Arquivo da tag: tumulto

Princípio de tumulto é registrado no Presídio do Róger e oito detentos ficam feridos

Oito detentos que cumprem pena no Presídio do Róger, em João Pessoa, teriam ficado feridos durante a madrugada deste sábado (15). Foi registrado um princípio de tumulto no Pavilhão 4 da Penitenciária Desembargador Flósculo da Nóbrega, mais conhecida como Presídio do Róger.

De acordo com as informações iniciais levantadas pela polícia, o tumulto teria acontecido após um desentendimento entre os presos. O caso foi registrado por volta das 2h.

Dentre os feridos, três apresentavam estado grave. Os feridos foram socorridos e levados para atendimento no Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa.

 

clickpb

 

 

Briga entre detentos causa tumulto no presídio do Roger, em João Pessoa

(Foto: Walter Paparazzo/G1)
(Foto: Walter Paparazzo/G1)

Um  tumulto foi registrado no início da manhã desta segunda-feira (09) na Penitenciária Flósculo da Nóbrega, conhecido como Presídio do Roger, em João Pessoa. De acordo com informações da gerência do Sistema Penitenciário, detentos que estavam no pavilhão cinco da unidade prisional iniciaram uma confusão entre eles, mas a briga foi controlada pelos agentes penitenciária, segundo a Seap.

Após a confusão, agentes penitenciários e policiais da Força Tática iniciaram uma ‘operação pente fino’ nos pavilhões seis e cinco da penitenciária. As visitas foram suspensas no momento e segundo a Seap não há registro de feridos até as 11h30 (horário local).

G1 PB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Policial surta, ameaça explodir a casa com familiares dentro e causa tumulto em CG

sireneUm policial teve um surto psicótico, na tarde dessa quinta-feira (13), e ameaçou explodir a própria casa com os familiares dentro na cidade de Campina Grande, no Agreste paraibano.

De acordo com informações, o PM estava afastado de suas atividades para submeter-se a um tratamento psiquiátrico. Por conta da situação, ele estaria depressivo.

Informações de familiares dão conta que o policial estava em casa quando repentinamente ameaçou tocar fogo na casa. No momento, os familiares entraram em pânico e acionaram a polícia. A todo momento ele dizia estar com coquetéis molotov para incendiar a residência.

Após a chegada da polícia no local, uma longa negociação se arrastou e entrou pela noite. Após mais de sete horas, o policial foi convencido a deixar a casa e levado por um ambulância do Samu para um hospital.

O fato chamou a atenção de curiosos, que ficaram acompanhando o desenrolar dos acontecimentos próximo à residência do policial.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Com duas facas, aluno de 8 anos causa tumulto em escola

violenciaUm aluno de apenas oito anos de idade causou um verdadeiro tumulto, na manhã desta segunda-feira (01), na Escola Pública Municipal André Pedro da Silva, localizada no bairro São Bentinho, em São Bento.

Segundo informações de uma servidora da escola, o estudante se dirigiu até a cozinha do estabelecimento educacional, pegou duas facas de mesa e saiu jogando as armas em direção das portas das salas de aula, o que causou tumulto e medo aos demais alunos e servidores da entidade.

Após perceberem a atitude perigosa do estudante, funcionários agiram rápido e conseguiram tomar as armas e controlar a criança.

A Polícia Militar e integrantes do Conselho Tutelar do município foram chamados à escola e tomaram as providências necessárias.O caso está sob a responsabilidade do Conselho Tutelar.

Após o episódio, a diretoria da escola decidiu suspender as aulas.

MaisPB com São Bento em Foco

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Manifestações eleitorais na UFPB em JP acabam em tumulto, com spray de pimenta e um preso

Repro/Instagram/Emerson Machado
Repro/Instagram/Emerson Machado

A Justiça Eleitoral recebeu denúncias sobre dois atos públicos em prol das candidaturas de Dilma Rousseff (PT) e de Aécio Neves (PSDB) na Universidade Federal da Paraíba, o que acabou em um tumulto, com intervenções das polícias Militar e Federal e uma pessoa detida. O caso foi registrado na tarde desta quinta-feira (16).

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A assessoria do juiz responsável pela fiscalização eleitoral em João Pessoa, Ricardo Costa, disse que a justiça recebeu a denúncia de atos eleitorais porque eles estariam ocorrendo dentro da instituição, o que não é permitido. No local, a movimentação em prol de Aécio foi desfeita rapidamente, mas a de Dilma precisou de uma intervenção policial.

De acordo com a Polícia Militar, uma pessoa foi detida por desacatar equipes de fiscalização do Tribunal Regional Eleitoral, mas um grupo teria reagido à prisão, o que obrigou a PM a utilizar spray de pimenta para acalmar o grupo. Não foram divulgados detalhes sobre a identificação da pessoa presa.

A Polícia Federal também foi acionada e levou o preso para a delegacia da PF em Cabedelo. Após o depoimento, foi assinado um Termo Circunstanciado de Ocorrência e ele acabou liberado.

Alguns manifestantes teriam reclamado da atuação da Polícia Militar na manifestação. Por meio de nota, a PM explicou que “todas as ações da instituição são pautadas na legalidade e no irrestrito respeito aos direitos humanos, coibindo qualquer atitude que por ventura atente contra esses valores”.

Portal Correio tentou entrar em contato com o presidente do PT na Paraíba, Charliton Machado, mas o telefone não foi atendido.

 

portalcorreio

Manaíra Shopping esclarece tumulto durante jogo da Seleção Brasileira

NOTAUm tumulto foi registrado no Manaíra Shopping durante a transmissão do jogo em que a Seleção Brasileira perdeu da Alemanha. Após correria a polícia foi acionada e um homem ferido foi socorrido.

O episódio ganhou rápida repercussão nas redes sociais onde vídeos e fotos registrando o incidente foram compartilhados.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Em nota, o Shopping nega que tenha havido disparos de revolver tenha acontecido no local.

Veja nota.

A direção do Manaíra Shopping informa que durante o intervalo do jogo Brasil e Alemanha houve um tumulto entre torcidas, mas a equipe de segurança entrou em ação, acionando a polícia Militar, contornando o tumulto e retirando os causadores do incidente do local.

Aproveitamos para desmentir que tenha havido mortes no Shopping. O que houve, na verdade foi uma confusão onde um jovem desmaiou após sofrer uma agressão física. A foto que circula nas redes sociais é dele desmaiado e não ferido por qualquer tipo de arma.

Não houve uso de arma de fogo nem de arma branca.

MaisPB 

Após tumulto, audiência da ALPB sobre contas de RC é encerrada na OAB

tumultoA audiência pública para debater as contas do Governo do Estado referentes a 2011 não durou muito tempo, após tumulto, a reunião que acontecia na sede da OAB-PB foi encerrada em 10 minutos.

Com a presença maciça de aliados do governador, os deputados tiveram dificuldade em prosseguir a audiência em meio aos gritos de ordens de socialistas que lotaram a OAB.

O deputado Caio Roberto (PR), autor da proposta da audiência não conseguiu falar por muito tempo e o deputado Raniery Paulino, presidente da Comissão de Orçamento encerrou a audiência.

Caio Roberto anunciou que irá votar contra a aprovação das contas de Ricardo. “O governo perdeu uma ótima oportunidade de defender suas contas e a preço de hoje vou votar contra as contas”.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Raniery quase teve um confronto físico na saída do local com os militantes socialistas.

MaisPB 

Rolezinho acaba em tumulto dentro de shopping em Porto Alegre

shopping-porto-alegreUm “rolezinho” combinado pela internet acabou em confusão em um shopping de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, na tarde de quinta-feira (1º). Cerca de 400 jovens se envolveram em um briga dentro do estabelecimento. Lojas e restaurantes da praça de alimentação fecharam as portas.

Os seguranças tentaram conter o público e houve corre-corre pelos corredores. A Brigada Militar foi chamada pelos vigilantes por causa do tumulto e enviou, ao menos, seis viaturas ao shopping Bourbon Wallig, na zona norte da capital gaúcha. Ninguém foi preso e não houve registro de feridos.   A assessoria do informou que o setor de segurança interviu em um desentendimento entre dois grupos de jovens. Em seguida, eles teriam sido dispersados. Ainda de acordo com o shopping, não houve tentativa de vandalismo e a polícia seguiu acompanhando o movimento do público do lado de fora.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Em nota, o shopping  negou que seguranças tenham agredido jovens durante a confusão.

R7

Câmara suspende sessão sobre golpe militar após tumulto no plenário

A Câmara suspendeu nesta terça-feira (1º) solenidade em plenário para lembrar os 50 anos do golpe militar depois de tumulto envolvendo grupos contrário e favoráveis a atuação dos militares.

A sessão foi interrompida quando duas mulheres que acompanhavam os discursos, uma que defendia os militares e outra que protestava contra o golpe de 1964, trocaram empurrões e beliscões. Uma das agressoras terminou derrubada no chão.

(ESPECIAL “50 ANOS DO GOLPE MILITAR”: a renúncia do presidente Jânio Quadros, em 1961, desencadeou uma série de fatos que culminaram em um golpe de estado em 31 de março de 1964. O sucessor, João Goulart, foi deposto pelos militares com apoio de setores da sociedade, que temiam que ele desse um golpe de esquerda, coisa que seus partidários negam até hoje. O ambiente político se radicalizou, porque Jango prometia fazer as chamadas reformas de base na “lei ou na marra”, com ajuda de sindicatos e de membros das Forças Armadas. Os militares prometiam entregar logo o poder aos civis, mas o país viveu uma ditadura que durou 21 anos, terminando em 1985.

A briga entre as duas mulheres começou logo após um grupo favorável à ditadura levantar uma faixa na galeria do plenário que dizia: “Parabéns militares 31/março – graças a vocês o Brasil não é Cuba” (veja no vídeo abaixo o momento em que a faixa é levantada).

No mesmo instante, convidados à solenidade contrários ao golpe militar levantaram cartazes com a imagem de pessoas perseguidas pela ditadura e protestaram com gritos de “Asssassinos!”. Os dois grupos trocaram acusações.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Uma mulher que se identificou como Ivone Luzardo, presidente da União Nacional das Esposas de Militares das Forças Armadas do Brasil, segurava um cartaz dentro do plenário que pedia “respeito e valorização aos profissionais militares”.

Em meio à gritaria dos protestos, a assessora parlamentar Rosa Ciminiano se aproximou e rasgou o cartaz de Ivone. O deputado Domingos Dutra (SDD-MA) se aproximou e tentou apartar a briga (veja vídeo ao lado).

Em meio à confusão, a sessão foi suspensa e reaberta minutos depois. As duas mulheres continuaram tentando se agredir, enquanto parlamentares e assessores tentavam separá-las. Ivone Luzardo acabou caindo no chão, onde ainda ficou por alguns instantes, deitada e chorando.

Nova interrupção
Após a retomada da sessão, continuaram os discursos em plenário. Depois de quatro parlamentares subirem à tribuna para criticar o período da ditadura militar, chegou a vez do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ).

O parlamentar, conhecido defensor das Forças Armadas, vinha anunciando nos últimos dias que participaria da sessão para defender o governo militar, que durou de 1964 a 1985.

Na momento em que Bolsonaro ia começar a discursar, grupos de parlamentares e convidados ligados a partidos de esquerda viraram as costas para o deputado fluminense.

Por sugestão do secretário-geral da Mesa, Mozart Vianna, servidor de carreira da Câmara, o deputado que presidia a sessão, Amir Lando (PMDB-RO), decidiu interromper mais uma vez a sessão.

Deputado Jair Bolsonaro acompanhou sessão sobre os 50 anos do golpe militar ao lado de manifestantes contrários à ditadura (Foto: Felipe Neri/G1)Deputado Jair Bolsonaro acompanhou sessão sobre os 50 anos do golpe militar ao lado de manifestantes contrários à ditadura (Foto: Felipe Neri/G1)

A solenidade ficou suspensa por cerca de cinco minutos e, ao reiniciar, diante da continuidade do protesto dos críticos à ditadura, Amir Lando determinou a suspensão definitiva.

A Secretaria-Geral da Mesa aconselhou pela suspensão por considerar haver “comportamento inadequado” e “desrespeito” à Casa. Além de Bolsonaro, outros seis parlamentares ainda aguardavam para fazer pronunciamento.

“Tenho o conhecimento de que a democracia é conflito, mas se não houver aqui entendimento não posso prosseguir esta sessão com situação desrespeitosa […]. A democracia é muito mais que o protesto. A democracia é, sobretudo, o diálogo. As partes têm que ouvir as outras, se não quiserem ouvir que se retirem. Se não tem solução, eu encerro a presente sessão”, declarou Lando.

Clima tenso
Antes mesmo do início da solenidade, o clima na Câmara era de tensão. Na entrada do plenário, o deputado Amauri Teixeira (PT-BA)  brigou com seguranças que tentaram barrar a entrada de estudantes.  Os seguranças alegavam os estudantes precisavam de de senha. O acesso foi permitido logo após os jovens mostrarem que tinham um número que identificava a autorização para participar.

Do lado de fora do plenário, momentos antes do início da sessão, o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) já havia se envolvido em confusão. Durante uma entrevista a um grupo de jornalistas, chamou uma repórter Manuela Borges, da RedeTV, de “idiota” e “analfabeta” – ela informou que entrará com queixa contra o parlamentar na Corregedoria da Casa.

Bolsonaro se irritou quando a jornalista questionou, por mais de uma vez, se ele estava dizendo que o golpe militar não existiu. Bolsonaro defende que o golpe foi iniciativa do Congresso, que destituiu do poder o ex-presidente João Goulart.

“Quem cassou João Goulart? Foi o Congresso no dia 2 de abril […]. Não faça uma pergunta desse padrão”, disse Bolsonaro. “A história toda está contra o que você diz”, argumentou a jornalista.

“Você é uma idiota. Você aprendeu onde isso aí? Estou falando que está no ‘Diário do Congresso’”, rebateu Bolsonaro. “Você é uma analfabeta […]. Não atrapalhe seus colegas [jornalistas], você está censurada”, completou.

Na madrugada do dia 2 de abril de 1964, o então presidente do Congresso Nacional, Auro de Moura Andrade, convocou uma sessão extraordinária para declarar a vacância da Presidência da República sob o argumento de que o então presidente, João Goulart, havia abandonado o governo.

G1

Rebeliões nos presídios da PB são contidas após 18 horas de tumulto

De acordo com ouvidor da Secretaria de Administeração Penitenciária (Seap), Iran Alves, desde as 8h da manhã desta quarta-feira (30) que a situação no Complexo Penitenciário de Segurança Máxima Romeu Gonçalves de Abrantes em João Pessoa, os PB1 e PB2, está controlada. No caso do presídio Flósculo da Nóbrega, o Roger, somente após às 13h os presos foram agrupados no pátio e uma vistoria foi iniciada pela polícia por todo o prédio, de acordo com a assessoria da Seap.

Segundo Iran Alves, parte dos prédios do PB1 e PB2 foi destruída e alguns presos terão que ser transferidos para outras unidades prisionais. Ele não disse, no entanto, quantos terão que ser transferidos. Foi dito apenas que várias instituições penais receberão presos do complexo de Jacarapé;

Por volta das 9h, o comandante Lívio do 5° BPM informou que um detento havia sido ferido na rebelião do PB2. O presidiário foi socorrido pelo Samu e levado para o Hospital de Emergência e Trauma. Segundo informações do hospital passadas às 13h30 desta quarta, o preso foi ferido na cabeça e está em estado gravíssimo. Já de acordo com a Seap, o preso morreu.

No caso do presídio do Roger, a assessoria da secretaria informou que não houve feridos graves ou mortos. Por conta disso não houve a necessidade da entrada do Samu. Apenas a polícia entrou na unidade prisional para verificar os danos causados e fazer uma varredura nos
pavilhões em busca de armas, drogas e telefones.

pb1 (Foto: Walter Paparazzo/G1 PB)Bombeiros, socorristas e policiais passaram a noite
cercando os presídios(Foto: Walter Paparazzo/G1)

Motivos
No fim da manhã o presidente da Ordem dos Advogados (OAB) do Brasil, seccional Paraíba, Odon Bezerra, afirmou que entrou em contato com os rebelados e eles apontaram dois possíveis motivos para os tumultos registrados nos presídios. Odon disse que os presidiários falaram que a briga entre duas facções criminosas deu início ao tumulto. Uma outra causa apontada pelo advogado, foi o atraso nos processos penais.

Tiros no presídio
De acordo com Josenildo Porto, diretor da Flósculo da Nóbrega, tiros foram disparados para que os detentos descessem do teto do presídio, mas que foram usadas armas não letais. No PB1, o tenente-coronel Arnaldo Sobrinho, gerente executivo do Sistema Penitenciário da Paraíba, informou que duas bananas de dinamite foram encontradas durante um pente-fino.

G1 PB