Arquivo da tag: vítimas

Dia do Idoso: Seguro DPVAT indenizou mais de 200 mil vítimas acima de 65 anos na última década

Dados revelam alto índice de atropelamentos em acidentes envolvendo a terceira idade
A expectativa de vida de quem nasce no Brasil vem crescendo cada vez mais, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dados da instituição indicam que, nos próximos sete anos, a terceira idade corresponderá a 14,6% da população do país. Neste sentido, o Dia do Idoso (1º/10) é uma oportunidade de valorizar a faixa etária e refletir sobre os cuidados necessários para quem tem mais de 65 anos. No trânsito, esta cautela deve ser redobrada. Nos últimos dez anos (2009 a 2018), o Seguro DPVAT pagou mais de 201 mil indenizações a vítimas de acidentes com veículos nesta faixa de idade. As estatísticas ainda revelam um elevado índice de atropelamentos, já que a maioria dos atingidos (60% ou 121.529) estava na condição de pedestre no momento da ocorrência. Os automóveis foram responsáveis pela maior parte das colisões, somando 49% (ou 98.806) dos benefícios.

A análise por tipo de cobertura também expõe outra realidade preocupante. Mais de 55% dos idosos indenizados pelo Seguro DPVAT, nos últimos dez anos, ficaram com algum tipo de invalidez permanente. Os casos de morte registraram a segunda maior estatística de pagamentos no período. Mais de 55 mil benefícios foram pagos a familiares de vítimas fatais na terceira idade. Já a cobertura por reembolso de despesas médicas e suplementares alcançou cerca de 35 mil indenizações.

Em relação ao tipo de vítima, os motoristas são, depois dos pedestres, os mais afetados em acidentes de trânsito com idosos. Entre 2009 e 2018, eles somaram 45.068 indenizações pagas pelo seguro obrigatório. Os passageiros, por sua vez, são os menos atingidos, com mais de 34 mil pagamentos em dez anos.

Depois dos automóveis, as motocicletas foram as principais responsáveis pelas indenizações pagas pelo seguro obrigatório a vítimas nesta faixa etária, com mais de 78 mil benefícios. Os acidentes com ônibus, micro-ônibus e vans tiveram mais de 12 mil pagamentos, enquanto os com caminhões e pick-ups concentraram mais de 11 mil sinistros.

Entre os estados, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul foram os que mais apresentaram idosos indenizados pelo Seguro DPVAT na última década. Já Distrito Federal, Roraima e Amapá registraram as menores estatísticas.

Fonte: Seguradora Líder

Já no primeiro semestre deste ano, o Seguro DPVAT pagou mais de 7 mil indenizações a pessoas com mais de 65 anos que se envolveram em acidentes com automotores. Nestes primeiros seis meses, o cenário segue a tendência dos últimos anos: a maioria dos atingidos circulava a pé no momento da ocorrência (4.335 sinistros) e ficou com algum tipo de sequela definitiva (3.681). Já em relação ao tipo de veículo, uma mudança chama atenção. Entre janeiro e junho, as motocicletas responderam por mais de 46% dos pagamentos. Os automóveis ocuparam a segunda posição.

O superintendente de Operações da Seguradora Líder, Arthur Froes, explica que as ocorrências de trânsito podem ter consequências mais graves para aqueles com mais de 65 anos. Segundo o especialista, o avanço da idade torna a vítima mais vulnerável aos efeitos de um acidente.

“Por conta do envelhecimento, as lesões em pessoas idosas tendem a atingir uma gravidade maior, resultando em longos períodos de internação e na redução da mobilidade, na maioria das vezes, por estarem na condição de pedestre. Os números de indenizações pagas pelo Seguro DPVAT a vítimas que ficam com algum tipo de invalidez permanente refletem esta realidade”, explica o superintendente.

Uma pesquisa realizada pela Direção Geral de Tráfego, da Espanha, mostra que os principais problemas enfrentados por idosos, quando estão a pé, são distinguir a cor das luzes dos semáforos e dos faróis, perceber a velocidade dos veículos, bem como a distração ao trânsito. Além disso, costumam enfrentar uma postura imprudente por parte dos condutores.

“Este cenário reforça a necessidade de implementação de medidas que garantam mais segurança aos indivíduos com mais de 65 anos nas ruas. Fiscalização de velocidade e de avanço de sinal, e semáforos com mais tempo para os pedestres atravessarem são algumas delas. É também fundamental a conscientização dos motoristas sobre a importância de uma conduta prudente ao volante, além da atenção redobrada dos pedestres ao cruzar as vias”, sinaliza Arthur Froes.

Sobre o Seguro DPVAT

O DPVAT é um seguro obrigatório de caráter social que protege os mais de 210 milhões de brasileiros em casos de acidentes de trânsito, sem apuração da culpa. Ele pode ser destinado a qualquer cidadão acidentado em território nacional, seja motorista, passageiro ou pedestre, e oferece três tipos de coberturas: morte (valor de R$ 13.500), invalidez permanente (de R$ 135 a R$ 13.500) e reembolso de despesas médicas e suplementares (até R$ 2.700). A proteção é assegurada por um período de até 3 anos.

Sobre a Seguradora Líder-DPVAT

Em operação desde janeiro de 2008, a Seguradora Líder-DPVAT é uma seguradora privada responsável pela administração do Seguro DPVAT no Brasil. A seguradora se tornou uma das principais fontes para dados relacionados a acidentes de trânsito. No site www.seguradoralider.com.br estão disponíveis para o cidadão diversas informações sobre o Seguro DPVAT e estatísticas.

 

Acidente entre Belém e Pirpirituba deixa duas vítimas fatais

Um grave acidente na noite desta quarta-feira (25) na PB 073 que liga os municípios de Belém e Pirpirituba, agreste Paraibano, deixou duas vítimas fatais.

De acordo com as primeiras informações, houve uma colisão entre um carro e um caminhão. Uma das vítimas foi identificada até o momento por Gil taxista da cidade de Caiçara, ele estava em um Fiat uno de cor amarela, uma mulher que estava no banco do carona ficou gravemente ferida e não resistiu vindo a óbito.

 

Brejo online

 

 

PRF alerta motorista sobre o que fazer em caso de acidentes sem vítimas

Em caso de veículos envolvidos em acidentes de trânsito sem vítimas, manter o veículo na faixa de rolamento atrapalhando o trânsito é infração de trânsito com previsão de multa

Acidentes de trânsito são acontecimentos imprevistos e que podem gerar danos materiais e lesões em pessoas. Muitos acidentes de trânsito resultam apenas em avarias nos veículos. Nesses casos, o que o motorista deve fazer quando estiver em uma rodovia federal?

Os acidentes de trânsito ocorrem por uma conjunção de fatores. Deixar de manter distância de segurança, desobedecer à sinalização de trânsito existente, velocidade incompatível e falta de atenção à condução são apenas algumas das possíveis causas prováveis para um acidente automobilista. Os acidentes automobilísticos podem acontecer mesmo quando se dirige respeitando às leis de trânsito. Quando as pessoas envolvidas no acidente, sejam elas condutores ou passageiro, não sofrem ferimentos, os acidentes são considerados sem vítimas. Nesses casos, alguns procedimentos precisam ser adotados pelos envolvidos.

Os motoristas deverão retirar os veículos da via em todos os casos em que existir condições de trafegar. Deixar os veículos na faixa de rolamento, além de poder causar outros acidentes, compromete a fluidez do trânsito e é uma infração de trânsito classificada como média, prevista no artigo 178 do Código de Trânsito Brasileiro, com valor de R$130,16 e quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação.

Para os acidentes sem vítimas ocorridos nas rodovias federais não são confeccionados os Boletins de Acidente de Trânsito -BAT com a presença de equipe PRF no local para o levantamento de informações referentes à ocorrência. Esses acidentes são registrados pelos próprios envolvidos através da Declaração de Acidente de Trânsito -DAT disponíveis para preenchimento no site da PRF, www.prf.gov.br, até 180 dias após a ocorrência do acidente. A Declaração é um documento oficial da PRF, que é validada por um servidor, e tem validade formal para seguradoras e judiciário.

A Polícia Rodoviária Federal orienta que os motoristas envolvidos em acidentes de trânsito sem vítimas deverão, após retirar os veículos da via, coletar as seguintes informações: hora, rodovia, quilômetro da ocorrência (localização do acidente) e município. Em caso de acidentes envolvendo mais de um veículo, a PRF orienta que os envolvidos registrem os dados dos demais veículos e condutores envolvidos, tais como placa do veículo, marca, modelo, nome do condutor e telefone de contato. É importante também que os envolvidos tirem fotos dos automóveis envolvidos, mesmo não sendo incluídas na Declaração de Acidente de Trânsito, poderão ser utilizadas em demandas judiciais que se façam necessárias. Todas as dúvidas e orientações podem ser retiradas através do telefone de emergência 191.

Curiosos – Os acidentes de trânsito, sejam eles com vítimas ou sem vítimas, geram enormes congestionamentos e lentidão. Em sua grande maioria, o engarrafamento ocorre por conta dos curiosos que reduzem a velocidade de forma a ocasionar engarrafamentos apenas para dar aquela “espiada” no acidente. Esse tipo de conduta, além da lentidão no fluxo de veículos, ocasiona também outros acidentes. A PRF orienta que para os usuários evitarem a ocorrência de novos acidentes é importante manter a velocidade compatível com a segurança da via, conservando à distância de segurança dos outros veículos e mantendo a atenção no trânsito, deste modo contribui para o fluxo da via, evitando maiores transtornos e colaborando para um trânsito seguro.

 

PRF

 

 

Mais de 6 mil vítimas de acidentes de trânsito atendidas no Trauma CG em 2019

Nos seis primeiros meses deste ano, o Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande, realizou 6.051 atendimentos relacionados a acidentes de trânsito. Quando comparado ao mesmo período do ano anterior, verifica-se um aumento de 615 casos.

Entre os tipos de acidentes mais frequentes, destaque para os de moto, que representaram 4.572 casos (4.226 em 2018). Os outros casos se dividem em atropelamentos (310 em 2019 e 316 em 2018), acidentes de bicicleta (449 em 2019 e 417 em 2018) e acidentes de Carro (720 em 2019 e 477 em 2018).

De acordo com a diretora geral do Trauma-CG, Dra. Ingrid Ramalho, esses números representam um aumento de 10% comparado ao ano de 2018, repercutindo em superlotação e aumento dos gastos do hospital. “É necessária implantação de medidas de fiscalização mais rígidas para tentar combater essa epidemia chamada acidente de trânsito”, destacou ela.

Para o médico ortopedista do Hospital de Trauma de Campina, Eldiman Soares, esse aumento do número de acidentes de moto é uma associação de álcool e imprudência. Já pode ser tratado como uma epidemia os acidentes com os motociclistas.

Conforme o Dr. Eldiman, geralmente os pacientes vítimas desse tipo de acidente que chegam à unidade de saúde apresentam múltiplas lesões, que demandam procedimentos complexos.

O agricultor João Batista dos Santos, de 21 anos, faz parte dessas estatísticas. Interno na Ala Ortopedia II, especializada em cuidados ortopédicos, ele chegou ao maior hospital do Estado no dia 28 de junho, após colidir em um poste quando foi livrar de atropelar um cachorro.
“Eu estava indo para casa, quando enxerguei um cachorro atravessando na minha frente. Quando eu fui desviar do animal perdi o equilíbrio da moto e me choquei com o poste”, relatou João.

Já o pedreiro Marcos Antônio da Silva Sousa, 43 anos, foi vítima de um atropelamento quando vinha caminhando na BR-104, que liga as cidade de Lagoa Seca a Campina Grande-PB. Ele teve fratura nos braços e penas.

“Pelo que me falaram, as pessoas que passavam pelo local viram e chamaram o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), que me resgatou e trouxe para o Trauma de Campina”, relatou Marcos

Secom\PB

 

 

Duas mulheres e uma criança são vítimas de sequestro ao saírem de igreja, em João Pessoa

Momentos de tensão foram vividos por uma família na noite desse domingo (14), na saída de uma igreja localizada no bairro da Torre, em João Pessoa.

Três pessoas, sendo duas mulheres e uma criança de três anos foram abordados ao saírem da igreja e feitas reféns.

Os bandidos entraram no carro com as vítimas e o marido de uma das mulheres ao perceber a ação criminosa seguiu o carro pelas ruas do bairro.

Ao notarem que estavam sendo seguidos os homens desistiram da ação e abandonaram o veículo.

A Polícia Militar fez diligências na área e conseguiu encontrar um dos suspeitos, os outros dois continuam foragidos.

PB Agora

 

 

Acidente entre Belém e Pirpirituba deixa 5 feridos; vítimas iam prestar concurso em Solânea

Um acidente na rodovia que liga os municípios de Pirpirituba e Belém, agreste Paraibano, deixou cinco feridos na manhã deste domingo (14).

De acordo com as informações, em um trecho conhecido como Ladeira de pedra o motorista teria perdido o controle do veículo gol vindo a bater em um poste e capotar. As cincos pessoas ficaram feridas e foram socorridas por populares para o Hospital Regional de Guarabira.

As vítimas são da cidade de Pirpirituba e iam a Solânea realizar a prova do concurso público. Até o momento ainda não foi repassada as identidades.

 

blogdofelipesilva

 

 

Oito crianças vítimas de cárcere privado e maus-tratos são resgatadas em Mandacaru, em JP

Oito crianças foram resgatadas, nesta segunda-feira (08), pela Vara da Infância e Juventude com o apoio da Polícia Militar, no bairro de Mandacaru, em João Pessoa. Eles estariam vivendo em condições subumanas e sendo vítimas de maus-tratos.

De acordo com o policial militar Thierry, as crianças não tinham acesso à necessidades básicas, como alimentação, vestimentas, remédios e uma das vítimas era portadora do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Mantida em um quarto, ela não tinha sequer acesso aos outros cômodos, fazendo inclusive suas necessidades básicas no dormitório.

“Uma situação extremamente desagradável de ver”, afirmou o policial em entrevista ao programa Rota da Notícia, na Tv Arapuan.

As crianças tinham idades entre 1 e 12 anos e os pais estavam presentes no momento da abordagem. Conforme a PM, o pai é pedreiro e a mãe está desempregada e não têm condições de criar os filhos. Eles resistiram à intervenção no começo, mas depois cederam e permitiram que as vítimas fossem levadas.

As crianças foram encaminhadas para uma casa de acolhimento no bairro Treze de Maio, na capital.

 

Mais PB

 

 

Agentes de saúde da Paraíba irão atuar para acolher e orientar mulheres vítimas de violência doméstica

O governador João Azevêdo sancionou uma lei que estabelece que os agentes comunitários de saúde irão atuar diretamente com a prevenção e combate à violência doméstica contra as mulheres. O projeto de lei, de autoria do deputado estadual Nabor Wanderley, foi sancionado pelo governador e publicado na edição deste sábado (29) do Diário Oficial do Estado.

De acordo com o texto do projeto, a Política de Prevenção à Violência Doméstica fica instituída como Estratégia de Saúde da Família. Sendo assim, por meio da atuação dos agentes comunitários de saúde será buscada a proteção das mulheres em situação de violência.

Os agentes comunitários deverão ser capacitados para promover o acolhimento humanizado e a orientação de mulheres em situação de violência, assim como encaminhar elas aos serviços da rede de atendimento especializado, quando necessário.

A lei ainda destaca quais são as diretrizes de Política de Prevenção de Violência Doméstica com a Estratégia de Saúde da Família. Dentre as diretrizes estão a prevenção e combate à violência física, psicológica, sexual, moral e patrimonial contra as mulheres, conforme legislação vigente; divulgação e promoção dos serviços que garantem a proteção e a responsabilização dos agressores e autores de violência contra as mulheres.

 

clickpb

 

 

Lei prevê atendimento prioritário a mulheres vítimas de violência que precisem de cirurgia na PB

Foi promulgada e entrou em vigor nesta terça-feira (18) uma lei que determina o atendimento prioritário para a mulher vítima de violência doméstica e familiar, quando o dano físico necessitar de realização de procedimento cirúrgico estético reparador, nos serviços públicos de saúde. A lei, de autoria do deputado estadual Wallber Virgolino (Patriota), foi publicada no Diário Oficial do Estado da Paraíba (DOE-PB).

Conforme a lei, a prioridade é para atendimento psicoterápico e de cirurgia plástica reparadora em casos de violência. O dano físico estético disposto na Lei é caracterizado quando a mulher apresenta, em decorrência de violência, qualquer deformidade ou deficiência em relação aos parâmetros clínicos estéticos reconhecidos pela comunidade médica.

O texto diz ainda que os serviços públicos de saúde devem adotar medidas necessárias para que seja realizado, prioritariamente, procedimento cirúrgico a fim de sanar a deformidade. O documento detalha que após realizado o diagnóstico e comprovada a agressão e dano, mediante autorização da vítima, ela deve ser inscrita em cadastro único.

A comprovação de ser a mulher portadora de deficiência ou deformidade, em decorrência de violência doméstica e familiar, deve ser atestada por laudo médico. A inscrição das vítimas no cadastro único do Sistema Único de Saúde (SUS) deve nortear a ordem de atendimento das vítimas no serviço público, com ressalva para os casos de risco iminente de dano irreversível, que impliquem a necessidade de intervenção imediata dos profissionais.

Na justificativa do projeto de lei, o deputado aponta que é dever do Estado delinear estratégias e políticas públicas para acabar com a violência contra a mulher, “cabendo ao serviço de saúde assumir também a sua responsabilidade, dando atenção especial às vítimas desses crimes, acolhendo-as, de forma a minimizar sua dor e evitar outros agravamentos”.

A justificativa também diz não é raro que em casos de violência contra a mulher, o resultado das agressões são cicatrizes e outro danos físicos incapacitantes, que influenciam na própria condição de ser mulher.

“Desse modo, a atenção psicológica imediata contribui para o resgate da dignidade da vítima de violência doméstica, bem como a assistência médica reparadora tem o condão de devolver a autoestima da mulher”, diz o texto.

G1

 

Crianças e adolescentes são metade das vítimas de queimaduras em João Pessoa

(Foto: Maurício Melo/G1)

Metade dos atendidos pelo Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa com ferimentos causados por fogo e fogos de artifícios foram crianças e adolescentes até 14 anos, durante a Campanha de Prevenção às Queimaduras deste ano. A ação que compreende o período de festejos juninos, teve uma redução de 13% nos atendimentos em relação a 2016.

A campanha encerrou nesta terça-feira (4) com 95 atendimentos no total, contra 109 no ano passado. Pessoas atendidas com queimaduras foram 24, sendo 12 crianças de zero a 14 anos. No primeiro semestre de 2017 foram atendidas 587 vítimas de queimaduras na unidade de saúde.

“Houve um pequeno aumento com relação aos números de crianças vítimas de fogos e o alerta é para que os pais entendam que lugar de criança não é perto de fogo ou cozinha”, frisou o coordenador da Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ), Saulo Montenegro.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br