Arquivo da tag: pensamento

Paiva Netto: A condução do pensamento: asas ou algemas?

A tradição popular ensina que “pensamento é força”. Logo, caros amigos que me leem com atenção: mentalizemos a todo instante o melhor possível, isto é, o Bem para os outros e para nós. As benéficas consequências, se tivermos sempre bom ânimo, serão patentes, na medida em que nos sentiremos fortalecidos pela Divina Autoridade de Jesus, que jamais esmoreceu diante das provações e nos inspira a vencê-las com Ele.

Em Nos Domínios da Mediunidade, o Espírito André Luiz, por intermédio do sensitivo Chico Xavier (1910-2002), registra valioso esclarecimento de um mentor espiritual a respeito da importância de educarmos nossa mente em conformidade com a senda correta do Amor de Deus:

“Vigiemos o pensamento, purificando-o no trabalho incessante do bem, para que arrojemos de nós a grilheta capaz de acorrentar-nos a obscuros processos de vida inferior.

“É da forja viva da ideia que saem as asas dos anjos e as algemas dos condenados. (…)

“Meus amigos, crede!…

“O pensamento puro e operante é a força que nos arroja do ódio ao amor, da dor à alegria, da Terra ao Céu

“Procuremos a consciência de Jesus para que a nossa consciência Lhe retrate a perfeição e a beleza!…

“Saibamos refletir-Lhe a glória e o amor, a fim de que a luz celeste se espelhe sobre as almas, como o esplendor solar se estende sobre o mundo”. (Os destaques são meus.)

Que assim seja! Por isso, na Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, cultivamos a Sintonia Tríplice com Jesus: a do Bom Pensamento, da Boa Palavra e da Boa Ação.

O piloto e escritor francês Antoine de Saint-Exupéry (1900-1944) avisou a quem o quisesse escutar: “Tu és eternamente responsável por aquilo que cativas”.

Essas palavras do autor de O Pequeno Príncipe são um sério alertamento aos sedutores irresponsáveis.

Diante disso, só um louco fará a sementeira do mal, de que desesperadamente se arrependerá depois.

 

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.

paivanetto@lbv.org.br – www.boavontade.com

 

 

Paiva Netto: Visão geoantropocêntrica do pensamento

De minha obra Jesus e a Cidadania do Espírito, destaco um tema que é muito apropriado a este nosso estudo. Nele, afirmo — e não se espantem: O conhecimento humano não deve escravizar as Almas.

Alguns pensadores, embora tenham abandonado a perspectiva que Ptolomeu(90-168) possuía a respeito da Terra e do Sol — a de que tudo girava ao redor de nosso planeta (geocentrismo) —, lá no fundo, ainda assim academicamente raciocinam. Cultivam uma visão geoantropocêntrica em suas observações, submetendo os próprios juízos à distorcida imagem de uma ciência que, apesar de percorrer longuíssimas distâncias, no bojo de bólidos*1 e mais bólidos de ultravelocidade, ideologicamente orbita em torno do globo terrestre; de uma filosofia cujo eixo gravitacional é o orbe que habitamos; de uma limitada espiritualidade geoestacionária etc. Não creem, hoje em dia, no errôneo sistema astronômico do pensador grego, mas agem, falam, escrevem como se tudo estivesse restrito à nossa áreaou à visão material do Universo.

Escrevi na Folha de S.Paulo, na década de 1980, que isso nada mais constitui do que um sistema egocêntrico: o ser humano a pretender que tudo evolua em torno do seu ego. Quanta presunção!

Porém, já há muitos que se referem a novos universos, por meio do estudo da mecânica quântica e relativística. E mais: pelo menos alguns, por exemplo, já têm intuído a existência de outros Cosmos, os espirituais, revelados pela Ciência além da ciência.

Precisamos ter a compreensão de que, mesmo estando na Terra, vivemos a Vida Eterna. Aonde você vai, meu Irmão, minha Irmã, meu jovem, minha jovem, durante o sono? Há regiões sublimes ainda não alcançáveis a Espíritos de poucas luzes. Quando chegar a hora, as portas lhes serão abertas. Ninguém jamais deve forçar a sua entrada pelo aparente, porém desastroso, “atalho” do suicídio, pois as consequências são gravíssimas: conduz a Alma a territórios espirituais asfixiantes, umbralinos, trevosos. A Lei de Deus tem que ser respeitada.

Muitas vezes, o indivíduo, quando infringe as leis humanas, fica aparentemente impune. E coisas dessa natureza têm sido a desgraça das nações. Entretanto, não se iludam: no Mundo Espiritual, ou ainda mesmo na matéria, o sujeito é apanhado pela Lei de Deus. Diante dos sublimes mecanismos do Cosmos, não há brechas para o não cumprimento da Lei Divina. O que pode existir, isso sim, é um acréscimo de misericórdia de que nos fala Jesus. Mas o certo é que não há impunidade ao infrator em nenhum ponto do Universo.

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.

paivanetto@lbv.org.br — www.boavontade.com

 

 

Tião Gomes reclama de secretário de RC: ‘não vai influenciar pensamento na minha região’

tiao-gomesO deputado Tião Gomes (PSL), comentou nesta segunda-feira (19), que dificilmente fará composição com o PSB em Guarabira e reclamou do posicionamento do secretário Célio Alves (Executivo de Comunicação Institucional) em Sertãozinho: “Se ele está querendo influenciar ou mudar pensamentos na minha região, não vai”.

“Perto da gente, do PSL ninguém mexe. Isso de secretário do governo estar querendo influenciar ou mudar pensamentos em Sertãozinho na minha região não vai. Do jeito que Célio Alves tem lá o seu espaço junto ao governo, Tião Gomes também tem, o PSL também tem e tenho sido favorecido por essa parte de Ricardo, ele sabe o meu trabalho, meu comprometimento”, disse.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Gomes destacou que Célio “fica no lugar dele e eu no meu, onde puder se juntar, se junta”. “Em Guarabira dificilmente nos juntaremos com o PSB, temos uma tendência natural de ficar do lado de Roberto Paulino (PMDB), com uma ressalva: João Rafael. Se ele entrar no meio dessa questão vamos voltar todo mundo e sentar de forma democrática porque esse é o meu posicionamento”, comentou.

paraiba.com.br

Síndrome do Pensamento Acelerado atinge quem vive em grandes centros e quer estar conectado o tempo todo

estressePensar em várias coisas ao mesmo tempo, participar de muitas reuniões, checar o celular a todo momento e chegar ao fim do dia com a sensação de que são necessárias mais 24 horas para cumprir todas as obrigações. Era assim que se sentia a jornalista Flavia Lobo, de 40 anos. Ela se cobrava demais no trabalho e na elaboração da tese de mestrado. Não percebeu que o excesso de perfeccionismo e a má gestão do próprio tempo anunciavam o esgotamento físico e emocional.

“Me cobrava estar perfeita no trabalho e perfeita com a demanda do estudo. Um dia, voltando do mestrado, eu passei mal dentro do ônibus. Eu tive um desmaio curto, mas foi um desmaio. E desci do ônibus bastante fraca, no meio do caminho. O meu corpo inteiro doía. Como se fossem câimbras, ele doia muito. Eu fui ao hospital, os médicos vieram conversar comigo, eles falaram: Flávia, você está com o que a gente chama de Burnout. Ou seja, é como se você tivesse queimado o seu corpo até o talo”.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

O excesso de informações no dia a dia e a rotina desgastante são os principais fatores para o surgimento de sintomas típicos de ansiedade. A falta de atenção, dificuldades de memória, fadiga e, principalmente, alterações no sono e irritabilidade são características da chamada Síndrome do Pensamento Acelerado. O termo ainda não é amplamente adotado por psicólogos e psiquiatras, mas pessoas relatam sentir os sintomas. Pesquisador do assunto, o psiquiatra Augusto Cury explica que essa vontade de querer checar e resolver tudo ao mesmo tempo funciona como uma bomba-relógio para a saúde e pode impactar as relações pessoais.

“A Síndrome do Pensamento Acelerado ocorre devido aos excessos de uma sociedade altamente consumista e urgente. Por exemplo: excesso de informação, excesso de uso de smartphones. Há jovens que têm depressão…angústia, quando ficam algumas horas sem contato com redes sociais. Adultos que ficam o dia inteiro no celular, inclusive no final de semana, o que trai a sua saúde, o seu sono. Tenha uma conexão com o celular, mas tenha uma conexão consigo mesmo”.

Já a professora do departamento de psiquiatria da Escola Paulista de Medicina, Elisa Bretzke, pondera e afirma que a sensação de sobrecarga mental nem sempre é sinal de algum transtorno.

“Essa dificuldade que algumas pessoas referem de se sentirem sobrecarregadas podem acontecer em uma variedade de contextos. Ela pode ser uma coisa normal, esperada, se a pessoa está numa situação de vida que tem uma demanda maior. Ela pode ser um sintoma de transtorno de ansiedade, uma depressão. Ou ela pode ser uma adaptação a alguma circunstância normal da vida”.

A palavra de ordem para quem sofre os sintomas do Pensamento Acelerado é… desacelerar. Dedicar períodos a momentos de descanso e lazer, se cobrar menos e procurar uma atividade física são formas de aliviar a correria. Professora de yoga há 10 anos no Rio, Roberta de Amorim conta que muitos alunos relatam sintomas de ansiedade.

“A maioria dos alunos é assim, né? A maioria das pessoas que procura a gente, claro que tem outros motivos, mas 98% das pessoas são aceleradas demais.  Vivem no 220. Então eles querem, até pelo estresse. A ansiedade também é causada pelo estresse que a pessoa está vivendo. Então a prática do ioga ajuda bastante”.

Embora seja mais comum em adultos, a Síndrome do Pensamento Acelerado também pode atingir crianças e adolescentes. Por apresentarem traços semelhantes, transtornos de ansiedade podem ser confundidos com hiperatividade. Foi o que aconteceu com a estudante de psicologia Natália Margem, de 23 anos. Na adolescência, ela foi diagnosticada como hiperativa e tomou ritalina por cinco anos. Hoje, depois de ter passado pela faculdade de psicologia, ela afirma que o diagnóstico estava errado…

“Tudo começou com as notas baixas do colégio. Eu sou uma pessoa acelerada, falo alto, é uma coisa minha. É uma coisa controlável mas que não precisa ser diagnosticada como hiperatividade. As vezes é um momento. Hoje em dia eu sou bem menos ansiosa do que eu era com 12 anos de idade”.

Não há dados oficiais sobre a incidência da Síndrome do Pensamento Acelerado, cuja nomeclatura ainda não é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde. No entanto, segundo os últimos dados da OMS, de 2013, 10% dos brasileiros sofrem de algum transtorno ligado à ansiedade.

 

 

CBN

Como atrair amor com a força do pensamento adotando 9 atitudes

amor“As pessoas que você atrai são o espelho daquilo que você é”. A afirmação é da manter coach Bibiana Teodori, da Positive Transformation Coaching. Segundo ela, uma pessoa alegre e positiva irá atrair pessoas que também têm essas características. Com base nisso, ela ensina algumas dicas para atrair amor e outras coisas boas para a sua vida.

– Pense positivo. Imagine as qualidades e valores que você quer ver na outra pessoa, no quanto você se sentiria bem ao lado dele e como seria amada de forma especial.

– Imagine também momentos específicos a dois, como carícias, beijos e até o sexo. “Quando você o visualiza, é real. Não existem limites. Fazendo isto, o amor se manifestará”, afirma.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

– Procure o autoconhecimento. Pergunte a você mesma quem você é, o que quer da vida, qual sua missão. Assim fica mais fácil saber o que seria ou não aceitável em um relacionamento.

– Acredite que você merece amor. Se você acredita ter o poder de atrair o companheiro ideal, isto acontecerá. Se acredita que não exista uma pessoa legal para você, então você atrairá a pessoa errada”, diz.

– Doe amor sem esperar nada em troca. E ele virá de volta. “Talvez não na maneira que você espera, mas você conseguirá sentir. Aquilo que você dá, recebe”, explica.

– Seja grata. Coloque no papel tudo aquilo que te faz sentir gratidão, seja pelo dom da vida ou algum acontecimento. “Quando você é grato, é mais feliz. Quando você é feliz, atrai pessoas felizes”, garante.

– Viva o presente. Nada de pensar em quem te magoou ou deixou o seu coração em pedaços no passado. Concentre tudo no aqui e agora, esse é o momento perfeito.

– Sonhe grande e acredite que poderá realizá-los. Sonhar traz esperança, coragem e inspiração. “Se você sonha encontrar sua alma gêmea, visualize-se com aquela pessoa, sinta o amor que você consegue receber e pense que merece esta pessoa especial que te ama profundamente”, ensina.

– Pratique o amor, primeiro com você mesma, depois comos outros. Ame-se e seja gentil. Faça algo por alguém e veja sempre o melhor em si.

 

itodas

Síndrome do Pensamento Acelerado afeta quem trabalha muito e pode trazer sérios problemas

Reprodução/ TV Correio HD
Reprodução/ TV Correio HD

Paraibanos extremamente ativos na jornada diária já aparecem entre os que sofrem com a Síndrome do Pensamento Acelerado, um sintoma do Transtorno de Ansiedade, que pode comprometer a qualidade de vida.

Kéka é publicitária e relata que sofre do problema, inclusive com dificuldades para se desligar do trabalho, dormir ou aproveitar momentos de folga.

Ela fala que precisa da ajuda de aplicativos para ter sono e que, quando acha espaço, tira cinco minutos de pausa das atividades.

Especialistas afirmam que o problema é um dos males modernos e que precisa do diagnóstico de profissionais.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Assista à matéria exibida na TV Correio HD.

 

portalcorreio

Mentiras propagadas pelo pensamento econômico dominante

Vicenç NavarroPermita-me, senhor leitor, que eu converse com você como se estivéssemos tomando um café, explicando-lhe algumas das maiores mentiras apresentadas diariamente no noticiário econômico. Você deveria ter consciência de que grande parte dos argumentos mostrados pelos maiores meios de informação e persuasão econômicos do país para justificar as políticas públicas ora implementadas são posturas claramente ideológicas, que não se sustentam com base na evidência científica existente. Vou citar algumas das mais importantes, mostrando que os dados contradizem aquilo que se diz. E também tentarei explicar por que continuam repetindo essas mentiras, apesar de a evidência científica questioná-los, e com que finalidade elas são apresentadas diariamente a você e ao público.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Comecemos por uma das mentiras mais importantes, que é a afirmação de que os cortes de gastos nos serviços públicos do Estado de bem-estar social – tais como saúde, educação, serviços domésticos, habitação social e outros (que estão prejudicando enormemente o bem-estar social e a qualidade de vida das classes populares) – são necessários para que o déficit público não aumente. E você se perguntará: “E por que é tão ruim que o déficit público cresça?”. E os reprodutores do senso comum lhe responderão que o motivo de se reduzir o déficit público é que o crescimento desse déficit determina o crescimento da dívida pública, que é o que o Estado tem que pagar (predominantemente aos bancos, que têm uma quantia em torno de mais da metade da dívida pública na Espanha) por ter pedido emprestado dinheiro dos bancos para cobrir o rombo criado pelo déficit público.
Reforça-se, assim, que a dívida pública (considerada um peso para as gerações futuras, que terão de pagá-la) não pode continuar crescendo, devendo-se, para isso, reduzi-la diminuindo o déficit público. Isso quer dizer, para eles, cortar, cortar e cortar o Estado de bem-estar até o ponto de acabar com ele, que é o que está acontecendo na Espanha.

Os argumentos utilizados para justificar os cortes não são críveis.

O problema com esta postura é que os dados (que o senso comum oculta ou ignora) mostram exatamente o contrário. Os cortes são enormes (nunca foram tão grades durante a época democrática) e, ainda assim, a dívida pública continua crescendo e crescendo. Veja o que está acontecendo na Espanha, por exemplo, com a saúde pública, um dos serviços públicos mais importantes e mais demandados pela população. O gasto público com saúde enquanto parte do PIB se reduziu em torno de 3,5% no período 2009-2011 (quando deveria ter crescido 7,7% durante esse mesmo período para chegar ao gasto médio dos países de desenvolvimento econômico semelhante ao nosso), e o déficit público diminuiu, passando de 11,1% do PIB em 2009 para 10,6% em 2012. A dívida pública não baixou, mas continuou aumentando, passando de 36% do PIB em 2007 para 86% em 2012. Na verdade, a causa do aumento da dívida pública se deve, em parte, à diminuição dos gasto público.

Como isso pode acontecer?, você se perguntará. A resposta é fácil de enxergar. A diminuição do gasto público implica a redução da demanda pública e, com isso, a diminuição do crescimento e da atividade econômica, fazendo com o que o Estado receba menos recursos através de impostos e taxas. Ao receber menos impostos, o Estado de se endivida mais, e a dívida pública continua crescendo. Desnecessário afirmar que o maior ou menor impacto que estimula o gasto público depende do tipo de gasto. Mas os cortes são nos serviços públicos do Estado de bem-estar, que são os que criam mais emprego e que estão entre os que mais estimulam a economia. Permita-me repetir essa explicação devido à sua enorme importância.

Quando o Estado (tanto central como autônomo e local) aumenta o gasto público, aumenta a demanda de produtos e serviços, e com isso, o estímulo econômico. Quando reduz, diminui a demanda e o crescimento econômico, fazendo com que o Estado receba menos fundos. É aquilo que, na terminologia macroeconômica, se conhece como o efeito multiplicador do gasto público. O investimento e o gasto público facilitam a atividade da economia, o que é negado pelos economistas neoliberais (que se promovem, em sua grande maioria, pelos maiores meios de informação e persuasão do país), apesar da enorme evidência atestada pela literatura científica (veja meu livro Neoliberalismo y Estado del Bienestar, editora Ariel Económica, 1997. Em português, Neoliberalismo e Estado de bem-estar).

Outra farsa: gastamos mais do que temos

O mesmo senso comum está dizendo também que a crise se deve ao fato de termos gastado demais, acima de nossas possibilidades. Daí a necessidade de apertar os cintos (que quer dizer cortar, cortar e cortar o gasto público). Via de regra, essa postura é acompanhada da afirmação de que o Estado tem que se comportar como as famílias, ou seja, “em nenhum momento pode gastar mais do que recebe”. O presidente Rajoy e a Sra. Merkel repetiram essa frase milhares de vezes.

Essa frase tem um componente de hipocrisia e outro de mentira. Deixe-me explicar o porquê de cada um deles. Eu não sei como você, leitor, comprou seu carro. Mas eu, como a grande maioria dos espanhóis, comprou o carro a prazo, quer dizer, usando crédito. Todas as famílias se endividaram, e assim funciona o orçamento familiar. Pagamos nossas dívidas conforme entram os recursos que, para a maior parte dos espanhóis, vem do trabalho. E daí surge o problema atual. Não é que as pessoas gastaram além de suas possibilidades, mas foram suas rendas e suas condições de trabalho que pioraram mais e mais, sem que a população fosse responsável por isso. Na verdade, os responsáveis por isso acontecer são os mesmos que estão dizendo que é preciso cortar os serviços públicos do Estado de Bem-estar e também diminuir os salários. E agora têm a ousadia (para colocar de maneira amável) de dizer que você e eu somos os culpados porque gastamos mais e mais. Eu não sei você, mas eu garanto que a maioria das famílias não comprou e não acumulou produtos como loucos. Pelo contrário.

A mesma hipocrisia existe no argumento de que o Estado gastou muito. Veja você, leitor, que o Estado espanhol gastou muito – não muito mais –, mas muito menos do que outros países de nível de desenvolvimento econômico semelhante. Antes da crise, o gasto público representava somente 39% do PIB, enquanto a média da UE-15 era de 46% do PIB. Na época, o Estado deveria ter despendido, no mínimo, 66 bilhões de euros a mais no gasto público social para ter gastado o correspondente ao seu nível de riqueza. Não é certo que as famílias ou o Estado tenham gastado mais do que deveriam. Apesar disso, continuarão afirmando que a culpa é da maioria da população, que gastou muito e agora tem que apertar os cintos.

Você também provavelmente escutou que esses sacrifícios (os cortes) precisam ser feitos “para salvar o euro”.

Novamente, esta ladainha de que “estes cortes são necessários para salvar o euro” se reproduz. Contudo, ao contrário daquilo que se anuncia constantemente, o euro nunca esteve em perigo. Não há sequer uma mínima possibilidade de alguns países periféricos (os PIGS, Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Espanha) da zona do euro serem expulsos da moeda. Na verdade, um dos problemas entre os muitos que estes países têm é que o euro está excessivamente forte e saudável. Sua cotação esteve sempre acima do dólar e seu poder dificulta a economia dos países periféricos da zona do euro. E outro problema é que o capital financeiro alemão lhes emprestou, com grandes lucros, 700 bilhões de euros, e agora quer que os países periféricos os devolvam. Se algum deles deixar o euro, o sistema bancário alemão pode entrar em colapso. O setor bancário (cuja influência é enorme) não quer nem ouvir falar da saída dos países devedores da zona do euro. Eu lhes garanto que é a última coisa que eles querem.

Essa observação a favor da permanência no euro é certamente óbvia, e não um argumento. Na verdade, acredito que os países PIGS deveriam ameaçar sair do euro. Mas é absurdo o argumento que se utiliza de que a Espanha deve, ainda mais, reduzir o tempo de visita ao médico para salvar o euro (que é o código para dizer, “salvar os bancos alemães e lhes devolver o dinheiro que emprestaram obtendo lucros enormes”). São essas as falácias constantemente expostas. Eu lhes garanto que são apresentadas sem que sejam comprovadas por nenhuma evidencia. Isso é claro.

A causa dos cortes 

E você se perguntará: Por que então fazem esses cortes? A resposta é fácil de encontrar, ainda que raramente seja vista nos grandes meios de comunicação. É o que se costumava chamar de “luta de classes”, mas agora a mídia não utiliza essa expressão por considerá-la “antiquada”, “ideológica”, “demagógica” ou qualquer adjetivo que usam para mostrar a rejeição e desejo de marginalização daqueles que veem a realidade de acordo com um critério diferente, e inclusive oposto, ao daqueles que definem o senso comum do país.

Mas, por mais que queiram ocultar, essa luta existe. É a luta de uma minoria (os proprietários e gestores do capital, quer dizer, da propriedade que gera rendas) contra a maioria da população (que obtém suas rendas a partir de seu trabalho). É aquilo que meu amigo Noam Chomsky chama de guerra de classes – conforme expõe em sua introdução ao livro Hay alternativas. Propuestas para crear empleo y bienestar social en España, de Juan Torres, Alberto Garzón e eu (Em português, Há alternativas. Propostas para criar emprego e bem-estar social na Espanha).
Desnecessário dizer que essa luta de classes variou de acordou com o período em que se vive. Esta que está acontecendo agora é diferente daquela da época de nossos pais e avós. Na verdade, agora está inclusive mais ampla, pois não é somente das minorias que controlam e administram o capital contra a classe trabalhadora (que continua existindo), mas inclui também grandes setores das classes médias, formando as chamadas classes populares, conjuntamente com a classe trabalhadora. Essa minoria é fortemente poderosa e controla a maioria dos meios de comunicação, e tem também grande influência sobre a classe política. E esse grupo minoritário deseja que os salários diminuam, que a classe trabalhadora fique aterrorizada (daí a função do desemprego) e que perca os direitos trabalhistas e sociais. E está reduzindo os serviços públicos como parte dessa estratégia para enfraquecer tais direitos. A privatização dos serviços públicos, consequência dos cortes, também é um fator importante por permitir a entrada do grande capital (e muito particularmente do capital financeiro e bancários, e das seguradoras) nesses setores, aumentando seus lucros. Você deve ter lido como, na Espanha, as companhias privadas de seguro de saúde estão se expandindo como nunca haviam conseguido antes.

E muitas das empresas financeiras de alto risco (quer dizer, altamente especulativas) estão atualmente controlando grandes instituições de saúde do país graças às políticas privatizantes e aos cortes feitos pelos governos, que justificam essa medida com toda a farsa (e acredite que não há outra forma de dizer) de que precisam fazer isso para reduzir o déficit público e a dívida pública.

 

Carta maior

“A liberdade de pensamento é essencial para o desenvolvimento”

Em sua coluna semanal, o jornalista e escritor pernambucano Urariano Mota faz ampla reflexão sobre o debate em curso que confronta liberdade de pensamento e o direito à privacidade. Nessa semana, o intelectual comenta os aspectos principais sobre essa polêmica e afirma que “discutir a liberdade de produzir biografias, discutir a liberdade de pensamento somente no terreno legal encaminha o debate para uma esfera artificial”.

Para Urariano Mota, a discussão nesses termos leva a pontos que prejudicam a criação, a arte e a difusão do pensamento. Ele pontua que debates como esse brecam a edificação de uma nação de vanguarda diante do mundo. Ele defende que “a liberdade de pensamento é essencial para o desenvolvimento”.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ao defender a liberdade de pensamento, o intelectual pernambucano citou o exemplo da obra “A Origem das Espécies” (em inglês: On the Origin of Species), do naturalista britânico Charles Darwin, que quando lançado causou enorme repercussão por ir de encontro a códigos vigentes naquela época. Como todos sabem o tempo comprovou que os códigos estavam errados.

“Foi liberdade de pensamento que garantiu essa evolução na ciência”, lembrou o escritor. e completou: “A liberdade de expressar opinião, de pensar é algo anterior as leis. Outro exemplo que merece ser citado é o caso da escravidão no Brasil. Ela já foi legal em todos os nossos marcos, nem por isso os abolicionistas acataram essa lei, pelo contrário lutaram na clandestinidade e combateram a escravidão”, argumentou o escritor.

 

Joanne Mota, da Rádio Vermelho em São Paulo