muito bom de limpar casos de abusos sexuais nas três dioceses nas quais trabalhou nos Estados Unidos” e que “aparece como um homem santo em sua túnica franciscana”. O cardeal usou o dinheiro da arquidiocese de Boston para compensar as vítimas de pedofilia abusadas por sacerdotes e para lançar uma campanha pública de advertência e prevenção.

O debate mundial é cada vez mais cru e menos canônico. No domingo 17 de março, Página/12 publicou que a diocese de Quilmes foi condenada a pagar 155 mil pesos mais juros de 10 anos a uma pessoa abusada quando tinha 15 anos pelo sacerdote Rubén Pardo, já falecido. O bispo era nesse momento Luis Stockle, que só advertiu Pardo por violação do Sexto Mandamento, o que proíbe cometer “atos impuros”, e o transferiu de diocese.

Castigo
Grassi não perdeu ainda a condição sacerdotal, ao menos por enquanto, mas em troca ganhou a de réu.

Segundo a Real Academia Espanhola, réu é “pessoa que, por haver cometido culpa, merece castigo”. Também “demandado em juízo civil ou criminal”. Como adjetivo tem as acepções de “acusado” ou “culpado”.

O advogado de Grassi e encarregado de demonstrar sua extrema pobreza apresentou o documento à juíza no contencioso administrativo María José Sarmiento, a mesma que saltou para a fama quando, em janeiro de 2010, decidiu contra os decretos presidenciais que autorizavam tomar reservas do Banco Central. Naquele momento o jornalista do La Nación Adrián Ventura publicou um retrato dela no qual descrevia seu ambiente: “Nascida de uma mãe saltenha (da província de Salta), seu pai cordobês (da província de Córdoba) foi um coronel que, após ir para a reserva em 1973, prestou serviços para a SIDE (Secretaria de Inteligência do Estado) no exterior, e seu irmão é um capitão da reserva. Por isso passou sua infância em diferentes destinos, foi catequista em varias paróquias e se graduou como advogada na Universidade Católica Argentina (UCA), onde também integrou o coral”.

Tradução: Liborio Júnior

cartamaior

Paraíba ganha quatro novos deputados estaduais na sexta e vereador que é suplente vive dilema para posse na ALPB

A Assembleia Legislativa da Paraíba dá posse a novos deputados nesta sexta-feira (04), às 8h30, no Hotel Verde Green, em Manaíra, na Capital. Três deles assumem o cargo em virtude dos titulares terem sido eleitos prefeitos, um por pedido de licença e outro aguarda confirmação.

O deputado Jutay Meneses (PRB), que já esteve na Casa em 2012 durante licença do deputado Anísio Maia (PT), volta agora na condição de titular do mandato herdado do petista Luciano Cartaxo, que foi eleito prefeito de João Pessoa. Os outros nomes que assumem as cadeiras devido ao resultado das eleições municipais são Carlos Batinga (PSC) e Ivaldo Morais (PMDB) que assumem nos lugares deixados por Francisca Motta (PMDB) e André Gadelha (PMDB), eleitos prefeitos de Patos e Sousa, respectivamente.

Iraê Lucena (PMDB) é a quarta parlamentar a retornar à Casa de Epitácio Pessoa, ainda na condição de suplente, devido ao afastamento do deputado Guilherme Almeida (PSC), que pediu licença para assumir a Secretaria Municipal de Agricultura, em Campina Grande.

Uma quinta posse ainda está com o nome indefinido, tendo em vista que o suplente Reginaldo Pereira (PRP) foi eleito prefeito de Santa Rita, e o titular Toinho do Sopão (PEN) está de licença.

A saída de Reginaldo Pereira, para assumir a prefeitura de Santa Rita, deixou vago o cargo que pertence ao deputado Toinho do Sopão – que está em licença médica de 121 dias, desde outubro passado. O suplente da vez é o vereador reeleito de Campina Grande Joia Germano (PRP), porém, ele teria de renunciar ao mandato conquistado na Câmara Municipal campinense. Caso ele renuncie à vaga de deputado, quem deve assumir é o suplente Monaci Marques (PPS). Até a tarde desta quarta-feira (02), não havia comunicação oficial sobre a posição de Germano.

MaisPB com Assessoria