Arquivo da tag: queimada

Mulher é agredida por ex-companheiro e queimada com cigarro; suspeito é preso, na PB

Um homem foi preso na noite desta terça-feira (13) suspeito de agredir a ex-companheiro e provocar uma queimadura no pescoço dela com cigarro, no bairro da Torre, em João Pessoa. Ele foi preso depois que a mulher pediu socorro e os vizinhos chamaram a polícia.

A vítima e o suspeito tinha um relacionamento de oito anos, mas haviam se separado recentemente. No entanto, nesta terça, o homem foi até a casa da mulher, a agrediu, ameaçou e queimou parte do seu pescoço com cigarro.

De acordo com a delegada da mulher, Josenice de Andrade, os vizinhos relataram que as agressões são constantes. Em outros episódios, o homem teria sufocado a mulher e, quando ela já estava perto de desmaiar, ele parava e mandava ela respirar de novo.

Nesta terça-feira, além da queimadura, o homem puxou os cabelos da mulher, apertou o pescoço dela e ameaçou tocar fogo no colchão da cama dela. A mulher pediu socorro e os vizinhos chamaram a polícia.

O suspeito foi encaminhado para a Delegacia da Mulher, na Central de Polícia Civil. Ele está preso na carceragem e deve passar por audiência de custódia nesta quarta-feira (14). Segundo a delegada, a mulher nunca havia solicitado medida protetiva. No entanto, após a prisão, a medida já foi solicitada pela delegada e, se após a audiência de custódia o homem for solto, ele vai precisar cumprir as medidas protetivas que serão impostas pela Justiça.

G1

 

‘Foi queimada viva’, diz delegado sobre Loalwa Braz, do Kaoma

O delegado Leonardo Macharet, da 124ª DP (Saquarema), responsável pelo “caso Kaoma”, deu entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira, 19, e contou que a cantora Loalwa Braz, de 64 anos, foi queimada viva pelos criminosos. A vocalista do Kaoma – famosa em todo o mundo pelo hit “Chorando se foi” – foi encontrada morta carbonizada em um carro a 800 metros de sua pousada, em Saquarema. Dois suspeitos acabaram presos horas depois pela polícia, que até as 18h30 procurava um terceiro envolvido. Um deles, Wallace de Paula Vieira, de 23 anos, trabalhava havia poucas semanas na pousada da artista.

“Eles entraram na pousada, bateram nela com um pedaço de madeira, que já foi localizado. Também apreendemos uma faca e a camisa de um dos elementos com sangue. Ela estava gritando muito, eles resolveram levá-la para o carro. Um deles iria sair com ela do local, mas parece que o carro morreu e eles atearam fogo nela. Ela estava viva no momento que a queimaram. Foi queimada viva. Essa foi a parte mais cruel”, disse o delegado, que contou sobre o vínculo recente entre o criminoso e a cantora.  “Ele era caseiro dela desde o réveillon. Foi chamado para o movimento de verão, tem então uns 15 dias. A mão de obra em Saquarema está um tanto precária, mas infelizmente ela acabou contratando alguém totalmente sem conhecer e aconteceu isso.”

A polícia trabalha com a hipótese de latrocínio. Os suspeitos presos até a tarde desta quinta são Wallace e um rapaz identificado apenas como Gabriel, de 21 anos. Eles seguiriam ainda nesta sexta para o Complexo Penitenciário de Bangu, na Zona Oeste do Rio.

“Estamos aguardando parentes que saibam o que eles têm na casa. A princípio, levaram R$ 15 mil, pertences como louça, itens pessoais”. O corpo foi levado para o IML de Araruama e a identificação será feita através da arcada dentária – o dentista de Loawla vai até o IML junto com os familiares para ajudar na investigação.

“Quando a ocorrência chegou para a Polícia Militar, o suspeito (Wallace) se apresentou como vítima, como se também tivesse sofrido o roubo, como se fosse vítima e não autor. Começamos a suspeitar porque ele aparentou estar nervoso e depois ele acabou confessando”, disse o delegado sobre um dos suspeitos que será indiciado por latrocínio. Segundo o delegado, a dupla não aparenta arrependimento.

Loalwa Braz (Foto: Ego)Loalwa Braz (Foto: Ego)

“Os presos não demonstram arrependimento e ainda brincaram com a música sucesso dela (‘Chorando se foi’). Demonstraram total certeza do que faziam e nenhum arrependimento. É um crime bárbaro, bastante violento, e foge até da normalidade de Saquarema. Vamos trabalhar para prender o terceiro elemento ainda. Não temos o nome, apenas a descrição”.

Entenda o caso
Na manhã desta quinta, 19, o major Domingos do Corpo de Bombeiros de Saquarema, contou ao EGO que foi solicitado combate a um incêndio em uma residência no Bairro Jardins. “Teve um príncípio de incêndio em um imóvel na Estrada da Barreira, no distrito de Bacaxá, na altura do número 3.333. Depois de combatido, recebemos a ligação de um policial solicitando atendimento para combater outro foco de incêndio em um carro nas proximidades. No procedimento de rescaldo do veículo conseguimos identificar a presença do corpo de uma mulher que estava carbonizado.”

O incêndio foi em um carro modelo Honda Civic, onde o corpo de Loalwa foi encontrado.

Vida e carreira
A cantora de 63 anos estava em tratamento para curar um câncer. Ela era casada e tinha dois filhos, mas vivia sozinha em um sítio na mesma cidade, já que o marido estava morando na França. De acordo com sua assessoria de imprensa, um dos filhos seguiu para a Região dos Lagos logo após saber da notícia.

 Loalwa Braz (Foto: Reprodução/Facebook)Loalwa Braz (Foto: Reprodução/Facebook)

De Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, Loalwa foi morar em Paris, em 1985. Casou-se com um francês e passou a cantar jazz em clubes e casas de show francesas. Formou o grupo Kaoma, que cantava reggae e salsa, e se surpreendeu quando foi convidada para cantar lambada.

“Muita gente me criticou porque eu tinha formação clássica e ia cantar música popular”, contou ela, em entrevista ao EGO em 2009.

Talvez por ter sido criada ouvindo ritmos variados, Loalwa não se importou com as críticas e topou o desafio. A lambada explodiu no Brasil no final dos anos 80 e foi levada aos outros países nos anos 90. A cantora começou então seu périplo pelo mundo, fazendo shows em um total de 116 países.

Carro carbonizado onde teria sido encontrado o corpo da cantora Loalwa  (Foto: Lucas Pasin / EGO)Carro carbonizado onde teria sido encontrado o corpo da cantora Loalwa (Foto: Lucas Pasin / EGO)
Carro carbonizado onde teria sido encontrado o corpo da cantora Loalwa  (Foto: Lucas Pasin / EGO)Carro carbonizado onde teria sido encontrado o corpo da cantora Loalwa (Foto: Lucas Pasin / EGO)
Carro carbonizado onde teria sido encontrado o corpo da cantora Loalwa (Foto: Lucas Pasin/EGO)Carro carbonizado onde teria sido encontrado o corpo da cantora Loalwa (Foto: Lucas Pasin/EGO)
EGO

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Idosa morre queimada dentro de casa em Alagoa Nova, no Agreste da PB

alagoa nova1Uma idosa de 92 anos morreu queimada dentro de casa na madruga desta terça-feira (28) na cidade de Alagoa Nova, no Agreste da Paraíba. De acordo com as primeiras informações da Polícia Civil, a mulher estava dormindo quando o fogo começou e a atingiu. Ela morreu no local.

O incêndio foi registrado pela Polícia Militar por volta das 3h. Segundo o delegado Luciano Serra Seca, a mulher morava sozinha na casa e a primeira suspeita é que houve um curto-circuito e as chamas atingiram o colchão em que a idosa dormia.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

“Ela estava dormindo em uma cama na sala da casa quando começou o incêndio. Tudo indica que foi acidental, e não criminoso”, afirmou. Uma equipe do Instituto de Polícia Científica (IPC) foi acionada e até as 8h30 a perícia não tinha sido concluída. O corpo da idosa foi levado para o Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol) de Campina Grande.

 

G1

Mulher ‘esquece’ cigarro em colchão e morre queimada na PB

bombeirosUma mulher de 34 anos acabou morrendo queimada, na noite dessa sexta-feira (10), após derrubar um cigarro em um colchão e causar um incêndio, em sua própria residência, localizada no distrito de Lerolândia, em Santa Rita.

De acordo com informações, a vítima morava sozinha, tinha problemas neurológicos e estaria alcoolizada quando o fato aconteceu.

Quando percebeu o incêndio, a família da mulher, que mora ao lado, contou com a ajuda dos vizinhos para apagar o fogo, mas quando as chamas foram controladas, a vítima já estava morta. O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas nada pôde fazer.

O corpo da vítima foi encaminhado para a Gerência Executiva de Medicina e Odontologia Legal (Gemol), em João Pessoa, para os procedimentos de rotina.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Em menos de uma semana, esse é o segundo caso de incêndio em residências com vítimas fatais na Grande João Pessoa.

MaisPB

Queimada às margens da BR-230 impede visibilidade de motoristas na Grande João Pessoa

QUEIMADAUma queimada às margens da BR-230, na Grande João Pessoa, dificultou a visibilidade dos motoristas que precisaram trafegar por Intermares, em Cabedelo, na tarde deste sábado (6).

O Corpo de Bombeiros informou que recebeu a denúncia sobre as chamas e que enviou uma equipe para conter o fogo no local. Segundo a coordenação de plantão, por volta das 16h o problema já estava sob controle.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
Os Bombeiros adiantaram que as causas da queimada são desconhecidas, mas suspeitam que tenha sido mais uma das formas rotineiras utilizadas por proprietários ou moradores para limpar terrenos.

A Polícia Rodoviária Federal disse que também deslocou agentes para as imediações do km 9 da rodovia para orientar os motoristas.

 

portalcorreio

Adolescente indiana sofre duplo estupro coletivo e é queimada viva

AFP/Arquivos
AFP/Arquivos

Uma adolescente indiana sofreu dois estupros coletivos em ataques separados e depois morreu queimada viva, reavivando os protestos contra este tipo de crime na cidade de Calcutá e na capital, informou a polícia nesta quinta-feira.

A menina de 16 anos foi primeiramente atacada em 26 de outubro e novamente no dia seguinte por um grupo de mais de seis homens perto da casa de sua família na cidade de Madhyagram, 25 km ao norte de Calcutá.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O segundo estupro coletivo aconteceu quando ela estava voltando para casa depois de ter ido prestar queixa do primeiro ataque numa delegacia de polícia.

Em 23 de dezembro, atearam fogo na adolescente e ela morreu no hospital, na noite de Ano Novo, informou a polícia.

“Antes de morrer, ela prestou depoimento diante de um oficial de justiça e afirmou que duas pessoas ligadas aos acusados atearam fogo nela quando estava sozinha em casa”, informou o policial Nimbala Santosh Uttamrao à AFP.

A polícia realizou as duas primeiras prisões na quarta-feira, dois meses depois do primeiro crime, afirmou, por sua vez, o chefe de polícia Rajiv Kumar.

“Os acusados tentaram matar minha filha ateando fogo nela para silenciá-la sobre os crimes”, declarou o pai da vítima, um taxista.

Nem ele nem sua filha podem ter o nome revelado por razões legais.

Centenas de ativistas protestaram na primeiro dia do ano em Calcutá para denunciar os crimes e as brutalidades cometidas com as mulheres indianas.

Os ativistas também se manifestaram na capital Nova Délhi nesta quinta-feira, acusando o governo e a polícia de não agir com rapidez depois que a adolescente apresentou sua primeira queixa.

“Temos convicção de que se o governo tivesse agido contra os criminosos, os horríveis atos subsequentes teriam sido evitados e a vida da jovem moça teria sido poupada”, afirmou a Associação das Mulheres Democráticas da Índia, em um comunicado enviado ao chefe de gabinete do governo regional.

As autoridades informaram que farão de tudo para levar os responsáveis pelo estupro e morte da adolescente o mais rápido possível ante a justiça, segundo a agência Press Trust of India.

“Estamos comprometidos com uma política de tolerância zero em relação à violência sexual”, afirmou o secretário-chefe de Bengala Oriental, Sanjay Mitra.

Os crimes de estupro, agressão e assédio sexual contra as indianas estão no centro das discussões nos últimos doze meses depois de um estupro coletivo que tirou a vida de uma estudante de 23 anos em um ônibus em Nova Délhi, em dezembro de 2012.

O Parlamento desde então aprovou leis mais rígidas para punir os estupradores.

Os ativistas afirmam que as vítimas de estupro sofrem com constantes ameaças por parte de seus agressores, enquanto a polícia as desestimula a a fazer a ocorrência dos ataques.

 

AFP

Adolescente é queimada viva pelo pai após encontrar com noivo no Iêmen

fogoUm pai de família no Iêmen queimou sua filha de 15 anos viva apenas por suspeitar que ela teria se encontrado com seu noivo, anunciou nesta terça-feira (22) a polícia iemenita.

O homem de 35 anos matou sua filha “queimando-a viva, com o pretexto de que ela teria tido dois encontros com seu noivo”, acrescentou a polícia em seu site, indicando que o assassinato aconteceu em Shabaa, um povoado da província de Taëz, no centro do Iêmen.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O corpo da jovem foi levado para o hospital e o pai vai ser julgado, segundo a polícia.O assassinato mostra o peso da tradição no Iêmen, país pobre da Península Arábica, afetado por escândalos relacionados ao casamento de menores de idade, prática patriarcal comum em uma sociedade com estrutura tribal.

G1

Mãe adotiva é presa após confessar que matou a filha queimada em Campina Grande

presaQuatro pessoas foram presas neste domingo (17) nas cidades de Campina Grande e Alagoa Nova, no Agreste paraibano, acusadas da morte banal de uma criança de 12 anos, em setembro de 2010, na Rainha da Borborema. A mentora do crime é a mãe adotiva da menina. “A vítima foi queimada viva”, disse o delegado regional de Polícia Civil, Marcos Paulo.

Os presos tiveram mandados de prisão preventiva decretados pela Justiça local em decorrência de inquérito instaurado que comprovou a participação das pessoas no homicídio.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Segundo a delegada Alba Tânia, titular de Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Infância e Juventude de Campina Grande, Bruna Valeska – que era mãe adotiva da menina – confessou o crime e narrou em riqueza de detalhes como planejou o assassinato.

A delegacia disse que Bruna mantinha uma relação homossexual com Alzicleide Diniz e as duas eram responsáveis por duas irmãs. Ainda na casa do casal, moravam Maria da Guia e Wedson Gomes. Conforme o inquérito policial, as mulheres espancavam diariamente as meninas e as mantinham em cárcere privado. “As garotas ficavam trancadas em casa e faziam todo serviço doméstico. Porém uma das meninas não estava mais agüentando o tratamento e começou a ficar rebelde”, disse a delegada.

Devido à rebeldia da garota, Bruna Valeska disse durante depoimento que a solução era matar a menor. “Ela mandou o homem comprar o álcool e depois jogou na menina e ateou fogo. Para a menor não fugir, Bruna a trancou no banheiro onde morreu carbonizada”, comentou a delegada informando que antes da vítima vir a óbito ela foi espancada.

Depois de 24h do ocorrido, o corpo foi colocado em uma caixa de papelão e abandonado na linha férrea do bairro São José, em Campina Grande. “Quando eles deixaram o corpo na linha do trem, os assassinos atearam fogo novamente no cadáver para apagar as impressões digitais”, adiantou a delegada.

Alba Tânia disse que todo o crime foi presenciado pela irmã da vítima que foi pressionada a não comentar o assassinato. “A sobrevivente viu a sua irmã sendo morta pelas mulheres. Como ela ficou com medo de morrer e sofrendo ameaças ficou calada durante anos. Porém, a garota conseguiu fugir de casa, procurou um orfanato e pediu ajuda”.

A direção do orfanato comunicou o caso à Polícia Civil que abriu investigações. “Colhemos material genético da vítima e confrontamos com a da mãe biológica. Ficou comprovado que a garota encontrada morta era a menina que estava sob a guarda de Bruna Valeska”, comentou a policial.

Quarteto acusado pelo crimeFoto: Quarteto acusado pelo crime
Créditos: Divulgação Polícia Civil

As investigações foram se aprofundando e a Polícia Civil constatou que os responsáveis do crime foram: Bruna Valeska, Maria da Guia, Alzicleide e Wedson Gomes. A polícia teve dificuldade de chegar aos acusados porque eles mudavam de residência para despistar a polícia. O quarteto foi encaminhado para os presídios de Campina Grande.

 

 

Hyldo Pereira, Portalcorreio

Imagens exclusivas da criança que ficou queimada durante incêndio em Guarabira

A família da criança que se envolveu em um incêndio numa residência do Conjunto Nossa Senhora Aparecida autorizou a cessão de imagens da criança que está no Hospital de Trauma na Capital.

As imagens chegaram à nossa reportagem através do repórter José Roberto, da Rádio Constelação FM, e mostra o pequenino totalmente enfaixado em razão das queimaduras de 2º e 3º graus.
Incêndio atinge criança no Conj. Nossa Senhora Aparecida, em Guarabira.
De acordo com as últimas informações, a criança estaria respirando através de aparelhos por ter parte do sistema respiratório comprometido devido ao incêndio.
A família pede encarecidamente a todos para que façam orações pela criança, que passa por um momento muito delicado.
portalindependente