Arquivo da tag: poupadores

Bancos pagarão R$ 10 bilhões a poupadores referentes a planos econômicos

Os poupadores que foram prejudicados com os quatro planos econômicos que precederam o Plano Real (Bresser, Verão, Collor 1 e Collor 2) deverão ser finalmente indenizados, embora com montante bastante inferior ao previsto inicialmente. Bancos e poupadores chegaram a um acordo na última segunda-feira e o valor a ser pago deve ficar na casa dos R$ 10 bilhões – deveriam ser pagos cerca de R$ 50 bilhões. O montante poderá ser pago à vista ou em até três parcelas.

O texto contendo os termos finais do acordo deverá ser assinado até a próxima segunda-feira e encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF). A previsão é que existam em torno de um milhão de processos tramitando na Justiça, mas a quantidade exata de ações ainda será levantada.

Em coletiva realizada ontem, a advogada-geral da União, a ministra Grace Mendonça, afirmou que o acordo não só possibilita a injeção de recursos que ajudarão no reaquecimento da economia brasileira, mas também comprova que é possível solucionar litígios complexos por meio do consenso.

De acordo com estimativa, os pagamentos aos poupadores que entraram com ação na Justiça e tiverem direito a indenização deverão ser feitos apenas em 2018. Cada um deverá ter direito a uma média de R$ 10 mil. As perdas ocorriam quando o índice de correção da caderneta era alterado, geralmente para percentuais mais baixos, e os bancos realizavam a alteração antes de encerrar o ciclo mensal da poupança.

Por estado

Conforme a AGU, que mediou o acordo entre o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), a Frente Brasileira dos Poupadores e a Federação Brasileira de Bancos, os poupadores por estado que deverão ser beneficiados com o acordo só deverão ser conhecidos após levantamento a ser realizado pelo órgão, depois que o STF apreciar o texto assinado pelas entidades. O dinheiro já está disponível nos bancos.

Para ter direito, o poupador deve comprovar que tem uma ação em andamento na Justiça e aceitar desistir desta ação. De acordo com as entidades, a poupança não precisa estar ativa, mas é necessário comprovar que havia dinheiro depositado na conta no período dos planos. Ainda, o valor a ser recebido deverá sofrer desconto que ainda será definido pelas entidades que fecharam o acordo.

Celina Modesto

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Caderneta perde poupadores, mas continua a principal opção de investimento

popançaA caderneta de poupança continua tendo a preferência dos brasileiros como opção de investimento, apesar de ter perdido aplicadores após as mudanças na definição da rentabilidade em 2012 que reduziram sua atratividade. É o que mostra uma pesquisa nacional da Federação do Comércio do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) e da Ipsos, empresa de pesquisa e análise de mercado.

A sondagem aponta que, entre os 16% dos brasileiros com dinheiro guardado, 81% aplicam na caderneta. Uma queda em relação ao ano passado, quando o percentual era 88%. A pesquisa, feita uma vez por ano, ouviu mil entrevistados no período de 17 a 30 julho, em 70 cidades, incluindo nove regiões metropolitanas do país.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Para o economista da Fecomércio-RJ Christian Travassos, o fato positivo é que o panorama vai se alterar. Segundo ele, com o aumento dos juros pelo Banco Central e o retorno às condições anteriores de cálculo, a poupança voltou a atrair a atenção de quem gosta de guardar dinheiro. “A poupança, mesmo com a mudança na rentabilidade, abocanhava 81% de adesão entre os brasileiros. Agora, a tendência é que esse número volte a aumentar nos próximos meses”, destacou.

A segunda opção de quem tem dinheiro disponível é guardar em casa (14%). Em seguida, vieram os fundos de investimento, com 6%, que representam o dobro da apuração anterior, coincidindo com a mudança no cálculo da rentabilidade da caderneta.

Em 2006, no primeiro ano da pesquisa, a parcela de brasileiros que guardavam dinheiro no país atingia 11%, o que mostra que em 2013 houve elevação de 5 pontos percentuais no patamar. No entanto, na comparação com 2012, quando era 19% da população, houve uma queda.

Segundo o economista, esse resultado confirma o impacto da inflação sobre o orçamento do brasileiro no último ano, mas aponta ainda, em compensação, que o fato de guardar dinheiro evitou que o brasileiro tivesse recorrido ao crédito para manter as contas e os financiamentos em dia.

“Três em cada quatro brasileiros poupam para se precaver de alguma mudança no futuro. Entre os que têm dinheiro, a principal razão para poupar não é uma viagem e nem comprar carro. É para ter um colchãozinho para amortecer eventuais mudanças de emprego, de inflação, alguma coisa inesperada. Isso é fruto da maturidade gradual do consumidor. Os brasileiros aprenderam que o crédito no Brasil é caro e é muito arriscado ficar sob as oscilações da economia”, analisou

A pesquisa revelou ainda que, entre os usos do dinheiro guardado pelo brasileiro, está crescendo a opção de gastar com a reforma da casa, passando de 6% em 2012 para 11% este ano. “Uma questão importante é a continuidade de incentivos para a compra de material de construção com programas do governo. Material de construção é o segmento que há mais tempo se beneficia da redução de IPI”, disse.

Desde o lançamento da pesquisa, aumentou também a intenção de gastar com lazer. Em 2006, o percentual de brasileiros que guardam dinheiro para essa finalidade era 1%. Na última avaliação, alcançou 6%. “Não é um comportamento geral. É o comportamento específico de uma parcela da população que hoje ganha mais e pode viajar para o exterior”, esclareceu.

 

 

Agência Brasil