Arquivo da tag: produtos

Polícia Militar recupera produtos de roubo na cidade de Esperança/PB

viatura_pmA rádio Patrulha da cidade de Esperança foi solicitada nesta segunda-feira, 25/04/2016 , 19:30 via “Disque-190” a respeito de um roubo a residência no sitio umburanas zona rural da cidade de Esperança.
A Guarnição comandada pelo Sgt Martins ao deslocar-se se deparou com o acusado do roubo nas proximidades a rua da pista próximo a Rede mercantil, o acusado foi reconhecido pela vítima. Que a Guarnição ao parar a Viatura para proceder a abordagem o acusado saiu em fuga abandonando umrevólver calibre 38 de marca taurus com cinco munições intactas.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Moradores daquela localidade mostraram o local onde o acusado usava para fazer uso de entorpecentes bem como armazenar produtos oriundos de roubo praticado pelo mesmo. Vindo a ser encontrado no interior da residência vários produtos roubados sítio umburanas são eles os objetos : 1 TV LED 32 POLEGAS; 1 TOCA CD PIONEER; 1 SOM PHILIPS; 1 CAPACETE. Além de outros produtos de roubos realizados em outras localidades, tais como: 2 TVs 32 POLEGADAS DE TUBO MARCA CCE ; 1 TV 14 POLEGADAS DE TUBO MARCA CCE; 1 DVD MARCA AVAX ; 1 FACA PEIXERA UTILIZADA NO ASSALTO DE MARCA TRAMONTINA DE 10 POLEGADAS ; 1 CELULAR LG DE IMEI ( 353764053705772).
Os objetos encontram-se apreendidos na depol de Esperança/PB
www.setimaregional.com.br

Polícia prende quatro pessoas na cidade de Mulungu acusadas de furtos e troca de produtos roubados

POLICIAAs Polícias Civil e Militar desencadearam, na manhã desta quinta-feira (21), a Operação Fachada, na cidade de Mulungu, na região do Brejo Paraibano. A ação foi realizada pela 8ª Delegacia Seccional de Polícia Civil em conjunto com o 4º Batalhão de Polícia Militar (4º BPM), ambos com sede em Guarabira. Na ação, foi empregado um efetivo de 60 policiais entre civis e militares.

O objetivo da operação foi desarticular um esquema criminoso de roubos, furtos e ainda de venda e troca de produtos roubados. Na ação policial foram presos: Severino Sebastião Hortêncio, de 45 anos; João Soares de Lima, de 60 anos; Raimundo Antonio de Medeiros, de 29 anos; e Josivan Barbosa de Lima, de 30 anos. Com o grupo foram apreendidos uma espingarda, diversos botijões de gás, que estavam sendo comercializados clandestinamente e cuja origem será investigada, e também vários objetos eletrônicos, que podem ser produtos roubados.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

De acordo com o titular da seccional, Walber Virgolino, os quatro presos foram ouvidos e, após o depoimento, foram encaminhados para a Cadeia Pública de Alagoinha, onde aguardarão a decisão da Justiça.

FACHADA – O nome da Operação faz referência ao local onde os materiais foram apreendidos pelos policiais, já que a casa funcionava como um salão de beleza, e na verdade servia de ponto de venda dos botijões de gás e dos produtos roubados.

Secom-PB

MP irá monitorar nível de agrotóxico em vegetais vendidos em supermercados e aponta uso de produtos ilegais

glauberto-bezerraO Ministério Público do Estado (MPPB), através da Promotoria do Consumidor, reuniu nesta quinta-feira (16) representantes de quatro órgãos para discutir o combate à utilização irregular de agrotóxicos. Na reunião ficou definida que será feito monitoramento do nível de  agrotóxico utilizados nos vegetais comercializados nos supermercado e mercado de João Pessoa. O MP também aproveitou para denunciar o uso ilegal de agrotóxicos não permitidos.

Segundo o promotor Glauberto Bezerra, os próprio produtores paraibanos já começam a enfrentar dificuldades de comercializar seus produtos em outros estados por causa do uso excessivo de agrotóxicos. Bezerra contou que um produtor de Mamanguape que vendia seus produtos em Recife já não consegue mais entrar naquele mercado.

Nesta quinta foi feita a primeira reunião para traçar estratégicas e os órgãos presentes resolveram chamara outros órgãos como Sudema, Secretaria da Saúde e INCRA.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A fiscalização – A idéia é que a fiscalização seja mais intensificada e vire um rotina de longo prazo. A ação começou na Empasa e deve se estender para supermercados e mercados públicos a partir de novembro. Futuramente ainda deve avançar para feiras de produtos orgânicos.

As hortaliças passarão por teste de laboratório aferindo o valor do agrotóxico e em caso de verificação de nível irregular serão tomadas as medidas como multas e até a proibição do produto. Os responsáveis pela entrada de agrotóxicos com uso proibido no estado também serão responsabilizados criminalmente.

Na primeira fase da ação proposta pelo MP foram fiscalizados tomates e pimentões, na segunda fase será a vez dos mamões e repolho.

Participaram da reunião no Ministério Público, a Secretaria de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca (Sedap), Luiz Carlos Barros e João Alberto Silva, a diretora-geral da Agência de Vigilância Sanitária do Estado (Agevisa), Glaciane Mendes Roland, a técnica da Agevisa, Djanira Machado, o representante da Receita Estadual, Marcelo Pio Chaves, o presidente da Empasa, João Tavares.

 

Paulo Dantas/João Thiago

Anvisa suspende medicamentos e produtos irregulares

anvisaEm resoluções publicadas na edição de hoje (9) do Diário Oficial da União, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu a distribuição e o comércio de diversos medicamentos por razões como a falta de registro e resultados insatisfatórios em testes.

Foi determinada a suspensão da distribuição, do comércio e do uso dos lotes do medicamento Arcalion (sulbutiamina) 200 mg fabricados entre 13 de setembro de 2012 e 7 de fevereiro de 2014. De acordo com a Anvisa, a empresa fabricante do produto, Laboratórios Servier do Brasil Ltda, comunicou que os lotes apresentaram resultados fora de especificação, no estudo de estabilidade de longa duração.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Também foi determinada a suspensão da distribuição, comercialização e do uso de todos os lotes do medicamento Usmedina (dipirona sódica) 500 miligramas por mililitro (mg/ml), solução oral, fabricados a partir de 1º de dezembro de 2011pelo Laboratório Usmed. Foi comprovado que o medicamento citado estava sendo fabricado e comercializado mesmo após ter sido interditado cautelarmente pela agência.

Já o produto Mata Mosca, bem como todos os produtos saneantes fabricados pelo Laboratório e Distribuidora Ustok,foram suspensos por não possuírem registro ou notificação na Anvisa. O fabricante também não possui Autorização de Funcionamento.

Por não possuir registro, foi suspenso o Energy Meter 200, fabricado pela empresa Vera de Mattos Vanique Costa – ME. Foi constatado que o produto irregular estava sendo divulgado e comercializado em um site, na internet.

Outro medicamento suspenso foi o lote 245044 do Asetisin (ácido acetilsalicílico) de 500 mg, com 100 comprimidos, por apresentar resultado insatisfatório no ensaio de dissolução. O remédio é fabricado pelo laboratório Pharlab Indústria Farmacêutica.

Agência Brasil

 

 

Ministério Público da Paraíba constata irregularidades no uso de agrotóxicos em produtos da Empasa

MPPBTomate com resíduos de agrotóxicos nove vezes mais que o permitido e pimentão com resíduo de “metamidofós” (agrotóxico proibido no Brasil desde 2012). Essas foram algumas das irregularidades constatadas em análise realizadas em doze amostras dos dois produtos recolhidas na Empasa (Empresa Paraibana de Abastecimento e Serviços Agrícolas) de João Pessoa. Os laudos de foram entregues, nessa terça-feira (23), pela Empasa à Promotoria do Consumidor da Capital. Das doze amostras analisadas, cinco estavam em conformidade e sete apresentaram índices de resíduos de agrotóxicos acima do permitido pela legislação.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ainda nessa terça-feira (23), em audiência realizada na Promotoria, foram discutidas estratégias de combate à utilização irregular de agrotóxicos. Participaram o promotor de Justiça Glauberto Bezerra, os representantes da Secretaria de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca (Sedap), Luiz Carlos Barros e João Alberto Silveira, a diretora-geral da Agência de Vigilância Sanitária do Estado (Agevisa), Glaciane Mendes Roland, a técnica da Agevisa, Djanira Machado, o representante da Receita Estadual, Marcelo Pio Chaves, o presidente da Empasa, João Tavares.

O promotor Glauberto Bezerra informou que o objetivo do Ministério Público juntamente com os órgãos parceiros é chegar aos fornecedores dos agrotóxicos. “Vamos investigar de onde parte o produto. Para isso vamos solicitar aos permissionários da Empasa a relação dos fornecedores dos produtos”, disse.

Glauberto Bezerra destacou que o assunto diz respeito ao direito fundamental à saúde. “Infelizmente esse direito está sendo pisoteado por comportamentos que demonstram a total desconsideração. A utilização de agrotóxicos em desconformidade com os padrões sanitários, bem como de agrotóxico proibido é testemunho da gravidade da situação sanitária e ambiental no Estado da Paraíba”, disse.

O presidente da Empasa, José Tavares, disse que a empresa de abastecimento é responsável pela rastreabilidade dos produtos que adentram o local. “Abordamos os caminhões que chegam para saber a origem dos produtos e acionar a Defesa Agropecuária para tomar as medidas. Aqueles permissionários que forem reincidentes deixarão de comercializar na Empasa”, relatou. Ele se comprometeu ainda a encaminhar à Promotoria a lista com o cadastro de todos os permissionários da empresa e verificar com cada comerciante a relação dos fornecedores.

Já a Agevisa vai emitir relatórios técnicos dos riscos à saúde provocados pelos princípios ativos encontrados nos hortifrutigranjeiros analisados. “Nestes relatórios, vamos abordar também os efeitos sobre aqueles que aplicam os agrotóxicos nas plantações. Dessa forma, estaremos cumprindo nossa missão de prevenção dos riscos”, disse a diretora-geral da Agevisa. Ela informou ainda que o órgão vai verificar a possibilidade de analisar produtos dos supermercados.

O representante da Sedap, Luiz Carlos, informou que a equipe da secretaria fiscalizou a propriedade de um produtor rural de Boqueirão e constatou uso de agrotóxico não indicado na cultura do pimentão. Cerca de um hectare e meio da lavoura foi destruído pela equipe e encaminhará ao Ministério Público os documentos da fiscalização. Além disso, vai encaminhar à Receita Estadual a relação de comerciantes de agrotóxicos cadastrados.

O fiscal agropecuário João Alberto relatou que, durante as coletas feitas na Empasa, obteve informação de que produtores estão utilizando para acelerar a maturação da banana agrotóxico com princípio ativo indicado para a cultura de abacaxi, colocando em risco os consumidores.

Já o representante da Receita Estadual se comprometeu a analisar a relação dos comerciantes que será remetida pela Sedap para verificar as medidas fiscais cabíveis.

ma nova audiência será realizada no dia 16 de outubro, às 9h, na sede da Promotoria do Consumidor.

MPPB

Preso casal português que estaria vendendo produtos falsos a advogados na PB

algemasUm casal de portugueses foi preso na tarde desta sexta-feira (5), em Santa Rita, na Grande João Pessoa, suspeito de fraude no comércio, após denúncias de que estaria vendendo produtos falsificados na Paraíba.

De acordo com a delegada Mari Soledade, três advogados registraram denúncia de que teriam sido enganados após comprar produtos falsos, provenientes de negócios com os portugueses.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A polícia iniciou as investigações e prendeu o casal no momento em que eles trocavam um cheque, em uma agência bancária do Centro de Santa Rita.

Segundo a delegada, os dois estavam hospedados em Recife (PB), mas estariam fazendo os negócios fraudulentos na Paraíba.

Eles foram levados para a 6ª Delegacia Distrital, mas devem responder em liberdade e se condenados, podem ficar de seis a dois anos presos, conforme o artigo 175 do Código Penal, que trata da fraude em comércio.

A delegada Mari Soledade informou ainda que as investigações continuam para saber se há mais pessoas envolvidas no crime identificado por meio da prática dos portugueses, bem como se outras vítimas teriam sido alvo da dupla.

 

portalcorreio

Truques caseiros e produtos ajudam o esmalte a secar mais rápido

pintar_unhasFoi-se o tempo em que era possível ficar no salão batendo papo enquanto o esmalte secava. No corre-corre de hoje em dia, se já é difícil conseguir tempo para ir à manicure, esperar pacientemente o produto secar está fora de cogitação. Por sorte, alguns truques simples aceleram o processo de secagem do esmalte. E o melhor de tudo: eles podem ser feitos em casa.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Qualquer contato com as unhas recém-feitas, seja frio ou gelado, favorece a secagem do esmalte. O segredo é a temperatura, que tem que ser fria. Tanto que, no inverno, as unhas secam bem mais rápido do que no verão”, explica a manicure Gisele Camargo, proprietária do salão Gi Camargo Nail Bar, em Higienópolis, São Paulo.

“Além do ganho de tempo, secar as unhas rapidamente reduz o risco de amassar, marcar ou borrar o esmalte”, conta Gisele, que é queridinha da atriz Carolina Ferraz. Para ajudar a acelerar o processo, o UOL Beleza conversou com especialistas que contaram os seus truques na hora de fazer o esmalte secar mais rápido. Veja abaixo:

Gelo
Talvez essa seja uma das técnicas mais antigas e que realmente dá certo. De acordo com a manicure Vania Rocha, do salão Nilcéia Rocha Coiffeur, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, o truque funciona, mas tem algumas regras. “Espere dois minutos após a aplicação do esmalte e mergulhe os dedos por cerca de um minuto em um recipiente com água e gelo. Deixe secar naturalmente”, ensina.

Água fria
A dica da Gi Camargo para o inverno é muito prática: colocar as unhas diretamente na água corrente da torneira. “Nessa época a água sai muito fria, o suficiente para secar o esmalte sem precisar de vasilha”, sugere.

Ar frio do secador
Aproveitar o jato frio do secador de cabelo também pode ser útil na hora da pressa. “Use um secador com ar frio, posicionando o jato sobre as unhas e respeitando uma distância de pelo menos 20 cm entre o secador e as mãos. Bastam alguns minutinhos”, orienta  Vania.

É melhor que o ar do secador esteja na  velocidade mais baixa, como as unhas são pequenas, não há necessidade de um jato muito forte.

Ventilador
“Um ventiladorzinho de mesa é outra opção. Diferentemente do que muita gente pensa, o vento não faz bolinha, é o calor que acaba aquecendo o esmalte”, declara Gi Camargo.

Camadas suaves
A espessura das camadas de esmalte interfere diretamente no tempo de secagem. “Três camadas bem finas secam mais rápido do que duas camadas grossas”, diz Raíssa de Mello João, diretora de tendências do Cheers Nail Club, da Oscar Freire, em São Paulo.

O segredo desse truque é deixar o esmalte secar antes de aplicar a próxima. Além de fazer com que seque mais rápido nas unhas, camadas finas deixam o esmalte mais uniforme, o que reduz o risco de amassar quando estiver recém-aplicado ou de lascar, nos dias seguintes; dessa forma, a pintura vai durar mais.

 

 

Uol

Brejo desponta com produtos e serviços que desenvolvem a economia e autoestima da PB

artesanatoNão importa se a Paraíba é conhecida como terra quente, de sol e calor o ano todo, em algumas regiões, o frio também dá o ar de sua graça e desenvolve no povo e na economia um jeito diferente de receber e de produtos típicos para oferecer. Um destes produtos é o Caminhos do Frio, um projeto cultural e econômico que aquece a economia da região brejeira da paraíba entre os meses de julho e agosto.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Uma das cidades que consegue há oito anos participar com desevolvimento de produtos e serviços aos residentes e turistas é Pilões. Com o apoio do Sebrae, vários empreendedores têm despertado para os potenciais locais e da boa vontade do seu povo de aprender coisas novas e assim dar a quem procura um turismo de experiência que faz com que quem visite não esqueça a vivência e queira cada vez mais o produto oferecido.

O sucesso de alguns empreendimentos é notável e a divulgação profissional e boca a boca tem deixado vários micro e pequenos empresários bem atarefados, movimentando e diversificando a economia local da região.

Em Pilões, um dos engenhos que mais se destaca é o Olho DÁgua. Com sua cachaça temperada por três meses em 12 ervas, rapadura e um colhe e pague com flores tropicais, o local é um convite para os sentidos.

 

Os proprietários oferecem ainda, caso seja agendado, um passeio inesquecível com clima de volta no tempo, num jantar no memorial da cachaça, com tochas, lamparinas e um founde de queijo de coalho a noite ao som do sax, ou um rubacão no almoço. Além do colhe e pague, onde você pode colher as flores tropicais para um arranjo que o cliente mesmo faz e leva para casa. Um turismo de experiência completo. Um resgate das tradições para que o turista e o morador local conheça um pouco mais do passado do local.

Dois grupos de mulheres também chamam a atenção com sua forma de receber e os produtos oferecidos. O Grupo Flores para Sempre faz o Chá na varanda que com uma bela vista pode ser tomado um café, suco com bolos e tapiocas, um local para relaxar e curtir. Além disso, no local são feitas flores de tecido e outros artigos de artesanato que encantam pelos detalhes e aproveitamento de tecido de uma maneira sustentável. As mulheres envolvidas tiveram sua autoestima estimulada porque antes trabalhavam apenas com plantio e cultivo de cana de açúcar e hoje, podem além de ter uma renda a mais, receber os elogios dos turistas que apreciam seus produtos e seus serviços feitos com carinho e cuidado, de sabor maravilhoso.

Outro grupo é o das Mulheres em Ação que ficam trabalhando num assentamento rural em Pilões. Para chegar lá, o turista entra num caminho cheio de expectativas, verde e plantações locais de cana de açúcar, bananas e mandiocas.

As 12 mulheres recebem muito bem os visitantes com seus quitutes e histórias de vida, de superação e autoestima que foi elevada depois do empreendimento que desenvolve os dotes culinarários e artesanais das envolvidas que nem sabiam que podiam aprender cada vez mais e empreender, ganhando dinheiro fazendo coisas que adoram fazer.

No local também funciona uma casa de farinha que ainda produz farinha de mandioca e goma para a culinária. Num salão são realizados cafés especiais e chás da tarde que podem ser agendados para os turistas e moradores que desejarem conhecer um pouco mais da cultura rural e seus produtos culturais e gastronômicos.

Uma visita rica de cultura e alimentação nutritiva cheia de novidades como o petisco feito da casca da mandioca frita no azeite, além das macaxeiras fritas em formato chips, e as tradicionais comidas de milho e tapioca. Um local para apreciar vários aspectos sensoriais.

Um destaque especial ficou por conta de uma propriedade rural, Engenho Várzea do Coaty que apesar de ser em Areia, tem servido como local de encontro de moradores desta cidade e de Pilões e região, além dos turistas que chegam nestas cidades e proximidades. O Local é uma sede de engenho que foi construida em 1920 e até hoje funciona, não mais como outrora, com sua casa de farinha e budega, mas com um espaço para receber pessoas para uma boa refeição, ao som de música e visita a Casa Grande, uma viagem no tempo.

A casa, com arquitetura influenciada por um engenheiro inglês, foi a primeira na região a utilizar cimento na construção, importado da Inglaterra. Na época usava-se cal e óleo de baleia para concretar as paredes. Sua disposição é bem diferente das casas tradicionais, pois não tem corredor e os quartos são interligados. Salas grandes e varandas, além de uma cozinha e copa, ainda guardam os móveis antigos, feitos de madeira de lei. Um local imperdível de conhecer e apreciar. Ainda tem um pesque pague para os visitantes se divertirem e venda de queijos e rapadura.

A representante do Sebrae, Regina Amorin destacou que os projetos de experiência e produto turístico desenvolvido pelos empreendedores de Pilões e Areia visam potencializar desde 2006 o que o Brejo tem para mostrar tanto em produtos culinários, como receptividade rural, aconchegante e artesanal. ” Viemos inovar e resgatar o produto local, são pessoas simples sempre prontas para aprender e se desenvolver. Estão felizes com os resultados e querem crescer cada vez mais, aumentando a renda e a auto estima destas mulheres empreendedoras e demais envolvidos. Uma valorização e resgate cultural para fazer todos felizes”, destacou Regina.

Vanessa de Melo

PB Agora

Fornecedores de produtos e serviços terão que pagar taxa ao município de Bananeiras

camamra bananeirasCâmara Municipal de Bananeiras aprovou, na sessão desta terça-feira (08), Projeto de Lei 20/2013, de autoria do Poder Executivo, que “Cria taxa sobre os fornecimentos de produtos ou serviços ao município de Bananeiras”. A votação foi acirrada, com cinco votos favoráveis, quatro contrário e uma abstenção.

Com a aprovação deste Projeto de Lei, os fornecedores de produtos e serviços terão que pagar taxa de 1% sobre o valor de contrato por meio de licitação ao município de Bananeiras.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

De acordo com o prefeito Douglas Lucena, a finalidade deste projeto é de arrecadar fundos para utilização de serviços públicos, nos termos do artigo 145, II, da Constituição Federal, junto ao Empreender Bananeiras, o qual visa incentivar a geração de ocupação e renda entre os empreendedores do município de Bananeiras, bem como, apoiar e fortalecer a economia local.

Veja na íntegra o Projeto de Lei

Projeto de Lei

Scan_Pic0003

 

Bananeiras Online

EDA Construtora investe em produtos sustentáveis e cria mercado de tijolos ecológicos

 

Aleksandro Rocha e Edjario Kennedy
Aleksandro Rocha e Edjario Kennedy

Fundada no município de Bananeiras a EDA Construtora, especialista na construção civil, tem se destacado por investir nos produtos chamados sustentáveis, que se preocupa e cuida do meio ambiente. Com o foco principal na construção de unidades residenciais e comerciais utilizando o tijolo ecológico, tipo solo cimento, a empresa decidiu se expandir.

Os sócios da EDA Construtora, Edjario Kennedy e Aleksandro Rocha, sentindo a necessidade de mercado criaram a EDA ECOBLOCOS, a primeira linha de produção automatizada do tijolo ecológico em Bananeiras, cujo objetivo é o de produzir um produto sem vícios e totalmente certificado, utilizando matéria prima de jazidas autorizadas pelo IBAMA e SUDEMA e com laudos de ensaios atualizados periodicamente.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Qualquer contato com a EDA Construtora para a contratação de projetos ou  mais informações sobre a EDA ECOBLOCOS, deve ser feito pelos telefones (83) 93721250 – (83) 99580190 – (83) 33671083; pelo e-mail: ed.a-ltda@r7.com ou diretamente com os sócios Edjário Kennedy e Aleksandro Rocha no escritório da Empresa, Chácara Villa Nova, Sn – Bananeiras (PB).

 

Redação/Focando a Notícia com assessoria