Arquivo da tag: postos

Postos de combustíveis têm bombas interditadas na Capital

Quatro postos de combustíveis em João Pessoa sofreram interdições em bicos por irregularidades na vazão, durante fiscalização do Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (MP-Procon) em parceria com Procon Estadual, Corpo de Bombeiros e Instituto de Metrologia e Qualidade da Paraíba (Imeq-PB).

De acordo com o balanço divulgado nesta quinta-feira (4), pelo MP-Procon, apenas um estabelecimento de doze fiscalizados, estava totalmente regular. Em seis postos, o Imeq encontrou irregularidades, fez autuações e concedeu prazo para correção dos problemas identificados junto ao setor técnico do órgão. Nove postos de combustíveis também foram notificados pelo Procon-PB para fazer adequações. O Corpo de Bombeiros não identificou irregularidades em nenhum dos estabelecimentos.

As fiscalizações duraram três dias. Foram fiscalizados quatro postos de combustíveis localizados no bairro da Torre (sendo que em um deles, o posto ‘Santa Júlia’ não foram encontradas irregularidades) e quatro postos localizados ao longo da Avenida Epitácio Pessoa, sendo dois deles no bairro de Tambauzinho e outros dois, no bairro do Cabo Branco. Também foram fiscalizados postos nos bairros Bancários, Jardim Cidade Universitária, Mangabeira e José Américo.

De acordo com o diretor do MP-Procon, o promotor de Justiça Francisco Glauberto Bezerra, os órgãos verificaram questões técnicas como vazão das bombas de combustível, a qualidade do produto, bem como a segurança estrutural dos estabelecimentos. Ele destacou que a fiscalização é um trabalho que vem sendo realizado de forma contínua e permanente, uma vez que integra o Programa de Prevenção a Acidentes de Consumo e visa garantir e proteger os direitos dos consumidores.

O promotor também falou sobre a importância da atuação conjunta dos órgãos para o fortalecimento da proteção dos consumidores, uma vez que eles são os entes mais vulneráveis na relação de consumo. A superintendente do Procon-PB, Késsia Cavalcanti, também reconheceu como salutar a cooperação entre os órgãos e disse que o foco é a defesa dos direitos do consumidor.

O que foi encontrado em cada posto

1. Auto Posto Petrobras – Qualit (Posto de Afrânio) – Beira Rio, Torre
Procon Estadual: ausência do cartaz que trata da obrigatoriedade do cinto de segurança (Lei Estadual 10.742/2016); ausência do número do Procon no cupom fiscal (Lei Estadual 9.015/2009)

2. Posto Expressão – Beira Rio, Torre
Imeq: mangueira danificada e fora dos padrões técnicos.
Procon Estadual: ausência do cartaz que trata do cinto de segurança (Lei Estadual 10.742/2016)

3. Posto Opção – Av. Rui Barbosa, Torre
Imeq: 2 bicos interditados, sendo um por apresentar vazamento de combustível e o outro por apresentar oscilação fora do padrão aceitável.

4. Posto Autopel – Av. Epitácio Pessoa, Tambauzinho
Procon-PB: ausência do cartaz que trata do cinto de segurança (Lei Estadual 10.742/2016); ausência do número do Procon estadual ou municipal no cupom fiscal (Lei Estadual 9015/ 2009); ausência do valor percentual de etanol na gasolina (Lei Estadual 10365/2014)
Imeq: erro na medição superior ao erro máximo admissível

5. Posto BR – Av. Epitácio Pessoa, Tambauzinho
Procon-PB: ausência do cartaz que trata do cinto de segurança; ausência do número do Procon estadual ou municipal no cupom fisca e ausência da lei do troco

6. Posto Big Tambaú – Av. Epitácio Pessoa, Cabo Branco
Procon-PB: ausência do cartaz que trata sobre o cinto de segurança e do cartaz que trata da retirada do capacete para abastecer.

7. Posto BR – Epitácio Pessoa, Cabo Branco
Procon-PB: foram encontrados na loja de conveniência produtos vencidos, sem prazo de validade e sem informação nutricional. Ausência de cartaz sobre a da lei do troco.

8. Posto Bancários – prox. ao Carrefour dos Bancários
Procon Estadual: produtos sem precificação; ausência de placas sobre a lei do troco; sobre o cinto de segurança e o uso de capacete no momento de abastecimento.

9. Posto Cidade – ao lado do Extra, Jardim Cidade Universitária
Procon-PB: ausência de placa sobre a lei do troco; sobre o uso de capacete no ato de abastecimento e ausência de precificação
Imeq: 01 bico interditado, erro de medição superior ao erro máximo admissível, erro de 80 ml em 20 litros na vazão máxima, em prejuízo ao consumidor; 01 mangueira em mau estado de conservação

10. Posto Opção Mangabeira – R. Josefa Taveira, Mangabeira
Imeq: 01 bico interditado, erro de medição superior ao erro máximo admissível, erro de 100 ml em 20 litros na vazão máxima, em prejuízo ao consumidor;

11. Posto Shell – Av. Hilton Souto Maior, sentido BR 230, José Américo
Procon-PB: ausência do cartaz sobre o uso de capacete no ato de abastecimento; ausência de precificação; ausência da Lei do Troco
Imeq: 01 bico interditado, erro de medição superior ao erro máximo admissível, erro de 100 ml em 20 litros na vazão máxima, em prejuízo ao consumidor

12. Posto Santa Júlia – Av. Epitácio Pessoa, Torre
Sem irregularidades

MaisPB

 

 

Postos são suspeitos de fraudar venda de combustíveis na PB

Vinte e dois postos de combustíveis do estado estão sendo fiscalizados pela Receita da Paraíba por suspeita de fraude na venda dos produtos. O suposto crime foi descoberto após o lançamento do aplicativo ‘Preço da Hora’, que possibilita aos consumidores paraibanos e aos gestores públicos consultar em tempo real o preço de quase um milhão de itens comercializados em 121.590 estabelecimentos distribuídos nos 223 municípios do estado.

Com base nos dados do aplicativo, os consumidores estavam identificando postos comercializando combustível a preço bem mais barato que o normal. Porém, quando eles chegavam ao posto, o valor cobrado pelo litro do combustível estava diferente do anunciado no ‘Preço da Hora’.

Ao Portal Correio, o secretário executivo da Fazenda da Paraíba, Bruno Frade, contou que a suposta fraude ocorre da seguinte forma: ao abastecer o veículo, o consumidor recebe a nota fiscal da compra do produto, na qual consta o valor pago pelo litro do combustível.

No mesmo instante que é emitida ao consumidor, a nota, via meio eletrônico, é enviada ao sistema de dados da Receita, que abastece o aplicativo. O problema ocorria quando os postos fraudavam o preço de venda do combustível.

“Essa nota fiscal emitida e enviada para a Fazenda deve corresponder exatamente com o valor que o consumidor pagou pelo litro do produto, mas em alguns casos isso não ocorria e percebemos valores muito abaixo do normal, que é algo em torno de R$ 4,49, mas na nota estava R$ 3,65. Esse preço de R$ 3,65 ia para o sistema do aplicativo, enganando o consumidor”, afirmou o secretário.

A principal hipótese levantada pelo secretário é de que os postos se aproveitam do consumidor que não pede a nota fiscal e fraudam o valor.

“O que nós imaginamos é que quando o consumidor não pede a nota, o posto deixa para dar essa ‘baixa’ na venda no fim do dia. Assim, alguém do posto coloca um valor de venda por litro muito baixo, o que reverte em menos imposto a ser pago. Estamos iniciando o processo de investigação para tentar confirmar se era esse o tipo de operação fraudulenta”, finalizou Bruno Frade.

Já a partir desta terça-feira (2), os postos identificados como suspeitos da fraude estão sendo fiscalizados e recebendo notificações para que justifiquem a emissão da nota fiscal com valor abaixo do real.

 

portalcorreio

 

 

Postos de combustíveis têm que repassar redução de preço

O Programa de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério Público da Paraíba (MP-Procon) e o Procon do Estado recomendaram às distribuidoras e aos postos de combustíveis que efetuem o repasse da redução nos preços de compra dos combustíveis aos consumidores. O não cumprimento pode acarretar responsabilização administrativa e civil e de aplicação de penas como suspensão de fornecimento de produtos, suspensão temporária de atividade, revogação de concessão ou permissão e cassação de licença do estabelecimento ou de atividade.
A recomendação conjunta foi expedida na manhã desta quinta-feira (13), durante audiência realizada na sede do MP-Procon, em João Pessoa, com representantes de distribuidoras que atuam na Paraíba. O documento é assinado pelos promotores de Justiça de Defesa do Consumidor, Francisco Glauberto Bezerra e Francisco Bergson Formiga (diretor e vice-diretor do MP-Procon, respectivamente) e pela superintendente do Procon-PB, Késsia Liliana Cavalcanti.
O Ministério Público determinou que o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado da Paraíba (Sindipetro-PB) encaminhe, no prazo de 24 horas, a recomendação conjunta a todos os postos de combustíveis sindicalizados. O documento também será enviado a todas as distribuidoras de combustíveis, à Secretaria da Fazenda do Estado e aos Procons municipais para que sejam adotadas as medidas que entenderem cabíveis em relação ao assunto.

A audiência

A audiência realizada pelo MP-Procon e pelo Procon-PB com representantes das distribuidoras de combustíveis ALE, Petrox, Ipiranga e SP Combustíveis teve como objetivo averiguar o que tem ocorrido em todo o Estado, em relação à falta de repasse aos consumidores das reduções dos valores dos preços dos combustíveis por parte de postos e distribuidoras.

De acordo com os órgãos de defesa do consumidor, anúncios da Petrobras informam que houve duas reduções, no mês de junho, nos valores dos preços dos combustíveis. A primeira se deu em relação ao preço da gasolina (que teve uma queda de 7,16%) e no preço do diesel (de 6%), desde o dia 1°. A segunda queda aconteceu no preço da gasolina, no último dia 11 (3%).

Apesar disso, a pesquisa realizada no dia 7 de junho pelo Procon-PB, revelou não só a ausência do repasse dessas reduções, como o aumento no preço dos produtos ao consumidor final. “O aumento de preços de forma injustificada representa prática abusiva condenada pelo Código do Consumidor”, destacou o promotor de Justiça Glauberto Bezerra.

Durante a audiência, MP-Procon e Procon-PB questionaram os representantes das distribuidoras sobre como se dá a formação de preços dos produtos; os prazos para pagamento dos postos; o repasse do aumento do preço do combustível pela Petrobras ao posto, quando ainda há combustível no estoque e assuntos relacionados às bandeiras dos postos.

O representante da distribuidora Ipiranga disse que a empresa tem uma fixação de preços mais estável, com crescimento de acordo com o da Petrobras. Disse ainda que o preço da Petrobras caiu recentemente, em função de eventos internacionais que fortaleceram o dólar, mas que a Petrobras decide como bem entender se repassará ou não as reduções.

As distribuidoras foram notificadas a apresentarem suas planilhas de custos operacionais mensais e ficou definida uma agenda de audiências na sede do MP-Procon, no período de 25 a 27 de junho, para tratar do assunto.

 

 

portalcorreio

 

 

 

Justiça Federal da PB leiloa hotel, hospitais, postos e prédio de rádio

Diversos bens serão leiloados pela Justiça Federal na Paraíba (JFPB) na próxima quinta-feira (16). O evento, que será realizado presencialmente no auditório do edifício-sede do órgão, em João Pessoa, está agendado para às 9h. Os itens listados no edital são relativos a processos que tramitam nas seguintes Varas: 5ª (João Pessoa), 8ª (Sousa), 11ª (Monteiro), 12ª (Guarabira) e 14ª (Patos). Os interessados também poderão participar por meio das modalidades telepresencial (videoconferência nas Subseções Judiciárias de Guarabira, Monteiro, Patos e Sousa) e virtual, diretamente nos sites dos leiloeiros cadastrados (ver edital).

Na lista de bens constam: o prédio onde funciona atualmente o Hospital de Traumatologia e Ortopedia da Paraíba (antigo Prontocor), o prédio do antigo Hotel Ouro Branco (atual Aram Beach e Convention), o prédio do Instituto de Psiquiatria da Paraíba, o prédio do Instituto de Pneumologia da Paraíba, o prédio onde funciona a Rádio Santa Rita, propriedades da Companhia Usina São João, além de posto de combustíveis, apartamentos, casas, lotes, ônibus, caminhão, automóveis, motocicletas, máquinas industriais, entre outros.

A maioria dos itens poderá ser arrematada, salvo os casos previstos no edital,  por um preço mínimo de 50% do valor da avaliação, conforme determina o Novo Código de Processo Civil. Qualquer cidadão, acima de 18 anos, poderá se apresentar na sede da Justiça Federal e oferecer os lances. Já o interessado em participar do leilão via internet deverá se cadastrar, previamente, com antecedência mínima de 72 horas da data do evento e de modo absolutamente gratuito, ficando o interessado responsável civil e criminalmente pelas informações lançadas no preenchimento do cadastro, oportunidade que preencherá os dados pessoais e aceitará as condições de participação previstas no Edital e no Termo de Compromisso, constantes no site http://web.jfpb.jus.br/leilaoJFPB.

Dentro do projeto “Leilão Eficaz” da JFPB, o evento se repetirá, em 2ª data, no dia 28 de maio também em João Pessoa, com transmissões nas modalidades telepresencial e virtual.

PB Agora

 

Polícia rodoviária federal corta gastos de 39% e fecha dois postos de fiscalização

Os impactos da redução de 39% no orçamento da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na Paraíba devido aos cortes do Governo Federal em julho, conforme matéria publicada no início do mês no Jornal Correio, já estão aparecendo. Com a medida, a Superintendência local está reduzir as fiscalizações rotineiras realizadas nas rodovias e dois postos estão funcionando em dias alternados.

Os postos, localizados na BR-104 Sul, no município de Queimadas, e da localidade de São Miguel, na BR-104 Norte, entre Esperança e Remígio, estão funcionando dia sim, dia não. “Estamos fazendo revezamento entre as equipes de policiais rodoviários, para que o trabalho de fiscalização não seja prejudicado”, frisou o inspetor da Delegacia Regional da PRF, Adalberto Monteiro. Em contato com o posto da PRF em São Mamede, a reportagem foi informada que a Delegacia Regional ficará realizando os atendimentos de acidentes nas rodovias, mas as rondas continuarão em volume reduzido, tendo em vista o orçamento do órgão. Já na BR-230, fora o posto localizado na saída de Campina Grande para João Pessoa, apenas o da localidade de Farinha, à altura do município de Pocinhos, está em funcionamento. Além da precariedade no funcionamento dos postos na BR-104, outras duas unidades de fiscalização da PRF foram desativadas.

Os postos estão localizados no Distrito de Santa Teresinha, na saída de Campina Grande para João Pessoa, e São Mamede, a 283 quilômetros da capital. De acordo com o inspetor Alberto Monteiro, os postos serão reconstruídos. Contudo, permanecerão fechados por pelo menos um ano. Conforme o policial, o posto de Santa Teresinha será totalmente reconstruído para oferecer melhores condições de funcionamento aos policiais rodoviários e melhor atendimento às pessoas que precisarem da corporação. Ele disse que os recursos para a obra já estavam alocados desde 2016. “Era uma necessidade estrutural que nós vínhamos sentindo há oito anos e agora temos a oportunidade de reconstruir a unidade”, disse o inspetor. A reconstrução do posto deve ser iniciada próxima semana e a empresa vencedora da licitação terá prazo de 12 meses para conclusão das obras.

Segundo o inspetor Adalberto Monteiro, pelo posto da PRF de Santa Teresinha, trafegam em média, por dia, cerca de cinco mil veículos. Em matéria publicada no início do mês pelo Jornal Correio da Paraíba, a PRF na Paraíba informou que só tinha em caixa R$ 1,3 milhão para gastos com custeio e investimentos até o final deste ano. O orçamento para 2017, segundo a instituição, era de R$ 5,1 milhão.

Beto Pessoa e Francisco José/ Correio da Paraíba

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Operação detém gerentes de postos e faz interdições na Grande João Pessoa

(Foto: Divulgação/MP-Procon)

Pelo menos dois gerentes de postos de combustíveis da Grande João Pessoa foram detidos por irregularidades, durante uma operação conjunta que teve início na terça-feira (25) e segue nesta quarta-feira (26). Segundo o promotor de Justiça de Defesa do Consumidor e diretor-geral do MP-Procon, Glauberto Bezerra, os postos estão localizados no bairros do Bessa e Bancários, em João Pessoa, e em Santa Rita.

A operação é realizada pelo MP-Procon, Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP), polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros Militar, Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial da Paraíba (Imec), Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema), Vigilâncias Sanitárias do Estado e do Município de João Pessoa, Agência Nacional do Petróleo (ANP), Fisco Estadual, e Comissões de Proteção Ambiental e do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Paraíba (OAB).

Os órgãos observam irregularidades em postos de combustíveis e suas lojas de conveniência. Durante a terça-feira, no Bessa, o gerente de um posto foi conduzido à delegacia por falta de licença ambiental no estabelecimento. Nos Bancários, um posto vendia gás de cozinha sem licença ambiental e não tinha termômetro para fazer o teste de teor alcoólico. Após essas constatações, o gerente também foi detido. Eles assinaram Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO) e foram liberados. Os donos dos estabelecimentos também vão responder pelas irregularidades.

Outro responsável por posto foi levado para a delegacia nesta quarta-feira, dessa vez em Santa Rita. Segundo Glauberto Bezerra, foi detectada fraude na vazão da bomba. O delegado, porém, pediu que o teste fosse refeito e verificou que a bomba estava dentro do padrão, apesar de estar no limite.

Loja de conveniência foi autuada por vender produtos vencidos (Foto: Divulgação/MP-Procon)

Loja de conveniência foi autuada por vender produtos vencidos (Foto: Divulgação/MP-Procon)

Além disso, um posto em Bayeux foi interditado pelo Corpo de Bombeiros, por problemas da estrutura. Nesse mesmo posto, o Imec lacrou uma bomba por má conservação da mangueira. Ainda foram interditadas bombas e revendas de gás de cozinha em outros três postos de combustível. Na loja de conveniência de um posto em Bayeux, a equipe de fiscais apreendeu diversos produtos – a maioria bebidas – porque estavam com prazo de validade vencido. O estabelecimento foi autuado.

Foram 12 postos fiscalizados na terça-feira e esta quarta-feira deve terminar com visitas a outros 12 estabelecimentos. Além das detenções e interdições, vários autos de infração foram lavrados. As equipes estão averiguando as condições de segurança e riscos de incêndio que os estabelecimentos apresentam. Também estão sendo verificados o aspecto metrológico dos produtos (vazão das bombas e qualidade dos combustíveis), a questão da precificação e o cumprimento da recomendação expedida pelo MP-Procon sobre a obrigação legal dos postos de informar o consumidor sobre quando é mais vantajoso abastecer com álcool ou gasolina.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Queda do preço de gasolina chega aos postos

gasolinaParte da redução dos preços dos combustíveis nas refinarias começou finalmente a ser repassada para as bombas dos postos, aponta levantamento de preços da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

O preço médio do diesel fechou a semana em R$ 2,984, abaixo dos R$ 3,002 que custava antes da primeira redução de preços da Petrobras, no dia 14 de outubro. Já o preço médio da gasolina ficou em R$ 3,665 nesta semana, ainda acima dos R$ 3,654 que custava antes da redução de preços na refinaria.

A Petrobras reduziu duas vezes o preço da gasolina e do diesel nas refinarias, nos dias 14 de outubro e 8 de novembro.

Efeito nas bombas
No caso do diesel, já são 3 semanas seguidas de queda. O valor médio cobrado pelo litro no país caiu de R$ 3,009 na semana finalizada no dia 5 de novembro (antes do anúncio da segunda redução de preços da Petrobras) para R$ 2,984 nesta semana.

Já o preço médio da gasolina acumula 2 semanas de queda. O valor médio cobrado nas bombas do país ficou em R$ 3,665 esta semana, ante uma média de R$ 3,681 registrada há 2 semanas. (Veja no fim do texto a evolução dos preços nas últimas semanas)

O preço do etanol, por sua vez, está em escalada desde setembro. Nesta semana, o valor médio do litro voltou a subir, ficando em R$ 2,816. Na última semana de setembro, estava em R$ 2,554.

A ANP monitora semanalmente os preços da gasolina, etanol e diesel em todo o país. Na pesquisa para o período entre 20 e 26 de novembro, os pesquisadores coletaram dados sobre gasolina em 5.682 postos do país. Os dados sobre etanol e diesel foram coletados em 5.165 e 3.549 postos, respectivamente.

Reduções de preços na refinaria
No dia 14 de outubro, a Petrobras anunciou uma redução de 2,7% no preço do diesel e de 3,2% no preço da gasolina nas refinarias, mas a queda não foi notada pelos consumidores.

No dia 8, a Petrobras anunciou uma nova redução, de 10,4% no preço do diesel e de 3,1% no preço da gasolina. Segundo estatal, com um repasse integral nas bombas ao consumidor final, o preço do diesel poderia cair 6,6%, ou cerca de R$ 0,20 por litro. Já o efeito sobre os preços da gasolina seria de queda de 1,3% ou R$ 0,05 por litro.

A Petrobras informou que pela nova política de preços adotada pela empresa, os preços dos combustíveis nas refinarias serão revisados “pelo menos uma vez por mês”.

Os donos dos postos de combustível têm reclamado da alta do preço do álcool anidro, que entra na composição da gasolina com o percentual de 27%. A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), entidade que reúne os produtores de açúcar e etanol, refuta, no entanto, a tese de que o etanol seja o culpado pela redução do preço da gasolina na refinaria não chegar ao consumidor.

Evolução dos preços nas últimas semanas:

Gasolina
02/10/2016 a 08/10/2016: R$ 3,653
09/10/2016 a 15/10/2016: R$ 3,654
16/10/2016 a 22/10/2016: R$ 3,671
23/10/2016 a 29/10/2016: R$ 3,669
30/10/2016 a 05/11/2016: R$ 3,676
06/11/2016 a 12/11/2016: R$ 3,681
13/11/2016 a 19/11/2016: R$ 3,675
20/11/2016 a 26/11/2016: R$ 3,665
Diesel
02/10/2016 a 08/10/2016: R$ 3,014
09/10/2016 a 15/10/2016: R$ 3,002
16/10/2016 a 22/10/2016: R$ 3,005
23/10/2016 a 29/10/2016: R$ 3,008
30/10/2016 a 05/11/2016: R$ 3,009
06/11/2016 a 12/11/2016: R$ 3,005
13/11/2016 a 19/11/2016: R$ 2,995
20/11/2016 a 26/11/2016: R$ 2,984
Etanol
02/10/2016 a 08/10/2016: R$ 2,590
09/10/2016 a 15/10/2016: R$ 2,633
16/10/2016 a 22/10/2016: R$ 2,684
23/10/2016 a 29/10/2016: R$ 2,760
30/10/2016 a 05/11/2016: R$ 2,800
06/11/2016 a 12/11/2016: R$ 2,814
13/11/2016 a 19/11/2016: R$ 2,815
20/11/2016 a 26/11/2016: R$ 2,816

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Mais de 60 postos reduziram preço do litro da gasolina, segundo pesquisa comparativa do Procon-JP

gasolinaSessenta e três postos de combustíveis reduziram o preço do litro da gasolina em João Pessoa, segundo pesquisa comparativa realizada pela Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) no dia 14 de novembro, com o menor preço, R$ 3,419, sendo registrado no posto Extra (Bairro dos Estados).

A pesquisa também constatou que o preço do litro da gasolina se manteve em 38 postos da Capital e aumentou em dois desde o levantamento de outubro de 2016, que estava em R$ 3,439. O maior valor está sendo praticado a R$ 3,799, no posto Canaã (Água Fria).

De acordo com o secretário do Procon-JP, Marcos Santos, as pesquisas comparativas realizadas pela Secretaria para preços de combustíveis vêm constatando queda no valor do produto desde o mês de outubro, o que é reflexo da redução nas refinarias. “Dos 104 postos em funcionamento na Capital, 63 baixaram o preço da gasolina em relação a outubro, o que é uma boa notícia”.

Álcool – Quanto ao preço do litro do álcool, a pesquisa do Procon-JP registrou que, na comparação com a de outubro, o valor se manteve em 69 postos, aumentou em dois e reduziu em 21 estabelecimentos. O menor preço está em R$ 2,749 (postos Expressão – Centro, Ayrton Senna – Ipês, Independência – Tambiá, BSB – Bancários, Cidade – Jardim Universitário, e Mônaco – Jaguaribe) e, o maior, a R$ 3,199, Deville – Água Fria, Villagio – Bancários e Cajueiro – Geisel).

Diesel – O menor preço do óleo diesel, R$ 2,790, foi encontrado nos postos Z (Cidade Universitária) e Opção (BR-101) e, o maior, R$ 3,099, no posto Deville (Água Fria). O preço do produto se manteve em 36 postos, aumentou em um e reduziu em quatro na comparação com a pesquisa do mês passado.

GNV – Com relação ao preço do Gás Natural Veicular (GNV), a pesquisa deste mês de novembro constatou que o menor valor está em R$ 2,199 (posto Estrela – Geisel) e, o maior, R$ 2,429 (Santa Júlia – Epitácio Pessoa). Dos 12 postos que estão em atividade em João Pessoa, apenas um reduziu o preço em comparação ao levantamento realizado no mês de outubro deste ano.

A pesquisa completa pode ser acessada no link http://bit.ly/2fIc2v6

Secom-JP

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Postos de combustíveis deixam de atender à noite em CG após aumento de assaltos; mais de 100 só este ano

postoOs dados são preocupantes. Somente em 2016 já foram registrados mais de 100 assaltos a postos de combustíveis em Campina Grande. O número reproduz a realidade do ano passado, qaundo até o mês de julho, mais de 150 postos de combustíveis haviam sido assaltados na cidade. Mesmo os proprietários reduzindo o horário de funcionamento, os estabelecimentos continuam sendo alvo dos bandidos. O mais recente foi a um posto doe bairro Catolé, que já tinha sido assaltado por duas vezes. Em 2015, foram registrados 240 postos de combustíveis durante os 12 meses do ano.

Um levantamento feito pelo Sindicato dos Revendedores de Combustíveis e Derivados de Petróleo (Sindirev) apontou que em dois anos todos os 48 postos de combustível do município foram assaltados.

O número de assaltos está afastando os funcionários que não querem trabalhar à noite com medo da violência. Dos 48 postos, apenas quatro funcionam 24 horas devido a uma lei municipal.

Segundo os empresários, a dificuldade em manter os estabelecimentos abertos a partir das 22h é encontrar funcionários que queiram trabalhar neste turno. “Alguns funcionários pediram demissão, saíram por causa da insegurança”, um , dono de um dos postos da cidade.

O presidente do Sindicato dos Postos de Combustíveis de Campina Grande, Bruno Agra, reafirmou que os proprietários estão investindo em segurança, mas as iniciativas não têm sido suficientes para combater a violência.

Em 2014, 194 assaltos foram registrados a postos de combustíveis da Rainha da Borborema enquanto em todo o ano de 2013 aconteceram 102 casos. Se comparado com a quantidade de assaltos a postos de combustíveis na cidade, no período de três anos, contabilizando os dados do primeiro semestre de 2016, o aumento é de aproximadamente 90%.

Segundo informações da Polícia Civil apenas assalto de valores acima de 11 salários mínimos são investigados. Inferior a este valor, o procedimento vai para a delegacia distrital e automaticamente ela se torna competente para instaurar o inquérito policial.

Severino Lopes

PBAgora

 

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Preço da gasolina cai em 47 postos de JP e é achado a R$ 3,37

GasolinaO preço do litro da gasolina caiu em 47 postos e pode ser encontrado a R$ 3,37, conforme pesquisa da Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) divulgada nesta sexta-feira (20). Veja aqui todos os preços e postos. Segundo o levantamento, o menor preço a R$ 3,376 no posto Extra Petróleo (Mangabeira) e, o maior, R$ 3,790, no posto Big (Tambaú).

Em relação à pesquisa do dia 3 de maio, o valor do litro da gasolina se manteve em 45 postos de revenda do produto na Capital, aumentando em 10 e reduzindo em 47.

Sobre o litro do álcool, o Procon-JP constatou que o preço baixou em 49 postos de João Pessoa em relação ao levantamento do dia 3 de maio. Dos 102 postos em atividade na Capital, nenhum aumentou o preço do etanol e 49 mantiveram o valor.

O menor preço do álcool foi encontrado a R$ 2,790 nos postos Boa Viagem (BR-101) e Rui Carneiro (Tambaú) e, o maior, R$ 3,199, nos postos Ayrton Senna (Bairro dos Ipês), De Ville (Água fria), Canaã (Água Fria), Vilagio (Bancários), Z (Jardim Cidade Universitária), Cajueiro (Geisel) e Araújo (Cristo Redentor).

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

O preço do óleo diesel comum se manteve em 50 postos, dois aumentaram e seis baixaram o valor do produto em relação à última pesquisa. O menor preço, R$ 2,769, foi encontrado no Auto Posto Mangabeira (Mangabeira) e, o maior, R$ 3,060, no posto Ale (Geisel).

Quanto ao Gás Natural Veicular (GNV), o menor preço, R$ 2,199, é encontrado no posto Estrela do Geisel (Geisel) e, o maior, R$ 2,429, no posto Santa Júlia (Expedicionários). Todos os 12 postos que oferecem o produto em João Pessoa mantiveram os preços do levantamento anterior realizado no dia 3 maio deste ano.

 

 

portalcorreio