Arquivo da tag: trabalhadora

De trabalhadora arrastada a presidenta xingada, 2014 expôs condição da mulher

movimentoO fortalecimento dos setores mais conservadores foi um dos temas mais debatidos por organizações populares e analistas políticos neste ano. As cenas de violência e intolerância se multiplicaram e tiveram como alvo os mesmos grupos oprimidos historicamente, entre eles as mulheres.

No início do ano os movimentos feministas se revoltaram com uma pesquisa inusitada. Cerca de 26% dos entrevistados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) concordam que mulheres com roupas “que mostram o corpo merecem ser atacadas”. Essa banalização incentiva desde os casos de assédio sexual no transporte público até os estupros na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), uma das mais tradicionais do país.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Em entrevista à Radioagência BdF, a pesquisadora Flávia Rios analisa as relações de gênero e o que houve de mais marcante em 2014. Doutora em sociologia pela USP, ela explica que a violência contra a mulher ultrapassa as barreiras de classe. Da trabalhadora arrastada por uma viatura da Polícia Militar a presidenta xingada durante a abertura da Copa do Mundo, nenhuma mulher foi poupada.

Radioagência BdF: Flávia, falando em conquistas e violações de direitos, que fatos marcaram 2014 para as mulheres?

Flávia Rios: Eu tenho algumas imagens que me marcaram em relação às mulheres nesse ano. Imagens que me chocaram. Uma delas foi o caso da Cláudia, o assassinato dela. Uma mãe de quatro filhos, uma trabalhadora arrastada. Essa eu acho que foi a cena mais marcante de 2014. Especialmente porque simboliza as condições de opressão da mulher negra, pobre, que vive na favela. As condições intercruzadas e o tipo de morte chocaram o Brasil e o mundo, e mobilizou os movimentos sociais. Muitos coletivos se organizaram a partir de Cláudia. Por outro lado, do ponto de vista legal, as pessoas responsáveis estão na ativa.

Um segundo caso foi o da abertura da Copa do Mundo, os xingamentos que a presidente recebeu. Xingamentos feitos em português, inglês, e que remontam a dimensão dos estereótipos da mulher e reduzem a figura da mulher mesmo em uma posição super elevada. Eu falei inicialmente de um caso de uma mulher em uma posição fragilizada na sociedade e agora uma chefe de Estado também vivenciando uma experiência de um estupro coletivo e simbólico, tendo sua imagem, sua figura, sendo ridicularizada e sexualizada o tempo todo por xingamentos que até então nunca se tinha ouvido na história do país para se referir a uma pessoa que ocupava uma posição mais elevada do Executivo. Então, são imagens simbólicas que marcam duas dimensões. Uma dimensão na base da pirâmide social e outra também em uma dimensão mais elevada em termos de política.

Radioagência BdF: A subrepresentatividade no Congresso Nacional é mais um exemplo de como se dá discriminação de gênero?

FR: É a primeira vez que a lei eleitoral de cota mínima de 30% para mulheres se faz efetiva, e os partidos com medo de sanção tentam colocar mulheres para se candidatar. Então, teve um incremento no número de mulheres que se candidataram, isso é positivo e diz respeito a uma conquista dessas mulheres, e também por sua vez teve uma melhor representação nesses cargos legislativos quando comparados a 2010. Ainda que os dados sejam bastante alarmantesHoje nós temos uma mulher para cada 10 deputados federais.

Radioagência BdF: Por que a violência seja física, sexual e psicológica ainda faz parte da nossa realidade?

FR: Primeiro, diz respeito ao estímulo que a cultura brasileira constrói o tipo de masculinidade. As relações de gênero no Brasil perpassam por dimensões culturais, educacionais, de formação, mas você encontra padrões comportamentais em todas as classes sociais. Mas o comportamento violento masculino é algo marcante em todas as classes sociais, independentemente de escolaridade. Eu acho que diz respeito à forma como cultura machista e patriarcal é construída e o lugar da mulher. Espera-se que mulheres estejam em certos lugares. E por mais que hoje no Brasil tenhamos mulheres que estudam mais, mulheres têm mais anos de escolaridade, esse incremento educacional não corresponde a um aumento equivalente do seu salário, nem mesmo das suas posições no mercado de trabalho.

Radioagência BdF: Em termos de políticas públicas para a igualdade de gênero, que avanços são necessários para os próximos anos?

FR: Do ponto de vista das mulheres são as conquistas no que diz respeito a autonomia do corpo. Essa é uma das principais lutas, bandeiras, marchas. A defesa do aborto. Essa é uma pauta muito significativa porque diz respeito a autonomia da mulher e a possibilidade de ela decidir. Outras conquistas dizem respeito à luta por representação política. Muitas pautas femininas e feministas não conseguem avançar no Executivo e no Legislativo justamente porque somos mal representadas. Uma representação maior das mulheres, conquistas via partido, de forma partidária, mas também dos movimentos sociais e articulação podem promover e garantir melhorias nas condições das mulheres, que dizem respeito a questão da violência, do parto, da saúde, do tratamento e também da representação nos meios de comunicação, porque esse também é um dos vetores da má representação das mulheres e estímulo a comportamentos masculinos absolutamente violentos.

Radioagência BdF: Entre os fatos positivos de 2014 (se eles existem), o que você ressaltaria em relação às mulheres?

FR: Eu gostaria de marcar um evento super significativo que aconteceu nesse período que é a memória de uma escritora muito influente no seu período, que conseguiu reconhecimento internacional, que foi Carolina Maria de Jesus. Os movimentos sociais ergueram essa mulher e a produção e reflexões dela, e trouxeram os centenários espalhados Brasil afora, mostrando o vigor da mobilização coletiva no que diz respeito à reconstrução da memória e da produção de discursos das mulheres no Brasil.

 

Por Daniele Silveira,

Da Radioagência BdF

Jovens sindicalistas discutem problemáticas da juventude trabalhadora da América Central

Nos próximos dias 17 e 18, Manágua, capital da Nicarágua, sediará o III Encontro da Juventude Sindical da América Central. O evento, promovido pela Frente Nacional dos Trabalhadores (FNT) da Nicarágua e pela Federação Sindical Mundial (FSM) da América Central, pretende reunir jovens da região para discutir as problemáticas atuais da juventude trabalhadora.

A partir do tema “Juventude Trabalhadora Diante dos Novos Desafios”, os/as participantes discutirão problemas como: pobreza, desemprego, violência, e drogas. A ideia, de acordo com o convite para o encontro, é “construir consensos sobre o tema da juventude trabalhadora na região” a respeito dessas questões e seguir a “construção de uma sociedade em benefício de todas e todos, incluindo os jovens e as jovens”.

A programação do evento inclui conferências, mesas temáticas, exibições de vídeos e apresentações culturais. Destaque para os debates que ocorrerão no primeiro dia: “Nicarágua, a Revolução Popular Sandinista e o desempenho da juventude na II etapa da Revolução”; “A FNT e o trabalho com a juventude trabalhadora na Nicarágua”, com a participação de Gustavo Porras, coordenador nacional da Frente; e “A FSM e o papel da juventude trabalhadora”, com Manuel Ramos, da FSM Central.

O segundo dia de encontro será dedicado às mesas de trabalho. Divididos/as em quatro grupos, os/as jovens discutirão pontos como: situação política, econômica e sindical da região e agenda das organizações sociais; fortalecimento dos sindicatos no enfrentamento ao sistema capitalista; juventude e luta política sindical; e juventude e equidade de gênero.

A expectativa é que os/as jovens possam expor os debates das mesas para os/as participantes do evento e que o encontro seja encerrado com a leitura da declaração “Comitê de Jovens”.

A realização do III Encontro da Juventude Sindical da América Central faz parte dos acordos estabelecidos no segundo encontro, ocorrido entre os dias 7 e 9 de dezembro, na Costa Rica. Além da organização do terceiro encontro, as juventudes presentes no evento passado ainda decidiram criar um Comitê Regional Centro-Americano da Juventude, estabelecer o dia 14 de maio como Dia de Ação da Juventude Sindicalista da FSM na América Central e no México, buscar ações que incentivem a participação de mulheres nas organizações sindicais, entre outros pontos.

Juventude do Cone Sul

As juventudes trabalhadoras da América do Sul também estão articuladas. Nos dias 29 e 30 de junho, jovens de Argentina, Brasil, Chile, Equador, Paraguai e Uruguai se reuniram em Buenos Aires, na Argentina, para participar do Encontro da Juventude Trabalhadora do Cone Sul da Federação Sindical Mundial. O evento contou ainda com a presença de jovens de Cuba e do México.

De acordo com informações da Federação Sindical Mundial, as discussões giraram em torno das lutas das juventudes sul-americanas, do plano de ação para a região, e da integração solidária. O próximo Encontro da Juventude Trabalhadora do Cone Sul ocorrerá em 2013, no Uruguai.

Desemprego

Não é à toa que o desemprego é uma das principais preocupações entre os/as jovens. No informe Tendências mundiais de emprego juvenil 2012, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) alerta que a taxa de desemprego entre jovens ainda é alta. De acordo com a publicação, lançada em maio passado, 75 milhões de jovens em todo o mundo estão sem emprego. Na América Latina e no Caribe, a taxa de desemprego juvenil no ano passado alcançou 14,3%.

Adital