Arquivo da tag: traficantes

Traficantes de drogas são presos em Guarabira

Na tarde desta quinta-feira (01), na cidade de Guarabira-PB, policiais civis (GTE da 8DSPC) e militares (NI/PM e Guarnição do Comando do 4BPM) prenderam em flagrante delito MATHEUS SOARES DA SILVA (18 anos) e RAFAEL JOÃO DA SILVA (30 anos) por tráfico e associação para o tráfico de drogas. Com os acusados foi apreendida certa quantidade de maconha e crack, bem como o dinheiro obtido por eles com a venda da droga.

A prisão ocorreu no bairro Santa Teresinha e, após interrogados, os acusados serão encaminhados ao presídio Vicente Claudino.

 

portalmidia

 

 

Polícia Civil prende casal de traficantes e apreende droga em Solânea

A Polícia Civil, através da 21ª Delegacia Seccional em Solânea, investigava um casal por tráfico de drogas na cidade, quando na manhã desta segunda-feira (18), conseguiu prender em flagrante Genilson dos Santos Silva, 20 anos, e sua namorada, uma adolescente de 14 anos, residentes na Rua Bela Vista em Solânea, aprendendo 1 KG de maconha prensada e uma balança de precisão.

Genilson já responde por crime de tráfico, roubo e é apontado como responsáveis por grande parte da distribuição de drogas em Solânea e região, contando com a ajuda de sua namorada, uma adolescente que se encontra grávida do mesmo.

O preso foi autuado por tráfico de entorpecente corrupção de menor e será encaminhado a Cadeia de Solânea.

FN com Polícia Civil

 

Tiroteio entre PMs e traficantes termina com pelo menos oito mortos na Rocinha

Foto: Marcelo Regua / Agência O Globo

Pelo menos oito pessoas morreram após tiroteio entre policiais do Batalhão de Choque (BPChq) e traficantes na Rocinha, na Zona Sul do Rio, na manhã deste sábado. A Polícia Militar informou em seu perfil no Twitter que seis baleados chegaram a ser socorridos e levados para o Hospital municipal Miguel Couto, mas não resistiram. Segundo a PM, todos os baleados tinham envolvimento com o tráfico de drogas.

Às 15h, a Polícia Civil informou, em nota, que, no início da tarde, outros dois corpos foram transportados por moradores até a passarela que liga a favela ao complexo esportivo da Rocinha. Todas as mortes estão sendo investigadas pela Divisão de Homicídios (DH). Os policiais militares envolvidos estão sendo ouvidos na DH. As armas dos PMs serão apreendidas.

Ainda de acordo com a Polícia Militar, o confronto começou quando agentes do Choque foram atacados na Rua 2 e na localidade conhecida como Roupa Suja. Foram apreendidos um fuzil, seis pistolas e duas granadas. Pelo menos uma pessoa foi presa. A Polícia Militar está em ação continuada na comunidade da Rocinha desde setembro de 2017.

Em operação na Rocinha, foram apreendidos um fuzil, sete pistolas e duas granadas
Em operação na Rocinha, foram apreendidos um fuzil, sete pistolas e duas granadas Foto: Divulgação / PMERJ

O fluxo de veículos na estrada Lagoa-Barra segue sem bloqueios, mas o Centro de Operações da Prefeitura do Rio recomenda que os motoristas optem por vias alternativas. A Grajaú-Jacarepaguá e o Alto da Boa Vista têm boa movimentação.

Um balanço divulgado pela Polícia Militar neste sábado indica que mais de 50 pessoas morreram na Rocinha desde 18 de setembro, incluindo dois PMs e uma turista espanhola. Desde então, a polícia realiza uma ação continuada na comunidade. A polícia considera a maior parte dos mortos como criminosos. Esse número já inclui as pessoas que morreram neste sábado.

Mais cedo, moradores usaram as redes sociais para relatar que escutaram muitos tiros e que diversos pontos da comunidade ficaram sem luz. A Light informou que aguarda condições de segurança para que os técnicos possam trabalhar no local e reestabelecer o fornecimento de energia no trecho interrompido. O Grupamento Aeromóvel (GAM) realiza monitoramento aéreo e o cerco na região foi reforçado.

Policiais do Batalhão de Choque realizaram uma operação na Rocinha na manhã deste sábado
Policiais do Batalhão de Choque realizaram uma operação na Rocinha na manhã deste sábado Foto: Marcelo Regua / Agência O Globo

“Muitos tiros na Rocinha…aqui a bala canta mais que o galo da manhã”, escreveu uma internauta.

“Mais um capítulo da novela ‘Bala comendo na Rocinha'”, afirmou outra.

“Na Rocinha você é acordado às 6 da manhã, no susto, num sábado, com muita sequência de tiro e sei lá o que, sem poder pôr o nariz na janela. Bom dia!”, disse mais uma pessoa.

MORTOS NA COMUNIDADE

Na quarta-feira, tiroteio entre policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha e traficantes na localidade conhecida como Largo do Boiadeiro terminou com duas mortes. Um morador identificado como Marechal e o policial militar Filipe Santos de Mesquita morreram atingidos por tiros. O PM foi enterrado nesta sexta-feira.

O policial foi baleado na barriga e chegou a ser encaminhado para o Hospital Miguel Couto, na Gávea, mas não resistiu ao ferimento. O morador consertava aparelhos eletrônicos para se manter ocupado, uma vez que já estava aposentado. Ele mantinha uma barraquinha onde realizava os serviços.

Na sexta, uma mensagem que circulou nas redes sociais dizia que Marechal foi morto por traficantes por ter protegido o policial que acabou morto. Ele também teria devolvido aos PMs a arma do soldado. De acordo com a Rádio CBN, a polícia investiga a informação.

Na semana passada, PMs do Batalhão de Choque fizeram uma operação na Rocinha e foram atacados a tiros por criminosos, dando início a um intenso confronto. A auto-estrada Lagoa-Barra chegou a ficar fechada por meia hora por causa do tiroteio. Os disparos atingiram um transformador na localidade conhecida como Roupa Suja, deixando dezenas de moradores sem luz. Apesar do confronto, não houve registro de feridos. No fim da operação, os policiais apreenderam três explosivos, um rádio transmissor, munição e drogas.

Extra

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Idosa é presa suspeita de liderar quadrilha de traficantes na PB

Chico Martins, do Jornal Correio da Paraíba
A prisão da idosa é resultado da ‘Operação Nêmesis’

Uma idosa, de 77 anos, foi presa, nesta terça-feira (17), em Juazeirinho, na região da Borborema, apontada como a principal traficante do município. A localidade, segundo a Polícia Civil, é considerada um centro de distribuição de drogas na região.

Maria Porfírio de Sousa já tinha sido presa em 2005 também por tráfico de entorpecentes e, conforme as investigações, ela recebia ordens de detentos de presídios de João Pessoa e Campina Grande, recebia as drogas em casa e comercializa para usuários, além de fornecer para outros pontos de distribuição. Em depoimento a Polícia, a idosa alegou não saber o motivo pelo qual estava sendo presa.

“Ela é um dos braços da facção criminosa, responsável pelo escoamento da droga. Soledade hoje é considerado um centro de distribuição de drogas, o recebimento destas drogas no município de Juazeirinho era através dessa senhora”, explicou o delegado Lamartine Lacerda. Ele revelou ainda que Maria Porfírio vendia maconha, cocaína e crack. Na casa da idosa, os policiais apreenderam telefones celulares, tablets e ainda extratos bancários, que serão estudados para saber qual o ganho financeiro de Maria Porfírio e dos demais envolvidos.

A prisão da idosa é resultado da ‘Operação Nêmesis’, realizada pelas Polícias Civil, Militar e Rodoviária Federal. Além da mulher, os policiais prenderam ainda outras 13 pessoas, realizou outras quatro prisões preventiva de detentos que estão em presídios de João Pessoa, Campina Grande, Soledade e Patos.

Segundo a Polícia, além de tráfico de drogas, os presos seriam responsáveis também por homicídios e estouro de caixas eletrônicos. As investigações apontaram que os assassinatos aconteciam quando as vítimas se negavam a participar da facção criminosa.

O delegado informou que todos foram identificados após a Operação Narcos, realizada em maio, quando sete pessoas foram presas. Eles seriam parte da mesma quadrilha e cumpririam a ordem de ações dos bandidos já retidos nos presídios PB1, em João Pessoa, Penitenciária Padrão Romero Nóbrega, em Patos, Penitenciária Raimundo Asfora, conhecida por presídio do ‘Serrotão’, em Campina Grande, e Cadeia Pública de Soledade.

“Diz respeito a uma organização criminosa, que foi alvo da Operação Narcos, e agora a gente conseguiu identificar mais alguns membros. O intuito é desarticular essa facção criminosa que vem acabando com a paz da cidade”, comentou o delegado.

Segundo o Coronel Pablo Cunha, da PM, houve apoio de policiais militares que moram em Soledade e repassaram informações. Ele explicou que são pessoas de alta periculosidade e que ameaçavam moradores da região.

“Eles expulsaram pessoas das comunidades, tiraram famílias inteiras, mataram crianças, adolescentes e familiares de moradores. Eles cometiam tráfico de drogas, homicídios, ameaça, invasão de domicilio, roubo, tortura, tudo que se imaginar de crimes com relação a entorpecentes eram cometidos por este pessoal”, afirmou.

 

Portal Correio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Casal de traficantes que atuava em Guarabira é preso após investigação

(Foto: Divulgação/Secom-PB)
(Foto: Divulgação/Secom-PB)

Um casal foi preso pela Polícia Civil da Paraíba nesse sábado (13) por tráfico de drogas, em João Pessoa. Luciano Venâncio da Silva e Ingrid Franco Maia foram presos em flagrante pela Polícia Civil portando cinco quilos de drogas, balança de precisão, além de pinos e sacos para embalagem do entorpecente. A mulher foi presa em João Pessoa e o homem em Guarabira. De acordo com informações policiais, o casal tinha atuação no tráfico de drogas no Estado e Luciano era considerado uma espécie de ‘gerente do tráfico’.

A prisão foi realizada pelo Grupo Tático Especial (GTE) da 7ª Delegacia Seccional de Polícia Civil, com sede em Mamanguape. Apoiaram a ação policiais civis da 8ª Delegacia Seccional, que abrange a região de Guarabira. A prisão foi fruto de um trabalho de investigação da Polícia Civil.

De acordo com o delegado titular da seccional de Mamanguape, Walter Brandão, a primeira pessoa a ser presa foi Ingrid. Com ela, foram encontrados 4,8 quilos de maconha quando embarcava para Guarabira, no Terminal Rodoviário de João Pessoa. “O destinatário da droga era Luciano, uma espécie de gerente do tráfico. Com a prisão da mulher, as equipes seguiram para o Brejo, com o apoio de policiais de Guarabira, onde foi apreendida cocaína, a balança e pinos com 60g de maconha na casa de Luciano”, explicou.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

O delegado ainda acrescentou que Luciano já é condenado a 14 anos de prisão. “As equipes da Polícia Civil trabalharam de forma integrada. Temos como foco o enfrentamento aos crimes contra a vida e contra o patrimônio, além de investigações para a desarticulação do comércio de drogas, a exemplo do que aconteceu no caso desses traficantes. Agora, ambos os presos estão à disposição do Poder Judiciário”, finalizou Walter Brandão.

Do Jornal da Paraíba

Jovens tem cabelos e sobrancelhas raspados por traficantes na Bahia

Duas meninas tiveram os cabelos e sobrancelhas raspados após se envolveram com quem não devia. Toda a ação foi registrada por aparelhos celulares e acabou vazando na internet.

O caso aconteceu no município de Ilhéus, localizado no sul da Bahia. A violência foi motivada após as vítimas afrontarem as namoradas de traficantes da região.

Os traficantes foram atrás das meninas, amarraram as duas em cadeiras e iniciaram a tortura. Os cabelos das jovens foram cortados com tesouras e as sobrancelhas raspadas com lâmina de barbear.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Image title
Image title
Image title
Image title

FONTE:

  • R7

PF desarticula maior quadrilha de traficantes de drogas sintéticas do país

policia_federal_marcelo_camargo_abr_0A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (27) a Operação Quinto Elemento, para desarticular uma quadrilha especializada no tráfico de drogas sintéticas. O grupo, segundo a corporação, atua em Goiás, mas tem colaboradores em diversos estados do país.

Cerca de 400 policiais federais cumprem 145 mandados judiciais em Goiás, em São Paulo, no Paraná, no Tocantins, na Bahia, em Minas Gerais e no Distrito Federal. São 30 mandados de prisão temporária, oito de prisão preventiva, 40 de condução coercitiva, 55 de busca e apreensão e 12 de sequestros de bens imóveis, incluindo um prédio residencial de 20 apartamentos.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

De acordo com nota da PF, a quadrilha utilizava empresas regularizadas para a aquisição de produtos químicos usados para sintetizar os mais variados tipos de droga – desde anfetaminas até cocaína.

“A grande quantidade de produtos químicos adquiridos chamou a atenção dos investigadores, que constataram um esquema econômico organizado para o tráfico, com a participação de farmácias, laboratórios e vendedores, que se utilizavam de veículos de luxo para comercializar a mercadoria ilegal”, destacou o comunicado.

Ainda segundo a PF, durante as investigações, foram desmontados oito laboratórios sendo que, em apenas um deles, foram apreendidos cerca de 630 mil comprimidos conhecidos comoecstasy do Paraguai, também usados como rebite, prontos para o consumo. O volume é superior à quantidade apreendida pela corporação durante todo o ano de 2015.

Em outro laboratório, foram encontrados aproximadamente 800 mil comprimidos. As investigações apontam que, em oito meses, um dos laboratórios gerenciados pela organização movimentou cerca de R$ 240 milhões.

“Todos os envolvidos responderão por tráfico de drogas, associação para o tráfico, falsidade ideológica e tráfico de produtos químicos para a produção de drogas”, informou a nota.

O nome de batismo da operação faz referência ao éter, que era considerado por alquimistas o quinto elemento e está relacionado à quantidade da substância encontrada no primeiro laboratório investigado.

Agência Brasil

Morte de agente penitenciário na PB foi ordenada por presos e executada por traficantes

presosA morte do agente penitenciário Nicássio Cordeiro de Lima, 33 anos, ocorrida no dia 5 novembro deste ano, no bairro Mario Andreazza, na cidade de Bayeux, na Grande João Pessoa, foi ordenada por dois presidiários, sendo um deles do Presídio Federal de Catanduvas, no Paraná. A informação consta em um relatório sobre o homicídio. Quatro adolescentes foram detidos na noite dessa sexta-feira (14) mesmo bairro onde ocorreu o crime. Eles confessaram a autoria do crime, segundo informou o delegado Pedro Ivo, chefe do Núcleo de Homicídios de Bayeux.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O documento investigativo das Forças de Segurança da Paraíba que o Portal Correio teve acesso, com exclusividade, possui mais de 20 páginas onde a conclusão aponta que o assassinato está relacionado ao combate ao tráfico de drogas na comunidade, onde a vítima morava.

Conforme o relatório confeccionado pelo serviço de inteligência do Sistema Penitenciário da Paraíba, o Gisope, semanas antes do crime, as polícias realizaram várias prisões e apreensões de drogas e armas em uma das comunidades do bairro Mario Andreazza, local onde o agente morava, visando desbaratar uma rede de tráfico de droga na região. O grupo suspeitou que o agente estaria repassando informações sigilosas para à Polícia.

Dois presos comandam e gerenciam o tráfico em Bayeux de dentro das unidades prisionais, deram a ordem para a execução de Nicássio. Além dos dois detentos, cinco pessoas – sendo um adolescente – estão envolvidos no assassinato. O grupo teria monitorado a movimentação do agente e o matado, cumprindo ordens nos ‘chefes do tráfico’.

Segundo os dados oficiais, um dos menores – que integra a quadrilha – teria repassado informações sobre a localização do agente, minutos antes do crime. Foi montada uma emboscada e Nicássio foi morto. Há informes de que o adolescente teria acompanhado os trabalhos policiais e de perícia até a retirada do corpo de dentro do imóvel para repassar os comparsas.

Agressividade

Os envolvidos na morte do agente são suspeitos de outras práticas delituosas em Bayeux. A área de atuação do grupo é o bairro Mario Andreazza, considerado o mais violento na cidade, que fica situada na região metropolitana de João Pessoa.

De acordo com o relatório, os suspeitos são temidos pelos moradores devido a agressividade em suas ações: expulsão de pais de família, espancam inocentes e implantaram até o ‘Toque de Recolher’.

Crime

Nicássio Cordeiro foi morto a tiros quando lavava o automóvel na frente da residência dele. De acordo com o Polícia Militar, três jovens efetuaram disparos contra o agente e, ferido, ele correu para dentro de casa, mas os criminosos invadiram o imóvel e fizeram novos disparos, culminando com a morte da vítima. Nicássio era agente concursado e atualmente trabalhava no setor de informações da Secretaria de Administração Penitenciária – SEAP.

 

portalcorreio

Traficantes matam jornalista e postam fotos do corpo minutos depois

A médica María del Rosario Fuentes Rubio foi sequestrada e morta após deixar o hospital onde trabalhava em Reynosa, no México. Sob o apelido de “Felina”, María manteve por meses um perfil no Twitter e fazia denúncias sobre a violência em larga escala cometida por cartéis de drogas no estado de Tamaulipas. O crime aconteceu no último dia 16. A família da vítima deixou o país após o assassinato, segundo a organização Repórteres Sem Fronteiras.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Amigos e familiares, meu nome verdadeiro é Maria Del Rosario Fuentes Rubio. Sou médica e hoje minha vida chegou ao fim”, dizia a última mensagem publicada no Twitter de María. “Cancelem suas contas, não coloquem em risco a vida de seus familiares como eu fiz. Peçam perdão”, continuava. Logo após isso, imagens do corpo de María foram publicadas pela conta.

Homenagem feita na web para mexicana María del Rosario Fuentes Rubio

Foto:  Reprodução Facebook

As mensagens publicadas no perfil do Twitter sempre incentivavam a população a denunciar as atrocidades cometidas no país. A conta @Miut3 tinha mais de 510 mil seguidores, sendo um influente perfil de notícias online. O México é um dos países mais perigosos para o trabalho de jornalistas. Sete profissionais foram mortos nos últimos dois anos, segundo a organização Repórteres Sem Fronteiras.

“A Repórteres Sem Fronteiras está chocada com a morte de María del Rosario Fuentes Rubio e pede ao governo que faça uma investigação exaustiva para identificar os responsáveis o mais rápido possível”, comentou a diretora da organização sobre o caso.

O caso de María ocorre em um período marcado pela violência no México. Um prefeito e sua esposa, em cumplicidade com um cartel criminoso, teriam planejado o desaparecimento de 43 estudantes no sul do país, em um caso que abalou o país e colocou dúvidas sobre a estratégia de segurança do governo.

O prefeito da cidade de Iguala, José Luis Abarca, e sua esposa, María de los Angeles Pineda, queriam impedir que uma mobilização de estudantes, em 26 de setembro, interferisse com um ato da primeira-dama, que ela faria como chefe de uma entidade de assistência a menores, disse na quarta-feira o procurador federal Jesús Murillo.

O casal, que trabalhava em cumplicidade com o cartel Guerreiros Unidos e que também tinha o apoio da polícia municipal, ordenou que os estudantes fossem contidos ao virem em um comboio em direção a Iguala, que fica no Estado de Guerrero, após terem tomado ônibus para coletar dinheiro para a escola rural onde estudavam.

 

iG

Ameaçado por traficantes, pai algema filho viciado em droga em casa no PI

Sem saber mais o que fazer com o filho descontrolado pelo vício em crack e ameaçado por traficantes, o pai do jovem, que é policial, algemou o próprio filho em uma árvore no quintal de casa. O caso ocorreu na Rua Ari Barroso, no bairro Monte Castelo, Zona Sul de Teresina.

Pai que também é policial algemou filho viciado em crack (Foto: Douglas Ferreria/Arquivo pessoal)
Pai que também é policial algemou filho viciado em
crack (Foto: Douglas Ferreria/Arquivo pessoal)

Com as mãos algemadas, ele gritava e falava descontroladamente, dizendo que queria se libertar. O pai acompanhava de perto a crise. Segundo a família, os transtornos são provocados pelo uso de crack. “Sofro junto com ele, mas sou obrigado a fazer isso para não ver meu filho morto. Se eu soltar ele vai direto comprar droga. Não sei mais o que fazer para acabar com esse sofrimento”, disse o pai sem querer se identificar.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ainda de acordo com o pai, o filho já furtou vários objetos de dentro da casa para manter o vício. “Devido ao vício, ele fez dívidas com traficantes, que o ameaçaram de morte, caso ele não pague o que deve. Ele roubou vários objetos de dentro da própria casa para comprar crack. Já fiz o pedido de internação para o estado, mas eu não sei se nós esperaremos até lá”, falou.

O pai do jovem, que também é policial afirmou saber que pode sofre punições. “Sei que posso ser punido, mas a punição maior é a morte do meu filho e por isso tento mantê-lo dentro de casa e a única forma que encontrie foi essa. Quero que algum órgão responsável faça algo pela nossa família”, finalizou o pai.

G1 tentou contato com a Coordenadoria de Enfrentamento às Drogas, para ter uma posição sobre a disponibilidade de vagas em entidades que tratam dependentes químicos, mas ninguém foi encontrado para comentar o caso.

Pai está cometendo crime, diz OAB
O presidente da Comissão de Defesa de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, secção Piauí, Campelo Filho, diz entender a situação do pai e suas intenções, mas afirma que ele está cometendo um crime ao prender o filho.

“É uma situação muito triste o pai ter que prender o filho a uma árvore para que ele não consuma drogas. Infelizmente, mesmo nessa situação ao adotar essa medida ele está cometendo um crime que é o de cárcere privado. Inclusive a pena é de um a três anos de prisão, como a vitima é descente, sendo o filho, passa de dois a cinco anos”, afirmou.

Informado sobre a dificuldade de conseguir uma vaga em uma entidade que trate de dependentes químicos, o advogado aconselhou o pai a documentar seu pedido. “O pai deve procurar as autoridades públicas e tentar internar o filho. Aconselho que ele formule o pedido por escrito para que ele tenha como provar essas solicitações e depois possa cobrar a solução do poder público”, finalizou.

 

Ellyo Teixeira