Arquivo da tag: título

Sobrinho de Luxemburgo, técnico carioca busca primeiro título da carreira na 2ª divisão da Paraíba

Carioca, ex-jogador e agora técnico. Essas três características presentes em Bruno Jojô Abrahão são as mesmas do seu tio, Vanderlei Luxemburgo. Agora na Paraíba, Bruno terá a sua primeira experiência no futebol do Nordeste, comandando o Sabugy, na 2ª divisão estadual. Com passagens por clubes cariocas, o seu principal objetivo na precoce carreira como treinador é conquistar o primeiro título da sua carreira.

Bruno faz preleção com jogadores do time Sub-19 do Sabugy — Foto: Acervo pessoal / Bruno Jojô Abrahão

Bruno faz preleção com jogadores do time Sub-19 do Sabugy — Foto: Acervo pessoal / Bruno Jojô Abrahão

A missão de comandar times de futebol já está presente na família de Bruno Abrahão. O seu pai, que é irmão de Vanderlei Luxemburgo, também treinou equipes de menor porte no Rio de Janeiro.

O ex-goleiro lembra que recebeu uma “mãozinha” do tio no início da carreira, nas categorias de base do Flamengo. Depois, ele passou pelo Botafogo e por clubes menores, até pendurar as luvas e assumir a prancheta.

– Eu fui goleiro do Flamengo enquanto garoto e foi ele (Luxemburgo) que me colocou lá. Isso eu lembro muito bem e não tenho como negar essa influência no início da minha carreira. Depois fui para o Botafogo, já por méritos próprios, onde joguei por seis anos. Depois atuei em times menores e parei como goleiro – contou.

Bruno ao lado dos outros integrantes da comissão técnica do Sabugy — Foto: Acervo pessoal / Bruno Jojô Abrahão

Bruno ao lado dos outros integrantes da comissão técnica do Sabugy — Foto: Acervo pessoal / Bruno Jojô Abrahão

Bruno Jojô Abrahão explica que, após o fim da carreira, não teve como escapar do caminho para se tornar técnico. O primeiro passo foi buscar qualificação através de cursos da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e da Associação Brasileira de Treinadores de Futebol (ABTF), para depois ter as suas primeiras experiências no comando técnico.

O carioca só comandou times no futebol carioca, com passagens por Bela Vista (2016), Ceres sub-20 (2017) e Juventus (2018). Agora em 2019, será a sua primeira oportunidade fora do Rio de Janeiro.

A relação com Luxemburgo

“O contato hoje é pouquíssimo, para não dizer raro”. É assim que Bruno resume a sua relação com Vanderlei Luxemburgo. Segundo ele, a última vez em que os dois estiveram juntos foi em junho de 2017, na época em que o tio comandava o Sport.

– Estive em São Januário quando Luxemburgo era técnico do Sport e ia enfrentar o Vasco. Sempre falo com uma das filhas dele, a Vanessa, mas com ele essa foi a última vez. Aprendi muito com o Vanderlei. Na época do Palmeiras, eu entrava junto com a delegação, no intervalo ia para o vestiário ouvir a preleção e no final do jogo da mesma forma, para aquela conversa final. Quando ele começou a rodar por outros centros, perdemos contato – lembrou.

Bruno, no último encontro que teve com Luxemburgo, em 2017, quando Luxa ainda estava no Sport — Foto: Acervo pessoal / Bruno Jojô Abrahão

Bruno, no último encontro que teve com Luxemburgo, em 2017, quando Luxa ainda estava no Sport — Foto: Acervo pessoal / Bruno Jojô Abrahão

Chegada à Paraíba

Bruno contou que, na época em que atuou como técnico do sub-20 do Ceres, conheceu o preparador de goleiros Jefferson Sabino, paraibano de Itabaiana, com quem trabalhou no Rio de Janeiro. O treinador explicou que Sabino fez um acordo com o Sabugy e responderá durante dois anos como gestor dos times sub-19 e profissional.

– O Jefferson me fez este convite e resolvi aceitar. Sempre acompanhei o futebol do Nordeste e acho um cenário muito empolgante, com uma grande oportunidade de descobrir talentos. Topei o desafio e agora esperamos fazer um bom trabalho – falou.

Expectativa da primeira conquista como técnico

A missão na Paraíba é em dose dupla, pois Bruno Jojô Abrahão terá a responsabilidade de comandar os times sub-19 e profissional. O Sabugy está próximo de completar 100 anos e, para o seu novo treinador, o clube não pode continuar, ano após ano, fazendo campanhas abaixo do que um time histórico deve fazer.

– O meu jeito de trabalhar é muito como o do Luxemburgo, de não aceitar perder e gostar de times com intensidade. O paraibano sabe jogar muito assim, diferente do jogador carioca. Nas campanhas passadas, o time foi muito ruim, e tirar essa coisa de que é time pequeno é uma das minhas metas. Como estarei no sub-19, também quero classificar o time para a Copa São Paulo de Futebol Júnior. A região tem bons atletas, e eles merecem ter essa visibilidade – frisou.

*Raniery é repórter da CBN João Pessoa e colabora com o GloboEsporte.com/pb

GE

 

Brasil supera expulsão, faz 3 a 1 no Peru e conquista título

A Copa América é do Brasil pela nona vez na história. Para colocar a mão na taça continental depois de 12 anos a equipe do técnico Tite sofreu contra o Peru para vencer por 3 a 1, no Maracanã, neste domingo. O time levou o primeiro gol na competição, teve Gabriel Jesus expulso, atuou com um a menos por mais de 20 minutos, porém se mostrou eficiente como sempre e merecedor da taça.

A seleção brasileira ganha mais uma vez a Copa América em casa e compensa, inclusive, a ausência de Neymar. Três nomes lapidados e consolidados ao longo da competição decidiram a final. Richarlison converteu o pênalti decisivo, Éverton marcou mais um gol e Gabriel Jesus deu assistência, fez gol e foi expulso.

O reencontro com o Brasil na final após a partida na fase de grupos fez os peruanos repetirem a proposta de jogo. Marcação adiantada, bom toque de bola e dois chutes a gol antes dos dez primeiros minutos mostraram um time confiante. Com Guerrero centralizado no ataque e um pelotão de cinco meias, a marcação era caprichada e os visitantes deixavam o Brasil com menos posse de bola.

Paciente, o Brasil encontrou o caminho ao gol aos 14 minutos ao se aproveitar da maior debilidade peruana nesta Copa América, as laterais. Daniel Alves lançou pelo alto, por cima do bloco peruano de marcação no meio-campo e deixou Gabriel Jesus livre para superar Trauco e cruzar. Advíncula errou o posicionamento e deixou Everton aparecer livre para completar a gol.

A expectativa de abrir uma nova goleada não se confirmou. O Brasil continuava com dificuldades para passar pela marcação. Os peruanos tiveram o mérito de manter a calma após a desvantagem e acabaram premiados pelo esforço. Cueva tentou um passe dentro da área e a bola bateu na mão de Thiago Silva, que tentava um carrinho. O árbitro chileno Roberto Tomar marcou pênalti, depois consultou o vídeo e na sequência, manteve a decisão. Guerrero cobrou e empatou.

O Maracanã ficou mudo. O primeiro gol sofrido pelo Brasil no torneio fez os jogadores em campo gesticularem entre si com o pedido para não se abater. Deu certo. Aos 47, Arthur recuperou uma bola, conduziu e contou com o escorregão de um peruano para deixar Gabriel Jesus livre para tirar de Gallese. O desempate era o calmante necessário para o Brasil terminar o primeiro tempo livre de qualquer agonia.

O Peru voltou para o segundo tempo com os pontas Carrillo e Flores invertidos de posição. A postura mais ofensiva deu trabalho para o Brasil, mas por outro lado abriu mais espaço para Coutinho aparecer. A seleção não aproveitou duas boas chances para fazer o terceiro e recebeu um duro golpe aos 24 minutos. Irritado com a marcação, Gabriel Jesus fez falta em Tapia, levou o segundo amarelo e foi expulso.

A vantagem numérica em campo fez o Peru arriscar mais. A torcida sentiu o momento delicado e começou a se agitar mais depois de Flores quase empatar de fora da área. O técnico Tite foi outro a acusar a expulsão, ao tirar Coutinho e colocar o lateral Éder Militão. A mudança deixou o Brasil com a defesa reforçada e fez Daniel Alves ser posicionado como meio-campista.

A parte final do segundo tempo teve o Brasil com dois objetivos: segurar o jogo e provocar a expulsão de algum peruano. A cada falta ou dividida, a reclamação brasileira para cobrar cartão faziam os cerca de 70 mil presentes gritarem. O jogo ficou travado, tenso e aos 41 minutos, viveu um novo momento decisivo. O árbitro marcou pênalti em Éverton na área, consultou o árbitro de vídeo e assim como no primeiro tempo, manteve a decisão.

A bola decisiva caiu para Richarlison, aos 45 minutos do segundo tempo. O atacante que teve caxumba durante a Copa América cobrou no canto de Gallese e fez o estádio aliviar a preocupação. Teve gritos de “campeão”, sinalizador e o coro de “o campeão voltou” para coroar o encerramento da campanha vitoriosa.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 3X1 PERU

BRASIL: Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Alex Sandro; Casemiro, Arthur e Philippe Coutinho (Éder Militão); Gabriel Jesus, Éverton (Allan) e Roberto Firmino (Richarlison). Técnico: Tite.

PERU: Gallese; Advíncula, Zambrano, Abram e Trauco; Yotún (Ruidiaz), Tapia (Gonzales), Carrillo (Polo), Cueva e Flores; Paolo Guerrero. Técnico: Ricardo Gareca.

Gols: Everton, aos 14, Guerrero, aos 43, e Gabriel Jesus, aos 47 minutos do primeiro tempo. Richarlison, aos 45 minutos do segundo tempo.

Árbitro: Roberto Tobar (Chile)

Cartões amarelos: Gabriel Jesus, Tapia, Thiago Silva, Zambrano, Advíncula, Richarlison

Cartão vermelho: Gabriel Jesus

Público: 58.584 pagantes (69.986 no total)

Renda: R$ 38.769.850,00

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro

 

 

Estadão

 

 

Fortaleza vence o Botafogo-PB e conquista o título da Copa do Nordeste

Não foi dessa vez que o torcedor do Botafogo-PB comemorou o título de campeão da Copa do Nordeste. Na noite desta quarta-feira (29), com o estádio Almeidão lotado, o Belo voltou a perder para o Fortaleza, novamente por 1 a 0, e viu o Leão do Pici comandado por Rogério Ceni fazer a festa em solo paraibano.

Além do título, o time cearense garantiu de premiação mais R$ 1 milhão na conta. O Belo fica com R$ 500 mil. O campeão também ganha o direito de entrar na Copa do Brasil do ano que vem já na fase de oitavas de final.

As duas equipes agora voltam suas atenções para o Campeonato Brasileiro. O próximo compromisso do Bota será domingo (2), contra o Confiança-SE, na Arena Batistão, às 16h, pela sexta rodada da Série C. Já o Fortaleza visita o Flamengo, no sábado (1º), pela sétima rodada da Série A.

Primeiro tempo

A partida mal começou e aconteceu tudo o que o torcedor do Belo não esperava. Logo aos três minutos, em uma bobeada da defesa alvinegra, Fábio Alves tentou proteger e Lula chutou nas costas de Tinga. A bola sobrou limpinha para o centroavante Wellington Paulista, que, sozinho, finalizou sem chances para o goleiro Saulo.

O Botafogo sentiu o baque e, mesmo tendo mais posse de bola, pouco conseguiu criar. Claramente nervoso em campo, o time errava muitos passes. O Fortaleza, por sua vez, se fechou, apostando nos contra-ataques.

A primeira finalização do Botafogo veio só aos 26 minutos. Marcos Vinicius achou Nando na área, que cabeceou para fora, sem levar perigo ao gol defendido por Marcelo Boeck. Aos 29, em novo cruzamento, Lula, que falhou no lance do gol do Fortaleza, teve a chance de ser redimir, mas cabeceou para fora.

Aos poucos, o Belo foi se soltando em campo e começou a levar perigo. Aos 33 minutos, Marcos Aurélio, que estava sumido no jogo, recebeu na intermediária e arriscou de longe, obrigando Boeck fazer uma grande defesa.

Segunda etapa

O Botafogo voltou melhor do intervalo e, logo no segundo minuto, Lula aproveitou cruzamento na área e testou para mais uma grande defesa de Boeck. A bola ainda sobrou para Marcos Vinicius, mas a arbitragem já havia marcado o impedimento. Aos nove, Fábio Alves teve boa chance, mas cabeceou para fora.

Nos minutos seguintes, Evaristo Piza tratou de mexer no time. Saíram Marcos Aurélio e Rogério para as entradas de Enercino e Dico. Aos 25, Dico recebeu grande bola na esquerda e finalizou forte para defesa do arqueiro do Fortaleza.

Aos 30 minutos, Marcinho teve a chance de sacramentar a vitória do Leão do Pici. O atacante recebeu cruzamento rasteiro dentro da pequena área, sem goleiro, e mandou para fora. Inacreditável o gol que ele perdeu.

Nos minutos finais, o Alvinegro da Estrela Vermelha ainda seguiu buscando o empate, mas não conseguiu igualar o marcador. O Fortaleza controlou o jogo e só esperou a partida acabar para soltar o grito de campeão.

Cenas tristes

No fim do segundo tempo, a torcida do Fortaleza entrou em atrito com a equipe da Polícia Militar que fazia a segurança do setor destinado aos visitantes. Para conter o tumulto, os PMs foram obrigados a disparar balas de borracha.

Homenagem

Antes da partida começar, houve uma homenagem ao cantor Gabriel Diniz, falecido em acidente aéreo nessa segunda-feira (27). O músico Raniery Gomes cantou trechos de músicas de ‘GD’, que foram acompanhados em coro pela torcida presente no estádio. Confira foto abaixo:

Fortaleza
Raniery Gomes fez homenagem a Gabriel Diniz (Foto: Nice Almeida/Portal Correio)

*Texto de Allan Hebert, do Jornal Correio

 

 

Câmara de Cacimba de Dentro concede título de cidadania ao reverendo major Carlos Tomé

A Câmara Municipal de Cacimba de Dentro concedeu título de cidadão cacimbense ao reverendo major Carlos Tomé, capelão do Exército Britânico. A propositura foi do vereador Arnóbio Carvalho teve sua propositura aprovada pelos demais parlamentares.

O reverendo nasceu no município de Bananeiras, já que na época não havia unidades de saúde que garantisse às mulheres terem filhos na cidade de Cacimba de Dentro. Mas a história do homenageado se confunde com a da cidade.

Reverendo major Carlos Tomé foi alfabetizado em Cacimba de Dentro, onde cursou o primeiro ano do primário no Grupo Perilo de Oliveira.

O homenageado tem uma história de trabalho missionário em vários países sendo o primeiro latino americano a conseguir o título de reverendo capelão do exército britânico.

 

Redação FN

 

 

Câmara de Solânea concede título de cidadania a Vicente Barbeiro e o poeta Pereira Santos

A Câmara Municipal de Solânea entregou, nessa sexta-feira (26), o título de cidadania a dois ilustres moradores da cidade. Com as proposituras dos vereadores Júnior Melo e Márcio Prudêncio, os novos solanenses Vicente Pereira Lima, popular Vicente Barbeiro, e o poeta Pereira Santos foram homenageados durante a solenidade de entrega do título.

“O objetivo é valorizar aquelas pessoas que têm sua história no município e seu Vicente Barbeiro é uma daquelas pessoas que marca a nossa cidade, por até os dias de hoje manter sua tão famosa barbearia no centro da nossa cidade”, comentou Juninho, autor da propositura de título de cidadania para seu Vicente.

Já o vereador Márcio Prudêncio, autor da propositura que torna o poeta Pereira Santos um solanense, destacou a valorização da cultura do repente e o nome de Solânea representado por Pereira em vários festivais de viola no país. “Pereira tem valorizado o nome de Solânea por onde anda, se destacando sempre nos principais festivais de viola em todo Brasil, além de manter viva a cultura da viola. Por esse motivo, acho mais que merecido congratula-lo com esse título de cidadania”.

Ainda estiveram presentes na Casa Antônio Melo de Azevedo, o prefeito Kayser Rocha, o vice-prefeito Edvanildo Júnior, o ex-prefeito Dr. Chiquinho, além do presidente da Câmara, Flávio Evaristo e os vereadores, Jucian Jad, Tiago, Vanda Rosália e os autores das proposituras Juninho e Márcio Prudêncio.

Ascom-CMS

 

 

Botafogo-PB bate Campinense e coloca mão no título estadual

Incontestavelmente, o time de melhor campanha, de melhor elenco, o Botafogo-PB deu um passo gigantesco para conquistar o título estadual de 2019

Em pleno Amigão, o Belo venceu o Campinense por 2 a 1 e abriu vantagem na disputa. Agora o Belo está a um empate do tricampeonato.

Marcos Aurélio e Dico marcaram os gols do time botafoguense, cabendo a Neilson descontar para os rubro-negros. Com o resultado. O Bota joga por um empate, sábado, no Estádio Almeidão, para se sagrar tricampeão, já que venceu os dois últimos estaduais,  sendo o último justamente em cima da Raposa.

Já o Campinense precisa vencer por vantagem de dois gols para levar o troféu para Campina Grande. Caso o triunfo rubro-negro seja por um gol de diferença, o campeão será definido nas cobranças de pênaltis.

No primeiro tempo, o Botafogo-PB foi para cima, conseguindo o controle do jogo e abrir o placar aos sete minutos. A bola parada de Marcos Aurélio, numa boa cobrança de falta, resultou no primeiro tento botafoguense. Minutos depois, com o Campinense ainda atordoado, o camisa 10 do Belo foi derrubado dentro da área pelo goleiro Wagner Coradin, pênalti claro. Nando foi para a cobrança e chutou para muito longe. Com uma penalidade desperdiçada, o Belo sentiu a sequência do primeiro tempo, enquanto a Raposa melhorou, já que Francisco Diá fez duas alterações. Inclusive, na reta final dos primeiros 45 minutos, o time rubro-negro ficou próximo de empatar, mas ficou por isso mesmo.

No segundo tempo, o Belo voltou ainda  melhor, conseguiu trocar bons passes, freou qualquer tentativa do Campinense de buscar o empate. E na reta final, o Belo chegou ao segundo gol. Dico recebeu um ótimo passe de Marcos Aurélio e ampliou a vantagem. O momento era ótimo para o Alvinegro, quando, logo em seguida, o Campinense teve uma cobrança de falta. Neilson, um dos destaques do Rubro-Negro no Paraibano, chutou com força e viu Saulo, um dos cara do Belo no ano, falhar feio. O gol devolveu a Raposa para a partida, mas terminou assim mesmo. 2 a 1 para o Botafogo-PB, que vai jogar por um empate no duelo de volta.

pbagora

 

 

Campinense comemora 104 anos em busca de mais um título estadual

“Sangue, nervo, coração”! ” Pelos campos do Brasil A raposa a correr Vitórias glórias mil, garra e raça pra valer”. O Hino oficial diz tudo.  Com 21 títulos estaduais e uma Copa do Nordeste conquista de forma inédita em 2013, o Campinense Clube comemora  nesta sexta-feira, 104 anos em busca de mais um título estadual. Finalista do Campeonato Paraibano de 2019, a despeito das crises financeira e administrativa pelas quais atravessa, o Rubro-Negro completa 104 anos de fundação nesta sexta-feira (12) e preparou uma programação diversificada para comemorar a data.

A programação festiva começou as 10h com o “Campinense de Portas Abertas”. (A diretoria e jogadores recepcionam estudantes da Escola Estadual ECI Monte Carmelo, localizada no bairro do Pedregal). As 14h, acontece uma queima de fogos de artifício e as 14h15 – Celebração Ecumênica.

– Após o ato ecumênico, haverá o corte do bolo a ser distribuído aos diretores, conselheiros, funcionários, comissão técnica, atletas e ex-atletas).

As 14h45 acontece a Apresentação Cultural.(Banda Marcial da Escola Dr. Epídio de Almeida, o “Gigantão da Prata” e as 15h30  treino do time principal no estádio Amigão.

O Campinense Clube foi fundado no dia 12 de abril de 1915, como um sociedade recreativa dançante, que se chamava Sociedade Recreativa Campinense Club, O Departamento de Futebol no entanto, foi ativado em 1917 quando foi iniciada a prática do futebol. O clube se tornou uma equipe profissional de futebol em 1958, sendo que dois anos depois, passou a disputar o Campeonato Paraibano.

Quando o Clube foi fundado, as atividades iniciais se centravam na diversão da sociedade da cidade de Campina Grande já que se tratava de uma agremiação social. Só em 12 de março de 1954 que o espaço para o futebol e outros esportes pôde ser, de fato, atribuído a agremiação com incentivo ao futebol, basquete, vôlei, tênis e outros. O historiador Marco Antônio Neto relembra o surgimento do espaço raposeiro.

Com o passar dos anos, o clube centrou as suas atividades e atenções ao time profissional de futebol masculino, que rendeu frutos em forma de títulos, espaço no coração do torcedor paraibano e protagonismo no cenário futebolístico regional e nacional. Dos títulos estaduais que coleciona, o mais importante foi conquistado em 1965. A vitória diante do Botafogo (1×0) deu aos rubro-negros o hexacampeonato. O Campinense chegou à grande final após humilhar o Auto Esporte (6×2) e o 5 de Agosto (8×0).

Em 104 anos, o rubro-negro hexacampeão Paraibano , conquistou 21 títulos estaduais. O mais importante título do clube foi a Copa do Nordeste, em 2013, Entre 1971-1975, o Campinense conquistou o pentacampeonato Paraibano, sendo que em 1972 foi e vice-campeão da série B. Em sua galeria de troféus, a Raposa tem os 21 títulos estaduais conquistados nos anos de 1960, 1961, 1962, 1963,1964,1965,1967,1971,1972,1973,1974,1975, 1979,1980, 1991, 1993, 2004 e 2008 e 2012, 2015 e 2016. O clube também foi campeão do torneio inicio paraibano nos anos de 1963, 1964, 1972, 1973, 1975, 1977 e 1980, e levantou a Taça Nordeste Brasil em 1962.

A Copa do Nordeste de 2013 com certeza é a maior conquista do clube. A Raposa estreou na fase de classificação da competição regional, em 19 de janeiro com empate por dois gols frente ao Feirense na Bahia, e terminou como campeão jogando em casa, contra o ASA, vencendo por 2 a 0. Foram 10 jogos, com seis vitórias, tres empates e apenas uma derrota (para o Santa Cruz-PE, 0 a 2); fez 15 gols e sofreu oito.

Em 2016, mais uma vez, o Campinense chegou à decisão do maior campeonato Regional do País, algo que para muitos seria difícil de se repetir novamente, não para os Raposeiros. Ainda em 2016, a Raposa conquistou o bicampeonato estadual, o 21° de da história.

 

Severino Lopes

PB Agora

 

 

 

Vaticano concede título de venerável a Frei Damião de Bozzano

A Arquidiocese de Olinda e Recife e a Província Nossa Senhora da Penha do Nordeste do Brasil, da Congregação dos Capuchinhos, divulgaram que o Papa Francisco autorizou promulgar, nesta segunda-feira (08/04), o decreto pelo qual reconhece as virtudes heroicas do Frei Damião de Bozzano e de outros. A decisão ocorreu em audiência com o cardeal Angelo Becciu, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, no último 6 de abril de 2019, no Vaticano. A partir de agora, Frei Damião ganha o título de venerável. O próximo passo é ser declarado beato e depois santo.

O processo de canonização, no entanto, é demorado e inclui cuidadosa documentação. No Recife, o capuchinho frei Jociel Gomes é o responsável pelo encaminhamento dos documentos e relatórios referente à causa junto ao Vaticano. Após nove anos de trabalho reunindo e organizando dados, testemunhos e documentos, frei Jociel enviou a documentação do processo para o Vaticano em 28 de junho de 2012 com a autorização do arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido. Somente agora, quase sete anos depois, chegam as notícias sobre o título de venerável.

“O povo já proclama Frei Damião santo por tudo que ele viveu nas missões e no dia-a-dia da população pobre do Nordeste, mas a Igreja mantém a salutar cautela dos estudos da vida e das obras, antes e depois de sua morte, para declará-lo santo”, explicou dom Fernando. “Continuemos rogando a Deus para que nos dê a graça de alcançar a canonização de Frei Damião”, acrescentou.

A notícia do decreto promulgado hoje alegrou o clero e os fiéis do Nordeste. Em mensagem enviada a dom Fernando Saburido, o bispo de Nazaré da Mata, dom Francisco Lucena, expressou seu contentamento com o andamento do processo de beatificação e canonização de Frei Damião. “Viva o nosso Apóstolo Missionário do Nordeste. Viva o nosso Regional NE2. Viva a Província N. Sra. da Penha do Nordeste do Brasil. Frei Damião praticou as virtudes heroicas e viveu com fidelidade na graça de Deus. É o nosso venerável Frei Damião. Dia de muita alegria!”, escreveu.

Para declarar uma pessoa santa, deve-se percorrer um caminho cuidadoso e, por vezes, demorado. O bispo local inicia a causa com a Congregação do Vaticano para as Causas dos Santos, com um postulador pesquisando e estudando detalhes da vida e das obras da pessoa a ser declarada santa. Material reunido, encaminha-se para o Vaticano que, ao analisar o compêndio, vai reconhecer suas virtudes heroicas (declarando-o venerável). Até aí, é apenas o reconhecimento da Igreja de que a pessoa teve uma vida especialmente sagrada ou foi martirizada por sua fé. Adiante, tendo o primeiro milagre comprovado, a pessoa é beatificada. Se o Vaticano reconhecer um segundo milagre, o Papa nomeia-o santo. É a canonização, que atribui ao novo santo um dia de festa (normalmente na data de sua morte, que é quando nasce para a vida no céu), permitindo que igrejas sejam nomeadas em sua honra.

Diário de Pernambuco

 

 

Prazo para tirar 2ª via do título eleitoral termina nesta quinta-feira

Termina nesta quinta-feira (27), dez dias antes do primeiro turno do pleito, o prazo para o eleitor solicitar a segunda via do título no cartório eleitoral da zona onde está cadastrado. A previsão consta no artigo 52 do Código Eleitoral.

É importante ressaltar que, para a emissão da segunda via do título, o eleitor deve estar quite com a Justiça Eleitoral, ou seja, não poderá ter débitos pendentes, como multas por ausência às urnas ou aos trabalhos eleitorais, como o de mesário, ou ainda ter recebido multas em razão de violação de dispositivos do Código Eleitoral (Lei 4.737/1965), da Lei das Eleições (Lei 9.504/1997) e leis conexas.

Multas devem ser pagas por meio de Guia de Recolhimento da União (GRU) emitida pelo cartório eleitoral e podem variar de R$ 1,05 a R$ 35,14.

Outros documentos

O título de eleitor não é o único documento que possibilita a participação nas eleições. O eleitor pode se apresentar à mesa de votação trazendo consigo qualquer documento oficial com foto, como a carteira de identidade, carteira de trabalho, carteira de motorista ou o passaporte, por exemplo.

O cidadão cuja inscrição eleitoral estiver em situação regular tem como alternativa ao título de papel a versão digital do documento, que pode ser obtida gratuitamente por meio do aplicativo e-Título, disponível para dispositivos móveis nas lojas virtuais Apple Store e Google Play.

O e-Título também serve como documento de identificação do eleitor caso ele já tenha feito o recadastramento biométrico. Isso porque a versão digital será baixada com foto, o que dispensa a apresentação de outro documento de identificação no momento do voto.

O aplicativo informa o local de votação e, por meio de ferramentas de geolocalização, guia o usuário até sua seção eleitoral. Além disso, ele também oferece serviços como a emissão de certidões de quitação eleitoral e negativa de crimes eleitorais.

O local de votação também pode ser conhecido no portal do TSE, por meio da seção Serviços ao eleitor > Título de eleitor > Título e local de votação. A consulta pode ser feita pelo nome do eleitor ou número do título, data de nascimento e nome da mãe.

Os eleitores que perderam o prazo final do alistamento, no dia 9 de maio, não poderão votar nas Eleições de 2018. Essa foi a data limite para requererem inscrição eleitoral, transferência de domicílio, alteração de título eleitoral ou transferência para seção eleitoral especial (eleitores com deficiência ou mobilidade reduzida).

Os eleitores com deficiência ou dificuldade de locomoção que perderam o prazo ou pessoas que passaram a ter essa condição após 9 de maio também puderam requerer a transferência do local de votação do dia 17 de agosto até o dia 23 de agosto.

Blog do Gordinho

Campinense bate Botafogo-PB e fica a um empate do título

fotos: Leonardo Silva/Paraibaonline

No confronto da final do Campeonato Paraibano, o Campinense venceu o Botafogo-PB por 1 a 0, nesta quinta-feira no Estádio Amigão, em Campina Grande.O gol do time raposeiro foi marcado por Tarcísio, logo no começo do clássico.

Com o resultado, a Raposa conseguiu levar a vantagem do empate para ser campeão na partida de volta, que acontece domingo, no Estádio Almeidão, em João Pessoa. Ao Bota, resta vencer por qualquer placar para faturar o título, por ter feito melhor pontuação que o adversário.

Na partida em casa, o Campinense contou com a força da torcida para inverter a vantagem do Belo. Tanto é que, logo a um minuto, conseguiu balançar as redes de Saulo. Tarcísio recebe passe da Rafael Araújo pela esquerda e marca.

O time raposeiro foi dono das ações na primeira etapa. No entanto, quase tomou gol de empate aos 45 minutos, quando Marcos Aurélio chutou forte e a bola acertou a trave do goleiro Jeferson.

Com a vitória parcial em favor do Campinense, o Botafogo-PB voltou disposto a sair pelo menos com o empate. E teve alguma chances de marcar. Mas, o time rubro-negro conseguiu se reencontrar dentro das quatro linhas e chegou a ameçar o gol de Saulo.

Tanto é que, Marcinho, o nome do jogo, conseguiu deixar Tarcísio livre para ampliar o placar, mas ele chutou por cima. O Bota teve uma chance real com Nando, que livre de marcação chutou por cima do gol defendido por Saulo.

Depois disso, o Campinense conseguiu segurar a vitória e a vantagem para o jogo decisivo de domingo, no Almeidão.

Ficha Técnica

Campinense
Jeferson, Alex Murici (Beto), Willian Goiano, Rafael Jensen e Rafael Araújo; Felipe Macena, Neto, Tarcísio (Thiago Potiguar) e Marcinho; Müller Fernandes (Matheus Ortigoza) e Jackinha. Técnico – Ruy Scarpino
Botafogo-PB
Saulo, Felipe Cordeiro, Gladstone, Lula e Mazinho (Mário); Rafael Jataí (Humberto), Rogério, Carlos Renato e Marcos Aurélio (Hiroshi); Dico e Nando. Técnico: Leston JúniorÁrbitro – Francisco Carlos Nascimento (AL)
Assistentes – Rondinelle dos Santos e Maxwell Rocha (AL)
Gols – Tarcísio (C), a 1min do 1º T
Cartão amarelo – Lula, Mazinho, Marcos Aurélio, (B), Alex Murici, Willian Goiano (C)

 

Paraibaonline

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br