Arquivo da tag: Sindicato

Conflito EUA X IRÃ deve refletir no preço dos combustíveis na PB, afirma sindicato

EUA X IRÃ, vem promovendo uma aflição no mundo, não só pelo fato disso poder desencadear mais um conflito armamentista no mundo, mas também pelo fator econômico, tendo em vista a grande influencia no setor petroleiro que o Irã tem ainda no mundo. E os efeitos disso podem elevar os preços dos combustíveis na Paraíba é o que prever os representantes do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado da Paraíba (Sindipetro/Paraíba).

Segundo o Sindipetro/PB, a Petrobras ainda não anunciou nenhuma alteração, o mesmo acontece em relação às distribuidoras. A Sindipetro informou ainda que segue acompanhando o desenrolar dos fatos entre Estados Unidos e Irã. Ainda assim, caminhoneiros, motoristas e empresários de postos de gasolina estão apreensivos com essa situação, pois pode afetar os preços dos combustíveis no Brasil e, consequentemente, na Paraíba.

A estatal divulgou uma nota na última sexta feira (3) que seguirá acompanhando o mercado e decidirá oportunamente sobre os próximos ajustes nos preços. “Estava previsto um aumento do combustível do diesel e gasolina no final de janeiro, ou início de fevereiro, com a ameaça de guerra a Petrobras está aguardando as consequências e consolidação dos fatos”, afirmou.

 

pbagora

 

 

Sindicato de auditores do TCE-PB repudia notícias com delação Livânia: ‘cautela’

O Sindicato dos Profissionais de Auditoria do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (SINDCONTAS) enviou, na tarde desta segunda-feira (06), uma nota à imprensa reagindo às recentes citações à integrantes do TCE-PB, incluindo a esposa do atual presidente, Arnóbio Viana, Georgiana Cruz.

As citações apareceram na delação da ex-secretária Livânia Farias, no âmbito da Operação Calvário. No documento, ela acusa a esposa de Arnóbio de distribuir R$ 50 mil em propina dentro do TCE para que auditores fiscais resolvessem as contas do ex-governador Ricardo Coutinho.

“Nesse ponto, vemos com muita preocupação, notícias na imprensa local a respeito de delações que envolveriam parentes de membros do TCE e sobre uma possível distribuição de propina para auditores. […] É preciso ter responsabilidade e cautela na missão de informar, sob pena de manchar a trajetória de profissionais que cumprem o seu devido papel”, diz a nota.

Confira texto na íntegra:

O Sindicato dos Profissionais de Auditoria do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba – SINDCONTAS, vem, em face dos fatos revelados pela imprensa sobre a “Operação Calvário”, se manifestar e esclarecer o que segue.

No âmbito do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba existem três pilares que constituem o “Processo de Contas”, a fim de se cumprir o exercício do controle externo, nos termos da Constituição Federal: A Auditoria, o Ministério Público de Contas e o Órgão de Julgamento (Conselheiros). Cada um é responsável por uma etapa do processo, que deve preservar a autonomia de cada um desses atores, sem qualquer interferência que possa macular a respectiva atuação.

O trabalho dos profissionais de Auditoria, servidores que foram aprovados através de concurso público, é o exercício da fiscalização. Nessa fase são coletados todos os subsídios probatórios necessários à análise da utilização de recursos públicos e a sua compatibilidade com os mandamentos legais, bem como a observância dos preceitos legais em relação a outros atos praticados no âmbito da Administração Pública.

O Ministério Público de Contas, por meio dos seus membros, emite parecer sobre a matéria posta a partir de elementos trazidos pela instrução dos profissionais de Auditoria e outras perspectivas inerentes ao Parquet, enquanto Fiscal da Lei.

A última etapa desse processo é o julgamento, realizado pelos Conselheiros, por simetria constitucional do art. 73, escolhidos uma parte pelo Governador do Estado e a outra pela Assembleia Legislativa. São esses os responsáveis pelo resultado do processo, no tocante à decisão sobre a regularidade ou não da gestão dos recursos públicos, a partir do seu livre convencimento motivado, que poderá se alinhar ou não às manifestações da Auditoria e do Ministério Público de Contas.

Esta entidade sindical, que tem por função representar os profissionais de Auditoria do TCE-PB, esses que estão diretamente ligados à instrução de processos que envolvem a gestão de recursos públicos no âmbito do Estado da Paraíba, espera que as autoridades competentes possam, por meio das investigações em curso, trazer todos os esclarecimentos dos fatos e eventuais responsabilizações.

Não emitiremos juízo de valor sobre as condutas que estão sendo investigadas ou sobre nomes envolvidos em investigações, diante da responsabilidade dessa entidade e da certeza de que as autoridades competentes, no exercício de suas funções e garantindo-se o devido processo legal, o contraditório e a ampla defesa, trarão, no momento oportuno, todas as informações a respeito das condutas e as respectivas responsabilizações.

Imperioso destacar que, atualmente, todos os relatórios de auditoria, inclusive os relativos às Organizações Sociais, estão disponíveis ao público no portal do TCE-PB. A Auditoria tem, apesar das dificuldades, cumprido a missão que foi conferida pela sociedade.

Nesse ponto, vemos com muita preocupação, notícias na imprensa local a respeito de delações que envolveriam parentes de membros do TCE e sobre uma possível distribuição de propina para auditores. Entendemos pela necessidade do aprofundamento das investigações a fim de apurar as responsabilidades por qualquer conduta que se afaste da legalidade. Ao mesmo tempo, imperioso frisar que não admitiremos ilações genéricas que maculem a imagem dos profissionais de Auditoria, que ao longo de muitos anos vêm prestando serviços à sociedade paraibana e apontando em seus relatórios diversas irregularidades que, não raramente, subsidiam outros órgãos de controle. É preciso ter responsabilidade e cautela na missão de informar, sob pena de manchar a trajetória de profissionais que cumprem o seu devido papel.

Por fim, reafirmamos o compromisso desta entidade e dos Profissionais de Auditoria do TCE-PB com um trabalho sério e imparcial, que visa a boa e correta aplicação dos recursos da sociedade paraibana.

João Pessoa, 6 de janeiro de 2020.

A Diretoria do Sindcontas

Assessoria

 

 

Sindicato de trabalhadores da Energisa anuncia greve a partir da próxima quarta

O Sindicato de Trabalhadores Nas Indústrias Urbanas da Paraíba (STIUPB) anunciou a deflagração de uma paralisação por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira (11).

A paralisação foi decidida em Assembleia Geral Extraordinária realizada entre os dias 21 e 26 de novembro, após a rejeição da proposta de Acordo Coletivo de Trabalho apresentada pelas empresas.

Confira abaixo:

AVISO DE GREVE O SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS URBANAS DA PARAIBA – STIUPB, CNPJ 09.368.580/0001-49, localizado à Rua Tavares Cavalcante, 199 – Centro – Campina Grande – CEP: 58.400-150, por seu Presidente abaixo assinado, conforme o Estatuto Social da Entidade e para cumprimento das exigências da Lei nº 7.783/89 e o Art. 9º da Constituição Federal, avisa às empresas Energisa Paraíba e Energisa Borborema, aos usuários de seus serviços e à população em geral, que os empregados pertencentes a estas empresas na base territorial deste Sindicato, em todo Estado da Paraíba com exceção da cidade de João Pessoa, realizaram Assembleia Geral Extraordinária entre os dias 21, 22, 25 e 26 de Novembro de 2019, onde deliberaram pela deflagração de paralisação por tempo indeterminado, a partir do dia 11 de dezembro de 2019, em razão da rejeição da proposta do Acordo Coletivo de Trabalho 2019/2020 apresentada pelas empresas, no que diz respeito aos seguintes pontos: 1 – Reajuste salarial; 2 – Reajuste do valor do ticket alimentação e; 3 – Coparticipação no plano de saúde dos dependentes.

Campina Grande-PB, 04 de dezembro de 2019

Wilton Maia Velez

Presidente

 

 

Preço do gás de cozinha sofre aumento e pode custar até R$ 78, na Paraíba, diz sindicato

O preço do gás de cozinha deve sofrer um aumento de até R$ 3, na Paraíba, de acordo com o presidente do Sindicato dos Revendedores de Gás de Cozinha da Paraíba (Sinregás), Marcos Antônio Bezerra. O produto será vendido de R$ 73 até R$ 78, a partir desta quarta-feira (27).

O gás de cozinha residencial (GLP) aumentará 4% nas distribuidoras. Já o GLP industrial e comercial 2,5%.

O anúncio do aumento foi feito pelo Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) e confirmado pela Petrobras na última segunda-feira (25).

Essa é a sexta vez que o produto sofre aumento, apenas em 2019. Segundo Marcos Antônio, o valor do produto já subiu, pelo menos, 10 vezes neste ano, mas em algumas delas, a mudança não foi passada para o consumidor final.

G1

 

Motoristas de coletivos podem deflagar a partir amanhã, alerta presidente de sindicato

O  presidente do Sindicato dos Motoristas da Paraíba  Antônio de Pádua,  alertou na tarde desta segunda-feira (21) que se o pagamento dos condutores não for  feito até a meia noite de hoje a categoria vai deflagrar uma greve até que a situação seja resolvida.

Antônio de Pádua disse que caso a greve de amanhã seja confirmada serão instalados piquetes   em frente às garagens para evitar a saída dos ônibus. No entanto, segundo o sindicalista, a categoria vai liberar 30% da frota conforme determina a Justiça.

” É preciso que as empresas digam  à sociedade o que está acontecendo e qual é o motivo para que o pagamento dos motoristas não seja efetuado. A População cobra uma explicação urgente”, destacou Antônio de Pádua.

De antemão, o presidente do Sindicato dos Transportes Coletivos Urbanos de João Pessoa (Sintur-JP), Isac Júnior  já adiantou que essa resposta sobre o pagamento dos motoristas nesta segunda-feira será impossível.

paraiba.com.br

 

 

Trabalhadores dos Correios da Paraíba entram em greve por tempo indeterminado, diz sindicato

Os trabalhadores dos Correios da Paraíba entraram em greve por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira (11). Uma assembleia do Sindicato dos Trabalhadores de Correios e Telégrafos da Paraíba (Sintect), realizada na noite desta terça-feira (10), definiu o posicionamento dos trabalhadores.

De acordo com o diretor do sindicato, Fael Paiva, desde julho os trabalhadores estão em campanha salarial, no entanto, ele informou que não houve negociação. O G1entrou em contato com a assessoria de comunicação dos Correios e aguarda um posicionamento sobre os impactos que foram gerados na execução das atividades.

A principal reivindicação, segundo o sindicato, é a reposição salarial de acordo com a inflação e os benefícios integrais no valor acumulado da inflação do período agosto de 2018 a julho de 2019. Além disso, os trabalhadores pedem manutenção de cláusulas sociais e aumento de salário no valor de R$ 300 linear.

Conforme o Sintect, a proposta da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) reduziria a reposição salarial para 0,8% de reajuste, o que representa R$ 13 no salário-base de carteiro.

G1

 

Preço do gás de cozinha na Paraíba sobe pela quarta vez em 2019, diz sindicato

O preço do botijão do gás de cozinha de 13 quilos subiu pela quarta vez em 2019, na Paraíba. O produto que até esta quinta-feira (5) é comercializado, em média, por R$ 65, custará entre R$ 70 e R$ 75 na sexta-feira (6).

De acordo com o presidente do Sindicato dos Revendedores de Gás de Cozinha da Paraíba (Sindigás), Antônio Marcos Bezerra, o aumento é de 3,8%. Mas no percentual não foram contabilizados os impostos sobre o produto.

Ainda de acordo com Antônio Marcos, o valor do botijão do gás de cozinha também foi reduzido durante o ano, mas não soube dizer por quantas vezes. Ele garantiu ainda que o preço comercializado a partir da sexta-feira é igual ao do mês de setembro de 2018.

O presidente do Sindigás contou também que algumas das reduções não chegaram ao consumidor. “Algumas das baixas praticadas nas refinarias não foram repassadas pelas distribuidoras para os revendedores. Então também não pudemos passar para o cliente. Foi o caso de uma queda de preço que aconteceu em julho”, disse Antônio Marcos.

G1

 

Sindicato sinaliza paralisação após anúncio de privatização dos Correios

O anúncio do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), sobre a privatização dos Correios caiu como uma bomba na cabeça dos servidores da estatal. E, uma das consequências dessa medida pode ser uma paralisação geral, o que deixaria milhões de brasileiros sem receber correspondências.

O presidente Jair Bolsonaro deverá anunciar nesta quarta-feira (17) a lista de privatizações que pretende fazer. Ao todo, são 17 empresas públicas que deverão ser privatizadas até o final do ano, incluindo os Correios, a Casa da Moeda, a CBTU, a Telebras e a Eletrobras.

Para o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telegráfos (Sintect-PB), Tony Sérgio, vários ações já estão sendo desenvolvidas pelos líderes sindicais e servidores na tentativa de impedir que a privatização aconteça.

“Aqui na Paraíba já temos uma audiência pública agendada para o próximo dia 30 onde discutiremos a situação atual dos Correios. Também estamos coletando assinaturas para fazermos um abaixo-assinado contra essa medida, isso já em âmbito nacional. Vamos fazer assembleias e a paralisação também está na pauta. Pode sim acontecer”, informou Tony.

Para o dirigente, a privatização não trará benefícios para o Brasil, já que a empresa é autossustentável e poderia sobreviver, se o governo tivesse interesse em investir. Ele diz que o presidente criou um factóide para justificar a privatização da estatal. “Nós temos 35% da população que não tem acesso a internet e depende dos Correios para se comunicar. As pessoas dos municípios mais distantes sofrerão com essa medida. Dos mais de 5 mil municípios, apenas 324 são lucrativos, e será nesses locais que a empresa compradora investirá deixando o restante de lado”, garantiu.

Tony Sérgio ressaltou que o sucateamento dos Correios tem prejudicado os servidores e os usuários. “Nós estamos trabalhando num regime que as ruas ficam recebendo correspondências dia sim, dia não, porque o número de funcionários já é limitado. Se houvesse investimento, se o governo devolvesse os mais de sete bilhões que foram retirados dos Correios, teria como funcionar”, finalizou.

 

clickpb

 

 

Sindicato dos Servidores de Solânea abre edital para eleição da nova diretoria 

O Sindicato dos Servidores de Solânea (SINDSOL) abriu edital para a realização de eleição que escolherá a nova diretoria da entidade. De acordo com o publicado, qualquer integrante pode apresentar chapas para disputarem o pleito.

As apresentações das chapas devem ser feitas a partir desta segunda-feira (15) até o dia 25 deste mês, das 13h30 às 16h30. Nesse período deverão ser entregues toda a documentação necessária para disputar a eleição, na sede do SINDSOL, que fica na Ria São José, número 224, próximo e Escola Ernestina Pinto.

Após análise desses documentos, a Comissão Eleitoral emitirá um parecer sobre os pedidos e a viabilidade, ou não, dos requerimentos.

Os que desejarem concorrer deverão apresentar suas chapas com os nomes de todos os membros que comporão a Diretoria.

A eleição será no dia 31 deste mês das 8h às 16h.

 

Redação FN

 

UEPB reduziu 100% dos vigilantes no campus, afirma Sindicato

O presidente do Sindicato dos Vigilantes de Campina Grande, Edmir Bernardo, mostrou preocupação com a diminuição dos postos de trabalho para a categoria na cidade.

Segundo ele, em entrevista nesta quinta-feira, 4, as empresas estão optando por trocar os vigilantes por porteiros, por ser mais barato, já que o vigilante recebe 30% do risco de vida, um salário de $R 1.050 e ticket alimentação em cartão, e o porteiro só recebe de benefício a cesta básica.

Além disso, conforme Edmir, há uma diferença entre a função do porteiro do o vigilante. Enquanto o porteiro/vigia não pode portar armas e não tem treinamento de proteção, o vigilante tem o treinamento no Centro de Formação da Polícia Federal e possui o porte de armas.

Em relação ao ocorrido no campus da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) esta semana, quando um bando armado assaltou um carro-forte, que iria abastecer uma agência bancária no local, e que resultou em um tiroteio, Edmir frisou que o vigilante que foi baleado na ação foi um herói.

Ele destacou que a diminuição no número de vigilantes da UEPB foi de 100%, pois antes havia cerca de 18 vigilantes no campus, mas que hoje só há apenas seis.

– Tinha 18 vigilantes no turno, hoje apenas seis. Na Central de Aulas [onde ocorreu o assalto] só ficam três. Havia vigilante na UAMA, na parte de trás do campus, na guarita principal, na reitoria, mas agora houve uma redução. Com todo respeito que eu tenho ao reitor Rangel Júnior, pois toda vez que o Sindicato o procurou ele nos atendeu, mas houve uma redução sim. Eles tiraram os vigilantes e houve uma seletiva para colocar o vigilante desarmado, que o pessoal chama lá de ‘azulzinho’. Inclusive, o Sindicato entrou na Justiça pedindo que fosse cancelada a contratação, pois não havia nenhum vínculo e eles não recebiam nenhum benefício, mas foram contratados como vigilantes. A decisão saiu após dois anos, eles cancelaram, mas ano passado eles fizeram outra modalidade e contrataram porteiros. E nós entramos na Justiça novamente – explanou.

Por fim, Edmir frisou que na Paraíba há cerca de 26 empresas de vigilância regulamentadas e alertou às pessoas que forem contratar esse tipo de serviço, afirmando que estas devem pesquisar o CNPJ junto à Polícia Federal, que é o órgão fiscalizador.

*Informações da Correio FM.

paraibaonline

Foto: Paraibaonline