Arquivo da tag: sonha

Com dois de Guilherme, Corinthians afunda o Santa Cruz e sonha com G6

corintiansO Corinthians conseguiu quebrar o incômodo tabu que construía no Campeonato Brasileiro. Com dois gols de Guilherme, um de Marlone e outro de Lucca, a equipe paulista venceu o Santa Cruz na 30ª rodada do Campeonato Brasileiro na noite desta quarta-feira (12), na Arena Pantanal, em Cuiabá. Grafite e Keno descontaram para formar o placar de 4 a 2.

A equipe do Parque São Jorge já não vencia há seis jogos e nem mesmo um gol marcava há quatro considerando a tabela do Brasileirão. Além disso, os três pontos permitem que o time volte a sonhar com uma vaga na Libertadores de 2017.

Com 45 pontos, o time encosta no Fluminense, que ocupa a 6ª colocação com o um ponto a mais, mas ainda joga contra o Flamengo nesta quinta-feira para completar a rodada. Já o Santa Cruz começa a se conformar com o rebaixamento e segue como vice-lanterna com 23 pontos, a 11 de sair da zona de rebaixamento.

Na próxima rodada, os corintianos vivem a expectativa de entrar no G6 e entram com a obrigação de vencer o América-MG, às 18h30 de domingo (16) em seu estádio. O Santa Cruz vai até Campinas para enfrentar a Ponte Preta no mesmo dia e horário.

Início de jogo anima torcedor

O primeiro tempo foi marcado por um início completamente aberto, com as duas equipes indo à frente em busca do gol. Logo no primeiro minuto, Marlone saiu cara a cara com o goleiro adversário, mas exagerou na hora de mirar o canto. O Santa Cruz respondeu bem, com chances de Keno e até uma bola na trave de Grafite.

Grafite perdoa uma, duas, mas não três

Experiente, Grafite tem sido o centro das atenções no Santa Cruz. Todas as entrevistas têm o atacante como mira. Durante o jogo, sua equipe o procura bastante também. Grafite perdeu duas boas chances que criou pela boa movimentação, mas parou na trave em uma delas e na mira em outra. Na terceira, ele quase exagerou na força, mas contou com o travessão para abrir o placar após rebote de Walter em chute de Keno.

Guilherme é nota 10 como camisa 9

Escolhido por causa da lesão de Gustavo e por Romero estar na seleção, Guilherme precisava aproveitar a chance para poder ser lembrado novamente. Depois de dar declarações que ficou chateado por ter virado reserva, o atleta recebeu uma chance e mostrou que pode ajudar o Corinthians. Atuando como o falso 9, ele fez o primeiro no jogo aos 37, após belo passe de Marlone.

Depois, logo aos 9 minutos aproveitou outro belo cruzamento, desta vez de Giovanni Augusto, para mostrar que tem recurso até para cabecear. Quase de peixinho, fez o terceiro do Corinthians. Porque o segundo já havia sido marcado aos dois minutos do 2º tempo, com Marlone…

Marlone também não perdoa

Depois de perder uma das melhores chances de abrir o placar logo no primeiro minuto, Marlone voltou a ter outra chance novamente logo após o apito do juiz. Aos dois minutos do 2º tempo, ele recebeu passe de Camacho e, da entrada da área chutou firme e cruzado para fazer o segundo.

Walter mantém pressão em Carille

Fábio Carille seguirá sendo questionado por sua opção de não ter Walter como titular. O técnico já avisou que Cássio retomará a posição quando sair do departamento médico, mas vê o reserva indo muito bem no momento. Nesta quarta-feira, o goleiro voltou a aparecer bem durante todo o jogo, com defesas importantes em jogadas de Keno e Grafite, especialmente.

Carille se fecha e Santa Cruz aproveita

Fábio Carille quis garantir a vitória e começou a promover mudanças na equipe diminuindo um pouco a movimentação de seus meio-campistas. Camacho saiu para a entrada de Willians, que foi vaiado novamente, e Giovanni Augusto foi trocado por Cristian. Minutos após as trocas, Keno aproveitou bola que espirrou de carrinho de Pedro Henrique e diminuiu o placar. O Santa ainda atacou bastante, mas não achou o empate.  Lucca ainda fez o quarto.

Desfalque

Marquinhos Gabriel não poderá enfrentar o América-MG. No jogo que pode ser marcado pelo retorno de Cássio, Vilson, Fagner e Romero, o time perdeu seu meio-campista pelo terceiro amarelo recebido na Arena Pantanal.
FICHA TÉCNICA
SANTA CRUZ 2 X 4 CORINTHIANS

Data: 12 de outubro de 2016, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Local: Arena Pantanal, em Cuiabá
Árbitro: Grazianni Maciel Rocha (RJ)
Assistentes: Eduardo de Souza Couto (RJ) e Carlos Henrique Alvez de Lima Filho (CBF)
Cartões amarelos: Neris (STA); Marquinhos Gabriel e Willians (COR)
Gols: Grafite, aos 29 minutos do 1º T; Guilherme, aos 37 minutos do 1º tempo; Marlone, aos 2 minutos do 2º tempo; Guilherme, aos 9 minutos do 2º tempo; Keno, aos 35 minutos do 2º tempo; Lucca, aos 46 minutos do 2º tempo

SANTA CRUZ: Edson Kolln; Léo Moura, Danny Morais, Néris e Roberto; Uillian Correia, Jadson (Marion) e João Paulo (Wagner); Arthur, Keno e Grafite (Bruno Moraes)
Técnico: Doriva

CORINTHIANS: Walter, Léo Principe, Pedro Henrique, Balbuena e Uendel; Camacho (Willians); Marquinhos Gabriel, Rodriguinho, Giovanni Augusto (Cristian) e Marlone; Guilherme (Lucca)
Técnico: Fábio Carille

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Volks lança Golf Variant a R$ 87.490 e sonha vender como nunca

Nos últimos anos, perua média da Volkswagen era Jetta Variant. Isso porque o país ficou um bom tempo defasado em relação à Europa e ao hatch Golf — enquanto a marca mantinha o Golf 4 vivo, o resto do mundo viu quinta e sexta geração nascerem (e se aposentarem). Assim, restava apenas receber a configuração familiar do México com o nome usado naquele mercado. Tudo mudou e segue se alterando com o retorno do Golf mais atual, em sua sétima geração, a partir 2013.

Como o Golf 7 já roda por aqui há quase dois anos — e até será produzido em São José dos Pinhais –, a marca aproveita e corrige também a disparidade do modelo familiar, algo que UOL Carros também havia apontado em 2013. Ainda importada do México, a linha 2016 da station wagon média chega às lojas até o final do mês como o nome de Golf Variant, como na Europa, com preço inicial de R$ 87.490. São duas versões:

– Volkswagen Golf Variant 2015 Comfortline: R$ 87.490
O motor é o mesmo 1.4 TSI turbo que equipa o hatch, da família EA211, movido a gasolina e capaz de gerar 140 cv de potência (entre 4.500 rpm e 6.000 rpm) e 25,5 kgfm de torque (entre 1.500 rpm e 3.500 rpm). Ele é acoplado à transmissão DSG, automática de sete marchas com opção de trocas sequenciais manuais. De série, são: sete airbags, freios ABS (obrigatórios), alerta de pressão dos pneus, ar-condicionado, assistência de partida em rampa, conjunto elétrico (vidros, travas e espelhos), faróis de neblina com função auxiliar em curvas, sensor de estacionamento (dianteiro e traseiro), sistema multimídia com CD/MP3-Player, conexão Bluetooth e entrada USB, sistema start-stop e volante revestido em couro. As rodas são de liga leve de 17 polegadas.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Opcionalmente, a Volks oferece o pacote Elegance, a R$ 4.500, com volante multifuncional com aletas para trocas de marcha, controlador automático de velocidade (piloto automático) e rodas aro 17 com desenho diferenciado. O pacote Exclusive, R$ 8.890, acrescenta GPS com atualização automática de mapas.

– Volkswagen Golf Variant 2015 Highline: R$ 94.990
Traz de série, além dos itens da Comfortline, ar-condicionado de duas zonas, bancos de couro, controlador automático de velocidade (piloto automático), sensor de chuva e luminosidade e volante multifuncional com comandos do sistema multimídia.

Os pacotes para a versão são: Elegance, de R$ 5.820, com rodas de 17 polegadas diferenciadas, sistema de seleção de ajustes que identifica o perfil do motorista, GPS com comandos por voz, abertura das portas por meio da chave presencial e partida do motor por botão. O Exclusive vai a R$ 15.700 com todo o conteúdo do Elegance e mais faróis bixenônio com LED diurno, assistente de luz para o farol alto e o ACC (controle de cruzeiro automático) com front assist e freios de emergência (que identificam a iminência de uma batida e freia o carro automaticamente).

Há ainda o pacote Premium, de R$ 26.670, tem todo o conteúdo anterior acrescido de itens como a regulagem elétrica do banco do motorista, sensor detector de fadiga e sistema de info-entretenimento “Discovery Pro”, com tela de oito polegadas multitoque e atualização automática de mapas para o navegador.

À parte, para qualquer versão, é vendida a pintura metálica (R$ 1.200) ou perolizada (R$ 1.700). O teto solar elétrico, avulso, custa R$ 5.300.

Da dianteira à coluna central, a Golf Variant é idêntica ao primo hatch. A partir dali, o carro ganha características habituais de uma perua, com portas traseiras maiores, vidros laterais  extras e desenho exclusivo na traseira. Ao todo, a wagon é 30,7 centímetros mais comprida do que o Golf convencional, o que a deixa com 1.357 quilos em ordem de marcha (contra 1.218 kg do dois-volumes). O porta-malas comporta até 605 litros de bagagem, quase o dobro do hatch (313 litros).

Leonardo Felix/UOL

Ficou tudo alinhado: cara (e tecnologia) de Golf 7, corpão de carro de família

Sonhando alto

Com a adoção da “grife” Golf, a Volkswagen passa a ter pretensões bastante ousadas para a perua média. Segundo executivos da marca, o objetivo logo para 2015 é de entregar entre 2.000 e 2.500 unidades.

É um volume tímido na comparação com as metas do hatch Golf (mais de 16 mil unidades foram vendidas em 2014) e mesmo do sedã Jetta (mais de 10 mil emplacamentos no último ano). Mas também é um número que foge completamente do padrão do segmento de station médias e grandes.

Em 2014, o segmento inteiro de peruas médias emplacou menos de 300 unidades. O líder histórico é um modelo importado da Alemanha: a perua Audi A4 Avant mantém média de 170 unidades registradas a cada ano. Em 2013 acabou ofuscada pelo esforço derradeiro da Renault, que queimou o estoque final da station Mégane a menos de R$ 50 mil e conseguiu recorde de… 200 unidades.

Se atingir o objetivo, a Volks terá ido além da mera mudança (de nome). Terá feito uma revolução.

 

Uol

Galo vence, sonha com taça, e São Paulo perde chance de colar no líder

são pauloOs olhos estavam no campo do Independência, e os ouvidos, no que vinha do Maracanã, no Rio de Janeiro. Atlético-MG e São Paulo se enfrentaram em Belo Horizonte, neste domingo, ligados no que acontecia na partida entre Flamengo e Cruzeiro, não só pela rivalidade – no caso do Galo -, mas principalmente para projetar o que ainda podiam esperar no campeonato. Alegria em dobro para os atleticanos, que bateram os paulistas por 1 a 0 e celebraram a derrota cruzeirense, por 3 a 0, resultados que fazem o time de Levir Culpi sonhar com a possibilidade de um título – são nove pontos de distância para a ponta.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O revés não muda a situação do São Paulo, que continua a sete pontos da liderança. Mas faz a equipe lamentar mais uma oportunidade perdida de encostar na Raposa e freia a sua recuperação, após vitórias nos dois últimos confrontos – que sucederam um jejum de quatro jogos sem ganhar.

Se o título ainda é um sonho, as duas equipes mantêm a disputa por uma das vagas para a Libertadores de 2015. Com a vitória, o Galo retomou a quarta posição, com 47 pontos, e o São Paulo caiu para a terceira colocação, com 49, atrás também do Internacional, que bateu o Fluminense em casa, por 2 a 1.

Os times agora deixam o Brasileiro de lado para se concentrarem em outras competições. O São Paulo vai ao Chile, onde, na quarta, às 19h30, enfrenta o Huachipato pelas quartas de final da Copa Sul-Americana – tem vantagem por ter vencido a partida de ida, em casa, por 1 a 0. No mesmo dia, o Galo terá de virar o duelo de 180 minutos contra o Corinthians, pela quartas de final da Copa do Brasil. O time perdeu a ida, em São paulo, por 2 a 0. A decisão será no Mineirão, às 22h.

Luan gol Atlético-MG x São Paulo (Foto: Getty Images)Luan comemora o gol que recoloca o Atlético-MG no G-4 do Brasileiro (Foto: Getty Images)

O jogo

A lista de desfalques das duas equipes era grande: Kaká, Souza, Tardelli e o uruguaio Alvaro Pereira estavam com suas seleções; Ganso e Paulo Miranda cumpriam suspensão; entre os lesionados, Guilherme, Réver, Rafael Toloi, entre outros. Levir Culpi ainda perdeu Jô, que faltou aos últimos treinos do time, às vésperas do duelo, e foi afastado.

Com tantos problemas, Atlético-MG e São Paulo iniciaram a partida de forma morna, com pouca criatividade e muita marcação nas intermediárias. Pato teve uma chance de abrir o placar logo no início, mas Victor fez grande defesa. Os donos da casa sofriam com a pouca produção do meio e com a dificuldade dos atacantes.

A primeira etapa se arrastou quase sem emoção até a parte final, quando chutes de longa distância de Dátolo e Michel Bastos fizeram os goleiros trabalharem – Rogério Ceni e Victor rebateram bolas complicadas, mas as sobras não foram aproveitadas.

Os anfitriões voltaram do intervalo mais acesos – ainda que a primeira boa chance tenha sido de Alan Kardec, desperdiçada. André teve a oportunidade de finalmente abrir o placar quando recebeu sozinho na área, mas escolheu tentar de puxeta e furou. A pressão, porém, continuou.

Ela só teve efeito aos 26 minutos, em boa jogada de Alex Silva, que encontrou Luan em ótima posição. Sozinho, o atacante teve calma para tocar no canto de Rogério Ceni, definindo o placar. No fim, o São Paulo esboçou reagir, mas parou na defesa rival.

 

Globoesporte.com

Treze não dá chances ao Santa Cruz-PB e ainda sonha com classificação

Reprodução/twitter/TrezeFC
Reprodução/twitter/TrezeFC

Após o incomum cancelamento do jogo por falta de marcação adequada no campo do Estádio da Graça, em João Pessoa, o Treze-CG voltou a encontrar o Santa Cruz-PB, ainda pela 13ª rodada da segunda fase classificatória, no mesmo local, vencendo fácil o time de Santa Rita por 3 a 0.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
Resumo da partida:

Sem dar chances ao Santa Cruz-PB, o Treze abriu o placar logo no início da partida, com gol de Esquerdinha.

Perto do fim do primeiro tempo, Birungueta ampliou para o Galo, fazendo 2 a 0.

No Segundo tempo, o alvinegro consolidou a vitória, com gol de Cambalhota, fechando o placar com 3 gols a favor e nenhum sofrido.

O jogo foi marcado por confusão fora dos gramados. Torcedores reclamaram do lado de fora do Estádio da Graça, dizendo que estariam com ingressos comprados para o jogo de quinta-feira e estavam sendo barrados neste domingo. O jogo havia sido cancelado e remarcado para hoje. O mesmo ingresso deveria valer.

 

 

portalcorreio

Artilheiro do ano, Hernane sonha alcançar topo também no Brasileirão

hernaneNinguém fez mais gols no Brasil do que Hernane em 2013. E dificilmente o Brocador perderá esse posto ao término da temporada. Ao balançar as redes do Vitória na derrota por 4 a 2, neste domingo, no Barradão, em Salvador, pela 37ª rodada do Brasileirão, o atacante chegou a 35 na temporada e deixou para trás Magno Alves e Bruno Rangel, que têm 34 e não jogam mais esse ano. William, da Ponte Preta, que tem 29, é o rival mais próximo e pode entrar em campo ainda mais três vezes. O camisa 9 rubro-negro pode ampliar a marca no próximo fim de semana, diante do Cruzeiro, no Maracanã e traçou uma meta para partida: alcançar Éderson na artilharia do Campeonato Brasileiro.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Com 15 gols, o Brocador está a três do atacante do Furacão e precisa brilhar diante do campeão da competição para atingir um feito histórico: unificar todas as artilharias. Quase inalcançável como goleador no ano, Hernane ocupou o posto também no Carioca e na Copa do Brasil. Apesar de Jayme de Almeida não ter definido se colocará força máxima diante do Cruzeiro, o camisa 9 já deixou claro que estará em campo para buscar sua meta:

– É sempre importante ser o artilheiro das competições. Fui do Carioca, da Copa do Brasil e ainda busco a do Brasileiro – disse ainda no gramado do Barradão.

Na caça a Éderson, Hernane passou boa parte do primeiro turno do Brasileirão no banco de reservas para Marcelo Moreno. Além dos 15  gols marcados na competição em pontos corridos, o Brocador fez outros 12 no Carioca e oito na Copa do Brasil.

 

Globoesporte.com

Santos segura “bombardeio” do Inter, vence no Sul e sonha com G-4

O Santos sofreu enorme pressão do Inter durante quase todo o jogo, nesta terça-feira, em partida adiada válida pela 10ª rodada do Brasileiro, mas conseguiu sair com mais uma vitória na competição nacional. A equipe paulista foi até a cidade de Novo Hamburgo e, com dois gols de falta somados a uma grande atuação de Aranha, venceu o time colorado por 2 a 1 para começar a sonhar com o G-4 do Brasileiro. Mesmo com grandes chances de pelo menos empatar, o Inter perdeu a oportunidade de encostar nos líderes.

Thiago Ribeiro abriu o placar para vitória santista em Novo Hamburgo (RS) Foto: Ricardo Rimoli / Agência Lance
Thiago Ribeiro abriu o placar para vitória santista em Novo Hamburgo (RS)
Foto: Ricardo Rimoli / Agência Lance

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A vitória deixa a equipe alvinegra em sétimo, com 28 pontos, a seis do G-4, mas ainda com um jogo a menos em relação aos demais. Já o clube gaúcho estaciona na sexta posição, com 30 pontos. Como o jogo era referente a uma partida adiada, ambas as equipes voltam a jogar já nesta quinta-feira, pela 20ª rodada. O Santos visita o Flamengo, às 21h (de Brasília), enquanto o Inter pega o Vitória no Estádio do Vale, às 19h30.

 

Mesmo como visitante, o Santos quase abriu o placar aos 2min: Giva recebeu na área e bateu para boa defesa de Alisson.  Na sequência, Scocco respondeu em chute perigoso de fora da área. O começo do jogo era bom e aos 13min D’Alessandro não abriu o placar por questão de centímetros em chute de fora. O Inter tentava dominar depois do movimentado início, mas o Santos, com bastante velocidade, se mostrava perigoso em saídas rápidas.

 

Após conseguir escanteio em jogada de velocidade de Giva, o Santos abriu o placar. Na cobrança de Leandrinho, Cícero desviou na primeira trave e Thiago Ribeiro completou no segundo pau para deixar os visitantes na frente. O Inter pressionou até o fim do primeiro tempo e obrigou Aranha a fazer boas defesas, mas não conseguiu igualar antes do intervalo.

 

A etapa final começou da mesma forma que o fim dos 45 minutos iniciais: pressão dos mandantes. Em uma noite inspirada, o goleiro Aranha, no entanto, parava todas as tentativas do adversário. O Santos aguentava como podia o bombardeio do time colorado e conseguiu aumentar aos 23min: Renato Abreu entrou em campo e foi direto cobrar falta, na qual viu Alisson falhar para deixar o seu no confronto.

 

Mesmo depois de novo gol sofrido, o Inter continuou à procura do gol e conseguiu um pênalti aos 29min, graças a uma bola desviada pela mão do volante santista Alisson. Na cobrança, D”Alessandro fez. O gol animou o Inter, que partiu para cima. Aos 34m, Damião e Rafael Moura perderam chances incríveis. O time colorado ainda perdeu Fabrício expulso no fim e, mesmo com a pressão, saiu derrotado.

 

Terra 

Marcadas para morrer: Ameaçada desde 1996, Regina sonha viver em paz

reginaEm dezembro de 2011, Maria Regina Gonçalves percebeu que a paz não fazia mais parte do seu cotidiano. Em um show dos ídolos Zezé di Camargo e Luciano no município de Eldorado dos Carajás, no Pará, Regina se viu mais atenta à plateia do que ao espetáculo, procurando em olhares e gestos uma atitude suspeita. “Se alguém chegava perto ou me olhava um pouco mais eu ficava nervosa. Praticamente não me diverti naquela noite”, diz ela.

Maria Regina preside o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Eldorado dos Carajás, a 770 km de Belém. Vive sob ameaças constantes e atualmente não anda sem a proteção de pelo menos dois outros dirigentes sindicais, que se dispuseram a atuar como seguranças informais de Regina.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

As ameaças vieram depois que o sindicato passou a organizar as 4 mil famílias espalhadas por 22 projetos de assentamento no município, localizado em uma região rica em minérios e com grandes fazendas de pecuária. Como os projetos ainda não foram titulados, embora tenham sido regularizados no Incra, as famílias receberam um contrato de concessão de uso – título provisório, mas que permite a obtenção de financiamento para a produção.

Enquanto os títulos definitivos não saem, porém, há fazendeiros se apropriando das terras, cercando os assentamentos, comprando lotes de posseiros e fazendo pressão para que os agricultores abandonem os terrenos.

“Virou concentração de terras de fazendeiros, eu mesma estou cercada por três lotes que estão nas mãos deles. O recado que os agricultores ouvem é que se os fazendeiros não comprarem a terra dos trabalhadores, compram das viúvas”, diz Maria Regina, no quintal da sede sindical, sob o olhar atento dos dois seguranças.

Não é uma compra legal, já que não se pode adquirir lotes de assentamentos destinados à reforma agrária. Mas a lei não é seguida à risca em um município conhecido mundialmente pela matança de 19 trabalhadores sem terra pelas polícias militares de Marabá e Parauapebas em 1996, em um local conhecido como Curva do S.

Com pouco mais de 2.900 quilômetros quadrados – 70% em área rural – o município de Eldorado de Carajás se desenvolveu a partir do garimpo e da pecuária, sempre com conflitos pela posse da terra. Entre 1982 e 1996 mais de 50 trabalhadores rurais foram assassinados, contabiliza Regina. “Sempre foi um ‘deus nos acuda’ que culminou com a chacina da Curva do S”, diz.

Antônio Cicero/Diário do ParáA trajetória de Maria Regina é uma história de migração como a de muitos que ali vivem. Nasceu no Ceará em um lugar árido e sem perspectivas conhecido como ‘Cabeça de Onça’. Quando a fome roncou mais alto, a família dela se mudou para um lugarejo chamado Barra do Corda, no Maranhão, em março de 1973. Mas o destino pouco mudou: “Eu tinha dez anos e ajudava meu pai na roça. Era um sofrimento, não tinha água, minha mãe chorava quando eu pedia comida e não tinha. Eu não tinha o sentimento de entender”. Regina era a mais velha de oito irmãos na época. Depois chegariam mais quatro. “A gente vivia na miséria nesse lugar. Meu pai queria se libertar disso”.

A libertação da pobreza viria da Amazônia, pelo menos foi isso que um tio anunciou em tom de novidade. “Esse tio tinha um rádio de pilha. Nós, só a vida mesmo. E ele trouxe o rádio pra gente ouvir a Voz do Brasil. A gente reunia ao redor do rádio e ouvia a propaganda sobre a Amazônia. Meu pai decidiu vir atrás de terra”.

A primeira parada foi no garimpo. O pai de Regina foi sozinho ao Pará e nos dois primeiros anos da década de 80 chafurdou na lama de Serra Pelada em busca de ouro. Não teve sorte. O pouco que conseguiu foi roubado. Ouviu falar de um projeto de assentamento em Pedra Furada, a 22 km da sede do município, em uma aréa que fazia parte de Curionópolis, depois incorporada pelo município de Eldorado dos Carajás, emancipado em 1987.

O pai conseguiu um lote por desistência de um posseiro, mas acabou expulso primeiro pela polícia, depois pelos pistoleiros. “Meu pai dizia que saiu sentindo a bala nas costas, porque as armas estavam engatilhadas. Ele andou escondido da polícia por cinco anos, porque desde o início ele se colocava na frente, brigava mesmo”, conta Regina.

Enquanto o pai lutava para conseguir um pedaço de chão, Regina continuava no Maranhão. Logo no primeiro ano, em 1982, casou, e numa terra arrendada, plantou sozinha um alqueire de arroz e milho. Naquele ano a água não veio e toda a produção foi perdida. Batia o desespero.

Em 1986 Regina visitou o pai. Ele havia sofrido mais um despejo, com pistoleiros queimando tudo, matando animais. “Quando cheguei vi minha família, meu pai, minha mãe, toda judiada, torturada, me assustei e voltei pro Maranhão”.

Por pouco tempo. Os agricultores despejados ocuparam o Incra em Marabá e conseguiram voltar para as terras em novembro de 1986. Em fevereiro de 1987, os fazendeiros passaram a ocupar mais lotes e a guerra entre pistoleiros e posseiros tornou-se aberta.

A essa altura, Regina já estava de mudança para o Pará, acompanhando de perto a luta do pai e de outros companheiros pela posse e regularização dos lotes de terra, ainda hoje nas mãos da família. Em 1992, Arnaldo Delcídio Ferreira, respeitada liderança do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Eldorado, foi executado por pistoleiros. Sete anos antes, em abril de 1985, ele havia se ferido e sobrevivido a um ataque de pistoleiros no Terminal Rodoviário de Eldorado, que acabou atingindo mortalmente a freira Adelaide Molinari.

Antônio Cicero/Diário do ParáA morte de Arnaldo marcou profundamente Regina, que entrou de cabeça na luta pela terra. “Eu me descobri no coletivo quando conheci o trabalho do Arnaldo, sempre se solidarizando com as pessoas pobres. Comecei a ter uma revolta contra quem manda matar. Só que a vida não para na morte dos que foram assassinados. A gente continua”, diz.

Em 1996 ela assumiu a presidência do Sindicato, depois de ter sido tesoureira e secretária de políticas sociais da organização. “A primeira ocupação, como presidente, foi da fazenda de um homem chamado Geraldo Mendonça”, lembra. Sem abandonar o próprio lote, Regina passou a receber ameaças recorrentes. “Minha filha recebeu uma ligação dizendo que iam matar toda a família. Passei a viver o tempo todo assombrada”.

Ligações desconhecidas se tornaram comuns a partir daí, e as ameaças – veladas ou explícitas – recorrentes. Não a deixaram mais em paz. “Todo mundo que entra no sindicato é suspeito”, diz.

No dia 27 de junho de 2012, nove fazendeiros entraram na sede do sindicato para pressionar Regina. O diálogo mostra o nível de tensão:

“Só viemos falar com ela do risco que ela tá correndo”, disse um fazendeiro.

“Isso já é uma ameaça”, respondeu Regina.

“A senhora está mobilizando esses sem terra pra invadir as terras”.

“Eu não estou mobilizando ninguém e já disse para o senhor não apontar o dedo para mim”.

Depois desse diálogo ríspido, Maria Regina ouviu rumores sobre a contratação de 60 pistoleiros para fazer a segurança nas fazendas que ficam na estrada em que passa diariamente de moto.”Eu tenho de passar pelo vão de duas dessas fazendas. E nas duas já teve assassinatos. Num, sumiram com o corpo, e no outro o corpo foi encontrado dentro de um poço”.

“Não tem como eu andar nessas condições. Eu não durmo tranquila, passei a ter sempre dois companheiros me protegendo”, conta, confessando o cansaço. Não quer ouvir falar em ocupações de terra. Sente medo. O Sindicato deixou de incentivar maiores mobilizações. “Eu represento um perigo para eles. Os fazendeiros acham que eu sou capaz de mobilizar esse mundaréu de gente e não é bem assim”.

Com cinco filhos e quatro netos, a dirigente sindical quer viver em paz. Os filhos não deixam os netos andarem com ela por conta dos riscos. A mãe, sempre que precisa estar com a filha, fica quase o tempo todo rezando. “Quero paz, para mim e para quem tá comigo. Não é fácil andar apenas com a fé. A gente sabe o poder de uma bala. Por que tem de morrer? Eu não quero morrer, só quero ficar à vontade, tranquila”.

Matérias relacionadas:

Maria do Carmo luta pela sua comunidade e pela floresta

Elas, marcadas para morrer

Maria Joel da Costa herdou a luta e as ameaças de morte

Laísa luta pela terra e pela memória da irmã

* A série Marcadas para Morrer é uma parceria da Agência Pública com o Diário do Pará, com reportagem de Ismael Machado e fotos de Antônio Cicero. Adital reproduz com a autorização da Agência Pública.

 

 

Adital

Fátima Bezerra, empossada presidente do TJ-PB, diz que sonha com igualdade de oportunidades e de gênero

Secom-TJ
Secom-TJ

A primeira mulher a gerir o Tribunal de Justiça da Paraíba tomou posse na tarde desta sexta-feira (1), em sessão solene ocorrida no Fórum Cível Desembargador Mário Moacyr Porto. Maria de Fátima Morais Bezerra Cavalcanti é a desembargadora que marca na história do Poder Judiciário estadual, ao ser a primeira mulher a integrar a Corte paraibana, alcançando, agora, o cargo de presidente do TJPB, no biênio 2013-2015.

A nova mesa diretora que assume junto à desembargadora Fátima Bezerra é composta, também, pelos desembargadores Romero Marcelo da Fonseca Oliveira (vice-presidente) e Márcio Murilo da Cunha Ramos (corregedor-geral de Justiça).

A cerimônia teve início com a exibição de um vídeo-relatório da gestão do desembargador Abraham Lincoln da Cunha Ramos, que deixou o cargo satisfeito com a nova mesa diretora. “Uma mulher de vocação assume o Tribunal e eu afirmo que a magistratura paraibana e o povo paraibano podem estar seguros de que os próximos dois anos serão muito profícuos. A Justiça será célere em virtude do foco da desembargadora em torno da conciliação e mediação”, disse.

Emocionada, a nova gestora do Tribunal agradeceu às presenças, falou do sonho da democracia e de uma sociedade mais justa, com igualdade de oportunidades e de gêneros. Quanto à gestão, afirmou que pretende construí-la com base na “eficiência e humanização, com plena e ampla transparência”.

A desembargadora aproveitou a ocasião para falar das ações que pretende executar à frente da administração do TJ, entre eles, a expansão do Processo Judicial Eletrônico (PJe); nomeação de servidores para suprir a carência de material humano nos quadros do Judiciário; incentivar à prática da conciliação; otimizar as rotinas administrativas; humanização dos trabalhos; entre outros.

“O Judiciário que eu quero não abre apenas as portas para o povo: vai até ele, procurando-lhe oferecer algo novo”, afirmou a desembargadora-presidente Fátima Bezerra Cavalcanti, assumindo o compromisso de aperfeiçoar os trabalhos judicantes da Paraíba.

O evento contou com a presença de autoridades jurídicas, políticas, eclesiásticas, entre eles, o governador do Estado da Paraíba, Ricardo Coutinho; ministros Og Nicéas Fernandes (STJ) e Francisco Falcão (CNJ); deputado Ricardo Marcelo (Assembleia Legislativa); senador Vital do Rego; deputado federal Benjamin Maranhão, prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo e conselheiro Fábio Nogueira, presidente do Tribunal de Contas/PB.

 

 

Assessoria

Moça de Guarabira sonha com noivo prometido, prepara festa de casamento, mas noivo não aparece

Um fato inusitado chamou a atenção de Guarabira no sábado (15), quando uma mulher solteira, após uma visão, preparou o próprio casamento mesmo sem ter um companheiro amoroso.

A jovem identificada como Elcielly Crispim Domingos, 24 anos, solteira e moradora da Rua Artur Pontes, Bairro São José em Guarabira, teria preparado a própria festa de casamento após ter uma visão, onde teria sido revelado a data e horário do casório, e que só no momento da sua realização o pretendente surgiria.[bb]

Segundo a senhora Ana Rita, moradora do Bairro da Esplanada, e que fez 3 mil salgadinhos para a festa, há cerca de 3 anos e 6 meses Elcielly teria recebido a revelação. E que em conversa com esta, ela dizia sempre que estava feliz e que amava o futuro companheiro, mesmo sem conhecê-lo.

Até a celebração e festa foram organizados numa chácara, na saída de Cuitegí para Pilões.

Durante a noite, à espera do amado, a “noiva” ficou vestida a caráter, reunida com a família, junto a amigos e curiosos que se aglomeraram em frente a casa da mesma.

Após a meia-noite, frustrada, ela parou de esperar, já que segundo a “profecia” o noivo apareceria no dia 15 de dezembro de 2012.

Em conversa com a nossa reportagem, Eucielly afirmou que ficou triste, pois realmente esperava pela chegada de seu pretendente, mas, que continuará na esperança da chegada do seu amado.

Pelo sentimento da “noiva” ter sido tão real a ponto de fazer toda uma preparação, se organizando durante tanto tempo, muitos também acreditaram que o fato se concretizasse, já outros consideraram um ato, no mínimo, estranho.

Do Portal Independente

portal25horas

Bota vence Lusa, ainda sonha e evita pesadelo imediato do Palmeiras

A vitória por 3 a 0 sobre a Portuguesa, com mais uma boa atuação de Bruno Mendes, deixou vivo o sonho do Botafogo quanto à classificação para a Libertadores de 2013. São cinco pontos de diferença para o quarto colocado São Paulo, que neste domingo terá uma parada dura diante do Grêmio no Olímpico. Depois, restarão três rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro. O jogador de 18 anos, que foi contratado ao Guarani, fez um gol, teve um mal anulado e deu assistência para Vitor Júnior. Fellype Gabriel também marcou.

Quem sonha junto com os botafoguenses é a torcida do Palmeiras, que não verá o rebaixamento do time nesta 36ª rodada, mesmo em caso de derrota para o Fluminense. São sete pontos de distância para a Portuguesa, que soma 40 e está em 15º lugar. Bahia (também com 40 pontos) e Sport (36) são os outros concorrentes na briga para fugir da degola.

Seedorf, recuperado de uma lesão na coxa direita, entrou em campo aos 33 minutos do segundo tempo, substituindo Fellype Gabriel. O Botafogo, que mantém a quinta colocação, pegará o Sport no próximo domingo, às 19h30m, na Ilha do Retiro. O técnico Oswaldo de Oliveira minimizou as possibilidades de classificação para a Libertadores – antes desta rodada, eram de 1%, segundo o matemático Oswald de Souza.

– É muito difícil. A lamentar mesmo é o gol que sofremos no fim do jogo contra o Palmeiras (no empate por 2 a 2). Não fosse isso, ainda teríamos chances. Vamos continuar perseguindo, mas mesmo não chegando à Libertadores precisamos buscar o melhor desempenho possível.

A Portuguesa chegou à sétima rodada sem vitória – e à quinta sem marcar um gol sequer.

– Complica um pouco, mas temos que levantar a cabeça, trabalhar forte durante a semana e vencer o próximo jogo para sair logo dessa situação – lamentou o meia Diguinho.

Bruno Mendes gol Botafogo (Foto: Wagner Meier / Agif)Bruno Mendes marcou o primeiro gol da vitória do Botafogo sobre a Portuguesa (Foto: Wagner Meier / Agif)

Glorioso domina, e Bruno Mendes abre o placar

Com a autoridade de quem já sustentava cinco jogos de invencibilidade, o Botafogo se impôs diante da Lusa no Engenhão. E logo aos 11 minutos de bola rolando abriu o placar do seu estádio com Bruno Mendes. Fellype Gabriel deu belo passe para o meio da área, a bola resvalou na zaga e encontrou o garoto alvinegro sozinho para marcar o sexto gol dele nos últimos seis jogos.

Após o gol, o time carioca seguia melhor, mas a Portuguesa conseguia levar perigo em algumas oportunidades. Tanto que por volta dos 30 minutos, Oswaldo gritava para seus jogadores perderem menos bolas no meio-campo e melhorarem no combate. Deu certo, e o Botafogo passou a chegar e se movimentar mais.

Aos 38 minutos, Andrezinho ainda perdeu chance de ampliar. Fellype Gabriel levantou a bola na área, Lodeiro cruzou para o meio e, no bate-rebate, o meia não conseguiu chutar.

Bota tem gol anulado e pênalti não marcado. Lusa fica com um a menos

O Botafogo voltou do intervalo a todo vapor e teve duas boas chances logo no primeiro minuto da etapa final, primeiro com Fellype Gabriel, depois, com Dória.

Logo depois, Bruno Mendes marcou de novo, mas o bandeirinha assinalou impedimento, que não houve. O garoto havia recebido passe de Márcio Azevedo em condições legais.

Mas o erro de arbitragem não abalou o time alvinegro, que continuou buscanco o gol. Aos dez minutos, Bruno Mendes apareceu outra vez. Agora, perdendo um gol. Lodeiro fez o toque para trás da linha de fundo, e o atacante chegou atrasado, não alcançando a bola que passou rente ao gol.

Seis minutos mais tarde, o Botafogo teve motivos para reclamar mais uma vez da arbitragem. Valdomiro travou a perna de Lodeiro dentro da área, e o baiano Jailson Macedo de Freitas mandou o jogo seguir.

Aos 19 minutos, o time da casa teve sua vida facilitada pelo descontrole de Marcelo Cordeiro. O ex-botafoguense foi expulso diretamente ao ir para cima do auxiliar e deixou o campo vaiado pela torcida alvinegra.

Com vantagem numérica, o Botafogo não demorou para ampliar o placar. Aos 21, Renato cobrou falta na medida para Fellype Gabriel desviar de cabeça em bela jogada ensaiada do time de Oswaldo de Oliveira.

E o técnico, aliás, colocou o ídolo Seedorf em campo aos 34 minutos. O holandês entrou no lugar do aplaudido Fellype Gabriel.

E a entrada do craque deu sorte ao Botafogo. No mesmo minuto, Andrezinho arrancou em velocidade, passou por dois e foi derrubado por Dida. Pênalti para o Glorioso. O próprio meia foi para a cobrança, mas perdeu. Ele bateu no canto esquerdo, e o goleiro defendeu.

Aos 37, Seedorf teve sua primeira chance, mas desperdiçou. Ele recebeu na marca do pênalti após boa jogada de Lucas, chutou e a bola desviou na zaga.

No fim, Vitor Junior, que acabara de entrar, fechou a conta para o Glorioso. Com passe de Bruno Mendes, ele marcou o terceiro gol da partida e chorou na comemoração.

Globoesporte.com