Arquivo da tag: proteger

Criminosos enviam boletos falsos por mensagem. Saiba como se proteger das fraudes

Vítimas relatam que as cobranças fakes mais comuns são de serviços de telefonia e tevê a cabo. Verificar o remetente e não clicar em links suspeitos estão entre as orientações de especialista em tecnologia mobile, Bruno Ducatti

Dados da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) mostram que cerca de 3,7 bilhões de boletos bancários de venda de produtos ou serviços são pagos anualmente. A facilidade de pagar contas por meio de aplicativos no celular conquistou brasileiros há poucos anos. Há quem não mais compareça fisicamente ao banco, já que pode realizar quase todos os serviços bancários em um toque, com o aparelho celular na palma da mão. Acontece que, com um novo golpe, cibercriminososaproveitam o cenário para aplicar fraudes.

Na internet, por meio de um site de reclamações, centenas de vítimas relatam o recebimento de boletos falsos por sms. Os títulos de pagamento costumam vir em nome de empresas prestadoras de serviço, principalmente do segmento de telefonia e tevê a cabo.

Foi o que aconteceu com Renato Torres, estudante de direito. Ele recebeu uma cobrança exorbitante com um código de barras digitado, via sms. “Chamou a atenção o valor elevado. Eu já fui cliente NET e teria que ter aos menos uns 7 contratos para pagar tanto assim em uma mensalidade. Sem contar que a mensagem está muito mal escrita”, contou Renato, que mora em Recife.

O especialista em tecnologia e segurança mobile, Bruno Ducatti, explica que, para não cair em golpes, as potenciais vítimas devem se ater aos detalhes. “Muitas vezes a pessoa quem recebe esta cobrança nem chega a ter vínculo contratual com a falsa fonte cobradora. Mas, se por ventura tiver, ela pode observar outros pontos, como: a grafia da mensagem, o número de origem e suspeitar de urls encurtadas, pois elas são um forte indício de golpe”, alerta o especialista.

No caso de Mariana Xavier, jornalista que vive em Brasília, a fatura falsa recebida tinha valor idêntico a “verdadeira” que ela precisava pagar. “Não cai no golpe porque eu uso o aplicativo da empresa, e esse não costuma ser o canal oficial de comunicação. Não sei como eles conseguem saber o valor real da nossa conta, até os centavos. Se a pessoa não for atenta, sem dúvidas, dá para confundir”, relata a consumidora. Ela contou ainda que, em outro episódio, o que entregou a fraude na SMS falsa foi o link para acesso ao boleto.

O especialista alerta que os golpes podem ser mais sérios que parecem e deixar um prejuízo ainda maior. “Algumas destas mensagens vêm com links para que a vítima acesse e consiga visualizar o boleto. Neste momento é aberta uma nova janela, onde o criminoso instala um vírus, capaz de roubar senhas bancárias e de serviços on-line. A partir de então eles podem clonar os cartões e fazer compras pela internet. Por isso nunca abra links não confiáveis”, orienta Ducatti.

 

Bruno Ducatti reside em São Paulo, é empreendedor e desenvolvedor de novos negócios do segmento digital. É graduado pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo em publicidade e propaganda. Ducatti possui larga expertise em tecnologia mobile, marketing para dispositivos móveis, marketing digital e publicidade online, além de criação de Modelos de Negócio Digitais.

 

Assessoria de impreensa

 

 

Homem teria agredido vendedor para proteger filho autista

(Foto: Portal Correio)

Uma moradora entrou no ar no programa Correio Debate, da Rede Correio Sat, desta quarta-feira (2), em defesa do vizinho suspeito de agredir o vendedor ambulante Severino Ferreira, na tarde dessa terça-feira (1º), em João Pessoa.

Ela informou que o suspeito tem um filho autista, com sensibilidade para ouvir barulho, e há quase dois anos ele descia o prédio, constantemente, para pedir ao vendedor que não gritasse por causa do problema do menino.

Ela também afirma que a criança tinha crises de pânico quando ouvia os gritos do vendedor. A confusão ocorreu porque o pai teria pedido várias vezes a ele que evitasse gritar naquelas imediações, mas o vendedor não teria acatado. O suspeito não foi localizado para comentar a polêmica.

De acordo com a vítima, ele foi agredido quando estava vendendo seus produtos como faz há mais de 10 anos, seguindo o mesmo trajeto, pelos bairros de Altiplano até Jardim Oceania, passando por Miramar, Tambaú e Manaíra, onde aconteceu a agressão. Segundo a vítima, um morador de um dos prédios desceu e começou a reclamar com Severino pelo fato dele estar gritando para anunciar seus produtos. Foi nesse momento que as agressões começaram.

Tanto o morador quanto o comerciante foram até a 12ª Delegacia Distrital de João Pessoa para prestar esclarecimentos. Severino registrou um boletim de ocorrência por crime de agressão. Já o homem que o agrediu foi ouvido e em seguida liberado, e até o momento não quis se pronunciar sobre o assunto.

portalcorreio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Motoristas são vítimas do golpe da multa falsa; veja como se proteger

multaRecebeu uma multa e não lembra ter feito nada de errado? Cuidado, você pode ser vítima de um golpe.  Criminosos têm enviado a casa dos contribuintes boletos falsos com infrações de transito e o pior, usando o nome do Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

Multas falsas são enviadas aos motorista. Detran orienta que só pague o boleto após consulta ao site oficial do órgão ou do banco

A prática não é novidade, segundo o Detran há mais de cinco anos o órgão combate esse tipo de crime por meio de campanhas informativas e canais oficiais para consulta de débitos referentes aos automóveis.

Golpe

O alerta sobre o golpe da multa tem sido evidenciado no site de nove Detrans, entre eles o de São Paulo e o de Brasília. A carta com a multa é idêntica à notificação oficial enviada por órgão pelo Departamento Estadual de Trânsito, prefeituras e órgãos rodoviários (sendo esses os únicos autorizados a notificar o motorista infrator).

As falsas multas costumam ter a foto da placa do carro e informam infrações com multas em valores baixos junto a um boleto de pagamento, o que torna a identificação da fraude ainda mais complexa ao motorista.  Andar sem o cinto de segurança, falar ao celular enquanto dirige, passar farol vermelho e parar na faixa de pedestres, estão entre as notificações comuns neste tipo de crime.

Especialistas explicam que, os órgãos primeiro notificam o motorista sobre a infração cometida para após enviar o boleto com o valor a ser pago e os pontos que serão computados na carteira do motorista. Se o contribuinte receber o boleto, sem ter sido notificado anteriormente, ele deve consultar o site do Detran e verificar se a infração de fato ocorreu.

Além dos canais oficiais, os motoristas podem fazer a consulta de débitos do automóvel na rede bancária. Com o renavam do automóvel é possível verificar se constam ou não pendências, sendo elas de IPVA, seguro obrigatório e multas que impedem que o veículo seja licenciado.

Golpe virtual

Outra forma do motorista cair em um golpe vem pela internet. Segundo informações divulgadas no Portal do Governo do Estado, criminosos têm usado e-mails para aplicar golpes. Neste caso, mais do que notificar sobre supostas multas, eles enviam “alertas” sobre a suspensão de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e sobre leilão de veículos. Para incentivar que o contribuinte pegue o valor que consta neste e-mail fácil, os criminosos oferecem desconto de 40% para quitação dos débitos.

A orientação é que o motorista não clique em nenhum dos links que constam nestes e-mails e que use os canais oficiais para consultar débitos em caso de dúvidas. “O Detran.SP não envia notificações de multas por e-mail, apenas via Correios, para o endereço de cadastro do veículo. São utilizados correios eletrônicos apenas para responder as manifestações enviadas pelos cidadãos aos seus canais oficiais de atendimento: Disque Detran.SP, Fale com o Detran.SP e Ouvidoria”.

 

iG

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Quão perigosa é a radiação de celulares e como você pode se proteger

celularNós acordamos com ele, nos comunicamos por meio dele e trabalhamos com ele. Às vezes, acordamos no meio da noite para consultá-lo. E se o perdemos ficamos sem saber o que fazer.

O mundo de hoje é inimaginável sem o telefone celular. Tanto é que muitos ficam obcecados pelo aparelho.

Mas, nos últimos anos, com o aumento dos casos de câncer – uma das principais causas de morte em todo o mundo – vêm crescendo as preocupaçõs sobre as possíveis ligações entre os celulares e o risco de desenvolver tumores malignos.

“Nas últimas décadas foi realizado um grande número de pesquisas para analisar se as ondas de rádio frequência (RF) colocam em risco a nossa saúde”, disse à BBC Emilie van Deventer, diretora do Programa de Radiação do Departamento de Saúde Pública, Meio Ambiente e Determinantes da Saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“À medida que mais ondas de RF têm aparecido em nossas vidas, a questão a ser resolvida é se existem efeitos adversos por parte de celulares, torres de telefonia ou conexões wi-fi a níveis de exposição ambiental.”

Van Deventer diz que as pesquisas também tentam analisar problemas de fertilidade e hipersensibilidade.

Mas até agora, a resposta tem sido ambígua.

‘Riscos Potenciais’

As ondas de RF dos celulares são “uma forma de energia eletromagnética que está entre ondas de rádio FM e as microondas. E é uma forma de radiação não-ionizante”, explica em seu site a Sociedade Americana Contra o Câncer (ACS, na sigla em inglês).

De acordo com a organização, essas ondas “não são fortes o suficiente para causar câncer”, porque, ao contrário dos tipos mais potentes de radiação (ionizantes), não podem quebrar ligações químicas no DNA.

Isso só aconteceria, eles explicam, em níveis “muito altos”, tais como em fornos de microondas.

No entanto, a questão está sendo revista. Emilie van Deventer – autora de cerca de 50 publicações científicas sobre radiações não-ionizantes – diz que a OMS está investigando o tema novamente.

Embora faltem provas, é certo que há “potenciais riscos a longo prazo”, especialmente relacionados a tumores na cabeça e pescoço, diz a especialista.

A ACS também aborda esta questão: “Quanto mais próximo estiver a antena (do celular) da cabeça, espera-se que maior seja a exposição da pessoa à energia de RF”, adverte.

Taxa de absorção específica e outros sinais

Quando os tecidos do nosso organismo podem absorver essa energia, os especialistas chamam isso de “taxa de absorção específica” (ou SAR, na sigla em inglês).

Cada celular tem seu nível SAR que, em geral, pode ser encontrado no site do fabricante. Nos Estados Unidos, o nível máximo permitido é de 1,6 watts por quilograma (W/kg).

No entanto, a Comissão Federal de Comunicações (FCC) dos EUA, adverte que “comparar valores de SAR entre telefones pode causar confusão”, porque essa informação é baseada no funcionamento do aparelho em sua potência mais elevada, e não o nível de exposição em uso normal.

Mas também há pesquisas que associam o uso do telefone celular com câncer de pele e câncer de testículo.

Para fazer essas análises, os pesquisadores usam dois tipos de estudos: de laboratório (com animais) e em pessoas (comparando as taxas de câncer).

O problema, explica Van Deventer, é que “muitos cânceres não são detectáveis até muitos anos após as interações que causaram o tumor, e como o uso de celular não foi popularizado até os anos 1990, estudos epidemiológicos só podem avaliar os cânceres que se fizeram evidentes em períodos de tempo mais curtos”.

Até agora, o maior estudo já realizado é o Interphone, uma investigação em grande escala que foi coordenado pela OMS por meio de sua Agência Internacional para Pesquisa sobre o Câncer (IARC, na sigla em inglês), na qual os dados de 13 países, incluindo Reino Unido, Austrália, Japão e Canadá foram analisados.

O estudo analisou o uso de celular em mais de 5.000 pessoas com tumores cerebrais e em um grupo similar de pessoas sem tumores.

“Nenhuma ligação foi encontrada entre o desenvolvimento de gliomas e meningiomas (tumores cerebrais) e o uso de telefones celulares por mais de 10 anos”, diz Van Deventer.

“Mas há indicações de um possível risco de gliomas entre os 10% das pessoas que disseram ter usado seus telefones com mais frequência, embora os pesquisadores concluíssem que erros retiraram força destes resultados”, acrescentou o especialista.

No final, IARC classificou as radiofrequências eletromagnéticas como “possíveis cancerígenos para os seres humanos”, uma categoria “utilizada quando a relação causal é considerada confiável, mas as oportunidades, distorções ou confusões não podem ser razoavelmente geridos”, diz Van Deventer.

Essas limitações têm a ver com a nossa dificuldade em lembrar quantas vezes usamos o telefone durante uma década e também com a mudança de uso do celular ao longo do tempo, e as complicações no estudo de cânceres cerebrais.

Mas a questão permanece sobre a mesa (e no laboratório) de cientistas de todo o mundo.

A OMS espera publicar, até ao final de 2017, uma “avaliação de risco formal” sobre esta questão, conta Van Deventer.

Também é preocupante a vulnerabilidade especial das crianças, porque seus sistemas nervosos ainda estão em formação.

Já se realizou um estudo em grande escala sobre o assunto e há outro em curso na Austrália, cujos resultados serão publicados em breve.

Medidas de prevenção

Enquanto isso, alguns dizem que é melhor prevenir do que remediar.

Nesse sentido, Van Deventer recomenda o seguinte:

– Usar fones de ouvido ou deixar o celular no viva-voz, para mantê-lo longe de sua cabeça

– Limitar o número e a duração das chamadas

– Usar o telefone em áreas de boa recepção, pois isso faz com que o celular transmita com uma potência de saída reduzida

A Sociedade Americana do Câncer recomenda enviar mais mensagens do que ligar e limitar o uso do celular. Outra opção é escolher um telefone com um valor de SAR reduzido (menos níveis de ondas de RF).

Mas nem todas as prevenções são bem-vindas pela ciência.

“O uso de protetores de celular para absorver a energia de radiofrequência não se justifica e a eficácia de muitos dispositivos comercializados para reduzir a exposição não foi comprovada”, diz Van Deventer.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

6 maneiras de se proteger das micoses

micoseSe você quer se proteger das micoses, selecionamos algumas coisas que podem te ajudar nesse assunto. Confira:

1. Enxugue-se bem

O fungo precisa de três coisas para proliferar: calor, pele e umidade. Os especialistas recomendam, portanto, enxugar-se bem após o banho. Dê atenção especial aos dedos dos pés e as dobrinhas do corpo, como a virilha.

2. Evite roupas apertadas e sintéticas

O tecido sintético esquenta e não absorve o suor do corpo, criando um ambiente quente e úmido, favorável à proliferação de fungos. Já roupas apertadas podem machucar as dobras do corpo e o desgaste da pele serve de alimento aos fungos, contribuindo com a sua multiplicação.

3. Controle o suor

O suor excessivo favorece a recidiva de alguns tipos de fungos e deve ser controlado. Assim, use roupas de algodão, que absorvem o suor, aposte em antitranspirantes e tome quantos banhos achar necessários diariamente. Mas evite banhos muito quentes que podem ressecar a pele. Se, mesmo assim, o suor atrapalhar, procure um dermatologista para entender a causa do problema.

4. Evite andar descalço em lugares públicos

A umidade dos pés favorece o desenvolvimento de algumas micoses e alguns fungos são transmitidos de uma pessoa para a outra. Por isso, evite andar descalço em lugares públicos, recomenda a dermatologista Vitória. Lembre-se, entretanto, de permitir que seus pés respirem e use chinelos ou sandálias que não sejam de plástico, pois este material favorece a transpiração.

5. Não compartilhe peças de vestuário

Como alguns tipos de fungos podem ser transmitidos, recomenda-se evitar o compartilhamento de qualquer vestuário. Adquira seu próprio chinelo, roupão e até chapéu.

6. Evite ficar de roupas molhadas

Ao sair do mar ou piscina, procure secar ou trocar a roupa de banho. Como ela demora para secar, cria um ambiente aquecido e úmido em contato com nossa pele.

Fonte: Minha Vida

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Saiba como proteger os dentes dos seus filhos desde a primeira infância

dentes-bebeMais da metade (53%) dos brasileiros de até 5 anos já tiveram cárie, de acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde Bucal, de 2010. Preservar a integridade dos dentes de leite tem enorme impacto na saúde. Esses dentinhos temporários estão associados ao desenvolvimento da mastigação, fala, deglutição, respiração e estética. “Sua perda precoce pode causar má oclusão, pois eles são responsáveis por ‘guardar o espaço’ para os sucessores permanentes”, diz Cássia Cilene Dezan Garbelini, professora da Bebê Clínica da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Pais e responsáveis devem cuidar da limpeza dos dentes dos pequenos de até 3 anos, aproximadamente. “Depois disso, é preciso supervisionar a criança até ela realmente dar conta de fazer a escovação sozinha, por volta dos 7 anos”, afirma Helenice Biancalana, odontopediatra da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD).

Com paciência e jogo de cintura, é possível transformar a limpeza em um momento divertido do dia. Cantar músicas e usar escovas de dente coloridas ajuda a entreter e motivar os pimpolhos. E não basta falar: é preciso dar o exemplo. “Diversos estudos têm mostrado a associação entre os hábitos de higiene bucal de pais e filhos”, aponta Jenny Abanto, professora de odontopediatria da Fundação Faculdade de Odontologia (Fundecto).

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Ministério Público intervém para proteger idosa em Pirpirituba

Pirpirituba/PB
Pirpirituba/PB

O Ministério Público da Paraíba (MPPB), por meio da Promotoria de Justiça de Araçagi, entrou na última sexta-feira (22) com medida protetiva em favor da idosa Maria do Carmo de Lima, de 66 anos, que reside no município de Pirpirituba. Araçagi, com 18 mil habitantes, está situada a 64 quilômetros da capital, e Pirpirituba tem 11 mil moradores, a 106 quilômetros de João Pessoa. Ambas estão localizadas na Região do Agreste paraibano.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A promotora de Justiça Airleis Kátia Borges Rameh de Souza informou que estudos emitidos pelo Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e pela Secretaria Municipal da Saúde de Pirpirituba constataram que a idosa é mantida em casa fechada, sem posse das chaves.

“Não sendo possível entrar na casa, a comunicação só foi possível através de janelinha da porta da frente, e foi observado que Maria do Carmo, conhecida como Carminha, se encontrava em condições sub-humanas, sem higiene pessoal e no ambiente da sala com  mau cheiro perceptível”, explicou a promotora informando ainda que o Creas identificou que a idosa está com transtorno mental.

Diante do que foi relatado pelo Creas, a promotora entrou com medida específica de proteção e está aguardando decisão judicial para abrigá-la em instituição de longa permanência para idosos, solicitando espaço na Associação Abrigo São Vicente de Paulo, localizada na cidade de Guarabira, na região do Brejo paraibano.

 

Assessoria

Na véspera do Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais saiba como se proteger

ivoneideNesta segunda-feira (28) é comemorado em todo o mundo o Dia de Luta Contra as Hepatites Virais. A data traz um alerta sobre as hepatites B e C – doenças infecciosas causadas por vírus que atingem o fígado, órgão vital para o nosso corpo. Essas hepatites em geral, não apresentam sintomas (apenas 6% dos portadores da doença apresentam indícios, sendo a fadiga o mais comum) e ao longo dos anos podem causar dano ao fígado evoluindo para cirrose e até mesmo câncer.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Segundo a gerente operacional das DST/AIDS/Hepatites Virais da Paraíba, Ivoneide Lucena, 190 dos 223 municípios paraibanos e 681 serviços contam com pelo menos um profissional de nível superior da área de saúde, treinado nas boas práticas da realização do teste rápido de Hepatite B e C.

De acordo com Ivoneide no Brasil como também na Paraíba, circulam os vírus A, B e C.

Saiba as características e formas de transmissão de cada hepatite encontrada na Paraíba:

Hepatite A:

Essa forma de hepatite pode ser transmitida pela ingestão de água ou alimentos contaminados, através das fezes das pessoas doentes (o que torna o contágio fácil dentro da família ou nas instituições onde o contato entre as pessoas é próximo), ou ao se viajar para países menos desenvolvidos, tornando fundamentais as medidas de prevenção. É uma doença aguda, mas que se cura rapidamente sem necessitar de internamento hospitalar ou de um tratamento específico e sem deixar vestígios. Após a cura, o vírus desaparece do organismo e surgem anticorpos protetores que impedem uma nova infecção.

Hepatite B:

Esse caso de hepatite é a mais perigosa e uma das principais doenças do mundo . É mais comum em homens do que em mulheres e o maior número de casos desta doença ocorre em pessoas entre os 25 e os 44 anos. Ela pode ser transmitida pela gestante ao filho, por relações sexuais não protegidas com uma pessoa portadora do vírus, por pessoas que consomem drogas ilícitas e partilham agulhas e seringas, por pessoas que vivem na mesma casa com alguém que têm o vírus, ou durante um internamento hospitalar.

Para a prevenção da hepatite B existe uma vacina que é muito eficaz, além de prevenções como usar sempre preservativo, usar luvas quando se entra em contato com sangue e não partilhar objetos de uso pessoal cortante ou perfurante, como lâminas de barbear, tesouras ou alicates de unha e escovas de dente. A hepatite B crônica possui tratamento eficaz.

Hepatite C:

A hepatite C é perigosa, pois, em 80% dos casos, torna-se crônica, podendo evoluir para uma provável cirrose ou cancro no fígado. O vírus da hepatite C pode ser transmitido comprovadamente pelo sangue de uma pessoa infectada ao entrar em contato com o sangue de uma outra não infectada. Através das transfusões de sangue ou transplante de órgãos realizados antes de 1992. A transmissão da mãe para o filho através da gravidez é possível, embora pouco frequente. O contágio através do ato sexual é mínimo . Ela pode ser classificada em aguda e crônica e na grande maioria das vezes não apresenta sintomas, sendo a fadiga o mais comum. No entanto, a maioria dos pacientes só percebe que está doente, anos após a infecção, quando a doença já está em fase avançada. A Hepatite C crnica pode ter cura. Essa cura está, entretanto condicionada por diversos fatores, como o genótipo do vírus e também o estado do dano hepático quando a doença é detectada.

Em João Pessoa, os serviços de referência para atendimento a portadores de hepatite crônica, são: Hospital Universitário Lauro Wanderley e Complexo Hospitalar Clementino Fraga.

Já para o diagnóstico das hepatites A, B e C, são os Serviços de Atendimento Especializado em Doenças Infectocontagiosas (SAE), de Cabedelo; Santa Rita; Patos e Campina Grande; Bayeux; do HU de João Pessoa e de Campina Grande; Clementino Fraga; CTA, na capital, e Bayeux; Princesa Isabel e Pombal.

Os medicamentos para o tratamento das Hepatites B e C são dispensados em farmácias do Cedmex, presentes nos 12 municípios sede das Gerências Regionais de Saúde: João Pessoa; Campina Grande; Guarabira; Patos; Cajazeiras; Cuité; Monteiro; Piancó; Catolé do Rocha; Sousa; Princesa Isabel e Itabaiana.

pbagora

Queimou, ardeu, descascou? Pós-sol ajuda a proteger e aliviar a pele

pelePassou o dia na praia sem renovar o protetor solar? Cochilou na espreguiçadeira em frente à piscina? Andou de bicicleta e acabou ficando “tostado” com a marca da camiseta? Fez piquenique e depois do banho descobriu que está um “camarão”? Quem nunca, não é verdade? A diferença é que agora existem produtos que podem acalmar a pele nessas situações extremas. O uso do pós-sol ajuda no processo de recuperação da pele, protege o bronzeado e deixa sensação de frescor de forma mais potente que um hidratante comum. “São produtos que possuem ação calmante e/ou anti-inflamatória necessárias em caso de vermelhidão ou ardência”, conta a dermatologista Fabiana Souto Maior, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e sócia da Clínica Vous.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
Os cremes pós-sol geralmente contém ingredientes naturais, como aloe vera, que suavizam inflamações e irritações e nutrem a pele, e extrato de camomila, calmante natural que suaviza o vermelhão. “Funciona revertendo o ressecamento e desconforto causado pela queimadura e impede a escamação precoce da pele”, garante a dermatologista, que esclarece outros pontos a seguir:

Pode ser aplicado cotidianamente ou é recomendado apenas após a praia/piscina?
O ideal é usar nos dias após a exposição solar intensa para obter melhor proveito de seus ativos. Nas ocasiões em que a pele estiver íntegra, vale usar um hidratante comum. Aplique após o banho, com a pele úmida, para ter melhor absorção.

Existe outro produto que deva ser usado junto?
Recomendo o uso de água termal e a ingestão de muito líquido para ajudar na recuperação.  É importante lembrar que em caso de queimaduras mais severas, deve-se procurar um médico para o tratamento e uso de remédios específicos.

Algum produto ou tratamento deve ser evitado combinado com o pós-sol?
Produtos que contenham ácidos podem agravar o ressecamento e a desidratação, e produtos a base de óleos podem entupir os folículos levando a acne e brotoejas.

Qual a diferença entre pós-sol e um hidratante comum?
O pós-sol possui veículos mais leves como gel, loções e sprays líquidos. Os hidratantes comuns são de base cremosa e com óleos importantes para penetrar a barreira cutânea.

É recomendado para qualquer tipo de pele?
Pode ser usado por qualquer tipo de pele, inclusive as sensíveis, pois geralmente não possuem substâncias oleosas ou irritativas em sua composição.

Há diferença entre loção, gel ou spray?
Não existe diferença de eficácia e sim, cosmética. Em áreas com pelos (nos homens, por exemplo), o spray agrada mais. As mulheres têm preferência pela loção. Os produtos em gel e spray costumam dar uma sensação mais refrescante, o que em caso de ardência pode ajudar.

 

 

Ego

Como se proteger de animais peçonhentos

Getty Images
Getty Images

Os acidentes com animais peçonhentos como cobras, escorpiões e aranhas são responsáveis por 117 mil casos anuais de intoxicação no País, segundo registros Insituto Butantan.

As chuvas típicas desta época do ano fazem com que estes animais procurem abrigo em locais secos, o que aumenta a ocorrência desse tipo de acidente entre a população.

Quem vai passar as férias em alguma casa que permaneceu fechada por muito tempo, também deve ter alguns cuidados antes de se estabelecer no local para descansar, orienta a cartilha elaborada pelo Ministério da Saúde sobre o tema. Veja a seguir como evitar acidentes com animais peçonhentos.

EM CASA

  • Entre com cuidado em locais que ficaram fechadas por muito tempo
  • Bata os colchões antes de usá-los
  • Sacuda cuidadosamente roupas, sapatos, toalhas e lençóis que ficaram do imóvel no período em que ele permaneceu fechado
  • Afaste as camas das paredes e evite pendurar roupas fora dos armários
  • Vede frestas e buracos em paredes e assoalhos
  • Limpe o interior e os arredores da casa usando luvas, botas e calças compridas
  • Evite o acúmulo de lixo, entulhos e materiais de construção próximo à casa
  • Nunca coloque as mãos em buracos ou frestas (use uma enxada, um cabo de vassoura ou um pedaço comprido de madeira para mexer nos móveis)
  • Sempre use luvas ao fazer a limpeza de uma casa fechada por muito tempo
  • Caso encontre algum animal peçonhento dentro de casa, afaste-se dele sem assustá-lo e entre em contato com os bombeiros ou com o centro de controle de zoonoses da sua cidade

FORA DE CASA

  • Se estiver fazendo um piquenique, verifique cuidadosamente a área em volta do local onde pretende estender a toalha
  • Não monte acampamentos próximo de plantações (elas podem abrigar um grande número de roedores, o alimento favorito das cobras)
  • Não caminhe por regiões de mato alto sem usar calça comprida e botas
  • Próximo a matas e na beira de estradas, evite deixar as portas do carro abertas, principalmente ao anoitecer. A mesma precaução vale durante a troca de pneus no acostamento
  • Jamais pegue animais peçonhentos com as mãos, mesmo que eles pareçam mortos

SE FOR PICADO

  • Lave o local da picada com água e sabão
  • Mantenha a vítima deitada e em repouso
  • Evite que a vítima se locomova sozinha (para não favorecer a absorção do veneno)
  • Mantenha o membro picado mais elevado do que o restante do corpo
  • Busque socorro médico imediatamente
  • Se for possível (e seguro), leve o animal (mesmo morto) ao local de atendimento médico, para facilitar o diagnóstico
  • Se estiver em dúvida sobre o que fazer, ligue para o Disque-Intoxicação da Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica (RENACIAT): 0800 722 6001

 

iG