Arquivo da tag: perto

Flamengo bate Católica e fica perto da vaga na Libertadores

O Flamengo encaminhou a sua classificação para a próxima fase da Libertadores na noite desta quarta-feira. O Rubro-Negro mostrou força e venceu a Universidad Católica, por 3 a 1, no Maracanã, num jogo “encardido” e complicado. O técnico Zé Ricardo teve papel fundamental no resultado, com alterações que mudaram o panorama da partida.

Flamengo x U. Católica
Flamengo x U. Católica

Foto: Luciano Belford/AGIF / LANCE!

Na próxima rodada, o Flamengo encara o San Lorenzo, na Argentina. O Rubro-Negro jogará pelo empate para avançar às oitavas. Já a Católica recebe o Atlético-PR, no Chile.

O primeiro tempo teve chances claras para ambos os times. O Flamengo começou pressionando, como já era esperado, e esteve perto do gol com Guerrero. Voraz para balançar a rede, o peruano lutou muito, mas vacilou numa oportunidade clara, cara a cara com o goleiro Toselli.

A Universidad mostrou-se mais organizada do que no jogo da ida, no Chile, e criou a melhor chance da primeira etapa. Maripán deu um lindo passe para Fuenzalida, entre os zagueiros do Flamengo. O atacante ficou sozinho com Muralha, teve tempo para pensar, mas chutou, incrivelmente, para fora. Os visitantes assustaram ainda em outra jogada, num cruzamento, mas Santiago Silva não conseguiu completar para o gol.

Com um coro de mais de 50 mil vozes, qualquer lance de perigo ganhava um ar dramático. A luta de Guerrero em busca do gol era até comovente, mas faltava capricho. O peruano lutava muitas vezes sozinho, num dia em que o Flamengo atuou desfalcado de alguns jogadores importantes, como Diego e Berrío.

Zé Ricardo percebeu a baixa produtividade do setor de criação rubro-negro no primeiro tempo e lançou Rodinei no lugar de Mancuello. Avançado, na ponta direita, o camisa 2 mostrou estrela ao sair do banco de reservas e abriu o placar aos cinco minutos do segundo tempo, em rebote de falta cobrada por Guerrero.

Mesmo com a vantagem, o Flamengo seguiu em busca do segundo gol. Guerrero chegou perto em chute que bateu primeiro no chão e depois encobriu a meta. A Católica, por outro lado, demorou um pouco para se reorganizar. Na base do toque de bola, com paciência, os chilenos chegaram ao empate. Fuenzalida foi ao fundo, na direita, e cruzou para Santiago Silva deixar tudo igual aos 22 minutos. Rafael Vaz falhou no lance e não conseguiu evitar a chegada do adversário.

O Rubro-Negro respondeu aos 28, com gol de Guerrero. Decisivo, ele recebeu na área e chutou cruzado: 2 a 1. Mesmo em vantagem, o Flamengo não tinha tranquilidade. A Católica era perigosa e ameaçava em bolas aéreas. O alívio só veio aos 41 minutos, quando Trauco estufou o barbante em jogada de insistência, no segundo chute seguido ao gol. O curioso é que o camisa 13 passou a jogar mais avançado somente no segundo tempo, após uma alteração de Zé Ricardo. No fim das contas, o treinador foi decisivo.

FICHA TÉCNICA:

FLAMENGO 3 X 1 UNIVERSIDAD CATÓLICA

Data/Hora : 3/5/2017, às 21h45
Local : Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro : Victor Carrillo (Peru)
Auxiliares : Raul Cruz (Peru) e Victor Raez (Peru)
Cartões amarelos : Pará, Réver (FLA); Maripán, Espinoza e Espinosa (UNC)
Público e renda : 61.363 presentes / 54.555 pagantes / R$ 3.314.405,00

Gols : Rodinei, 5’/2°T (1-0); Santiago Silva, 22’/2°T (1-1); Guerrero, 28’/2°T (2-1); Trauco, 41’/2°T (3-1)

Flamengo : Muralha, Pará, Réver, Vaz e Trauco; Márcio Araújo, Arão e Mancuello (Rodinei, intervalo); Gabriel (Renê, 29’/2°T), Éverton (Cuéllar, 42’/2°T) e Guerrero. Técnico : Zé Ricardo

Universidad Católica : Toselli, Espinoza, Álvarez (Magnasco, 26’/2°T), Maripán e Parot; Kalinski (Gutierrez, 34’/2°T), Fuentes (Espinosa, 7’/2°T) e Buonanotte; Fuenzalida, Noir e Santiago Silva. Técnico : Mario Salas

LanceNet

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Thalles decide, Vasco volta a vencer fora e fica mais perto do acesso

Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br
Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br

O Vasco deu na tarde deste sábado mais um passo em direção à elite do futebol brasileiro. Pressionado pelos últimos resultados (três derrotas em quatro jogos), o time carioca voltou a jogar bem e contou com a estrela de Thalles para bater o Paraná por 1 a 0 em Cariacica, em jogo válido pela 32ª rodada da Série B.

Mais importante que colocar o Vasco novamente na cola do Atlético-GO, que ainda entre em campo neste sábado, a vitória deixa o time carioca com 57 pontos, a seis do quinto colocado, com apenas mais seis rodadas pela frente. Um resultado para deixar o acesso ainda mais próximo.

O Paraná, por sua vez, segue estacionado nos 36 pontos e perde a oportunidade de se afastar de vez da zona de rebaixamento – que continua a seis pontos de distância.

Agora, o Vasco volta aos gramados na próxima quarta-feira, quando recebe o concorrente direto Avaí em São Januário, às 21h45, pela 33ª rodada da Série B. O Paraná joga dois dias depois, sexta-feira, contra o Bragantino, no Durival de Britto.

Thalles decide em cinco minutos

Thalles precisou de cinco minutos para balançar as redes em Cariacica. Ele foi a campo aos 14min na vaga de Júnior Dutra. Em seu primeiro lance, ganhou uma dividida e deixou Nenê em condições de finalizar. Na jogada seguinte, não perdoou. Após cruzamento de Júlio César, ele dominou com tranquilidade e finalizou com categoria no canto para abrir o placar, aos 19min.

Júnior Dutra não aproveita chance

Júnior Dutra ganhou mais uma chance de mostrar serviço no time titular do Vasco, mas não aproveitou. Até começou bem, mas depois caiu de produção e acabou substituído justamente por Thalles, que acabou decidindo a partida a favor do Vasco.

Será que não vai entrar?

Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br

Com a dupla de criação Nenê/Andrezinho funcionando, o Vasco conseguiu criar uma série de oportunidades na etapa inicial. O que não estava funcionando, porém, era a conclusão. Só Douglas Luiz teve três ótimas chances, uma delas incrivelmente perdida pelo volante depois de um rebote do goleiro; com o gol livre, ele finalizou por cima do gol. A história só foi mudar na etapa final.

Torcida não perdoa falta de gol no 1ºT

Com três derrotas nos últimos quatro jogos, o Vasco foi a campo pressionando e precisou encarar uma leve pressão da torcida na saída do primeiro tempo, mesmo após diversas chances de gol criadas. Após o apito do juiz, algumas vaias puderam ser ouvidas.

Fim de jejum fora de casa

O Vasco finalmente voltou a vencer na Série B como visitante. Foram oito jogos seguidos sem triunfar fora de casa até a vitória deste sábado. Até então, a última havia sido há quase quatro meses: 25 de junho, contra o CRB, no Rei Pelé.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Treze e Campinense tentam vencer e ficar perto de classificação na Série D neste domingo

amigãoTreze e Campinense vão entrar em campo, na tarde deste domingo (6), para enfrentar, respectivamente, o Serrano e o Colo-Colo, às 16h, pela 9ª rodada da Série D do Campeonato Brasileiro.

Em Pernambuco, o Galo precisa da vitória para voltar a segunda colocação do grupo 4 e vai enfrentar o Serrano. Para a partida, o técnico Humberto Santos deve manter o esquema 3-5-2.

A única mudança em relação ao time que bateu o Goianésia-GO no último domingo vai ser a entrada de Rafinha na vaga de Caros Caaporão no ataque.

Com isso, o time deve ser escalado com: Léo Rodrigues; Alisson Santana, Moisés e Guilherme; Toninho, Caio, Fernando Junior, André Beleza e Jailton; Rafinha e Nonato.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Campinense

Jogando no Amigão, a Raposa vai enfrentar o Colo Colo para tentar uma classificação antecipada para a próxima fase.

Para a partida, o lateral-direito Grafite deve fazer a sua estreia. O volante Negretti também deve jogar, já que volta de suspensão, e o atacante Adalgiso Pitbull joga no lugar de Rodrigão, machucado.

Com isso, o time deve ser escalado com: Gledson; Grafite, Joécio, Tiago Sala e Ronael; Negretti, Magno, Éder Guerreiro e Valdeir; Túlio Renan e Adalgísio Pitbull.

 

 

portalcorreio

Só agora revelado: atirador de elite quase mata perto de Dilma na abertura da Copa

A abertura da Copa do Mundo, no dia 12 de junho, quase foi palco de uma tragédia digna de filme. Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, uma falha no esquema de segurança quase terminou na morte de um policial armado que estava próximo à tribuna onde Dilma Rousseff e outras autoridades assistiam à partida entre Brasil e Croácia, na Arena Corinthians.

Um atirador de elite do Grupo Especial de Resgate (GER), da Polícia Civil, teria avistado o suspeito vestido com uniforme do Grupo de Ações Táticas da Polícia Militar (Gate) em área de acesso proibido.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

De acordo com o jornal, o sniper teria então avisado via rádio a sala de comando, que respondeu que não havia autorização para que nenhum PM estivesse no local.

Temendo que se tratasse de um criminoso disfarçado, o atirador pediu autorização para disparar, mas recebeu ordem para que esperasse.

Minutos depois, outro policial reconheceu pelas imagens de monitoramento a identidade do homem, que era, de fato, membro do Gate. O disparo foi evitado e o policial se retirou em seguida da área restrita, ainda segundo a Folha.

size_590_Dilma_Rousseff_na_abertura_da_Copa.jpg

Crise no comando

A falha de comunicação teria provocado uma crise entre as polícias Civil e Militar, que, junto com o Exército, fazem parte da equipe responsável pela segurança no estádio.

Segundo o jornal, o PM investigava uma ameça de bomba que acabou não confirmada. A Secretaria de Segurança Pública respondeu à Folha que o erro de comunicação foi rapidamente esclarecido.

O caso está sendo investigado, mas o temor de uma nova falha fez com que o protocolo de segurança fosse reforçado nos jogos seguintes no Itaquerão.

Dilma na Copa - JF DIORIO-ESTADÃO CONTEÚDO.jpg

180 Graus

 

Fluminense e Sport empatam na Ilha, e Leão fica perto da queda

Foi o apogeu da tensão, o cúmulo do drama para o Sport – e justamente contra um adversário que é sinônimo de paz na reta final do Brasileirão. O empate por 1 a 1 contra o campeão Fluminense, neste domingo, na Ilha do Retiro, desesperou a torcida rubro-negra, que viu sua equipe passar parte da tarde rebaixada. A rodada, de resultados paralelos muito ruins, acabou não sendo fatal para o Leão, mas o deixou com o pé na cova. Já os tricolores adiaram para a última rodada a chance de quebrar o recorde de pontos na Série A desde que ela passou a ter 20 clubes.

Fred colocou o Fluminense na frente no primeiro tempo. Felipe Azevedo, no último lance da etapa, empatou. O período final foi sobrenatural para o Sport, com uma sequência de chances perdidas quase sobre a linha. Com o empate, o Leão foi a 41 pontos. Para não ser rebaixado, precisa vencer o Náutico nos Aflitos e torcer por uma derrota do Bahia para o Atlético-GO, em Goiânia, ou da Portuguesa para a Ponte Preta no Canindé.

O Fluminense, por sua vez, foi a 77 pontos. O vencedor do Brasileirão 2012 se despede da competição contra o Vasco, também no domingo, no Engenhão.

Sport x Fluminense (Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)Sport quase cai, mas ainda tem chances de ficar na Série A (Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)

Tensão

Sport e Fluminense não poderiam ser mais opostos no decorrer do primeiro tempo. O gramado da Ilha do Retiro reuniu a tranquilidade absoluta e o desespero supremo – a calmaria de um campeão e a angústia de um time ameaçado pelo rebaixamento. Já era assim antes de o jogo começar. E ficou ainda pior para os pernambucanos no decorrer dele.

Por 48 minutos, deu tudo errado para o Leão. Três tragédias unidas: a derrota parcial em casa, a vitória momentânea da Portuguesa sobre o Inter no Beira-Rio e o empate do Bahia com o Náutico. A combinação de resultados rendia uma matemática maldita para o Sport: durante boa parte do primeiro tempo, ele esteve rebaixado.

O pânico do Sport era palpável. Os jogadores correram o tempo todo – para lugar nenhum. No início, até tiveram alguma serenidade, trocaram passes, assumiram o papel de verdadeiros interessados na partida. Depois, nem isso. Até mais posse de bola o Fluminense teve: 51% contra 49%.

O campeão brasileiro de 2012 soube chegar ao ataque com a paciência que o Sport jamais teve. A primeira chance do jogo foi de Wallace, em chute cruzado, torto. A segunda foi de Fred, em cabeceio para fora. E a terceira foi fatal.

Aconteceu aos 27 minutos, quando a torcida tricolor gritava “olé” na casa do adversário. A bola ficou viva dentro da área depois de a zaga do Sport bater cabeça. E acabou sobrando para Fred. Foi uma espécie de cobrança de pênalti com a bola rolando. Frente a frente com o goleiro, o artilheiro deslocou Saulo e colocou o Flu na frente.

O desespero invadiu a alma de time e torcida do Sport. Era o pior pesadelo possível. Na marra, o Leão tinha que dar um jeito, tinha que ir ao ataque. E foi. Hugo, jogador mais ativo dos mandantes, teve três chances. E, incrível, todas teimaram em não resultar em gol: uma conclusão foi cortada por Digão, outra foi por cima, outra foi afastada por Thiago Neves quase sobre a linha.

A Ilha do Retiro pulsava de tensão. E entrou em convulsão aos 48 minutos do segundo tempo – mas de alegria. Gilberto desviou, e Felipe Menezes arrancou pela direita, perseguido pela zaga. O chute cruzado passou por Diego Cavalieri e encontrou a lateral da rede. Gol do Sport! O Leão estava vivo…

Segue o drama

O segundo tempo manteve o drama do primeiro. Sérgio Guedes resolveu mexer já no intervalo. Trocou atacante por atacante: saiu Gilberto, entrou Henrique. Pouco depois, Hugo deu lugar a Willians.

O panorama foi mantido, com a consciência do Fluminense agindo como contrapartida ao desespero do Sport. Os pernambucanos sabiam que tinham que vencer, mas não alcançavam a fórmula para fazê-lo. Não por acaso, foram os cariocas que mais ameaçaram. Rafael Sobis, com 12 minutos, cabeceou à queima-roupa, e Saulo fez defesaça.

O Sport mais corria do que pensava, ainda mais abalado pelo segundo gol da Portuguesa sobre o Inter e pelo gol do Bahia contra o Náutico, que depois empataria. Fred, aos 28, chegou a fazer mais um para o Fluminense, mas a arbitragem anulou, alegando impedimento.

Chegaram os 30 minutos, e o Sport finalmente conseguiu encaixar jogadas. Mas perdeu gols inacreditáveis. Felipe Azevedo cabeceou firme e parou em grande defesa de Diego Cavalieri. Willians, livre, de frente para o gol, parou em Elivélton. Impressionante. E mais: Valencia, pouco depois, também cortaria em cima da linha! Era de enlouquecer a torcida rubro-negra.

O jogo ficou aberto ao extremo nos minutos finais, com o Fluminense ameaçando nos contra-ataques. Um gol rebaixaria o Sport. Mas não aconteceu. O Leão segue vivo – em situação dramática, mas vivo.

Globoesporte.com

Real encerra jejum, bate o Barça com gol de CR7 e fica bem perto do título

O Real Madrid deu um passo importante rumo ao título do Campeonato Espanhol. E que passo. Neste sábado, os merengues venceram o Barcelona por 2 a 1, no Camp Nou, e abriram sete pontos de vantagem para os arquirrivais, a quatro rodadas do fim da competição. Na era Pep Guardiola, os “Galácticos” ainda não tinham vencido os rivais na Catalunha.

Os gols do triunfo merengue foram marcados por Khedira, após falha de Puyol, e Cristiano Ronaldo. Alexis Sánchez balançou a rede para o Barcelona. Lionel Messi bem que tentou levar os donos da casa à vitória, mas não repetiu as últimas atuações. Esteve bem abaixo do normal. Com o resultado, o Real chegou aos 88 pontos, deixando o rival com 81. Na próxima rodada, a equipe de Mourinho recebe o Sevilla, no Bernabéu. O Barça terá pela frente o Rayo Vallecano, fora de casa.

cristiano ronaldo real madrid gol barcelona (Foto: Agência EFE) Cristiano Ronaldo comemora gol da vitória sobre o Real Madrid (Foto: Agência EFE)

Além de se aproximar do título, que não consegue desde a temporada 2007-2008, o Real Madrid encerrou o incômodo jejum de não vencer o Barça desde a mesma temporada, quando o time rival era comandado pelo holandês Frank Rijkaard. Na última vitória, os merengues ganharam por 1 a 0, gol do brasileiro Julio Baptista.

“Mal acostumada”, a torcida do Barça, por sua vez, viu algo raro: seu time perder dois jogos seguidos (vale lembrar que os culés foram batidos pelo Chelsea por 1 a 0 na última quarta-feira pela Liga dos Campeões). A última vez que isso aconteceu foi em maio de 2009, quando caiu para Mallorca e Osasuna.

Real mantém equipe da Champions, e Barça inicia com Tello e Thiago

Sami Khedira gol Real Madrid (Foto: Reuters)Khedira comemora o gol marcado diante do
Barcelona, no Camp Nou (Foto: Reuters)

O técnico José Mourinho optou por escalar no clássico deste sábado contra o Barcelona o mesmo time titular que na última terça-feira perdeu por 2 a 1 para o Bayern de Munique, no jogo de ida pelas semifinais da Liga dos Campeões, e com isso deixou os brasileiros Marcelo e Kaká no banco de reservas.

O lateral, que normalmente começa jogando, cedeu lugar mais uma vez para Fabio Coentrão, mesmo com as críticas feitas ao português após a partida em Munique. No meio-campo, Mourinho incumbiu Özil e Di María de armar as jogadas para a dupla de ataque formada por Cristiano Ronaldo e Benzema.

No Barça, a maior surpresa foi a escolha do jovem Cristian Tello para ser o parceiro de ataque de Lionel Messi. O meia-atacante Thiago Alcântara, filho do ex-jogador Mazinho, também iniciou a partida, assim como os laterais Daniel Alves e Adriano.

Bobeada de Puyol ajuda Real a sair na frente no Camp Nou

gol Real Madrid (Foto: Reuters)Jogadores do Real comemoram gol marcado por Khedira no Camp Nou (Foto: Reuters)

Com a bola rolando, a primeira chance saiu logo aos três, com Cristiano Ronaldo subindo mais que a zaga do Barça e obrigando Valdes a se esticar todo para defender. A partida seguiu equilibrada. Ora o time catalão no ataque, ora os merengues.

E, mesmo jogando fora de casa, o Real Madrid foi premiado com uma bobeada de Puyol. Após cobrança de escateio, a bola caiu nos pés do capitão do Barça, que, em vez de afastar o perigo, tentou dominar a bola dentro da pequena área. Esperto no lance, Khedira dividiu com o espanhol e abriu o marcador no Camp Nou.

falha puyol barcelona khedira madrid (Foto: Agência Reuters)Puyol falha no gol marcado por Khedira, o primeiro
da vitória do Real Madrid (Foto: Agência Reuters)

A partir do gol, o Real passou a esperar o Barça. Os visitantes recuaram e deixaram a responsabilidade de buscar o resultado para os donos da casa. E, aos 26 minutos, quase saiu o empate do time catalão. Messi puxou a marcação e deu um lindo passe para Xavi. O espanhol, que completou 32 jogos contra os rivais e se tornou o jogador do time catalão que mais vezes enfrentou a equipe da capital, dominou na frente de Casillas e finalizou. O goleiro salvou os merengues com um leve toque de perna direita na bola.

Até o fim do primeiro tempo, o panorama do jogo se manteve. O Barcelona buscava o empate, e o Real esperava fechadinho em sua defesa, apostando num contra-ataque para tentar matar a partida. Mas a etapa inicial ficou mesmo no 1 a 0 para os merengues.

CR7 acorda na etapa final e garante vitória do Real

guardiola barcelona real madrid (Foto: Agência Reuters)Guardiola lamenta derrota para o Real Madrid na
partida deste sábado (Foto: Agência Reuters)

O panorama da partida seguiu da mesma maneira no segundo tempo. E, aos nove minutos, Tello perdeu um gol inacreditável. Thiago Alcântara fez um lançamento lindo para a revelação do Barça, que ficou na cara de Casillas. O atacante bateu de primeira e isolou a bola, desperdiçando uma ótima oportunidade de deixar tudo igual no Camp Nou.

O ataque contra a defesa seguiu da mesma maneira. Era o Barça pressionando, e o Real se defendendo. E, para piorar, os merengues não conseguiam aproveitar os contra-ataques. Cristiano Ronaldo era figura nula em campo. Pouco produzia a favor dos merengues. Não chamava a responsabilidade da partida.

Após tanto pressionar, o Barça foi premiado por seu esforço. Logo após entrar na vaga de Xavi, Alexis Sánchez aproveitou bate-rebate na área e igualou o marcador. Casillas salvou o primeiro chute do chileno, que, caído, conseguiu pegar o rebote e empatar a partida, aos 25 do segundo tempo. Foram seus primeiros toques na bola.

Dois minutos depois, CR7 finalmente acordou em campo. Özil fez um ótimo lançamento para Cristiano Ronaldo, que ganhou na velocidade de Mascherano, invadiu a área e tocou por cima de Valdes, colocando novamente o Real em vantagem. Após balançar a rede do Barça, o português provocou os rivais na comemoração. Apontou para o próprio peito, fez cara de ironia e fez gestos para que a torcida se acalmasse. Esse foi o 42º gol dele na temporada, ficando um à frente de Messi. Foi também 109º tento dos merengues na temporada – quebrando o recorde da equipe de 1989-1990.

puyol barcelona cristiano ronaldo real madrid (Foto: Agência Reuters)Crsitiano Ronaldo estava apagado até marcar o gol da vitória sobre o Barça (Foto: Agência Reuters)

A 15 minutos para o fim do jogo, os ânimos ficaram exaltados, como de costume ultimamente no clássico. Daniel Alves dividiu a bola com Cristiano Ronaldo, que ficou caído no chão. Os jogadores das duas equipes iniciaram um princípio de discussão, que logo foi contido pelo árbitro.

Após o gol de CR7, o Barça não conseguiu mais reagir. Até manteve a posse de bola, mas nada que assustasse os merengues. No fim, o Real saiu de campo com o triunfo após quase quatro temporadas e muito próximo de mais um título do Espanhol. De quebra, chegou aos 19 jogos sem derrotas no Campeonato Espanhol, uma sequencia que não conseguia desde a temporada 1996/1997.

guardiola barcelona mourinho real madrid (Foto: Agência Reuters)Mourinho e Guardiola têm duelos complicados no
meio de semana pela Champions (Reuters)

Liga dos Campeões

No meio de semana, na  quarta-feira, o Real recebe o Bayern de Munique no Bernabéu pelo jogo de volta das semifinais da Liga dos Campeões precisando tirar vantagem conquistada pelos bávaros na ida (2 a 1).

Um dia antes, o Barça, que não perdia no Camp Nou desde 11 de setembro de 2010 (2 a 0 para o Hércules), também entra em campo pela Champions. O time de Messi e companhia encara o Chelsea tendo que vencer por dois gols de diferença para ir à decisão (os culés foram batidos em Londres por 1 a 0).

Globoesporte.com