Arquivo da tag: rebaixado

Esporte de Patos é punido por escalar jogador de maneira irregular e é rebaixado

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) julgou procedente a acusação feita pelo CSP de que o Esporte de Patos utilizou de maneira irregular o atacante Carlos Caaporã na última rodada da primeira fase do Campeonato Paraibano, no jogo do clube contra o Nacional de Patos. Em julgamento realizado na manhã desta sexta-feira (12), na sede do tribunal, no Rio de Janeiro, os auditores decidiram que o clube perde 3 pontos e, com isso, cai para a segunda divisão do estadual. Ainda cabe recurso da decisão.

Pelo regulamento da competição, o pior time de cada grupo seria rebaixado. No campo, o Serrano-PB foi o clube que menos pontuou no Grupo A. Já no Grupo B, o CSP foi o lanterna da primeira fase e caiu de divisão.

Com a decisão judicial, o Esporte de Patos, até então vice-lanterna do torneio com 10 pontos, passa a ter 7, ficando com um ponto a menos do que o Tigre e, portanto, sendo a pior equipe da chave, caindo, assim, para a segunda divisão do estadual no lugar do time de João Pessoa. O Pato ainda foi multado em R$ 500.

Entenda o caso

Tudo começou na quarta rodada do Campeonato Paraibano. A partida era Esporte de Patos x Serrano-PB, no Estádio José Cavalcanti. O Patinho vinha muito mal no estadual, havia perdido os três primeiros confrontos e chegava pressionado. A cobrança foi tanta que, ao abrir o placar para o time alvirrubro, o atacante Caaporã, em vez de comemorar, foi direto para a arquibancada cobrar a própria torcida. Com ânimos elevados, o jogador acabou xingando os torcedores e, foi expulso diretamente pelo árbitro Marcelo Aparecido de Souza.

O tempo passou e, no último dia 21 de março (após a nona rodada e antes da décima), Caaporã foi julgado pelo Pleno do STJD e, por decisão unânime, foi punido com duas partidas de suspensão. O primeiro o atacante já havia cumprido contra o Nacional de Patos, na quinta rodada.

Por estar machucado, o atleta não jogou alguns jogos posteriores. Só que, como o julgamento só aconteceu no dia 21 de março, o atleta teria que cumprir suspensão após a decisão. O atleta, portanto, tinha que ficar de fora na última rodada, diante do Nacional de Patos, o que não aconteceu. O jogador disputou a partida, e o CSP, após ter caído de divisão, entrou com uma Notícia de Infração Disciplina no STJD, informando o fato.

Nesta sexta-feira, o STJD julgou o caso e, em primeira instância – o STJD atualmente realiza uma intervenção do TJDF-PB – condenou o Esporte de Patos a perda de 3 pontos, por descumprir o artigo 214 do Código Brasileira de Justiça Desportiva, que trata sobre escalação irregular de atletas.

(Foto: Reprodução)

Globoesporte.com

 

 

Fred se isola na artilharia, mas Atlético não vence o rebaixado Santa Cruz

jogoBem que Fred tentou. O ataque foi o melhor jogador de linha do Atlético-MG no empate em 3 a 3 com o Santa Cruz, no Recife. O camisa 99 fez um gol, se isolando na artilharia da competição, e ainda deu um belo passe para o terceiro gol alvinegro, anotado por Hyuri. Mas não foi o suficiente para os reservas do Atlético vencerem o já rebaixado Santa Cruz.

Com o resultado, a situação na briga por uma vaga pelo G3 se manteve. A distância para o Flamengo, o terceiro colocado, segue em cinco pontos. Restando duas rodadas para o término do Brasileirão, dificilmente o time mineiro deve conseguir tirar a diferença.

Dupla Keno e Grafite deita em rola em campo

O Santa Cruz venceu o Atlético com gols de Grafite e Keno. E ambos poderiam deixar o Arruda com mais gols. A dupla de ataque do Santa Cruz aproveitou a enorme fragilidade defensiva do Atlético. Além dos gols, ainda no primeiro tempo, foram pelo menos quatro boas chances de ampliar o marcado, duas com Grafite e outras duas com Keno.

Defesa de 2016 supera o péssimo desempenho de 2015

Um dos pontos mais contestados do Atlético vice-campeão brasileiro no ano passado foi a defesa. Enquanto o campeão Corinthians se mostrava sólido defensivamente, o time mineiro sofreu, em média, mais de um gol por jogo. Foram 47 em 38 rodadas. Desempenho que piorou em 2016. Em 36 rodadas, o Atlético já superou a marca de 2015, com 48 gols. E ainda faltam duas rodadas para o término da competição, contra São Paulo e Chapecoense.

Giovanni na defesa e Fred no ataque são os destaques

O contrato de Giovanni está perto de vencer. No Atlético desde 2011, o goleiro mostrou que a diretoria pode contar com ele. Contra o Santa Cruz, o arqueiro reserva evitou que o time fosse derrotado. Foram pelo menos quatro grandes defesas. Se Giovanni resolveu na defesa, Fred foi o cara no ataque. O centroavante marcou mais um gol, o 14º neste Brasileirão, voltando a se isolar na artilharia. Fred ainda deu o passe para o gol de Hyuri.

Atlético garante o 4º lugar do Brasileirão

Nas palavras do presidente do Atlético, Daniel Nepomuceno, terminar o Brasileirão entre os três primeiros colocados era obrigação. Mas com o empate diante do Santa Cruz, a quarta rodada sem vitória no Brasileirão, o time mineiro viu busca pelo G3 ficar ainda mais difícil. Por outro lado, são 62 pontos conquistados e nenhuma possibilidade de ser superado por Atlético-PR e Botafogo.

Após 65 dias, Marcos Rocha volta a jogar

Foram mais de dois meses parado, mas o lateral direito Marcos Rocha está preparado para ajudar o Atlético na final da Copa do Brasil. Sem atuar desde o dia 15 de setembro, o camisa 2 jogou diante do Santa Cruz como parte do processo para estar em boa forma para o jogo com o Grêmio, nesta quarta-feira. Do time que jogou no Arruda, apenas Marcos Rocha vai ser titular no primeiro jogo da decisão da Copa do Brasil. Como já estava previsto, Rocha deixou o jogo aos 16 minutos do segundo tempo.

Cazares não aproveita nova chance e é expulso

O começo de Campeonato Brasileiro do meia Cazares deixou o torcedor do Atlético bastante animado. Com ele em campo, o time mineiro não era derrotado. Além disso, o jogador equatoriano era fundamental para o time, com gols e assistências. Mas tudo mudou após a lesão na coxa direita. Foram quase dois meses parado e desde que retornou, Cazares jamais conseguiu render perto do que mostrou no primeiro turno. Agora reserva, sem nenhum time de contestação, Cazares não jogou bem diante do Santa Cruz e ainda foi expulso, prejudicando o Atlético no jogo.

FICHA TÉCNICA
SANTA CRUZ 3 X 3 ATLÉTICO-MG
Data:
20 de novembro de 2016, domingo
Horário: 19h30 (de Brasília)
Motivo: 36ª rodada do Campeonato Brasileiro
Local: Arruda, no Recife (PE)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhaes (RJ)
Assistentes: Rodrigo Henrique Correa e Dibert Pedrosa Moises (ambos do RJ)
Cartões amarelos: Neris e Danny Morais (SCZ) – (CAM)
Cartões vermelhos: Jadson (SCZ) Cazares (CAM)
Gols: Fred aos 5 min, Grafite aos 13 e Keno aos 30 do primeiro tempo Clayton aos 9 min, Vitor aos 13 min e Hyuri aos 34 min do segundo tempo

SANTA CRUZ: Tiago Cardoso; Vítor (Danilo Pires, aos 30 do 2º), Neris, Danny Morais e Roberto; Jadson, Arthur (Marion, aos 23 do 2º), João Paulo e Léo Moura; Keno e Grafite (Mazinho, aos 42 do 2º).
Técnico: Adriano Teixeira.

ATLÉTICO-MG: Giovanni, Marcos Rocha (Alex Silva, aos 16 do 2º), Edcarlos, Jesiel e Leonan; Rafael Carioca, Lucas Cândido (Thalis, aos 29 do 2º), Carlos Eduardo (Hyuri, aos 21 do 2º) e Cazares; Clayton e Fred.
Técnico: Marcelo Oliveira.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

0x0: Vasco empata com Coritiba e é rebaixado pela terceira vez na história

(Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)
(Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)

Sob chuva e em um péssimo gramado no Couto Pereira, o Vasco lutou, mas acabou empatando em 0 a 0 com o Coritiba e termina o Brasileirão rebaixado para a Série B, pela terceira vez em sua história.

Ainda que tivesse vencido, o clube carioca não teria conseguido escapar da degola: o Figueirense, rival na luta para fugir do fundo da tabela, acabou derrotando o Fluminense por 1 a 0 em Santa Catarina.

Com o resultado, o Vasco termina a competição de forma melancólica, na 18ª colocação, com 41 pontos. O Coritiba, que também fez campanha irregular, encerra sua participação na 15ª posição, com 44.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

FICHA TÉCNICA
CORITIBA X VASCO

Local: Estádio Couto Pereira, em Curitiba
Data: 6 de dezembro de 2015, domingo
Horário: 17h (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco (Fifa-RS)
Assistentes: Alessandro Rocha de Matos (Fifa-BA) e Guilherme Dias Camilo (Fifa-MG)
Cartão vermelho: Madson (Vasco)

CORITIBA: Wilson, Leandro Silva, Walisson Maia, Juninho, Carlinhos; Cáceres (Ícaro), Alan Santos ((Rafael Marques), Juan (Tiago Lopes) e Negueba; Kleber Gladiador e Henrique Almeida
Técnico: Pachequinho

VASCO: Martin Silva, Madson, Luan, Rodrigo e Julio Cesar; Serginho, Diguinho (Mateus Vital), Bruno Gallo (Leandrão) e Nenê; Jorge Henrique e Duvier Riascos (Rafael Silva)
Técnico: Jorginho

Do Uol

Rebaixado e campeão, Vasco e Cruzeiro são os times com menos jogos em 2013

Gazeta Press
Gazeta Press

Pelo menos ao analisar o desempenho agregado, o excesso de jogos não pode ser usado como justificativa para os fracassos do Vasco no ano.Rebaixado à Série B, o time carioca fecha 2013 como o que menos realizou partidas oficiais entre os 20 que integraram a elite nacional: 59, uma a menos do que o Cruzeiro. O campeão brasileiro entrou em campo 60 vezes na temporada.

Usando os times da Europa como comparação, o Chelsea foi a equipe que mais atuou na temporada 2012/13: 69 vezes, seguido por Real Madrid e Barcelona, 61 e 60, respectivamente.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ambas as equipes disputaram apenas três competições na temporada: Estadual, Brasileirão e Copa do Brasil. E entre as 20 que compuseram a Série A deste ano, o Cruzeiro foi o que menos saiu derrotado de campo: dez vezes em 60 partidas.

Uma das reivindicações do Bom Senso FC, grupo de jogadores em queda de braço com a CBF na busca por melhorias no futebol, o excesso de partidas atingiu grande parte das equipes das duas principais divisões nacionais. Usando o Chelsea em 2012/13 como parâmetro, dez dos 20 times da Série A fizeram 69 ou mais aparições oficiais na temporada. O São Paulo foi o que mais atuou este ano: 78 em seis competições, seguido por Atlético-PR e Corinthians, com 75.

Vice-lanterna do Brasileirão e rebaixada à Série B em 2014, a Ponte Preta atuou 74 vezes na temporada, e ainda entra em campo nesta quarta-feira, contra o Lanús, na partida que define o campeão da Copa Sul-Americana. O Atlético-MG também não encerrou seus compromissos ainda. Com 69 jogos oficiais, pode fazer no máximo mais dois no Mundial de Clubes da Fifa.

Entre os que disputaram a Série B, dois times do Nordeste aparecem como os líderes de aparições na temporada: tanto Ceará quanto Icasa fizeram 70 partidas oficiais em 2013.

Abaixo, a classificação dos times da Série A que mais fizeram jogos oficiais em 2013:

Fonte: Futdados                                                                           * Ainda joga este ano

Time Jogos
São Paulo 78
Atlético-PR 75
Corinthians 75
Ponte Preta 74*
Grêmio 72
Goiás 71
Atlético-MG 69*
Coritiba 69
Portuguesa 69
Santos 69
Criciúma 68
Flamengo 68
Fluminense 68
Internacional 68
Botafogo 67
Náutico 65
Vitória 64
Bahia 63
Cruzeiro 60
Vasco 59

 

iG

Com show de Neymar, Santos vira e vence o rebaixado Palmeiras na Vila

Tudo o que for escrito sobre Neymar corre o risco de soar repetitivo: show, dribles, golaço, toque de letra, chapéu… Mais uma vez, o craque fez tudo isso. Sob o comando dele, o Santos venceu o rebaixado Palmeiras por 3 a 1, de virada, e se despediu do Campeonato Brasileiro com a boa atuação em um clássico estadual. O resultado parece até detalhe perto da atuação de Neymar – dois gols, uma assistência e novo espetáculo para os mais de 11 mil torcedores na Vila Belmiro. Do outro lado, o Verdão se despede da Série A com mais uma derrota.

Neymar deixou de lado o moicano e apresentou um penteado diferente, meio estranho, na saideira da temporada 2012. A cabeça mudou, mas os pés não. Graças aos gols dele, o Santos termina o Brasileirão com 53 pontos, em posição intermediária, mas abaixo das expectativas de quem buscava vaga na Taça Libertadores.

O craque só não conseguiu bater o recorde de Serginho Chulapa. Terminou o ano com 43 gols pelo Santos, dois a menos que Chulapa em 1983 – o ex-centroavante continua sendo o maior artilheiro em uma única temporada após a era Pelé.

O Palmeiras acumulou mais um revés no Brasileirão. São 22 derrotas em 38 jogos, uma campanha que culminou no rebaixamento com duas rodadas de antecedência. Com apenas 34 pontos, o time de Gilson Kleina termina na 18ª colocação, sem reação alguma. Há muito trabalho pela frente para reconstruir uma equipe ferida, mas que tem a Taça Libertadores no primeiro semestre do ano que vem.

Agora, as duas equipes entram em férias e se reapresentam no início de janeiro. A primeira competição de 2013 é o Campeonato Paulista.

Neymar apanha e devolve: na bola

Dois gols, uma assistência, uma bola na trave e um chute desviado quase em cima da linha. O camisa 11 do Santos mandou no primeiro tempo e enlouqueceu os alvinegros que compareceram em ótimo número a Vila Belmiro – todos para vê-lo, claro. Depois de cumprir suspensão contra o Corinthians, Neymar voltou com muita fome. Mas antes de dar seu show, ele precisou ser “acordado” pelos palmeirenses.

Já rebaixado e sem mais responsabilidades, o Verdão surpreendeu com um golaço de Maikon Leite logo aos três minutos, após lançamento preciso de Barcos. Maikon jogou no sacrifício, já que se ainda recupera de lesão, mas soube aproveitar bem a avenida deixada por Juan pelo lado esquerdo da defesa santista. No lance seguinte, idêntico ao do gol, o atacante exigiu grande defesa de Rafael.

Do lado alviverde, foi só. Quem estava na Vila Belmiro queria mesmo ver Neymar, que apanhou bastante. Nada que assuste o craque santista. Aos 12, o primeiro ato do espetáculo: o atacante recebeu lançamento de Patito Rodriguez, deu um corte seco que fez o goleiro Raphael Alemão trombar com Maurício Ramos e só rolou para Victor Andrade, de carrinho, empatar a partida. Aos 20 anos, Neymar fez a alegria do pupilo de 17, que comemorou muito o gol.

O paraguaio Adalberto Román não sossegou enquanto não conseguiu tirar o astro de campo. Com uma pancada fortíssima no tornozelo, o zagueiro finalmente fez Neymar ser atendido e deixar o gramado por alguns minutos. Se o palmeirense soubesse o que viria pela frente, não teria mexido com o santista. No lance seguinte da volta ao campo, Neymar castigou Román: recebeu de costas para o paraguaio e caiu ao ser puxado: pênalti bobo cometido, expulsão e o provável fim da passagem do paraguaio pelo Palmeiras. Na cobrança, o craque fez 2 a 1, aos 22 minutos.

Com um a menos, o Palmeiras recuou e assistiu ao show do Peixe. Se Neymar foi o personagem principal, Patito fez bem o papel de coadjuvante. Em uma de suas melhores partidas com a camisa do Santos, o argentino foi “clone” do craque, já que caiu pelo lado esquerdo do ataque – normalmente ocupado pelo camisa 11. Aos 39 minutos, Neymar estava na área, como um autêntico centroavante, esperando pelo cruzamento. Um toque seco decretou o 3 a 1. Em três jogos no ano, o astro castigou o Verdão com cinco gols.

A torcida se divertiu com o show, tanto que a Vila Belmiro parecia mesmo uma sala de espetáculos. Torcedores registravam cada lance de Neymar. No pênalti, dezenas de flashes vindos das arquibancadas documentaram mais um capítulo do belo futebol do craque santista. Mas um setor não se esqueceu de que é preciso pensar em 2013: no intervalo, um grupo de torcedores pediu a volta de Robinho, outro ídolo, e um time para “gritar ‘É campeão’”.

Ritmo de férias

Gilson Kleina tentou arrumar a combalida defesa do Palmeiras com a entrada do zagueiro Luiz Gustavo na lateral direita, mas sem efeito. O segundo tempo foi de um time só, o Santos, que passou boa parte do tempo no campo de ataque tocando bola para um lado, para o outro, e irritando os palmeirenses. As jogadas de efeito de Neymar continuaram, mas desta vez o clima esquentou.

O craque santista não costuma ligar para a irritação do rival, por isso manteve seu estilo de jogo, representado num toque de letra para Bruno Peres e num chapéu em Correa. As pancadas, então, aumentaram. Artur e Maurício Ramos se irritaram, Márcio Araújo esboçou uma discussão, mas nada que fizesse o resultado mudar. Só a expulsão de Alan Santos e a saída de Arouca, machucado, esfriaram a festa na Vila Belmiro.

O Palmeiras não conseguiu esboçar uma reação, nem mesmo quando os dois times ficaram com dez jogadores. O único bom lance foi com Maikon Leite, que chutou para boa defesa de Rafael e logo depois de machucou. Solitário no ataque, Barcos não conseguiu aumentar sua artilharia na temporada, que parou nos 28 gols.

Nos 20 minutos finais, o ritmo já era de férias. Os santistas celebravam mais um jogo memorável de Neymar, mas lembrando que 2013 precisa ser bem melhor para o time voltar à Taça Libertadores e disputar os grandes títulos. Os palmeirenses, em minoria, cantavam sem parar, mas não se esqueceram de pedir mudanças na diretoria, no time, na estrutura… Foi o último suspiro do gigante na Série A do Campeonato Brasileiro deste ano.

Globoesporte.com