Arquivo da tag: Sudeste

‘Nordeste hoje dá exemplo para Sul e Sudeste’, avalia João Azevêdo

Nesta quarta-feira (27), o governador João Azevêdo (PSB) falou sobre os recentes encontros entre os governadores do Nordeste afirmando que, atualmente, a região serve como exemplo para as outras do Brasil. Ele ainda lembrou que o empréstimo de US$ 50 milhões conseguindo junto ao Banco Internacional foi conseguido pelo bom rating da Paraíba.

“O Norte/Nordeste, que já foi visto como problema do país, agora é de outra forma porque dos dez dos treze estados tem nota A ou B economicamente. Os governadores estão mostrando como se faz uma gestão séria, com compromisso com o povo. Os ricos do sul estão em crise e o Norte/Nordeste está dando exemplo de gestão”, declarou.

O socialista exaltou o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste (Consórcio Nordeste), assinado pelos líderes estaduais no último dia 14 de março no Maranhão. A união entre os nove estados prevê o desenvolvimento em diversos projetos, além da parceria econômica, política, infraestrutural e educacional entre as unidades federativas.

“Vai ser fundamental. Imagine o que é um estado comprar cinquenta tratores, vai fazer uma concorrência, mas tem uma coisa chamada escala de produção. Posso juntar todos os estados e o consórcio fazer uma compra de 400 tratores e o preço vai baixar. Soro para hospital, por exemplo, na Paraíba é um volume absurdo. Se todos se juntarem, pode até trazer uma fábrica porque a produção vai ser tão grande que vai ser necessário. A ideia é tão boa que os governadores do Sul e Sudeste se reuniram dois dias depois para fazer o mesmo”, arrematou.
paraiba.com.br

 

Celulares piratas serão bloqueados nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste

A Anatel irá bloquear celulares piratas nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste a partir do próximo domingo (24). Os dispositivos afetados são aqueles que não foram homologados pela Agência reguladora ou que têm o IMEI clonado, habilitados a partir de 7 de janeiro, nos estados do Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Minas Gerais e São Paulo. Vale lembrar que smartphones importados não serão atingidos.

A ação faz parte do projeto Celular Legal, da Anatel, que busca conter a venda de celulares irregulares e reduzir o número de roubos. Segundo a agência, 244.217 telefones já foram bloqueados em todo o Brasil.

Anatel começa a bloquear celulares piratas nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste no próximo domingo (24) — Foto: Divulgação

Anatel começa a bloquear celulares piratas nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste no próximo domingo (24) — Foto: Divulgação

Esta é a última etapa do programa Celular Legal, que já atingiu 244.217 dispositivos no país, e tem 15 estados brasileiros como alvo. Os celulares que não foram homologados ou que possuem IMEI clonado e foram habilitados a partir de 7 de janeiro serão bloqueados pela Anatel. A ação já está em vigor nas seguintes regiões:

  • Centro-Oeste: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul)
  • Norte: Acre, Rondônia, Tocantins
  • Sudeste: Espírito Santo e Rio de Janeiro
  • Sul: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul

A medida não afetará celulares importados, desde que estejam certificados por órgãos estrangeiros equivalentes à Agência Nacional de Telecomunicações. Dessa forma, smartphones de marcas conhecidas, como Xiaomi, Oppo, entre outras, não serão atingidos pela ação.

A Anatel ressalta que apenas celulares irregulares serão alvos da ação. Segundo a agência, é possível consultar a situação do dispositivo pelo site do projeto Celular Legal (http://www.anatel.gov.br/celularlegal/consulte-sua-situacao) com o número do IMEI.

techtudo

 

Produção de energia para o Sudeste e Centro-Oeste pode durar só mais um mês se não chover

energiaSó mais um mês é o tempo de produção de hidrelétricas que geram energia para as regiões Sudeste e Centro-Oeste. Se não chover, elas não terão mais como produzir energia, diz o diretor do Instituto Luiz Alberto Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (Coppe), Luiz Pinguelli Rosa. Ele está tão seguro deste estudo que encaminhou carta com este alerta ao ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga.

Com base em outro estudo, assinado pelo diretor do Instituto de Desenvolvimento do Setor Energético (Ilumina), Roberto D’Araujo, a Coppe afirma: “Se não chover, estamos perdidos”. Eles apelam para a urgência da questão. “Todas as medidas que estão sendo tomadas estão corretas, mas com um grande atraso”, destacou.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

 

Segundo a Coppe, se chover 50% da média tradicional, vai haver racionamento no meio do ano, pois o período de seca começa em abril. Os estudos mostram que a situação hídrica é severa, mas não é inédita. O caso mais grave é o do Rio São Francisco, que registra índices declinantes há mais de dez anos.

Campanhas e reformulação
No sentido de dizer a verdade a população, os especialistas acreditam que devem haver campanhas, por parte do governo, de esclarecimento sobre o uso racional de energia e água. “É igual campanha de vacinação. Tem que ter uma campanha para economizar energia e água. O governo tem que educar e estabelecer regras. No momento é a solução”, disse D’Araujo.

Outra medida apontada pelos especialistas é reformular o setor elétrico. Eles alegam que é preciso rever os certificados de garantia dados a cada usina. “No passado tínhamos reservatórios que eram capazes de guardar água equivalente ao consumo de dois anos. Nós não temos mais, e a carga foi subindo.”

Incentivo ao uso de lâmpadas de led, que gastam menos e esquentam menos o ambiente; redução de impostos para a instalação e aquisição de placas de energia e os tributos sobre a utilização de energia solar são outros meios de mudar o sistema. “Esse incentivo transforma o consumidor em uma espécie de investidor do setor elétrico. Telhados com placas solares, o preço no Brasil é proibitivo, porque as placas pagam imposto, e ao se produzir a energia e não usar, fica com o saldo na Light, mas se consumir de volta, paga ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços]. É um negócio inacreditável”.

CNM e EBC

IBGE explica mal-estar de Sul e Sudeste contra o Nordeste

mapa-neSe dependesse das regiões Sul e Sudeste do país, o presidente da República para o quadriênio 2015 – 2018 seria Aécio Neves. O Brasil estaria se preparando para inaugurar mais uma República banqueira como tantas outras que o fizeram chegar ao limiar do século XXI como o quarto país mais desigual do mundo, perdendo só para países africanos miseráveis.

O que livrou os brasileiros – inclusive do Sul e do Sudeste – da escuridão política foi o povo nordestino. O Nordeste, por ser a segunda região mais populosa do país depois do Sudeste e por ter dado a Dilma Rousseff apoio ainda mais intenso do que o que o senador tucano teve no Sudeste, reelegeu a presidente.

O mais interessante nesse processo é que a região dos coronéis de outrora, que sustentou a ditadura militar nos seus estertores – quando o resto do país já exigia redemocratização – e que votava nos conservadores apesar de a vida de seu povo, com a direita no poder, piorar a cada ano, aprendeu a votar em causa própria.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A eterna prepotência das regiões do resto país que se desenvolveram mais devido à política e não a méritos próprios, vem gerando surtos de preconceito contra o Nordeste nas últimas eleições presidenciais, com destaque para as de 2010 e 2014, quando o Ministério Público teve que entrar em campo para punir surtos racistas e xenofóbicos.

O caso de São Paulo é pior, em termos de ignorância, preconceito e xenofobia. O povo paulista, hoje, emula o povo nordestino, que elegia, reelegia e elegia de novo seus algozes enquanto sua vida piorava. Os paulistas acabam de conceder o SEXTO mandato de governador ao PSDB apesar da piora galopante das próprias vidas.

A hegemonia tucana fez com que, de 2001 a 2011, São Paulo se tornasse o Estado que mais perdeu participação no PIB da indústria brasileira. Apesar de ainda responder pela maior parte da produção industrial (33,3%), SP teve recuo de 7,7 pontos percentuais em sua participação no PIB industrial, onde há os melhores empregos.

Ironicamente, enquanto a falta de água caminha para se tornar história no Nordeste, sobretudo devido à incrível obra de Transposição do Rio São Francisco, que, apesar das sabotagens, em breve estará concluída, no Sudeste, sobretudo em Minas Gerais e SP, a população paga pela incúria dos governos conservadores dos últimos 12 anos.

A inversão do desenvolvimento no país se torna gritante na comparação entre o PIB industrial do Norte e do Sul do país. Enquanto o primeiro cresceu 1,9 ponto percentual no período de 2001 a 2011, o Sul perdeu 2,1 pontos.

Tudo isso vem acontecendo porque, após a chegada do PT ao poder, em 2003, o Brasil tratou de reparar uma chaga histórica. Qual seja, o processo deliberado de incremento econômico do Sul e do Sudeste em detrimento do Norte e do Nordeste, que foi política de Estado ao longo de nossa história, desde o descobrimento.

O que puxava os índices de desenvolvimento do Brasil para baixo sempre foi o Nordeste, mas só até que Lula chegasse ao poder. Dali em diante, essa equação começou a se inverter.

Quando os paulistas acusam os nordestinos de terem sido responsáveis pela reeleição de Dilma por não saberem votar, mostram quanto não sabem nada sobre o próprio país. Os nordestinos sabem muito bem por que votam no PT, como mostra a mais nova edição da PNAD contínua, do IBGE.

A nova Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) produz informações contínuas sobre a inserção da população no mercado de trabalho e suas características, tais como idade, sexo e nível de instrução, permitindo, ainda, o estudo do desenvolvimento socioeconômico do País através da produção de dados anuais sobre trabalho infantil, outras formas de trabalho e outros temas permanentes da pesquisa, como migração, fecundidade etc.

Pois bem: segundo a nova PNAD contínua, divulgada na última quinta-feira, no período de 12 meses (fechado em junho) o Nordeste liderou a criação de postos de trabalho no país. De 1,5 milhão de empregos criados nesse período, 1 milhão foi criado no Nordeste e o resto pelas demais regiões.

Vejamos, então, quem é que não sabe votar: o povo de São Paulo, que vota há vinte anos em um governo que liderou a redução da presença de seu Estado no PIB, que materializa uma inédita escassez de água e que vê seus problemas sociais se agravarem, ou o povo do Nordeste, que votou maciçamente em um governo que vem fazendo a vida melhorar tanto na região?

O PIB nordestino cresce a uma taxa quatro vezes maior que a do resto do Brasil. Isso ocorre porque, após a chegada de Lula ao poder, o governo federal vem fazendo o que tem que ser feito no país para acabar com um nível de desigualdade que mantém os brasileiros no atraso.

Como é que se distribui renda? Antes de distribuir por idade, sexo etc., a renda começa a ser distribuída geograficamente e, passo a passo, a atuação governamental vai se sofisticando por idade, gênero etc.

Ou seja: para distribuir renda no Brasil, há que fazer, primeiro, as regiões mais pobres crescerem mais do que as regiões mais ricas.

Com efeito, se o Norte e o Nordeste fossem um país – como, inclusive, quer parte do Sul e do Sudeste –, seriam um dos países que mais crescem no mundo, com o PIB do último ano crescendo mais de 4%.

Infelizmente, só há uma forma de distribuir renda: para alguém ganhar, alguém tem que perder. Não dá para todos ganharem da mesma forma se um tem mais e outro tem menos, e o que se quer é justamente maior igualdade. Assim, o Norte e o Nordeste precisam crescer mais do que o Sul e o Sudeste mesmo.

Se aqui, no “Sul Maravilha”, não fôssemos tão egoístas e alheios à realidade, entenderíamos que não adianta querermos o desenvolvimento só para nós – ou mais para nós – porque o povo das regiões empobrecidas migra para cá, aumenta a demanda por serviços públicos e, mergulhado na pobreza e no abandono, vê seus filhos caírem na criminalidade.

Com o maior crescimento do Norte e do Nordeste, a migração cai ou muda de rumo, como tem acontecido – hoje, há cada vez mais nordestinos voltando à região de origem. Além disso, o Sul e o Sudeste poderão parar de enviar recursos, via impostos, para combater a miséria extrema nas regiões mais pobres.

De certa forma, o povo do Sul-Sudeste tem um “motivo” para não gostar dos quatro governos do PT a partir de 2003. A percepção de que o desenvolvimento dessas regiões não tem sido grande coisa, não chega a ser cem por cento errada. Porém, isso ocorre porque está havendo redistribuição de renda entre regiões, no Brasil.

No atual ritmo de crescimento do Norte e do Nordeste, em mais um mandato do PT o Brasil terá outra face – mais justa, mais coerente com um país que não pode ser rico em uma ponta e miserável na outra. E, ainda que grande parte do povo das regiões preteridas não entenda, ao fim todos sairemos ganhando com isso.

Blog Eduardo Guimarães

‘Destino Paraíba’ vai ser divulgado em três Estados da região Sudeste neste mês

ruth avelino pres pbtur fotos antonio david-secom-pb1As ações de divulgação do ‘Destino Paraíba’ serão intensificadas na região Sudeste neste mês e a pauta de eventos está lotada, segundo informou a presidente da Empresa Paraibana de Turismo (PBTur), Ruth Avelino. A partir deste sábado (9) até o dia 28 deste mês, os principais roteiros paraibanos estarão sendo divulgados no Rio de Janeiro (RJ), cidades do interior de São Paulo e em Juiz de Fora e Belo Horizonte (MG).

Neste sábado a estatal reunirá cerca de 150 agentes de viagens da Operadora MGM, uma das principais do país, para treinamento sobre o destino. Essa ação tem a parceria da Associação Brasileira dos Hoteleiros, secção Paraíba (ABIH-PB) e, de acordo com Ruth Avelino, será de suma importância para ampliar o volume de venda de pacotes com o ingresso de três novos voos da TAM Linhas Aéreas a partir do dia 13 de agosto no Aeroporto Castro Pinto.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Precisamos intensificar a divulgação da Paraíba no Rio tendo em vista o aumento da oferta de assentos nos voos da TAM, que fechou uma parceria com o Governo do Estado”, enfatizou a executiva. O primeiro voo da TAM decola às 19h13 chegando às 22h19 (exceto domingo); às 19h25, com chegada às 22h30 (aos sábados); e 15h34, com chegada às 18h42 (diário). Nos outros dois horários, os voos decolam do Castro Pinto às 2h03 e chegam no Rio às 5h06 (diário) e às 23h05, com chegada às 2h13 (diário).

De acordo com Ruth Avelino, a programação de ações terá continuidade na próxima quarta-feira (13), na Operadora New It, também no Rio de Janeiro, e em Juiz de Fora (MG). Em seguida, nos dias 15 e 16, a PBTur participará com um estande da Feira de Negócios da Avirrp, em Ribeirão Preto (SP), com acesso grátis para todas as prefeituras paraibanas interessadas em estar divulgando seus roteiros, assim como hoteleiros e agentes de receptivo.

A Feira da Avirrp (Associação das Agências de Viagens de Ribeirão Preto) é considerada uma das mais estratégicas para a divulgação de destinos em São Paulo, considerado o maior emissor de turistas para o Nordeste. Mais de mil agentes de viagens aderiram às caravanas que seguirão ao evento. As caravanas são formadas por profissionais de Minas Gerais, Mato Grosso, Paraná, Rio, Rio Grande do Sul e Goiás, que terão transporte gratuito saindo de 22 cidades, além de outras 24 cidades paulistas.

Roadshow – Ainda de acordo com o calendário de ações, nos dias 18 a 21 será promovido um Roadshow pelo interior de São Paulo (as cidades serão divulgadas ainda esta semana), numa ação da ABIH-PB com apoio da PBTur, Sebrae, Convention Bureau de João Pessoa, entre outros parceiros. Nessa ação, gerentes de vendas da rede hoteleira paraibana participam de rodadas de negócios com agentes de viagens, oportunidade em que são divulgadas a folheteria, a infraestrutura dos empreendimentos e da cidade. “É um contato direto com profissionais que vendem também a parte hoteleira, casado com os atrativos turísticos”, disse Ruth Avelino.

Fechando as ações do mês de agosto, o Destino Paraíba estará presente na Minastur, que será realizada no dia 28 no Minascentro, em Belo Horizonte. A PBTur terá um estande próprio para a participação dos representantes do trade. O evento conta com expositores nacionais e internacionais, dos setores de operadoras, destinos turísticos, hotéis, companhias aéreas, cruzeiros, entre outros.

 

 

Secom-PB

Mais de 50% já têm internet no Sudeste; no Nordeste, só 20% usam a rede

internetNo Brasil, 40,8% dos domicílios possuem acesso à internet, segundo uma pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre os serviços de telecomunicações no País. O estudo ‘Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) – Serviços de Telecomunicações’ foi divulgado nesta manhã e que apurou a avaliação dos brasileiros sobre a infraestrutura e a qualidade dos serviços de telecomunicações ofertados.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O Ipea destaca que há três patamares no acesso efetivo à internet de acordo com as regiões brasileiras. No Sudeste, 51,5% dos domicílios têm acesso ao serviço. Em uma segunda faixa, estão o Sul (42,9%) e o Centro-Oeste (40,7%). No terceiro grupo, estão Nordeste (20,7%) e Norte (29,2%). Entre os motivos citados a respeito da não contratação de serviços de acesso à internet estão o fato de não possuir computador (59,6%); não ter condições de pagar o acesso (14,1%); não ter necessidade/interesse (8,7%) e não saber utilizar (4,3%).

O acesso à internet em banda larga depende muito da posse de equipamentos de tecnologia, destaca o trabalho. O estudo também evidenciou, nessa questão, disparidades entre as diferentes regiões. Na Região Sul, 53,5% dos domicílios têm computador, índice que sobe para 54,6% no Sudeste. Nordeste e Norte apresentam, porém, 39,6% e 35,3%, respectivamente.

E o preço do computador é um problema, na opinião do público ouvido pelo Ipea. Em 34% dos domicílios pesquisados (e que não possuem computador), os entrevistados disseram que pagariam entre R$ 300 e R$ 800 pelo equipamento. Outra fatia de 29,3% declarou que não está disposta a pagar pela posse do computador.

Telefonia fixa. A telefonia fixa se mostrou presente em 54,4% dos domicílios brasileiros. À parcela de 45,6% restante foi questionado qual o motivo para não contratar os serviços de telefonia fixa e, dentro dessa fatia, 59,4% afirmaram que o celular substitui o telefone fixo e 18,5% disseram que não há necessidade ou interesse pelo serviço.

Quando a pergunta foi sobre qualidade, a telefonia celular teve a pior avaliação entre os serviços de telecomunicações ofertados no Brasil. No acesso à internet via celular, os brasileiros não conhecem as principais regras dos serviços contratados, destaca o Ipea.

O SIPS é uma pesquisa domiciliar e presencial que tem por objetivo captar a percepção das famílias sobre as políticas públicas implementadas pelo Estado, independentemente de serem ou não usuárias dos programas e ações do governo. O Ipea destaca que a pesquisa passa a ser realizada em 3.809 domicílios, em 212 municípios, em todas as Unidades da Federação.

Convergência tecnológica. O processo de convergência tecnológica, com a convergência de serviços na área de telecomunicações, como TV por assinatura, banda larga e telefone fixo, ainda não é uma realidade no Brasil. Mas o avanço rumo à convergência já apresenta sinais, avalia o Ipea, ao citar que “há indícios de que o serviço alavancador da convergência no mercado brasileiro é a TV por assinatura”.

A pesquisa aponta, porém, que em 9,1% dos domicílios brasileiros não há utilização de nenhum dos serviços de telecomunicações contemplados, seja Serviço de Telefone Fixo Comutado (STFC), Serviço de Acesso Condicionado (SeAC3), a TV por assinatura; Serviço de Comunicação Multimídia (SCM4), internet banda larga fixa; ou Serviço Móvel Pessoal (SMP), o celular. “Provavelmente, nesse grupo estão domicílios situados na zona rural e/ou de mais baixa renda”, analisa o Ipea.

Nos casos em que há acesso aos serviços de telecomunicações, parcela de 70,6% dos consultados pelo estudo informa que faz a contratação separadamente de cada item. Apenas 19,7% dos domicílios contratam os serviços de telecomunicações por meio de pacotes.

 

 

Estadão