Arquivo da tag: posteridade

“Uma história para a posteridade” é o título do livro sobre o CAVN de Manoel Luiz da Silva

manoelUm dos mais conceituados trabalhos de pesquisas da historiografia do Colégio Agrícola Vidal de Negreiros e, da educação regional, foi re-lançado, no último dia 07 de Setembro, em grande solenidade, no memorial do CCHSA/CAVN, pelo consagrado escritor Manoel Luiz da Silva, numa festa, das mais aplaudidas.

Estruturando o significativo evento, encontravam-se presentes, a Direção do CCHSA, através da professora Terezinha Domiciano e, do CAVN, pelo Educador Edvaldo Beltrão, além de diversos educadores, servidores, ex-alunos, estudiosos, pesquisadores e, varias outras pessoas, amantes da história, da cultura, da educação e, dos caminhos trilhados pelo conceituado Colégio Agrícola, de Bananeiras, que inclusive estava completando 89 anos de atividades.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ao fazer um abreviado resumo de toda obra que acabava de re-lançar, Manoel Luiz da Silva, foi, por demais enfático, ao apontar as dificuldades enfrentadas, a força de vontade de vencê-las, bem como os apoios recebidos, como parte integrante de seus princípios ideológicos, de transformar os escritos idealizados, num mecanismo de substancial importância, para a vida da coletividade, como um todo.

Presença dos Diretores

No seu aplaudido pronunciamento, a Professora Terezinha Domiciano, fez questão de elogiar as determinações de Manoel Luiz, aplaudindo-o pelo que chamou de teimosia de enfrentar dificuldades para materialização da história e, para o resgate vivo, das tradições populares, em toda sua abrangência.

O mesmo tom de colocação, foi feito, logo em seguída, pelo vice diretor do CAVN, Edvaldo Beltrão, como representante do titular, Gerson Alves de Azeredo que, por motivos superiores, não pode participar da solenidade, pois, encontrava-se em  outro Estado, representando o Colégio, num grande encontro em beneficio do mesmo.

Depois dos dois, o Jornalista Geraldo Belo, também se expressou, fazendo um balanço da significativa importância do escritor e, seus trabalhos,  para a vida sócio-cultural, de todo Brejo e, para a Paraíba, em toda sua abrangência.

Depois das solenidades, um vasto coketel foi servido aos participantes, completando-se de vários autógrafos do próprio autor, aos diversos exemplares que, no momento, eram adquiridos pelas incontáveis pessoas que se faziam presentes.

Por Geraldo Belo