Arquivo da tag: provam

10 sinais que provam que você está estressado

estresseNos dias de hoje, é muito comum dizer que está estressado e vários fatores contribuem para que isso aconteça.

Se você acha que não sofre desse problema, confira a nossa lista com alguns sintomas do estresse e tire suas próprias conclusões.

1. Sonhos bizarros

Seus sonhos são de deixar o pintor Salvador Dalí boquiaberto? Pois saiba, é necessário corrigir o sono e dormir sete, oito horas por dia. Procure evitar, também, o uso de cafeína, bebidas alcoólicas e drogas ilegais. Seu sono vai ser melhor, tenha certeza.

2. Náuseas

O estresse libera um ácido – que é o responsável pela ânsia e pela dor. O ideal para aliviar o estresse é dar umas boas risadas com os amigos, assistir a um filme e alguma atividade que lhe faça bem – como tocar algum instrumento musical.

3. Acne

Comum na adolescência, as acnes são alguns dos indícios do estresse. Ninguém gosta de tê-las, e é prejudicial para a autoestima, além de, eventualmente, deixar-lhe com a face toda marcada.

4. Dores musculares

Talvez o sintoma mais comum, as dores musculares incomodam e alteram o humor. Tudo é motivo para gritos e xingos. Geralmente, é a região do pescoço e coluna que são atingidos e lhe fazem estremecer por causa da dor.

5. Falta de apetite sexual

Se você anda trabalhando demais e quando chega em casa não está nem aí para seu parceiro, provavelmente seu apetite sexual foi para o beleléu. Já citado acima, uma boa transa é fator primordial para desestressar, mas se você está cansando demais – ou trabalhando de mais – não tem como. O sexo vai ter de ficar para depois.

6. Mudança de humor

A mudança de humor é um forte indício de estresse. Você não tem paciência, responde atravessado e se exalta por qualquer coisa.

7. Ansiedade

Quando nos deparamos com esse sentimento, logo procuramos amenizá-lo da forma mais trágica: com biritas. Biritar é bom, sim. Mas se lembre: bebida e estresse, de fato, não combinam.

8. Problemas cardiovasculares

As veias e artérias se comprimem e ocasionam o fluxo de sangue e batimentos cardíacos irregulares. Manter uma rotina saudável, com alimentação adequada, atividades físicas e sexuais podem acabar com esses sintomas.

9. Dores de cabeça forte

Você costuma sentir muitas dores de cabeça quando não está trabalhando. Ter ótimas noites de sono, além de repor as energias, deixam-lhe pronto para encarar a jornada do dia seguinte.

10. Calvice

Problema que assola e tira nosso sono. Ninguém quer ficar sem cabelo, e vê-los caindo não é nem um pouco legal. Praticar atividades físicas e tomar algum suplemento indicado pelo um especialista pode resolver seus problemas.

Fonte: Ultra Curioso

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Fotos provam que guerrilheiro foi morto na cadeia em 1972

 

Imagens até agora inéditas do corpo do guerrilheiro Ruy Carlos Vieira Berbert, desaparecido em janeiro de 1972, aos 24 anos, revelam que, por duas décadas, três governos militares e dois civis sabiam de sua morte numa cadeia de Natividade, hoje município do interior do Tocantins, e nunca informaram o fato a seus parentes.

Divulgação

 fotos guerrileiro ditaduraImagens inéditas do corpo do guerrilheiro Ruy Carlos Berbert são descobertas

Por meio da Lei de Acesso à Informação, que liberou documentos antes mantidos em sigilo, o Jornal da Tarde localizou seis fotografias de Berbert morto. Uma pasta de imagens do Arquivo Nacional mostra que o Centro de Informações do Exército, principal órgão de repressão à luta armada, identificava o guerrilheiro oficialmente e de forma correta já em janeiro de 1972.

Apesar da insistente procura dos parentes, os responsáveis pelos serviços de informações dos governos dos generais Emílio Médici, Ernesto Geisel e João Figueiredo, e os dos presidentes civis José Sarney e Fernando Collor não informaram a existência das fotos nem confirmaram sua morte.

A família conseguiu a primeira informação oficial só em 1992, ao ter acesso a dados disponíveis a partir daquele ano pelo antigo Dops de São Paulo. Os arquivos citavam a prisão de Berbert e a possibilidade de o guerrilheiro ter se suicidado na cadeia. A suspeita, porém, é que ele tenha sido assassinado pelo regime.

À época, os parentes tiveram de confrontar a informação do Dops com o registro da morte de um certo “João Silvino Lopes” em Natividade, dado divulgado em 1979 por um general da reserva.

Desaparecidos

Até hoje não se sabe onde estão os restos mortais de Berbert. Ele está na lista oficial que computa 475 mortos ou desaparecidos no período de governos militares no País (1964-1985).

As fotos de Berbert são as primeiras divulgadas, após a redemocratização, de um guerrilheiro morto nas dependências de um órgão do Estado.

De Jales, no interior paulista, Regina, única irmã de Berbert, recebeu com serenidade a notícia da existência das imagens no Arquivo Nacional. “Meu pai, também chamado Ruy, morto há 11 anos, sempre fez questão de divulgar com orgulho a história dele.”

O JT enviou as fotografias para o marido de Regina, Moacir Pereira. A família decidiu que não mostraria as imagens para a mãe do guerrilheiro, Ottília, com 93 anos.

‘Ironia da vida’

Berbert integrava o Movimento de Libertação Popular (Molipo), que tinha 28 integrantes – a maioria dos quais foi dizimada nos dias subsequentes à sua morte.

Ele nasceu em Regente Feijó, interior paulista, em 1947. Filho do funcionário público estadual Ruy Thales Jaccoud Berbert e da professora de ensino básico Ottília Vieira, logo cedo demonstrou interesse pela escrita. Numa redação, aos 8 anos, mostrou o desejo de se tornar militar. “Olha a ironia da vida”, diz Regina.

Berbert saiu de casa aos 18 anos para cursar Letras na USP. Estava na lista de estudantes presos no Congresso da UNE de Ibiúna, em 1968. Depois da prisão, a irmã e a mãe o reencontraram na Praça da República, em São Paulo. Foi o último encontro. No ano seguinte, ele passou a ser procurado sob suspeita de participação no desvio de um avião da Varig para Cuba. Na ilha caribenha, recebeu treinamento de guerrilha. Ao se integrar ao Molipo, também chamado Grupo Primavera ou Grupo da Ilha – uma dissidência da Ação Libertadora Nacional (ALN) – ele retornou ao Brasil. Andou pelo Maranhão e chegou a Natividade, fundada no século 18 e hoje com 9 mil habitantes.

A curta passagem de Berbert por Natividade ainda é lembrada por parte dos moradores da cidade. Relatos indicam que a prisão foi efetuada por uma equipe da delegacia local. Agentes externos do regime militar teriam chegado depois. Berbet usava botina e tinha características físicas bem diferentes das da população local.

Como a cidade ficou fora da rota da Rodovia Belém-Brasília, a passagem de viajantes que seguiam para o Maranhão ou Pará tornou-se mais rara.

Em Natividade, Berbert foi preso e levado para a cadeia pública, uma construção do período do Brasil Colônia, de frente para a praça central, de alpendre elevado e paredes de quase 1 metro de largura. Uma abertura na cela permitia que ele mantivesse contato com os moradores do município. Ele chegou a ganhar de uma moça uma rede para dormir.

Lençol

Numa madrugada de janeiro de 1972, moradores viram Berbert pendurado com lençol amarrado a troncos de madeira que sustentavam o teto da cadeia. Testemunhas disseram à família que viram agentes policiais de fora na cidade. Versões mais recentes de fontes militares indicam que os agentes chegaram a Natividade só após a morte do guerrilheiro. Eles sustentaram a versão do suicídio de “João Silvino Lopes”, maneira como Berbert foi identificado a autoridades locais – seu nome correto, no entanto, foi registrado pelos agentes do governo que fizeram as fotografias agora reveladas pelo Estado.

O advogado da família Berbert, Idibal Pivetta, também não sabia da existência das imagens do guerrilheiro morto. “As únicas fotografias que conseguimos dele em Natividade foram imagens feitas pelas moças da cidade”, afirma Pivetta. “Ruy era um rapaz muito boa pinta, as moças tentavam conversar com ele por meio da abertura na cela da cadeia”, conta o advogado. “Está provado que ele foi morto numa dependência do Estado. O Estado, portanto, é culpado.”

Fonte: Jornal da Tarde