Arquivo da tag: reafirma

Maranhão nega encontro com Michel Temer e reafirma apoio ao presidente

O senador paraibano José Maranhão (PMDB) negou que tenha se encontrado com o presidente Michel Temer, do mesmo partido, nesta sexta-feira (26), conforme noticiou a imprensa nacional. A reunião, no entanto, foi confirmada pela assessora da presidência da República, Ana Terra.

Apesar disso, Maranhão alegou que sequer saiu de casa, onde ficou despachando com seus assessores. “Eu não saí de casa hoje porque como não teve nada no Senado, eu vim para casa e fiquei com alguns funcionários no gabinete trabalhando aqui mesmo, porque talvez fosse mais produtivo trabalhar aqui. Não falei com nenhum político, nem com o presidente, nem com nenhum senador ou nenhum deputado. O meu trabalho hoje foi um trabalho estritamente funcional. Foi furada essa notícia, se porventura eu tivesse alguma coisa que eu pudesse divulgar eu diria e se não pusesse divulgar eu também diria”, afirmou taxativo José Maranhão.

Com relação ao apoio ao presidente, o senador reafirmou que continua do lado de Michel Temer. “Eu sou senador pela legenda do PMDB, representando o PMDB, e o presidente é também o presidente do PMDB. E qual é o nosso papel ? É apoiar o governo”, confirmou.

A imprensa nacional divulgou que houve esse encontro entre Maranhão e Michel Temer. Além disso, também teriam se reunido com Temer os presidente da Câmara Rodrigo maia (DEM-RJ) e o ministro da Secretaria do Governo, Antonio Imbassahy (PSDB-BA). A reunião seria parte de uma ofensiva de Temer para segurar a governabilidade e manter a base aliada unida.

Correio da Paraíba

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (

Cássio parabeniza lideranças eleitas e reafirma apoio aos 223 municípios

“Quero a permissão de todas as lideranças eleitas pra ser um “prefeito” das suas cidades em Brasília”

festa_cgTão logo o resultado eleitoral foi conhecido, o senador Cássio Cunha Lima enviou uma mensagem via redes sociais para todas as lideranças eleitas e reeleitas para o próximo mandato. “Reassumo aqui o compromisso com todos e todas para servir de ponte entre as prefeituras e o Governo Federal para a busca de recursos, convênios e parcerias para obras que beneficiem todos os nossos municípios”.

O líder do PSDB no Senado destacou a grande vitória das oposições da Paraíba nestas eleições, “juntos, as oposições ao governo do Estado venceram em 8 dos 10 maiores colégios eleitorais, João Pessoa, Campina Grande, Santa Rita, Bayeux, Patos, Cabedelo, Cajazeiras e Guarabira.

Cássio afirmou que o momento agora é de muito trabalho em prol das cidades, pois o país enfrente imensos desafios que precisa superar, como os 12 milhões de desempregados que foram gerados a partir da irresponsabilidade gerencial e a corrupção desenfreada que fomos testemunhas nos últimos anos.

Neste domingo à noite, o senador participou das festas que celebraram as reeleições de Romero Rodrigues (PSDB) e de Luciano Cartaxo (PSD), que foram realizadas no Parque do Povo, em Campina Grande e no Busto de Tamandaré, em João Pessoa, respectivamente. Em ambas as cidades, o senador se colocou à disposição para ser um “prefeito” das cidades em Brasília.

Assessoria do senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Ministro reafirma que governo é contra redução da maioridade penal

edinho-silvaO ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, afirmou nesta segunda-feira (1º) que o governo federal é contra a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos, como propõe um projeto que tramita atualmente na Câmara dos Deputados. Nesta manhã, Edinho participou, no Palácio do Planalto, da reunião do grupo de coordenação política da presidente Dilma Rousseff.

Neste domingo (31), o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou em sua conta pessoal no microblog Twitter que colocará a proposta de redução da maioridade penal em votação no plenário da Casa em junho. O texto está sob análise de uma comissão especial que, segundo Cunha, deve concluir os trabalhos até 15 de junho.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

“[Colocar o projeto da maioridade em votação] é um direito do presidente [da Câmara], é um direito que ele tem enquanto parlamentar que preside a Casa. Cabe a ele criar a agenda de debates do Legislativo. Neste sentido, o governo respeita o Poder, mas todos sabem que o governo e a presidenta Dilma têm outra posição. O governo não acredita que a redução da maioridade penal vai reduzir a criminalidade no Brasil”, disse o ministro.

A presidente da República já se manifestou publicamente mais de uma vez contra o projeto. Em um vídeo publicado no Facebook, ela disse que a redução da maioridade penal não resolve o “problema da delinquência juvenil”. Em outra ocasião, ao participar de um encontro com jovens no fim de abril, ela voltou a criticar a proposta e disse que não se pode acreditar que a questão da violência “decorre da questão da maioridade ou da redução dessa maioridade.”

Ao destacar o posicionamento do governo sobre o projeto que está em análise na Câmara nesta segunda, Edinho Silva afirmou que o Executivo defende o agravamento da pena quando um adulto for condenado por algum crime e que tenha utilizado jovens para cometê-lo.

“O governo quer combater a impunidade. O que tem que haver hoje é a priorização da mudança na legislação no sentido de penalizarmos os adultos que utilizam menores para práticas criminosas”, disse o chefe da Comunicação Social.

Sobre se o projeto da redução da maioridade penal caracteriza “retrocesso” à legislação, Edinho Silva disse que não pode classificá-lo dessa forma. O ministro avaliou que a redução não resolverá a criminalidade no país e afirmou que países que adotaram medidas semelhantes não obtiveram redução da criminalidade.

“O que nós temos de fazer é investir no combate à impunidade. Volto a dizer, é penalizar aqueles adultos que utilizam os menores para práticas criminosas. Temos de investir na educação, na cultura e na inclusão social”, declarou.

Joaquim Levy
Edinho Silva comentou ainda críticas de setores do PT à condução da política econômica pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Segundo o ministro da Comunicação Social, Levy é “extremamente respeitado” no governo e quem conduz a economia do Brasil é a presidente Dilma.

Conforme mostrou o Blog do Matheus Leitão, Levy tem enfrentado dificuldades em “várias frentes”, como por parte do PT e do PMDB. Segundo o Blog, o ministro da Fazenda pode ficar isolado caso tenha impasses com o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa.

“Quanto ao ministro Joaquim Levy, nós temos que entender que ele opera, do ponto de vista econômico, medidas deliberadas pela presidenta Dilma. Quem conduz a política econômica do governo é a presidenta e o ministro é um ministro capaz e extremamente respeitado no governo”, disse Edinho Silva.

Fator previdenciário
O ministro da Comunicação Social falou também sobre a análise pela presidente Dilma da alteração aprovada pelo Congresso Nacional na base de cálculo do fator previdenciário durante a votação das medidas de ajuste fiscal.

Edinho Silva afirmou que o governo terá “proposta concreta” sobre o assunto após o grupo criado na semana passada, formado por seis ministérios, chegar a um consenso. Segundo o ministro, após o governo ter essa posição, iniciará o “diálogo” com o Congresso Nacional – Dilma tem até 17 de junho para vetar ou não o texto aprovado pela Câmara e Senado. O grupo se reunirá nesta segunda à noite, no Palácio do Planalto.

Coordenação política
Conforme o ministro, a reunião da coordenação política desta segunda-feira serviu para o governo discutir a “agenda positiva” para o mês de junho. Segundo Edinho Silva, após a aprovação pelo Congresso das medidas de ajuste fiscal, é preciso que o governo comece a divulgar ações positivas nas próximas semanas.

Para esta terça (2), por exemplo, é esperado o lançamento do Plano Safra 2015-2016. Além disso, no próximo dia 9, o governo lançará o pacote de concessões em infraestrutura e logística. Segundo Edinho Silva, ainda neste mês a presidente deve lançar o Plano Nacional de Exportações, além do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida 3.

G1

Empresário reafirma pré-candidatura para prefeito de Cacimba de Dento em 2016

tutucaO empresário Francivaldo Araújo, mais conhecido como Tututa, reafirmou sua pré-candidatura a prefeito do município de Cacimba de Dentro. Na última sexta-feira (27), Tututa confirmou seus votos matrimoniais na igreja com sua esposa Silândia Alcântara, com quem já é casado no civil há 15 anos. A cerimônia foi marcada pela presença de muitos amigos, familiares e também de várias lideranças políticas da região.

O empresário que já colocou seu nome a disposição do grupo político ligado ao prefeito Edmilsom Gomes e voltou a afimar que é pré-candidato a prefeito da cidade. “Estou muito feliz em poder receber meus amigos neste momento tão especial para mim e minha esposa e também feliz por ter um grupo político que vem acreditando no meu nome para comandar os destinos políticos de nossa cidade”, falou.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Tututa ressaltou que a presença das lideranças políticas em seu casamento são a demonstração de que ele tem um grupo unido que o possibilita entrar na disputa. “Sei que esse momento não é o mais adequado para falar de política, mas aqui como se pode ver recebi vários correligionários que estão acreditando na nossa proposta para cidade e fico muito gratificado por poder contar com o apoio do nosso prefeito Edmilsom para essa nova fase em minha vida”, acrescentou.

 

Focando a Notícia

PMDB de Solânea nega racha e reafirma aliança com Ricardo após ala jovem decidir apoiar Cássio

 

reuniãoA direção do PMDB de Solânea negou, nesta sexta-feira (24), que o partido esteja rachado e que parte do grupo esteja apoiando a candidatura do senador Cássio Cunha Lima (PSDB). Essa semana surgiram na cidade boatos de que a ala jovem do partido teria decidido não apoiar à candidatura à reeleição de Ricardo Coutinho (PSB). A decisão teria sido articulada pelo vereador Paulo Nunes.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Por conta disso, representantes da legenda se reuniram na noite desta sexta-feira e reafirmaram o apoio ao socialista. O encontro foi liderado por Walter Júnior e Reginaldo das Motos.

 

walter juniorSegundo Walter Júnior, representante do partido na cidade de Solânea e que em breve estará assumindo a presidência do PMDB municipal, o grupo acompanhará a decisão da Executiva Estadual de apoiar a coligação “A Força do Trabalho”, juntamente com Roberto Paulino, os senadores Zé Maranhão e Vitalzinho e o deputado federal, Veneziano Vital do Rêgo.

 

Walter destacou que “o PMDB de Solânea marchará unido, seguindo a decisão da executiva estadual. Essa é a nossa decisão. Acompanhar nossos representantes na Câmara e Senado Federal. Essa é a decisão do nosso partido aqui. Qualquer outra informação a respeito, não condiz com a verdade”.

 

De acordo com informações surgidas esse semana, um grupo de jovens do PMDB solanense teria decidido se rebelar e não acompanhar a decisão do partido em apoiar à candidatura de Ricardo Coutinho. Segundo as informações, um grupo de jovens do PMDB, em Solânea, teria anunciado apoio a candidatura de Cássio Cunha Lima na noite da última segunda-feira (20).

 

Focando a Notícia com Assessoria

Prefeita do PMDB considera equivocada decisão do partido e reafirma apoio a candidatura de Cássio no segundo turno

prefeitaA prefeita da cidade de Cuité, no Curimataú paraibano, Euda Fabiana (PMDB ), declarou neste sábado (11) que não seguirá o partido no apoio a Ricardo Coutinho (PSB) e reafirmou que seguirá a tucano Cássio Cunha Lima (PSDB) no segundo turno das eleições.

Em entrevista ao MaisPB, Euda Fabiana considerou “equivocado” o anuncio da adesão do partido ao socialista e disse que a maioria das lideranças peemedebistas não concordam com a aliança.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Porque os mesmos faziam oposição ferrenha discordando de quase tudo que o governo fazia. A maioria dos peemedebistas não concordam com essa aliança”, disse a gestora que é esposa do ex-deputado estadual Bado Venâncio.

Roberto Targino – MaisPB

Em nota Prefeitura reafirma gratuidade total sem privilégios no São Pedro de Belém/PB

Nota

MultidãoO governo municipal de Belém/PB, através do senhor prefeito Edgard Gama e da Diretoria de Comunicação, reafirma que a tradicional festa do maior São Pedro da Paraíba, continua sendo realizada com todas as atrações totalmente gratuitas. Outrossim, informa ainda a inexistência de privilégios, área vip, front estag ou semelhante, pois a festa é feita pelo povo e para o povo.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Este ano serão três noites com as melhores atrações possíveis para melhor atender o anseio dos forrozeiros sem distinção de quaisquer razão.

Belém, 28 de junho, de 2014.

Rodrigo Costa, Diretor de Comunicação.

Tribunal de Justiça reafirma condenação do ex-prefeito de Serraria por improbidade administrativa

tjO ex-prefeito João de Deus Ferreira da Silva, de Serraria, no Brejo paraibano, continuará com seus direitos políticos suspensos pelo prazo de três anos, conforme decisão que o condenou por atos de improbidade. A sentença foi confirmada na manhã desta segunda-feira (29) pela Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba.

João de Deus Ferreira foi condenado por suspender o pagamento da remuneração do mês de maio de 2004 dos servidores que haviam ingressado com medidas judiciais para cobrar salários atrasados. Além disso, o ex-gestor, à época, procedeu normalmente com o pagamento dos demais servidores, revelando o dolo em sua conduta.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

De acordo com a ação civil pública encaminhada pelo Ministério Público Estadual, com base em denúncia dos próprios servidores, pode-se constatar que o prefeito municipal, embora estivesse realizando os pagamentos em atraso, escolheu quais servidores que teriam direito de receber pelo trabalho realizado, preterindo os que buscaram no Judiciário a efetividade de seus proventos.

Inconformado com a sentença que o condenou, João de Deus Ferreira ingressou com recurso, alegando que, em virtude de estar aguardando a decisão da Justiça, não procedeu com os pagamentos devidos. Afirmou, ainda, que as denúncias teriam sido motivadas por um membro do MP local, com a intenção de beneficiar sua esposa, que seria a pretensa candidata à disputa eleitoral no pleito que se avizinhava. Por fim, pugnou pela anulação da decisão de Primeiro Grau.

Para o relator do recurso, juiz convocado Marcos Coelho de Salles, “não há como excluir a improbidade do ex-gestor, visto que, a partir de seu próprio depoimento, se constatou a sua intenção em não realizar o pagamento referente aquele mês de maio de 2004 aos servidores que ingressaram na Justiça para satisfação de seus direitos. Assim, ficou caracterizada a prática de ato atentatório contra os Princípios da Administração Pública e por isso deverá responder,” concluiu.

Fonte: do tjpb

Ditadura: fotógrafo reafirma montagem da cena de ‘suicídio’ de Herzog

Foto: RenattodSousa/Câmara Municipal de São Paulo
Foto: RenattodSousa/Câmara Municipal de São Paulo

“O que trago na memória é um muro alto, portão alto de ferro e um lugar escuro e de acesso fácil.” O fotógrafo Silvaldo Leung Vieira, ex-funcionário da Polícia Civil de São Paulo, relembra com essas palavras a imagem que guardou do prédio do DOI-Codi no dia em que fez a conhecida fotografia do jornalista Vladimir Herzog morto em sua cela, no dia 25 de outubro de 1975. Ele veio de Los Angeles (EUA) a convite da Comissão da Verdade da Câmara Municipal de São Paulo, onde mora desde 1979, para visitar e fazer o reconhecimento do local em que hoje funciona o 36º Distrito Policial, no bairro do Paraíso, zona sul de São Paulo. Sobre como se sentia ao voltar ao local, olha em torno e diz: “Era um lugar mais escuro”.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Segundo a versão policial na época, Herzog havia se suicidado. Mas, como ficou comprovado, ele foi assassinado um dia após se apresentar espontaneamente ao DOI-Codi, depois de ser procurado por agentes.

O fotógrafo Vieira, que na época tinha 22 anos, disse que percebeu haver algo estranho no momento em que fez a foto. Principalmente porque o corpo de Herzog estava numa posição estranha, segundo ele, para alguém que havia se suicidado, com a perna dobrada. “Num suicídio normalmente a pessoa salta de uma cadeira, ela fica pendurada, e não era aquilo que eu via”, lembra. “Foi clara (a montagem da cena) para mim. E também toda a blindagem em volta. Normalmente você vai num local e encontra PMs, carro de cadáver, você circula no local, procura coisas no chão, tenta fazer um croqui.”

Ser levado ao local praticamente sem saber para onde estava indo foi outro elemento que lhe causou “quase a certeza que aquele era um caso especial, um caso de homicídio”. “Eu nem sabia quem era, não sabia o nome. No decorrer é que vim juntando as peças. Ninguém comentou nada, vim a saber depois, no dia seguinte. Quando fui almoçar no Crusp (Conjunto Residencial da USP) já tinha comentário formado de tudo que tinha acontecido”, conta o fotógrafo.

Ele fazia um curso de fotografia na USP. “Foi uma fatalidade para mim (ter fotografado o corpo de Herzog). Eu estava iniciando a minha vida, de 21 para 22 anos.” Segundo ele, o trabalho foi rápido. “Só recebi a ordem de fotografar, não me movimentei pela sala, não vi mais nada a não ser o cadáver. Fiz a foto da porta.” Ele diz que não houve comentários, nem antes nem depois de fotografar, que pudessem suscitar quem era a vítima.

“Eu estava muito tenso, muito nervoso, e foi um choque para mim a forma com que eu cheguei aqui. Eu achava que ia ser a foto de um treinamento, por eu estar na escola, e foi uma coisa ultrassigilosa.” Vieira diz que estava nervoso ao se dirigir para o local “porque era a segunda semana minha no curso, não estava preparado. Eu sabia que ia fotografar um ‘encontro de cadáver’”, explicando que esse é um “termo técnico” para designar o trabalho. Após fazer as fotos, recebeu dos agentes a orientação de não comentar nada. Ele garante que nunca militou ou fez política, nem antes nem depois da famosa foto.

O agora ex-fotógrafo, com 60 anos, não se lembra de nomes e reafirma ter pouca ou quase nenhuma lembrança de seus movimentos dentro do prédio. Segundo o vereador Gilberto Natalini (PV), presidente da Comissão da Verdade paulistana, que ficou 60 dias preso e foi torturado no mesmo prédio, o local foi reformado. “A modificação física do prédio dificultou muito a identificação dos detalhes”, diz o parlamentar. “Houve uma reforma grande, e faz 38 anos, é praticamente uma vida”, completa Vieira.

Sobre a importância de sua presença no local, o fotógrafo respondeu: “Espero que mais pessoas que saibam mais do que eu venham também, e participem. Acredito que muitos funcionários presenciaram isso, e talvez até possam citar nomes.”

Quatro anos depois, em 1979, Silvaldo Leung Vieira partiu para os Estados Unidos. Filho de um imigrante chinês que chegou ao Brasil em 1933, ele só voltou 15 anos depois, para ver a mãe. Em Los Angeles, recorreu a subempregos até conseguir uma vaga de aprendiz de joalheria. Ficou 25 anos no ramo. Atualmente, trabalha num abrigo para mulheres solteiras ou mães solteiras de até duas crianças em uma organização patrocinada pela igreja católica. “Dou instrução em Microsoft Office, ensino às pessoas como resumir um currículo.” Mas diz que sempre amou e continua amando a fotografia.

 

por Eduardo Maretti, da RBA

Presidente da CUT reafirma apoio à MP dos Portos e critica Força Sindical

reuniãoO presidente da CUT, Vagner Freitas, reafirmou nessa quarta (15) o apoio da central sindical à proposta costurada pelo governo para a Medida Provisória 595, que altera a atual Lei dos Portos e cria regras para futuras concessões à gestão privada das atividades portuárias no país. Freitas lembrou que a CUT, juntamente com UGT, CBT e Nova Central assinaram uma nota de apoio à MP e lamentou a postura adotada pela Força Sindical, que rejeitou a proposta do governo e convocou greve nos três portos que controla (Santos, Rio de Janeiro e Paranaguá).

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Nós fizemos uma carta de apoio à MP, com a garantia que o governo nos deu de que os trabalhadores podem trabalhar tanto no porto novo quanto no porto velho e que, acima de tudo, a contratação dos trabalhadores tem de ser feita por meio de negociação com o sindicato. Aumentar o papel do sindicato nesse processo é extremamente importante para a CUT. Nós conseguimos fazer uma unidade entre todas as centrais. Mas, lamentavelmente, houve essa influência do deputado Paulo Pereira”, diz o presidente da CUT.

Freitas acusa o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (PDT-SP), de jogar confusão sobre a discussão. “Na realidade, ele está utilizando essa questão da greve para tentar defender os interesses que ele tem e que outros têm nas questões comerciais do porto e não nas questões relativas aos interesses dos trabalhadores. Como ele tem dupla função, como presidente de central e deputado, acaba confundindo a ação. Ora é presidente de central, ora defende os interesses dos empresários, o que faz parte da função de um deputado. Só que ele acaba confundindo os trabalhadores com sua atuação.”

As centrais, segundo Freitas, não aceitaram nenhum prejuízo aos trabalhadores: “O que nós discutimos com o senador Eduardo Braga (PMDB-AM) ficou assegurado na redação do relatório da comissão mista. Qualquer coisa que aconteça ao contrário, aí sim, nós entraremos com toda a radicalidade necessária para defender os interesses dos trabalhadores, mas agora isso não está acontecendo. O Paulinho está forçando a barra”, diz.

O presidente da CUT conta o que ocorreu na negociação com o governo: “Ontem (14), no final da reunião das centrais com o governo, o deputado Paulo Pereira veio dizer que tinha de ser feita uma mudança na redação de um dos tópicos da MP. Pediu a mudança dos parágrafos que, segundo ele, não contemplariam a discussão dos trabalhadores. Ele argumentou que, da forma como está escrito, não se garante que os trabalhadores possam trabalhar tanto no porto novo quanto no porto velho. O governo assegurou, através da ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais), que estava absolutamente garantido aquilo que nós negociamos com o senador Eduardo Braga. Os trabalhadores podem trabalhar tanto no porto antigo quanto no porto novo. Isso é uma garantia que nós estabelecemos, mas o Paulinho insistia em dizer que não estava contemplado no acordo”.

Freitas também criticou a exigência, feita pela Força Sindical, de que os trabalhadores portuários tenham que ser contratados por intermédio do Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo): “O Ogmo é uma entidade constituída entre patrão e empregado que obrigatoriamente contrata todo o serviço. E o sindicato é remunerado, por isso que ele está tentando manter isso. O governo desde o início disse que não queria o Ogmo e concordou que a contratação deve ser feita diretamente pelo sindicato”. “O Paulinho está defendendo o interesse do Ogmo, que é o interesse do empresariado e não dos trabalhadores. Queremos dizer que a CUT não tem nada a ver com isso, nós queremos é que o trabalhador tenha direito de trabalhar no porto novo e no porto antigo. Isso deve ser tratado pelo sindicato, pois a questão de Ogmo é questão de empresário. Eles dizem que o Ogmo é essencial porque têm interesses empresariais e comerciais nisso. Os trabalhadores podem ser contratados como seletivos ou avulsos, mas isso tem que ser feito pelo sindicato”, acrescenta Freitas.

O essencial, segundo a CUT, foi construir uma medida provisória que não traga prejuízos aos trabalhadores: “Nós conseguimos colocar coisas importantes na medida, sem dúvida nenhuma. A CUT e as demais centrais trataram de cuidar da questão dos trabalhadores na MP. As outras questões referentes ao interesse do empresariado e dos estados também são importantes, mas não devem ser prioritários para uma central sindical”.

Greve na estiva

A greve dos estivadores em Santos atingiu pelo menos dez das 30 embarcações comerciais atracadas no cais do porto hoje (15). A paralisação foi deflagrada ontem em protesto contra a MP dos Portos. Em Paranaguá (PR), hoje as atividades foram normalizadas.

Segundo a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), das 37 embarcações atracadas hoje no porto de Santos, 30 são comerciais e pelo menos dez foram atingidas pela greve. Das 30 embarcações comerciais, cinco estavam atracadas em terminais privativos e a Codesp não têm informações sobre a movimentação neste terminais.
Maurício Thuswohl, da RBA