Arquivo da tag: ponta

Palmeiras bate América-MG sem correr riscos e mantém vantagem na ponta

palmeirasO Palmeiras teve um começo avassalador, abriu o placar logo aos 2 minutos e deu a impressão que iria golear o lanterna América-MG. A opção do time paulista, no entanto, foi não assumir riscos e garantir os três pontos na tarde deste domingo (9), em Londrina. Os gols foram marcados por Tchê Tchê, que ainda não havia feito gol no Brasileirão, e Alecsandro, que volta a marcar após mais de três meses de jejum que incluem até uma suspensão por doping que se revelou errado.

Durante boa parte do jogo, os palmeirenses “tiraram o pé”, controlaram o jogo e optaram por não se desgastar em busca de uma vantagem maior. Na metade final do segundo tempo, inclusive, os zagueiros deixaram até de subir em algumas jogadas de bola parada. Cuca percebeu a situação e promoveu mudanças para que manter a segurança.

A equipe paulista agora chega ao 12º jogo consecutivo sem ser derrotado, com 60 pontos e a liderança. O vice-líder, o Flamengo, chegou aos 57 após vencer o Santa Cruz no Pacaembu. Os mineiros, por sua vez, seguem na lanterna com 21 pontos, 13 a menos que o Sport, primeiro time fora da zona de rebaixamento.

Depois de vencer, o Palmeiras volta a São Paulo e se prepara durante a semana para enfrentar o Cruzeiro. O jogo está marcado para quinta-feira (13), às 19h30, em Araraquara, no interior do Estado. Já o América-MG segue seu calvário contra a queda no mesmo dia e horário, contra o Atlético-MG, o Mineirão.

Tchê Tchê desencanta

O Palmeiras teve um início arrasador e, com três minutos, conseguiu criar duas chances claras de gol de forma consecutiva. Roger Guedes foi lançado dentro da área, deu belo domínio e ficou cara a cara com João Ricardo. No chute, o goleiro do América-MG levou a melhor. Segundos depois, no entanto, ele seria vencido.

Na cobrança de escanteio, a bola sobrou na entrada da área para Tchê Tchê. O meio-campista disparou belo chute e fez o primeiro gol dele com a camisa alviverde no Brasileirão.

Palmeiras para nos passes errados

Depois de abrir 1 a 0 e sufocar o América-MG no início do jogo, a equipe paulista diminuiu o ritmo e abusou dos erros de passe: foram 18 no primeiro tempo. Por isso, teve apenas uma chance clara de gol após abrir o placar, com Erik. Aos 13 minutos, ele recebeu belo passe de Dudu após tabela e errou na finalização. Os mineiros, por sua vez, não colocaram Jaílson para trabalhar.

Zagueiro sai chorando

No segundo tempo, o América-MG precisou substituir Roger, seu zagueiro. Em uma pancada, o atleta provavelmente quebrou o nariz e foi substituído a pedido médico por precaução. Ao precisar deixar o jogo, ele caiu no choro.

Palmeiras tira o pé do acelerador

Assim como aconteceu depois de abrir o placar no primeiro, o Palmeiras preferiu não se arriscar de jeito algum no segundo tempo. A equipe optou por trocar passes e só avançar na segurança. Por vezes, a marcação, que normalmente é alta e começa na saída de bola, estava posicionada apenas atrás do meio-campo. A tranquilidade em ver o adversário trocar a bola, aliás, gerou certa irritação dos palmeirenses em Londrina. Como mostrou a transmissão da TV Globo, Cuca ordenou até que seus zagueiros parassem de subir em algumas jogadas de bola aérea no fim do segundo tempo.

Alecsandro volta a marcar após três meses

Alecsandro pensou até em encerrar a carreira após cair em um exame de doping por anabolizantes. A punição veio em agosto e, ainda no mês passado, o atacante conseguiu provar sua inocência e teve a volta aos gramados liberado. Aos 42 minutos, ele recebeu bola pela direita e chutou travado com os zagueiros. A bola entrou e sacramentou a vitória alviverde.

Estádio virou alviverde

Como era de se esperar, o Estádio em Londrina foi completamente dominado por palmeirenses. O mando era do América-MG, que optou pro vender a partida para a cidade paranaense. Além disso, a presença dos palmeirenses não era esperada no primeiro momento por causa da suspensão imposta pelo STJD, que previa alguns jogos sem torcida visitante como punição à briga entre organizadas do Flamengo. Como o próprio mandante optou por comercializar entradas para os palmeirenses, a proibição foi deixada de lado.

FICHA TÉCNICA
AMÉRICA-MG 0 x 2 PALMEIRAS

Local: Estádio do Café, em Londrina (PR)
Data: 9 de outubro de 2016 (domingo)
Horário: 17h (de Brasília)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhaes (RJ)
Assistentes: Luiz Claudio Regazone e Dibert Pedrosa Moises (ambos do RJ)
Cartões amarelos: Roger e Gilson (AMG); Roger Guedes (PAL)
Cartão vermelho: Fernando Leal (AMG)
Gols: Tchê Tchê, aos 2 minutos do 1º tempo; Alecsandro, aos 42 min do 2º tempo

AMÉRICA-MG: João Ricardo; Pablo, Roger (Messias), Éder Lima e Gilson; Leandro Guerreiro, Juninho, Ernandes (Danilo Barcelos) e Tony; Matheusinho (Osman) e Michael.
Técnico: Enderson Moreira.

PALMEIRAS: Jailson; Jean, Edu Dracena, Vitor Hugo e Egídio; Zé Roberto, Tchê Tchê e Moisés (Cleiton Xavier); Dudu (Rafael Marques), Róger Guedes e Erik (Alecsandro).
Técnico: Cuca.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Botafogo vence, se afasta da zona de rebaixamento e tira Palmeiras da ponta

O Palmeiras foi derrotado e perdeu a liderança na noite deste domingo (31), na 17ª rodada do Campeonato Brasileiro. Em noite inspirada de Neilton, que fez dois gols, o Botafogo venceu por 3 a 1, se afastou da zona de rebaixamento e deixou a primeira colocação nas mãos do Corinthians. A equipe do Palestra Itália, que perde a segunda seguida, ocupava a ponta desde a 9ª rodada. Camilo, pelo time carioca, e Erik, pelos paulistas, completaram o placar.

Não foi o fim de semana do time alviverde. No sábado, a equipe recebeu a notícia que Fernando Prass não jogaria mais em 2016 por uma nova lesão no cotovelo. Neste domingo, jogou mal, não mostrou criatividade e ainda cometeu erros que normalmente não são vistos. Para piorar, viu Corinthians e Santos vencerem e fica na 3ª colocação, com 32 pontos, um atrás do arquirrival. O Grêmio, que também poderia passar os palmeirenses, só empatou com o lanterna América-MG. O Botafogo, por sua vez, chega aos 20 pontos, na 14ª colocação.

Vitor Silva/SS Press

Começo arrasador deixa Zé Roberto na saudade

Se o torcedor palmeirense está acostumado a ver sua equipe começar de maneira arrasadora, neste domingo, foi a vez de assistir ao adversário dominando as ações. Nos primeiros 20 minutos, a equipe carioca controlou o jogo e não deu chance ao adversário. Neílton foi acionado à direita em belo lançamento de Lindoso, nas costas de Zé Roberto, e disparou sem dar chances ao lateral veterano. Com chute cruzado, ele venceu Vagner e abriu o placar.

E que golaço!

Neilton infernizou a zaga alviverde no primeiro tempo. Depois de fazer o gol pela direita, ele apareceu pela esquerda e deu um drible que quase fez Jean e Edu Dracena baterem a cabeça. Depois, foi só escolher onde bateria para fazer o segundo gol do jogo.  O Palmeiras, então, melhorou e criou três boas chances de gol em sequência. Sidão defendeu todas elas.

Palmeiras melhora, mas não o suficiente

No segundo tempo, o Palmeiras melhorou com a bola nos pés. Dudu e Rafael Marques entraram para as saídas de Cleiton Xavier e Rafael Marques. Erik chegou até a acertar a bola no travessão de Sidão, mas não foi o suficiente. Apesar de ter mais domínio de bola, o time mostrou falta de criatividade e excesso de bolas aéreas, que não resultaram em nada. Erik ainda aproveitou rebote de Sidão em chute de Moisés para diminuir o placar. Se os palmeirenses tinham alguma esperança, ela acabou com Camilo, aos 41 minutos do 2º tempo, que fez gol de pênalti sofrido por Vinicius.

Vitor Silva/SSPress/Botafogo

Prass recebe homenagem. Dudu fica no banco

O Palmeiras entrou em campo pela primeira vez após a notícia do corte de Fernando Prass. Os jogadores, inclusive, carregaram uma faixa com a frase “Força, Fernando Prass. Estamos todos com você”. O goleiro provavelmente não joga mais neste ano e será substituído por Vagner, que fez sua segunda partida como titular na noite deste domingo. Além disso, a torcida também se surpreendeu com Dudu no banco de reservas. Por opção do treinador, o atacante começou a partida sentado, com Erik, Guedes e Leandro Pereira como titulares.

Susto antes do jogo

Três membros da delegação alviverde ficaram feridos após um acidente com o veículo a caminho da Arena Botafogo. O fotógrafo da equipe, Cesar Greco, e Artur Ramalho e Gabriel Oliveira, dois membros da comissão técnica, foram levados para o hospital. Todos passam bem, mas Artur precisou ficar no hospital em observação.

Agenda

O Palmeiras volta a jogar na quinta-feira, novamente fora de casa. Desta vez, o adversário é a Chapecoense, na Arena Condá, às 21h30. O Botafogo vai a Campinas para enfrentar a Ponte Preta, no mesmo dia, mas às 19h15.
FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 3 x 1 PALMEIRAS
Local:
Arena Botafogo (Luso-brasileira), no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 31 de julho, domingo
Horário: 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-SC)
Assistentes: Kléber Lúcio Gil (Fifa-SC) e Carlos Berkenbrock (SC)
Cartões amarelos: Canales, Airton e Diogo Barbosa (BOT); Edu Dracena, Jean e Vitor Hugo (PAL)
Gols: Neilton, aos 18 e 34 minutos do 1º tempo, e Camilo aos 41 minutos do 2º tempo. Erik, aos 32 minutos do 2º tempo

BOTAFOGO: Sidão; Luis Ricardo, Renan Fonseca, Emerson e Diogo Barbosa; Airton, Rodrigo Lindoso (Dudu Cearense), Bruno Silva e Camilo; Neílton e Canales (Vinicius Tanque)
Técnico: Ricardo Gomes.

PALMEIRAS: Vagner; Jean, Edu Dracena (Thiago Martins), Vitor Hugo e Zé Roberto; Thiago Santos e Moisés; Róger Guedes (Rafael Marques), Cleiton Xavier (Dudu) e Erik; Leandro Pereira.
Técnico: Cuquinha

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Botafogo-PB visita Cuiabá para se manter na ponta

Créditos: FIFAfechar
Créditos: FIFAfechar

Vice-líder do grupo A da Série C do Campeonato Brasileiro e com a mesma pontuação do líder Fortaleza (18 pontos), o Botafogo-PB está no Mato Grosso, onde neste domingo (31), enfrenta o Cuiabá pela 11ª rodada da competição. A partida está agendada para as 16h (horário de Brasília) – às 15h (horário de Cuiabá) – na Arena Pantanal.

O time mato-grossense vem de três derrotas consecutivas. Nas últimas sete rodadas, empatou duas vezes e perdeu cinco. A única vitória foi há quase dois meses, quando bateu o Confiança, por 3 a 0, em casa. A sequência mantém o clube na lanterna do Grupo A, com apenas seis pontos.

Já o Belo venceu o Salgueiro no último jogo, por 2 a 0, além de ter garantido vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Que fase!

Não bastasse a péssima fase, o técnico Roberto Fonseca ainda convive com os desfalques. O mais novo lesionado é o meia Alex Willian, que se machucou logo na estreia na rodada passada. Sem contar com o novo contratado, o treinador deve manter Geovani, que já o substituíra, no meio. O restante do time será mantido.

“Temos muitos atletas machucados e realmente é um momento conturbado que o Cuiabá passa. Agora, é trabalhar, pois estamos numa situação de emergência dentro da competição precisamos pontuar urgentemente”, destacou o treinador.

Baixas no Belo

O técnico Itamar Schülle não poderá contar com o zagueiro Plínio e o meia Marcinho, suspensos, no Botafogo. Expulso contra o Remo, o defensor é um dos pilares da defesa botafoguense. Nildo e André Paulino brigam pela vaga.

A saída de Marcinho no meio de campo deixa em aberto outras possibilidades para o treinador do Belo. A substituição mais provável é a entrada de Assis para manter a qualidade do setor criativo. Mas o treinador também pode optar pela entrada de um volante e adotar um esquema mais sólido defensivamente.

Além das baixas para este final de semana, o treinador também se preocupa com a situação do zagueiro Marcelo Xavier, do volante Djavan e do atacante Danielzinho. Todos estão pendurados com dois cartões amarelos e correm o risco de ficar de fora da partida contra o ABC.

MaisPB com Futebol Interior

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Treze derrota Botafogo em JP e assume ponta

almeidaoO Treze assumiu a liderança do Campeonato Paraibano, na tarde deste domingo, após derrotar o Botafogo, no estádio Almeidão, em João Pessoa, por 1 a 0.

O gol foi marcado pelo atacante Fabrício Ceará. Quem perdeu a liderança foi o CSP, que folgou nesta rodada.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Já o Campinense tropeçou frente ao Auto Esporte, amargando um empate sem gols no estádio Amigão, em Campina Grande.

No Sertão, o Atlético de Cajazeiras massacrou o Miramar por 3 a 1. Com o resultado, o time sertanejo deixou a zona de rebaixamento.

MaisPB

Cruzeiro empata com Timão e amplia vantagem na ponta do brasileirão

O Cruzeiro queria ter disparado ainda mais na liderança. E disparou um pouquinho. O Corinthians queria estancar a crise. Mas não estancou. O empate sem gols entre paulistas e mineiros neste domingo, no estádio do Pacaembu, pela 23ª rodada do Brasileirão, teve efeitos bem diferentes para os dois lados. Bom para a Raposa, péssimo para o Timão.

ralf corinthians Ricardo Goulart borges cruzeiro no Pacaembu (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Borges, Ralf e Ricardo Goulart em disputa pelo alto (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Agora há seis jogos sem vencer (dois empates e quatro derrotas) e com 31 pontos, a equipe do técnico Tite segue sem se encontrar. E o ataque, sem marcar. Nesse período em que reencontrou a crise, o Corinthians fez apenas um gol, na derrota para o Goiás. Passou em branco contra Inter, Náutico, Botafogo, Ponte e novamente neste domingo, contra o Cruzeiro.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Para o time mineiro, o empate não teve efeitos colaterais. Vindo de oito vitórias seguidas no Brasileirão, a Raposa não conseguiu vencer no Pacaembu, o que lhe renderia a quebra do recorde de triunfos do time na história da competição. Mas ampliou para oito pontos sua vantagem na ponta. Tudo por conta da derrota do Botafogo para o Bahia. Agora, com 50 pontos, o time mineiro vê os cariocas estacionados nos 42.

Na quarta-feira, o Corinthians dá um tempo no Campeonato Brasileiro e recebe o Grêmio, no Pacaembu, pela partida de ida das quartas de final da Copa do Brasil. No fim de semana, pelo Brasileirão, encara a Portuguesa, domingo, às 16h. No mesmo dia, só que às 18h30, o Cruzeiro visita o Internacional.

cassio corinthians e cruzeiro no Pacaembu (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Cassio foi um paredão diante do Cruzeiro no Pacaembu (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Raposa para em Cássio

Dono do melhor ataque do Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro mostrou logo de cara como conquistou esse status. Destemido, o time de Belo Horizonte foi para cima do Corinthians, na tentativa de testar a melhor defesa da competição. Apostando na linha de impedimento, a zaga alvinegra falhou. Mas Cássio salvou.

O goleiro do Timão foi o melhor em campo no primeiro tempo, como já havia sido no meio de semana, na derrota por 2 a 0 para a Ponte Preta. Muito exigido, Cássio fez importantes defesa. Uma em cabeçada à queima-roupa de Nilton, outra em chute de Willian quase da pequena área e também em arremate de Egídio.

Do outro lado, porém, Fábio não teve trabalho. Não mesmo. O Corinthians não fez nada, absolutamente nada, para criar perigo ao Cruzeiro. Mesmo com dois meias de criação em campo (Douglas e Danilo), o Timão manteve a apatia das últimas rodadas, errou muitos passes e pouco finalizou (apenas três vezes). Pato, artilheiro do time com sete gols, estava no banco. E Romarinho e Sheik não conseguiam segurar a bola no ataque.

Mais entrosado e embalado pela liderança isolada do Brasileirão, o Cruzeiro tentou de todas as maneiras furar o bloqueio feito por Cássio. Mas não conseguiu. Com 57% de posse de bola no primeiro tempo, a Raposa foi muito superior aos donos da casa. Faltou o gol para coroar a boa atuação cruzeirense.

Poderia até ter tido uma chance mais clara se o árbitro tivesse visto pênalti de Gil em Borges. Mas nada foi marcado no lance em que o zagueiro acertou o atacante na área.

Emerson Sheik Corinthians e Ceará Cruzeiro série A (Foto: JF Diorio / Agência Estado)Emerson Sheik e Ceará travaram duelo quente (Foto: JF Diorio / Agência Estado)

Timão acorda, mas nem tanto…

A postura do Corinthians no início do segundo tempo foi bem diferente. Ainda que um pouco desorganizado, mas com mais agressividade, os donos da casa por pouco não abriram o placar aos cinco minutos. Igor fez ótima jogada pela esquerda e cruzou para Emerson Sheik, sozinho na pequena área, cabecear por cima do gol.

Com mais vontade, o Timão pressionou, relembrando um passado não muito distante, quando colocava medo em seus adversários no Pacaembu. Douglas, por exemplo, arriscou de fora da área, aos 12 minutos, e obrigou Fábio a executar linda defesa. Em pouco tempo, aliás, o goleiro trabalhou mais do que na etapa inicial.

Sem se importar muito com a pressão alvinegra, o Cruzeiro não abandonou o estilo ofensivo. Até por isso abriu mais espaços para o Corinthians. Mas o Timão não conseguia aproveitar. Principalmente por conta dos seguidos erros de passe dos seus armadores. A bola não chegava ao ataque para finalização.

Tite, então, colocou Pato em campo no lugar de Emerson. Mas a primeira impressão não foi boa. Logo de cara, o atacante pisou na bola e caiu no gramado. Pouco depois, ele deu lindo corte em Bruno Rodrigo e bateu da entrada da área, mas o chute saiu forte demais e passou por cima do gol de Fábio.

Os minutos finais do confronto foram de tentativas frustradas para ambos os lados. Contra-ataques desperdiçados, passes errados, tropeços… Pelo primeiro tempo, o Cruzeiro merecia ter vencido, mas, pelo que ambos apresentaram na etapa final, o 0 a 0 foi justo.

Douglas corinthians Dedé cruzeiro no Pacaembu (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Dedé, do Cruzeiro, na marcação do corintiano Douglas (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Globoesporte.com

Domingo tricolor: Flu vence, dispara na ponta e freia o Flamengo

Imagine a sensação de abrir seis pontos de vantagem na liderança do Campeonato Brasileiro. Imagine alcançar esse conforto ao vencer justamente um clássico – e que clássico! Imagine, de quebra, ver o rival voltar a olhar com desconfiança para a tabela de classificação. Ou pergunte a um torcedor do Fluminense. Com a vitória de 1 a 0 sobre o Flamengo neste domingo, no Engenhão, ele sabe muito bem como é.

O golaço de Fred no primeiro tempo, de voleio, imunizou o controle que o Flamengo teve em uma partida emocionante ao extremo. A maior posse rubro-negra revelou-se inútil. Chance clara desperdiçada por Cleber Santana e pênalti perdido por Bottinelli completaram o domingo ruim para a equipe de Dorival Júnior. E permitiram que o Tricolor repetisse o placar do primeiro turno – a equipe de Laranjeiras não vencia as duas sobre o rival desde o Brasileiro de 2004.

– É uma vitória de time que quer ser campeão. O Flamengo é um grande time, nos deu trabalho, mas conseguimos segurar – afirmou Deco, autor do cruzamento para o gol de Fred. – O Flamengo foi melhor no segundo tempo, mas a gente tem que saber defender.

No Flamengo, Renato e Vagner Love justificaram da mesma maneira a escolha por Bottinelli no momento do pênalti, cobrado aos 41 minutos do segundo tempo. Os dois disseram que o argentino estava confiante e saíram em sua defesa.

– Bottinelli já tinha pedido para bater, estava confiante, e eu deixei, pois ele treina. Nem treinei muito nessa semana, e ele estava mais confiante do que eu – explicou o atacante.

A rodada deu peso maior ao triunfo da turma comandada por Abel Braga. O Atlético-MG, vice-líder, não conseguiu vencer a Portuguesa no sábado – empatou por 1 a 1 no Canindé. O Fluminense agora tem 59 pontos, contra 53 do Galo. Já o Flamengo foi prejudicado pela vitória do Bahia sobre o Botafogo, mas pelo menos viu o Coritiba empatar em casa com o São Paulo e o Sport perder fora para o Corinthians. Está em 11º, com 34 pontos – sete a mais do que os pernambucanos, que abrem a zona de rebaixamento.

O primeiro colocado do Brasileirão volta a campo no sábado, em clássico contra o Botafogo no Engenhão. Dois dias antes, no mesmo estádio, o Rubro-Negro recebe o Bahia.

Fred marca gol do Fluminense no Flamengo (Foto: Nelson Perez / Fluminense. F.C.)Fred , no ar, emenda voleio: golaço e vitória para o Fluminense (Foto: Nelson Perez / Fluminense. F.C.)

Golaço

A diferença entre Flamengo e Fluminense no primeiro tempo não esteve na posse de bola, tampouco na capacidade de tramar jogadas, muito menos no interesse em vencer o jogo. Nada disso. Se o Tricolor pulou na frente, foi porque teve brilho individual. Pois perceba-se: o gol do Flu saiu em uma das jogadas mais difíceis, mais improváveis, daquelas que exigem perícia extrema, e o gol do Fla não nasceu mesmo com o time rubro-negro tendo duas oportunidades vivas – bem mais simples do que aquela do gol do adversário.

É que o Fluminense tem jogadores superlativos. Tem Deco. Tem Thiago Neves. E tem Fred, sobretudo Fred. O gol tricolor é exemplar para se analisar a capacidade técnica da equipe de Abel Braga. Aos 17 minutos, enquanto a defesa do Flamengo se arrumava depois de Wellington Nem quase marcar por cobertura, Deco se apressou e bateu escanteio curto para Thiago Neves. Num piscar de olhos, a jogada voltou para o camisa 20, que olhou para a área e já percebeu a movimentação do centroavante. E aí era tudo com Fred.

Enquanto a bola viajava, ele deixava a marcação a ver navios. Frauches ficou no meio do caminho. E Fred teve espaço para apresentar ao Engenhão toda a qualidade que emana de suas chuteiras. Ele arremessou seu corpo no ar e pegou de primeira, com a perna direita acima da esquerda, de voleio. Gol de quem tem noção de espaço, técnica e potência. Golaço.

Justiça seja feita ao Flamengo. Com Cleber Santana e Léo Moura no meio-campo, o time rubro-negro conseguiu ter a bola sob seu controle em boa parte do primeiro tempo – a etapa terminou com 55% de posse de bola para o time comandado por Dorival Júnior. É um sinal de que a equipe já consegue criar ações coletivas, algo tão raro no decorrer da temporada. Mas faltou o gol.

E não foi por falta de oportunidades que ele não veio à luz. Ibson teve duas oportunidades. A primeira foi de cabeça, logo depois de Fred abrir o placar. A segunda foi um pouco mais tarde, quando ele recebeu na área e, frente a frente com Cavalieri, parou no goleiro tricolor.

O Fluminense conseguiu equilibrar o controle do jogo – a posse beirou os 70% para o Flamengo no terço inicial da partida. Cabeceio de Fred para fora e chute fraco de Wellington Nem foram as demais tentativas do líder do Brasileirão no primeiro tempo.

Thiago Neves assusta, Cleber Santana e Bottinelli perdem

Uma, duas, três vezes. Faltou pouco para Thiago Neves ampliar para o Fluminense no segundo tempo. Ele acertou a trave, carimbou o travessão e obrigou Felipe a espalmar em três conclusões diferentes. Quase. Em um segundo tempo de desespero para o Flamengo, o meia foi a válvula de escape do Tricolor. Mais uma vez, o time rubro-negro conseguiu ter maior posse de bola, mas demorou para criar. Quando criou, jogou as chances no lixo.

Cleber Santana perdeu um daqueles gols que é melhor não explicar. O cruzamento de Ramon encontrou o meia frente a frente com as traves. Era só fazer. Mas ele bateu por cima. Impressionante.

Nixon, pouco depois, também teve chance viva. Mas sua cabeçada parou em defesa de Cavalieri. A entrada de Renato, ausente desde 19 de agosto por causa de cirurgia no joelho direito, foi a cartada final em busca do empate. E quase deu certo. Diguinho derrubou Wellington Silva na área. O juiz não deu sequência, e o gol de Renato acabou anulado.

Mas o Flamengo pelo menos tinha um pênalti a bater. Bottinelli partiu para a cobrança, em busca do empate, à caça da sobrevida. E errou. Cavalieri caiu no canto e salvou o Fluminense.

Era o aviso final de que o domingo não seria rubro-negro. Vagner Love, segundos depois, mandou para a rede, mas em impedimento. Não valeu. Passados cinco minutos de acréscimos, o Engenhão viu o alívio tricolor e a incredulidade flamenguista. Que jogo…

Globoesporte.com

‘Na Ponta da Língua’ retoma apresentações na Paraíba e visita várias cidades do Brejo

O projeto Na Ponta da Língua está de volta à Paraíba para mais uma série de apresentações. Esta semana a trupe vai circular pelas cidades de Guarabira, Araçagi e Cuitegi. Serão quatro dias de apresentações, de hoje (30) até quinta-feira (02/8), nas escolas estaduais Monsenhor Emiliano de Cristo, Francisco Pessoa de Brito, Odilon Nelson Dantas e José Soares de Carvalho.

O Na Ponta da Língua leva para estudantes de escolas públicas as novas regras da língua portuguesa.  Idealizado pela publicitária Lina Rosa, diretora de criação da Aliança Comunicação e Cultura – em parceria com o Instituto Origami, o projeto é uma realização do Sesi da Paraíba. Desde fevereiro, o projeto itinerante circula a Paraíba e já passou por 13 municípios: Campina Grande, Lagoa Seca, Queimadas, São José da Mata, João Pessoa, Rio Tinto, Bayeux, Cajazeiras, Sousa,Patos, Itaporanga, Santa Rita e Guarabira.

O Na Ponta da Língua conta com apresentações teatrais nas escolas, curtas-metragens em animação, cartilhas e um joguinho eletrônico temático. “Num mix criativo de elementos didáticos e historinhas cômicas, os alunos vão aprender sem sentir a formalidade do processo”, explica Lina Rosa. Cartilha, filmes e músicas estão disponíveis no www.napontadalinguaportuguesa.com.br.

Sobre a Reforma Ortográfica – A mais nova reforma ortográfica entrou em vigor em 1º de janeiro de 2009 e deve ser implementada até 2012. O acordo foi assinado por representantes dos governos dos oito países que tem o português como idioma oficial: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. Segundo estudos, a língua portuguesa está entre uma das dez línguas mais faladas no mundo – estima-se que o mundo lusófono possua aproximadamente 250 milhões de pessoas – e possui duas grafias oficiais, o que dificulta o estabelecimento do português como um dos idiomas oficiais da Organização das Nações Unidas (ONU). A ortografia-padrão facilitará não apenas a entrada dos falantes de português na ONU, como também o intercâmbio cultural e econômico entre eles.

CRONOGRAMA DAS APRESENTAÇÕES

SEGUNDA, 30/07 – E.E. MONSENHOR EMILIANO DE CRISTO – GUARABIRA

Rua João Lordão, 125 – Nordeste 2 – Guarabira

1ª apresentação: 09h30

2ª apresentação: 13h30

3ª apresentação: 20h30

Local: PÁTIO

TERÇA, 31/07 – E.E. FRANCISCO PESSOA DE BRITO – ARAÇAGI

Av. Olívio Maroja, s/n – São Sebastião – saída p/ Itapororoca, próx. Ginásio Poliesportivo

1ª apresentação: 09h30

2ª apresentação: 10h30

3ª apresentação: 13h30

Local: AUDITÓRIO

QUARTA, 01/08 – E.E. ODILON NELSON DANTAS – CUITEGI

Rua José Marinho de Lucena, s/n – Santo Antônio

1ª apresentação: 10h30

2ª apresentação: 13h30

3ª apresentação: 19h30

Local: GINÁSIO DE ESPORTES

QUINTA, 02/08 – E.E. JOSÉ SOARES DE CARVALHO – GUARABIRA

Rua Henrique Pacífico, 45 – Bairro Primavera

1ª apresentação: 10h00

2ª apresentação: 10h50

3ª apresentação: 13h50

4ª apresentação: 14h40

Local: GINÁSIO DE ESPORTES

Assessoria

Em virada incrível, Atlético-MG faz 4 a 3 no Figueirense e dispara na ponta

A torcida do Figueirense compareceu ao estádio Orlando Scarpelli para prestigiar a estreia da maior estrela do elenco catarinense: o uruguaio Loco Abreu. Os torcedores até que viram uma boa atuação do atacante enquanto ele esteve em campo, até os 18 minutos da etapa final, quando foi substituído, e os catarinenses venciam por 3 a 1. Porém, logo depois, acabaram presenciando uma vitória épica do Atlético-MG por 4 a 3, a sétima da equipe mineira no Campeonato Brasileiro. Com mais uma grande atuação, em 11 minutos o Galo fez três gols e virou o jogo. Os gols foram marcados por Anderson Conceição, Júlio César e Ronny, para o Figueira, e por Ronaldinho Gaúcho, de pênalti, Leonardo Silva, Bernard e Guilherme, para o Galo.

Ronaldinho, Figueirense x Atlético-MG (Foto: Cristiano Andujar / Agência Estado)Ronaldinho comemora o seu gol na vitória sobre o Figueirense (Foto: Cristiano Andujar / Agência Estado)

R49, a propósito, além de marcar o segundo gol com a camisa do clube mineiro, o segundo em cobrança de pênalti, fez bons lançamentos e contribuiu positivamente para o Atlético-MG. Porém, quem realmente brilhou foi o atacante Guilherme, que retornou ao time, depois de longo período de recuperação de uma contusão. O jogador entrou no intervalo da partida, quando o Galo perdia por 2 a 1, e foi muito importante para o resultado. O gol deu novo ânimo ao atleta, que, aos poucos, deverá voltar ao time titular.

Com o resultado, o Atlético-MG se mantém na liderança do Brasileirão, com 22 pontos, independentemente dos outros resultados deste domingo. Já o Figueirense, com outra derrota, segue na 16º lugar, com oito pontos.

Na próxima rodada, o Atlético-MG enfrentará o Internacional, nesta quarta-feira, às 21h50m (de Brasília), no estádio Independência, em Belo Horizonte. O Figueirense, por sua vez, visitará o Atlético-GO, nesta quinta-feira, às 21h, no Serra Dourada, em Goiânia.

Primeiro tempo movimentado

Leonardo Silva e Loco abreu, Figueirense x Atlético-MG (Foto: Rubens Flores / Agência Estado)Leonardo Silva marca Loco Abreu, na estreia do uruguaio no Figueirense
(Foto: Rubens Flores / Agência Estado)

Já no aquecimento, o uruguaio Loco Abreu empolgou a torcida do Figueira, que, mesmo com o frio em Florianópolis, marcou presença no Orlando Scarpelli para ver a estreia do atacante. Após o Hino Nacional, Loco e R49 deram um grande abraço e conversaram alguns minutos. Os olhos de todos estavam sobre a dupla de craques, tanto que muitos se surpreenderam quando Marcos Rocha acertou o travessão de Wilson, logo no início do jogo.

O Galo começou melhor, sem dar espaços para que o Figueirense chegasse ao ataque. Loco Abreu deu o primeiro toque na bola somente aos dez minutos, quando o Atlético-MG saiu errado para o ataque. Mas, na segunda participação, o uruguaio saiu cara a cara com Victor e tocou por cobertura, mas encobriu o goleiro e o gol alvinegro.

Mas Marcos Rocha, que já havia protagonizado o primeiro lance de perigo da partida, foi derrubado na área por Doriva, que chegou atrasado no lance. E aí foi a vez de R49 aparecer. Ele cobrou com categoria o pênalti, abriu o placar e levou a pequena torcida do Galo ao delírio.

Mas, no fim do primeiro tempo, o Figueirense chegou ao empate. Foi de cabeça, mas não foi de Loco Abreu. Anderson Conceição recebeu de Fred e só teve o trabalho de testar para o gol. A bola ainda tocou no travessão antes de entrar.

Empolgada, a torcida do Figueirense voltou a comemorar aos 45 minutos. Era a virada do time de Santa Catarina. Ela veio dos pés de Loco Abreu, que deu bela assistência, de primeira, a Júlio César, que driblou Victor e decretou a vitória parcial.

Que virada!

O técnico Cuca resolveu mudar o Galo e promoveu a estreia do atacante Guilherme no Brasileiro. O jogador se recuperou de uma lesão muscular na panturrilha esquerda e entrou na vaga de Danilinho. Serginho, mais veloz, substituiu o volante Leandro Donizete.

Mas as mudanças não surtiram efeito imediato. E Cuca teve que ver o terceiro gol do Figueirense. Ronny, aos 14 minutos, acertou chute rasteiro. A bola desviou em Leonardo Silva e enganou o goleiro Victor. Alívio no Orlando Scarpelli, que virou palco de festa após a vantagem de dois gols.

Durante todo o Brasileiro, o Galo havia levado três gols e, em 60 minutos, igualou a marca diante do Figueirense. Enquanto Cuca esbravejava com a equipe, Loco Abreu era substituído, após sentir câimbras. O uruguaio foi ovacionado pela torcida. Aloísio entrou em campo.

Mas quem marcou foi o Galo. Leonardo Silva, de cabeça, após assistência de R49, diminuiu o placar e colocou fogo no jogo, aos 19 minutos. Na sequência, ele mesmo errou bisonhamente na frente de Aloísio, mas o atacante do Figueirense chutou torto e perdeu grande chance.

E a experiência de R49 falou mais alto para o Galo. O craque sofreu falta no meio-campo e cobrou rapidamente. Marcos Rocha achou Jô na esquerda, que cruzou na cabeça de Bernard para deixar tudo igual, aos 25 minutos.

Mas o personagem do jogo estava escondido e apareceu depois de mais de dois meses sem jogar. Guilherme saiu do banco para lançar Serginho na ponta direita e receber livre para empurrar para o gol e colocar o Galo de novo na frente. O Atlético-MG, aos 30 minutos, fez o quarto gol: 4 a 3, selando a sensacional virada que mantém o Galo no topo da tabela.

Globoesporte.com