Arquivo da tag: Profissional

Câmara muda projeto e fixa em 10 anos validade da CNH de motorista profissional

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (24) um destaque (mudança no texto do projeto) que altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a fim de permitir que a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de motoristas profissionais, com idade inferior a 50 anos, tenha validade de dez anos.

O texto-base, aprovado pelos parlamentares na terça-feira (23), determinava que o documento para os condutores nessa faixa etária fosse renovado a cada cinco anos.

Com isso, os motoristas profissionais ficarão enquadrados na regra geral:

  • CNH com validade de dez anos para quem tiver menos de 50 anos
  • CNH com validade de cinco anos para quem tiver idade igual ou superior a 50 anos e inferior a 70 anos;
  • CNH com validade de três anos para condutores com idade igual ou superior a 70 anos.

Os demais destaques ao projeto foram rejeitados. Com a conclusão da votação pela Câmara, a matéria seguirá para votação no Senado.

Considerado um assunto prioritário pelo Palácio do Planalto, o projeto foi apresentado em junho do ano passado pelo presidente Jair Bolsonaro, que foi pessoalmente à Câmara fazer a entrega do texto.

Entre as mudanças, o projeto amplia o prazo para a renovação dos exames de aptidão física e mental para a renovação da CNH e estabelece a obrigatoriedade do uso de cadeirinha para o transporte de crianças de até 10 anos que ainda não atingiram 1,45 metro.

O projeto regulamenta ainda a circulação de motocicletas entre os veículos, mantém a exigência de exames toxicológicos para motoristas das categorias C, D e E e prevê limites diferentes de pontuação na carteira de motorista, antes da suspensão, no prazo de 12 meses.

Ponto a ponto

Saiba ponto a ponto o que diz o projeto:

Validade da CNH

O projeto amplia o prazo para a renovação dos exames de aptidão física e mental para a renovação da CNH, de acordo com as seguintes situações:

  • 10 anos para condutores com menos de 50 anos;
  • 5 anos para condutores com idade igual ou superior a 50 anos e inferior a 70 anos;
  • 3 anos para condutores com 70 anos ou mais.

O texto-base inicialmente previa que, para os motoristas com idade inferior a 50 anos que exercessem atividade remunerada em veículo, a periodicidade de renovação seria menor, de cinco anos. Mas os deputados aprovaram um destaque do PSL e mantiveram para estes profissionais a mesma regra válida aos demais.

O texto prevê, ainda, que em caso de indícios de deficiência física ou mental ou de progressividade de doença que diminua a capacidade de condução, o perito examinador pode diminuir os prazos para a renovação da carteira.

Atualmente, o Código de Trânsito prevê a renovação a cada cinco anos para a maioria dos motoristas e a cada três anos para condutores com mais de 65 anos.

Já o texto enviado pelo governo previa a renovação dos exames a cada 10 anos e, para pessoas acima de 65 anos, a cada cinco anos.

Exame de aptidão

O texto determina, ainda, que os exames de aptidão física e mental sejam realizados por médicos e psicólogos peritos examinadores, com a titulação de especialista em medicina do tráfego ou em psicologia de trânsito, respectivamente. A legislação atual não deixa explícita essa exigência, e os requisitos constam apenas em resoluções do Contran.

Pela proposta, os exames devem ser avaliados “objetivamente” pelos examinados, o que subsidiará a fiscalização sobre o profissional credenciado feita pelos órgãos de trânsito em colaboração com os conselhos profissionais.

Pontuação da CNH

O projeto também prevê limites diferentes de pontuação na carteira de motorista, antes da suspensão, no prazo de 12 meses:

  • 40 pontos para quem não tiver infração gravíssima;
  • 30 pontos para quem possuir uma gravíssima;
  • 20 pontos para quem tiver duas ou mais infrações do tipo.

Os motoristas profissionais terão 40 pontos de teto, independentemente das infrações cometidas. Esses condutores podem participar de curso preventivo de reciclagem quando atingirem 30 pontos. A legislação atual prevê a suspensão da carteira sempre que o infrator atingir 20 pontos.

O projeto original do governo previa uma ampliação geral, de 40 pontos para todos os motoristas, independentemente da vinculação por infração criada pelo relator.

Avaliação psicológica

O relator incluiu, também, a exigência de avaliação psicológica quando o condutor:

  • se envolver em acidente grave para o qual tenha contribuído;
  • ser condenado judicialmente por delito de trânsito;
  • estiver colocando em risco a segurança do trânsito, por decisão da autoridade de trânsito.

Cadeirinha

O projeto aprovado determina também a obrigatoriedade do uso da cadeirinha para crianças de até 10 anos que ainda não atingiram 1,45 m de altura. Pelo texto, o descumprimento desta regra ocasionará uma multa correspondente a uma infração gravíssima.

A proposta original do governo previa que a punição para o descumprimento fosse apenas uma advertência por escrito, sem a multa. Pela proposta do Executivo, endurecida pelo relator, a cadeirinha seria necessária para crianças de até 7 anos e meio.

Exames toxicológicos

Sobre a renovação da carteira de habilitação, o texto também mantém a obrigatoriedade de exames toxicológicos para motoristas das categorias C, D e E.

O fim da obrigatoriedade do exame era um dos pontos polêmicos do texto e foi alvo de críticas de parlamentares e entidades ligadas ao setor.

Segundo a proposta, quem tem idade inferior a 70 anos também terá que se submeter ao exame a cada dois anos e meio, independentemente da validade da CNH. Objetivo é impedir que eventual mudança do prazo da carteira implique em alteração na periodicidade do exame.

Motos

O projeto estabelece regras para a circulação de motocicletas, motonetas e ciclomotores quando o trânsito estiver parado ou lento.

Pelo texto, os motociclistas devem transitar com velocidade compatível com a segurança dos pedestres e demais veículos nessas situações.

A proposta cria ainda uma “área de espera” para motociclistas junto aos semáforo. O projeto diz que haverá uma área delimitada por duas linhas de retenção, destinada exclusivamente à espera destes veículos próximos aos semáforos, imediatamente à frente da linha de retenção dos demais veículos.

Recall

O projeto torna o recall das concessionárias – convocação de proprietários para reparar defeitos constatados nos veículos – uma condição para o licenciamento anual do veículo a partir do segundo ano após o chamamento.

Segundo o relator, são frequentes os casos de descumprimento do procedimento, colocando em risco a segurança dos condutores desses veículos e de outras pessoas.

Cadastro positivo

A proposta cria o Registro Nacional Positivo de Condutores (RNPC), em que serão cadastrados os condutores que não tenham cometido infração de trânsito sujeita a pontuação nos últimos 12 meses.

O cadastro positivo vai possibilitar que estados e municípios concedam benefícios fiscais e tarifários aos condutores cadastrados.

Inicialmente, o relatório previa que, na Semana Nacional de Trânsito, comemorada em setembro, haveria um sorteio no valor de 1% do montante arrecadado com as multas para premiar os motoristas do cadastro. Contudo, Juscelino Filho retirou essa parte ao acolher uma emenda de plenário.

Escolinhas de trânsito

O projeto prevê a criação de escolinhas de trânsito para crianças e adolescentes com aulas teóricas e práticas sobre legislação, sinalização e comportamento no trânsito.

Consulta pública

As propostas de normas regulamentares a serem editadas pelo Contran deverão sejam submetidas a consulta pública antes da entrada em vigor. Objetivo é dar mais transparência às decisões do conselho.

Multas administrativas

O parecer propõe a isenção de pontos na carteira de motorista em algumas situações de infrações de natureza administrativa, por exemplo:

  • Conduzir veículo com a cor ou característica alterada;
  • Conduzir veículo sem os documentos de porte obrigatório;
  • Portar no veículo placas em desacordo com as especificações e modelos estabelecidos pelo Contran;
  • Deixar de atualizar o cadastro de registro do veículo ou de habilitação do condutor.

As multas para essas situações, contudo, estão mantidas.

Outros pontos

Veja outros pontos do projeto:

  • Reprovação de exame: o projeto revoga dispositivo do Código de Trânsito que determinava que o exame escrito sobre legislação de trânsito ou de direção veicular só poderia ser refeito 15 dias depois da divulgação do resultado, em caso de reprovação;
  • Faróis: o texto determina a obrigatoriedade de manter os faróis acesos durante o dia, em túneis e sob chuva, neblina ou cerração, e à noite. A proposta, contudo, flexibiliza a obrigatoriedade dos faróis nas rodovias, previstas atualmente em lei – pela proposta, a obrigatoriedade é apenas para veículos que não tenham luzes de rodagem diurna em rodovias de pista simples;
  • Capacete sem viseira: a proposta altera trecho do Código de Trânsito que trata da obrigatoriedade do uso do capacete, retirando a menção sobre a viseira – o que, atualmente, é considerado infração gravíssima. O não uso viseira no capacete ou do óculos de proteção ganhou um artigo separado na lei, tornando-se infração média;
  • Aulas à noite: o projeto também retira a obrigatoriedade de que parte das aulas de direção sejam feitas à noite;
  • Policiais legislativos: o texto prevê que os policiais legislativos da Câmara dos Deputados e do Senado, mediante convênio com o órgão ou entidade de trânsito local, poderão autuar os motoristas em caso de infração cometida nas adjacências do Congresso Nacional quando estiverem comprometendo os serviços ou colocando em risco a segurança das pessoas ou o patrimônio do Legislativo. Os autos de infração serão encaminhadas ao órgão competente.

 

G1

 

 

Estabelecimentos devem apostar em limpeza profissional para evitar disseminação do Novo Coronavírus

Para desinfecção dos ambientes, é necessário muito mais do que água e sabão

Em meio à pandemia que já afetou milhares de pessoas em todos os continentes, estabelecimentos comerciais precisam adotar medidas para evitar a proliferação da doença entre os colaboradores e clientes. O avanço da doença traz muitas perguntas a respeito de limpeza e higienização de ambientes, principalmente em locais com maior concentração e fluxo de pessoas, como supermercados, restaurantes e academias. “É necessário realizar a limpeza da forma certa, utilizando os procedimentos e produtos adequados para cada local”, explica Renato Ticoulat, master franqueado da Jan-Pro, rede americana especializada em limpeza comercial e que atua no país há quase 10 anos.

Segundo o executivo, em uma limpeza comum, as soluções utilizadas são as mesmas para todas as superfícies e ambientes e os germes, embora removidos junto a sujeira, não são mortos. Já na limpeza profissional, por sua vez, que utiliza produtos químicos especiais, há a desinfecção, que destrói os micro-organismos patogênicos, e a esterilização, que elimina totalmente as formas de vida microbiana. “No Brasil as pessoas costumam relacionar limpeza apenas com a aparência, mas parecer limpo não significa que o trabalho esteja feito de forma correta. É preciso ficar atento, a boa aparência pode camuflar resíduos indesejáveis e agora, com a pandemia, tem-se repensado a forma de higienizar os locais”, comenta.

Ticoulat explica que cada local, seja academia, restaurante, empresas, deve receber o tipo de limpeza mais adequado de acordo com suas atividades, utilizando produtos químicos específicos, desenvolvidos especialmente para determinados ambientes. Além disso, afirma que há necessidade de utilização de metodologias próprias para que as bactérias não sejam transferidas de um lugar para o outro. “Misturas de produtos desenvolvidos para limpeza doméstica espalham as partículas de sujeiras mais do que eliminam as bactérias. O pano e álcool não bastam para desinfetar os colchonetes de academias, por exemplo, já que o suor do corpo contém sais minerais que não são eliminados com uma solução simples. Além disso, é comum vermos funcionários da limpeza utilizando o mesmo pano de chão no banheiro e no escritório, transferindo as bactérias de um lugar para outro”, diz.

Para ele, é necessário que os gestores olhem para o processo de limpeza com mais atenção, principalmente em momentos como esse, de proliferação da Covid-19. “Se eventualmente existe um risco de uma doença, a empresa deve tomar providências para prevenir e o álcool-gel não é suficiente. O ambiente deve ter condições de higiene e segurança tanto para os colaboradores, com para os clientes”, acentua.

A rede é número um no seu segmento no mundo, sendo responsável por desenvolver e trazer para o Brasil um processo inovador e exclusivo de limpeza, o EnviroShield. O sistema trata-se de uma alta tecnologia em pulverização com desinfecção 99,9% segura e sustentável, que permite a limpeza, higienização e sanitização de diferentes ambientes, através de cargas eletrostáticas com ampla eficiência, matando bactérias e todos os tipos de vírus, inclusive do COD-19, criando uma camada protetora em todos os pontos em que o produto tem contato, com uma eficiência comprovada e prolongada por 30 dias. “A limpeza é muito mais que estética, é um assunto sério que tem por finalidade também controlar a disseminação de doenças”, conclui Ticoulat.

Sobre a Jan-Pro

A Jan-Pro figura em primeiro lugar entre todas as franquias de limpeza comercial do mundo, utilizando tecnologia de ponta e produtos testados, aprovados e com certificação Green Seal, que garante seu conceito e aplicação sustentável. A rede inaugurou suas atividades na cidade de Atlanta, nos Estados Unidos, e hoje possui 12 mil franqueados espalhados pelo mundo. No Brasil desde 2011, a empresa já conta com 400 franquias nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Amazonas, Pará, Tocantins, Pernambuco, Bahia, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Rondônia. Mais informações: www.jan-pro.com.br

 

 

Em noite de assistência e gol pelo Botafogo, solanense Luis Henrique vive “dia mais feliz como profissional”

A estreia de Luis Henrique na primeira temporada como jogador profissional não cabia nem nos sonhos mais otimistas do jogador que completou 18 anos há um mês. Com uma assistência e um gol, a joia alvinegra comprova ser uma das gratas surpresas do 2019 que não foi bom para o Botafogo.

Depois de duas oportunidades na equipe principal nas rodadas finais do Campeonato Brasileiro, Luis Henrique não deixou mais o grupo comandado por Valentim. Além de ganhar a vaga no elenco, conquistou a titularidade e a valorização: seu contrato, que terminava em janeiro, foi renovado até 2022.

– A felicidade é imensa por marcar meu primeiro gol como profissional, ainda mais na nossa estreia depois da pré-temporada lá no Espírito Santo. Espero que seja o primeiro de muitos. A bola acabou escapando um pouco ali, mas deu para consertar da melhor forma possível. Esse gol é para toda a minha família e para quem me apoia. No outro jogo eu dei o passe para o Pedro Raul, ele tinha que devolver (risos) – afirmou Luis Henrique.

“Como profissional é sim o dia mais feliz da minha vida”.

Gol do Botafogo! Pedro Raul deu um lindo passe para Luis Henrique ampliar, aos 23' do 2º tempo

Gol do Botafogo! Pedro Raul deu um lindo passe para Luis Henrique ampliar, aos 23′ do 2º tempo

O sorriso no rosto no momento da entrevista depois de uma noite cheia das melhores sensações é o mesmo que Luis tenta levar pra vida. De origem humilde, o garoto tem ambições, mas respeita seu tempo e tenta fazer valer a pena os últimos quatro anos longe de casa. Até o ano passado, ele vivia no alojamento de General Severiano com o irmão Pedro Augusto, de 15 anos e que também joga no Botafogo.

Os 18 anos e a inexperiência o fazem ter atenção especial da comissão técnica e da diretoria alvinegra. Alberto Valentim, responsável por integrá-lo ao profissional, acompanha de perto seu desenvolvimento e, além das qualidades que pudemos ver em campo, o técnico destaca a “cabeça boa” de Luis Henrique.

– O Luis Henrique é muito atento ao que a gente passa. É mais novo que meu filho. Totalmente profissional, focado. Vai errar em algumas tomadas de decisão, mas temos que entender até pela idade. Vai melhorar muito. Tenho certeza que terá uma excelente carreira, não só pelos dotes físicos e técnicos, mas pela cabeça. Um jogador que sabe ouvir e trabalha muito forte – disse o treinador.

Luis Henrique comemora primeiro gol como profissional do Botafogo  — Foto: Botafogo F.R.

Luis Henrique comemora primeiro gol como profissional do Botafogo — Foto: Botafogo F.R.

Luis Henrique voltou para Solânea – cidade onde foi criado no interior da Paraíba – nas férias de fim de ano como personalidade do município. Foi parado para fotos e autógrafos. Não podia nem sair na porta de casa sem ser abordado. Havia feito apenas dois jogos no profissional… Agora terá que lidar com o sucesso, que promete ser maior caso o atacante repita a atuação da gloriosa estreia em 2020.

GE

 

5 dicas para prevenir a Síndrome de Burnout (Esgotamento Profissional)

Augusto Jimenez, psicólogo e especialista em carreiras, aponta os melhores caminhos

Tendinite, síndrome do Túnel do Carpo, Dedo em gatilho: doenças comuns causadas pela repetição dos movimentos. Quem nunca escutou falar de alguém que tinha essas moléstias, geralmente ocasionadas nos locais de trabalho, em meados dos anos 90/2000. Com o advento das máquinas, entre elas o computador, o trabalho repetitivo veio acompanhado com esses sintomas físicos em muitos trabalhadores. Em contraponto, de 2010 para 2019, o “boom” das doenças no trabalho são relacionadas a mente dos indivíduos.

Tendinite teve uma diminuição da década de 90 para cá – Já as síndromes mentais aumentaram

Isso aconteceu porque as máquinas e materiais que as pessoas utilizam para exercer as suas atividades laborais evoluíram dos anos 90 para essa década. Os computadores ficaram mais “leves”, trabalhos repetitivos manuais foram substituídos por outras formas de montagem, entre outros, e por isso houve uma queda do registro das lesões por esforços repetitivos, conhecido como LER. Entretanto, com a evolução da tecnologia, as pessoas, em um geral, estão mais expostas a uma quantidade robusta de informações. E isso também acontece no ambiente de trabalho em que ficamos de 8 a 10 horas por dia. Acompanhada dessa evolução tecnológica e melhoria nos equipamentos de trabalho veio o excesso de responsabilidade para a maioria dos profissionais. Ainda, agravando esse quadro, muitas empresas estimulam uma competitividade não saudável.

Basta abrir as redes sociais e portais especializados em mercado profissional para ter acesso a uma gama de relatos de pessoas que sofrem com problemas psíquicos como depressão, ansiedade, bipolaridade, entre outros. É fato que muitos deles tem origem química e também influência genética, entretanto os ambiente competitivos, independente do tipo da carreira, tem contribuído e muito para o desenvolvimento de patologias mentais.

Seguindo nesse contexto, a síndrome de Burnout, descrita pelo médico americano Freudenberger, vem crescendo nos brasileiros. ” A problemática dessa síndrome é que ela pode ser confundida com outros problemas psíquicos. E no começo, ela parece ser algo “leve e temporário”, porém em poucos dias pode agravar o quadro do funcionário com uma depressão profunda”, explica Augusto Jimenez, psicólogo e especialista em carreiras da rede Minds Idiomas.

A Síndrome de Burnout é um estado físico, emocional e mental de exaustão extrema e acontece pelo excesso de trabalho e ambientes insalubres. Traduzindo do inglês – Burn (queima) e Out (exterior). Alguns sintomas dela são: Insônia, sentimento de incompetência ( Que não irá conseguir cumprir com os afazeres diário, dentro e fora do trabalho), tonturas, problemas gástricos, entre outros. O tratamento envolve psicólogo e alguns casos psiquiatra para receitar remédios como antidepressivos e ansiolíticos.

30% dos brasileiros sofrem a Síndrome de Burnout (Isma- International Stress Management Association)

” Temos 70 escolas de inglês no brasil. Nelas são mais de 10 mil estudantes em que aconselhamos também profissionalmente. Os relatos de problemas no trabalho só vem crescendo ano após ano. Ter hobbies e estudar outra língua alivia essa tensão do dia a dia. Percebemos isso conforme o aluno vai se desenvolvendo no curso”, explica Augusto Jimenez que acompanha os estudantes de perto ao longo de 15 anos.

Para ajudar você a manter uma qualidade de vida no trabalho e evitar a síndrome de Burnot, Augusto Jimenez, psicólogo da Minds Idiomas, rede de escolas que aconselha mais de 10 mil pessoas sobre carreira e mercado de trabalho, separou 5 dicas para aplicar hoje mesmo na sua rotina:

1) Faça atividades físicas regulares

De acordo com o cardiologista, Carlos Alberto Pastore, o excesso de informações que temos, no trabalho e fora dele, pode causar danos á memória e também na tomada de decisões. A nossa mente tem um limite para tomar decisões e com o excesso de atividades e responsabilidades pode-se tomar decisões ruins e o pior não priorizar as mais importantes. A prática de atividades físicas aliviam a tensão cerebral e faz com que o indivíduo se “desliguem” no momento do exercício das responsabilidades. Conclusão: a mente fica em um estado mais relaxado e por isso consegue tomar decisões melhores e lidar melhor com a pressão no trabalho. Afastando a síndrome de burnout.

2) Defina objetivos a curto prazo

Aqui vale escrever mesmo! Escreva as suas metas mensais, tanto profissionais quanto pessoais, aliviará a sua tensão diária no trabalho. Afinal, trabalhamos para viver e não o contrário. Perceber que se está trabalhando para um objetivo de vida faz com que a tensão seja mais dissipada. Equilibre as suas metas/objetivos entre lazer e responsabilidade. A chave é o equilíbrio.

3) Faça atividades que fujam da rotina

É importante incluir na sua semana pelo menos duas atividades que não tenham a ver com a sua carreira. Aprender um novo idioma para viajar e planejar a viagem são metas que sempre incentivamos na Minds idiomas em nossos estudantes e também colaboradores. Outras atividades podem ser: ler, ir ao cinema, joga video game, enfim! Aprenda algo novo e divertido.

4) Converse com o seu gestor

Adquira esse hábito mensalmente para definir as suas metas profissionais. Independentemente de você já estar sobrecarregado de trabalho ou não adquira esse hábito. Ao planejar antes com o seu superior quais são as suas atribuições e o que ele espera de você nesse período mensal fica mais fácil se organizar e perceber se as ações que estão lhe exigindo são realmente compatíveis com o tempo que você tem para executá-las. Ao se planejar, você perceberá que é possível fazer as atividades e a pressão diminuirá. Uma dica que você pode sugerir ao seu gestor são benefícios em viagens diante do cumprimento das metas da equipe anualmente. A maioria das empresas pagam o bônus individualmente e em dinheiro. Criar uma meta coletiva e em forma de experiencia, como uma viagem, aumenta o engajamento. Na Minds fazemos isso anualmente por meio da convenção anual.

5) Diminua o uso da tecnologia

Chegamos em casa temos a televisão, no trabalho temos o computador, e 24 horas temos os alertas no celular sobre o tempo, acidentes, clima, trânsito, notícias do brasil e do mundo. É claro que é importante saber do que acontece ao nosso redor, mas mais importante é saber o que acontece dentro de você e como você lida com isso. O uso excessivo do smartphone e outros aparatos tecnológicos tem causado doenças e dependência. Limite a quantidade de tempo que irá ficar exposto a eles. Caminhe um pouco, tenha contato com a natureza, e fique próximo de pessoas positivas.

Importante: Caso você apresenta os sintomas descritos nesse material procure o SUS. Há atendimento gratuito e com qualidade pela Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Desde o diagnóstico até a parte medicamentosa.

Sobre a Minds Idiomas
Com 11 anos de existência o segredo da rede de idiomas Minds é a tecnologia. Com 72 escolas em todo país, a Minds foi à primeira rede a implantar o ensino do inglês em tablets mantendo os livros físicos. Com especialistas em captação de conteúdo, a CEO Leiza Oliveira, tem a consciência que a forma de aprendizado de cada criança e adulto é individual. Personalização e inovação são as palavras que movem franqueados e alunos da rede. O tempo de duração do curso da Minds é de 18 meses e há outras modalidades de ensino personalizadas. Acesse o nosso site e conheça mais sobre o mundo Minds: www.mindsidiomas.com.br


Agência Queissada Comunicação

 

 

Síndrome do esgotamento profissional acomete 26% dos médicos no Brasil

Ronaldo Gismondi, Doutor em Medicina pela UERJ e médico conteudista da startup de saúde PEBMED, comenta pesquisa norte-americana que apurou o quanto Burnout e Depressão são cada vez mais comuns na classe médica

São Paulo, maio de 2019 – Altas demandas de trabalho, estresse, ansiedade, dificuldades para dormir e exaustão, são alguns dos sintomas de uma enfermidade que está cada vez mais presente na vida dos brasileiros: a síndrome de Burnout. Diagnosticada por meio de um esgotamento físico e mental, a doença acomete profissionais, em sua maioria com uma rotina muito intensa de trabalho. Entre professores, psicólogos, assistentes sociais e policiais, os mais afetados pela síndrome são os médicos.

De acordo com o mais recente relatório do Medscape sobre Burnout no Brasil, cerca de 26% dos médicos afirmam sofrer da doença e outros 11% relatam ter tanto burnout como depressão. O levantamento foi realizado de forma online e anônima com 1.838 profissionais de medicina, de 38 especialidades diferentes em 2018.

O efeito da síndrome na rotina de trabalho destes médicos é um ponto relevante e que levanta preocupação – uma vez que – são responsáveis pela tomada de decisão clínica em diagnósticos e circunstâncias complexas. A pesquisa aponta que 34% dos profissionais admitem ser menos cuidadosos com as anotações dos pacientes, já 33% afirmam ser menos engajados em escutar e responder de maneira atenta.

A pesquisa, entretanto, revela que 49% dos médicos entrevistados não procuram ajuda, por considerar que os sintomas não são suficientemente graves.

Dicas de como identificar e lidar com a síndrome

Por Ronaldo Gismondi, Doutor em Medicina pela UERJ e médico conteudista da startup de saúde PEBMED

  • Não deixe para lá: a pessoa começa a apresentar os sintomas, mas acredita que seja temporário, até que o esgotamento chega;

  • A exaustão emocional traz adversidades ao dia-a-dia: queda de produtividade e problemas com memória, além da perda de motivação e falta da sensação de “realização”;

  • Separe um tempo para ‘recarregar as baterias’: não será um tempo perdido, mas sim um investimento para que o seu rendimento melhore;

  • Mexa-se: procure atividades que você goste muito ou uma terapia profissional, isso ajuda a melhorar o estresse.

O médico ainda reforça que caso os sintomas permaneçam, o ideal é procurar ajuda profissional, pois pode ser necessário fazer uso de medicações até que o quadro se estabilize. O relatório registrou que dentre os motivos pelos quais o número de casos de Burnout aumentou, estão: baixa remuneração, carga horária excessiva e desrespeito por parte de chefes e empregados.

Sobre a PEBMED
Startup carioca lançada em 2012, por três médicos da Universidade Federal Fluminense, criadores do Whitebook, um aplicativo de compartilhamento de informações que auxilia médicos e estudantes de medicina na tomada de decisão clínica. O objetivo é reunir dados, diagnósticos e diretrizes atualizadas em 7 mil conteúdos de 28 especialidades diferentes. O aplicativo já contabiliza mais de 370 mil usuários e 1 em cada 4 médicos e estudantes acessam. Atualmente, o app está presente em mais de duas mil cidades em todo o Brasil e alcança cerca de 160 mil pessoas ativas por dia.

 

Assessoria PEBMED

 

 

Dia do Profissional de Educação Física terá programação que começa em 25 de agosto na Paraíba

Atividades se concentrarão em 1º de setembro, data em que se comemora o dia do profissional da categoria 

O Conselho Regional de Educação Física da 10ª Região (CREF10) divulgou a programação para o “Dia do Profissional de Educação Física”, comemorado em 1º de setembro, mas que terá uma agenda especial já a partir do dia 25 deste mês. Serão vários eventos realizados pelo estado, a começar com o “3º Encontro Fitness”, no auditório do Sebrae, em João Pessoa.

As ações, de maneira geral, ocorrerão em João Pessoa, Campina Grande, Cajazeiras, Patos, Sousa, Princesa Isabel, Pilar, Guarabira e Monteiro. Serão realizadas atividades físicas e orientações à população, que é alertada sobre a importância da prática de exercícios. “Ressaltamos, nesses eventos, que tudo deve ser feito com um profissional habilitado e registrado no Conselho, como garantia de segurança da atividade, sem comprometimentos para o praticante”, disse o presidente do CREF10, Francisco Martins da Silva.

Confira a programação completa:

João Pessoa

III ENCONTRO FITNESS CREF10

Dia: 25 de agosto

Horário: Manhã e Tarde

Local: Auditório do Sebrae (Bairro dos Estados)

Palestras sobre Gestão, marketing pessoal, Intervenção profissional

Participantes: proprietários de academias, responsáveis técnicos e profissionais de Educação Física.

EXPO-UNIVERSIDADES CREF10/PB

Dia: 1º de setembro

Horário: 6h às 10h

Local: Praia de Tambaú

Faculdades Envolvidas: IESP – NASSAU – UFPB – UNIPÊ – FPB – FACENE

SESSÃO SOLENE EM HOMENAGEM AO DIA DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Dia: 20 de setembro

Local: Auditório do Ministério Público da Paraíba

Endereço: Rua Rodrigues de Aquino, esquina com D. Pedro II, S/N, Centro.

Horário: 10h

Evento: Sessão solene em homenagem ao Dia do Profissional de Educação Física

CAMPINA GRANDE

EXPO-UNIVERSIDADES CREF10/PB

Dia: 1º de setembro

Horário 7h às 10h

Local: Parque da Criança

Faculdades Envolvidas: – UNIFACISA – MAURÍCIO DE NASSAU – UEPB – UNOPAR

CAJAZEIRAS

EXPO-UNIVERSIDADES CREF10/PB

Dia: 1º de setembro

Horário 7h às 10h

Local: IEF

Faculdades Envolvidas: – FASP – FAFIC

PATOS

EXPO-UNIVERSIDADES CREF10/PB

Dia: 1º de setembro

Horário 7h às 10h

Local: Praça Getúlio Vargas

Faculdade Envolvida: – FIP

TORNEIO INTERMUNICIPAL DE FUTEBOL (Patos e região)

Dia: 1º de setembro

Local: Estádio José Cavalcante

Horário: 15h

PRINCESA ISABEL

Aulão de Ritmos na Praça

Dia: 1º de setembro

Horário 8h

Local: Praça principal da Cidade

Corrida de Rua

Dia: 1º de setembro

Horário 6h

Local: Principais avenidas da Cidade

MONTEIRO

CURSO DE MUSCULAÇÃO

Ministrante: Rodrigo Bambam

Dias: 31 de agosto e 1º de setembro

Horário 8h às 12h e 13h às 17h

Local: IFPB-Campus Monteiro

SOUSA

CURSO DE RECREAÇÃO NA ESCOLA E NO LAZER

Ministrante: Hélder Licarião

Dias: 31 de agosto e 1º de setembro

Horário 8h às 12h e 13h às 17h

Local: IFPB – Campus São Gonçalo

GUARABIRA

AULÃO DE RÍTMOS

Local: Praça Novo Milênio

Dia: 05 de setembro

Horário 18h

PILAR

XXXII MARATONA DE PILAR

Dia: 16 de setembro

Horário: 8h

Local: Principais avenidas da Cidade

 

Cref

Agências dos Correios poderão emitir carteira profissional sem custo

O Ministério do Trabalho e Emprego pretende ampliar os pontos de emissão da carteira de trabalho em todo o país, sem custos para os cidadãos. A ampliação seria possível por meio de um acordo em discussão com os Correios, que têm agências nos 5.570 municípios brasileiros.

A emissão do documento continuará gratuita. De acordo com o ministério, a taxa de entrega da carteira expedida pelos Correios seria custeada pela pasta. O custo do serviço ainda está sendo avaliado.

Em julho deste ano, foi anunciado que um acordo de cooperação técnica seria assinado entre o Ministério do Trabalho e os Correios e um projeto-piloto teria início no estado de São Paulo.

O objetivo do acordo é permitir que todos os trabalhadores brasileiros, em especial os que vivem nos municípios mais distantes dos grandes centros, tenham acesso ao documento.

A pasta informou que a expedição da carteira de trabalho continuará ocorrendo normalmente em toda a rede de atendimento como postos do Sistema Nacional de Emprego (Sine), gerências regionais e superintendências do Trabalho nos estados.

A carteira de trabalho é obrigatória para toda pessoa prestar algum tipo de serviço, seja na indústria, no comércio, na agricultura, na pecuária ou de natureza doméstica.

Os registros das atividades do trabalhador feitos no documento garantem o acesso a alguns dos principais direitos trabalhistas, como seguro-desemprego, benefícios previdenciários e Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

 

Agência Brasil

Em processo de reconstrução, Chape terá 11 atletas da base no profissional

A diretoria da Chapecoense trabalha intensivamente na remontagem da equipe para a disputa da temporada de 2017 e a reconstrução deve passar pelo aproveitamento de atletas de base. Onze jogadores das categorias não profissionais devem juntar-se ao elenco profissional na próxima sexta-feira (dia 6), data marcada para a apresentação dos novos atletas.

Dentre os nomes da base, alguns jogadores têm idade para a disputa da Copa São Paulo de Futebol Júnior, mas não estão relacionados para viajar com a equipe para disputar a maior competição da categoria no país.

A lista apresenta nomes já conhecidos do torcedor verde e branco. Casos dos atacantes Perotti e Lourency e do volante Lucas Mineiro, que já estavam integrados ao elenco profissional na temporada passada. Wesley Natã retorna de empréstimo do Bahia, onde disputou a série B em 2016.

LISTA QUE SE APRESENTARÁ COM OS PROFISSIONAIS:

Luiz Felipe: goleiro, 20 anos
Gabriel: lateral direito, 18 anos
Hiago: zagueiro, 19 anos
Guarapuava: zagueiro, 19 anos
Scalon: zagueiro, 21 anos
Andrei: volante, 21 anos
Lucas Mineiro: volante, 20 anos
Bryan: meia, 20 anos
Wesley Natã: atacante, 21 anos
Perotti: atacante, 19 anos
Lourency: atacante, 20 anos

Treino do Bahia; Wesley Natã (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia/Divulgação)Wesley Natã atuou pelo Bahia na temporada passada (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia/Divulgação)

Montagem do elenco
A Chape tem quatro reforços confirmados pela diretoria para a próxima temporada: o goleiro Elias, que estava no Juventude, o zagueiro Douglas Grolli, do Cruzeiro, o meia Dodô, emprestado pelo Atlético-MG, e o atacante Rossi, que defendeu o Goiás na Série B do Brasileiro. Além de Grolli, outros dois podem retornar à Arena Condá após atuarem pelo Sport. Tulio de Melo tem o empréstimo muito bem encaminhado, enquanto Apodi ainda carece de negociações. Nadson, ex-Paraná, anunciou sua troca de time para defender a Chape.

O Grêmio vai ceder o volante Moisés, enquanto o Fluminense encaminha o empréstimo do atacante Wellington Paulista. Henrique Dourado, também do Flu, foi sondado pelo Verdão, assim como o meia Daniel, do São Paulo. Do Tricolor paulista, o lateral esquerdo Reinaldo, que atuou na Ponte em 2016, é nome certo no Oeste. Do Uruguai chega o lateral-direito Emilio Zeballos, que estava no Defensor. Niltinho, ex-Criciúma, é mais um nome próximo de ser confirmado. Andrei Girotto, ex-Palmeiras, também negocia.

globoesporte

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Reabilitação Profissional: 3,0 milhões em auxilio doença no INSS

 

Por Paulo César Régis de Souza (*)

Paulo CésarUma das mais exitosas experiências do Seguro Social brasileiro teve sua dimensão sensivelmente reduzida ao longo dos últimos anos, a partir de 1990, quando foi criado o Sistema único de Saúde, atingindo duramente a Previdência e o INSS, na Reabilitação Profissional.

1943, os institutos de aposentadorias e pensões foram autorizados a organizar a Prestação de Serviços, atendendo a necessidade de manter o trabalhador em atividade

Em 1967, – A Lei 5.316 em seu artigo nº 13 estabeleceu o Programa de Reabilitação Profissional pelo INPS.

Em 1980, o INPS aprovou a Análise Institucional e Programação de Atividades do INPS 1979 – 1985 e instituiu a Descentralização com criação de unidades menores (Núcleos de Reabilitação Profissional). Introduziu o conceito de Rede de Prestação de Serviços. Destacou a importância da Reabilitação Profissional

Em 1990, a Lei 8.080 definiu que a Reabilitação Física passou a ser atribuição do Sistema Único de Saúde-SUS e a Reabilitação Profissional continuou a ser atribuição do INSS.

Começou aqui um período de indefinição e decadência da Reabilitação Profissional, porque o INSS foi inibido de dar sequencia ao seu programa e o SUS não implementou o que lhe caberia fazer.

Com isso os segurados foram sacrificados, os Centros foram desativados e os Núcleos receberam uma sobrecarga.

Em 1997, diante da omissão do SUS, o INSS lançou – Novo Modelo de Reabilitação Profissional Comunitária, com ampliação das Unidades de Prestação de Serviço e Parcerias com a sociedade.

Em 2002, o INSS desenvolveu o Projeto Reabilita que objetivava aumentar a capacidade e melhorar a qualidade de atendimento ao público, agilizar o processo de reabilitação profissional e racionalizar os custos.

Em 2008, a Previdência adotou o – Projeto de Revitalização da Reabilitação Profissional, com pífios resultados.

Em 2011, o Executivo aprovou a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho, incluindo a Reabilitação Profissional. Ainda em 2011, o Executivo aprovou o – Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Viver Sem Limites. Também sem consequências.

Em 2012, a Previdência e o INSS buscaram o apoio de entidades como a Organização Ibero Americana de Seguridade Social-OISS e o Seguro Estatal contra Acidentes de Trabalho da Alemanha-DGUV e firmaram, o Acordo de Cooperação Técnica para revigorar a Reabilitação Profissional, que estava no limbo.

Em 2016, o Executivo criou a Rede Intersetorial de Reabilitação Integral.

Moral da história: os núcleos de Reabilitação foram reduzidos a cinzas, os centros desapareceram, e a reabilitação foi terceirizada pelo INSS.

Sintam o drama: em 2014, o INSS concedeu 3.024.026 auxílios doenças, 907.207 foram auxílios doença de mais de 90 dias que teoricamente seriam os passiveis de reabilitação; 52.413 foram para a reabilitação; 17.222 foram reabilitados.   Isto mostra a defasagem entre a necessidade e a possibilidade   de reabilitação. Cruel!

Dados técnicos indicam que o Programa de Reabilitação Profissional é superavitário e vantajoso para o INSS, as empresas e os segurados.

Para o INSS, cada R$1,00 investido tem retorno de R$ 1,60.

Valho-me de Joachim Breuer, presidente da DGUV, que afirma:

  • A Reabilitação Profissional é superavitária.

As vantagens humanitárias e sociais, como também as econômicas, que levam a reincorporação ao trabalho, convertem os reabilitados em um fator produtivo para toda a sociedade”.

É lamentável o que aconteceu com a nossa Reabilitação Profissional que inspirou a Espanha a montar um programa quase igual.

(*) Paulo César Régis de Souza, Vice-Presidente Executivo da Associação Nacional de Previdência e Seguridade Social-ANASPS.

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Ministério da Educação libera R$ 500 mil para educação profissional na PB

Divulgação/Governo do MA/Ilustração
Divulgação/Governo do MA/Ilustração

A Secretaria de Educação Profissional e Tecnologia do Ministério da Educação publicou, no Diário Oficial da União (DOU) dessa quarta-feira (17), a liberação de R$ 500 mil para que a Secretaria de Educação da Paraíba (Seduc-PB) aplique os recursos no ensino da educação profissional.

Segundo a portaria, os recursos devem ser aplicados em cursos de educação profissional técnica de nível médio e cursos de formação inicial e continuada ou qualificação profissional.

Além da Seduc-PB, também receberam verbas secretárias e instituições dos estados de São Paulo, Goiás, Acre, Amapá, Mato Grosso e Piauí, totalizando R$ 13,5 milhões.

portalcorreio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br