Arquivo da tag: redes sociais

Filtrar informações e usar redes sociais para ficar em contato com pessoas queridas pode contribui para manter equilíbrio mental

O surgimento de uma nova doença gera sempre a sensação de medo e insegurança nas pessoas. Foi assim com a Febre Amarela, o H1N1, e tantas outras patologias que integram a história da humanidade. O mesmo ocorre agora com a chegada do Coronavírus (Covid-19). A doença fez suas primeiras vítimas brasileiras nos últimos dias e está gerando pânico na população, que tem adquirido álcool em gel de forma cumulativa e, em alguns casos, fazendo até reservas de alimentos.

Diante de tal realidade, a psicóloga do Hapvida em João Pessoa, Danielle Azevedo, ressalta que além dos cuidados básicos, que englobam as etiquetas respiratórias, é preciso estar atento também a saúde mental em meio ao alto bombardeio de informações acerca da doença. “No meio a tantas informações, já era esperado que, em uma sociedade tão conectada como a nossa, o fluxo seria imenso diante de uma pandemia. Buscando o equilíbrio emocional, o melhor de tudo é filtrar o que chega e isso significa escolher alguns veículos de confiança para se informar e evitar compartilhar mensagens das quais não se sabe a procedência ou a fonte. Isso vale também para aquele momento de angústia em que se decide expor esse sentimento nas redes sociais”, esclarece. Ela destaca que as redes sociais são aliadas para manter contato com pessoas queridas nesse período de quarentena.

A especialista destaca que em situações de pandemias, como a que se vive na atualidade, manter o bem-estar da mente humana é essencial. “Vamos assumir que essa é uma situação completamente atípica e que foge ao nosso controle. O melhor então é voltar-se para dentro e pensar: o que posso fazer? Como posso contribuir como mãe, como filha, como cidadã? Tornar-se útil nesses momentos é uma boa medida para reduzir a sensação de impotência e ainda encontrar um sentido no meio de todo o problema”, orienta a psicóloga.

No caso de pessoas que já apresentam ansiedade, depressão ou outra perturbação do foro mental, a psicóloga afirma que em situações como a de pandemia, é possível que desenvolvam um agravamento do distúrbio. “Em casos como estes, as pessoas tendem a experimentar um agravamento de sintomas nos próximos dias e podem experimentar reações psicossomáticas caso vivenciem um ataque de pânico. Se isso acontecer, é importante não sofrer sozinho e buscar ajuda com um médico de confiança ou seu psicólogo, para que seja avaliada a necessidade de medicamentos ou outras medidas terapêuticas”, pontua.

Apesar de se ter a consciência de que o ser humano é naturalmente social, a psicóloga ressalta que ficar isolado pode ser bastante complicado e pode agravar ainda mais o quadro de ansiedade e o estresse do momento. “Por isso, tentar manter contato com pessoas queridas, como amigos e familiares é importante e as redes sociais podem ajudar nessa tarefa, fazendo com que as pessoas consigam interagir sem estar fisicamente presentes”, destaca.

Dicas – Pensando na melhoria da qualidade de vida da saúde mental do indivíduo, a psicóloga Danielle sugere algumas medidas para contribuir com este momento. “É uma ótima oportunidade para refletir sobre prioridades na vida e ainda pensar em novas formas de executar o trabalho ou colocar algumas atividades que estavam atrasadas em dia, por exemplo”, orienta.

Danielle Azevedo afirma ainda que a capacidade de lidar com problemas, adaptar-se à mudanças, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas é a definição de resiliência, que cai muito bem para esse momento atual. “Isso quer dizer: olhar o problema de frente, mas sem entrar em pânico e, ao contrário, pensar em formas de lidar com ele até que a situação melhore”, pontua.

 

Assessoria de Imprensa

 

 

Vídeo com suposto tubarão na praia do Bessa viraliza nas redes sociais

Um vídeo de um suposto tubarão nas águas da praia do Bessa, em João Pessoa, registrados no dia de ontem, sábado (08), viralizou nas redes sociais nas últimas horas.

Um homem chegou a duvidar e argumentou que seria, na verdade, um golfinho. Mas o colega dele, que gravou o vídeo, disse: “É… subiu aqui a barbatana dele.” E continua gravando e mostrando na água: “Tubarão aqui no Bessa, agora.”

Até agora não há informações oficiais sobre a veracidade das imagens.

VEJA

PB Agora

 

 

Julian Lemos e Carlos Bolsonaro voltam a se estranhar nas redes sociais: “Me esqueça seu psicopata” diz deputado da PB

Em mais um dia de agressões mútuas o deputado federal paraibano e presidente estadual do PSL Julian Lemos, voltou a rebater declarações supostamente ácidas do vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro, filho do presidente da República Jair Bolsonaro.

“Vá tomar no meio do seu *, @CarlosBolsonaro Você é um merda.. me esqueça seu psicopata. Vá procurar uma mulher parece uma cadela no cio, seu imbecil”, disse Julian em um dos seus posts.  Noutro Julian diz que quer distância dos Bolsonaros.

“Pegue seu pai, sua possessão, sua idolatria, o que pensa sobre mim, sua psicopatia e empurre no seu r*, quero distância de todos vocês” escreveu.

Recentemente Julian Lemos (PSL-PB) discutiu com o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) no Twitter e chamou o filho do presidente de “Carluxa” , de “poodle” e de “doido”.

A postagem foi uma resposta a um vídeo publicado por Carlos em que há um áudio, possivelmente de Julian, com criticas aos filhos de Bolsonaro.

“Você pode bancar o fodão para muita gente, pra mim não, esse ano o lugar do debate vai ser no microfone da Câmara dos Deputados, o remédio de um doido é outro na porta. Esse aí é o grande influenciador do líder do nosso país, apenas um desequilibrado, Carluxa…Tu é um merda!”, escreveu à época o deputado paraibano.

Após a ‘treta’ de hoje, ambos apagaram as publicações.

Confira os posts que foram deletados:

pbagora

 

 

Carlos Bolsonaro volta às redes sociais e posta vídeo mirando artilharia contra deputado federal Julian Lemos

O vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, voltou às redes sociais neste domingo (29), mirando artilharia pesada contra o deputado federal paraibano Julian Lemos (PSL). Em publicação nos stories, o parlamentar posta o link de um vídeo em que Julian estaria sendo contra os paraibanos que o elegeram.

No vídeo Julian diz que é um deputado que não ficará só em twitter e não lamberá botas de ninguém e que não faz rachadinha.

EM TEMPO

Nas redes sociais, Julian reage à publicação e trata Carlos Bolsonaro como um ‘maluco’ com a seguinte postagem:

A quem trate esse maluco como “pitt bull”, mas na realidade é apenas um poodle, claro sem insultar o podre cãozinho.
Eu que sei, um maluco cheio de fantasmas na sua cabeça, alguém que não consegue ter vida social, só dorme no remédio controlado, não consegue ver alguem que não consegue baixar a cabeça pra ele, só tem essa marra nas redes sociais, devia ter feito isso lá dentro da Globo News, mas cadê ?
Pois é, esse Paraíba aqui não vai baixar “Carluxa” Seus dias de perversidade e covardia vai ter oposição, você pode bancar o fodão para muita gente, pra mim não, esse ano o lugar do debate vai ser no microfone da Câmara dos Deputados, o remédio de um doido é outro na porta.
Esse aí é o grande influenciador do líder do nosso país, apenas um desequilibrado.

ASSISTA

PB Agora

 

 

Exoneradas, ex-auxiliares de João desabafam nas redes sociais; confira

Duas ex-auxiliares de João Azevêdo (sem partido) publicaram nas redes sociais desabafos a respeito de suas exonerações. A ex-secretária Executiva da Juventude, Priscila Gomes, e a diretora do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep), Cassandra Figueiredo e mais outros oito servidores e comissionados tiveram suas exonerações publicadas na edição desse sábado (21) do Diário Oficial.

No Facebook, Priscila Gomes alegou não se sentir mais parte da gestão e, deixando clara a defesa de Ricardo Coutinho, afirmou que o ex-governador vem sofrendo perseguição política. Cassandra também atribui sua exoneração ao fato de estar solidária à Ricardo, alegando ter sido penalizada por isso.

Confira as postagens.

Priscila Gomes

Cassandra Figueiredo

paraiba.com.br

 

 

Foto da prova do Enem 2019 que circula nas redes sociais é real, diz Inep

A foto de uma página do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019 que circulou nas redes sociais nesta tarde de domingo (3) é real, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O ministro da Educação, Abraham Weitraub, disse que o fato não interfere no exame e que o suspeito de divulgar a imagem fazia a prova em Pernambuco. A Polícia Federal investiga o ocorrido.

O MEC não deu detalhes, mas em grupos de WhatsApp circulou uma imagem da página dedicada à redação. A foto foi compartilhada quando os candidatos já tinham começado a fazer o exame e deveriam manter seus celulares desligados e guardados dentro de um saco plástico lacrado.

“O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informa que é real a imagem da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 que circula nas redes sociais. É importante esclarecer que a divulgação, que ocorreu após o início da aplicação, não prejudicou o andamento do exame. Todos os participantes já tinham passado pelos procedimentos de segurança e estavam nos locais de prova.”

O ministro afirmou que “a foto da prova é verdadeira, porém, foi tirada e postada após o início do exame e da realização dos procedimentos de segurança. Tudo dentro da normalidade”.

Enem 2019 - foto que circula em redes sociais — Foto: Reprodução

Enem 2019 – foto que circula em redes sociais — Foto: Reprodução

“No Enem segue tudo funcionando perfeitamente bem a prova tem tudo para ser um grande sucesso. Saiu agora sobre uma foto de uma prova. A foto é verdadeira mas em nada compromete à realização do Enem.” – Abraham Weitraub

De acordo com o ministro, todos os procedimentos de segurança já haviam sido realizados. “A prova já havia sido distribuída para todo mundo e alguém tirou uma foto e colocou nas redes. Isso não compromete em nada, tudo segue normal”, disse.

“Agora a Policia Federal vai identificar essa pessoa responsável e vai tomar as devidas providencias legais contra ela. Isso aparentemente aconteceu em Pernambuco e a gente já está chegando ao nome da pessoa.”

G1

 

Maternidade nas redes sociais: conteúdos podem gerar comparação e frustração

Em tempos de redes sociais, compartilhar parte da rotina virou algo normal para muitos e até profissão para alguns, que passam a ser reconhecidos como influenciadores. Na infinita gama de assuntos apresentados nas plataformas está a maternidade dita como real. De acordo com a psicóloga do Hospital Edmundo Vasconcelos, Marina Arnoni Balieiro, esta exposição nem sempre é benéfica a quem assiste ao conteúdo.

A especialista explica que apesar de apresentarem a temática como uma realidade, há uma escolha no que compartilhar, e neste recorte, é possível que frustrações sejam despertadas nas mães que assistem a esses conteúdos. “É muito difícil basear sua realidade nas redes sociais. Nestes espaços são compartilhados o que priorizam como importante, e por isso, gera uma comparação entre as mães que consomem esse conteúdo, entendendo que a sua vida é pior”, complementa.

Neste cenário, a diferença de educação e possíveis falhas não devem ser vistas como pontos negativos. Marina ressalta que a relação entre pais e filhos não tem uma fórmula e depende da personalidade e estrutura familiar. “Cada um vai ter uma forma de lidar com os filhos, e nesta relação, assim como qualquer outra, a falha é inerente, e isso não torna a maternidade pior, ou melhor”, reforça.

Assim como a falha, a ausência é outro assunto tratado nas redes, mas que não é totalmente prejudicial no processo de educação. Neste quesito, a psicóloga esclarece que às vezes é na falta que é possível ensinar e aprender. A partir disso a criança é estimulada a ter independência e compreender o espaço dos pais.

“Claro que quando ainda são pequenos dependem mais dos adultos, mas ensinar sobre essa ausência ajuda na rotina pessoal, e compreender que ter tempo pra si é indispensável para a saúde e para a relação com os filhos, pois é possível aproveitar o tempo juntos com mais entrega”, conclui.

HOSPITAL EDMUNDO VASCONCELOS

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Hospital Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 1.000 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 230 mil consultas ambulatoriais, 145 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,45 milhão de exames por ano. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o primeiro lugar no Prêmio Melhores Empresas para Trabalhar na categoria Saúde – Hospitais, conquistado por dois anos consecutivos, 2017 e 2018.

 

 

Suspeito de estupros é espancado após fotos serem divulgadas em redes sociais, na PB, diz polícia

Um homem suspeito de estuprar mulheres em Campina Grande foi detido e espancado por moradores do bairro Mutirão, na tarde desta terça-feira (23). Ele foi reconhecido após fotos dele terem sido divulgadas em redes sociais como suspeito dos estupros. A Polícia Civil informou que não divulgou as imagens, mas que as cinco vítimas dos estupros reconheceram o homem por meio de fotos espalhadas em aplicativos de mensagens.

O homem espancado foi preso depois de pedir socorro à Polícia Militar quando estava sendo espancado por moradores. Ele foi levado para o Hospital de Trauma de Campina Grande, com vários ferimentos.

Até as 14h55 desta terça-feira, o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande ainda não havia divulgado informações sobre o estado de saúde do suspeito espancado.

Os estupros estavam ocorrendo há alguns meses e o último caso foi registrado na madrugada desta terça-feira. Até o fim da manhã desta terça-feira, duas vítimas procuraram a Polícia Civil e confirmaram que foram abusadas por um homem com as mesmas características. Os estupros estavam ocorrendo em bairros na zona oeste da cidade.

A delegada Maíra Roberta confirmou que, após o espancamento, outras três vítimas de estupros reconheceram o suspeito por fotos espalhadas pelas redes sociais.

O primeiro caso tornado público foi de uma mulher vítima de estupro na madrugada desta terça-feira (23). A Polícia Militar conseguiu flagrar o momento que um homem estuprava a jovem em um matagal no bairro Mutirão, em Campina Grande. No momento da chegada da polícia, o suspeito atirou contra os militares e fugiu correndo, mas deixou a moto, uma arma, celulares, um colete de mototáxi e um capacete.

Reconhecimento pela reportagem

Uma adolescente de 17 anos também registrou um Boletim de Ocorrência na Central de Polícia Civil de Campina Grande após a veiculação da reportagem da TV Paraíba que relatou o caso da jovem que foi vítima de estupro durante um assalto, na madrugada desta terça-feira (23). A adolescente relatou que também foi estuprada pelo mesmo suspeito, cerca de um mês antes, e que reconheceu na reportagem o colete de mototaxista, a moto e a arma apreendida pela polícia.

A adolescente foi à polícia ainda na manhã desta terça, acompanhada da mãe. Segundo o boletim e a entrevista concedida à TV Paraíba, ela teria sido estuprada pelo homem no bairro do Cinza. “Ele me abordou, pegou meu celular e me levou pra um matagal e abusou de mim”, contou.

“Eu conheci o colete, a moto e a arma dele. Ele apontava essa mesma arma pra mim, botava na minha cabeça”, relatou a adolescente à TV Paraíba.

Celulares, arma, capacete e colete de mototáxi apreendido após a ação da PM — Foto: Reprodução/TV Paraíba

Celulares, arma, capacete e colete de mototáxi apreendido após a ação da PM — Foto: Reprodução/TV Paraíba

“Se ele tiver feito isso com outras mulheres, que elas venham aqui (na polícia) pra ele ser preso e pagar pelo que ele fez”, disse a adolescente.

A polícia pede para que outras vítima de casos parecidos denunciem e vão até a delegacia prestar depoimentos para tentar reunir provas contra o suspeito.

“É difícil demais, é muito ruim passar por isso”, afirmou a adolescente.

Assalto seguido de estupro

A mulher que a adolescente viu o caso na TV foi vítima de estupro após um assalto, por volta da 1h40 desta terça-feira (23). Ela e a mãe foram abordadas no bairro da Ramadinha II. A vítima, de 19 anos, estava saindo do trabalho com a mãe quando as duas foram surpreendidas pelo criminoso em uma moto.

Também em depoimento à TV Paraíba na manhã desta terça, a mulher relatou que o homem apareceu quando ela e a mãe estavam chegando em casa. O suspeito teria anunciado o assalto apontando a arma, pedindo os celulares e o dinheiro delas.

Mulher relata estupro após assalto, em Campina Grande; 'falava que ia me matar' — Foto: Reprodução/TV Paraíba

Mulher relata estupro após assalto, em Campina Grande; ‘falava que ia me matar’ — Foto: Reprodução/TV Paraíba

O suspeito revistou a bolsa da mãe e roubou os celulares. Em seguida, ele mandou a filha subir na moto e a raptou. O homem a levou para um matagal, que fica próximo ao Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol), no bairro do Mutirão, e a estuprou, sob ameaças.

Instantes depois, a Polícia Militar chegou ao local e houve troca de tiros com o suspeito, que conseguiu fugir. Ainda de acordo com a PM, o homem deixou para trás vários objetos que facilitaram a identificação dele. No local, foram apreendidos vários celulares, sendo um do suspeito, um colete de mototáxi com a numeração de registro e a moto utilizada pelo homem.

G1

 

Adolescente é detido por produzir e publicar pornografia infantil em redes sociais, na PB, diz polícia

Um adolescente de 17 anos foi apreendido na noite da quinta-feira (11), em Catolé do Rocha, no Sertão da Paraíba. De acordo com o delegado Seccional da Polícia Civil, Sylvio Rabello, o adolescente foi detido após investigações da polícia constatarem que ele produzia, armazenava e publicava pornografia infantil nas redes sociais.

Na casa do adolescente, a polícia apreendeu todos os aparelhos eletrônicos. Ao serem analisados, foram encontrados fotos e conversas que constataram a pornografia infantil em diversas modalidades. “O adolescente utilizava do relacionamento que tinha com uma jovem de 16 anos, além de outros relacionamentos na cidade, em que as vítimas eram filmadas durante os atos sexuais”, explicou o delegado.

Segundo o delegado, as investigações começaram após a polícia ouvir os responsáveis de uma das vítimas na Delegacia de Polícia Civil de Catolé do Rocha. “No Procedimento Infracional aberto estão as fotos do relacionamento sexual com a jovem e conversas, além das publicações nas redes sociais”, informou.

O adolescente foi apontado como infrator pelos crimes de publicação, armazenamento e produção de pornografia infantil. Ainda conforme o delegado, ele foi ouvido junto com a mãe e liberado em seguida. “A gente vai pedir uma outra medida ao juizado da Infância da Juventude e ao Ministério Público”, concluiu.

Segundo a polícia, adolescente filmava encontro com jovens na cidade e publicava na internet, na PB — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Segundo a polícia, adolescente filmava encontro com jovens na cidade e publicava na internet, na PB — Foto: Polícia Civil/Divulgação

 

G1

 

 

Campanha eleitoral na PB ainda não registrou nenhuma denúncia, mas discurso de ódio nas redes sociais preocupa, diz juiz

Distância do cidadão do processo político eleitoral na Paraíba está fazendo com que o início da campanha eleitoral no Estado da Paraíba tenha um gostinho de ‘paz e amor’.

É que mesmo após uma semana do início oficial da campanha, o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba não registrou, até agora, nenhuma denúncia sequer.

Para o juiz da propaganda eleitoral, Marcos Sales, esse ano as farpas do eleitorado estão mais direcionadas às redes sociais que ao corpo a corpo. Os conflitos que antes começavam nas ruas, agora começam nas redes sociais.

“O eleitor tem se mantido com um certo distancioamento crítico, inclusive com relação ao poder judiciário. Mas, diferentemente das ruas, as mídias sociais trazem em si um certo discurso do ódio, essa é a nossa maior preocupação, por isso fazemos um apelo par aque esse discurso não chegue às ruas, pois eleição passa”, disse.

O juiz ressalta que quem quiser fazer denúncia, deve estar munido de provas, para não ser processado pela denunciação caluniosa.

“O eleitor pode procurar a justiça eleitoral ou pode comunicar o fato via smarphone, porque todo denúncia deve ser efetivada por meio de provas. Se a denúncia for caluniosa, o responsável pagará as medidas cabíveis”, ressatou.

 

 

PB Agora