Arquivo da tag: Polícia

Celular ligado na tomada pode ter causado morte de adolescente em MG; polícia investiga o caso

O adolescente Wender Santos Bezerra, de 13 anos de idade, morreu enquanto usava o celular ligado na tomada em Montes Claros, Norte de Minas Gerais. A família informou a Polícia Militar que o garoto estava sentando em uma cadeira ouvindo música e mexia no aparelho, ao mesmo tempo, quando teria ocorrido a tragédia.

A polícia apurou, no local do fato, que Wender foi visto caindo no chão por um dos irmãos que chamou os país. As causas da morte ainda serão investigadas. O corpo foi velado na manhã deste sábado (7).

“A Polícia Militar foi acionada via 190 e o interlocutor informava que uma criança havia sido eletrocutada no Bairro Santa Rita, enquanto fazia uso do aparelho celular plugado na tomada. Uma guarnição foi ao local da ocorrência, onde já havia uma unidade do Samu. O médico informou que atendeu a criança em parada cardiorrespiratória e, após várias tentativas de reanimação, veio a óbito“, explica o tenente Fernando Viana.

O Samu foi acionado e ao chegar no local, com a equipe da Unidade de Suporte Avançado, constatou que o paciente já estava em parada cardiorrespiratória. Os socorristas tentaram, por diversas vezes, reanimar a vítima que não resistiu.

O Instituto Médico Legal emitiu laudo preliminar apontando “causa indeterminada” para que o corpo fosse liberado para o sepultamento. Nenhum sinal de causa violenta foi identificado.

paraiba.com.br

 

 

Homem é morto com um tiro no peito após assalto em Campina Grande, diz polícia

Um homem, de 42 anos, foi morto com um tiro no peito após um assalto que aconteceu em Campina Grande, nesta sexta-feira (6). Segundo informações do delegado Cristiano Brito, o crime aconteceu em uma estrada localizada no bairro do Mutirão.

O delegado informou também que a vítima teve o celular e a carteira roubados. Segundo ele, ainda não é possível dizer se o homem reagiu ao assalto ou assegurar quantas pessoas estão envolvidas no crime, que é tratado como latrocínio.

Após uma perícia feita no local em que o crime aconteceu, o corpo do homem foi encaminhado para o Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol) da cidade.

O caso será investigado pela Delegacia de Roubos e Furtos de Campina Grande.

G1

 

Nove pessoas morrem pisoteadas em tumulto após ação da Polícia Militar durante baile funk em Paraisópolis

Nove pessoas, sendo uma mulher e oito homens, morreram pisoteadas durante um baile funk na comunidade de Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo, na madrugada deste domingo (1º), depois de uma perseguição policial seguida de tiros, segundo a Polícia Civil. Outras sete pessoas ficaram feridas.

Ainda de acordo com a polícia, agentes do 16º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (BPM/M) realizavam uma Operação Pancadão na comunidade – a segunda maior da cidade, com 100 mil habitantes – quando foram alvo de tiros disparados por dois homens em uma motocicleta. A dupla teria fugido em direção ao baile funk ainda atirando, o que provocou tumulto entre os frequentadores do evento, que tinha cerca de 5 mil pessoas.

No entanto, a mãe de uma adolescente de 17 anos que estava no local e que foi agredida com uma garrafa disse que os policiais fizeram uma emboscada para as pessoas que estavam no baile.

A jovem ferida durante a confusão descreveu o momento em que foi atingida. “Eu não sei o que aconteceu, só vi correria, e várias viaturas fecharam a gente. Minha amiga caiu, e eu abaixei pra ajudá-la”, afirmou.

“Quando me levantei, um policial me deu uma garrafada na cabeça. Os policiais falaram que era para colocar a mão na cabeça.”

Segundo a polícia, equipes da Força Tática, ao chegarem para apoiar a ação em Paraisópolis, levaram pedradas e garrafadas. Os policiais, então, teriam respondido com munições químicas para dispersão. Ainda de acordo com informações da polícia, alguém no meio da multidão disparou um tiro, e houve correria.

Durante a confusão, pessoas foram pisoteadas. Elas foram levadas em estado grave ao Pronto Socorro do Campo Limpo. Duas viaturas da PM foram depredadas. O delegado Emiliano da Silva Neto, do 89º DP, afirmou que todas as vítimas morreram pisoteadas e que ninguém foi vítima de disparos (leia mais abaixo).

O governador João Doria (PSDB) lamentou as mortes e pediu “apuração rigorosa” do episódio. O Ouvidor das Polícias, Benedito Mariano, afirmou que “a PM precisa mudar protocolo”.

A diretora-executiva do Instituto Sou da Paz, Carolina Ricardo, afirmou em entrevista à Globo News que a polícia tem de prestar contas do que ocorreu “sem medo de assumir um erro caso tenha havido”.

Vídeos que circularam nas redes sociais mostraram a ação da PM em Paraisópolis na madrugada deste domingo.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, a Operação Pancadão tem sido periodicamente realizada em toda a capital “para garantir o direito de ir e vir do cidadão e impedir a perturbação do sossego, fiscalizando a emissão ruídos proveniente de veículos”.

Dados sobre Paraisópolis

  • 2ª maior favela de São Paulo e 5ª maior do Brasil
  • 100 mil habitantes
  • 21 mil domicílios
  • 12 mil moradores analfabetos ou semianalfabetos
  • 31% da população é composta por jovens de 15 a 29 anos, portanto mais vulneráveis à carência de emprego e oportunidades
  • 42% das famílias têm mulheres como responsáveis
  • 12 escolas públicas (estaduais e municipais), uma Escola Técnica Estadual (Etec), um Centro Educacional Unificado (CEU), três unidades básicas de saúde (UBS) e uma unidade de Assistência Médica Ambulatorial (AMA)

Adolescente foi agredida por policiais, diz mãe

A mãe da adolescente de 17 anos ferida no baile funk diz que a filha foi agredida por policiais.

“[Minha filha] levou uma garrafada na cabeça [que partiu] de um policial. Deram [com] um cassetete nas costas dela. Ela está lúcida e aguardando a tomografia”, disse afirmou. “Quando eu a vi, não a reconheci. Ela estava com o rosto deformado e perdeu muito sangue. Estava em choque.”

A mãe continuou: “É uma rua com duas ou três saídas. Eles [policiais] fecharam e coagiram. Atiraram com arma de fogo – não só com bala de borracha. Bateram com cassetete, fora [o uso de] spray de pimenta. Eles [os frequentadores do baile funk] estavam só curtindo”.

“Os policiais fecharam a rua. Teve corre-corre, pisoteamento de adolescente. Gás de pimenta, bala de borracha, e ainda estavam agredindo pessoas. Foi um policial que tacou garrafa de vidro na minha filha.”

Adolescente ficou ferida na cabeça após confusão em Paraisópolis — Foto: Arquivo pessoal

Adolescente ficou ferida na cabeça após confusão em Paraisópolis — Foto: Arquivo pessoal

Adolescente levou golpe de cassetete durante ação da polícia em baile funk — Foto: Arquivo pessoal

Adolescente levou golpe de cassetete durante ação da polícia em baile funk — Foto: Arquivo pessoal

Em novembro, uma jovem perdeu a visão de um dos olhos ao ser atingida por uma bala de borracha da polícia na dispersão de um baile funk na Zona Leste de São Paulo.

‘Muito tiro’

Um jovem de 18 anos que não é morador de Paraisópolis, mas que costuma frequentar os bailes, disse que viu muitos adolescentes passando mal e desmaiando por causa das bombas de gás atiradas pela polícia durante o baile funk da madrugada deste domingo.

“Chegaram atirando em todo mundo. A gente estava no baile e primeiro veio a bomba. Começaram a cair as pessoas, passando mal, e a desmaiar, sendo pisoteadas. Ficamos encurralados. Não tinha para aonde correr, para aonde ir. Muita gente caindo já morta, a polícia atirou. Muitas pessoas tentavam salvar a própria vida. Vi muito sangue e escutei bastante barulho de tiro”, disse o jovem.

A mãe dele afirmou: “Foi meio tenso, a polícia queria saber se meu filho estava no baile funk. É uma guerra ao pobre. Se fosse nos Jardins[bairro de classe alta de SP], a coisa seria nem diferente. Até a forma da polícia abordar é diferente. O problema não é o funk, é a cultura da periferia, é o lazer”.

Paraisópolis, maior favela de São Paulo, é vizinha do bairro do Morumbi, na zona oeste de São Paulo  — Foto: Felipe Souza/BBC Brasil

Paraisópolis, maior favela de São Paulo, é vizinha do bairro do Morumbi, na zona oeste de São Paulo — Foto: Felipe Souza/BBC Brasil

Delegado disse que ninguém foi vítima de disparos

O delegado Emiliano da Silva Neto, do 89º DP, afirmou que nenhuma das mortes ocorridas no baile funk foi causada por tiro.

“Policiais militares pararam duas pessoas em uma moto. Eles entraram onde estava ocorrendo a festa e continuaram atirando nos policiais. Em decorrência desse tiroteio, houve um efeito manada, teve uma viela com escadaria, e as pessoas pisotearam umas nas outras”, disse.

“Nove morreram. Todas elas estão com graves lesões de pisoteio, não tem nada de perfuração ou alguém atingido por projétil de arma de fogo.”

Governador pediu apuração ‘rigorosa’

O governador João Doria pediu “apuração rigorosa”do episódio.

“Lamento profundamente as mortes ocorridas no baile funk em Paraisópolis nesta noite. Determinei ao Secretário de Segurança Pública, General Campos, apuração rigorosa dos fatos para esclarecer quais foram as circunstâncias e responsabilidades deste triste episódio”, escreveu Doria, no Twitter.

Mapa da comunidade Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo — Foto: Amanda Paes/G1

Mapa da comunidade Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo — Foto: Amanda Paes/G1

'É fundamental que as periferias recebam investimentos', afirma Carolina Ricardo

‘É fundamental que as periferias recebam investimentos’, afirma Carolina Ricardo

Pancadões

Os bailes funks em comunidades de São Paulo ocorrem de quinta-feira a domingo, até a madrugada, nas zonas Leste, Sul e Norte da capital paulista.

G1

 

Polícia realiza operação em Solânea e prende assaltantes

A Polícia Civil da Paraíba, representada pela Delegacia  Seccional em Solânea 21ª DSPC, com o apoio da Polícia Militar, 7ª CIPM, Solânea, realizaram na manhã desta terça-feira (26), a operação Malhas da Lei na comunidade Baixio, Solânea, onde foram cumpridos mandados de prisão preventiva, internação de adolescente infrator, além de busca e apreensão em residências de investigados por crimes de roubos. Além do preso Ricardo dos Santos Salustino, 24 anos, e de um menor infrator de 17 anos, mais 04 pessoas foram conduzidas por envolvimento em tentativa de homicídio.

Após investigação de vários roubos ocorridos nas cidades e Solânea e Bananeiras, onde academia, posto de combustível e transeuntes foram assaltados nos últimos dias, a Polícia Civil instaurou os devidos procedimentos solicitando os mandados a Justiça.

 

FN com Polícia Civil

 

 

Polícia Civil apreende veículo adulterado em Solânea 

Na tarde desta quinta-feira (21), a Polícia Civil da Paraíba, através da Delegacia de Solânea – 21° Seccional em Solânea, apreendeu um veículo VW Gol, placa EIR 5706, cor preta, ano 2010, São Paulo, que se encontrava na posse de Floro Alves da Silva Neto, no Sítio Fazenda Velha, saída para Arara/PB.

O veículo foi adquirido por valor abaixo do praticado pelo mercado, oferecido na Olx, de acordo com o possuidor que agora responderá pelo crime de receptação, uma vez que o carro é produto de roubo, podendo também ser indiciado pelo crime de adulteração de sinal identificador de veículo.

 

FN com Polícia Civil

 

 

Polícia Civil prende assaltante em Solânea

A Polícia Civil da Paraíba, através da Delegacia de Solânea, 21ª Delegacia Seccional de Polícia Civil, prendeu na manhã desta quinta-feira (21), acusado de praticar assalto em um comércio de frutas e verduras localizado no centro de Solânea/PB, fato ocorrido na manhã do último sábado.

Consta na ocorrência que o assaltante preso estava acompanhado de um comparsa, também identificado, quando abordaram o comerciante e, fazendo uso de arma de fogo, renderam o mesmo e se dirigiram ao piso superior onde fica sua residência, renderam seus familiares e subtraíram valores.

O preso se trata de Alisson Melo de Albuquerque, conhecido “PÓFE”, 23, residente no Conjunto Padre Leonardo, Solânea, que confessou o crime. Alisson foi encaminhado à Cadeia de Solânea, local onde cumpriu pena há poucos dias por crime de roubo.

 

FN com Polícia Civil

 

 

Polícia Civil cumpre mandados de prisões na cidade de Areia

A Polícia Civil da Paraíba, através da Delegacia da cidade de Areia, cumpriu mandado de prisão preventiva nesta quarta-feira (20) em desfavor de João Nunes Cavalcante dos Santos, 38 anos, pela prática do crime de tentativa de homicídio qualificado, sendo condenado a 11 anos, 8 meses e 15 dias de prisão.

Segundo informações do delegado Danilo Orengo, esta é uma das ações que estão sendo realizadas pela 12ª Delegacia Seccional de Esperança, à qual a Delegacia de Areia está ligada, fazendo cumprir vários mandados de prisão expedidos pela Justiça.

No dia 30 de outubro foi cumprido outro mandado de prisão em desfavor de João Igor Pereira dos Santos, 19 anos, pela prática do crime de tráfico de drogas. “Na ação os policiais civis ainda apreenderam cocaína e maconha na casa do suspeito, além de sacos plásticos e depósitos em conta, configurando, portanto, o comércio ilegal, sendo, então, lavrado o auto de prisão em flagrante”, concluiu.

 

clickpb

 

 

Polícia Militar prende homem suspeito de tráfico de drogas em Areia

Um homem, de 20 anos, foi preso na noite do domingo (17) suspeito de tráfico de drogas, no bairro da Jussara, na cidade de Areia, no Brejo Paraibano. A prisão foi efetuada por volta das 22h, por uma Guarnição da Polícia Militar da 3ª Cia.

Segundo informações, Willian dos Santos ainda tentou correr para dentro de uma casa quando avistou a presença dos policiais da VTR-7578, composta pelo CB Neto, CB Alcides, SD Elvys e SD Henrique, que estava em rondas de rotina.

Em tempo, os policiais apreenderam uma embalagem com material semelhante à maconha, uma embalagem semelhante à crack, dois aparelhos celulares, dois carregadores, duas facas peixeiras, uma balança de precisão e a quantia de R$ 178,00 em dinheiro.

O homem juntamente com o material apreendido foram encaminhados a delegacia de flagrantes em Esperança, na Paraíba.

Redação: Blog do Pedro Júnior

 

 

Cantor é morto com tiro na cabeça após sair de festa com adolescente na PB, diz polícia

O cantor Elinaldo Felipe dos Santos Filho, popularmente conhecido como “Naldinho Mix”, de 22 anos, foi morto a tiros na madrugada deste domingo (17), em Patos, no Sertão da Paraíba. Segundo informações da Polícia Civil, o crime aconteceu após o jovem sair de uma festa com uma adolescente, de 16 anos.

De acordo com o delegado Gaudêncio Neto, responsável pelo caso, a vítima que morava em João pessoa, estaria na cidade para gravar um videoclipe com um amigo. A versão foi confirmada pela assessoria do artista.

O cantor havia ido a uma festa com amigos. O evento foi realizado em uma área isolada e afastada da zona urbana.

Amigos do jovem, a adolescente que estava com ele e uma amiga dela foram ouvidos pela polícia. Em depoimento, a adolescente contou que estava com o cantor em um imóvel que está em construção.

“Inicialmente, ela informou que quando eles saíram chegou um indivíduo que pediu os pertences deles e rendeu os dois. Eles deitaram no chão, como não tinham nada, ele foi atingido cabeça sem reagir”, contou Gaudêncio Neto.

O delegado explicou ainda que a investigação continua para confirmar se o crime pode ser tratado como latrocínio ou se há envolvimento da adolescente na ação. Até as 15h desta segunda-feira (18), o suspeito de matar o cantor não havia sido detido.

Ao G1, a assessoria do cantor informou que o corpo dele está sendo velado no município de Mulungu, no Agreste paraibano, onde ele viveu por alguns anos. Já o sepultamento, estava previsto para acontecer por volta das 15h30 desta segunda-feira, no cemitério municipal da cidade.

G1

 

Presidiário é suspeito de planejar e mandar matar companheira em Campina Grande, diz polícia

Um mandado de prisão foi cumprido na manhã desta segunda-feira (18), no presídio do Serrotão, em Campina Grande, contra um homem que é suspeito de planejar a morte da companheira, de 23 anos. Segundo informações da Polícia Civil, o crime aconteceu em setembro de 2016, quando o suspeito estava detido em uma penitenciária de João Pessoa e mandou matar a mulher.

A delegada Suelane Souto, titular da Delegacia de Crimes Contra a Pessoa de Campina Grande, disse que o suspeito “ligou para a vítima e mandou que ela fosse para o bairro do Pedregal, onde pegaria uma encomenda. Quando ela chegou ao local indicado, foi surpreendida e assassinada com diversos disparos de arma de fogo”.

As investigações duraram mais de três anos. Ainda de acordo com a delegada, o crime teria sido motivado por ciúme. “Ele descobriu que a vítima estava se relacionando amorosamente com outra pessoa”, acrescentou.

O suspeito cumpre pena por roubo e homicídio. As investigações continuam para identificar outros envolvidos no crime.

G1