Arquivo da tag: registra

PB registra redução no número de homicídios

A Paraíba apresentou uma redução de 22% nas ocorrências de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), que são os homicídios dolosos ou qualquer crime doloso que resulte em morte, e de 13% nos assassinatos de mulheres, no ano passado. É o que aponta o Anuário da Segurança Pública na Paraíba apresentado ao governador João Azevêdo nesta quarta-feira (22), durante reunião com as forças de Segurança, realizada no Palácio da Redenção, em João Pessoa.

Outros indicadores criminais foram apresentados, não só em relação aos crimes contra a vida, como também referentes a crimes contra o patrimônio e apreensão de armas e drogas, entre outros. Participaram da reunião gestores da Polícia Militar, da Polícia Civil, do Corpo de Bombeiros Militar e da Administração Penitenciária.

Na ocasião, também foi apresentado o planejamento estratégico da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Secretaria de Estado da Administração Penitenciária para os próximos anos.

Na oportunidade, o governador João Azevêdo destacou o aumento de investimentos na segurança e enalteceu o trabalho de homens e mulheres que integram o segmento. “Nós fechamos um ano muito importante para a segurança pública e esses resultados nos alegram e aumentam a nossa responsabilidade para que os números possam melhorar cada vez mais e tenho a certeza de que a unidade continuará fazendo a diferença para que todo o trabalho desenvolvido seja preservado”, disse.

O secretário da Segurança e da Defesa Social, Jean Francisco Nunes, assegurou o esforço da gestão para fortalecer as ações e ampliar os bons índices em 2020. “Nós vamos continuar com um trabalho forte e integrado, com o apoio fundamental do governador que tem liderado esse processo de uma maneira positiva, fazendo com que a gente tenha inspiração e empolgação para continuar trabalhando. Todos os investimentos em reestruturação física e de carreira dos policiais, como promoções e autonomia financeira da Polícia Civil, permitiram um ânimo diferenciado na tropa e nós temos uma expectativa muito boa para este ano, com inaugurações de delegacias, aquisição de novos equipamentos e mais ações de maneira geral”, afirmou.

“Esses números são frutos de muito trabalho dos profissionais que estão nas ruas, sob a liderança firme do governador João Azevêdo e de um conjunto de investimentos, da qualificação técnico-profissional e logística, além do relacionamento que, a cada dia, tem sido aprimorado. Nós vamos buscar reduzir ainda mais os crimes contra a vida, mas também contra o patrimônio, com operações específicas em um ano desafiador, que vamos encarar com mais policiamento nas ruas, prevenção, repressão qualificada e muito amor a uma causa em defesa do povo da Paraíba”, evidenciou o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Euller Chaves.

O secretário da Administração Penitenciária, Sérgio Fonseca, explicou que o Planejamento Estratégico elaborado para a Pasta visa a redução da reincidência criminal, com foco em áreas estratégicas como ação social, saúde e educação. “Nós identificamos que elevar o nível de reintegração social é o principal objetivo da administração penitenciária. Uma das ações já iniciadas é o Escritório Social e a lei 11.613, que trata do incentivo às empresas a construírem parcerias com o sistema prisional, porque entendemos que é preciso oferecer dignidade para as pessoas que estão reclusas, o que resultará, automaticamente, na diminuição da reincidência criminal”, pontuou.

Dados – O relatório do Núcleo de Análise Criminal e Estatística da Secretaria da Segurança e da Defesa Social (Sesds) mostra que em 2019 foram registrados 942 assassinatos na Paraíba, contra 1.210 no ano anterior, o que representa a menor quantidade de homicídios da década. A redução acumulada desde 2011 chega a 44% e a taxa saiu de 44,3 mortes por 100 mil habitantes para 23,4 (-47%). Ainda de acordo com o documento, no ano passado 63 municípios paraibanos não registraram assassinatos. Os casos de latrocínio também tiveram redução de 24% com 34 casos registrados em 2018 e 26 casos em 2019, com taxa de 0.65 ocorrências por 100 mil habitantes.

No que se refere à violência contra a mulher, o trabalho das forças de Segurança resultou na redução de 13% das ocorrências, com 73 casos em 2019 contra 84 no ano anterior. O dado representa o menor número de mulheres assassinadas em 10 anos e uma queda acumulada de 50% dos registros desde 2011. A taxa saiu de 7,47 mortes por 100 mil habitantes para 3,53 (-53%). O registro de feminicídios em 2019 foi de 38 ocorrências.

Das 22 Áreas Integradas de Segurança Pública (Aisp) existentes no Estado, 16 tiveram redução no registro geral de assassinatos. Pela redução no 2º semestre do ano, 12.401 servidores do Sistema de Segurança paraibano terão direito a receber o Prêmio Paraíba Unida pela Paz (PPup). Serão R$ 10,8 milhões pagos no período e um total de R$ 90 milhões pagos desde 2014, quando o prêmio foi instituído.

Aumento na elucidação – O número de homicídios elucidados na Paraíba também aumentou. De janeiro a setembro, 51% dos casos são esclarecidos, sendo que 28% com prisão dos autores dos crimes, por meio de mandado de prisão (44%) ou em flagrante (56%). A região que mais se destaca é Campina Grande, com uma elucidação que chega a 67%.

Baixa letalidade policial – De acordo com o Núcleo de Análise Criminal e Estatística (Nace) da Sesds, os casos de mortes provocadas por confronto com integrantes das forças de Segurança da Paraíba tiveram uma redução de 14% em relação a 2018. Naquele ano, foram registrados 29 casos, enquanto em 2019 aconteceram 25 ocorrências. Os números demonstram que a taxa de caiu de 0,73 para 0,62 mortes por 100 mil habitantes.

O número de policiais mortos em confronto também teve redução. A queda foi de 60%, com dois policiais mortos, sendo que nenhum deles em serviço. Em 2018, foram seis casos de mortes em confronto, sendo que em um deles o policial estava trabalhando.

Força-tarefa reduz assaltos a bancos – O Estado também teve redução nos crimes contra instituições bancárias, com menos 61% de registros. No início do ano, uma força-tarefa contra assaltos a banco foi criada na Paraíba. A ação fez com que o número de ocorrências saísse de 76 casos em 2018 para 30 no ano passado. Foram 10 arrombamentos, 16 furtos com uso de explosivos e quatro roubos. Os casos com explosões tiveram uma queda de 72%.

Menos roubos em João Pessoa e Campina Grande – As duas maiores cidades do Estado tiveram redução nas ocorrências de roubos, segundo a Sesds. Na capital paraibana, a queda geral foi de 31%, sendo 34% de roubos a pessoa, 6% em estabelecimentos comerciais, 8% em residências e 29% nos casos de roubos em transportes coletivos. Já em Campina Grande, a diminuição de crimes contra o patrimônio foi de 17%, com menos 5% de roubos a pessoa, menos 34% de casos em estabelecimentos comerciais, menos 36% de assaltos em residências e menos 53% de casos em transportes coletivos.

As ações policiais também recuperaram veículos roubados no Estado. Em 2019, 2.636 carros e motos foram devolvidos aos seus proprietários como resultado do trabalho das forças de Segurança.

Apreensão de armas e drogas – Em 2019, 3.754 armas de fogo, entre revólveres (37%), pistolas (8%), espingardas (52%) e outros tipos de armamentos (3%) foram apreendidos pelas Polícias Militar e Civil. O número é 54% maior que número de armas retiradas de circulação no ano anterior (2.440). Ainda segundo o relatório, em 2019 houve a segunda maior apreensão desse tipo de material na década, totalizando 27,6 mil armas de fogo que foram recolhidas das ruas durante o Programa Paraíba Unida pela Paz.

Desde 2011 também foram apreendidas 16,7 toneladas de drogas, gerando uma média 5,09 quilos de entorpecentes que deixaram de se comercializadas no Estado. No ano passado, 1 tonelada e 234,2 quilos de maconha, cocaína e crack foram apreendidos.

Resgates e socorros – O Corpo de Bombeiros Militar atuou em 3.312 ocorrências que demandaram resgate de acidentados em 2019, em 16 cidades paraibanas. O maior número de atendimentos foi realizado na região metropolitana de João Pessoa e litorais sul e norte, com 2.407 casos. Já os socorros de vítimas de crimes potencialmente letais intencionais totalizaram 114 registros, em 15 cidades, sendo a maioria também em João Pessoa e região metropolitana.

Prisões e operações de interesse estratégico – Um total de 19,2 mil prisões de interesse estratégico foi realizado pelas forças de segurança da Paraíba de janeiro a dezembro de 2019. Entre essas, 3.104 são consideradas de interesse estratégico, a exemplo de cumprimento de mandados de prisão, prisões de acusados de roubos em geral, roubos de carros, roubos a banco e assassinatos. Somente por crimes patrimoniais, 1.490 pessoas foram presas.

Em relação às operações de interesse estratégico, o total foi de 6.405 ações de prevenção e repressão qualificadas no ano passado, e que envolveram a participação de policiais militares, policiais civis e bombeiros militares do litoral ao sertão da Paraíba.

MaisPB

 

 

PB registra crescimento de 13,7% no número de pequenos negócios

Reafirmando o seu protagonismo no processo de reaquecimento da economia, especialmente na geração de novas vagas de emprego, os pequenos negócios encerraram o ano de 2019 em alta na Paraíba. Conforme dados da Receita Federal, no fim do mês de dezembro, o estado contava com 176,8 mil pequenos negócios formais, número que é 13,7% maior que o registrado no mesmo período de 2018, quando a Paraíba contabilizava 155,4 mil pequenos empreendimentos.

Desse total de pequenos negócios optantes do Simples Nacional em 2019, cerca de 130,1 mil eram microempreendedores individuais (MEI), categoria que surgiu para incentivar a formalização de profissionais autônomos, que no ano passado completou 10 anos de criação. Considerando apenas os dados dessa categoria, os números registrados em dezembro do ano passado indicam um crescimento de 18,7% em relação ao mesmo de período de 2018, quando o estado possuía 109,5 mil microempreendedores individuais.

Já no universo das microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP), os dados da Receita Federal apontam que no último mês de dezembro o estado contava com 46,7 mil optantes do Simples Nacional, número que no mesmo mês de 2018 era de 45,9 mil empresas, representando um crescimento de 1,8% no período de um ano.

O que favorece os pequenos negócios

Na avaliação da gerente da Unidade de Estratégia do Sebrae Paraíba, Ivani Costa, fatores como os desligamentos dos empregos formais, os modelos de negócio baseados na terceirização e as alterações no regime geral de previdência contribuíram para o aumento verificado no número de pequenos negócios.

“Há um movimento que se origina nos desligamentos dos empregos formais e culmina na formalização de atividades econômicas com ocupações similares. As atividades como a de promoção de vendas, e muitas daquelas que possuem modelos de negócio baseados na terceirização, também contribuem para esse aumento. Além disso, as perspectivas de alterações no regime geral de previdência impulsionaram a busca pelo microempreendedor individual como uma forma segura de alcançar os benefícios previdenciários e garantir uma aposentadoria por idade em um prazo mais curto”, pontuou.

Ainda falando sobre o crescimento do número de pequenos negócios no estado, a gerente também destacou as ações realizadas pela instituição junto aos empreendedores. “Outro fator para esse aumento é o trabalho do Sebrae na promoção e divulgação dos benefícios gerados pela formalização. A inclusão de novas atividades permitidas também contribui para esse número expressivo”, acrescentou Ivani Costa.

 

portalcorreio

 

 

João Pessoa registra maior volume de chuvas da Paraíba em 2019, conforme dados da Aesa

João Pessoa foi a cidade que registrou o maior volume de chuvas durante todo o ano de 2019 na Paraíba. Os dados são da Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa), que mostram que entre janeiro e dezembro do ano passado as chuvas na capital do estado somaram cerca de 2.117,9 mm, na estação de monitoramento DFAARA.

O município tem outras três estações de monitoramento. Entre elas, estão a Mares que registrou 1735,1 mm; CEDRES, com 1.704,4 mm e Mangabeira, com 942,9 mm.

Em 2017 e em 2018, João Pessoa também foi o município com o maior índice de chuvas na Paraíba. Em 2017, a cidade registrou 2.078,6 mm. Já em 2018, o município totalizou 1.523,7 mm.

A cidade com o segundo maior volume de chuvas no ano de 2019 foi Alhandra com 2041,3 mm; seguida de Rio Tinto, com 1762,0 mm, que apresentou o terceiro maior volume de chuvas no estado. Todas elas estão localizadas no Litoral da Paraíba.

Já o município que registrou o menor volume de chuvas foi São José do Bonfim, localizado no Sertão do estado. A cidade totalizou cerca de 3 mm decorrentes de chuva em 2019.

Somando os volumes registrados em todo o estado, os dados disponíveis no site da Aesa mostram que a Paraíba recebeu mais chuvas no ano de 2019, do que em 2018. Em 2019, foram registrados 181.846,9 mil mm de chuvas. Já no ano de 2018 foram 154 mil mm.

Campina Grande

Em Campina Grande, no Agreste paraibano, os dados da Aesa mostram que na estação da Embrapa os volumes registrados totalizam 657,1 mm de chuvas; a de São José da Mata aponta 602,7 mm; a do INSA mostra 450,7 mm e a do Sítio Açude de Dentro de 337,4 mm em todo o ano de 2019. Em 2018, o volume registrado na estação Embrapa foi de 679,1 mm.

Monteiro

Monteiro, no Cariri do estado, apresentou um volume de 6 mm na estação do INMET e de 566,1mm na da Embrapa. Em 2018, o volume total do de chuvas no município foi de 488,6 mm.

Patos

No Sertão do estado, a cidade de Patos recebeu 639,6 mm de chuvas durante todo o ano de 2019. O volume foi maior do que o registrado em 2018, quando o município recebeu 544,2 mm durante todo o ano.

Sousa

Em Sousa, no Alto Sertão do estado, a estação do distrito de São Gonçalo registrou que em todo o ano de 2018 a cidade recebeu 846,1 mm de chuvas. O volume de 2019 foi menor do que o registrado em 2018, de 907,4 mm.

Previsão para primeiro trimestre de 2020 favorece ocorrência de chuvas

A previsão do tempo para o primeiro trimestre de 2020 favorece a ocorrência de chuvas, na Paraíba. A informação é da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa). As chuvas devem acontecer dentro da média histórica no semiárido paraibano, que contempla as regiões do Alto Sertão, Sertão e Cariri/Curimataú, entre os meses de janeiro e março de 2020.

De acordo com a meteorologista Marle Bandeira, o fenômeno El Niño, que provoca alteração significativas na distribuição da temperatura, com grande alterações no clima, não deve ocorrer. O fenômeno La Ninã também não está previsto.

Municípios do Sertão paraibano registram chuvas de mais de 80mm no primeiro dia de 2020

Oito cidades do Sertão paraibano tiveram índice de chuvas superior a 80mm, na quarta-feira (1º). De acordo com a meteorologista da Agência Estadual de Gestão das Águas (Aesa), Marle Bandeira, há possibilidade de mais chuvas na região.

Os municípios de Cajazeiras, Aparecida, Lagoa, Aguiar, São Francisco, Igaracy, Ibiara e Marizópolis foram os que apresentaram maior índice pluviométrico na região. Algumas cidades já ultrapassaram a média de chuvas esperadas no mês de janeiro, entre elas Aparecida e Lagoa.

O maior índice de chuvas registrado na quarta-feira foi de 102,1mm, no município de Cajazeiras.

g1

 

PRF registra 29 acidentes, 33 feridos e três mortos durante feriado na PB

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) intensificou as fiscalizações na Paraíba desde a último sexta-feira (20). Segundo o órgão, a imprudência de motoristas e motociclistas marcou o feriado prolongado de Natal. As ultrapassagens em locais proibidos foram responsáveis por dois acidentes graves registrados nas rodovias federais do estado. Ao todo foram registrados 29 acidentes, com 33 pessoas feridas e três mortes.

As ações de reforço no policiamento estão inseridas na Operação Rodovida, que busca a integração entre os órgãos de segurança pública e viária de todo país. Apesar do aumento na fiscalização, foi registrado um aumento no número de acidentes, feridos e mortes neste ano quando ao compararmos com o mesmo período do ano anterior, quando 23 acidentes ocorreram, com 21 feridos e uma morte.

Durante o período do feriado de Natal, a PRF fiscalizou 4.682 veículos, 4.729 pessoas, fez 1.453 testes de alcoolemia e 37 pessoas foram flagradas dirigindo sob efeito de álcool. Ao todo, 1.574 motoristas foram flagrados cometendo algum tipo de infração de trânsito. Além disso, 31 pessoas foram detidas pelos mais diversos tipos de crimes e quatro veículos roubados foram recuperados.

A PRF vem chamando a atenção para as ultrapassagens proibidas ou perigosas, falta de uso de cinto de segurança e consumo de bebidas alcoólicas associado à condução de veículos.

“Durante o feriado de Natal, dois acidentes com vítimas fatais foram do tipo colisões frontais em decorrência de ultrapassagens em locais proibidos. No terceiro acidente com óbito registrado, o motorista não usava o cinto de segurança, o que pode ter contribuído para as lesões graves resultarem em óbito”, disse a PRF em comunicado encaminhado à imprensa.

 

portalcorreio

 

 

Novembro registra menor número de mulheres assassinadas em 2019

Duas mulheres foram assassinadas no mês de novembro, na Paraíba. Os dois casos estão sendo investigados pela Polícia Civil como feminicídios. Além de novembro, o único mês em que todas as mortes de mulheres foram consideradas feminicídios foi setembro, onde quatro mulheres foram assassinadas por questões de gênero. No entanto, apesar disso, novembro tem, até agora, o menor número de mulheres mortas em 2019. Os dados foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação, pela Secretaria de Segurança e Defesa Social do Estado.

Em novembro, o corpo de uma mulher foi encontrado na BR-230, em Santa Rita, na Grande João Pessoa. Ela foi identificada como Gessica Silva, de 27 anos. Um feto foi encontrado ao lado do corpo da mulher, ambos em estado de decomposição. A vítima estava com seis meses de gestação. No entanto, a polícia não tem informações sobre a motivação do crime.

No início do mês de novembro, uma mulher de 33 anos foi morta com dois tiros, quando seguia para o trabalho de moto com o companheiro, no bairro Jardim Veneza, em João Pessoa. Segundo informações da Polícia Militar, os disparos aconteceram quando uma moto emparelhou com a moto em que seguia a vítima. O companheiro da mulher informou que estava em um relacionamento com ela há três meses, mesmo tempo em que ela perdeu o marido em um acidente. A polícia informou que tem uma linha de investigação traçada, mas ainda não há conclusão sobre o caso.

Já em outubro, ao todo, doze mulheres foram assassinadas no estado da Paraíba. Destes, seis casos estão sendo investigados como feminicídios. Segundo dados da Secretaria de Segurança e da Defesa Social, apesar de o número representar 50% dos casos no mês, ele se iguala ao mês de abril como o mais violento para as mulheres, com seis mortes registradas relacionadas à causa de gênero. Outubro também superou as estatísticas do mês de maio, que até então tinha o maior número de assassinatos de mulheres, independente da motivação.

A notícia se repete, mas o número e a dor só crescem. Os casos de feminicídio seguem aumentando na Paraíba em 2019. Desde o início do ano, 35 mulheres tiveram suas vidas encerradas pelas mãos de seus ex-companheiros motivados por um sentimento de posse e, na maioria dos casos, da não aceitação do término do relacionamento ou da autonomia da mulher.

Feminicídios nos meses anteriores

Em setembro, todos os casos de assassinatos de mulheres que foram registrados estão sendo investigados como feminicídios. De acordo com dados da Secretaria de Estado de Segurança e Defesa Social, quatro mulheres foram mortas por seus companheiro ou ex-companheiros.

No mês de agosto, oito mulheres foram mortas na Paraíba. Cinco casos estão sendo investigados como feminicídios. Esse número representa que 62,5% dos assassinatos de mulheres aconteceram por motivação de gênero, apenas no mês de agosto.

O mês de outubro lidera o ranking de mulheres assassinadas. Doze foram mortas por homicídio doloso. Seis, desse total, foram feminicídios. Na sequência está o mês de maio, com dez homicídios de mulheres e cinco feminicídios. O mês de abril se junta a outubro como o que mais teve mulheres mortas por crimes relacionados ao gênero. Nesse mês, o número de feminicídios subiu 50% apenas em relação ao primeiro trimestre do ano.

Só no primeiro semestre deste ano, 32 mulheres foram mortas por crimes letais intencionais, em toda Paraíba. Do total, 17 casos estão sendo investigados como feminicídios. O número representa 53% dos assassinatos de mulheres. Em junho, foram quatro assassinatos, sendo dois feminicídios.

G1

 

Patrulha Maria da Penha registra mais de 1,2 mil atendimentos nos 100 primeiros dias, na Paraíba

Nos primeiros 100 dias dias de atuação, a Patrulha Maria da Penha, na Paraíba, registrou mais de 1.200 atendimentos, além de conceder 84 medidas protetivas à mulheres, de acordo com o balanço apresentado ao Tribunal de Justiça. O instrumento foi instalado para combater a violência contra a mulher, garantindo maior monitoramento por parte da Polícia Militar e Civil, às vítimas que solicitarem ou já estiverem sob medida protetiva.

De acordo com o presidente do TJPB, desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos, “os dados são promissores e mostram que passamos a uma importante prática, com o aumento da proteção à mulher, dos flagrantes, das medidas protetivas concedidas e das comunicações estabelecidas”, disse durante a reunião de balanço.

Além disso, durante a reunião foram discutidas as dificuldades encontradas nesses primeiros meses, “que serão analisadas com a Corregedoria, a fim de aperfeiçoarmos o programa e termos um Judiciário mais proativo na política de proteção à mulher”, acrescentou o presidente. A Patrulha atende 27 municípios da Paraíba, com previsão de ser estendida, posteriormente, a todo o estado.

Segundo a coordenadora da Mulher em Situação de Violência do TJPB, juíza Graziela Queiroga Gadelha, a inclusão das medidas protetivas no processo judicial eletrônico (PJE) tem ajudado a polícia nos atendimentos da Patrulha Maria da Penha, facilitando o acompanhamento feito às mulheres assistidas.

“Estamos buscando avanços no Manual de Rotinas, com a possibilidade de oficiais de justiça ficarem designados para as unidades especializadas da Mulher. Também estamos discutindo questões relacionadas aos prazos para cumprimento dessas medidas e realização de capacitações”, acrescentou a juíza sobre o que pode ser aperfeiçoado no programa.

Patrulha Maria da Penha

As ações do programa são desenvolvidas, em conjunto, pela Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do TJPB, Secretaria de Segurança e Defesa Social (Sesds), por meio da Polícia Militar, Polícia Civil, Coordenação das Delegacias Especializadas de Mulheres e Secretaria da Mulher e da Diversidade Humana.

Além de monitorar a segurança das mulheres, a Patrulha Maria da Penha realiza a triagem, o atendimento inicial, visitas periódicas e rotas de monitoramento, dentro de um perímetro arbitrado pela Justiça.

G1

 

Produção de veículos registra queda de 8,3% no mês de setembro

De acordo com um balanço divulgado nesta segunda-feira (7) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), a produção de veículos caiu 8,3% em setembro na comparação com agosto. No total, foram fabricadas 247,3 mil unidades em setembro, contra 269,8 mil de agosto. Agora, em relação a setembro do ano passado, o número representa uma alta de 10,9%.

Segundo o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, no que se refere as exportações, ocorreu uma queda de 35,6% de janeiro a setembro, com 337,5 mil unidades vendidas para o exterior.

“Nas exportações, está se confirmando a queda em relação ao ano passado. Mais de 30% a menos do que em 2018, principalmente causado pela queda forte da Argentina.”

Atualmente, 127,9 mil pessoas trabalham na indústria automotiva, o que representa uma retração de 0,2% em relação a agosto.

 

agenciadoradio

 

 

Paraíba já registra 210 mortes de mulheres por câncer de mama

Em 2019, já foram registrados 210 óbitos por câncer de mama e 85 óbitos por câncer de colo do útero na Paraíba. Os dados são da Secretaria de Saúde e revelam ainda que só no ano passado, foram 260 óbitos por câncer de mama e 147 óbitos por câncer de colo do útero. Já em 2017, foram registradas 217 mortes por câncer de mama e 148 por câncer de colo do útero.

Na Paraíba, estima-se que no biênio 2018/2019 terão 880 novos casos de câncer de mama e, desses, 240 ocorrerão na capital. No que se refere ao câncer de colo do útero estima-se 370 novos casos para o Estado e 80 novos casos para a capital.

De acordo com a médica Roseane Machado, diretora do Centro Especializado de Diagnóstico do Câncer (CEDC) estão disponíveis para atender a rede SUS 18 serviços com mamógrafos, sendo 13 públicos e cinco privados, conveniados com o Sistema Único de Saúde. Os exames de mamografias são ofertados pelos municípios.

Ela ainda informou que o estado possui cerca de 304.415 mulheres na faixa etária de 50 a 69 anos, mas que abaixo dessa faixa etária as mamografias diagnósticas são para os grupos com fatores de risco elevado para câncer de mama e que os exames de rastreamento no CEDC são realizados em mulheres a partir de 40 anos de idade.

 

clickpb

 

 

Depressão: Paraíba já registra 121 suicídios em 2019

A Paraíba já registrou nos primeiros seis meses de 2019 cerca de 121 casos de suicídio, desses 16 foram registrados em João Pessoa, segundo dados da Secretaria de Saúde do Estado. Em comparação ao ano passado, esse número chega a ser maior, já que ao logo de doze meses foram registrados 190 casos.

O órgão também registra as ocorrências de tentativas de suicídios e, no mesmo período, foram contabilizados 496 casos das chamadas lesões autoprovocadas intencionalmente, ou seja, aqueles casos em que existe ameaça da pessoa querer tirar a própria vida.

Em entrevista ao Portal ClickPB, o secretário da Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, explicou que o suicídio é uma preocupação mundial. Ele reforça a importância de se atentar para a gravidade do problema e lembra que, em países desenvolvidos como os Estados Unidos, o suicídio mata mais que o trânsito. “É preocupante como esse aumento nos casos de suicídio está relacionado com o desenvolvimento dos países, que quanto mais desenvolvidos, maiores são os números de pessoas que se suicidam”, destacou.

Ele também lembrou que cresce o número de casos entre jovens, “os jovens estão inconscientemente se isolando, pois deixam de viver e ter convivência social por conta da tecnologia e das redes sociais. A consequência disso, é que muitas vezes, esses adolescentes acabam se sentido solitários. Os pais, muitas vezes, não acolhem e nem acompanham seus filhos adequadamente. Então essas necessidades da sociedade moderna tem contribuído para o aumento do casos de suicídio”, explicou.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) as principais doenças que podem provocar o suicídio são a depressão, transtornos de ansiedade, tristeza profunda, decepções, problemas financeiros e familiares, comportamento na internet e nas redes sociais,

Especialistas de todo o país têm discutido o aumento do número de casos de suicídio, principalmente, entre jovens e adolescentes. Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) apontou um aumento de 24% dos casos entre os anos de 2005 e 2016 somente no Brasil. No entanto, esse número pode ser ainda maior, pois muitos casos são subnotificados.

De acordo com dados da OMS, o Brasil aparece em 8º lugar entre os países com o maior número de suicídios, estando atrás da Índia, China, Estados Unidos, Rússia, Japão, Coréia do Sul e Paquistão.

Entre 2006 e 2010, segundo levantamento do Ministério da Saúde, o Rio Grande do Sul, em taxas relativas (mortes por cem mil habitantes) tem a maior taxa do país, com 10,2 casos. Em seguida estão os estados de Roraima, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina.

O aumento desses casos tem chamado a atenção da Secretaria de Estado da Saúde (SES), que no último mês de julho, através da Coordenação de Saúde Mental, promoveu diálogo com os municípios a respeito dos serviços das Redes de Atenção Psicossocial (RAPS). Na Paraíba, um novo de sistema de notificação foi implantado e, de acordo com o técnico da Saúde Mental da SES, Lucílvio Silva, para esclarecer e ajudar melhor a sociedade sobre os serviços disponíveis no estado.

Setembro Amarelo

O Setembro Amarelo foi criada pelo Centro de Valorização da Vida (CVV) em 2015, a campanha Setembro Amarelo tem o objetivo de conscientizar a população e promover a prevenção do suicídio. Com o apoio do Conselho Federal de Medicina (CFP) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), o Setembro Amarelo faz alusão ao dia 10 de setembro, Dia Mundial de Prevenção do Suicídio.

 

 

clickpb

 

 

Polícia registra homicídio em Cuitegi

Por  volta das 11h00min do domingo (25) no Centro, Cuitegi-PB, o Copom recebeu a informação de que nas proximidades do Mercado Público um indivíduo, conhecido por Hélio da Silva, de 35 anos, havia sido alvejado. A guarnição de imediato se deslocou até o local. A vítima, no entanto, já havia sido socorrida por populares ao Hospital Regional de Guarabira.

No local, fora colhido, que um indivíduo não identificado, em um veículo gol de cor vermelha, havia efetuado disparos contra a vítima se evadindo em seguida, tomando destino ignorado.

As guarnições das cidades de Cuitegi e Alagoinha estão em diligências no intuito de identificar e capturar o autor do delito.

 

blogdofelipesilva