Arquivo da tag: trocar

Deputados começam a trocar de legenda sem sofrer punição

Desde a última quinta-feira (8), deputados federais e estaduais podem trocar de partido, sem o risco de perder os mandatos por infidelidade partidária, na chamada “janela partidária”. O período das trocas vai até o dia 7 de abril.

As conversas para as mudanças já estão sendo costuradas há muito tempo, mas os registros no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) só podem ser oficializados durante a janela.

A legislação eleitoral diz que só é possível mudar de partido, sem risco de perder o mandato, quando houver incorporação ou fusão do partido; criação de novo partido; desvio no programa partidário ou grave discriminação pessoal.

Mas, em 2015, o Congresso incorporou a possibilidade de desfiliação, sem justificativa, durante a janela em ano eleitoral. Se o parlamentar se desfilia do partido fora do período da janela, sem justa causa, a legenda pode recorrer à Justiça Eleitoral e pedir a perda do mandato por infidelidade partidária, pois o entendimento é que o mandato pertence ao partido, e não ao eleito.

Na hora de escolher um novo partido, o analista político do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), Antônio Augusto de Queiroz, avalia que os parlamentares levam em conta três fatores: um deles é o valor que o partido oferecerá do fundo eleitoral – principal fonte de financiamento das legendas – ao candidato para custear a campanha. Com as mudanças trazidas pela reforma política, o candidato à Câmara dos Deputados poderá gastar, no máximo, R$ 2,5 milhões.

Outro atrativo é o tempo de rádio e TV que o candidato poderá ter para a propaganda eleitoral. Quanto mais filiados a sigla têm, mais tempo de propaganda.

Outro fator de peso, em alguns casos, para a mudança é o domínio do diretório estadual. Segundo Antônio Augusto, com menos verba e menos tempo de TV, filiados, sem mandato, têm poucas chances de se tornarem conhecidos e conseguirem sucesso nas urnas, o que pode dificultar a renovação na Câmara.

A troca de legendas durante a janela, contudo, não altera a distribuição do dinheiro do Fundo Partidário, nem o tempo de propaganda nas rádios e TVs de cada legenda. A única exceção é se os deputados mudarem para um partido recém-criado.

No primeiro dia da janela, pelo menos 15 deputados trocaram de partido. Na lista estão, por exemplo, os deputados do Rio de Janeiro Jair Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro, que deixaram o PSC e foram para o PSL; Sérgio Zveiter que saiu do Podemos para o Democratas; e delegado Francischini (PR), que deixou o Solidariedade também para o PSL.

Um dos partidos que mais recebeu novos integrantes foi o Democratas, que ganhou mais quatro deputados federais, aumentando a bancada de 33 para 37 cadeiras, conforme informado na quinta-feira. O presidente da sigla, ACM Neto, espera mais filiações nos próximos dias.

“Vamos ter mais, até o dia 7 de abril, vamos ter muitas filiações. Alguns ainda estão fazendo entendimentos finais. Nossa meta é ficar na casa dos 40 deputados”, disse à Rádio Nacional.

 

O líder do PSDB na Câmara, deputado Nilson Leitão (MT), defende que os políticos não mudem somente por questões financeiras. O partido trabalha para manter os 46 deputados na Câmara dos Deputados. Atualmente, a sigla é a terceira maior da Casa, atrás de MDB e PT.

“As mudanças de partido são legais, mas acaba denegrindo ainda mais a classe política que busca no financeiro a sua prioridade. Não tem problema nenhum, mas que isso fosse somado com a programação, ideias, estatuto. Como alguém pode estar na dúvida entre dois ou três partidos que são totalmente antagônicos na sua ideologia? É necessário, pelo menos, que se mantenham dentro de uma linha programática dos partidos e não do financeiro”, ressaltou Leitão

 

Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Trocar lâmpada do seu automóvel pode aumentar segurança

Henrique PInheiro/Estadão
Henrique PInheiro/Estadão

Os faróis são itens de segurança muito importantes nos carros, assim como as lanternas. São eles que marcam a posição do veículo a noite, indicam se ele está freando e iluminam o caminho, principalmente nas estradas. Na busca por uma iluminação melhor ou até para apenas incrementar a parte estética do veículo, alguns proprietários trocam as lâmpadas originais por modelos mais fortes.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A luz mais potente, com até 50% a mais de poder que as convencionais, pode representar a diferença em se envolver ou não em um acidente na estrada, por exemplo, e há muitas opções, algumas até coloridas. As com as cores do Brasil  foram febre durante a última Copa do Mundo no País.

No entanto, as de iluminação azul ou mais branca, que simulam um farol de xenon, são as mais procuradas nas lojas de peças. “Os jovens são os que buscam mais essas lâmpadas, com o objetivo de deixar o carro mais bonito e para serem vistos com mais facilidade”, diz o gerente da MercadoCar da Barra Funda, Antonio Agostinho de Souza.

As lâmpadas mais modernas de reposição são feitas de quartzo de vidro, com alta resistência aos raios UV e a umidade. Isso impede que elas pifem com facilidade em caso de chuva forte, que pode entrar pelas lentes dos faróis e lanternas, e que percam seu poder de iluminação por ficarem muitos expostas ao sol.

Classificadas pela unidade de valor kelvin, que mede a grandeza da temperatura termodinâmica, as lâmpadas mais fortes instaladas nos carros hoje têm 4.300 K, limite permitido pela lei para serem instaladas em veículos sem aporte para o sistema de xenon, em que é preciso que se tenha limpadores de faróis e venha de série com o equipamento. Modelos que foram regularizados até o início de junho de 2011 também podem usar o xenon.

A instalação de lâmpadas de qualidade e dentro do especificado pelo manual do proprietário do veículo também é importante para que não se tenha problemas com a parte elétrica do carro ou até com os faróis.

Uma lâmpada com kelvin maior que o recomendado pode derreter ou dar curto no chicote elétrico, demandando a cara substituição do componente. “O primeiro sinal de que isso está para acontecer é a queima dos fusíveis relativos aos faróis”, afirma o engenheiro mecânico da SAE Brasil, Jomar Napoleão.

As lentes dos faróis também podem ser afetadas caso a temperatura da lâmpada esteja acima do recomendado. As lanternas também podem sofrer do mesmo mal, só que ainda com mais facilidade por serem compostas de um polímero termoplástico mais frágil. Os principais danos são o derretimento da lente, principalmente na área do foco do canhão, ou o calor deixar todo o conjunto óptico mais opaco, prejudicando a dispersão da luz. “O veículo sempre dá sinal da existência de problemas. Mas basta seguir o manual que vem nele para que não se tenha problema nenhum”, salienta Napoleão.

 

estadao

Contra falha ‘grave’ de segurança, especialistas recomendam trocar todas as senhas

Um bug descoberto esta semana, batizado Heartbleed, expôs ao longo dos últimos dois anos dados pessoais de usuários da internet, tais como senhas, informações de cartão de crédito e e-mail. Especialistas consideram grave a brecha na segurança e recomendam que todas as senhas sejam alteradas imediatamente.

Heartbleed é uma falha no OpenSSL, uma tecnologia de criptografia de código aberto que é usada por cerca de dois terços de servidores web em todo o mundo. Essa tecnologia está por trás de muitos sites HTTPS, o protocolo de segurança de páginas que coletam dados dos usuários. Esses endereços são normalmente reconhecidos graças ao ícone de um cadeado exibido no navegador que informa ao visitante que as transações e envio de dados são seguras.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Segundo André Carraretto, estrategista de segurança da Symantec, fabricante americana de antivírus, trata-se de uma vulnerabilidade considerada grave pelo setor. “O OpenSSL é usado por companhias de todas as áreas, e o bug permite que criminosos interceptem comunicações entre usuários e serviços. Ao obter as chaves de criptografia, eles têm acesso a todas informações que trafegam pela rede”, explica.

Na prática, os crackers podem aproveitar a falha para roubar dados aparentemente seguros. A vulnerabilidade foi descoberta por um pesquisador do Google que também trabalha em uma companhia de segurança da Finlândia chamada Codenomicon. Embora o Heartbleed seja resultado de um pequeno erro de código, suas consequências são graves e atingem a maioria dos usuários da internet em todo o mundo.

Os pesquisadores publicaram a descoberta no início desta semana, mas afirmam que o bug existe desde março de 2012. Todos os sites que utilizaram a tecnologia nos últimos dois anos podem ter sido vítimas de invasão e roubo de informações pessoais. Um dos pontos críticos da falha é que ela não permite o registro de qualquer pegada, portanto é quase impossível para um serviço identificar uma invasão. “Não dá sequer para ter ideia de quantas senhas foram capturadas nesse período”, diz o professor do curso de engenharia da computação do Instituto Mauá de Tecnologia, João Carlos Lopes Fernandes.

De acordo com Fernando Mercês, pesquisador de ameaças da Trend Micro, companhia japonesa especializada em soluções de segurança em computação em nuvem, é importante que os sites façam a atualização para a versão corrigida do OpenSSL, lançada esta semana. “Como qualquer informação pode ter vazado, é prudente que os usuários troquem todas as suas senhas”, explica o consultor. Google, Facebook, Yahoo e Amazon afirmaram ter resolvido o problema. Entre os sites atingidos pela falha estão OKCupid, Eventbrite e até a página do FBI.

Como a falha atinge grandes e pequenas empresas, destaca Mercês, é interessante que o usuário entre em contato com o seu serviço para saber se atualização do OpenSSL foi realizada. Mesmo que o consumidor realize a troca de suas senhas, seus dados continuarão vulneráveis se a empresa não realizar o upgrade da tecnologia.

Esse é o terceiro bug relevante de criptografia descoberto neste ano. Em fevereiro, a Apple revelou que um erro de programação em todos os seus softwares causava uma falha de segurança quando o usuário se conectava a um site. Semanas depois, um bug similar foi descoberto no protocolo criptográfico TLS, que garante a segurança na transmissão de dados on-line. A falha tornava vulnerável qualquer troca de informação realizada através de apps.

Fernandes ressalta que a troca de senhas deve ser feita mensalmente. “A minha recomendação é que esses dados de acesso sejam modificados uma vez por mês”, explica o professor do Instituto Mauá de Tecnologia. “Diante de falhas como Heartbleed, a modificação deve ser imediata. Eu mesmo já troquei todas as minhas senhas.”

Doze aplicativos de Android, iOS e Windows para proteger suas senhas

Keeper Password & Data Vault (iOS)

O Keeper é um aplicativo bem elaborado que permite o armazenamento de senhas para diversos serviços, como sites de bancos, redes sociais e e-mail. Disponível para diversas plataformas, ele permite que você acesse o conteúdo desejado sem a necessidade de preencher campos como “senha” e “login” nos navegadores, o que torna o processo mais seguro. O programa ainda permite o compartilhamento desses dados com pessoas importantes – como familiares e colegas de trabalho – quando necessário.

Preço: 9,99 dólares (assinatura anual)

Password Safe Pro (Android)

O programa permite que você guarde de maneira segura todas as suas senhas ao criar um banco de dados dentro do seu smartphone. A partir daí, é possível recuperar as informações toda vez que você for acessar um site ou serviço. O aplicativo pode ser encontrado em duas versões: a grátis, que oferece recursos básicos, e a Lite, que custa 10 reais. No primeiro caso, o usuário tem a opção de armazenar seus dados no serviço de nuvem conhecido como DropBox. No segundo, os dados são mantidos dentro do aparelho do usuário.

Preço: a versão básica é grátis, e a versão Lite custa 10 reais.

All My Passwords (Windows Phone)

O aplicativo oferece uma opção segura de armazenamento de senhas aos usuários das plataformas Windows 8 e Windows Phone, da Microsoft. O All My Password permite a criação de pastas para tipos diferentes de serviços, como e-mails e redes sociais, o que facilita a organização dos dados. As informações também podem ser enviadas à sua conta do sistema de armazenamento em nuvem da Microsoft, o Skydrive.

Preço: 2,99 dólares

oneSafe (iOS)

Um dos melhores aplicativos da categoria, o oneSafe é praticamente um cofre virtual. Com ele, além dos dados de login, é possível armazenar números de cartões de crédito, código de portas eletrônicas, documentos de programas como o Word e o Excel, da Microsoft, e até fotos.

Preço: 5,99 dólares

mSecure Password Manager (Android)

Além de oferecer as opções tradicionais de armazenamento de informações , o mSecure é capaz de sincronizar dados com sua versão para desktop e ajudar na elaboração de senhas avançadas para seus serviços. Seu recurso que mais chama a atenção é o “Self Destruct”, que apaga todos os dados do usuário caso seja identificada alguma uma tentativa de invasão por hackers.

Plataforma: Android

Preço: 21 reais

Easy Password (Windows Phone)

O Easy Password é um aplicativo simples que oferece o armazenamento de senhas e logins de seus sites favoritos. Além de enviar suas senhas para seu e-mail, o recurso de backup do programa utiliza o sistema de armazenamento em nuvem da Microsoft, o Skydrive.

Preço: 1,29 dólares

Password Safe (iOS)

O Password Safe é literalmente um cofre digital para iPhones e iPads. Além das senhas e credenciais de acesso a sites na web, o programa também é capaz de guardar dados de contatos, documentos e até fotos privadas. O conteúdo pode ser protegido com a ajuda de uma senha mestra.

Preço: 5,99 dólares

aWallet Password Manager (Android)

Além de armazenar suas senhas, o aWallet traz um módulo para a criação de senhas seguras que pode ser utilizado para qualquer site ou serviço na internet. Suas configurações permitem o armazenamento de informações dentro do próprio smartphone ou em cartões de memória – que podem ser utilizados em outros aparelhos.

Preço: 4,09 reais

Password Jinni (Windows Phone)

O Password Jinni oferece acesso rápido às suas credenciais de acesso gravadas no smartphone. Entre seus principais recursos está a possibilidade de criar e personalizar fichas para o armazenamento de dados, o que garante ao usuário maior controle sobre o aplicativo. Ele também permite que você programe datas para efetuar a troca de suas senhas.

Preço: 3,99 dólares

Handy Safe Pro (iOS)

Na App Store desde 2011, o Handy Safe Pro oferece bons recursos para o armazenamento de credenciais de acesso a sites e serviços na web. Sua interface intuitiva permite a criação de pastas para melhorar a organização de dados, links e anotações. Ele também permite a importação de informações guardadas em aplicativos concorrentes.

Preço: 1,99 dólar

eWallet (Android)

O eWallet oferece recursos avançados para o armazenamento de senhas em smartphones e tablets. O aplicativo traz recursos como pastas para melhorar a organização, gerador de senhas, sincronização com a versão do programa para desktop e busca rápida para facilitar a localização de dados específicos.

Preço: 10,28 reais

PassMinder (Windows Phone)

O PassMinder permite que você guarde sua senhas junto com outras informações, como nome de usuário, endereços de sites importantes e até anotações. Sua interface é extremamente simples, e o programa não oferece recursos de backup na nuvem.

Preço: 0,99 dólares

Veja

 

Elemento fere dois policiais em Guarabira e também é alvejado após trocar tiros com guarnição

 

Dois policiais da Rotam ficaram feridos em uma abordagem a um elemento na noite deste domingo nas proximidades da Ponte do Gato Preto, em Guarabira.

De acordo com as primeiras informações, o Copom do 4º BPM teria recebido uma denúncia que haveria um homem armado em cima da Ponte do Gato Preto. Quando dois homens da Rotam chegaram ao local foram surpreendidos pelo indivíduo identificado como Marcos Antônio Severino, vulgo “Jubira”, 23 anos, residente no Bairro do Cordeiro, que entrou em luta corporal com um dos policiais e conseguiu tirar deste a arma e disparar contra os militares, identificados como os soldados Emanoel, ferido no braço, e Borges, ferido no abdômen.
Em seguida chegou reforço policial que também disparou contra o acusado. Os dois policiais e o elemento foram socorridos para o Hospital Regional.
Mesmo em estado regular o soldado Emanoel foi transferido para o Hospital de Trauma em João Pessoa, junto também foi o acusado da tentativa de homicídio.
Acusado.
Arma
Arma do crime.
Local do crime.

Fonte: Portal Independente
Focando a Notícia

Dilma quer trocar dívidas de Estados por apoio em projetos fiscais

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr)

O Palácio do Planalto resolveu atender a uma antiga reivindicação dos governadores. O índice que corrige as dívidas que foram renegociadas com a União na década de 1990 será trocado pela taxa básica de juros, em queda desde agosto. A boa vontade, porém, tem preço. Os governadores terão de mobilizar suas bancadas no Congresso para aprovar duas propostas de interesse da presidente Dilma Rousseff.

A principal põe fim à chamada “guerra dos portos”, que tem prejudicado a indústria. A segunda é a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que altera a cobrança do ICMS, o imposto dos Estados, no comércio eletrônico.

Depois da crise na base aliada, atender os governadores foi a forma encontrada pelo Planalto para diminuir a resistência dos parlamentares e aprovar, principalmente, a proposta que vai impedir os Estados de conceder uma espécie de desconto para os produtos importados que entram pelos portos.

A medida consta do pacote lançado nesta semana para ajudar a indústria e fazer com que a economia cresça em 2012 pelo menos 4%, como deseja a presidente.

Coube à ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, anunciar nesta quinta-feira, 5, o fim oficial da resistência do Planalto a alterar o índice de correção das dívidas. A equipe econômica sempre foi contrária à mudança porque, para ser adotada, será necessário alterar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), pilar da política de controle das contas públicas.

A proposta prevê que as dívidas deixarão de ser corrigidas pela variação do Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) mais 6% a 9%, e passarão a ter como indexador a Selic, definida pelo Banco Central.

Atualmente, a taxa básica de juros está em 9,75% ao ano e deve cair de novo na metade do mês. O IGP-DI teve alta de 5,01% no ano passado.

Votação

O acordo foi costurado na terça-feira (03/04), numa reunião entre Ideli, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e os senadores Eduardo Braga (PMDB-AM), líder do governo na Casa; Walter Pinheiro (BA), líder do PT; e o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Eunício Oliveira (PMDB-CE).

Com o sinal verde dado pela presidente na quinta (05/04), o Senado começará a votar a resolução que unifica a alíquota do ICMS nas operações interestaduais com produtos importados – o que põe fim à “guerra dos portos” – já na terça-feira (10/04), numa reunião antecipada da CCJ.

Na quarta (11/04), pela manhã, será a vez de a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) tratar do tema, para que no mesmo dia, à tarde, o plenário do Senado possa votar a matéria em definitivo. “Os Estados queriam uma transição (para a guerra dos portos). Ganharam uma compensação com a redução dos juros das dívidas”, disse Eunício.

“Esse foi um acordo apresentado pelos líderes, veio dos próprios representantes dos partidos. Nós entendemos que foi um acordo extremamente positivo e por isso teve uma resposta tão pronta do ministro Guido e da presidenta”, afirmou Ideli. “Vamos dar um passo, um ganho na questão federativa muito importante na próxima semana.”

Também faz parte do acordo a aprovação da emenda que prevê uma divisão do ICMS, entre os Estados de origem e de destino, nas operações de comércio eletrônico. Para Ideli, é “muito injusta” a concentração do imposto em “poucos Estados”.

Unanimidade

Os governadores sempre foram unânimes na reclamação contra o índice de correção das dívidas refinanciadas. Cálculos feitos pelo governo de Goiás mostram que as dívidas aumentaram até 882,7% entre 1998 e 2010. No mesmo período, a taxa básica de juros cresceu 691,7%.

“Todos os Estados terão um ganho imediato e o objetivo é exatamente contribuir com a capacidade de investimento dos governos”, disse Ideli.

Mantega já havia comentado, no mês passado, que a guerra fiscal entre os Estados está recrudescendo e poderá resultar na criminalização de “governadores e secretários”.

Cobrado por parlamentares, o ministro disse que haverá compensações para aqueles que abrirem mão da alíquota reduzida de ICMS sobre importados, que gera a chamada “guerra dos portos”.

Para Ideli, o acordo vai dar continuidade às medidas de estímulo à indústria. “Tenho a perspectiva extremamente positiva de podermos avançar nessas matérias, que nós entendemos inclusive que é complemento às medidas anunciadas pela área econômica do governo nesta semana”, disse a ministra.

Do Estadão