Arquivo da tag: reivindica

Chió reivindica implantação de maternidade e reformas nos hospitais de Serraria e Solânea

Em audiência com o secretário de Saúde do Estado, Dr. Geraldo Medeiros, na tarde da terça-feira, 01 de Outubro, o deputado estadual Chió (REDE) reivindicou atenção do Governo do Estado para melhorias em saúde de alta complexidade, nas regiões do Brejo, Curimataú e Borborema.  

O parlamentar relatou a difícil situação de famílias, em uma região com mais de 400 mil pessoas, que não possuem cobertura de uma maternidade.

“Na Paraíba há uma região descoberta de serviços públicos obstétricos de alta complexidade. Falta uma maternidade para atender as mães de toda uma região compreendida entre as cidades de Esperança, Areial, Remígio, Areia, Algodão de Jandaíra, Arara, São Sebastião de Lagoa de Roça e muitas outras. São mães que precisam não só de atendimento, mas, de todo um acolhimento e humanização na hora mais importante de suas vidas”, defendeu Chió.

O parlamentar informou que segundo o secretário de Saúde do Estado, Dr. Geraldo Medeiros, já existem estudos técnicos para implantação da maternidade e para que as reformas dos hospitais Solânea e Serraria, de fato aconteçam. “O nosso trabalho é para que esses dois hospitais sejam contempladas o mais rápido possível, com essas necessárias reformas”, enfatizou Chió.

Fonte: Ascom Deputado Estadual Chió (REDE)

 

 

Deputado Chió reivindica instalação de câmeras de segurança no Brejo, Curimataú e Seridó

O deputado Estadual Chió (REDE) reivindicou a ampliação do Sistema de Monitoramento de Segurança do Estado, com a instalação de câmeras de segurança nas regiões do Brejo, Curimataú e Seridó.

De acordo com o parlamentar, recentemente o governador João Azevedo (PSB) anunciou a instalação de 1.500 câmeras de segurança, através de um Sistema de Monitoramento com Centros Integrados de Comando e Controle (CICC), junto a Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros, nas cidades de João Pessoa, Campina Grande e Patos.

“Através de requerimento, solicitei ao Estado que essas câmeras de segurança chegassem também ao Brejo, Curimataú e Seridó. Que o monitorando eletrônico e todo esse trabalho de inteligência contemplasse de Picuí a Juarez Távora, de Lagoa Seca a Bananeiras, tanto nas entradas, saídas, e dentro dos Municípios”, solicitou Chió.

O deputado destacou ainda, a necessidade de um monitoramento eletrônico na PB 079, PB 105 e BR 104. “O governo anunciou tecnologia de última geração para monitoramento em longo alcance. Esse recurso contra o crime precisa chegar o mais rápido possível a toda Paraíba”, completou o deputado.

Fonte: Ascom Dep. Estadual Chió (REDE)

 

 

Tovar reivindica ramal da Ferrovia Transnordestina para a Paraíba

TovarO deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB), apresentou requerimento na Assembleia Legislativa da Paraíba, que faz apelo aos Deputados Federais e Senadores da Paraíba, no sentido de incluírem na pauta de reivindicações ao Governo Federal um ramal da ferrovia Transnordestina para atender a Paraíba.

Iniciada em 2006 e prevista, à época, para ser finalizada em 2010, a ferrovia Transnordestina está com aproximadamente 50% das obras concluídas. A expectativa atual é que o restante seja executado até o fim de 2016, com a inauguração de todos os trechos da obra rodoviária, a qual ligará a cidade de Eliseu Martins, no sertão do Piauí, aos portos de Pecém, no Ceará, e Suape, em Pernambuco.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Tovar comentou que a obra que estava praticamente paralisada. Esperada pelo setor produtivo cearense, que aguarda soluções para gargalos ligados à logística, a ferrovia terá 1.753km e vai passar por 29 municípios no Ceará, 19 no Piauí e 35 em Pernambuco.

“A Paraíba não pode ficar de fora da Transnordestina, visto que o projeto vai trazer sustentabilidade ao estado e o desenvolvimento de nossa economia. Será o vetor estruturante e logístico que trará desenvolvimento do Nordeste, e, particularmente para a Paraíba”. Justificou Tovar.

 iParaiba com Ascom

PSB reivindica direito “exclusivo” de decidir sobre substituto de Campos

roberto amaralUm dia depois da morte do candidato à Presidência da República e presidente do PSB, Eduardo Campos, o Partido Socialista Brasileiro divulgou um comunicado oficial no qual ressalta que a decisão a respeito do processo político-eleitoral será tomada pela direção pessebista de acordo com seus critérios. Este direito é do partido, conforme determina a Justiça Eleitoral.

“A direção do PSB tomará, quando julgar oportuno, e ao seu exclusivo critério, as decisões pertinentes à condução do processo político-eleitoral”, diz o texto.

O comunicado, que começa falando em “luto pela trágica morte de seu presidente nacional”, é assinado por Roberto Amaral. O ex-ministro da Ciência e Tecnologia [e colunista do site de CartaCapital] era até então vice-presidente da legenda, mas assina a carta se firmando como novo “presidente nacional do PSB”.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Além de frisar a posição já assumida dentro da direção da legenda, Amaral deixa claro no texto que o PSB é quem decidirá se a vice de Campos, Marina Silva, deverá ou não ser a nova candidata à Presidência pelo partido. Nesta quinta-feira 14, os cinco partidos coligados ao PSB na chapa “Muda Brasil”,PPS, PHS, PSL, PPL e PRP, declararam apoio a Marina como substituta de Campos na disputa eleitoral. Além disso, o advogado Antonio Campos, irmão de Eduardo Campos, também disse que batalhará pela candidatura de Marina.

O comunicado divulgado pelo PSB deixa ainda mais evidente a disputa dentro do próprio partido e, principalmente, o desafio de Marina Silva em conciliar seus interesses com os da máquina do PSB. Líder da Rede Sustentabilidade, um partido ainda não fundado oficialmente e alojado dentro do PSB, Marina enfrenta muitas resistências dentro da sigla. Sua tarefa, ao que parece, não será nada simples.

 

CartaCapital

MST ocupa quatro agências da Caixa Econômica na PB; Movimento reivindica 5 mil casas no estado

mstO Movimento dos Sem Terra (MST) está ocupando quatro agências da Caixa Econômica Federal na Paraíba. A ação acontece também em outras regiões do país. A idéia é pressionar o Governo Federal para que libere verbas para a construção de casas de movimentos sócias. Entre os movimentos envolvidos estão o próprio MST, Quilombolas, Indígenas, Movimento de Ação Popular (MAP), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), entre outros.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

As cidades do estado que estão sofrendo ação do MST nesta sexta-feira (25) são João Pessoa, Esperança, Patos e Souza. Segundo informações de Augusto Arimateia Lima, coordenador do MST na Paraíba, 500 pessoas estão ocupando a agência da Capital, 600 em Souza e 300 pessoas em Patos e Esperança.

 

“Reivindicamos mais de 5 mil casas em reforma e construção na Paraíba pelo programa Minha Casa, Minha Vida”, explicou Lima, lembrando que na última ocupação em maio ficou definido que a União iria fazer o aporte financeiro para as construções, mas nada foi feito até o momento. “Não avançou nada e nenhuma casa foi construída. Desde o último acordo, já protocolamos todos os projetos em assentamentos para que pudessem começar as construções”, desabafa.

 

Ainda segundo o MST, em todo estado da Paraíba são mais de 360 assentamentos e a solicitação para construção das casas foi feito há cinco anos em audiência entre a Caixa e o Instituto Nacional da Colonização e Reforma Agrária (Incra).

 

 

Questionado a quê se atribuía a demora para a liberação das verbas, Lima apontou: “A demora é atribuída à burocratização do programa, que a cada semana cria novas normas. O Governo Federal aprovou 40 mil casas para serem construídas para os movimentos sociais em todo o Brasil, dessas aprovadas só há verbas para 20 mil. Na Paraíba estão previstas a construção de 600 casas, enquanto reivindicamos 5 mil. Mas esse dinheiro (para as 600 casas) nem chegou na Caixa econômica da Paraíba”, argumentou.

 

Sobre até quando o movimento deve manter a ocupação, o coordenador garante: “Vamos ficar até quando chegarem os recursos”.

 

Paulo Dantas