Arquivo da tag: pênis

Mulher que matou marido e arrancou pênis dele tem alta e é presa

A mulher suspeita de matar o companheiro a facadas e decepar pênis e testículos dele, na noite da quinta-feira (15), em Areial (PB), recebeu alta do Hospital de Trauma de Campina Grande na segunda-feira (19). Ela passou pela audiência de custódia no mesmo dia e teve a prisão preventiva decretada.

Segundo a delegada que assumiu o caso, Socorro Silva, a suspeita, Merivânia Gabriel, foi levada para o Presídio do Serrotão, em Campina Grande, onde permanecerá até a elucidação do caso. “Nós temos dez dias para concluir o inquérito a partir do dia da audiência. Depois disso, ela fica à disposição da Justiça para ter a pena definida,” disse a delegada.

Segundo a Polícia Civil, o crime aconteceu depois de uma discussão entre suspeita e vítima, na residência em que moravam. Durante a briga, a vítima partiu para cima da mulher e a teria esfaqueado no braço. Nesse momento, segundo o filho dela, um adolescente de 13 anos que estava na local, ela jogou ácido muriático no homem para afastá-lo e a partir de então passou a esfaqueá-lo.

O filho dela ainda contou à polícia que, depois que o homem estava morto, a mulher arrancou os órgãos sexuais dele e os jogou no terreno da casa de uma suposta amante da vítima. Em seguida, a suspeita tentou suicídio por uso de veneno e foi socorrida para o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande.

O casal tem um filho de apenas 11 meses, que também estava no local. Conforme a polícia, os filhos dela estão sob os cuidados de parentes.

 

portalcorreio

 

 

Suspeita de matar e cortar pênis de companheiro na PB amolou faca antes do crime, diz polícia

A mulher suspeita de matar o companheiro a facadas e, em seguida, arrancar o pênis da vítima, na noite da quinta-feira (15), em Areial, no Agreste da Paraíba, premeditou o crime, de acordo com o delegado Kelsen Vasconcelos, responsável pelo caso. As primeiras investigações da polícia revelaram que a suspeita, de 42 anos, teria dito a uma vizinha que mandou amolar a faca utilizada para matar o homem.

Conforme relatou o delegado ao G1 na manhã desta sexta-feira (16), antes de cometer o crime, a suspeita também escreveu uma carta e entregou para o filho mais velho, de 18 anos. “Na carta ela pede para que o filho mais velho, fruto de um outro relacionamento, deixe os dois irmãos mais novos com parentes da família. Ela já havia premeditado todo o crime”.

Após matar o companheiro a facadas e cortar o pênis dele, a mulher ainda teria jogado ácido muriático em cima. Depois, a suspeita teria colocado o órgão genital da vítima dentro de um copo e levado até a casa da outra mulher com quem o homem estaria envolvido.

“Ela sabia que o companheiro estava em um relacionamento com outra mulher do mesmo bairro e descobriu que ele planejava deixá-la por essa outra mulher, mas ela não aceitava isso e foi então que planejou matar o homem”, explicou o delegado.

Depois de matar o homem e levar o órgão genital da vítima até a outra mulher, a suspeita do crime teria tentado se matar envenenada, mas ela foi socorrida por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e levada para o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande.

O corpo do homem foi encaminhado para o Núcleo de Medicina e Odontologia (Numol) de Campina Grande. Até as 9h30 desta sexta-feira, as informações do delegado eram de que a mulher permanecia internada no hospital em estado regular de saúde e deve ser levada para a Central de Polícia Civil após alta médica.

Mulher teria discutido com homem antes do crime

Segundo relatos de familiares à polícia, o caso aconteceu após uma discussão entre a suspeita e o companheiro dela. A vítima, Luiz de Almeida, um agricultor de 31 anos, foi encontrado morto na frente da casa do casal, na rua Balbino do Carmo, no Centro da cidade.

De acordo com relatos dos vizinhos, na noite da quinta-feira (15), antes do crime, o homem e a suspeita teriam brigado por ciúmes. A mulher é mãe de três crianças, uma delas de apenas 11 meses.

Casa onde o crime aconteceu, em Areial, na Paraíba — Foto: Reprodução/TV Paraíba

Casa onde o crime aconteceu, em Areial, na Paraíba — Foto: Reprodução/TV Paraíba

 

G1

 

 

Mil brasileiros têm o pênis amputado todos os anos por falta de higiene

De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) cerca de 1000 homens têm o pênis amputado parcial ou totalmente todos os anos. O motivo? Em sua maioria, falta de higienização adequada nessa região do corpo.

Isso porque a limpeza correta da genitália evita infecções causadas por fungos e bactérias, diminuindo os chances do desenvolvimento de câncer peniano. “A higienização diminui as chances do homem obter HPV [papilomavírus humano], vírus sabidamente relacionado ao desenvolvimento da doença”, afirma Alexandre César Santos, membro da SBU-SP, à GALILEU.

Por isso é essencial que o homem limpe a região com sabonete e água abundantes, removendo todas as secreções — principalmente as que ficam nas dobras na região do prepúcio. A secagem correta da região também é essencial, ou seja, usar uma toalha úmida para enxugar o pênis muitas vezes não resolve, é preciso utilizar uma seca ou papel higiênico.

Em relação aos pêlos, Santos afirma que podem ser aparados, mas não devem ser removidos totalmente. “Eles têm a função natural de manter a pele úmida e ajudar algumas glândulas que ajudam na hidratação local. Sua remoção pode resultar em abcessos ou foliculite”, diz o especialista.

O médico da Sociedade Brasileira de Urologia também conta que a questão socioeconômica está relacionada com a maior incidência de casos de câncer peniano no país: cerca de 2% da população. Mas não é só isso, “muitas vezes por vergonha ou medo o homem não busca o médico, o que é grave, pois a doença pode se agravar e atingir camadas mais profundas do órgão”.

Por isso, Santos lembra que é essencial buscar um profissional ao menor sinal de problema. Os homens precisam ficar de olho na aparição de manchas, verrugas, úlceras e feridas: “Quanto antes for diagnosticado, maiores são as chances de sucesso no tratamento e da não remoção do pênis”.

Homens trans
Homens transsexuais que já passaram pela cirurgia de mudança de sexo também têm chances de desenvolver câncer peniano. Por isso, essa parcela da população também deve se manter alerta aos sintomas. “Se houve contaminação por HPV ou verruga genital antes da cirurgia, a possibilidade do aparecimento do câncer crescem”, relata Santos.

Entretanto, por conta do procedimento cirúrgico, muitas vezes os homens trans têm de ser diagnosticados por ginecologistas, já que a mudança de sexo conta com sistemas da genitália feminina.

*Com supervisão de Isabela Moreira.

revistagalileu

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Corpo é achado sem pênis e com cabeça decepada em Santa Rita

jovemUm homem identificado apenas por Wilson foi encontrado morto, na manhã desta sexta-feira (29), no município de Santa Rita, na Região Metropolitana de João Pessoa. O corpo da vítima foi encontrado dentro da maré, no distrito de Bebelândia.

Segundo informações de populares, o homem teve o pênis cortado e parte da cabeça decepada.

O corpo foi removido para o Instituto de Medicina Legal, onde será submetido a perícia que vai indicar a causa da morte.

Em virtude do estado em que o corpo se encontrava, o comandante do 7º Batalhão de Polícia Militar, coronel Júlio César, informou que a causa da morte ainda não foi identificada.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Homens devem enxugar o pênis após urinar

papel higienicoEnsinadas desde cedo a limpar a região íntima, as meninas crescem sabendo quais cuidados ter ao terminar de urinar, após uma relação sexual e também ao tomar banho. O reflexo disso está nas prateleiras do mercado: existem inúmeros sabonetes específicos para essa parte do corpo feminino e até mulheres que usam esses sabonetes desnecessariamente, buscando muitas vezes uma assepsia extrema, chegando a tirar os odores naturais dessa região. Por outro lado, vemos que os cuidados masculinos com o órgão sexual não têm o mesmo nível — e em alguns casos são até inexistentes. Será que há uma justificativa médica para diferença no cuidado?

Segundo o doutor Sidney Glina, urologista do Hospital Israelita Albert Einstein, não. “É uma questão de higiene e saúde. Há uma educação maior quando se trata do sexo feminino em relação à região íntima, mas tanto homens quanto mulheres devem olhar com atenção especial para os cuidados com essa parte do corpo.” Homens que têm o prepúcio longo (pele que recobre a glande), por exemplo, devem secar o pênis após urinar, assim como as mulheres sempre fazem com a vagina. Mesmo os homens circuncidados que não terminem a micção completamente também devem ter esse cuidado. “O que geralmente ocorre é que, com a pressa em terminar de urinar, um pouco da urina fica ainda na uretra, extravasa e deixa o pênis e a roupa úmidos”, alerta o doutor Newton Soares de Sá Filho do São Camilo, urologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. O líquido em contato constante com a pele pode ser uma fonte de inflamações e até infecções.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

A higiene não para por aí: durante o banho, a limpeza correta deve ser feita trazendo o prepúcio para trás e lavando todo o pênis com a água e o sabão do próprio banho. Depois, o órgão deve ser seco. Novamente, o prepúcio deve ser “puxado”, seco e só depois pode ser levado de volta à posição original. Após as relações sexuais, o procedimento deve ser o mesmo.

É importante ressaltar que caso a região íntima não seja corretamente limpa, as consequências podem ser severas. “O problema mais comum é a balanite, que consiste na inflamação da pele que recobre a glande. O mais grave é o câncer de pênis. Ambos são associados à inadequada higiene peniana”, alerta Soares de Sá Filho. E engana-se quem pensa que o câncer de pênis é incomum. De acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer), em 2009 surgiram 4637 novos casos de tumor peniano. “No Maranhão, por exemplo, há mais casos de câncer de pênis do que de próstata”, avisa Glina. Lá, um caso surge a cada 16 dias, e muitos chegam à amputação.

“O homem deve ter o hábito de observar o próprio corpo e ir ao médico ao menor sinal de alteração. Qualquer lesão é importante, porque uma ferida pequena pode evoluir para algo maior e mais difícil de tratar”, diz Glina. Nada melhor, portanto, que ensinar desde cedo os meninos a cuidarem de si mesmos, não é? Se é de pequeno que se torce o pepino, que de pequeno se lave o pepino também.

 

 

drauziovarella

“Não há nada que aumente o tamanho do pênis na fase adulta”, diz urologista

Arte UOL
Arte UOL

A preocupação com o tamanho do pênis é muito comum entre os homens.  Nos consultórios de urologia, este problema perde apenas para dois outros assuntos também delicados: ejaculação precoce e disfunção erétil. E ao lado da grande preocupação há a vasta oferta de medicamentos, dispositivos, manuais de exercícios e até cirurgias para se tornar bem-dotados.

“Nada disso funciona na fase adulta”, diz Geraldo Faria, urologista e presidente da Sociedade Latino-Americana de Medicina Sexual, que destaca que é preciso ter cuidado com as promessas e milagres oferecidos. “Temos visto em nossos consultórios pacientes com graves sequelas resultantes de um grande apelo que promete de tudo”.

O discurso é reforçado pelo urologista e secretário geral da Sociedade Brasileira de Urologia, Eduardo Lopes: “Não há base científica nestes métodos”.  E mais: eles garantem que o tamanho do pênis não é importante. “A vagina tem de 8 a 10 centímetros de profundidade e é apenas no terço externo que a mulher tem sensibilidade aos estímulos”, conta Lopes. “Um pênis com 9 centímetros é suficiente para dar prazer a uma mulher”, afirma Carlos Araújo,  cirurgião geral e vascular, especializado na área de andrologia.  Vale lembrar que o tamanho médio do pênis do brasileiro é 14 centímetros.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

A ansiedade de querer aumentar o pênis pode ocorrer desde a infância. Foi o que aconteceu com Leonardo (nome fictício). O estudante de engenharia civil de 19 anos sofre desde criança. “Quando era pequeno, com 7 anos, fui passar um final de semana com meus tios e primos na praia. Na hora de tomar banho, era alvo de piada. Todos falavam que meu pênis era muito pequeno. Desde então, fiquei com trauma de ficar nu na frente dos outros”, fala.

“Eu sempre me escondia para me trocar em vestiários da escola e academia. Na maioria das vezes, ia tomar banho em casa, com vergonha de alguém me ver sem roupa”. Esta mágoa foi se acumulando até a adolescência, quando o rapaz decidiu que deveria tomar providências.
Aos 16 anos, ele mediu: “meu pênis ereto tinha apenas 10 centímetros”. Resolveu que faria algo para mudar a situação.

Com amigos, conseguiu um manual de exercícios que prometia o aumento do pênis em até 3 cm. “Eu fazia os exercícios todos os dias por quase uma hora”. Foi assim durante vários meses, até que notou que estava se machucando. “Fui a um urologista que pediu para parar com os exercícios, pois já estava com uma fibrose. Tive acompanhamento psicológico e percebi que nada poderia ser feito. Meu problema estava na cabeça e não no pênis”, conta.

“O pior é que em casos assim, o rapaz não tem para quem reclamar ou recorrer, pois tem vergonha. Existe uma indústria paralela que explora as pessoas”, afirma Lopes.  “O homem não pode ficar limitado ao tamanho. Se perguntarmos, a maioria deles vai responder que quer ter o pênis no joelho”, brinca o médico.

“Quando um paciente entra em meu consultório e pede uma solução para o ‘pênis pequeno’, eu digo que adoraria ter algo simples, confiável e seguro. Mas até agora a ciência não descobriu nada que mude isso. Não há nada a oferecer, só tratamento e aconselhamento psicológico”, fala Faria.

“É um trauma psicológico que pode começar na infância e que o homem carrega pela vida toda”, avalia. “É difícil convencer um homem que acha que tem o pênis pequeno que o tamanho é normal e que o problema está na parte psicológica. Muitos ficam mais preocupados até mais com a aparência do que com a sexualidade”.

Leonardo frequentou dois anos de terapia e acompanhamento médico para poder perder a vergonha e tirar a roupa para uma primeira relação sexual. “E minha namorada da época não reclamou”, confessa. Os médicos garantem que é preciso considerar as distorções do imaginário masculino, que se sentem inseguros com pênis pequenos. “Tem muitos que reclamam até do tamanho quando está flácido”, diz Lopes.
Assim como Leonardo, muitos garotos ficam traumatizados na infância quando os pais ou outras pessoas da família comparam seus pênis com os de outros garotos da mesma idade. “Isso deve ser evitado para não alimentarem o complexo”, explica Faria.

 

Uol

Assaltante fere o próprio pênis durante assalto em Santa Maria

Foto: Gabriel Haesbaert / Agencia RBS
Foto: Gabriel Haesbaert / Agencia RBS

Uma ferragem que fica na Rua do Acampamento, em Santa Maria, região central do Rio Grande do Sul, foi assaltada na tarde deste domingo. Um dos proprietários, que mora na parte de cima da loja, estava chegando em casa quando percebeu que haviam arrombado o estabelecimento. De acordo com o dono, havia um buraco na fachada da ferragem, em cima da vitrine, por onde o bandido entrou.

Ao entrar no local, ele se deparou com um homem armado com um revólver calibre 38. O assaltante ameaçou a vítima, a empurrou e deu um tiro no chão. Ao tentar fugir pela fachada, com os R$ 6 mil que havia roubado, o assaltante atirou no próprio pênis. Ferido, ele procurou a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) e de lá foi encaminhado ao Hospital Universitário de Santa Maria (Husm).

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

O dinheiro foi recuperado, e o homem foi preso em flagrante. Ele passou por cirurgia e não corre risco de morte. Ele está no Husm sob custódia da Brigada Militar e depois será encaminhado à Penitenciária Estadual de Santa Maria (Pesm).

 

 

Zero Hora

Sabia que se não for usado o pênis pode encolher em 2 centímetros?

O pênis é algo que traz muito mais curiosidades que você possa imaginar.

O instrumento usado por homens para urinar de pé, possui suas peculiaridades, que provavelmente nem o homem mais entendido do assunto sabia.

Veja abaixo alguns fatos curiosos sobre o membro masculino:

Se não for utilizado, o pênis pode encolher em até 2 centímetros;

Sabia que se não for usado o pênis pode encolher em 2 centímetros? Veja curiosidades sobre o órgão genital masculino

Curiosidades sobre pênis desvendam mistérios e trazem novidades para quem deseja saber um pouco mais sobre o órgão genital masculino.

Os homens produzem cerca de um quarto de uma colher de chá cheia de sêmen a cada vez que atingem o ápice do prazer;

Uma colher de chá desse líquido contém sete calorias;

O maior pênis humano já registrado possuía 34 centímetros de comprimento;

Durante a relação íntima o membro masculino pode chegar a ter o formato de um bumerangue;

Fumar pode encurtar o pênis em até um centímetro;

Homens não são flexíveis o suficiente para se dar prazer;

O ápice do prazer é desencadeado pela medula espinal, não pelo cérebro.

O ápice do prazer masculino dura apenas 6 segundos, enquanto das mulheres dura, em média, 23 segundos.

Fonte: Metro

Modelos deixam pênis à mostra e surpreendem público da Paris Fashion Week

O estilista Rick Owens se atreveu a ir aonde nenhum designer de moda ousou chegar. Durante a exibição de sua coleção outono/inverno na Paris Fashion Week, na capital francesa, modelos da grife do americano deixaram o pênis à mostra ao desfilar looks com buracos ou fendas na altura do órgão genital.
Modelos deixam pênis à mostra nas passarelas da Paris Fashion Week
Modelos deixam pênis à mostra nas passarelas da Paris Fashion Week Foto: Montagem com fotos da AFP

Os modelos vestiam ponches peenhole com buracos na virilha e recortes que surpreenderam muitos dos que estavam nas fileiras para assistir ao desfile. A ousadia do estilista gerou repercussão na imprensa internacional, que criou brincadeiras com a coleção do designer. O “Huffington Post”, dos Estados Unidos, estampou “Cloaks Penis” (”Pênis sob o manto”, em tradução direta) ao noticiar o fato. Já outros veículos de internet satirizaram a situação criando hashtags que fazem apelo, ironicamente, à liberdade da genitália masculina.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Quase que a apresentação pegou de supresa a top internacional Kate Moss, que estava na plateia no desfile da Louis Vuitton, que aconteceu momentos depois.

Kate Moss também foi surpreendida pelo desfile ousado de Rick Owens
Kate Moss também foi surpreendida pelo desfile ousado de Rick Owens Foto: Francois Mori / AP

Confira algumas fotos, em ângulos mais discretos, do que parisienses e turistas viram nas passarelas da Semana de Moda de Paris com Rick Owens:

Modelo exibe recorte em look geométrico assinadp por Rick Owens
Modelo exibe recorte em look geométrico assinadp por Rick Owens Foto: PATRICK KOVARIK / AFP
Coleção de Outono/Inverno de Rick Owens surpreendeu o público
Coleção de Outono/Inverno de Rick Owens surpreendeu o público Foto: PATRICK KOVARIK / AFP

Extra

Vereadora de João Pessoa detona beijo gay e dispara: “o PSOL só vê vagina e pênis”

Eliza VirgíniaA vereadora de João Pessoa, Eliza Virgínia (PSDB), criticou a exibição do beijo gay no guia eleitoral do PSOL na última semana. Segundo a vereadora, que também disputa as eleições como candidata a deputada estadual, “esse pessoal [do PSOL] só vê vagina e pênis andando por aí”.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
Para Eliza, não havia necessidade alguma em se mostrar um beijo gay na TV, principalmente em horário nobre, quando as famílias e, principalmente, as crianças estão em frente à televisão.

A parlamentar também criticou as ONGs ligadas ao movimento gay e as acusou de serem “heterofóbicas”.

Alexandre Freire – MaisPB