Arquivo da tag: refrigerante

Consumo diário de refrigerante diet aumenta risco de derrame e demência, indica estudo

Bebidas adoçadas artificialmente, como refrigerante diet, podem aumentar o risco de acidente vascular cerebral e demência. É o que mostra uma pesquisa da Universidade de Boston, publicada na revista científica americana Stroke.

De acordo com o estudo, tomar pelo menos uma lata de refrigerante diet por dia está associado a um risco quase três vezes maior de sofrer um acidente vascular cerebral ou desenvolver demência.

O estudo ressalta, no entanto, que a versão “normal” das bebidas, adoçadas com açúcar, não está associada ao risco de desenvolver qualquer uma dessas condições, contrariando algumas pesquisas já realizadas anteriormente.

“Não foi surpresa descobrir que a ingestão de refrigerante diet está associada com acidente vascular cerebral e demência. O que me surpreendeu foi que a ingestão de bebidas adoçadas com açúcar não está associada a esses riscos, porque as bebidas com açúcar são conhecidas por não serem saudáveis”, disse Matthew Pase, que coordenou a pesquisa, em entrevista à CNN.

Os pesquisadores admitem, no entanto, que não conseguiram provar uma relação direta de causa e efeito entre a ingestão de bebidas adoçadas artificialmente e o aumento do risco de derrame e demência. Segundo eles, trata-se de uma associação, já que o estudo se baseia em observações e dados fornecidos por meio de um questionário sobre hábitos alimentares.

A pesquisa

Cerca de 4 mil pessoas participaram da pesquisa, que organizou dois grupos de estudo por faixa etária: 2.888 adultos com mais de 45 anos (para analisar a incidência de derrame) e 1.484 com mais de 60 anos (para avaliar os casos demência). Os dados, coletados por meio de questionários, foram cedido pelo Framingham Heart Study, extenso projeto da Universidade de Boston sobre doença cardiovasculares.

Os pesquisadores analisaram a quantidade de bebidas e refrigerantes diet e normal ingerida por cada participante, em diferentes momentos, entre 1991 e 2001. Em seguida, compararam com o número de pessoas foram vítimas de derrame ou demência num prazo de 10 anos . No período, foram observados 97 casos de acidente vascular cerebral (82 isquêmicos, causado por vasos sangüíneos bloqueados) e 81 de demência (63 compatíveis com Alzheimer).

“Após fazer ajustes por idade, sexo, educação (para análise da demência), ingestão calórica, qualidade da dieta, atividade física e tabagismo, maior consumo recente e maior de refrigerantes adoçados artificialmente foram associados a um risco maior de AVC isquêmico e demência, como a doença de Alzheimer”, diz o estudo.

De acordo com a pesquisa, aqueles que consumiam pelo menos uma lata de bebida diet diariamente eram 2,96 vezes mais propensos a sofrer um acidente vascular cerebral isquêmico e tinham 2,89 vezes mais tendência a desenvolver o mal de Alzheimer do que aqueles que bebiam menos de uma vez por semana.

Outros estudos

Essa não é a primeira vez que bebidas diet são associadas ao desenvolvimento de problemas de saúde. A pesquisa cita o estudo Northern Manhattan, que teria revelado que “o consumo diário de refrigerante adoçado artificialmente estava ligado a um risco maior de incidentes vasculares, mas não de acidente vascular cerebral”.

Outro exemplo mencionado é o Nurses Health study and Health Professionals, que mostrou que “o alto consumo de açúcar e refrigerantes adoçados artificialmente foi associado a um risco maior de derrame”.

G1

Refrigerante é cancerígeno, alertam especialistas em saúde

refrigerantesChega o fim de semana, aquelas pessoas que seguem uma alimentação regrada entre segunda e sexta-feira se dão a liberdade de consumir aqueles produtos proibidos. O refrigerante está nesta lista, mas se engana quem pensa que o maior problema da bebida é o açúcar, responsável pelo aumento assustador da obesidade em todo o mundo. Segundo o cientista alimentar Tiago Rocha, independentemente de marca, o produto é também cancerígeno.

Pior ainda para quem consome a bebida regularmente. Tiago conta que o refrigerante chega a ser cem mil vezes mais ácido que o sangue, e o problema está aí. Além disso, segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer), grande parte destas bebidas contêm a substância 4-MI (4-metil-imidazol), classificada como possivelmente cancerígena pela Agência Internacional para Pesquisa em Câncer, da Organização Mundial da Saúde.

O composto estaria presente no corante caramelo, que é utilizado em muitas destas bebidas açucaradas. De acordo com estudo feito pelo Centro de Pesquisa em Saúde Publica dos Estados Unidos, a maior concentração de 4-MI  em uma lata em 355 ml foi encontrada no Brasil. A análise também avaliou o produto vendido no Canadá, China, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, México e Reino Unido.

“Se eu fosse você, nunca mais tomaria refrigerante. É realmente muito ácido, cancerígeno e não é saudável. Quem toma está correndo riso de vida”, afirmou o cientista, que também condena alimentos como a pipoca de microondas, a batata frita, a margarina, o óleo de soja e o leite de caixinha.

Luta contra bebidas açucaradas

Se há alguns anos o combate a bebidas açucaradas já é uma pauta das autoridades em saúde pública, o debate ficou ainda maior no ano passado, quando a OMS sugeriu o aumento dos tributos em cima do produto . O objetivo é diminuir os índices de obesidade, diabetes tipo 2 e cáries dentárias.

“A diminuição do consumo de bebidas açucaradas significa uma menor ingestão de “açúcares livres” e calorias no geral, uma melhor nutrição e menos pessoas sofrendo com sobrepeso, obesidade, diabetes e cárie dentária”, divulgou a organização. Outro ponto a se considerar é que a obesidade também eleva o risco de câncer.

No último dia 14, o Ministério da Saúde divulgou metas para frear o crescimento da obesidade no Brasil. Até 2019, três metas principais deverão ser cumpridas: inserção de políticas intersetoriais de saúde e segurança alimentar e nutricional, redução do consumo regular de refrigerante e suco artificial em pelo menos 30% na população adulta e ampliação, em no mínimo de 17,8%, do percentual de adultos que consomem frutas e hortaliças regularmente até 2019. Vendo a família se alimentar melhor, as crianças também podem se beneficiar.

 

iG

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Estudo revela que refrigerante de limão ajuda a curar a ressaca

ressacaPesquisadores chineses descobriram uma nova arma para aliviar as náuseas e dores de cabeça que aparecem depois da bebedeira: o consumo de refrigerante de limão. Os resultados foram publicados no periódico Food and Function do Royal Society of Chemistry.

Pesquisadores da Universidade Sun Yat- Sen, em Guangzhou, na China, analisaram como 57 bebidas diferentes, dentre elas chás e refrigerantes, afetaram a metabolização do álcool pelo organismo.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O trabalho afirma que os sintomas da ressaca não são causados pelo álcool em si, mas pelo trabalho do organismo para decompor o álcool ingerido.

O organismo passa por um processo metabólico composto por dois estágios para decompor o álcool ingerido. Primeiro, o fígado metaboliza o etanol em acetilaldeído e depois transforma esse produto em acetato. Enquanto o acetato não faz mal ao organismo, o acetilaldeído é prejudicial ao fígado e causa os principais sintomas da ressaca: náusea, vômito e dor de cabeça.

Enquanto alguns chás de ervas abrandaram a metabolização, prolongando a ressaca, uma bebida gaseificada conhecida como Xue bi, equivalente na China ao Sprite, acelerou o processo. De acordo com o estudo, o refrigerante de limão alivia a ressaca, pois reduz a exposição do corpo ao acetilaldeído.

Os pesquisadores planejam realizar outro estudo independente para garantir resultados conclusivos.

Uol

Estudo: muito refrigerante pode danificar os dentes tanto quanto drogas

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Refrigerantes fazem mal aos dentes e isso não é novidade. No entanto, um estudo da Temple University School os Dentistry, na Filadélfia, Estados Unidos, alega que eles podem danificar os dentes tanto quanto o uso de crack e da metanfetamina. As informações são do Daily Mail.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Seria preciso ingerir uma quantidade muito grande para que isso acontecesse, mas o professor responsável, Mohamed Bassiouny, encontrou um caso: uma mulher, aos 30 anos, que bebia 2 litros de refrigerante por dia por 5 anos. Segundo o pesquisador, ela teve tantos problemas dentários quanto um usuário de metanfetamina de 29 anos e um viciado em crack de 51 anos.

 

O usuário de metanfetamina também consumia duas ou três latas de refrigerante por dia, e o usuário de crack era viciado há 18 anos, mais do triplo do tempo que a mulher levou para atingir o mesmo resultado dentário com o consumo excessivo de refrigerante.

 

 

Todos os três participantes tiveram que remover todos os dentes, porque nada mais poderia ser feito para reverter o quadro.

 

O estudo sugere que refrigerantes diet são igualmente nocivos, porque o nível de ácido não muda.

 

Defensores de refrigerantes alegam que o estudo é falho porque a consumidora de refrigerantes não teve tratamento dentário por mais de 20 anos, e que culpar apenas o ácido das bebidas pelo dano nos dentes e compará-lo a drogas ilícitas seria “irresponsável”.

 

Terra

Refrigerante aumenta risco de câncer de próstata, revela estudo

Homens que consomem o equivalente a uma lata de refrigerante por dia estão sujeitos a um risco maior de desenvolver câncer de próstata, segundo um estudo sueco anunciado nessa segunda-feira (26).

“Entre os homens que consomem uma grande quantidade de refrigerantes ou outras bebidas com adição de açúcar, constatamos um risco de câncer de próstata aproximadamente 40% maior”, disse à AFP uma das autoras do estudo, Isabel Drake.

O estudo, que será publicado na próxima edição do American Journal of Clinical Nutrition, baseia-se no acompanhamento de mais de 8.000 homens da região do sul da Suécia, com idade entre 45 e 73 anos, durante uma média de 15 anos. Todos anotaram minuciosamente os alimentos e bebidas que ingeriram.

Aqueles que beberam um refrigerante (330 ml) por dia estiveram 40% mais propensos a desenvolver câncer de próstata, necessitando de tratamento.

Além disso, aqueles que tiveram uma dieta rica em arroz e massas apresentaram 31% mais chances de desenvolver formas mais benignas do câncer. Este risco foi aumentado em 38% para aqueles que ingeriram grandes quantidades de açúcar no café da manhã, relatou a pesquisadora.

Estudos anteriores já haviam indicado que os chineses e os japoneses que viviam nos Estados Unidos, o maior consumidor de refrigerantes do mundo, desenvolveram câncer de próstata com mais frequência do que os compatriotas que permaneceram em seu país.

Uma pesquisa aprofundada sobre a resposta a diferentes dietas de acordo com a genética torna possível “adaptar as recomendações em termos de comida e bebida para certos grupos de alto risco”, considerou Drake.

reporteriedoferreira

Mulher morre após tomar até 8 litros de refrigerante todo dia por 8 anos

Uma mulher de 30 anos morreu repentinamente em Invercargill (Nova Zelândia) depois de tomar, diariamente, até oito litros de Coca-Cola durante oito anos, de acordo com o marido. Ele contou que Natasha Marie Harris, que tinha oito filhos, era viciada no refrigerante, consumido de dia, à tarde e à noite.

Christopher Hodgkinson diz que o vício na bebida a levou a esposa à morte, noticiou o “Southland Times”. Ele relatou que a mulher estava doente havia um ano antes do dia fatal, mas acrescentou não ter associado o estado dela ao consumo de Coca-Cola.

“Jamais pensei na Coca. Nunca considerei que ela faria mal a uma pessoa”, declarou.

Segundo o jornal, a autópsia de Natasha indicou problema grave no fígado, mas a causa da morte não foi estabelecida. Christopher insiste ter sido informado que a esposa sofrera um aneurisma por causa do consumo excessivo de refrigerante – pelo menos 4,5 litros diários.

George Adams, diretor da Coca-Cola na Nova Zelândia, disse que as alegações de Christopher são “claramente falsas”.

O Globo