Arquivo da tag: registrou

Operação Festejos Juninos já registrou mais de 2 mil infrações na Paraíba

A Operação Festejos Juninos já fiscalizou 5,5 mil veículos em todo o Estado da Paraíba, o que resultou em pelo menos 2 mil infrações de trânsito, conforme informação divulgada nesta quinta-feira (20) pelo Núcleo de Comunicação da Polícia Rodoviária Federal.

Até o momento 57 motoristas foram flagrados dirigindo sob efeito de álcool, 19% a mais do que foi registrado no ano passado.

Ainda foram registrados 67 acidentes com 73 pessoas feridas e 3 mortes, 29 foram detidas pelo cometimento de crimes, três veículos roubados foram recapturados, além de duas pistolas e quatro quilos de cocaína apreendidos.

A Operação acontece desde o dia 7 deste mês.

 

pbagora

 

 

Campanha eleitoral na PB ainda não registrou nenhuma denúncia, mas discurso de ódio nas redes sociais preocupa, diz juiz

Distância do cidadão do processo político eleitoral na Paraíba está fazendo com que o início da campanha eleitoral no Estado da Paraíba tenha um gostinho de ‘paz e amor’.

É que mesmo após uma semana do início oficial da campanha, o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba não registrou, até agora, nenhuma denúncia sequer.

Para o juiz da propaganda eleitoral, Marcos Sales, esse ano as farpas do eleitorado estão mais direcionadas às redes sociais que ao corpo a corpo. Os conflitos que antes começavam nas ruas, agora começam nas redes sociais.

“O eleitor tem se mantido com um certo distancioamento crítico, inclusive com relação ao poder judiciário. Mas, diferentemente das ruas, as mídias sociais trazem em si um certo discurso do ódio, essa é a nossa maior preocupação, por isso fazemos um apelo par aque esse discurso não chegue às ruas, pois eleição passa”, disse.

O juiz ressalta que quem quiser fazer denúncia, deve estar munido de provas, para não ser processado pela denunciação caluniosa.

“O eleitor pode procurar a justiça eleitoral ou pode comunicar o fato via smarphone, porque todo denúncia deve ser efetivada por meio de provas. Se a denúncia for caluniosa, o responsável pagará as medidas cabíveis”, ressatou.

 

 

PB Agora

PM registrou mais de 1 mil ocorrências de poluição sonora no carnaval; multas chegam a R$ 50 mil

 (Foto: divulgação/BPAmb)
(Foto: divulgação/BPAmb)

Somente no período do carnaval, a Polícia Militar recebeu 1.008 chamados para ocorrências de poluição sonora na Paraíba. De acordo com PM, 859 ocorrências foram registradas em João Pessoa e em cidades do Litoral Norte e Sul.

Outros 133 registros ocorreram na região de Campina Grande. Em relação ao crime de poluição sonora, o Batalhão de Polícia Ambiental apreendeu 10 paredões de som durantes as festas de carnaval. O valor das multas aplicadas chega a R$ 50 mil.

Entre a sexta-feira (24) e as 7h desta quarta-feira (1), a PM prende 30 pessoas por porte ilegal de arma, 25 por roubo, 21 com drogas, 15 por furto, 13 por homicídio ou tentativa, 10 por crime ambiental, duas em cumprimento a mandado de prisão, uma por estelionato e uma por contrabando de cigarros.

Veja os dados da ‘Operação Carnaval’

– 3.338 solicitações atendidas pela PM;

– 118 suspeitos presos/apreendidos;

– 38 armas apreendidas;

– 18 veículos roubados recuperados;

– 15 kg de drogas (maconha, crack e cocaína) e 6 litros de loló apreendidos;

– 10 ‘paredões’ de som apreendidos;

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Paraíba registrou 1.485 reconhecimentos de paternidade e 661 exames de DNA em 2012

O ‘Nome Legal’, um dos projetos que integram o Planejamento Estratégico do Ministério Público da Paraíba (MPPB), fecha o ano de 2012 com 1.485 reconhecimentos de paternidade, com 8.408 procedimentos instaurados, em 66 mutirões realizados.

O projeto, coordenado pela promotora de Justiça Renata Carvalho da Luz, ainda registrou 145 investigações de paternidade impetradas, com 661 exames de DNA realizados.

De acordo com dados da Gerência de Planejamento e Gestão (Geplag) do Ministério Público paraibano, 31 Promotorias de Justiça aderiram ao projeto, com 45 promotores de Justiça atuando em todo o estado. Até dezembro deste ano, 12 projetos foram concluídos e 105 escolas municipais de toda a Paraíba foram atendidas.

clickpb

MP da Paraíba já registrou 127 denúncias sobre ilícitos eleitorais e crimes comuns

Após 12 dias de funcionamento, o Ministério Público da Paraíba (MPPB) registrou 90 denúncias no Disque-Denúncia 127 (telefone) e 38 no Portal 127 (internet). Corrupção, crimes comuns e ilícitos eleitorais são os três tipos de conteúdo das denúncias…

“Aquelas relacionadas à eleição, repassamos para as Zonas Eleitorais correspondentes, porque exigem apuração e medidas rápidas, segundo a legislação pertinente”, destacou o promotor de Justiça e coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal (CaoCrim), Bertrand Asfora. As denúncias que não se encaixam com o tema eleitoral serão direcionadas para o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) para serem investigadas.

Os dois serviços foram lançados no último dia 10 com o objetivo de oferecer à população canais para que possam fazer denúncias de qualquer ato de corrupção, principalmente durante a campanha eleitoral.

As denúncias podem ser feitas de forma sigilosa, e vão poder auxiliar os promotores eleitorais durante o período. No entanto, os dois serviços serão canais permanentes que podem receber qualquer tipo de denúncia sobre corrupção.

MPPB

Brasil registrou 85 mortes por gripe A até final de junho

O Brasil registrou 790 casos e 85 mortes por influenza A (H1N1) – gripe suína do início de 2012 até o fim de junho. A quantidade de pessoas que adoeceram é quatro vezes superior aos 181 casos detectados em 2011 e os óbitos correspondem a três vezes os 27 computados no ano passado. Os dados foram divulgados hoje pelo Ministério da Saúde. Desde o último balanço do órgão, que abrangeu o período até o dia 25 do último mês, foram reportados 86 novos casos e mais oito mortes.

Apesar do avanço da doença, a posição oficial do Ministério da Saúde é que não há epidemia. De acordo com o órgão, em 2012 está havendo uma circulação maior do vírus da influenza A (H1N1) – gripe suína em relação ao ano passado. Não existe motivo definido para o fenômeno, mas a alternância da circulação de subtipos do vírus da gripe seria comum e haveria pouco risco de uma pandemia como a de 2009, quando ocorreram 2.060 mortes no Brasil.

Desde que o inverno deste ano começou, todas as regiões do país já apresentaram casos da doença. A maior parte dos estados registrou a gripe, as exceções são: Rondônia, Roraima, Maranhão, Piauí, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Espírito Santo e Distrito Federal. A situação é mais grave no Sul, onde as secretarias de Saúde estaduais computaram 74 mortes até a tarde de quinta-feira (5). O número do Ministério da Saúde para a região, menos atualizado, é 51 óbitos.

A Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde mantém equipes monitorando os casos de gripe e analisando a situação da transmissão do vírus. Uma dessas equipes está desde 14 de junho em Santa Catarina, onde há o maior número de casos. Além disso, de acordo com o ministério, na última semana foram enviadas para o Sul e para São Paulo 51.190 caixas de Tamiflu (medicamento utilizado no combate ao Influenza H1N1).

Este ano, houve campanha nacional de vacinação contra a influenza A (H1N1) – gripe suína para o inverno de 2012. Os grupos considerados de risco – idosos, crianças menores de 2 anos, grávidas e povos indígenas – foram imunizados gratuitamente nos postos de saúde. De acordo com o Ministério da Saúde, a imunização atingiu 80% do público-alvo. Quem não se enquadra nos perfis descritos e deseja se vacinar, tem que fazê-lo por meio do sistema privado de saúde. As vacinas custam em média R$ 60.

Além da vacina, outras medidas para prevenir o contágio pela gripe são lavar as mãos com água e sabão ou álcool em gel; evitar levar à mão à boca na hora de tossir ou espirrar (a higiene deve ser feita com lenços de papel) e restringir a frequência a locais com grande aglomeração de pessoas.

Agência Brasil