Arquivo da tag: semifinal

Em casa, Grêmio arranca empate com Flamengo na 1ª semifinal da Libertadores

A semifinal brasileira da Copa Libertadores começou com empate. Dominado pelo Flamengo em boa parte do duelo, o Grêmio conseguiu arrancar a igualdade por 1 a 1, em Porto Alegre, nesta quarta-feira, no primeiro confronto da série que determinará o representante na decisão do torneio continental.

O Flamengo foi superior no primeiro tempo da partida, quando teve dois gols bem anulados após consulta ao VAR, e acabou sendo letal para abrir vantagem, com Bruno Henrique, quando era dominado pelo Grêmio. Só que depois desperdiçou várias oportunidades e acabou sendo vazado por Pepê no fim.

O time que vencer o duelo de volta marcado para 23 de outubro estará classificado à final, mas o Flamengo leva alguma vantagem para o duelo no Maracanã, pois, além de ser o mandante, avança com o placar de 0 a 0. Mas igualdades a partir de 2 a 2 são favoráveis ao Grêmio. E novo 1 a 1 leva o duelo aos pênaltis.

Na outra semifinal, o River Plate venceu o Boca Juniors por 2 a 0 em casa e agora defenderá a sua vantagem em 22 de outubro, no estádio de La Bombonera. E a decisão da Libertadores, em jogo único, está agendada para 23 de novembro, em Santiago.

O JOGO

O início da partida em Porto Alegre foi de domínio do Grêmio. Avançando com organização, encurralou o time da casa em seu campo de defesa, valorizou a posse de bola e foi criando chances de gol em sequência, contando com o talento de Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabriel. O uruguaio, aos oito, e Bruno Henrique, aos nove, quase marcaram, assim como Gabriel aos 14.

O Grêmio tentava responder com jogadas de velocidade, mas sem muito êxito. E era dominado pelo meio-campo do Flamengo, que teve gols bem anulados após o uso do VAR, sendo que Paulo Victor havia falhado em ambas as jogadas. As infrações foram de Gabriel, por falta em Kannemann e impedimento, sendo que o segundo gol havia sido dele, enquanto Everton Ribeiro tinha marcado primeiro.

A pressão do Flamengo não se manteve no restante da etapa inicial, mas o time seguiu com o jogo sob controle, diante de um Grêmio pouco criativo e que passou a cometer mais faltas para travar o rival – em um delas, inclusive, a arbitragem consultou o VAR para determinar o cartão amarelo a Michel por uma solada em Gerson.

O cenário do jogo se alterou no segundo tempo, com o Grêmio enfim conseguindo impor seu estilo. O time gaúcho trocava passes no campo de ataque, com a movimentação constante do trio composto por Alisson, Luan e Everton e passando a dar trabalho em Diego Alves. E quem apostava na velocidade e nos contra-ataques perigosos era o Flamengo, como em um de tabelinha entre Bruno Henrique e Gabriel, que bateu com perigo, mas para fora.

O Grêmio, por sua vez, teve oportunidades quase seguidas, com Everton e Matheus Henrique, com ambos parando em defesas difíceis de Diego Alves. E se o Grêmio não marcou nesse momento de pressão, o Flamengo não perdeu a chance na sequência. Aos 23, Arrascaeta cruzou da direita, Bruno Henrique apareceu nas costas de Galhardo e cabeceou para as redes, fazendo 1 a 0.

O gol abalou o Grêmio, que não conseguiu manter o bom rendimento do começo da etapa final, passando a ser dominado pelo Flamengo. O clube carioca desperdiçou chances de ampliar o placar, com Gabriel, Bruno Henrique e Pablo Marí. Acabou, então, sendo punido no fim, aos 42 minutos. Com Filipe Luís caído no ataque, Maicon acionou Everton na direita. Ele cruzou para Pepê completar na segunda trave, igualando o placar em 1 a 1.

FICHA TÉCNICA

GRÊMIO 1 X 1 FLAMENGO

GRÊMIO – Paulo Victor; Galhardo, David Braz, Kannemann e Cortez; Matheus Henrique, Michel (Maicon), Alisson (Pepê), Luan e Everton; Diego Tardelli (André). Técnico: Renato Gaúcho.

FLAMENGO – Diego Alves; Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Marí e Filipe Luís; Willian Arão, Gerson (Piris da Motta), Everton Ribeiro, Arrascaeta e Bruno Henrique (Vitinho); Gabriel. Técnico: Jorge Jesus.

GOLS – Bruno Henrique, aos 23, e Pepê, aos 42 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Néstor Pitana (Fifa/Argentina).

CARTÕES AMARELOS – Rodrigo Caio, Michel, Diego Tardelli e Kannemann.

RENDA – R$ 5.130.325,00

PÚBLICO – 47.947 pagantes (51.406 presentes).

LOCAL – Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS).

 

 

Estadão

 

 

Prefeitura de Volta Redonda recua e confirma semifinal entre Fla e Vasco

Júlio César Guimarães/UOL
Júlio César Guimarães/UOL

A prefeitura de Volta Redonda recuou e garantiu a realização do clássico entre Flamengo e Vasco, sábado (25), às 17h (de Brasília), no estádio Raulino de Oliveira. A partida – válida pela semifinal da Taça Guanabara – dependia das garantias de segurança (Polícia Militar) e operacionais (Ferj – Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) para que fosse autorizada pela administração municipal.

Menos de uma hora depois de divulgar uma nota na qual afirmava não ter condições de receber a partida, o prefeito Samuca Silva tomou conhecimento das medidas debatidas em audiência realizada nesta quarta-feira (22) no Fórum Central do Rio de Janeiro. Ele conversou com o presidente da Ferj, Rubens Lopes, e autorizou a semifinal.

“Fomos pegos de surpresa, mas recebemos a informação de que virá um contingente policial da capital, além do contingente daqui. É preciso ter responsabilidade e atenção com o torcedor. Não tínhamos a garantia da segurança no começo. Mas isso mudou. Estou aqui para ser parceiro de Flamengo e Vasco. Acho que as forças de segurança estarão atentas”, disse à ESPN.

Mais cedo, o juiz Guilherme Schilling Pollo Duarte, do Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos, suspendeu provisoriamente a decisão que determinava clássicos com torcida única no Rio de Janeiro. O encontro contou com a presença de representantes dos quatro grandes clubes, do Ministério Público, da Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro), da Polícia Militar e do Procurador-Geral do Estado, Leonardo Espindola.

Os clubes pediram uma espécie de voto de confiança contra a medida da torcida única e firmaram pacto de colaboração pela paz nos estádios. Por conta do Carnaval, o Gepe (Grupamento Especial de Policiamento em Estádios) e a PM não garantiram a segurança para o Engenhão e solicitaram a transferência para Volta Redonda.

O Ministério Público do Rio de Janeiro havia pedido que todos os clássicos do estado fossem disputados com torcida única. A solicitação partiu depois da morte do botafoguense Diego Silva dos Santos, de 28 anos, assassinado com golpes de espeto de churrasco antes do último Flamengo e Botafogo, realizado em 12 de fevereiro, no Engenhão.

Desde o início, os clubes se posicionaram contra o pedido e o aval do juiz. Flamengo e Vasco se uniram nos bastidores e se recusaram a jogar a semifinal da Taça Guanabara com torcida única. Foi aí que o movimento para o pedido de reconsideração tomou corpo e contou com a adesão da Ferj, além dos demais clubes. Em paralelo, correm tentativas de cassação da liminar deferida.

Apesar de tudo, a transferência para Volta Redonda não agradou ao presidente do Vasco, Eurico Miranda, que detonou a Polícia Militar e tirou a responsabilidade do Cruzmaltino no clássico.

“A liminar foi suspensa de forma provisória, mas o Vasco se isenta sobre isso. A polícia diz que não pode dar segurança. Está clara a falência da segurança pública. Estou descontente com a constatação de que a PM não tem condição de dar segurança em uma partida de futebol. Abstrai qualquer problema de violência externa. Isso precisa ser tratado. Quando a polícia vem e diz que não tem condição de dar segurança porque tem carnaval, futebol de praia… Por isso que andamos assim no Rio, sem relógio. O Vasco se isenta disso”, afirmou.

Com o panorama resolvido – mesmo que momentaneamente e depois de muita confusão – Flamengo e Vasco têm uma responsabilidade considerável nas mãos e mais um compromisso decisivo pela frente na histórica rivalidade.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Prefeitura de Juiz de Fora veta semifinal Fla x Vasco por segurança

Folhapress
Folhapress

A prefeitura de Juiz de Fora divulgou nesta terça-feira (21) um comunicado no qual veta a realização da semifinal da Taça Guanabara entre Flamengo e Vasco, sábado (25), às 18h30 (de Brasília) no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio. A questão da segurança dos torcedores por conta do Carnaval foi o motivo alegado pela administração e também pela Polícia Militar de Minas Gerais. Rubro-negro, Cruzmaltino, Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) e TV Globo se reúnem na parte da tarde para tentar dar fim ao impasse.

“Em virtude da intensa programação de blocos de carnaval na cidade – como a tradicional Banda Daki – e em toda a região, o Estádio Municipal Radialista Mário Helênio estará restrito ao jogo da Federação Mineira de Futebol, Tupi X URT, no próximo fim de semana, como forma de garantir o esquema de segurança da 4a Região da Polícia Militar aos torcedores do município e aos foliões de 86 cidades da Zona da Mata em todo o carnaval. Não está autorizado, então, qualquer outro evento no estádio neste período”.

Em contato com a reportagem do UOL Esporte, o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, afirmou que o veto reforça a posição do clube. A possibilidade de cassar a liminar por torcida única nos clássicos realizados no Estado do Rio de Janeiro ainda está em pauta.

“O jogo foi marcado à nossa revelia. Só reforça a nossa posição. Chegamos a avaliar Juiz de Fora, mas dissemos claramente que éramos contra. Não teve aval do Flamengo. Cassar a liminar nós estamos tentando”, afirmou.

A Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) aguarda posicionamento da Federação Mineira. Um possível novo local já é discutido entre as partes para o clássico de sábado.

Se a liminar for cassada no decorrer do dia, o jogo deve acontecer no estádio Nilton Santos (Engenhão). Caso contrário, será necessário correr atrás de outra solução. Até mesmo o adiamento do confronto não está descartado.

Flamengo, Vasco e Federação avaliaram a possibilidade de a partida acontecer em Manaus, Brasília, São Paulo (Pacaembu), Belo Horizonte (Mineirão) e Juiz de Fora. Manaus era a praça favorita do Cruzmaltino, mas contava com a resistência da TV. Brasília agradava ao Rubro-negro, porém, não houve garantia de policiamento – problemas semelhantes em relação ao Pacaembu e Mineirão.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Vasco sofre, mas vence Portuguesa e vai à semifinal da Taça Guanabara

vascoO Vasco segue devendo na temporada. Neste sábado (18), o Cruzmaltino voltou a se apresentar mal e sofreu para vencer a Portuguesa por 1 a 0 – gol de Thalles. O resultado colocou o time de São Januário nas semifinais da Taça Guanabara com a segunda colocação do Grupo C – nove pontos.

Na próxima fase, os comandados de Cristóvão Borges enfrentam Flamengo ou Madureira, que duelam domingo (19), às 17h (de Brasília), em Volta Redonda. Independentemente do adversário, o Vasco terá que vencer, já que qualquer um dos rivais terá a vantagem do empate para ir à final do primeiro turno.

Muito calor, pouca emoção

Em um dia de calor intenso no Rio de Janeiro e de mais de 100 blocos espalhados pela cidade no pré-Carnaval, o jogo entre Vasco e Portuguesa deixou a desejar. O dono da casa se mostrou pouco inspirado e precisou de um gol de Thalles aos 18min do segundo tempo para garantir a sofrida vitória. Houve poucos lances relevantes na partida.

A torcida vascaína não escondeu a irritação com a atuação e vaiou a equipe em alguns momentos. No final, prevaleceu a comemoração pela vitória, mas com os torcedores aparentemente cientes de que Cristóvão Borges ainda tem muito trabalho pela frente.

Empolgação por Luís Fabiano

Com um jogo longe de empolgar as arquibancadas, o atacante Luís Fabiano foi uma das celebrações nas arquibancadas. O Fabuloso foi lembrado através de cantos e a torcida não escondeu a expectativa pela chegada do artilheiro, prevista para a próxima terça-feira (21).

Torcedor do Flamengo causa confusão na arquibancada

Um torcedor do Flamengo infiltrado na torcida do Vasco gerou revolta e foi agredido na arquibancada de São Januário por um grupo de cruzmaltinos no intervalo da partida.

Antes da partida, o torcedor do Flamengo havia divulgado nas redes sociais que iria “ver o Vasco ser eliminado em casa” e disse que mostraria uma tatuagem do clube rubro-negro para os rivais se tivesse 100 curtidas na postagem. Ele foi reconhecido no estádio por causa da publicação.

O flamenguista agredido saiu ensanguentado e foi detido pela Polícia Militar. O próprio Twitter do Vasco publicou a imagem do torcedor após o incidente.

VASCO 1 X 0 PORTUGUESA

Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Mauricio Machado Coelho Junior
Auxiliares: Gabriel Conti Viana e Thiago Gomes Magalhães
Cartões amarelos: Jean (Vasco); Jacozinho, Muniz e Peterson (Portuguesa)
Gol: Thalles, 18min do segundo tempo

Vasco
Martín Silva; Gilberto, Luan, Rodrigo e Henrique (Muriqui); Jean, Bruno Gallo (Escudero), Guilherme Costa (Wagner) e Nenê; Kelvin e Thalles
Técnico: Cristóvão Borges

Portuguesa
Luciano; Pessanha, Marcão, Rodrigo e Jacozinho; Marcinho Pitbull, Muniz (Peterson), Romarinho e Fabinho; Matías Sosa e Edu
Técnico: Nelson Rodrigues

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Gringos brilham, Cruzeiro aplica 4 no Corinthians e avança à semifinal

cruzeiroCom participações decisivas do uruguaio De Arrascaeta e do argentino Ramón Ábila, o Cruzeiro mostrou sua tradição na Copa do Brasil para eliminar o Corinthians na noite desta quarta-feira em vitória por 4 a 2, no Mineirão. Assim, avança para a semifinal e encontra o Grêmio, que eliminou o Palmeiras também nesta noite. O jogo de ida havia tido vitória corintiana por 2 a 1.

Superior desde o começo do jogo em Belo Horizonte, o Cruzeiro abriu o placar com Ábila, mas viu Rodriguinho deixar tudo igual ainda no primeiro tempo. Melhor após o intervalo, o Cruzeiro marcou três gols seguidos, sendo o primeiro em pênalti polêmico convertido também pelo camisa 50 argentino. O Corinthians ainda mostrou garra e reduziu com Rildo, mas viu Oswaldo de Oliveira sofrer eliminação para o velho conhecido Mano Menezes no começo de seu trabalho no Parque São Jorge.

O mando dos confrontos da semifinal será sorteado nesta quinta-feira, às 11h (de Brasília), na sede da CBF. Os jogos ocorrem nos dias 26 de outubro e 2 de novembro.

O melhor: Ábila brilha nas conclusões e classifica o Cruzeiro

A capacidade de conclusão do argentino reapareceu no Mineirão. Um jogo depois de errar pênalti contra a Chapecoense, ele foi o nome da classificação com uma finalização perfeita em assistência de De Arrascaeta e um pênalti muito bem batido, longe do alcance do corintiano Walter. Ábila já havia feito contra os corintianos pelo Brasileirão e chegou a 12 gols no ano.

O pior: Fagner vacila na saída de bola e na marcação

Referência do grupo e lateral de seleção brasileira, ele não esteve bem no Mineirão. O gol do Cruzeiro surgiu de uma saída de bola errada de Fagner e uma rápida estocada do Cruzeiro, justamente às costas dele. Arma ofensiva corintiana, o jogador também não conseguiu fazer a diferença à frente. Sem ter muito que fazer pela diferença de estatura, também perdeu pelo alto para Bruno Rodrigo no terceiro gol.

Destino conspira para De Arrascaeta, que tem participação decisiva

Uma contusão muscular aos 6 minutos de jogo retirou Rafinha de combate, mas o meia uruguaio mostrou por que é um dos preferidos da torcida. De Arrascaeta criou a jogada do primeiro gol às costas de Fagner, por onde criou muito perigo, sofreu a penalidade marcada por Wilton Pereira Sampaio e ainda anotou o quarto gol.

Foi pênalti de Pedro Henrique?

O lance polêmico da partida ocorreu aos 12min do segundo tempo, quando De Arrascaeta escapou na linha de defesa corintiana, se enroscou com Pedro Henrique e caiu na área. Wilton Pereira Sampaio marcou e deu amarelo ao zagueiro. Ábila marcou.

Mano trava saída de bola do Corinthians e mostra força na Copa do BR

Terceiro lugar na Copa do Brasil de 2004 pelo XV de Campo Bom, Mano tem história no torneio que conquistou pelo Corinthians, em 2009, um ano após ser vice-campeão. Ele também teve participação na conquista do Flamengo, em 2013. Na semifinal com o Cruzeiro, superou os corintianos com uma marcação implacável na saída de bola do time de Oswaldo no primeiro tempo e bom posicionamento defensivo nos 45 minutos finais.

Oswaldo vai bem na reorganização do time, mas é eliminado com goleada

O treinador optou por deixar Marlone no banco de reservas e viu o Cruzeiro ser bem melhor no começo do ano. Oswaldo trocou o sistema e a posição dos jogadores e até conseguiu o empate, mas viu sua equipe ser dominada no segundo tempo. Ele ainda tentou a reação com Rildo, Lucca e o próprio Marlone, mas acabou eliminado na primeira semana de trabalho.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 4 x 2 CORINTHIANS

Data: 19/10/2016 (quarta-feira), às 21h45
Local: estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO)
Auxiliares: Bruno Raphael Pires e Fabrício Vilarinho da Silva (ambos GO)
Cartões amarelos: Ariel Cabral, Pedro Henrique e Rodriguinho
Gols: Ábila, aos 13min, Rodriguinho, aos 34min do primeiro tempo, e Ábila, aos 13min, Bruno Rodrigo, aos 17min, De Arrascaeta, aos 37min, e Rildo, aos 40min do segundo tempo

CRUZEIRO: Rafael; Lucas, Léo, Bruno Rodrigo e Edimar; Henrique e Lucas Cabral; Rafael Sobis, Robinho (Alisson) e Rafinha (De Arrascaeta); Ábila (Ariel Cabral).
Treinador: Mano Menezes

CORINTHIANS: Walter; Fagner, Pedro Henrique, Balbuena e Uendel; Camacho; Romero, Giovanni Augusto (Rildo), Rodriguinho e Marquinhos Gabriel (Lucca); Guilherme (Romero).
Treinador: Oswaldo de Oliveira

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Judô: Mayra não dá chance para rivais, vai à semifinal e briga pelo 2º ouro do Brasil

Com uma determinação impressionante, Mayra Aguiar superou sem sustos duas adversárias na manhã desta quinta-feira e se garantiu nas semifinal da categoria até 78kg. Campeã mundial em 2014, medalhista de bronze em Londres 2012, bicampeã do World Masters e titular da seleção desde 2007, a gaúcha do peso-meio-pesado deixou claro que está muito forte e focada para brigar pelo ouro nesta tarde, na Arena Carioca 2. Como é cabeça de chave, a judoca que faz aos 24 anos a sua terceira participação em Jogos Olímpicos estreou já nas oitavas de final. E a atual terceira do ranking precisou de apenas 39 segundos para bater por ippon a australiana Miranda Giambelli, número 18. Nas quartas, o duelo era mais complicado, contra a alemã Laura Malzahn, sétima do ranking.

Mayra Aguiar x Laura Malzahn quartas Rio 2016 (Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CBJ)Mayra Aguiar derruba a alema Laura Malzahn no duelo pelas quartas de final (Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CBJ)

A semifinal da brasileira vai ser disputada no bloco da tarde do judô, que começa às 15h30 (de Brasília). O duelo será contra a francesa Audrey Tcheumeo, uma reedição da final do Mundial de 2014, na Rússia, quando Mayra subiu ao topo do pódio. Representante brasileiro no peso-meio-pesado masculino (até 100kg), Rafael Buzacarini começou bem, mas caiu nas oitavas, diante do japonês Ryunosuke Haga, atual campeão mundial.

Nos cinco primeiros dias do judô na Rio 2016, a seleção brasileira conquistou “apenas” o ouro com Rafaela Silva, mas frustrou as grandes expectativas que tinha de medalha com Sarah Menezes (até 48kg), Érika Miranda (até 52kg), Victor Penalber (até 81kg) e Tiago Camilo (até 90kg). Mariana Silva surpreendeu no até 63kg e acabou em quinto.

IPPON EM 39 SEGUNDOS NA ESTREIA

Mayra sabia muito bem que vencer rapidamente a sua luta de estreia seria importante para poupar forças para o decorrer da competição. Não era pretensão dela imaginar que faria isso facilmente contra a australiana Miranda Giambelli. Isso logo seria comprovado.

A gaúcha começou a sua terceira participação olímpica partindo para cima da australiana Giambelli. De cara, ela conseguiu encaixar um bonito golpe de perna e já somou um wazari. Conectando muito rapidamente com a luta de solo e imobilizou a oponente. A torcida contou junto os 15 segundos necessários para um segundo wazari. Dois wazaris valem um ippon. Vitória arrasadora da gaúcha na estreia.

Mayra Aguiar Rio 2016 (Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CBJ)Mayra imobiliza a australiana Giambelli nas oitavas de final (Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CBJ)

VITÓRIA NA TÁTICA E VAGA NA SEMI

A luta pelas quartas de final era mais complicada. Mayra entrava como favorita, mas sabia que a troca de pegadas era chata contra a alemã Malzahn. Com grande foco e determinação, a gaúcha demonstrou que tinha mais vontade. Os golpes, porém, não estavam entrando com tanta facilidade.

O jeito era lutar taticamente até que a oponente europeia se descuidasse na defesa. De tanto forçar, Mayra acabou conseguindo fazer com que Malzahn fosse punida por faltava de combatividade.

A luta entrou no minuto final com a gaúcha na frente. Mayra demonstrou muita frieza, cozinhou o combate e tentou entrar golpes para não ser punida. O que mais vale é vencer. E a brasileira conseguiu o objetivo, sem nem mesmo ser incomodada. Vaga na semifinal!

Mayra Aguiar x Laura Malzahn quartas Rio 2016 (Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CBJ)Mayra disputa pegada com Malzahn (Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CBJ)
Globoesporte.com

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Flamengo vence o Atlético-MG no Maracanã e sai na frente na semifinal

Empurrado pela torcida, o Flamengo deu um passo importante na disputa por uma vaga na final da Copa do Brasil. Na noite desta quarta-feira, num Maracanã animado por mais de 45 mil pessoas, o Rubro-Negro contou com uma noite inspirada de Gabriel para superar a muralha Victor, fazer 2 a 0 no Atlético-MG e quebrar uma sequência de seis jogos invictos do adversário. O ensaboado meia-atacante deu o passe para o gol de Cáceres e, após fazer fila em linda arrancada, sofreu o pênalti convertido por Chicão. Agora, os cariocas vão para Belo Horizonte em vantagem. E com uma motivação extra: nas quatro vezes em que superou o Galo em um confronto eliminatório, faturou o título. Já o Alvinegro, para continuar sonhando com a inédita conquista, precisará repetir o feito que conseguiu diante do Corinthians, quando perdeu o primeiro duelo pelo mesmo placar.

Foi um jogo nervoso, típico da rivalidade acirrada nos anos 80 entre os dois clubes, com muita marcação. Por sinal, os dois gols do jogo foram marcados por jogadores de defesa. A preocupação de Levir Culpi era tanta que ele adotou uma esquema mais defensivo, tirando Luan para a entrada de um segundo volante: Pierre, que perdeu tragicamente o irmão no início da semana, assassinado no interior da Bahia. Mas nem isso, tampouco os milagres de Victor, foram suficientes para segurar um Fla empurrado por 40.909 pagantes (45.642 presentes). A renda da partida foi de R$ 2.858.215,00.

Flamengo e Atlético-MG voltam a campo para a partida decisiva, valendo uma vaga na final do torneio, na próxima quarta-feira no Mineirão. Antes, porém, os dois têm compromissos importantes no domingo pelo Campeonato Brasileiro. O Rubro-Negro recebe a Chapecoense às 19h30 (de Brasília) no Maracanã atrás de uma vitória que deixaria o time praticamente sem riscos de rebaixamento. No mesmo horário, o Galo visita o Atlético-PR na Arena da Baixada para defender sua posição na zona de classificação para a Libertadores.

Flamengo x Atlético-MG - Chicão (Foto: André Durão)Cáceres (ao fundo) e Chicão: os autores dos gols da vitória rubro-negra no Maracanã (Foto: André Durão)

Victor faz milagres e segura o Fla

O primeiro lance agudo do jogo já era sinal de qual seria a tônica do duelo: velocidade da parte rubro-negra, representada pela chance clara de gol com um minuto de bola rolando; e a muralha alvinegra, simbolizada pela muralha Victor ao salvar o final da jogada cara a cara com Eduardo da Silva. Foi só o primeiro milagre da noite do goleiro, que evitou o gol de Everton e o de Jemerson, que seria contra, ao tentar cortar um cruzamento. Tudo isso com menos de meia hora. O Galo demorou a encaixar a marcação e a escapar da adversária. Tardelli flutuava em campo para tentar fugir dos carrapatos Chicão e Cáceres. Maicosuel procurou usar a habilidade, mas se passava por um, doi, lá vinha o terceiro para desarmar. Estava difícil.

Tanto que, mesmo com o Fla se jogando ao ataque, o Galo só conseguiu criar um contragolpe com perigo. Foi no final do primeiro tempo: Tardelli cruzou, e Marcos Rocha apareceu na área para cabecear tirando tinta da trave de Paulo Victor, que tirou com os olhos. A única chance atleticana foi um grande susto para os rubro-negros, que ficaram masi receosos em avançar nos minutos finais. Gabriel recebeu uma bola no ataque e olhou a sua volta. Viu Eduardo da Silva sozinho na área no meio de quatro marcadores. Estava difícil lá e cá.

Gabriel faz fila, e Paulo Victor brilha

Panorama insuficiente para que nenhum dos técnicos mudassem suas peças. Vanderlei Luxemburgo e Levir Culpi deram um voto de confiança a suas escalações. Mas os cartões amarelos fizeram os treinadores mudarem de idea rápido. Foram quatro em menos de 15 minutos, dois para cada lado. Canteros e Pierre, amarelados, deram vagas a Amaral e Luan, respectivamente. Já as saídas de Everton e Douglas Santos foram forçadas por problemas musculares. Luiz Antonio e Alex Silva entraram. Só uma das três alterações dos comandantes foram táticas: Nixon no lugar de Eduardo da Silva para dar mais velocidade ao ataque rubro-negro, e Marion no de Carlos, pelo mesmo motivo. Em meio a tantas substituições, o Fla abriu o placar aos 15 minutos aproveitando cochilo da defesa.

Flamengo x atlético-MG (Foto: André Durão / Globoesporte.com)Ensaboado, Gabriel fez fila no segundo tempo e deu trabalho à defesa atleticana (Foto: André Durão)

Começou com Marcos Rocha, que fez uma falta no limite da área em gabriel e por pouco não foi pênalti. Na cobrança, João Paulo foi cruzar e acertou o travessão. Enquanto zagueiros, volantes e o goleiro ficaram parados, parecendo não entender a jogada, Gabriel pegou a sobra e levantou na cabeça de Cáceres, que ganhou de Edcarlos e fez 1 a 0. Herói no primeiro tempo, Victor dessa vez nem se mexeu e ficou pedindo uma falta no lance. O protagonista da vez passou a ser Gabriel. O ensaboado meia-atacante, na sequência, comprovou a grande fase, escapou de uma falta no meio de campo, driblou Marcos Rocha, deixou Edcarlos para trás, invadiu a área e sofreu pênalti de Josué. Chicão cobrou para ampliar o marcador, aos 33 minutos.

Para não precisar ter que subir de novo uma enorme montanha no Mineirão, como conseguiu contra o Corinthians, o Galo foi para o abafa. Um gol seria o suficiente para deixar o Alvinegro na boa. No tudo ou nada, teve uma chance, clara, com Marion. No rebote de um chute de fora da área de Maicosuel, Marion pegou duas vezes na pequena área, mas parou, nas duas, em Paulo Victor. Foi a vez do goleiro rubro-negro virar herói. Ali, aos 37 minutos, a torcida teve a certeza de que já podia comemorar.

 

 

Globoesporte.com

Mesmo prejudicado, Cruzeiro vence o Santos e sai na frente na semifinal

No primeiro episódio da semifinal da Copa do Brasil entre Cruzeiro e Santos, o time mineiro levou a melhor. Venceu o Peixe por 1 a 0 na noite desta quarta-feira, no Mineirão, com um belo gol de Willian, e só não teve melhor sorte porque a arbitragem anulou gol legal de Ricardo Goulart. A partida de volta será no dia 5, às 22h (de Brasília), na Vila Belmiro. A Raposa joga pelo empate ou por uma derrota por um gol de diferença desde que também marque. Os santistas precisam vencer por dois gols ou repetir o placar de Belo Horizonte para levar para os pênaltis.

Considerado o melhor time do futebol brasileiro na atualidade, o Cruzeiro foi mais agudo no primeiro tempo, diante de um Santos apático e sem recursos. Mas na etapa final, a situação mudou. Embora a Raposa tenha feito um gol, mal anulado, o Peixe foi mais perigoso. Só faltou melhor pontaria a Lucas Lima, Robinho e cia.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Pelo Campeonato Brasileiro, os dois times voltam a campo no domingo, às 17h (de Brasília) . O Santos recebe o Internacional, na Vila Belmiro, e o Cruzeiro pega o Botafogo, no Mineirão.

Cruzeiro x Santos - mineirão  (Foto: Cristiane Mattos / Futura Press / Agência Estado)Willian e Lucas Lima disputam bola no Mineirão (Foto: Cristiane Mattos / Futura Press / Agência Estado)

Cruzeiro ataca, e Santos se defende

O cenário foi construído tão rapidamente que não ficou claro se foi o Cruzeiro que começou o jogo com postura ofensiva ou o Santos que adotou tática mais defensiva. O fato é que os donos da casa, mais eficientes, abriram o placar logo aos dez minutos de jogo. Willian chutou para área, David Braz vacilou ao tirar e, na sobra, o atacante da Raposa bateu de primeira, de esquerda. Belo gol.

Willian gol Cruzeiro (Foto: Igor Coelho / Ag. Estado)Willian comemora o gol do Cruzeiro
(Foto: Igor Coelho / Ag. Estado)

Preocupado, o treinador do Santos, Enderson Moreira, não saía da beira do gramado. Ele pedia mais toque de bola. Marcelo Oliveira, do Cruzeiro, também não saía da área técnica. Mas sua visão era bem melhor. Ele via um time envolvente, enquanto o rival via uma equipe perdida em campo. A única tentativa mais clara do Peixe foi apenas aos 34 minutos, em falta de Lucas Lima. Parou na barreira.

Chances perdidas e erro da arbitragem

A etapa final começou melhor para o Santos. Mas faltou pontaria. Lucas Lima teve grande chance na grande área e, sozinho, mandou por cima do gol. E Robinho, pouco depois, chutou da pequena área. Mas a bola desviou em Dedé. Entre um lance e outro, a Raposa fez um gol, invalidado de maneira equivocada. Julio Baptista não estava impedido ao chutar – Ricardo Goulart fez no rebote.

Nenhum dos dois times se poupou. O Cruzeiro não estava satisfeito com a vantagem de um gol, e o Santos não se preocupava em se atirar ao ataque. As chances do Peixe até eram mais claras. Só que faltava capricho nas finalizações. Apesar da leve superioridade, o time paulista não conseguiu o empate. E a Raposa, sem tomar gol em casa, leva vantagem para o duelo na Vila Belmiro. É verdade, aliás, que ela poderia ter sido maior.

 

Globoesporte.com

Sem sentir falta de Diego Costa, Atlético domina Barça e vai à semifinal

Diego Costa, quem? Time e torcida do Atlético de Madrid não sentiram falta do principal jogador de seu time nesta quarta-feira, quando os dois deram uma brilhante exibição de sintonia e, juntos, eliminaram o poderoso Barcelona da Liga dos Campeões da Europa, com uma vitória por 1 a 0. Foi a prova definitiva de que este time colchonero não depende somente de uma estrela e que, se está pela primeira vez em 40 anos na semifinal da competição, deve isso a cada gota de suor, e foram muitas, deixada no gramado do Vicente Calderon pelos jogadores que vestiram a camisa do time madrilenho.

David Villa e Koke gol Atlético de Madrid x Barcelona (Foto: Getty Images)Koke e David Villa comemoram gol da vitória do Atlético de Madrid: vibração em sintonia com a torcida (Foto: Getty Images)

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Se existe uma estrela que brilha mais no Atlético, ela passou o jogo inteiro no banco. Não é Diego Costa, ele nem estava lá, foi cortado minutos antes do começo da partida. Essa estrela é Diego Simeone, que mostrou contra o Barcelona toda a consistência de seu trabalho até agora no comando da equipe. Tanto na motivação de seus atletas, que atuaram ligados e empolgados desde o primeiro minuto, quanto no lado tático, que não permitiu ao time catalão fazer o que sabia de melhor. A defesa colchonera foi um paredão, que não deixou o poderoso ataque rival se infiltrar uma vez pelo meio sequer.

Enquanto Simeone passou o jogo na beira do gramado conversando com seus atletas, que demonstravam ouvi-lo, mesmo no calor da partida, do outro lado, um Tata Martino cabisbaixo, que não conseguiu extrair o real potencial de seu time. O Barcelona pouco jogou no Vicente Calderón, em uma de suas piores atuações na temporada. Jogadores apagados e afastados um do outro no campo, pouco se olhando e transbordando falta de confiança. A receita da derrota.

Messi Barcelona x Atlético de Madrid (Foto: EFE)Messi Barcelona x Atlético de Madrid (Foto: EFE)

Depois de Diego Simeone, quem brilhou foi a torcida no Calderón. Os atleticanos impuseram o clima, desde quando os dois times entraram em campo e viram na arquibancada um grande mosaico, que dizia ‘Ganhar, ganhar e voltar a ganhar’. Mal deu para ouvir os apitos do árbitro Howard Webb durante o jogo, tamanho era o barulho feito pela torcida quando o Barcelona encostava na bola. Ao fim, os jogadores do Atlético chegaram a voltar do vestiário para comemorar com os colchoneros que não saíam do estádio, tal era o êxtase com a vitória. Do outro lado, os poucos catalães que viajaram para Madri aplaudiam em reconhecimento ao triunfo rival e à bela festa.

torcida Atlético de Madrid jogo Barcelona Liga dos Campeões (Foto: Cassio Barco)Torcida do Atlético de Madrid dá o recado antes do jogo: ‘Ganhar, ganhar, ganhar, e voltar a ganhar’ (Foto: Cassio Barco)

 

O Atlético levou a melhor sobre o rival e pode enfrentar outro rival espanhol na semifinal, o Real Madrid. Também estão entre os quatro, Chelsea e Bayern de Munique, outro classificado nesta terça-feira, depois de vencer o Manchester United por 3 a 1, de virada, na Allianz Arena. O sorteio da próxima fase será realizado na sexta-feira que vem, às 7h (de Brasília). Não há restrição para o emparelhamento, qualquer confronto é possível.

INTENSIDADE CONTRA NEYMAR SÓ

 

torcida Atlético de Madrid jogo Barcelona Liga dos Campeões (Foto: Getty Images)Torcida do Atlético de Madrid abre cachecóis e faixas para fazer bonita festa (Foto: Getty Images)

O Atlético mostrou sua intensidade logo de cara. Quando Raúl Garcia deu um chute exatamente do mesmo local de onde Diego fez o gol do jogo da ida no Camp Nou, e mandou para fora, deixou os torcedores do Barcelona assustados. Mal sabiam os catalães o bombardeio que vinha pela frente.

Era como se o time da casa estivesse girando em outra rotação. Adrián López, que teve a árdua função de substituir Diego Costa, principal estrela do Atlético, acertou a trave na primeira chance que teve. O atacante ganhou de Mascherano na velocidade e chutou forte. Não marcou, mas a jogada não terminou. Enquanto os barcelonistas pareciam espectadores de luxo, Villa pegou o rebote pela esquerda e cruzou de volta para o reserva, que subiu nas costas de Jordi Alba e só ajeitou de cabeça para Koke. Na pequena área, o meia usou toda a força que tinha para empurrar a bola para dentro do gol e mandar a mensagem para o adversário. Seria preciso muita gana para passar pelos colchoneros.

Koke gol Atlético de Madrid e Barcelona Liga (Foto: AFP)Bola bate na rede, Mascherano reclama, Pinto salta no vazio, e Koke sai para comemorar o gol na gana (Foto: AFP)

 

Era o contrário do que queria o técnico Tata Martino. O argentino passou a semana dizendo que esperava marcar primeiro, o que não havia acontecido até então em nenhum dos outros quatro confrontos entre as duas equipes no ano. O discurso do treinador também era de igualar na força e na raça para vencer. Só que seu time parece não ter assimilado bem o pedido. A pressão do Atlético na saída de bola deixou o Barça desestabilizado. A torcida jogou junto e ajudou com vaias ensurdecedoras em todo momento que um jogador de preto tocava na bola. Com o trio Pinto, Mascherano e Bartra completamente desentrosado, os madrilenhos fizeram a festa.

Ainda estamos no comecinho do jogo. Aos sete minutos, Pinto quase entregou para Adrián ao receber bola recuada. Logo na sequência, mais uma bobeira na na marcação da defesa, que deixou David Villa sair sozinho pela esquerda. De canhota, o atacante deu um chute que acertou a trave pela segunda vez na partida. Tinha mais. Pouco depois, o ex-Barcelona recebeu mais uma com liberdade, que terminou na trave de novo. O atacante se irritou e chutou a placa de publicidade. Sabia da importância de fazer aquele gol e de enfraquecer o rival, que ainda dependia só de marcar  uma vez para voltar a brigar pela vaga.

Do outro lado, o Barcelona esteve irreconhecível. Iniesta deixou de dominar bolas fáceis. A posse de bola e a infiltração pelo meio que tornaram a equipe catalã de alto nível não aconteceram. O que se viam eram insistentes tentativas de cruzamento na área, mesmo que o time jogasse sem um centroavante. Em uma delas, Messi apareceu sozinho após cruzamento de Daniel Alves e quase marcou, mas cabeceou para fora.

Miranda e Neymar Barcelona x Atletico de Madrid (Foto: AFP)Neymar não se abala com trombada, e Miranda acaba indo ao chão pouco antes de caneta em Tiago (Foto: AFP)

 

Por outro lado, Neymar se mostrou confiante. Com a atuação no jogo de ida, o atacante parece ter convencido Tata Martino de que precisa jogar na esquerda. Provou também que está melhor adaptado ao futebol europeu. Quando levou trombadas, tropeçou e não caiu. Quando perdeu a bola, voltou, dividiu e a recuperou. E quando criou a melhor oportunidade do Barcelona no primeiro tempo, colocou por baixo das pernas de Tiago e cruzou para Messi, que não aproveitou, e chutou para fora. Puxado pelo brasileiro e comandado por Xavi no meio de campo, o Barça terminou melhor o primeiro tempo. Mas precisaria de mais para vencer o jogo.

BARÇA MELHORA, MAS NÃO MARCA

 

Messi Barcelona x Atletico de Madrid (Foto: EFE)Apagado no jogo, Messi parece não acreditar no que vê no Vicente Calderón (Foto: EFE)

O Barcelona voltou para o segundo tempo mais ligado. E com Neymar e Xavi ainda em destaque. Logo no primeiro minuto, o espanhol fez lançamento preciso para o atacante, que saiu diante de Courtois, que cortou a tentativa de drible. No rebote, Messi teve o chute travado.

O time catalão conseguiu colocar mais de sua cara na segunda parte do duelo, atuando sempre com os dez no campo de ataque, deixando o Atlético acuado. Enquanto o Barcelona pressionava, os jogadores do time da casa recorriam a sua torcida para ajudar dentro de campo. Em diversos momentos, os colchoneros se voltaram para as arquibancadas pedindo o apoio, que veio em alto e bom som. Time e torcida estavam em sintonia.

As melhores chances eram do Barça, que se mostrou mais vivo na partida. Xavi perdeu uma chance parecida com a de Messi no primeiro tempo, ao cabecear para fora um cruzamento de Daniel Alves. Era a hora de mudança. Fàbregas, que continua sem render, foi substituído por Alexis Sanchéz. Era o movimento de Tata em busca de um time mais ofensivo.

Neymar, Busquets e Jordi Alba Barcelona x Atletico de Madrid (Foto: Getty Images)Neymar, Busquets, Jordi Alba e Mascherano, encoberto, reclamam muito com árbitro Howard Webb (Foto: Getty Images)

Mas, com os espaços abertos, o jogo voltou a ser do Atlético. O meia Diego, que entrou no lugar de Ádrián, teve duas oportunidades logo ao entrar em campo, na mesma jogada. Em ambas, parou no goleiro Pinto.  Aliás, o goleiro do Barcelona, que sofreu com a irritação dos próprios companheiros durante a primeira etapa, salvou o Barcelona de um desastre aos 25, quando Gabi recebeu sozinho, e chutou rasteiro, dentro da área. Pinto mandou para escanteio.

Nos torcedores do Barcelona, era predominante o semblante triste. Só abriram suas bocas quando viram a placa de substituição subir para Iniesta, que completou 500 jogos pelo time, sendo trocado por Pedro. A mudança fez a partida virar ataque contra defesa.

Neymar quase empatou aos 32 minutos. Em cruzamento de Daniel Alves, mergulhou e cabeceou perto da trave. Impressionantemente, as melhores oportunidades do Barça surgiram em jogadas aéreas, o que nunca foi a especialidade do time catalão. Mas, dessa vez, o atacante, que já havia autor de dois gols sobre o Atlético na atual temporada, não conseguiu deixar sua marca. Ninguém no Barcelona conseguiu.

E o Atlético quase ampliou antes do fim. Em lançamento longo, Cristian entrou na área e disparou a bomba. Mas Pinto defendeu bem. Até o apito do árbitro, os colchoneros gastaram o tempo em campo e fizeram muita festa na arquibancada. A Espanha agora tem dois times na semifinal da Liga dos Campeões da Europa, ambos de Madri.

 

 

gLOBOESPORTE.COM

É dia de Lucy Alves: paraibana encara a semifinal do The Voice Brasil

lucyChegou a quinta-feira. E desde que a paraibana Lucy Alves entrou na disputa do The Voice Brasil esse é o dia de grudar o olho na televisão e torcer.

Mais que torcer, nessa fase é também o momento de votar muito para garantir que a cantora chegue até a final do concurso que vai escolher a nova voz do Brasil.

“Abram alas. Aqui é nosso território e a gente vai pedir licença para passar com a nossa música”, disse Lucy em entrevista ao site do programa.

Reveja aqui todas as apresentações da cantora

 

 

blogdogordinho