Arquivo da tag: universitário

Paciente do quarto caso de malária na Paraíba recebe alta médica do Hospital Universitário

O paciente do quarto caso de malária confirmado na Paraíba, em 2019, recebeu alta médica no fim da tarde desta quarta-feira (8), de acordo com a assessoria de comunicação do Hospital Universitário (HU) de João Pessoa. O paciente foi diagnosticado no dia 2 de maio, no município do Conde, na Região Metropolitana de João Pessoa.

A malária foi identificada em um idoso, de 64 anos, que mora no bairro Village Jacumã, no Conde. Após o diagnóstico, o tratamento foi iniciado no município, mas devido a outras doenças, ele foi transferido para o Hospital Universitário Lauro Wanderley, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa.

De acordo com a assessoria do hospital, nenhum outro caso de malária está sendo tratado na unidade de saúde.

A Secretaria do Estado e a Secretaria Municipal do Conde informaram que investigam possíveis casos. Uma comissão especial foi formada com trabalhadores da Atenção Básica e Vigilância Epidemiológica da cidade para elaborar um relatório sobre o assunto, no prazo de 60 dias desde a data da descoberta da primeira paciente.

Outros três casos confirmados

O primeiro caso da doença no estado, este ano, foi constatado em uma mulher, de 35 anos, moradora do município do Conde, na Região Metropolitana da capital paraibana. Ela foi internada no mesmo hospital no dia 29 de março e, após passar por tratamento, recebeu alta no dia 9 de abril.

Já o segundo caso foi diagnosticado em um homem, de 53 anos, que deu entrada inicialmente no Hospital de Ortotrauma de Mangabeira e, depois, foi transferido para o HU no dia 5 de abril, quando exames confirmaram a suspeita. Ele mora no município de Tavares, mas trabalha no Conde, segundo a Secretaria de Estado da Saúde e a Secretaria de Saúde do Conte. Ele recebeu alta médica no dia 12 de abril.

O terceiro caso foi identificado em uma mulher, de 40 anos,moradora do bairro de Jacumã, no Conde. Ela deu entrada no HU no dia 11 de abril, quando a confirmação de malária foi feita por meio de um teste rápido, e recebeu alta no dia 22 do mesmo mês.

Malária

As secretarias chamam a atenção para os seguintes casos suspeitos:

  • toda pessoa residente ou que tenha se deslocado para área endêmica para malária, no período de 8 a 30 dias anterior à data dos primeiros sintomas, e que apresente febre alta e intermitente (periódica entre 42 a 72 horas) acompanhada ou não de cefaleia, calafrios, sudorese, cansaço ou mialgia;
  • diante da suspeita, avaliar a clínica e solicitar teste rápido para malária e/ou gota espessa (lâmina);
  • importante também investigar outras arboviroses como dengue, zika e chikungunya;

A malária não é uma doença comum no estado, mas é transmitida pela fêmea do mosquito Anopheles, que pode ser encontrado na Paraíba nas espécies An.aquasalis; An. albitarsis; An.bellator e An. Argyritarsis.

É necessário que o mosquito esteja infectado pelo protozoário Plasmodium nas espécies P. vivax, P. falciparum e P. malariae, que age na corrente sanguínea para causar a doença.

Além da transmissão por mosquito, a doença pode ser difundida por contato de uma corrente sanguínea com o sangue contaminado.

G1

 

Vereador Kilson Dantas (PSB) solicita transporte universitário para alunos de Bananeiras no período diurno

Em Sessão Ordinária da Casa Odon Bezerra, realizada na última terça-feira (26), o vereador Kilson Dantas (PSB) teve o requerimento Nº 46/2019 aprovado por unanimidade, onde solicitou ao Executivo local transporte universitário para as faculdades de Guarabira e Campina Grande no turno da manhã.

Representando os estudantes universitários de Bananeiras e tentando atender a apelos de famílias bananeirenses, que tem filhos no processo de qualificação profissional em universidades nas cidades de Guarabira e Campina Grande, o parlamentar solicita do gestor publico o transporte para as universidades. Mesmo ciente que o município já disponibiliza o transporte de universitários no horário noturno e justificando que não é de obrigação do município, solicita a sensibilidade do gestor para atender a apelos com relação à demanda que aumentou para o ano em curso.

O mesmo citou em sua fala a importância do transporte universitário que se torna mais que necessário para que os filhos de Bananeiras possam se qualificar e melhorar sua vida. Outros parlamentares fizeram uso do momento parabenizando o requerimento do vereador Kilson Dantas, aprovando-o por unanimidade, o mesmo agradeceu a atenção dos presentes esperando assim, o atendimento por parte da gestão ao requerimento em questão.

Ascom-CMB

 

MPF obtém condenação de envolvidos em construção de restaurante universitário na UFPB em Bananeiras

Irregularidades ocorreram no Campus III da UFPB, em Bananeiras, e incluíram pagamentos sem contrato, paralisação e serviços mal executados

O Ministério Público Federal (MPF) em Guarabira (PB) obteve a condenação de três servidores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) por causarem um prejuízo de R$ 173.391,52 ao erário, decorrente de execução irregular do restaurante universitário do Campus III da UFPB em Bananeiras (PB), em 2008. Eles foram condenados pela prática de atos de improbidade administrativa, por várias irregularidades na execução da obra, como pagamentos realizados sem contrato, paralisação da obra e defeitos estruturais ocasionados por serviços mal executados.

Foram condenados o então diretor do Campus III da UFPB em Bananeiras, Antônio Eustáquio Resende Travassos; o servidor Inaldo Soares dos Anjos, então gestor financeiro do contrato firmado entre a universidade e a construtora responsável pela obra; e o servidor Ivanildo Rodrigues de Melo, fiscal das obras do restaurante universitário. Todos foram sentenciados ao ressarcimento do dano, suspensão dos direitos políticos por cinco anos, multa civil e proibição de receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios pelo prazo de cinco anos.

Aditivo retroativo – Conforme o processo, em 2007, o Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias – CCHSA, do Campus III da UFPB, em Bananeiras, realizou licitação para a construção do restaurante universitário. A empresa Saneamento e Construções Ltda – Secol ganhou a licitação e foi assinado o Contrato n. 11/2007, em 30 de dezembro de 2007, no valor de R$ 308.873,39.

Entretanto, o contrato venceu em 30 de agosto de 2008 sem que a construção do restaurante tivesse sido concluída. Mesmo assim, os pagamentos das medições continuaram a ser realizados. Houve três medições executadas e pagas sem qualquer amparo contratual. O aditivo somente foi providenciado em 23 de dezembro de 2008, ampliando o prazo da conclusão em 90 dias.

Negligência – De acordo com a sentença, o diretor Antônio Eustáquio Travassos foi negligente nos cuidados da execução do contrato, uma vez que “afirmou claramente que assinava os documentos sem se atentar para datas ou seu conteúdo”. Eustáquio também se omitiu quanto à aplicação de penalidades administrativas à empresa Secol, em razão do descumprimento das cláusulas contratuais que ocasionaram o atraso na construção do prédio e o abandono da obra. Em depoimento, o diretor do campus afirmou que “apenas tomou medidas administrativas contra a empresa somente quando houve a inspeção da Controladoria Interna da UFPB”.

O gestor financeiro do contrato, Inaldo Soares dos Anjos, deixou de recolher o percentual de 5% do valor do contrato a ser pago pela empresa como garantia de execução da obra. Já o fiscal das obras do restaurante, Ivanildo Rodrigues de Melo, realizou atestos de execução de obras mesmo quando os serviços não tinham sido realizados, deixando, assim, de agir com diligência e probidade no desempenho de suas funções, conforme a sentença.

O processo tramita na 12ª Vara da Justiça Federal sob o número 0801466-33.2015.4.05.8200.

portalmidia

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Prefeito de Araçagi explica corte do transporte universitário

muriloO prefeito de Araçagi, Murílio Nunes (PSB), informou neste sábado, 04, que não tem como pagar o transporte universitário em razão do sequestro de verbas nas cotas do FPM – Fundo de Participação dos Municípios, em virtude de um parcelamento de débito deixado pela gestão anterior junto do INSS – Instituto Nacional de Seguridade Social.

“Como gestor defendo o direito dos estudantes de se manifestarem, mas neste momento, não tenho como pagar o transporte universitário por conta do parcelamento do débito com INSS, deixado pela administração passada, culminando em cotas zeradas do FPM. Entrei com uma representação junto a justiça federal solicitando a revisão do parcelamento, mas ainda não obtive resposta, infelizmente temos que aguardar”, explicou Murílio.

As explicações foram dadas aos próprios estudantes logo após o encerramento das manifestações deste sábado.

Rafael San

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

 

Universitário é sequestrado em praça e deixado abandonado em porta-malas de carro

Reprodução/ TV Correio
Reprodução/ TV Correio

Um estudante universitário de 21 anos foi vítima de um sequestro-relâmpago quando chegava em uma praça do bairro de Manaíra, em João Pessoa, na noite dessa segunda-feira (19). Ele foi deixado minutos depois dentro do porta-malas do veículo no bairro de Mandacaru, na Capital.

De acordo com o sargento Danilo, da Polícia Militar, a vítima estava chegando na Praça Silvio Porto dirigindo o próprio veículo quando foi abordada por dois homens armados e a pé.

“A dupla rendeu o jovem e tomou o veículo. O rapaz foi colocado dentro do carro e deixado na comunidade Poeirão, em Mandacaru, trancado no porta-malas. Os assaltantes levaram o cartão de crédito, a carteira e o celular Iphone”, falou o sargento.

Ainda segundo a Polícia Militar, o jovem conseguiu sair do porta-malas ao ser ajudado por uma pessoa que passava pelo local. O estudante saiu dirigindo o carro até em casa e comunicou o caso ao pai, que prestou queixa no Distrito Integrado de Segurança Pública (Disp) de Manaíra.

A delegada Andreia Mello, que registrou a ocorrência, disse que o jovem até as 10h não tinha ido prestar esclarecimento sobre o caso. “Soube o que aconteceu através do boletim da PM e da declaração do pai. Até agora a vítima não compareceu para falar sobre o assunto e assim começar as investigações para prender os suspeitos”, falou.

portalcorreio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Ranking Universitário Folha coloca a UEPB entre as 20 melhores universidades estaduais do país

uepbA Universidade Estadual da Paraíba obteve mais uma importante conquista no que diz respeito à avaliação de qualidade das universidades brasileiras. O Ranking Universitário Folha (RUF) 2015, divulgado nesta segunda-feira (14), pela Folha de S. Paulo, colocou a UEPB entre as 20 melhores universidades estaduais do país, sendo, neste caso, a 19ª universidade estadual melhor avaliada nacionalmente e a 7ª do Nordeste.

Entre as universidades públicas em geral (federais e estaduais), a UEPB é 64ª melhor Instituição de Ensino Superior do país e a 19ª do Nordeste. O RUF avaliou os cursos de Administração, Biologia, Computação, Ciências Contábeis, Direito, Educação Física, Enfermagem, Engenharia Civil, Farmácia, Física, Geografia, História, Jornalismo, Matemática, Odontologia, Pedagogia, Letras, Psicologia, Química, Relações Internacionais e Serviço Social da Instituição. Destes, os cursos de Relações Internacionais e Serviço Social figuram como os vigésimos melhores cursos do país nas suas áreas.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

O RUF é uma listagem das universidades brasileiras, de acordo com a sua qualidade. Para chegar ao ranking, a Folha criou uma metodologia própria (tendo como referências avaliações internacionais consolidadas), que mescla indicadores de pesquisa e de inovação e a opinião do mercado de trabalho e de pesquisadores renomados, cadastrados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep-MEC).

Os indicadores que compõem a fórmula do RUF são qualidades de pesquisa, qualidade de ensino, avaliação de mercado, indicador de inovação e indicador de internacionalização. O ranking geral contou com 192 universidades avaliadas. Em nível nacional, que reúne universidades estaduais, federais e privadas, a UEPB obteve a 93ª posição, com nota geral de 41,08.

Metodologia

O Ranking Universitário Folha busca medir a qualidade das instituições de ensino superior brasileiras, em suas diferentes missões, partindo de metodologias utilizadas em rankings internacionais, mas com adaptações para o cenário nacional. As 192 universidades do país que têm como missão constitucional fazer ensino, pesquisa e extensão foram avaliadas em cinco grandes áreas: ensino, inserção no mercado de trabalho, pesquisa, internacionalização e inovação.

No tocante à qualidade do ensino, o ranking considera os subindicadores de proporção de professores mestres e doutores, professores com dedicação integral e parcial, nota do Enade e a opinião coletada pelo Datafolha de 726 professores escolhidos pelo MEC para analisar a qualidade de cursos superiores.

O item avaliação de mercado é medido pelo desempenho da Instituição em uma pesquisa feita pelo Datafolha com 2.222 responsáveis pela contratação de profissionais no mercado. O item internacionalização leva em conta o número de citações de trabalhos da Instituição pro grupos de pesquisa internacionais e a proporção de publicações feitas em coautoria internacional. A inovação considera o número de patentes pedidas pela Instituição, isto é, o direito da exclusividade para explorar comercialmente novas ideias, entre 2004 e 2013.

Já o item qualidade da pesquisa, leva em conta o total de trabalhos científicos publicados, citações por publicação, citações dos artigos, publicações por docentes, citações por docentes, publicações em revistas nacionais, captação de recursos para pesquisas e a proporção de pesquisadores com alta produção acadêmica.

Para acessar todos os dados da pesquisa, clique AQUI.

Texto: Tatiana Brandão

uepb

Mulheres ficam presas em elevador do Hospital Universitário da UFPB

(Foto: Walter Paparazzo/G1)
(Foto: Walter Paparazzo/G1)

Três mulheres ficaram presas no elevador do Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW), em João Pessoa, na tarde desta quarta-feira (6). Segundo a coordenação médica e ambulatorial da instituição, o equipamento apresentou um problema técnico, mas a situação já teria sido regularizada. O corpo de Bombeiros esteve no local para prestar socorro às mulheres.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, para resgatar as mulheres foi necessário desligar a energia da cabine do elevador. Após a retirada delas, o elevador foi interditado e aguarda as providências do setor de manutenção do hospital.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Do G1 PB

UFPB vai apurar uso de arma durante confusão no restaurante universitário

margareth-dinizA reitoria da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) vai apurar o uso de uma arma por parte de um segurança durante uma confusão envolvendo estudantes no Restaurante Universitário (RU) da instituição. De acordo com a reitora, Margareth Diniz, o tumulto aconteceu na terça-feira (24), no campus de João Pessoa.

“Recebemos a informação de que um dos vigilantes teria sacado um revólver para tentar conter os estudantes que estariam forçando a porta para invadir o restaurante. Esta não é a postura que é recomendada para os seguranças e estamos apurando o caso para tomar as providências cabíveis”, disse a reitora na manhã desta quarta-feira (25).

Segundo Margareth, um grupo de estudantes estaria insatisfeito com a demora na fila e um tumulto aconteceu na entrada do restaurante. “Estamos fazendo um levantamento para saber, de fato, o que aconteceu e vamos procurar os estudantes para saber qual o motivo da confusão e quais as reivindicações que eles têm a fazer”, explicou.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

A reitora também pediu que os alunos que frequentam o ambiente tenham calma em relação a formação de filas. “O RU está passando por reformas para que uma nova ala seja criada para atender mais pessoas. Por conta das obras, pode acontecer algum atraso e a fila demorar um pouco mais, mas não será nada que comprometa o funcionamento normal do restaurantes. É preciso que os alunos tenham paciência que todos serão atendidos”, concluiu Margareth.

 

Do G1 PB

Universitário morto em Bauru (SP) bebeu pelo menos 25 copos de vodca

Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Vodca em excesso foi a causa da morte do universitário Humberto Moura Fonseca, de 23 anos, do 4.º ano de Engenharia Elétrica da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita (Unesp). A mesma competição de bebida que o matou ainda deixou outros três universitários em estado de coma e motivou duas prisões em Bauru, no interior de São Paulo.

O corpo de Humberto foi levado neste domingo (1º) para Passos, em Minas, onde vive a família. O rapaz apresentava-se nas redes sociais como praticante de muay thai. Segundo a Polícia Civil, que investiga o caso, Fonseca participava de uma “competição” com colegas da Unesp e morreu na tarde de sábado (28) em decorrência da intoxicação por álcool – o mesmo ocorreu com outros seis universitários e três seguem internados. “O rapaz que morreu bebeu pelo menos 25 copinhos plásticos de vodca e passou mal. O campeão da competição tomou 30 copinhos e está em estado grave”, explicou o delegado Mário Henrique de Oliveira Ramos, de 50 anos, da Central de Polícia Judiciária. Seriam copinhos de café.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Além de outras bebidas, como cerveja, catuaba e cachaça servidas à vontade, havia um “torneio” específico para escolher os campeões de consumo de vodca. “Bebiam e quem não parava em pé desistia”, contou o policial, destacando também que foi servido chá de boldo “aos que estavam passando mal”. “Não havia nenhuma estrutura para socorrer as vítimas”, afirmou.

O primeiro chamado para a Polícia Militar por causa da bebida em excesso dos participantes da festa chegou ao Comando de Policiamento (Copom) de Bauru às 16h30 – uma hora depois de a festa começar.

Dois alunos foram detidos – e posteriormente liberados. “Eles são de duas repúblicas envolvidas na promoção da festa. Nós enviamos ao juiz o pedido de prisão em flagrante por homicídio com dolo eventual”, explicou o delegado. “O advogado deles conseguiu a liberação na Justiça. Ambos vão responder ao processo em liberdade e também responderão pelo estado das outras vítimas.”

A polícia não divulgou os nomes dos suspeitos. Segundo o delegado, pelo menos 2 mil jovens estavam na festa – que segundo a mídia local não teria alvará. “Os preços chegavam a R$ 100, com direito de consumir bebida à vontade”, disse Oliveira Ramos. Na página do evento no Facebook, um dos atrativos era a justamente o “open bar”. A página deixava claro que a competição de bebidas iria ocorrer e o evento tinha patrocínio de uma marca de cerveja.

 

Estadão

IX ENLICA: Campus Universitário de Bananeiras recebeu Delegações de todo Brasil

enlicaAs cidades de Bananeiras e de Solânea, no Brejo paraibano, estão acolhendo desde segunda feira 13 centenas de estudantes, professores e pesquisadores participantes do 9º Encontro Nacional das Licenciaturas em Ciências Agrárias IX ENLICA e do 1º Simpósio de Licenciatura em Ciências Agrárias (SIMLICA), promovidos pelos cursos de Ciências Agrárias da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), do Campus de Catolé do Rocha, em parceria com os Cursos de Ciências Agrárias da UFPB e UFPB Virtual. O evento está contando com cerca de 500 participantes, sendo a maioria delegações de outras regiões do pais a exemplo de estudantes e professores do Instituto Federal Catarinense – Campus Araquari – IFC, do Estado de Santa Catarina, do IF Baiano – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, da UFRRJ – Universidade Federal Rural do Rio de JaneiroUFRPE – Universidade Federal Rural de Pernambuco (Recife), e do IFMA – Instituto Federal do Maranhão, participantes da comunidade acadêmica do Campus da UEPB de Catolé do Rocha e do Campus da UFPB em Bananeiras, entre outros acadêmicos de Instituições de Ensino Superior do Brasil e professores da rede de ensino básico, além de representantes de entidades relevantes como a Associação de Profissionais das Licenciaturas em Ciências Agrícolas (APLICA). Destacou-se ainda a presença dos alunos da Escola Agrotecnica do Cajueiro, Campus também da UEPB, e dirigentes Pró-reitores, Diretores e Coordenadores das universidades e institutos e das instituições representativas, destacando-se a vinda do Prof. José Carlos Brancher, Pro-Reitor de Extensão do IFC e Presidente do Fórum de Pró-reitores de Extensão das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (FORPROEXT) e do Pro-Reitor de Pró-Reitoria de Assistência e Promoção ao Estudante (PRAPE-UFPB) Prof. Thompson Lopes de Oliveira.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Segundo Prof. Marcos Barros de Medeiros o evento conta com o auxílio financeiro conquistado (Parceria da equipe conjunta UEPB-UFPB) através de aprovação pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) do Governo Federal além do apoio das Reitorias da UFPB, UEPB, Prefeitura Municipal de Bananeiras e Prefeitura Municipal de Solânea, Curso de Ciências Agrárias da UFPB Virtual, Pro-Reitoria de Assistência ao Estudante PRAPE/UFPB;  Federação Nacional do Ensino Agrícola – FENEA, Associação nacional dos Técnicos Agrícolas e Associação dos Profissionais Licenciados em Ciências Agrícolas e Agrárias

 

Abrindo com o Tema “Da sala de aula ao Campo ” proferido pela Profa. Doutora Maria do Socorro Xavier Batista do Colegiado Nacional do PRONERA/MDA/INCRA e membra do Fórum nacional de educação do campo, nos dois eventos simultâneos estão sendo debatidas ainda em Bananeiras questões sobre: Educação do campo, agroecologia, agricultura familiar, mundo do trabalho e sustentabilidade familiar, diretrizes curriculares e mercado de trabalho do profissional licenciado em ciências agrárias que farão parte de um documento que tem como objetivo o fortalecimento da profissão, por meio da criação de um conselho profissional e de diretrizes curriculares, além de propostas alternativas, e tecnologias sociais, assistência técnica e extensão rural e relações do curso com a comunidade. Dentre as atividades que serão realizadas estão plenárias de discussão para docentes, discentes e profissionais que se interessem pelo futuro das Licenciaturas em Ciências Agrárias.

Segundo o Professor Breno Henrique de Souza o  ENLICA (Encontro Nacional das Licenciaturas em Ciências Agrárias) trata-se de um evento nacional dessas licenciaturas que historicamente vem discutindo a nível nacional os seus rumos e seus desafios. Nessa trajetória busca-se a consolidação dessas licenciaturas tanto no âmbito acadêmico quanto profissional. Neste ano o ENLICA está sendo organizando por uma parceria entre os cursos de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba e Universidade Estadual da Paraíba.

 

Neste ano foi realizado simultaneamente o I SIMLICA (Simpósio de Licenciatura em Ciências Agrárias) que corresponde ao evento dos Cursos de Graduação em Ciências Agrárias – Licenciaturas Plena e a Distância da UFPB Virtual e atende a uma demanda histórica pela realização de um evento local para o curso, estabelecendo uma plenária de discussão para docentes, discentes e profissionais que se interessem pelo futuro das Licenciaturas em Ciências.

 

O evento teve ainda como objetivos atualizar os profissionais; refletir sobre a qualificação profissional e a interdependência com o homem do campo e a sociedade; debater modelos de políticas públicas que tenham como objetivo melhorar a vida do homem do campo; discutir os caminhos que as Licenciaturas em Ciências Agrárias devem seguir nos próximos anos; intercalar momentos de aprimoramento profissional com atividades culturais estreitando assim o elo de contatos entre os envolvidos no evento e expor as pesquisas e demais atividades desenvolvidas por estes cursos na modalidade presencial e a distância da UFPB – Bananeiras/PB.

 

Prof. Dr. Marcos Barros de Medeiros