Arquivo da tag: virada

Quatro apostas acertaram as 6 dezenas da Mega da Virada

Os números da Mega da Virada foram sorteados na noite desta terça (31), em São Paulo. No total, 4 apostas vencedoras vão dividir o prêmio, com cerca de R$ 76 milhões para cada.

As dezenas sorteadas foram: 03 – 35 – 38 – 40 – 57 – 58.

Na quina (acerto de cinco números), 1.031 apostadores vão levar R$ 57.537,06 mil cada um. Outros 77.055 apostadores que acertaram a quadra (quatro números) vão receber R$ 1.099,78 cada um.

Veja de onde são os ganhadores da Mega da Virada:

Juscimeira (MT) – 1 aposta ganhou o prêmio principal
Criciúma (SC) – 1 aposta ganhou o prêmio principal
São Paulo (SP) – 2 apostas ganharam o prêmio principal

 

G1

 

 

Belo sai na frente, mas toma virada do Imperatriz e se complica na Série C

O Botafogo-PB até conseguiu sair na frente, mas teve um jogador expulso no início do segundo tempo, tomou a virada e perdeu por 2 a 1 para o Imperatriz na noite desta quinta-feira (25), no estádio Frei Epifânio D’Abadia, se complicando no Grupo A da Série C do Campeonato Brasileiro.

A partida teve validade pela 14ª rodada da chave.

Clayton inaugurou o marcador para o time paraibano aos 26 minutos de jogo. Léo Mineiro e Matheus Lima, que entraram na etapa complementar, anotara os gols da vitória do Cavalo de Aço, aos 21 e 39, respectivamente.

Enquanto o Belo permanece na sexta colocação, com 18 pontos, o Imperatriz entrou no G-4, somando os mesmos 21 pontos do Náutico, só que com um saldo de gols melhor, embora, agora, um jogo a menos.

O jogo

O Imperatriz teve mais a bola no primeiro tempo. O Botafogo-PB, desde o começo da partida, trabalhou  reativamente, mas sempre tentando ocupar o campo do adversário.

O Cavalo de Aço, dono da casa e com o grande apoio da torcida, tentou jogadas perigosas, em velocidade, pelas laterais. Mas sem tanto perigo.

Foi aí que o Belo subiu a marcação, forçou o erro da defesa maranhense e quase marcou com Marcos Aurélio, aos 15 minutos.

A postura do Botafogo-PB foi premiada aos 26 minutos. Em jogada de Dico, pela esquerda, o meia Clayton, melhor em campo pelo time paraibano, escorou para as redes o cruzamento do camisa 11.

O Imperatriz continuou controlando as ações da peleja, mas Manoel não conseguiu acertar o alvo quando foi acionado.

Segundo tempo

O Imperatriz começou a segunda parte do jogo bem diferente. Desde o começo pressionou e buscou o gol de empate, principalmente após a entrada de Rayllan, pela esquerda.

O Botafogo-PB teve que se defender de qualquer forma e começou também a retardar o reinício do jogo para tentar ganhar mais tempo.

Não adiantou muito, pois aos 20 minutos Leandro Mineiro empatou e aos 38, Matheus Lima virou o placar.

O dono da casa ainda teve chances de ampliar com Rayllan e o próprio Matheus Lima, assim como o Botafogo chegou perto do empate no finalzinho em cobranças de falta com Fábio Alves, mas não passou disso.

Ficha técnica

Imperatriz 2 x 1 Botafogo-PB

Data: 25/07/2019 – 20h

Local: Estádio Frei Epifânio / Imperatriz-MA

Competição: Série C do Campeonato Brasileiro / Grupo A (14ª rodada)

Arbitragem: Luiz Paulo de Moura Pinheiro; Fábio Rodrigo Rubinho e Eduardo Teodoro Rodrigues (Mato Grosso)

Cartões amarelos: Dos Santos, Ramon (I); Enercino (B)

Cartão vermelho: Enercino (B)

Gols: Clayton (aos 26’ do 1ºT) para o Botafogo-PB; Léo Mineiro (aos 21’ do 2ºT) e Matheus Lima (aos 39′ do 2ºT)

Imperatriz: Jean; Jonas (Matheus Lima), Ramon, Renan Dutra e Renan Luís; Diogo Oliveira (Léo Mineiro), Dos Santos e Gabriel Caju; Xavier (Rayllan), Lucas Campos e Manoel. Técnico: Paulinho Kobayashi.

Botafogo-PB: Saulo; Neilson, William Goiano, Donato e Rogério; Enercino, Marcos Vinícius, Dico (Erivelton) e Marcos Aurélio (Fábio Alves); Clayton (Serginho) e Nando. Técnico: Evaristo Piza.

Foto: Vagner Junior / Coluna do Futebol

paraibaonline

 

 

Botafogo perde de virada para Sampaio Correia e despenca na tabela da Série C

O Botafogo (PB), voltou a decepcionar a sua torcida, e perdeu a segunda partida seguida na Série C do Brasileiro. O Belo perdeu de virada para o Sampaio Corrêa em pleno estádio O Almeidão. Roney e Rodrigo Andrade marcaram os gols do Sampaio. Neuton fez o gol do Belo.

O jogo começou com o Botafogo melhor e dominando a partida. Aos 16 minutos, Marcos Aurélio cobrou e levantou a bola na área, para a cabeçada certeira de Neuton para o gol. A impressão era que o Belo conquistaria mais uma vitória fácil.

À frente no placar, o Belo passou a dominar as ações do jogo brevemente, mas logo o Sampaio voltou a pressionar, tanto que aos 40 minutos conseguiu furar a defesa do time da casa. Roney aproveitou o bate rebate na área e empurrou a bola pro fundo do gol.

No segundo tempo, o Belo tentou a custo ficar a frente do placar, principalmente nas bolas paradas de Marcos Aurélio. Só que foi o Sampaio que furou as redes. Em uma das boas trocas de passe, aos 20 minutos, Welder encontrou Rodrigo Andrade na área e o camisa 10 fez um lindo gol, de cavadinha na saída do goleiro Saulo. Após a virada, o Belo pressionou, mas não conseguiu chegar ao empate.

O Sampaio chega aos 18 pontos, entra no G-4 e assume a terceira posição do Grupo A. O Botafogo-PB, por sua vez, cai para a quarta posição, com 16 pontos, podendo ser ultrapassado pelo Náutico que ainda joga na segunda-feira contra o Imperatriz.
Na próxima rodada o Botafogo-PB vai até o Recife, onde encara o Santa Cruz, no Estádio do Arruda, no próximo domingo, às 18h. Já o Sampaio Corrêa, recebe o Globo no Castelão, também no próximo domingo, mas às 17h.

PB Agora

 

 

 

Campinense toma virada do ASA e cai na tabela da Série D do Brasileiro

O Campinense perdeu a terceira partida seguida. Em jogo válido pela na Série D. Derrotado em casa na rodada anterior, o time raposeiro entrou em campo neste sábado em busca da recuperação, mas acabou sofrendo mais um revés, agora de virada para o ASA de Arapiraca, por 2 a 1.

Luis Eduardo e Thauan marcaram para o Fantasma, cabendo a Erivan descontar para o time rubro-negro. Os gols saíram no primeiro tempo.

Com o resultado do estádio Coaracy da Mata, a Raposa cai para terceira colocação no Grupo A-7, com três pontos. Já o ASA encosta no Jacuipense-BA com seis pontos, porém, o time baiano ainda joga neste domingo contra o lanterna Vitória-PE e deve disparar na liderança.

Na quarta rodada, Campinense e ASA voltam a se enfrentar, agora em Campina Grande, no próximo domingo, em um jogo que o time raposeiro não pode pensar sequer em empate se quiser sonhar com a classificação.

pbagora

 

 

Flu sai na frente, toma virada da Chape, mas arranca empate no fim

NELSON PEREZ/FLUMINENSE F.C.
Foto: LANCE!

Não foi nesta segunda-feira que o Fluminense venceu a Chapecoense. No Giulite Coutinho, os times fizeram um jogo para lá de movimentado e que terminou de forma dramática. O empate de 3 a 3 saiu com o Tricolor das Laranjeiras marcando já nos acréscimos da etapa final, com Marcos Junior.

Sem Dourado – poupado com dores na virilha esquerda -, coube a Richarlison abrir o placar logo antes dos dois minutos. O gol saiu após boa troca de passes. Scarpa recebeu na entrada da área e deu passe para o camisa 70, que finalizou cruzado, sem chance para Jandrei.

A vantagem fez mal ao time de Abel. A Chape acordou e passou a dominar as ações ofensivas, apesar de terminar o primeiro tempo com menor posse de bola. Rossi, após ganhar dividida de Reginaldo, invadiu a área e deslocou Júlio César: 1 a 1.

A partir daí, o confronto ficou aberto, com seguidas chances para os dois lados. Com dificuldade na saída de bola, o Flu só criou nas bolas aéreas. Por duas vezes, Henrique subiu livre na área, mas cabeceou mal.

A virada veio em uma jogada característica da equipe de Vagner Mancini. Reinaldo cobrou lateral na área, Girotto ganhou a primeira bola e Artur Cayke subiu livre para colocar a bola na rede do Fluminense.

Léo, que tenta repetir o feito de Reinaldo no Tricolor há tempos – sem sucesso até agora -, foi sacado no intervalo por Abel. Wellington Silva entrou muito bem em seu lugar.

A entrada do camisa 11 deu ao Flu a criatividade que faltou na etapa inicial. Os volantes da Chape não deram espaços para Scarpa criar, mas Wellington encontrou liberdade pela esquerda. Na segunda vez que partiu para cima de Diego Renan, o atacante deixou o marcador para trás e cruzou. Pedro mergulhou e tocou de peito para deixar tudo igual

Quando Rossi foi expulso, a torcida tricolor nas arquibancadas, mas a Chape mostrou porque é o carrasco do Tricolor. Artur Cayke cabeceou e, em lance duvidoso, venceu Júlio César. O Flu contestou, mas o árbitro confirmou a passagem da bola da linha e o gol catarinense.

O final de jogo foi dramático. Flu partiu para cima. Wellington rabiscou pela esquerda de novo e, dessa vez, Marcos Junior foi quem apareceu na área e empatou o confronto já nos acréscimos. Richarlison teve a chance para dar ao Tricolor a primeira vitória sobre a Chape, mas Jandrei garantiu o empate.

FLUMINENSE 3 X 3 CHAPECOENSE
FICHA TÉCNICA 

Data/Horário: 3/7/2017, às 20h
Local: Estádio Giulite Coutinho, em Mesquita (RJ)
Árbitro: Eduardo Tomaz de Aquino Valadao (GO)
Auxiliares: Cristhian Passos Sorence (GO) e Fabricio Vilarinho da Silva (Fifa/GO)
Renda/Público: Ainda não divulgados.

Cartões amarelos: Richarlison, Orejuela e Marcos Junior (FLU); Lucas Mineiro, Diego Renan, Rossi e Fabricio Bruno (CHA)
Cartão vermelho: Rossi (CHA).

GOLS: Richarlison (1-0, 1’/1ºT), Rossi (1-1, 12’/1ºT), Arthur Cayke (1-2, 41’/1ºT), Pedro (2-2, 24’/2ºT), Artur Cayke (2-3, 36’/2ºT) e Marcos Junior (3-3, 47’/2ºT)

FLUMINENSE: Júlio César; Lucas (Lucas Fernandes, 39’/2ºT), Henrique, Reginaldo e Léo (Wellington SIlva, Intervalo); Orejuela (Marcos Junior, 39’/2ºT), Wendel e Gustavo Scarpa; Marcos Calazans, Richarlison e Pedro – T: Abel Braga

CHAPECOENSE: Jandrei; Diego Renan (Nathan Pelae, 41’/2ºT), Douglas Grolli, Fabrício e Reinaldo; Andrei Girotto, Lucas Mineiro e Lucas Marques; Rossi, Arthur Cayke (Luiz Otávio, 45’/2ºT) e Wellington Paulista (Lourency, 30’/2ºT) – T: Vagner Mancini

LANCE!

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Com gol de Nenê no fim, Vasco vence o Fluminense de virada

Na abertura da terceira rodada, o Vasco fez valer o mando de campo e venceu o Fluminense por 3 a 2, neste sábado, em São Januário. O gol da vitória cruzmaltina veio nos acréscimos, com Nenê. Com o resultado, os vascaínos chegaram a seis pontos, os mesmos dos tricolores, que perderam a invencibilidade no Campeonato Brasileiro.

Foto: Futura Press

O Vasco dominou o primeiro tempo e foi com a vantagem no placar para o intervalo após o gol de Luís Fabiano. Já no segundo tempo, o Fluminense veio melhor e conseguiu a virada em dois gols de pênalti de Henrique Dourado. Só que os cruzmaltinos empataram com Manga Escobar. Nos acréscimos, Nenê marcou o terceiro e deu a vitória aos donos da casa.

Na próxima rodada, o Vasco vai até Porto Alegre para encarar o Grêmio, em Porto Alegre, no domingo. No dia anterior, o Fluminense recebe o Vitória, no Maracanã.

O jogo – Empurrado pela torcida, o Vasco começou melhor a partida, principalmente por conta da forte marcação sobre o Fluminense desde o campo de defesa. Só que a primeira finalização da partida aconteceu somente aos 12 minutos. Após bola rebatida para frente da área, Jean arriscou de longe, mas parou em Diego Cavalieri.

O panorama da partida seguia o mesmo, com os donos da casa mostrando mais vontade em campo, mas com dificuldade em criar boas jogadas. Só que aos 26 minutos, o Vasco abriu o placar em São Januário. Yago Pikachu cruzou pela esquerda na cabeça de Luís Fabiano, que colocou para a rede.

Mesmo depois do gol, os vascaínos mantiveram o ritmo e não deixaram o Fluminense avançar em busca do empate. No entanto, a partida ficou muito centralizada entre as intermediárias. Os tricolores só chegaram com perigo aos 39 minutos. Após cobrança de escanteio, Nogueira cabeceou para o chão, viu a bolar quicar e bater no travessão.

Nos minutos finais, o Fluminense conseguiu equilibrar o confronto. Só que os tricolores seguiam tendo problemas para chegar próximo ao gol. O Vasco preferiu recuar e administrar o resultado até o intervalo.

No segundo tempo, o Fluminense voltou melhor e criou sua primeira boa chance aos dez minutos. Gustavo Scarpa arriscou de longe e obrigou Martín Silva a fazer a defesa em dois tempos. Só que no minuto seguinte os tricolores chegaram ao empate. Em lançamento na área, a bola bateu na mão de Jean e o árbitro marcou pênalti. Henrique Dourado cobrou com categoria, sem chance para o goleiro vascaíno.

O Vasco até tentou equilibrar as ações após o revés, mas foi o Fluminense que virou aos 18 minutos. Gilberto derrubou Richarlison na área e o árbitro marcou mais um pênalti. Henrique Dourado cobrou novamente para deixar os visitantes a frente em São Januário.

Após a virada, o Fluminense recuou e viu o Vasco passar a pressionar em busca do empate. Não demorou muito para os cruzmaltinos chegarem ao segundo gol. Aos 29 minutos, Manga Escobar, que havia entrado pouco minutos antes, recebeu na área, passou por um marcador e chutou cruzado, sem chance para Diego Cavalieri.

Depois, o clássico ficou movimentado, com as duas equipes em busca da vitória. O Fluminense tinha mais posse de bola, mas pouco incomodava Martín Silva. O Vasco buscava os contra-ataques e chegou a vitória aos 48 minutos. Nenê recebeu passe na área e chutou cruzado para a rede para a alegria da torcida e dar números finais em São Januário.

No final da partida, ‘Manga’ Escobar recebeu a bola na entrada da área, tentou fazer o corte e ela sobrou para Nenê, que saiu cara a cara com o goleiro e marcou o gol da vitória.

FICHA TÉCNICA

VASCO-RJ 3 X 2 FLUMINENSE-RJ

Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)

Data: 27 de maio de 2017 (Sábado)

Horário: 16h(de Brasília)

Árbitro: Raphael Claus (Fifa-SP)

Assistentes: Alex Ang Ribeiro (SP) e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (Fifa-SP)

Renda: R$ 700.560,00

Público: 19.082 pagantes

Cartões amarelos: Luís Fabiano e Jean (Vasco); Douglas e Marquinho (Fluminense)

GOLS

VASCO: Luís Fabiano, aos 26min do primeiro tempo; Manga Escobar, aos 29min segundo tempo

FLUMINENSE: Henrique Dourado, aos 11 e 18min do segundo tempo

VASCO: Martín Silva, Gilberto, Breno, Paulão e Henrique; Jean, Douglas, Yago Pikachu (Nenê), Mateus Vital (Muriqui) e Kelvin (Manga Escobar); Luis Fabiano

Técnico: Milton Mendes

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Lucas, Nogueira, Henrique e Léo; Jefferson Orejuela, Wendel, Douglas (Marcos Júnior), e Gustavo Scarpa (Marquinho); Richarlison (Maranhão) e Henrique Dourado

Técnico: Abel Braga

Gazeta Esportiva

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Flamengo arranca virada do Fluminense e fica com o título carioca

O Flamengo conquistou o Campeonato Carioca, de forma invicta, ao derrotar o Fluminense por 2 a 1, de virada, em partida disputada na tarde deste domingo, no Maracanã. Como havia vencido o primeiro jogo por 1 a 0, o Rubro-negro entrou com vantagem , mas soube reagir depois de ter saindo atrás no marcador e garantiu o troféu. Foi o 34º título estadual conquistado pelo Flamengo que é o maior vencedor entre os clubes do Rio de Janeiro. Henrique Dourado marcou para o Fluminense, enquanto Paolo Guerrero e Rodinei anotaram para o time da Gávea.

Quase 70 mil pessoas assistiram a um jogo muito equilibrado. E o resultado fez justiça ao desempenho da equipe rubro-negra. O Fluminense saiu na frente, logo no início do primeiro tempo, e o Flamengo precisou lutar muito diante de um adversário valente para alcançar o empate e depois a virada, transformando o Maracanã num palco de uma grande festa.

O jogo – o Fluminense começou a partida a todo vapor e logo aos três minutos, marcou o primeiro gol. Após cobrança de escanteio, Léo desviou e Henrique Dourado cabeceou sem chances de defesa para Alex Muralha.

Só depois de sofrer o primeiro gol é que o Flamengo começou a assumir uma postura ofensiva. O time rubro-negro atacava preferencialmente pela direita, para usar a velocidade do colombiano Berrio. Aos oito minutos, um novo susto para a torcida rubro-negra. Willian Arão recuou mal para Alex Muralha que teve que se livrar de Henrique Dourado para aliviar o perigo.

Dois minutos depois, Trauco lançou Guerrero, Renato Chaves aliviou mal e Pará completou, de primeira, mas mandou para fora. Logo depois, Everton bateu falta e a bola acabou sobrando para Renê que chutou para fora.

O Fluminense recuou para defender a vantagem e o Flamengo controlava as ações em busca do gol de empate. Só aos 13 minutos é que o Tricolor reapareceu na área adversária, mas o cruzamento de Léo encobriu o travessão.

Os laterais do Flamengo subiam constantemente ao apoio e , aos 18 minutos, Renê avançou e tentou encontrar Guerrero, mas o atacante peruano não aproveitou o lançamento que ficou nas mãos de Cavalieri.

A pressão rubro-negra continuava e, aos 22 minutos, foi a vez de Willian Arão arriscar. A bola desviou em Renato Chaves e saiu para escanteio. O Fluminense não conseguia ficar com a bola e se limitava a tentar barrar as investidas do adversário.

A partir dos 30 minutos, o jogo ficou truncado com as duas equipes abusando das faltas para interromper as jogadas. Só aos 31 minutos é que o time das Laranjeiras voltou a ameaçar. Léo levantou na área, a zaga não cortou e Henrique Dourado cabeceou com perigo. O Flamengo respondeu com uma arrancada de Renê que cruzou, Orejuela furou e Everton chutou, para ótima defesa de Diego Cavalieri.

No Fluminense, só Henrique Dourado dava trabalho aos zagueiros. Ele aproveitou um lateral executado por Léo para concluir com perigo.

Aos 41 minutos, após jogada confusa na área do Flamengo, a bola sobrou para Wellington Silva que chutou e Rafael Vaz desviou de ombro, mandando para escanteio. No último lance do primeiro tempo, Henrique Dourado fez bom passe para Wellington Silva que chutou forte, mas a bola foi bloqueada por Rafael Vaz.

Os dois times voltaram sem modificações para o segundo tempo. E o Flamengo partiu para o ataque. Logo no primeiro minuto, Trauco levantou a bola na área e Cavalieri saiu com precisão para afastar de soco. No primeiro avanço do Tricolor, a bola foi lançada por Wellington Silva para Henrique Dourado, mas Renê fez a cobertura e conseguiu evitar que a bola chegasse ao seu destino. Aos sete minutos, Léo tabelou com Richarlison, invadiu a área, mas se enroscou com Berrio e caiu, mas o árbitro nada marcou. Um minuto depois, Henrique Dourado investiu pelo lado e cruzou para a entrada de Wellington Silva, mas Alex Muralha se antecipou e ficou com a bola.

O técnico Zé Ricardo decidiu trocar Berrio por Gabriel para tentar dar mais força ofensiva ao time, mas o Fluminense seguia pressionando. Aos 12 minutos, após cruzamento na área, Muralha hesitou na saída e Henrique Dourado cabeceou, mas não conseguiu acertar a direção do gol. Dois minutos, o goleiro do Flamengo apareceu bem para defender um chute de Sornoza.

O time dirigido por Abel Braga voltou melhor para o segundo tempo enquanto o Flamengo encontrava dificuldades para armar jogadas de ataque. O lateral Rodinei entrou no lugar de Trauco para atuar aberto pela direita, formando dupla com Pará. Já o Fluminense trocou o apagado Wellington Silva por Maranhão.

Aos 24 minutos, o Flamengo voltou a criar boa chance. Guerrero foi lançado, mas Léo apareceu na cobertura e bloqueou o chute do peruano. Aos 30, Everton foi lançado na esquerda por Gabriel e cruzou para a entrada de Guerrero, mas Cavalieri se antecipou e impediu que a bola chegasse ao atacante. O Fluminense respondeu com um cruzamento de Léo para Henrique Dourado, mas Réver conseguiu desviar para escanteio. Na cobrança, Renato Chaves cabeceou e Muralha fez boa defesa.

Aos 38 minutos, Willian Arão chuta, a bola desvia em Henrique e sai para escanteio. Na cobrança, o Flamengo empatou. Réver cabeceou, Diego Cavalieri espalmou e Guerrero, de pé esquerdo, empurrou para as redes.

O Fluminense se desesperou e ainda teve o goleiro Diego Cavalieri expuldo. Ele recebeu cartão vermelho ao derrubar Rodinei que entrava livre. O volante Orejuela foi para o gol e o Flamengo acabou marcando o segundo gol, aos 50 minutos, com Rodinei.

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO 2 X 1 FLUMINENSE

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)

Data: 7 de maio de 2017 (Domingo)

Horário: 16h(de Brasília)

Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)

Assistentes: Luiz Cláudio Regazone (RJ) e Michael Correia (RJ)

Público: 68.165; Pagante: 58.399

Renda: R$ 3.242.130,00

Cartão Amarelo: Pará, Márcio Araújo(Fla); Wellington Silva, Henrique Dourado, Lucas, Léo(Flu)

Cartão Vermelho: Diego Cavalieri(Flu)

Gols:

FLAMENGO: Guerrero, aos 39 minutos e Rodinei, aos 50 minutos do segundo tempo

FLUMINENSE: Henrique Dourado, aos três minutos do primeiro tempo

FLAMENGO: Alex Muralha, Pará, Rafael Vaz, Rever e Renê; Márcio Araújo, Willian Arão e Trauco(Rodinei); Berrio(Gabriel), Paolo Guerrero e Everton(Juan)

Técnico: Zé Ricardo

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Lucas, Renato Chaves, Henrique e Léo; Jefferson Orejuela, Wendel(Marcos Junior) e Junior Sornoza; Wellington Silva(Maranhão), Richarlison(Pedro) e Henrique Dourado

Técnico: Abel Braga

Gazeta Esportiva

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Palmeiras vence Peñarol de virada e fica a um empate de se classificar

Os jogos do Palmeiras na Copa Libertadores testam o coração do torcedor. Na noite desta quarta-feira, o Verdão fez um péssimo primeiro tempo e foi para o intervalo perdendo por 2 a 0. Na segunda etapa, após mudanças de Eduardo Baptista, o Alviverde conseguiu a virada por 3 a 2.

Sem ter jogado com o esquema de três zagueiros nesta temporada, o Palmeiras sofreu para trocar uma sequência de quatro passes certos no primeiro tempo. Miguel Borja, isolado no ataque, também não era capaz de dominar os chutões da zaga alviverde, fazendo com que o Peñarol chegasse a emplacar 61% de posse de bola.

Com uma péssima atuação, os uruguaios não tiveram problema para abrir o placar aos 12 minutos. Yerry Mina sofreu um puxão de Affonso dentro da área e se jogou. O atacante uruguaio aproveitou cruzamento da direita e, livre, mandou para as redes.

Na marcação, o Palmeiras se desenhava em um 5-4-1, com a linha de meio-campistas muito próxima da área palmeirense, e Boja marcando no centro do gramado. Já sem a bola, o 3-6-1 de Eduardo Baptista não funcionava e, com apenas 30 minutos, Yerry Mina já subia ao ataque como atacante para tentar produzir ofensivamente.

O Verdão fazia sua pior atuação no ano e, com 39 minutos, o Peñarol ampliou. Em boa jogada trabalhada, que teve os palmeirenses apenas assistindo, o time uruguaio cruzou pela direita, Petrik desviou de cabeça para trás e a bola sobrou para Junior Arias, que emendou um voleio e fez o segundo.

Para o segundo tempo, o Palmeiras mudou seu esquema de jogo e retornou com o 4-2-3-1, tendo as entradas de Tchê Tchê e Willian nas vagas de Vitor Hugo e Egídio, com Michel Bastos sendo deslocado para a lateral esquerda.

E a nova formação alviverde precisou de apenas três minutos para diminuir a desvantagem com um golaço de Willian. Jean cruzou da direita, Borja brigou pela bola e ela sobrou para o Bigode, que dominou, chepelou um adversário, e emendou chute de primeira, que desviou e foi no ângulo.

Se no primeiro tempo Yerry MIna não teve sucesso ao se aventurara ao ataque, com 17 da segunda etapa, o colombiano foi as redes. Guerra brigou pela bola na esquerda e ela chegou a Jean do lado oposto. O lateral mandou na área e o zagueiro subiu bem de cabeça para mandar para as redes.

A postura do Palmeiras era totalmente diferente no segundo tempo e, aos 27 minutos, o Verdão virou o jogo. Tchê Tchê acionou Guerra pelo meio, e o venezuelano, totalmente livre, arriscou chute da entrada da área. Guruceaga espalmou e, no rebote, Jean cruzou rasteiro e Willian só empurrou para as redes para fazer se segundo tento e virar a partida.

O JOGO

Ligado no jogo, o Peñarol deu seu primeiro ataque logo aos quatro minutos. Petrik fez cruzamento na área, Villalba subiu bem e tocou de cabeça, mas a bola foi para fora.

Antes de o Palmeiras dar seu primeiro ataque, o Peñarol já abriu o placar. Yerry Mina sofreu um puxão de Affonso dentro da área e se jogou. O atacante uruguaio aproveitou cruzamento da direita e, livre, mandou para as redes.

Antes da saída de bola, Felipe Melo deu bronca em Mina, Róger Guedes e ainda pediu para Nandez voltar rápido para seu campo. Como consequência, o volante e o uruguaio foram punidos com o cartão amarelo.

O primeiro ataque do Palmeiras veio aos 18 minutos, quando Borja conseguiu fazer o pivô e girar. O centroavante abriu com Jean na direita, que cruzou errado. Na sequência, o camisa 12 cometeu falta e também recebeu o amarelo.

Antes de o Palmeiras dar seu primeiro chute a gol, o Peñarol ampliou sua vantagem. Aos 39 minutos, em boa jogada trabalhada, que teve os palmeirenses apenas assistindo, o time uruguaio cruzou pela direita, Petrik desviou de cabeça para trás e a bola sobrou para Junior Arias, que emendou um voleio e fez o segundo

Antes do fim, a defesa do Palmeiras se atrapalhou de novo e quase sofreu o terceiro. Felipe Melo cortou mal a bola cruzada por Petryk na área e Prass foi obrigado a deixar a meta para dividir a bola no limite da grande área. Na sequência, Affonso tentou encobrir o goleiro, mas o camisa 1 defendeu de novo.

Palmeiras volta ligado para o segundo tempo e viara o jogo

Para o segundo tempo, o Palmeiras mudou seu esquema de jogo e retornou com o 4-2-3-1, tendo as entradas de Tchê Tchê e Willian nas vagas de Vitor Hugo e Egídio, com Michel Bastos sendo deslocado para a lateral esquerda.

E a nova formação alviverde precisou de apenas três minutos para diminuir a desvantagem com um golaço de Willian. Jean cruzou da direita, Borja brigou pela bola e ela sobrou para o Bigode, que dominou, chepelou um adversário, e emendou chute de primeira, que desviou e foi no ângulo.

Com 12 jogados, Róger Guedes perdeu uma chance inacreditável de empatar o jogo. Guerra deu linda enfiada para Jean, que dominou na linha de fundo e cruzou para Guedes. O atacante, sem goleiro e na risca da pequena área, isolou a bola.

Se Róger Guedes perdeu sua chance clara, Yerry Mina mostrou faro de gol e empatou aos 17 minutos. Guerra brigou pela bola na esquerda e ela chegou a Jean do lado oposto. O lateral mandou na área e o zagueiro colombiano subiu bem de cabeça para mandar para as redes.

A postura do Palmeiras era totalmente diferente no segundo tempo e, aos 27 minutos, o Verdão virou o jogo. Tchê Tchê acionou Guerra pelo meio, e o venezuelano, totalmente livre, arriscou chute da entrada da área. Guruceaga espalmou e, no rebote, Jean cruzou rasteiro e Willian só empurrou para as redes para fazer se segundo tento e virar a partida.

FICHA TÉCNICA

PEÑAROL-URU 2 x 3 PALMEIRAS

Local: Estádio Campeón del Siglo, em Montevidéu, Uruguai

Data: quarta-feira, 26 de abril de 2017

Horário: 21h45 (de Brasília)

Árbitro: Roddy Zambrano Olmedo (EQU)

Assistentes: Luis Vera e Juan Macías (EQU)

Cartões amarelos: Nandez e Alex Silva (PEÑAROL); Felipe Melo, Edu Dracena e MIguel Borja (PALMEIRAS)

GOLS:

PEÑAROL: Affonso, aos 12, e Junior Arias, aos 39 minutos do primeiro tempo

PALMEIRAS: Willian, aos três, e Yerry Mina, aos 17, e Willian de novo aos 27 minutos da segunda etapa

PEÑAROL: Guruceaga; Petryk (Rossi), Quintana, Villalba e Hernández; Alex Silva (Ángel Rodríguez), Nandez, Novick (Dibble), Cristian Rodríguez; Junior Arias e Affonso

Técnico: Leonardo Ramos

PALMEIRAS: Fernando Prass; Yerry Mina, Edu Dracena e Vitor Hugo; Jean, Felipe Melo, Guerra e Egídio; Michel Bastos; Róger Guedes (Keno) e Miguel Borja

Técnico: Eduardo Baptista

Gazeta Esportiva

Gre-Nal eletrizante tem virada, gols de reservas e termina 2 a 2

Lucas Uebel/Gremio FBPA
Lucas Uebel/Gremio FBPA

Clássico Gre-Nal é um jogo ‘feio’, com poucas oportunidades e raros gols, certo? Errado. Neste sábado (04), tudo que se viu foi um jogo eletrizante, com virada, gols de reservas e placar empatado em 2 a 2. A sexta rodada do Gauchão deu um ponto a cada um e encheu de emoção as cadeiras da Arena.

O Grêmio foi amplamente superior no primeiro tempo. Abriu 1 a 0 e poderia ter virado com dois ou três na frente. Mas na segunda etapa, o Colorado virou em três minutos. Uma vez na frente, o Inter se retraiu e o Grêmio empatou novamente. Fernandinho e Roberson, que entraram na segunda etapa, foram muito responsáveis pelo resultado. Cada um balançou as redes rivais uma vez.
O resultado deixa o Grêmio na segunda colocação no Estadual com 11 pontos. Já o Inter vai a 7 pontos e é quarto colocado. O jogo antecedeu compromissos importantes por outras competições. Na quarta o Inter encara o Sampaio Corrêa pela Copa do Brasil. Na quinta, o Grêmio estreia na Libertadores contra o Zamora, na Venezuela.

Bolaños é destaque da partida

O equatoriano Miller Bolaños tem sua trajetória no Grêmio marcada por um clássico Gre-Nal. Foi no ano passado, quando um lance com William acabou na fratura de sua mandíbula. De novo contra o Internacional, desta vez foi o jogo para comemorar. Ele marcou o primeiro gol da partida e foi destaque técnico do jogo.

Carlos e Charles decepcionam em 45 minutos

Dos jogadores do Inter, dois se destacaram negativamente. Carlos e Charles mostraram em 45 minutos que não deveriam seguir no time. Com falhas ofensivas e defensivas, a dupla foi sacada por Antonio Carlos Zago antes que fosse ainda pior.

4 minutos e a primeira polêmica

Bolaños enfia para Pedro Rocha que vai driblar Paulão e cai. O zagueiro do Inter vinha de carrinho. Foi o suficiente para muita reclamação. Renato Gaúcho protestou com o bandeirinha, os jogadores do Grêmio cercaram Leandro Vuaden e nada foi marcado.

Grêmio na frente: Inter frequenta pouco o campo rival

Os 15 primeiros minutos foram de superioridade absoluta do Grêmio. Povoando o campo adversário, o Tricolor chegou perto de marcar em conclusão de Bolaños pelo lado direito. Danilo Fernandes pegou. Já o Colorado pareceu preso. D’Alessandro foi muito bem marcado e não conseguiu distribuir bons lances para Brenner e Carlos. Desta forma, frequentou pouco em condição de criação o campo rival. Quando teve sua melhor chance, aos 19 minutos, o Colorado deu espaço e sofreu o gol. Pedro Rocha encontrou Miller Bolaños, que colocou nas redes.

Zago, preocupado, trata de mudar o time

O Internacional não foi superior ao Grêmio um minuto sequer da etapa inicial. Dominado e atrás no marcador, o técnico Antonio Carlos Zago viu os jovens de sua equipe em jornada longe do ideal. Charles e Ortiz foram mal. Brenner pouco tocou nela. Carlos errou todos os lances que tentou. Desta forma, tratou de colocar os reservas no aquecimento ainda antes dos 30 do primeiro tempo. E trocou non intervalo.

Virada em três minutos com mão de Antonio Carlos

O empate do Internacional tem muito de Antonio Carlos Zago. Foi ele quem deu as primeiras oportunidades a Brenner e pediu a contratação de Roberson. Numa tabela entre os dois, o ex-gremista bateu rasteiro e a bola ainda bateu na trave antes de entrar. Com 10 minutos de segundo tempo, o Inter igualou o jogo. E três minutos depois, uma troca de passes rápidas acabou em Brenner, que encobriu Marcelo e virou o jogo.

Apertou? Chama o Barrios

Um minuto depois de levar a virada, o Grêmio promoveu a estreia de Lucas Barrios. O atacante vindo do Palmeiras entrou no lugar de Pedro Rocha e serviu para remobilizar a torcida, já abalada com o resultado. Em seu primeiro lance, o paraguaio quase marcou, de cabeça. Danilo Fernandes defendeu.

Fernandinho empata para o Grêmio

Fernandinho estava em campo há menos de 10 minutos e empatou o jogo. Debaixo de chuva, aproveitou-se da força do chute para vencer Danilo Fernandes, que falhou. Cortou da direita para o meio e bateu forte para empatar.

Corneta no sistema de som

Antes da partida e no intervalo, o sistema de som da Arena puxou a corneta ao Internacional. Acostumado a reproduzir apenas músicas bandar estrangeiras e rock como gênero predileto, as caixas de som do estádio gremista entoaram o hit ‘Arerê’ de Ivete Sangalo. Tudo porque no refrão os aficionados mudavam a letra para “Arerê, o Inter vai jogar a Série B”.
FICHA TÉCNICA
GRÊMIO 2 X 2 INTERNACIONAL
Data e hora: 04/02/2017 (Sábado)
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Árbitro: Leandro Vuaden
Auxiliares: Lúcio Beiersdorf Flor e José Eduardo Calza
Renda: R$ 1.909.003,00
Público: 45.903
Cartões amarelos:  Michel (GRE), Bolaños (GRE), Luan (GRE), Pedro Geromel (GRE); Léo Ortiz (INT), Paulão (INT), D’Alessandro (INT), Charles (INT), Nico López (INT), Anselmo (INT);
Gols: Bolaños, do Grêmio, aos 21 minutos do primeiro tempo; Roberson, do Inter, aos 10 minutos do segundo tempo; Brenner, do Inter, aos 13 minutos do segundo tempo; Fernandinho, do Grêmio, aos 23 minutos do segundo tempo;
GRÊMIO
Marcelo Grohe; Léo Moura, Pedro Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Michel (Fernandinho), Jaílson (Lincoln), Ramiro e Miller Bolaños; Luan e Pedro Rocha (Barrios).
Técnico: Renato Gaúcho
INTERNACIONAL
Danilo Fernandes; William, Léo Ortiz, Paulão e Carlinhos; Rodrigo Dourado, Charles (Roberson), Uendel e D’Alessandro; Carlos (Nico López) e Brenner (Anselmo).
Técnico: Antonio Carlos Zago
Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

No retorno a São Januário, Vasco vence de virada pela Taça Guanabara

Mesmo sem mostrar um grande futebol, o Vasco conseguiu neste domingo (5) a sua segunda vitória na Taça Guanabara ao derrotar o Resende por 2 a 1, de virada, em São Januário, pela terceira rodada do grupo C da competição.

Com o resultado, o time treinado pelo técnico Cristóvão Borges chegou aos seis pontos e está na segunda posição na tabela, atrás apenas do Fluminense. O Resende, por sua vez, tem apenas um ponto e divide a última colocação da chave com o Bangu.

Os gols da partida foram marcados por Kiros, para os visitantes, e Escudero e Thalles, para a equipe da casa.

Na quarta rodada, que acontece no próximo fim de semana, o Vasco visita o Volta Redonda, enquanto o Resende joga contra Portuguesa, também fora de casa.

SEVERINO SILVA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO

Jogadores do Vasco comemoram um gol contra o Resende

De volta para casa

A partida marcou o retorno do Vasco a São Januário. O time não jogava na sua casa há quase três meses. O último jogo havia sido no dia 8 de novembro do ano passado (empate por 1 a 1 contra o Luverdense, pela Série B do Campeonato Brasileiro). O estádio, que completará 90 anos em 2017, passou por reformas neste período.

Blitz inicial do Resende

Mesmo longe dos seus domínios, o Resende se sentiu em casa no início da partida. Com jogadas rápidas, o time visitante teve três chances reais de gol nos primeiros nove minutos.

Na primeira, logo com um minuto de jogo, Kiros aproveitou um erro de Alan e parou em Martín Silva. Aos sete minutos, o goleiro vascaíno trabalhou bem novamente ao defender um chute de Jhulliam. Aos nove minutos, porém, não teve jeito. Muriel cruzou da direita e Kiros, de cabeça, abriu o placar.

Nos pés de Nenê

Depois do gol, o ímpeto do Resende diminuiu. O time se fechou na defesa à espera de um contra-ataque. O Vasco, por sua vez, tomou as rédeas da partida. As principais jogadas saíam dos pés de Nenê. Ele cruzava, batia falta, finalizava e chamava o jogo. Porém, não conseguiu um chute capaz de vencer o goleiro Arthur.

A melhor oportunidade para o Vasco no primeiro tempo surgiu aos 30 minutos. Nenê cobrou uma falta e a bola sobrou para Guilherme, que, sozinho na área, chutou por cima da baliza.

Mudanças e o empate

No intervalo, Cristóvão fez duas mudanças. Tirou Rodrigo e Evander e colocou Rafael Marques e Jean. E logo aos dois minutos do segundo tempo, o Vasco conseguiu o empate. Pela direita, Nenê rolou para Pikachu, que cruzou rasteiro para Escudero só empurrar para as redes.

Trave e resposta

Aos oito minutos, o time da casa teve uma grande chance para virar a partida. E novamente nos pés de Nenê. O jogador cobrou uma falta na entrada da área e acertou a trave. Aos 17 minutos, Jhulliam respondeu com muito perigo. Ele aproveitou um cruzamento e, sozinho, cabeceou. A bola passou muito perto da trave de Martín Silva.

A virada

O Vasco caiu de ritmo no fim do jogo, mas, mesmo assim, conseguiu a vitória. Aos 40 minutos, Muriqui cruzou da direita e Thalles, de primeira, chutou para o gol e decretou o triunfo dos mandantes.