Arquivo da tag: Romário

Polêmica cirurgia de Romário rende processos a médico, mas não é ilegal

romarioA cirurgia para controle de diabetes, pela qual passou o senador Romário (PSB-RJ), gerou muito debate depois que o ex-atacante postou uma foto na praia, visivelmente mais magro e abatido, no início de ano. Além de gerar polêmica entre os especialistas, interposição ileal é alvo de processos na Justiça e questionamento de órgãos representativos.

O responsável pelo procedimento é o médico Áureo Ludovico de Paula. Familiares de sete pacientes de Ludovico alegam que os parentes morreram em decorrência de complicações da cirurgia, e outras sete declaram ter ficado com sequelas graves. O MPF (Ministério Público Federal) e o CFM (Conselho Federal de Medicina) receberam as reclamações e pedem que a técnica seja proibida até que estudos científicos comprovem a eficácia e segurança do procedimento.

Apesar desses questionamentos, o médico pode realizar normalmente o procedimento, pois tem amparo judicial para isso. Em sua defesa, Áureo Ludovico de Paula afirma que “centenas e centenas de pessoas foram beneficiadas pelo procedimento”, sem citar um número preciso. Entenda a polêmica:

Repercussão começou com cirurgia em Faustão

Áureo ficou nacionalmente famoso depois que a revista Veja publicou uma reportagem de capa com o médico, em 2007, em que afirmava que uma cirurgia experimental desenvolvida por ele poderia ser uma revolução no tratamento do diabetes tipo 2. Em 2009, ele ganhou novamente visibilidade depois de realizar uma outra cirurgia: a de redução de estômago no apresentador Fausto Silva, da Rede Globo. No caso do apresentador, o objetivo da operação era a perda de peso.

Em 2010, MPF e CFM entraram com uma Ação Civil Pública na Justiça Federal em Goiás (o médico atua em Goiânia) para proibir de Paula de fazer a interposição ileal. O procedimento assemelha-se a uma cirurgia bariátrica convencional. A diferença da técnica está na recolocação do íleo (fim do intestino delgado) entre o duodeno e o jejuno, o que aumentaria a produção de hormônios da saciedade e melhoraria o diabetes.

Para o médico, o motivo da técnica ser tão procurada é sua taxa de sucesso. “Existe um problema: diabetes. Você pode ir no melhor clínico do mundo. Ele vai dar remédios para controle, mas você terá zero por cento de cura. Aí você vai ao meu consultório e a cirurgia que eu faço dá de 85% a 90% de cura. É claro que o paciente vai tender para cá. Claro que o risco com a cirurgia é maior do que com o remédio. Afinal, não tem procedimento cirúrgico sem risco algum. Mas a pessoa que sofre da doença consegue balancear os prós e contras e acaba optando pela cirurgia, pois a chance de se curar e resolver o problema é maior”, explica.

Por que MPF e CFM querem barrar a cirurgia?

De acordo com a ação movida pelo MPF, o procedimento nunca passou pelos protocolos de aprovação necessários no país, não é reconhecido pelo CFM e pelo CNS (Conselho Nacional de Saúde) e deveria ser classificado e feito de forma experimental –o que submeteria o trabalho a uma série de regras de controle e análise de resultados antes de ser aprovado e oferecido sem controvérsias. Mais do que isso, considerada experimental, a cirurgia deveria ser oferecida gratuitamente (com o paciente também sem receber nada). Ainda em 2010, a Justiça concedeu uma liminar proibindo Áureo de realizar o procedimento, sob pena de multa de R$ 1 milhão por cada operação ilegal.

Em entrevista ao UOL, de Paula afirma que a cirurgia sempre foi legal e nunca experimental. “Até porque a cirurgia de interposição ileal foi descrita e publicada na revista “Annals of Surgery”, em 1928. A interposição ileal, como tratamento para obesidade, foi realizada inicialmente em 1985. Então esse termo experimental sofreu um alargamento impreciso, talvez tenha sido utilizado para chocar: ‘Fulano fez algo experimental em pleno século 21”, diz.

O CFM explicou, em nota à reportagem, como configura como experimental a cirurgia. “Essa técnica, que pode ser empregada no tratamento de casos de obesidade mórbida, no entanto, não é reconhecida pelo CFM para tratamento de doenças metabólicas. Com essa finalidade, ela pode ser realizada apenas em caráter experimental”, afirma a posição do conselho.

No entanto, o médico não vê a atitude do CFM como algo negativo. “Prefiro acreditar que foi uma avaliação conservadora do assunto, não quero ficar vendo coisas ocultas negativas. Já o MPF comprou essa ideia do experimental que veio do conselho, por isso, entraram com essa ação contra. Os médicos da câmara técnica do CFM viraram peritos judiciais e embasaram a decisão dos juízes federais dizendo que não era experimental”, explica.

Proibição foi suspensa e o médico voltou a fazê-la em 2014

Em 2014, no julgamento do mérito da questão, o juiz substituto da 8ª Vara Federal, Felipe Andrade Gouvêa, suspendeu a proibição e deu ganho de causa ao médico e ao CRM-GO (Conselho Regional de Medicina de Goiás), que também era alvo da ação por permitir o trabalho experimental do cirurgião sem restrições. Em sua sentença, o juiz alega que um comitê de especialistas chegou à conclusão que a cirurgia não é experimental, pois combina várias técnicas já aprovadas, e que Áureo é reconhecido com citações em mais de 400 publicações científicas internacionais. O MPF e CFM recorreram, pois o procedimento não passou pelo protocolo de aprovação, e ainda não há nova sentença. O conselho federal segue recusando-se a reconhecer a cirurgia.

“A Câmara Técnica de Cirurgia Bariátrica, criada pelo CFM especialmente para analisar os trabalhos desenvolvidos na área, continuará ativa”, diz nota divulgada pela entidade na época. “O grupo avaliará estudos e pesquisas, sendo que se os resultados indicarem eficácia e segurança de técnicas analisadas, o debate poderá ser reaberto de forma a oferecer ao brasileiro novas opções terapêuticas.”

Após a repercussão da cirurgia feita por Áureo no senador Romário, a SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia) divulgou nota endossando a posição do CFM: “É importante deixar claro à população que o procedimento pelo qual Romário passou, que foi a cirurgia de interposição ileal, ainda está em fase experimental no Brasil e não deve ser indicada fora de um protocolo de estudo aprovado pelo Conselho Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP).”

Processos contra o médico

De acordo com o advogado Marcelo de Resende, o doutor Áureo não explica aos pacientes que sua técnica cirúrgica é experimental e, portanto, dos riscos adicionais envolvidos no procedimento. “Ele realiza essas cirurgias sem nunca ter submetido o procedimento aos órgãos de regulamentação e o pior, sem explicar isso para os pacientes”, diz o advogado. “São dezenas de vidas destruídas. Tem muito mais vítimas que estas do processo do MPF e do CFM. Semana passada mesmo eu fiquei sabendo que morreu mais um”, afirma Resende.

Em um dos casos denunciados pelo advogado e familiares ao CRM-GO e ao MPF, uma paciente de 54 anos que sofria de diabetes viu uma entrevista do médico na TV e resolveu tentar. Ela teve uma perfuração de divertículo, passou por outras três cirurgias, mas morreu em 2006. Em outro caso, um paciente fez o procedimento com o médico em 2009. Após complicações na operação, ficou em estado vegetativo até o ano passado, quando morreu.

Segundo o advogado, quando a Justiça liberou o procedimento em 2014, o CRM-GO encerrou todas as investigações que estavam em curso no órgão depois de denúncias de supostas vítimas ou familiares. “Hoje, defendo dois clientes na Justiça Civil de Goiás. Em um processo, onde o operado ficou inválido, ganhamos uma indenização de R$ 50 mil e estamos recorrendo. No outro não há sentença até hoje.”

A reportagem do UOL não conseguiu contato com a assessoria de imprensa do CRM-GO para comentar a polêmica e explicar os procedimentos a respeito do doutor Áureo.

Em sua defesa, de Paula destaca que foi absolvido de todos os processos relacionados à técnica. “Eles já foram julgados e fui absolvido por unanimidade. Os riscos são inerentes ao procedimento. Não há nenhuma chance de um procedimento médico ser sem risco algum. E os pacientes diabéticos, por si só, já são pacientes de risco. Os problemas com as operações foram expostos, julgados e absolvidos. O procedimento é eficaz, mas tem um risco a ser considerado”, explica.

Romário está bem? O que ele diz?

O ex-jogador não se pronunciou publicamente até agora sobre a repercussão. Chegou a colocar algumas fotos mais magro em seu Instagram, mas depois as retirou. De acordo com sua assessoria de imprensa, o senador Romário “está ótimo” depois de passar pelo procedimento cirúrgico e se sente muito bem.

De Paula afirma que segue acompanhando o senador rotineiramente e que ele encontra-se bem, “curado ou em remissão do diabetes, colesterol elevado e outros problemas”. Segundo o médico, o ex-jogador está com peso ideal para sua altura e tem jogado futebol desde o 12º dia após a cirurgia por via laparoscópica.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Romário diz que não odeia Pelé, mas volta a atacá-lo sobre protestos

RomarioNos últimos meses, Romário e Pelé se envolveram em discussões sobre a possibilidade de haver protestos populares durante a Copa do Mundo de 2014. Enquanto o ex-camisa 10 do Santos quer que a população espere o término do Mundial para se manifestar, o deputado federal apoia os protestos em meio à Copa. Apesar de já ter dito que “Pelé calado é um poeta”, Romário diz hoje respeitar o “Rei”, mas segue crítico quanto à opinião de adiar as manifestações.

“Não odeio o Pelé. Pelo contrário, respeito. Mas xinguei ele pelo fato dele dizer que o povo não deveria protestar durante a Copa. O povo está cansado de ser roubado”, disparou Romário, em entrevista à BBC.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“O Pelé não tem nem capacidade para dizer o que está acontecendo no Brasil, porque nem vive aqui, não acompanha, está sempre viajando. Eu tenho (capacidade). E o que afirmo que está acontecendo no Brasil (Copa do Mundo) é o maior roubo da nossa história”, completou o deputado.

Romário também defendeu que os protestos sejam pacíficos, e afirmou que eles talvez possa ser até mais efetivos se forem realizados antes ou depois dos jogos, e não especificamente nos dias das partidas do Mundial.

“Sou sempre a favor de protestos pacíficos. O povo tem direito de fazer o que quiser, mas não significa que tem que protestar com violência. E também, se você pensar, não precisa nem atrapalhar os jogos. A Copa dura um mês, e os protestos podem ser feitos em dias antes ou depois dos jogos, vai chamar mas a atenção”, disse, assegurando que não está torcendo contra a Copa do Mundo, apesar de não ver “nada de proveitoso” no torneio.

“As coisas saíram tão erradas nesse pré-Copa que não consigo ver nada de proveitoso para tirar dela. Vou torcer para tudo dar certo, em termos de organização, mas fora de campo já perdemos, de tanto dinheiro que já jogamos fora. Quero ver um torneio organizado e o Brasil campeão dentro de campo”, ressaltou.

180 Graus

No caso de Romário e modelo transexual Thalita Zampirolli, a transfobia ultrapassa o affair

thalita“Transexual sai com Romário e diz: ‘Somos amigos bem íntimos’”, diz a chamada do jornal O Dia desta terça-feira, 17, mostrando uma foto da modelo Thalita Zampirolli de mãos dadas com o ex-jogador. Num primeiro momento, pensei: E daí? Não é de hoje que sabemos que belas travestis e mulheres transexuais se envolvem com jogadores. Depois, pensei que o romance assumido de uma trans com um ídolo do futebol poderia contribuir com a causa trans e para a naturalização do relacionamento – que geralmente cai no amor clandestino ou “na pegadinha do Mallandro”. Até que lamentavelmente vi a enxurrada de transfobia (ou despreparo) sendo derramada pela publicação, pela própria trans, por Romário e pelos leitores – muita gente na minha própria timeline compartilhando com deboche.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Primeiro, o jornalista tratou do affair como se fosse o acasalamento da mulher macaca. Perguntas óbvias como ‘Rola beijo na boca?’ ou agressivas e insistentes como ‘Qual é o seu nome de batismo?’, ‘Mas você tinha um primeiro nome, não é?’, ‘Ninguém diz que você é transexual… Ou diz?’ foram despejadas em cima da modelo. Questões que certamente não teriam o menor cabimento se o jornalista não estivesse munido da ideia de que o relacionamento com uma trans fosse digno de piada. Ou de que uma mulher transexual nada mais é que uma mulher e que tais perguntas destinadas a uma pessoa que lutou pela identidade feminina são no mínimo desrespeitosas.

Depois, senti meus ouvidos doerem com as respostas despolitizadas e munidas apenas de vaidade de Thalita – algo comum em algumas mulheres transexuais, que após passarem pela cirurgia de redesignação e mudança de documentos decidem viver apenas da passabilidade cisgênera, renegando a condição trans. Tanto que, ao receber o elogio de que tem a voz feminina, ela diz que por causa de sua aparência prefere viver de forma diferenciada, longe das lutas LGBTs e da prostituição. ‘Sou criticada por não apoiar manifestações LGBT. Eu vivo em outro mundo. Não apoio. Muitas manifestações pedem respeito, mas você vê hoje em dia nas paradas gays muita falta de respeito. Eles se beijam [???], transam na areia… Não apoio isso. Trabalho com vários gays, eles têm um padrão de vida diferente da maioria e poderiam pedir respeito de forma diferenciada”.

O que Thalita não poderia imaginar – talvez por ser “diferenciada” e não estar informada sobre o cenário T no Brasil (e este é um direito dela, mas infelizmente o mundo é um só) – é que Romário, seu amigo íntimo, fosse manifestar contra o romance público e negar tudo, dizendo que ‘ela não é mulher’ e que, por esse motivo, não teria rolado nada entre eles. Em seu Facebook, o ex-atleta alegou que Thalita é gente boa, sangue bom, é sua camarada, mas garantiu que certamente ‘casamento não iria rolar’, soltando uma gargalhada logo em seguida. ‘Disse que respeito o gosto pessoal de qualquer pessoa, mas volto a afirmar: eu gosto de mulher!’, escreveu.

“Ela é sangue bom, mas eu gosto de mulher”, disse Romário (Wikimedia Commons)

Surgiram ainda a onda de comentários espinhosos abaixo da entrevista. ‘Quem diria o Romário pegando traveco…kkkk’, ‘Doutor Romário dando o ré no quibe’, ‘Quem diria… Romário que sempre foi um cara ‘machão’… Nada contra a opção homossexual, mas a gente se surpreende quando descobre que uma pessoa do perfil do Romário faz essa opção’. Um feedback claro de como a transfobia está presente no discurso, de como uma mulher transexual não tem a sua identidade feminina legitimada, de como o órgão genital ainda é visto como o destino, e de como uma transexual é percebida como um homem querendo se passar por quem não é. Ou seja, “uma farsa que deve ficar somente entre quatro paredes – jamais em público”.

Porém, esqueceram de dizer para Romário (e para muita gente) que ninguém nasce mulher, torna-se mulher [como bem disse Simone de Beauvoir] por uma construção social e física. Esqueceram de dizer que a transexualidade não é o mesmo que homossexualidade e que o genital não define o gênero. Esqueceram de dizer ainda que a atração sexual não se explica, não é digna de questionamento e muito menos de deboche. Por fim, esqueceram de avisar a todos que (um pouco) de informação, respeito e consciência política faz bem para a sociedade em geral. Inclusive para nós mesmos e para a quebra dos nossos preconceitos internalizados, que nos fazem reproduzir muitas vezes o discurso do opressor.

Afinal, enquanto ficamos presos a esse tipo de desserviço na mídia, Thalita continua considerando o beijo LGBT em público um desrespeito, Romário continua querendo abafar o relacionamento com uma transexual e deslegitimá-la como mulher, o leitor continua propagando as suas fobias na rede. E o que poderia ser uma linda história de amor, se transformou em mais uma triste manifestação de transfobia e outros preconceitos. E o pior: de todos os lados.

 

Por Neto Lucon, do Blog NLucon

Romário brinca com boato sobre relação com transexual: “gosto de mulher”

Foto: Facebook / Reprodução
Foto: Facebook / Reprodução

O ex-atacante Romário ironizou em seu Twitter os boatos de que estaria saindo com a transexual capixaba Thalita Zampirolli, divulgados pelo colunista Léo Dias no jornal O Dia desta terça-feira. Segundo Dias, Romário “foi flagrado deixando o Barra Music de mãos dadas” com Thalita, 24 anos.

 

No Twitter, o deputado federal tratou o assunto com bom humor. “Estão colocando mais uma na minha conta – só que dessa vez uma transgênero”, publicou ele, que apresentou a amiga e ironizou a grande repercussão que sua vida pessoal ganha.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“O nome dela é Thalita, gente boa, sangue bom, inclusive é minha camarada, minha parceira e de alguns amigos meus também”, afirmou o ex-camisa 11. “Agora, como (todo) mundo já sabe, notícias minhas, dependendo do objetivo, viram novela ou seriado. Vamos acompanhar para ver com quantos capítulos essa terminará e, o mais importante, como terminará”, completou.

 

 

 

 

 

 

 

Com uma postura que misturou o respeito e o bom humor, Romário descartou uma possível relação com Thalita. De quebra, afirmou acreditar ser alvo de polêmicas por conta de sua atuação como deputado federal.

 

“Com certeza, galera, casamento não vai rolar. Há algum tempo, disse que respeito o gosto pessoal de qualquer pessoa, mas volto a afirmar: eu gosto de mulher”, disse, indo além.

 

 

 

 

 

“Depois da política, passei a incomodar, mas realmente estou demais. Não sou sou candidato a cargo majoritário não, viu? Nem presidente, nem governador. Vou continuar fazendo as coisas que faço, indo para a noite, jogando minha pelada, meu futevôlei, indo para a praia. Feliz igualzinho”, encerrou.

 

Terra

Filho de Herzog e Romário irão à sede da CBF entregar petição contra presidente da entidade

Na próxima segunda-feira (1/3), Ivo Herzog, filho do jornalista Vladimir Herzog, assassinado durante a ditadura nas dependências do DOI-Codi, e o deputado federal Romário (PSB-RJ) entregarão na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) a petição “Fora Marin!”.
Crédito:Agência Brasil
Deputado abraçou a causa e pede saída de Marin da CBF
O abaixo-assinado cobra a saída do presidente da entidade, José Maria Marin, devido sua ligação com o regime militar. O documento já conseguiu quase 54 mil apoiadores.
O documento será entregue à CBF no 49º aniversário do golpe civil-militar que instaurou a ditadura no Brasil. Além de Romário, Chico Buarque e Fernando Gabeira assinaram a petição.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ivo ainda pretende enviar cópias da petição à direção dos 20 principais clubes que participam do Campeonato Brasileiro e a todas as federações estaduais de futebol.
Histórico autoritário
José Maria Marin era deputado estadual filiado à Arena, partido que garantia sustentação política ao regime. Em 9 de outubro de 1975, Marin pediu providências às autoridades contra a atuação de militantes de esquerda na TV Cultura, onde Herzog trabalhava.
Dezesseis dias depois, o jornalista foi detido e assassinado após se apresentar voluntariamente no DOI-Codi. Um ano mais tarde, Marin fez um discurso de elogio ao delegado Sérgio Fleury, conhecido por sua violência na ditadura.
No pronunciamento, afirmou que “Sérgio Fleury se dedica ao máximo, sem medir esforços nem sacrifícios para honrar não apenas a polícia de São Paulo, mas acima de tudo seu título de delegado de polícia. Ele deveria ser uma fonte de orgulho para a população de nossa cidade”.
Segundo Ivo, em razão desta ligação com o autoritarismo, o presidente da CBF não tem condições de permanecer no cargo.
Portal IMPRENSA

Romário diz que time brasileiro é horroroso

Romário chamou comandante brasileiro de frouxo / Divulgação/Mowa Press

Romário, ex-jogador da seleção brasileira e atual deputado federal, voltou a criticar muito o técnico Mano Menezes. Após a vitória brasileira por 2 a 1 sobre a Argentina, nesta quarta-feira, em Goiânia, o baixinho chamou o time brasileiro de horroroso e disse que na Copa de 2014, o Brasil não passará da primeira fase.

“Pênalti! 2×1, mais uma vitória não convincente e o pior, mais um jogo horroroso do Brasil. Galera, se continuar com esse time o Brasil não vai passar nem na primeira fase na Copa do Mundo!”, criticou.

O deputado, que sempre usa as redes sociais para criticar o técnico brasileiro, não perdeu, mais uma vez, a chance de difamar Mano Menezes. Ele até pediu ajuda da presidente Dilma Rouseff.

“O artilheiro das Olimpíadas Leandro Damião só entrou agora no jogo (21 minutos). Futebol é muito imprevisível pode ser que daqui pra frente o Brasil até faça 3 ou 4 gols. E sabe o motivo? porque o treinador é frouxo, medroso, e não coloca os jogadores que tem que colocar. Só pra finalizar: Presidente, vai ou não vai tomar uma providência? Vamos ficar passando essa vergonha até quando?”, disparou.

As cobranças do ex-jogador ao técnico brasileiro ficaram frequentes na disputa das Olímpiadas de Londres, onde o Brasil ficou com a medalha de prata.

band

Romário chama Mundial de 2014 de ‘Copa da mentira’ e alfineta Ronaldo

O ex-atacante Romário não perde a mania de polemizar sobre a Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Em entrevista à revista “Rolling Stone” de abril, o deputado federal afirmou que o Mundial será “a Copa da mentira”.

– O Brasil não vai fazer a maior Copa de todos os tempos. E não adianta ficar pirando! Vamos passar vergonha. Será a Copa da mentira, onde tudo será maquiado – afirmou.

Romário alfinetou Ronaldo na revista Rolling Stones
Romário alfinetou Ronaldo na revista Rolling Stones Foto: Murillo Meirelles / Rolling Stones

O ex-camisa 9 da seleção brasileira aproveitou para alfinetar Ronaldo, que também é um dos membros do COL. O baixinho ironizou o fato do Fenômeno querer se tornar presidente da CBF.

– Ronaldo diz que quer ser presidente da CBF, mas só depois que passar a confusão da Copa. Assim é fácil – disse.

Romário acha que o Brasil passará vergonha na Copa de 2014
Romário acha que o Brasil passará vergonha na Copa de 2014 Foto: Murillo Meirelles / Rolling Stones

Sobre a vida pessoal e a vida política, Romário contou que já estudou Design de Moda na faculdade Estácio de Sá, visando ser “estilista de moda masculina e feminina”. Porém não deu certo. Agora deputado federal eleito pelo Rio de Janeiro, o ex-jogador se divide entre o plenário e praia. Perguntado se frequenta balada em Brasília ele confidencia:

– Já tive bastantes fraquezas – conta.

Romário afirmou que já escapuliu nas noites de Brasília

Extra