Arquivo da tag: país

UTIs: Paraíba tem a menor taxa de ocupação do NE e já é a 4ª do país

A ampliação de leitos para Covid-19 vem colocando a Paraíba em destaque quanto à taxa de ocupação de UTIs para pacientes com o coronavírus. Com 60% dos leitos ocupados, o estado possui a menor taxa do Nordeste e a quarta do país, perdendo apenas para o Mato Grosso do Sul (39%), Amapá (40,7%) e Amazonas (45%).

“A previsão é que essa taxa tenha uma queda ainda maior, pois estamos com 364 leitos, dos 432 leitos previstos, para todo o estado, no Plano de Contingência e, além disso, o governador João Azevêdo anunciou a entrega de mais 84 leitos. São ações como essas que acabam repercutindo na queda da taxa de ocupação e no trato da doença de forma responsável”, disse o secretário de Estado da Saúde, Geraldo Medeiros.

O secretário lembrou que a Paraíba está com a menor taxa de ocupação de leitos de UTI do Nordeste, mesmo com o registro do crescimento no número de internações no mês de junho, em comparação a maio. A média foi de 45 novas internações, por dia, sendo a maior parte no município de João Pessoa.

Ainda de acordo com o Secretário, apesar de não haver um colapso da saúde na Paraíba, não é possível descuidar das medidas preventivas. “Embora estejamos numa boa posição em relação ao Nordeste e ao país, não devemos relaxar quanto ao isolamento social, que ainda está abaixo do esperado, o que, consequentemente, aumenta a ocupação nos leitos de hospitais referenciados para a Covid-19”, reforçou.

 

pbagora

 

 

Covid-19: Bolsonaro minimiza contágio e defende retorno à normalidade no país

Em pronunciamento no rádio e na TV na noite desta terça-feira (24), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o novo coronavírus (covid-19) está sendo enfrentado e pediu calma à população. “Sem pânico ou histeria, como venho falando desde o princípio, venceremos o vírus e nos orgulharemos”, disse o presidente.

Bolsonaro afirmou que as autoridades devem evitar medidas como proibição de transportes, o fechamento de comércio e o confinamento em massa. “Nossa vida tem que continuar. Os empregos devem ser mantidos. O sustento das famílias deve ser preservado. Devemos, sim, voltar à normalidade”, destacou.

O presidente voltou a dizer que o grupo de risco para a doença é o das pessoas acima dos 60 anos de idade e que não teria necessidade de fechamento de escolas, já que são raros os casos fatais de pessoas sãs com menos de 40 anos. Segundo ele, 90% da população não terá qualquer manifestação da doença, caso se contamine, e a preocupação maior deve ser não transmitir o vírus, “em especial aos nossos queridos pais e avós”. Sobre os trabalhos das equipes de saúde em todo o país, coordenadas pelo ministro da Saúde, Henrique Mandetta, Bolsonaro confirmou que ocorreu um planejamento estratégico para manter um atendimento eficaz dos pacientes no Sistema Único de Saúde (SUS).

Jair Bolsonaro disse ainda acreditar na capacidade dos cientistas e pesquisadores para a cura dessa doença e falou que o governo recebeu notícias positivas sobre o uso da cloroquina no tratamento da covid-19. Ele aproveitou o pronunciamento para agradecer quem está na linha de frente no combate ao novo coronavírus. “Aproveito para render minha homenagem a todos os profissionais de saúde: médicos, enfermeiros, técnicos e colaboradores, que na linha de frente nos recebem nos hospitais, nos tratam e nos confortam.”

Agência Brasil 

 

 

Prefeito de Solânea, Kayser Rocha, decreta “Situação de Emergência” no município devido disseminação de Coronavírus no país

O decreto autoriza o prefeito alterar o horário de expediente dos servidores municipais, realizar a suspensão de aulas e vedar eventos públicos e privados.

O prefeito de Solânea, Kayser Rocha decretou hoje, 16, em divulgação no Diário Oficial Situação de Emergência no município devido à pandemia da doença infecciosa viral respiratória (COVID-19) causada pelo agente Coronavírus. Segundo o prefeito, um dos objetivos do decreto é a necessidade de estabelecer, no âmbito municipal, planos de ações efetivos contra disseminação do vírus, além da urgência em adotar medidas administrativas necessárias e cuidados preventivos de proteção para a coletividade.

“Precisamos agir com cautela, mas de forma efetiva para cuidar e conscientizar cada um da nossa comunidade nesse momento de enfrentamento da disseminação da doença”, explicou o prefeito. Entre as medidas estão a possibilidade de alteração de horário de expediente dos servidores municipais, suspensão de aulas, a prioridade em regime de urgência – em todos os órgãos e entidades da Prefeitura – para a resolução de assuntos relacionados à situação atual.  E a dispensa de licitação para aquisição de bens, serviços e insumos de saúde necessários ao enfrentamento da emergência em saúde que vivemos atualmente.

Decreto segue posicionamentos dos Governos Estadual e Federal.

Em nota, a gestão municipal justificou a decisão devido a necessidade de acolher o entendimento Nacional do Ministério da Saúde quanto a decretação de Emergência em Saúde Pública e os posicionamentos do Governo do Estado e da Organização Mundial da Saúde (OMS) que na última quarta, 11, anunciou a pandemia da doença.

Assessoria de Comunicação

 

Doação de órgãos na Paraíba registra aumento de 196% e fica em primeiro lugar no país

A Paraíba é o primeiro lugar do Brasil em termos de aumento percentual de doação de órgãos, registrando crescimento de 196,1%. Os estados do Sergipe (74,5%) e Rio Grande do Norte (60,2%) ocupam, respectivamente, a segunda e a terceira posição nacional no crescimento percentual de doação de órgãos. A lista de espera do mês de fevereiro de 2020 registra 390 pessoas que aguardam córneas; 239 rins; 11 fígados e um coração.

Em 2020, a Central de Transplante da Paraíba tem registrado um doador por semana. Entre os meses de janeiro e fevereiro, foram seis doadores, sendo cinco de João Pessoa e um de Campina Grande.

Neste mesmo período, a negativa familiar para doação de órgãos teve redução de 30% em relação a 2019. A negativa familiar é o principal motivo para que um órgão não seja doado em todo país.

Os dados foram apresentados pelo governador Azevêdo, nesta segunda-feira (10), durante o programa Fala Governador, transmitido pela Rádio Tabajara em cadeia estadual e pelas redes sociais do Governo.

Na ocasião, o governador João Azevêdo comentou que esse era um setor que praticamente estava paralisado no estado. “A Paraíba voltou a fazer transplante de coração depois de 10 anos. Esse número é extraordinário e isso é fruto do esforço de toda equipe da saúde no sentido de recriar essa coordenadoria de doação de órgãos, que deu esses resultados e que levou a Paraíba ao primeiro lugar no Brasil em termos de aumento percentual de doação de órgãos”, comemorou.

O governador ainda aproveitou a oportunidade para agradecer aos familiares que autorizam a doação dos órgãos de seus parentes. “Eu sempre agradeço àqueles que no momento de dor têm, juntamente com seus familiares, dado a autorização para que seja possível salvar outras vidas. Tenho certeza que cada um que faz isso está tendo um ato de extrema dignidade e respeito para com os outros. Então fica a minha gratidão a essas pessoas que permitiram que a Paraíba atingisse um número tão importante percentualmente em termos de aumento de doação e de transplantes de órgãos”, ressaltou.

 

clickpb

 

 

Procurador é contra a corrida armamentista no País: “Vemos armas por aí em mãos de quem não têm a mínima condição”

Em recente entrevista à imprensa o procurador Antônio Edílio Magalhães, integrante do Ministério Público Federal da Paraíba, opinou sobre a política de armamento no país, ele se disse contra o uso de armas

Edílio afirmou que existe no país uma enorme falta de controle no que diz respeito à aquisição não só de armas, mas também de munições. “Acho que antes de distribuir posse e porte de armas, seria necessário se pensar num mecanismo de controle mais forte. Vemos muitas armas por aí em mãos de pessoas que não têm a mínima condição de ter uma, exatamente por causa da ausência de controle. Nem as munições são marcadas como deveriam. Mas se houvesse um controle rigoroso com a venda e aquisição de armas, a posse ou o porte poderiam ser bem-vindos”, disse o procurador.

Edílio Magalhães é cearense e chegou à Paraíba em 1996. Seus pais são paraibanos do município de Itaporanga e é casado com uma paraibana e todos os três filhos nasceram na capital paraibana.

 

pbagora

 

 

Casos de dengue crescem aproximadamente 432% no País

Mesmo dois meses após o fim do verão, a doença no País ainda preocupa: do início do ano até o último dia 11, o total de registros foi 432% maior, ante o mesmo período de 2018. O salto foi de 144 mil casos prováveis de infecção para 767 mil suspeitas reportadas. As mortes pelo vírus também saíram de 88 a 222. O número de infectados explodiu em 20 Estados e no Distrito Federal.

Há quatro sorotipos do vírus. A epidemia e a incidência maior nesses Estados são explicadas pela disseminação do tipo 2, diz o coordenador-geral dos Programas Nacionais de Controle e Prevenção da Malária e das Doenças Transmitidas pelo Aedes do Ministério da Saúde, Rodrigo Said. “As últimas epidemias foram pelos vírus 1 ou 4”, diz.

“Esse sorotipo (2), que circulava pouco e por isso havia pequena proteção imunológica, voltou agora e deixou a população mais suscetível.”

O clima, segundo Said, também tem papel importante. Chuvas intensas nas últimas semanas fizeram larvas do mosquito transmissor, o Aedes aegypti, eclodirem. Além disso, temperaturas mais altas criam condições favoráveis ao inseto.

“Enquanto não esfriar para valer, os casos vão continuar”, diz Regiane de Paula, do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde de São Paulo. O fenômeno climático El Niño, segundo ela, está fazendo com que o frio demore mais a entrar este ano no Sudeste.

Com a expectativa de inverno tardio e curto, cresce a necessidade de manter ações contra criadouros de Aedes. Segundo o ministério, mais de 80% dos mosquitos vêm de áreas residenciais. Outras cidades mantiveram no outono o uso do inseticida (fumacê). A estratégia, para matar o Aedes adulto, é considerada menos eficaz que eliminar a água parada, que evita o nascimento do transmissor.

O ministério diz ter 300 mil litros de inseticida vencidos e que, segundo informações preliminares recebidas esta semana, não estão adequados para uso. Segundo Said, as amostras desse produto foram encaminhadas a um laboratório credenciado, mas as respostas recebidas esta semana não foram favoráveis ao uso do produto.

Distrito Federal

Tão logo apareceram os primeiros sintomas, a ex-senadora Marina Silva (Rede) procurou um hospital em Brasília. As dores fortes pelo corpo e na cabeça ajudaram a antecipar o diagnóstico confirmado mais tarde por exame: dengue. Na capital do País, onde as ocorrências aumentaram mais de 1.200%, o governo espalhou seis postos temporários em áreas de maior incidência. Lá, são aplicados testes e há assistência prestada por médicos, enfermeiros e técnicos.

Infectada pela segunda vez por dengue, Marina ficou três dias internada na última semana. No Twitter, lembrou ser “mais uma entre milhares”. Segundo a assessoria de imprensa da ex-senadora, ela passa bem.

A nova infecção, como ocorreu com Marina, traz risco ainda maior. “A disposição sucessiva ao vírus e uma segunda infecção podem ocasionar manifestações mais graves e até óbito”, alerta Said, do ministério.

Cuidado e riscos

Prevenção: A maioria dos focos de Aedes está em casas. É importante evitar acúmulo de água em garrafas, vasos, calhas, lajes e piscinas, onde ele coloca ovos.

Condições: A permanência de chuvas e temperaturas mais altas favorece a reprodução do mosquito e leva à necessidade de ficar atento aos criadouros mesmo após o verão.

Sintomas: Dores no corpo e de cabeça, cansaço, febre alta e manchas na pele são comuns entre os infectados. Em casos mais graves, pode haver sangramento por nariz ou boca, além de vômito contínuo.

Outras doenças: Aedes também transmite os vírus da zika e da chikungunya, cujos sintomas podem se confundir com os sinais da dengue.

 

 

wscom

 

 

Pais de bebê de nove meses estuprada na Paraíba são presos

Foram presos na tarde desta quinta-feira (30), os pais da criança de 9 meses  que morreu após ser estuprada, em Soledade, no Cariri paraibano. Eles foram presos no município de São José do Sabugi.

Segundo informações policiais, eles foram  levados para a delegacia de Polícia Civil de Soledade para que o delegado responsável tome as providências cabíveis.

A criança morreu após ter convulsões e ser levada para o Hospital de Soledade. Exames cadavéricos apontaram que ela foi estuprada antes de morrer.

 

Portal WSCOM

 

 

Parceria entre a Casa do Empreendedor e Banco Itaú é a primeira do tipo para a concessão de microcrédito no País

Uma parceria inovadora em comemoração aos seis anos de atividades da Casa do Empreendedor foi marcada por parcerias. A união com o Banco Itaú, anunciado na ultima sexta (26) em Bananeiras, torna-se pioneira  no País, onde a concessão  do microcrédito será realizado por um banco privado a uma instituição pública, fomentando ainda mais a economia local.

Com o intuito de fortalecer a economia do município através do apoio aos micro e pequenos empreendedores, foi criado um ambiente favorável a esses negócios, através da qualificação profissional, da desburocratização dos serviços, da facilitação do acesso ao crédito e à informação. Aplicando cerca de R$ 2 milhões na microeconomia local, contemplou 648 micro empreendedores em diversos segmentos durante este tempo.

A Gerente Nacional do Micro crédito do Banco Itaú, Simone Gallo esteve no evento que consolidou a parceria com a Casa e fortalecendo juntamente com o Empreender Paraíba e o Sebrae  o fomento econômico na região.

O Prefeito Douglas Lucena, destacou que em seis anos a Casa do Empreendedor tem dado a possibilidade de muitas pessoas se tornarem independentes e construírem seus negócios de forma sólida. Destacou ainda, que a Parceria com o Governo do Estado da Paraíba e agora com o Banco Itaú tem sido o fator determinante para o sucesso das ações da Casa do Empreendedor.

Ascom PMB

 

 

Quatro idosos são maltratados por hora no país

Falta de políticas públicas, valorização do idoso e capacitação profissional são algumas causas apontadas por especialistas

Nos últimos 77 anos, a expectativa de vida do brasileiro aumentou 30,5 anos. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o país tem hoje mais de 30 milhões de idosos e projeções do órgão apontam para um aumento ainda mais significativo nas próximas décadas, fazendo com que a pirâmide etária brasileira se altere e faça da população idosa maioria.

Com isso, para atender plenamente os idosos, se faz necessário corrigir estruturas do estado brasileiro como a Previdência Social e o Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, mais do que as reformas, é preciso uma discussão ampla sobre a importância dos idosos para o país. É exatamente isso que propõe um estudo científico desenvolvido pelas alunas Letícia Staroski Machado e Letícia Costa de Oliveira, do curso de Direito do Centro Universitário Uninter.

As autoras constataram um dado alarmante de que, em média, quatro idosos são maltratados por hora no Brasil. Segundo o professor de Direito Internacional da Uninter, Eduardo Gomes, orientador do estudo, isso acontece pois, “além dos problemas demográficos já conhecidos, falta consciência da sociedade civil e fiscalização do poder público”.

Além dos maus-tratos e ineficiência do estado, especialistas apontam a falta de profissionais capacitados como um dos motivos para essa realidade. O curioso é que o mercado para cuidador de idosos, segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), foi o que mais cresceu no Brasil, passando de 5.263 em 2007 para 34.051 em 2017 – o que representa uma alta superior a 500%.

De acordo com o professor Cristiano Caveião, coordenador do curso de Gerontologia (Cuidador de Idosos), apesar do aumento de profissionais, a necessidade de mais especialistas fica evidente a cada dia que passa. “O número de cuidadores não acompanha o aumento de idosos e cada vez mais precisamos de gente capacitada para, além de cuidar, também orientar, proteger e reinserir essa população na sociedade”, explica Cristiano.

O professor esclarece que o curso aborda temas que formarão um profissional com as necessidades do mercado de trabalho. “Alguém que, além de cuidados básicos, possa orientar quanto à qualidade de vida, direitos, promoção de saúde, e também ser gestor de instituições de serviços voltados a esse público”, diz.

O curso

Com duração de dois anos e na modalidade EAD, o curso de Gerontologia possui em sua grade matérias voltadas para o processo de envelhecimento humano (anatomia, fisiologia e epidemiologia) entre outras, como psicologia, ética e fundamentos de direito. Um destaque especial ocorre para a matéria de empreendedorismo, que estimulará o profissional a inovar na área com a criação de novos negócios para o público idoso.  Acesse www.uninter.com.br e saiba mais.

Sobre o Grupo Uninter

O Grupo Uninter é o maior centro universitário do país, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e a única instituição de ensino a distância (EAD) do Brasil recredenciada com nota máxima pelo Ministério da Educação (MEC).  Sediado em Curitiba (PR), já formou mais de 500 mil alunos e, hoje, tem mais de 210 mil alunos ativos nos mais de 200 cursos ofertados entre graduação, pós-graduação, mestrado e extensão, nas modalidades presencial, semipresencial e a distância. Com mais de mil polos de apoio presencial, estrategicamente localizados em todo o território brasileiro, mantém cinco campi no coração de Curitiba. São 2 mil funcionários trabalhando todos os dias para transformar a educação brasileira em realidade. Para saber mais, acesse uninter.com.

Na foto, da esquerda para direita: Letícia Costa de Oliveira e Letícia Machado.

 

Assessoria de imprensa 

 

Brasil é o país com o maior nº de mortos por arma de fogo

O Brasil é o país com o maior número de mortos por arma de fogo no mundo, totalizando 42 mil casos em 2016, revelou uma pesquisa da Universidade de Washington, nos Estados Unidos.

O estudo, intitulado “Global Mortality From Firearms”, analisa todas as mortes causadas por armas de fogo no mundo (homicídios, suicídios e incidentes) entre os anos de 1990 e 2016, baseando-se nos dados do Estudo Global da Carga de Doenças, programa sobre mortalidade realizado pela mesma universidade.

O Brasil é o país com o maior número de mortos por arma de fogo no mundo, totalizando 42 mil casos em 2016, revelou uma pesquisa da Universidade de Washington, nos Estados Unidos
O Brasil é o país com o maior número de mortos por arma de fogo no mundo, totalizando 42 mil casos em 2016, revelou uma pesquisa da Universidade de Washington, nos Estados Unidos

Foto: Markus Schnessl / iStock

A análise afirma que, nos últimos anos, os mortos por arma de fogo no mundo aumentaram, e mais da metade dos casos (51%) se concentram em seis países: Brasil, Estados Unidos, México, Colômbia, Venezuela e Guatemala.

Calcula-se que que 251 mil pessoas morreram por armas de fogo em 156 países recenseados durante o ano de 2016, contra 209 mil mortes em 1990. O Brasil lidera a classificação de 2016, com 42 mil mortos, seguido pelos Estados Unidos, com mais de 37 mil. Já o México, Colômbia e Venezuela contabilizam entre 10 e 20 mil cada, e a Guatemala conta pouco mais de 5 mil.

No geral, 64% dessas mortes foram causadas por homicídio (sendo que o Brasil contabiliza um quarto desse total), 27% por suicídio e 9% por incidentes.

De acordo com os pesquisadores, a maioria das mortes se deu em países onde não há guerra em território nacional. “Ainda que pelo aumento da população, a taxa de mortes a cada 100 mil habitantes tenha ligeiramente caído, o número absoluto continua muito alto”, explicou Mohsen Naghavi, um dos estudiosos. “As mortes por arma de fogo são um problema de saúde pública”, concluiu.

Ansa