Arquivo da tag: Suécia

Papa irá a Suécia para comemoração dos 500 anos da Reforma Protestante

papaO Papa irá a Lund, na Suécia, em 31 de outubro próximo, num evento que marcará o início das celebrações dos 500 anos da Reforma Protestante. A viagem marca o retorno de um Pontífice ao país escandinavo após 27 anos.

Francisco chegará ao Aeroporto de Malmö, de onde seguirá para a Catedral de Lund – onde haverá uma celebração – e após irá à Arena de Malmö.

Depois de passar a noite em local ainda não revelado, no sul da Suécia, Francisco presidirá, em 1º de novembro, uma missa, reunindo parte dos católicos do país. O local da celebração ainda não foi determinado, mas será na região de Malmö.

Segurança

A polícia sueca passou os últimos meses se preparando para a rara visita papal e oficiais de todos o país foram chamados para reforçar o trabalho das forças de ordem regionais do sul.

“Esperamos um grande número de pessoas, mas todas as partes envolvidas acham ser difícil estimar quantos serão, precisamente porque não temos experiências recentes de visitas aos países nórdicos”, declarou à Agência TT Mats Karlsson, que está no comando das operações da polícia durante a visita.

Sua equipe está se preparando para uma série de diferentes cenários, incluindo paradas improvisadas do Papa Francisco ao longo de seu trajeto de Lund para Malmö.

Imprevisibilidade favorece segurança

“Pelo que entendemos até agora, o Papa é um pouco imprevisível”, disse Karlsson, mas acrescentou que a incerteza também pode trabalhar a favor da segurança. “Isso torna mais as coisas mais difíceis para um criminoso, porque ninguém sabe onde ele vai querer parar o carro e sair”, afirmou à TT.

“Fazemos análises de risco, verificamos os locais para avaliar a vulnerabilidade, as ameaças possíveis, todo o espectro des possibilidades. E nós estamos trabalhando para reduzir aqueles riscos que podem ser reduzidos”.

João Paulo II

A última vez que a Suécia teve a visita de um Pontífice foi quando João Paulo II celebrou uma missa para 16 mil pessoas no Globe Arena de Estocolmo, em 1989. Ele também fez uma visita ao túmulo de Santa Brígida, primeira Santa da Suécia.

A viagem realiza-se no âmbito do 500º aniversário da Reforma, que começou quando Martinho Lutero pregou suas 95 teses em latim na porta da Igreja de Todos os Santos em Wittenberg, Alemanha.

A Suécia, que se separou da Igreja Católica no século 16, tem uma forte herança luterana, apesar de ser um dos países mais secularizados do mundo.

Em 5 de junho passado, uma delegação ecumênica da Suécia esteve presente no Vaticano para a canonização de Maria Isabel de Hasselblad, fundadora da Ordem do Santíssimo Salvador de Santa Brígida. Ela havia sido beatificada pelo Papa João Paulo II em 9 de abril do ano 2000.

Reuters

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Cristiane lamenta eliminação após dominar Suécia: “Só deu Brasil”

Após duas goleadas nas primeiras rodadas (3 a 0 sobre África do Sul e 5 a 1 contra a Suécia), a seleção brasileira feminina deixa a Rio 2016 sem fazer gols nas últimas três partidas e eliminada nos pênaltis pela Suécia na semifinal desta terça-feira, no Maracanã. Durante os 120 minutos, o time de Vadão dominou o jogo, mas não conseguiu balançar a rede. Maior artilheira da história do futebol olímpico, a atacante Cristiane lamentou a falta de pontaria da equipe no jogo decisivo.

– É complicado sair numa semifinal que só deu Brasil. Mais uma vez, segunda Olimpíada que só dá a gente e a bola não entra. Quero agradecer o povo que acompanha, que torce, só temos que agradecer essa torcida – disse a camisa 11, que perdeu um dos pênaltis do Brasil na disputa após o 0 a 0 no Maracanã.

Cristiane lembrou a final dos Jogos de 2008, quando a seleção foi bem contra os Estados Unidos, mas acabou perdendo o ouro com derrota de 1 a 0 na prorrogação. Na próxima sexta, o Brasil tentará a medalha de bronze, na Arena Corinthians, contra o perdedor de Alemanha x Canadá, que se enfrentam nesta terça no Mineirão.

Cristiane Brasil x Suecia semifinal (Foto: Reuters)Cristiane em ação pela seleção feminina contra a Suécia na semifinal do Maracanã (Foto: Reuters)

Questionada sobre a falta de apoio que sofre o futebol feminino no Brasil, a camisa 11 evitou o assunto ao comentar a derrota em casa:

– Parece até desculpa, que toda vez que a gente perde parece desculpa dizer que precisa de apoio. É repetitivo. Ganhando ou perdendo, vamos falar isso. Tem que começar lá embaixo, nas escolas. Não quero parecer para todo mundo que estamos usando isso como desculpa. Perdendo ou ganhando, tem que dar continuidade na modalidade.

Cristiane ficou fora das últimas duas partidas do Brasil e voltou nesta terça, apenas na prorrogação, após fazer tratamento de lesão na coxa direita. Durante os Jogos do Rio, a atacante chegou a 14 gols em quatro edições das Olimpíadas e tornou-se assim a maior artilheira da história futebol olímpico, incluindo os homens.

globoesporte

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Na Suécia, comprar com notas é cada dia mais difícil

notasO sem-teto Peter, de 55 anos, usa uma máquina de cartão de débito para vender revistas diante de um supermercado em Estocolmo. O equipamento foi fornecido pela própria editora – a renda obtida é destinada a quem não tem casa – e foi a solução encontrada para um problema que afeta não só Peter, mas também seus colegas. O dinheiro em espécie está caindo em desuso na Suécia, onde poucos têm no bolso moedas ou cédulas para comprar a revista dos sem-teto.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Os clientes podem ver depois todos os detalhes da transação e não se sentem enganados”, diz Peter, mostrando o dispositivo. “Estou impressionado com essa máquina. É bem legal.” Mattias Stroemberg, freguês em potencial de Peter, elogia a possibilidade de poder comprar tudo com cartão. “Nunca ando com dinheiro. Ninguém por aqui anda”, ressalta.

Na Suécia, o pagamento com cartão não só é uma possibilidade em bancas de jornais, cinemas, bares e ônibus. Em alguns lugares ele é obrigatório. Há estabelecimentos que não aceitam mais moedas e notas.

Apenas 27% das vendas no varejo na Suécia são feitas com dinheiro, de acordo com um estudo recente do Banco Central Europeu (BCE). Se as vendas online fossem incluídas, a quota seria ainda menor.

Os países escandinavos estão indo rapidamente no rumo de uma sociedade sem dinheiro, aprofundando uma divisão existente entre o norte e o sul da Europa. Na Grécia e na Romênia, por exemplo, 95% das transações ainda são em espécie.

Tendência regional Na Dinamarca, o dinheiro também não tem grande utilidade. Pães na padaria podem ser pagos com cartão. O mesmo ocorre numa corrida de táxi. Embora lojas e restaurantes sejam obrigados a aceitar dinheiro, alguns comerciantes estão começando a recusar notas.

Mas nem todos na Suécia aplaudem a tendência. Em um caso célebre, um ladrão de primeira viagem teve que sair de um banco de Estocolmo de mãos vazias, após descobrir que ele tinha escolhido para roubar um local que não tinha dinheiro em espécie.

Os criminosos não são os únicos afetados. De Copenhague a Reykjavik, essa sociedade sem dinheiro mudou profundamente a forma como as pessoas vivem. Tudo, desde cachorros-quentes a impostos, é pago por sistemas online, com cartões crédito ou débito, ou por SMS.

Muitos ônibus suecos recusam dinheiro, para desespero de alguns turistas estrangeiros. Uma das maiores atrações de Estocolmo, o recém-inaugurado Museu Abba, também só aceita cartões de crédito e débito.

O próprio guitarrista Björn Ulvaeus, ex-integrante da lendária banda sueca, viveu um ano inteiro sem usar dinheiro vivo. “O único incômodo que vivi é que a gente precisa de moeda para pegar um carrinho no supermercado”, escreve o músico na página do Museu Abba.

Na Alemanha, Ulvaeus teria sérios problemas. Quem tenta usar cartão em bares ou restaurantes na maioria das vezes é até olhado de cara feia. Estabelecimentos comerciais que aceitam cartões de crédito continuam sendo minoria no país.

MD/dpa/afp

Edição: Rafael Plaisant

Músico Geovan Morais divulga os valores da cultura paraibana em turnê na Suécia

 

Oficinas de música para estudantes, concerto e encontro com autoridades marcaram a agenda do cantor e compositor paraibano, Geovan Morais, no primeiro dia da turnê pela Suécia. As atividades foram iniciadas às 7h, na cidade de Osthammar, a 120 km da capital Estocolmo, onde o artista foi recebido pelo Secretário de Assistência Social, Sr. Kenneth Lindholm.

O segundo compromisso foi na escola Frösåkersskolan, local onde o paraibano apresentou uma oficina para os estudantes do curso de música e direção teatral. No espaço educacional também foi promovido um concerto para alunos, professores e funcionários da instituição.

A programação foi retomada com um novo concerto no turno da tarde, às 15h, desta vez para os idosos da cidade, que contou com a participação da prefeita, Sra Cestine Kerstin Björck-Jansson.

Na ocasião, o músico recebeu das mãos da gestora um presente em nome da população de Osthammar e aproveitou a oportunidade para entregar a Sra Cestine alguns objetos referentes à cultura paraibana. O conjunto de acessórios foi composto por um livro sobre João Pessoa, uma camisa com a bandeira da Paraíba, rapadura cristalizada e as bandeiras do estado e do Brasil, carinhosamente abrigadas no escritório da governante.

Próximos Compromissos– Nesta sexta-feira (7), Geovan irá se apresentar no Hellsten Hotel em Estocolmo. O show contará com a presença de políticos, empresários, autoridades e convidados, além da prestigiada embaixatriz do Brasil na Suécia, Leda Lúcia Martins Camargo.

A cidade de Uppsala será o destino da turnê nos dia 10 e 11, onde também serão realizadas oficinas e apresentações musicais no colégio Kvargardessokan, para alunos do sexto ao nono ano. Os compromissos na região serão concluídos ainda na noite do dia 11, com um show no tradicional Pub 19 de Uppsala.

O Rex Hotel na capital Estocolmo, também será palco de nova apresentação, marcada para o dia 14.

Outro destaque da turnê será a apresentação no Congresso de Executivos da Fiat na Suécia, a ser realizado durante as atividades do encontro no dia 18. O convite surgiu através do Sr. Torbjorn Knutsson, que está patrocinando a viagem internacional do musicista e ofereceu um veículo Lancia, para facilitar deslocamento dentro do país.

A programação inicial segue até o dia 22, quando Geovan volta a tocar no Hellsten Hotel, mas segundo o empresário do paraibano, novos compromissos poderão ser fechados nas datas e horários que ainda estão em aberto.

Hugo Sales para o Focando a Notícia

No adeus ao Rasunda, Brasil vence a Suécia e alivia pressão após prata

Não foi exatamente como há 54 anos, quando a seleção brasileira conquistou sua primeira Copa do Mundo e encantou o planeta ao vencer os donos da casa por 5 a 2. Nesta quarta-feira, no entanto, o Brasil voltou a Estocolmo para se despedir do palco onde, em 1958, Pelé & cia. deram o pontapé inicial para a dinastia mais vitoriosa da história do futebol mundial. Cinco dias após perder o ouro olímpico dos Jogos de Londres, o time de Mano voltou a repetir erros, não convenceu, mas bateu a Suécia por 3 a 0, no Rasunda, e conseguiu, enfim, respirar um pouco mais aliviado após uma semana tensa.

Artilheiro dos Jogos Olímpicos, Leandro Damião marcou no primeiro tempo, aproveitando passe de Neymar para balançar as redes pela sétima vez nos últimos sete jogos com a amarelinha. Já nos minutos finais, Alexandre Pato saiu do banco para incendiar a partida e marcar outros dois gols.

A vitória pode significar alívio para a comissão técnica. Uma derrota colocaria ainda mais lenha na fogueira de especulações sobre a permanência ou não de Mano Menezes, apesar das recentes garantias do presidente da CBF, José Maria Marin, e do diretor de Seleções, Andrés Sanches.

Leandro Damião comemora gol do Brasil contra a Suécia (Foto: Mowa Press)Jogadores do Brasil abraçam Damião após o primeiro gol da Seleção no Rasunda (Foto: Mowa Press)

A partida teve um tom de recomeço. A Seleção deu seus primeiros passos de olho no novo projeto: a Copa das Confederações, no ano que vem. Os próximos serão dados em setembro, quando o Brasil enfrenta a África do Sul, no dia 7, em São Paulo, e a China, três dias depois, no Recife.

Festa, homenagens e “peso da camisa”

Apesar de o amistoso ser um jogo festivo, antes mesmo de a bola rolar os brasileiros deixaram claro que o clima não era de celebração. O combinado era que a Seleção enfrentaria a Suécia com uma camisa azul similar à que foi usada no primeiro título mundial conquistado, em 1958. A ideia foi de José Maria Marin, presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). No entanto, os jogadores acharam o material muito pesado e entraram no gramado com o uniforme, posaram para fotos, mas usaram as camisas atuais durante o jogo. De acordo com a CBF, o uniforme de 58 também dificultaria a transmissão da TV, uma vez que não tem o número na frente.

– Um pouco pesada, mas é um orgulho muito grande fazer parte dessa festa e ver os ídolos que deram o primeiro titulo para o Brasil – disse Neymar, no intervalo.

De qualquer forma, muita festa no Rasunda. Dançarinas brasileiras e suecas fantasiadas desfilaram pelo gramado, enquanto os campeões e vice-campeões do mundo, em 58, foram homenageados. Outros nomes que marcaram o futebol da Suécia também foram saudados, como  o ex-goleiro Thomas Ravelli e o ex-atacante Henrik Larsson. Estrela maior, Pelé – emocionado – falou para o público. A rainha Sìlvia, da Suécia, também esteve no estádio e acompanhou a partida ao lado do vice-presidente da República, Michel Temer.

Pelé no amistoso da seleção brasileira contra a Suécia (Foto: Mowa Press)Pelé é homenageado no Rasunda (Foto: Mowa Press)

– É um momento de muita emoção. Nesse estádio, quando eu tinha 17 anos, muitos de vocês ainda não eram nascidos. Foi muito especial não só para mim, mas para todo o Brasil, que conquistou seu primeiro título mundial aqui. Eu quero retornar a vocês todo o amor que me deram em 1958. Eu amo vocês – disse o Rei, que também deu o pontapé inicial da partida.

Receita olímpica: passe de Neymar, gol de Damião

Em campo, quatro mudanças em relação à equipe que iniciou a partida contra o México, na decisão dos Jogos Olímpicos de Londres. Daniel Alves, David Luiz, Paulinho e Ramires entraram nas vagas de Rafael, Juan, Marcelo (suspenso) e Sandro. Com isso, Alex Sandro voltou à sua posição original e atuou na lateral esquerda.

Do outro lado, Erik Hamren manteve a base da Suécia eliminada na primeira fase da Eurocopa. Entretanto, com um grande desfalque. Com dores no pé, o astro Zlatan Ibrahimovic não foi para o jogo e deu lugar a Marcus Berg.

E os suecos também logo mostraram que não estavam em clima de festa. Logo no início, Larsson levantou Oscar em falta duríssima. Caçado por Wilhelmsson, Neymar também sofreu. O árbitro húngaro Robert Kispal – o único em campo em clima de festa – aliviou e não puniu o atleta.

Com a bola rolando, um Brasil com mais posse e domínio territorial, porém lento e com dificuldades para superar a retranca sueca. Diferentemente das Olimpíadas, Neymar jogou mais centralizado ao lado de Damião, com Oscar caindo pela esquerda, e Ramires, pela direita. Mesmo sem encantar, a Seleção teve as melhores chances. Daniel Alves chegou perto em duas cobranças de falta, e Neymar marcou aproveitando rebote de um chute na trave de Oscar. A arbitragem, no entanto, errou e anulou o lance, apontando impedimento inexistente.

Aos 31, enfim, o Brasil marcou, e com a receita dos Jogos Olímpicos. Assistência de Neymar – quinta nos últimos sete jogos – e gol de Leandro Damião – sétima nos últimos sete jogos. Bem no jogo, o craque do Santos cruzou da esquerda para o camisa 9 completar de cabeça: 1 a 0.

Pato sai do banco e brilha

Na segunda etapa, sem mudanças de peças, a Seleção voltou mais solta e envolvente. Neymar, em bonita jogada individual, e em cobrança de falta, quase marcou, assim como Paulinho, de cabeça, e Leandro Damião e Oscar em chutes de fora da área.

Aos 30, Mano começou a mexer no time. De uma só tacada, trocou Oscar, Damião e David Luiz por Hulk, Alexandre Pato e Dedé. O zagueiro do Chelsea saiu machucado.

Com as mudanças, o ritmo do jogo caiu um pouco e a Seleção se mostrou satisfeita com a vitória magra. Após uma pancada, Neymar saiu mancando e deu lugar a Lucas, mas foi Alexandre Pato quem brilhou nos minutos finais. Primeiro, em posição duvidosa, ele recebeu passe de Daniel Alves para ampliar aos 40: 2 a 0. Dois minutos depois, o atacante do Milan recebeu em profundidade de Ramires e foi derrubado na área. Pênalti, que o próprio Pato cobrou e selou a vitória brasileira, já aos 44.

alexandre pato brasil x suecia (Foto: Mowa Press)Pato saiu do banco para marcar duas vezes pelo Brasil no amistoso (Foto: Mowa Press)
SUÉCIA 0 X 3 BRASIL
Isaksson; Larsson, Granqvist, Olsson e Safari; Wernbloom, Holmen, Elm (Svensson) e Wilhelmsson (Kacanikilic); Marcus Berg ( Husén) e Toivonen. Gabriel, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz (Dedé) e Alex Sandro; Rômulo, Paulinho, Ramires e Oscar (Hulk); Neymar (Lucas) e Leandro Damião (Pato).
Técnico: Erik Hamren Técnico: Mano Menezes.
Gols: Leandro Damião, aos 31 do primeiro tempo; Alexandre Pato, aos 40 e aos 44 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Thiago Silva (Brasil); Larsson e Wernbloom (Suécia)
Local: Estádio Rasunda, em Estocolmo (Suécia). Árbitro: Viktor Kassai (Hungria) Auxiliares: Robert Kispal (Hungria) e Tibor Vamos (Hungria)

Globoesporte.com

Em jogão com duas viradas e golaço, Inglaterra elimina a Suécia do Grupo D

Em um jogão com duas viradas no placar em Kiev, a Inglaterra bateu a Suécia de forma heroica nesta sexta-feira por 3 a 2 e, de quebra, ganhou importantes três pontos na briga por uma vaga do Grupo D nas quartas de final da Eurocopa. Walcott deu nova cara à seleção inglesa no segundo tempo, fez o segundo gol e ainda fez o cruzamento para Welbeck marcar de calcanhar e garantir a vitória. O time de Ibrahimovic está eliminado do torneio.

Com o triunfo, a Inglaterra chegou aos quatro pontos e colou novamente na França, que também tem quatro e leva vantagem no saldo de gols (2 a 1). Sem ter somado pontos ainda, a Suécia vai para casa mais cedo e apenas cumpre tabela na última rodada. Outra integrante da chave, a Ucrânia tem três e segue viva na briga por uma vaga nas quartas.

O último compromisso da Inglaterra nesta primeira fase será contra a anfitriã Ucrânia, na próxima terça, em Donetsk. No mesmo dia, a Suécia encara a França novamente na capital Kiev. As partidas terão transmissão ao vivo do GLOBOESPORTE.COM, SporTV.com e do SporTV a partir das 15h45 (horário de Brasília).

O primeiro gol em Kiev foi de Carroll, aos 23 minutos, para a Inglaterra. Na etapa final, Johnson (contra, aos 4) e Melberg (aos 14) viraram para a Suécia. Mas, Walcott, aos 19, e  Welbec, aos 28, deram a vitória por 3 a 2 para a seleção treinada por Roy Hodgson.

Wellbeck conclui cruzamento de calcanhar, dentro da pequena área: golaço da vitória (Foto: Agência AFP)

Jogo movimentado

Ainda sem Rooney, que – suspenso – só vai estrear na Euro diante da Ucrânia, o técnico Roy Hodgson escolheu Welbeck e Carrol para formar a dupla de ataque. Um indício que os ingleses sairiam com tudo para cima dos suecos, já que Welbeck estivera solitário na linha de frente contra a França. E logo no início da partida, Parker avisou que a Inglaterra viria com ambições maiores ao obrigar Isaksson a fazer bela defesa em chute de longa distância.

A Inglaterra assustou novamente aos 15, quando Milner mandou de cabeça para fora. Passados mais oito minutos, porém, não teve jeito. Em nova jogada aérea, Gerrard , próximo à linha lateral, mandou um cruzamento primoroso. A bola encontrou o grandalhão Carrol, que no alto de seu 1,91 metro pulou entre a dupla de zaga sueca para cabecear com muita força para o fundo do barbante. Era a Inglaterra abrindo o placar em Kiev.

Do lado amarelo e azul, coube a Ibrahimovic ser a referência. O sueco corria até o campo de defesa para marcar, buscava armar as jogadas a partir da intermediária e, como se não bastasse, ainda finalizava. O mais difícil, porém, estava acertar a jogada, já que o atacante do Milan errava muitos passes e, apesar da participação, era pouco efetivo.

Após nova tentativa frustrada de Ibrahimovic, Ashley Young, no outro lado, teve liberdade para invadir a área sueca e tentou acertar o canto direito de Isaksson. A bola até parou na rede, mas só que pelo lado externo do barbante. Em seguida, Kallstrom teve seu momento de Ibra e arriscou de fora da área, mas, assim como o companheiro, errou o alvo.

Logo após a volta do intervalo, uma ducha de água fria na Inglaterra. Ibrahimovic, sempre ele, cobrou falta na barreira e ficou com a sobra. O atacante do Milan tentou de primeira, de forma lascada na bola, que chegou limpa aos pés de Mellberg. O experiente zagueiro de 34 anos dominou e mandou para o gol. Antes de cruzar a linha, a bola ainda rasparia nas mãos de Hart, desviaria em Johnson até bater na trave e morrer no fundo do gol. Era o empate sueco.

Ibrahimovic na derrota da Suécia para a Inglaterra (Foto: AFP)Ibrahimovic lamenta a derrota: Suécia eliminada
da Eurocopa ainda na primeira fase (Foto: AFP)

Os minutos no vestiário, definitivamente, fizeram bem aos suecos. O mesmo não se pode dizer dos ingleses, que voltaram do intervalo acuados. E a pressão escandinava resultou em novo gol aos 14. Mellberg, novamente ele, apareceu na área após cruzamento de Larsson e virou a partida para a Suécia. Se antes a Uefa informou que Johnson havia marcado contra, desta vez não houve dúvida de que o gol foi anotado pelo defensor sueco.

A reação inglesa não demorou muito a acontecer. Aos 17, Terry mandou uma cabeçada firme da pequena área, obrigando Isaksson a fazer excelente defesa. No minutos seguinte, o goleiro sueco perdeu todo o crédito do lance anterior ao aceitar o chute de longe de Walcott, que havia acabado de entrar no lugar de Milner. A falha do arqueiro deixou o placar novamente igual em Kiev: 2 a 2.

A partida ficou sensacional, com a Suécia criando as melhores chances. Primeiro, a finalização de Kallstrom assutou. Em seguida, Ibra arriscou, mas perdeu. Mas, como diz o ditado, quem não faz leva. E a Inglaterra retomou a dianteira do placar aos 32. Walcott foi até a linha de fundo e cruzou rasteiro para o meio. Welbeck penetrou entre a defesa sueca e, de calcanhar, anotou um golaço.

A Suécia tentou ainda partir para cima, mas de forma ineficaz. Na realidade, a Inglaterra esteve até mais próxima de ampliar com Gerrard, mas Isaksson evitou o quarto gol inglês de forma espetacular.

globoesporte