Arquivo da tag: padrasto

Adolescente de 13 anos é abusada por padrasto e mãe denuncia, em João Pessoa

Uma adolescente de 13 anos estava sendo abusada sexualmente pelo padrasto desde o mês de maio, em João Pessoa. A denúncia foi feita pela mãe da menina nesta quinta-feira (12), na Delegacia da Mulher. De acordo com a Polícia Civil, o caso foi denunciado depois que a filha da mulher fugiu de casa por não mais aguentar os abusos.

A mãe e a filha são da cidade de Pedras de Fogo, onde moravam até o mês de abril, quando a mulher conheceu o suspeito pela internet e veio para João Pessoa morar com ele. Os abusos já começaram no mês de maio.

A Polícia Civil investiga se houve negligência da mãe, tendo em vista que ela já sabia dos abusos desde o mês de maio e não denunciou. De acordo com relato da mãe à polícia, há duas semanas ela estava sendo ameaçada pelo suspeito. Além disso, contou que estava sendo mantida em cárcere privado e, por isso, não tinha como sair de casa para fazer a denúncia.

Na quarta-feira (11), a adolescente fugiu de casa e contou aos vizinhos o que estava acontecendo. Eles ligaram para o pai da menina, que mora em Alhandra, e ele teria exigido que a mãe procurasse a polícia.

Alguns exames foram realizados na adolescente após a denúncia e comprovaram que não houve conjunção carnal entre o suspeito e a vítima. “Mas com certeza houve a prática de ato libidinoso”, afirma a delegacia Cristiane Silva.

Após a denúncia do crime, o suspeito fugiu. A polícia fez buscas na região, mas até as 8h30 desta sexta-feira (13), ele não havia sido localizado. Agora, a Polícia Civil investiga se o mesmo homem também está envolvido em um caso de abuso sexual na cidade de Pilões.

G1

 

Em Alagoa Grande, padrasto é preso suspeito de estupro contra enteada de 11 anos

Um homem de 46 anos de idade foi preso por policiais da 2ª Companhia do 4º BPM (Batalhão de Polícia Militar) e policiais civis suspeito de estupro de vulnerável praticado contra a própria enteada, uma menina de 11 anos. A prisão aconteceu nesta terça-feira (10), na cidade de Alagoa Grande, depois que a mãe da menina denunciou o caso ao Conselho Tutelar.

Os abusos vinham sendo praticados há aproximadamente um ano, de acordo com o relato da mãe, que tão logo tomou conhecimento, através da própria filha, denunciou o caso. A guarnição comandada pelo cabo Porfírio, juntamente com conselheiros tutelares e policiais civis, conseguiu localizar e prender o acusado, que foi conduzido para a Delegacia de Polícia Civil.

Em Araçagi, a guarnição do Destacamento local foi acionada pelo delegado plantonista para conduzir um acusado para uma audiência de custódia por tentativa de homicídio e, logo após a audiência, foi constatado que contra ele havia um mandado de prisão expedido pela Justiça. Diante do fato, o acusado foi conduzido novamente para a delegacia.

Em Guarabira, no Bairro São José, os policiais militares prenderam um homem após receberem informações de que ele teria agredido a própria esposa. No local, a guarnição observou que a vítima estava com a face machucada e ela confirmou ter sido provocada pela agressão física do seu marido. Ela também relatou que ele faz uso de medicamento controlado, prescrito pelo médico do Caps, mas tem se recusado a tomá-lo. O suspeito e a vítima foram conduzidos à delegacia.

 

Assessoria 4º BPM

 

 

Padrasto é suspeito de estuprar enteada de 12 anos em Patos

Um homem é suspeito de abusar sexualmente de sua enteada, de 12 anos na cidade de Patos, na Paraíba. A menina deu entrada, nesta quinta-feira (8), no Hospital infantil de Patos, após ter sido violentada sexualmente.

O delegado Wender Borges informou que foi acionado pelo médico da unidade de saúde.  A mãe da menina ainda relatou que flagrou o ato e a criança confirmou que foi abusada pelo padrasto.

A unidade de saúde emitiu um laudo confirmando o abuso sexual.

O delegado também informou que segue a investigação e que vai ouvir à vítima e testemunhas.

 

clickpb

 

 

Mãe e padrasto suspeitos de torturar menino de sete anos em Boqueirão, PB, são presos

Foram presos o padrasto e a mãe do menino de sete anos que era acorrentado e torturado na cidade de Boqueirão, a 146 km de João Pessoa. Maria Aparecida Sousa Silva e Edilson Cosme Albuquerque foram presos por força de mandados de prisão preventiva expedidos a pedido da Polícia Civil.

Os suspeitos foram encaminhados para delegacia seccional da cidade de Queimadas. A informação foi confirmada na manhã desta quinta-feira (18) pelo delegado Iasley Almeida, responsável pela investigação do caso.

A criança de sete anos deu entrada no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande, em estado de desnutrição e com ferimentos no dia 10 de julho. De acordo com a Polícia Civil, a criança estaria sofrendo maus-tratos praticados pela mãe e pelo padrasto. O laudo finalizado pelo Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol) confirmou que a criança sofria agressões físicas prolongadas e contínuas, o que se configura como tortura.

Conforme explica Márcio Leandro, chefe do Numol, no momento do exame o menino estava muito debilitado, desnutrido e com um quadro de anemia profunda. “Tinha lesões por todo corpo, nas costas e lesões nos glúteos, o que indica que ele passou bastante tempo imóvel, imobilizado, por estar acorrentado. As agressões foram tão prolongadas que se tornou tortura”, explica o chefe do Numol.

A criança deve passar por cirurgias plásticas após tratamento dos ferimentos no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. Segundo informações repassadas pela unidade de saúde, o menino tem um ferimento tão grave na cabeça que vai precisar passar por uma cirurgia plástica para reconstituir o tecido lesionado. O diretor-técnico do hospital Gilney Porto, explicou que é preciso primeiro esperar a cicatrização dos ferimentos.

De acordo com Márcio Leandro, uma reavaliação precisa ser feita na criança para que sejam identificados os graus das lesões que devem permanecer no menino. No entanto, isso só vai acontecer após a cirurgia.

O menino de sete anos permanece internado no Hospital de Trauma de Campina Grande, com estado de saúde considerado estável. Ainda não há previsão de receber alta médica.

(Foto: Mayara de Oliveira/Portal Correio)

G1

 

Polícia investiga mãe e padrasto de criança vítima de maus tratos, na PB

A Polícia Civil vai investigar a mãe, suspeita de praticar as agressões, contra uma criança de 7 anos na cidade de Boqueirão, no Agreste da Paraíba. Ela pode ser enquadrada por tentativa de homicídio qualificado mediante a tortura. O envolvimento do padrasto, que também morava com a mãe e a criança, também é investigado.

A criança de 7 anos deu entrada no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande, em estado de desnutrição e com ferimentos. De acordo com a Polícia Civil, a criança estaria sofrendo maus-tratos praticados pela mãe, em Boqueirão, Cariri da Paraíba. O padrasto da criança também está sendo investigado.

Segundo o delegado Iasley Almeida, responsável pelo caso, o Conselho Tutelar informou ter recebido denúncias de que havia uma criança em estado de desnutrição e com ferimentos, devido a maus-tratos praticados pela própria mãe, como queimaduras com vela e acorrentada pelos pés.

O problema foi percebido por professores e pela diretora da escola onde a criança estuda, depois que o menino chegou muito magro e sem forças para se manter em pé. Ele foi levado para o hospital em seguida.

A criança está internada no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande, e de acordo com o boletim médico publicado nesta quinta-feira (11), foi diagnosticado anemia, desnutrição proteico-calórica, sinais de hematomas e queimaduras diversas pelo corpo. O estado de saúde é estável e a criança.

 

PB Agora

 

 

Criança de 10 anos esfaqueia padrasto para defender a mãe, diz polícia

Um homem ficou ferido após ser esfaqueado pelo enteado de 10 anos no bairro João Paulo II, em João Pessoa, na manhã desta segunda-feira (24). Segundo informações repassadas pelo Samu, a criança esfaqueou o padrasto após uma discussão dentro de casa. O padrasto foi ferido com três perfurações nas costas.

O homem foi socorrido e encaminhado para o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa. A princípio o estado de saúde da vítima é considerado estável. De acordo com a Polícia Militar, o padrasto estava sentado quando a criança veio por trás e desferiu as facadas.

A própria vítima relatou para Polícia Militar que estava discutindo com a esposa, mãe da criança, no quarto, quando o menino se aproximou e atacou com uma faca. Não houve luta corporal.

A mãe da criança confirmou que o filho agrediu o padrasto para defendê-la durante a discussão. A criança não foi levada por familiares e deve ser ouvida pela polícia.

G1

Enteado mata padrasto a facada e liga para avisar a polícia

O enteado matou o padrasto, na tarde desta quarta-feira (22), em João Pessoa, Capital da Paraíba, após um desentendimento familiar. Foi o próprio autor do crime, um jovem de 22 anos, que ligou para a polícia para confessar o crime. Segundo ele, durante uma discussão com o parente, ele sacou uma faca peixeira e desferiu no abdômen do marido da mãe, que caiu ao solo sem reação.

O crime aconteceu na Rua Joaquim Borba Filho, no bairro Jardim São Paulo, próximo ao Bancários.

O tenente  Rusemberg, do 5o Batalhão, informou que a polícia chegou ao local para atender a ocorrência que chegou para o 190. No local o fato foi constatado.

O acusado de desferir os golpes de faca foi detido e levado para a Central de Flagrantes, no bairro do Geisel, na capital. Já a vítima não teve o nome divulgado.

 

pbagora

Areia-PB: Bebê que teve traumatismo craniano era agredida pela mãe, diz padrasto à polícia

(Foto: Reprodução/TV Paraíba)

O padrasto da bebê de 11 meses que deu entrada no Hospital de Trauma de Campina Grande com traumatismo craniano e ferimentos no rosto disse que as agressões sofridas pela vítima partiram da mãe. Na manhã desta quinta-feira (16), o homem prestou depoimento à delegada de Polícia Civil Symone Lacet, na cidade de Areia, no Brejo paraibano, onde o caso ocorreu. A mãe da bebê é uma adolescente de 16 anos.

Segundo a delegada, durante o depoimento, o homem de 33 anos contou que quando começou o relacionamento com a adolescente, a criança já tinha marcas de agressão. “Ele conta que ela tinha ferimentos pelo corpo e também nas partes íntimas, destacando o comportamento agressivo que a mãe tinha com a filha”, disse a delegada.

Ainda durante o depoimento, segundo a delegada, o padrasto contou que a mãe inventou um acidente para negar a agressão. “Ele disse que estava no quintal da casa e a mãe estava com a bebê dentro de casa, quando ele ouviu os gritos da criança. Ao entrar em casa, ele já viu a criança ensanguentada e ajudou a socorrer. A mãe disse que a bebê teria caído no banheiro, mas ele acredita que ela agrediu (a criança)”, destacou a delegada.

Outras duas pessoas que ajudaram a socorrer a criança foram ouvidas, também na manhã desta quinta-feira. Segundo a delegada Symone Lacet, parentes da adolescente também vão ser ouvidos. “Pelo que já investigamos, tudo indica que foi a mãe quem agrediu a criança. Vamos também ouvir parentes para questionar esse histórico de agressões relatado pelo padrasto”, informou a delegada.

A Polícia Civil informou que o inquérito já está sendo concluído e deve ser encaminhado ao Ministério Público da Paraíba (MPPB) para que sejam tomadas providências em relação à guarda da criança. O Conselho Tutelar da cidade de Areia já comunicou o caso ao MPPB. A criança continua internda e está sendo acompanhada pela mãe.

Estado de saúde

A bebê deu entrada no Hospital de Emergência Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande, na última segunda-feira (13) com traumatismo craniano e lesões no rosto. Segundo o Conselho Tutelar de Areia, exames confirmaram que as lesões foram provocadas por agressões.

De acordo com a assessoria de imprensa do Hospital de Trauma de Campina Grande, a bebê continua internado na ala pediátrica Em entrevista a, TV Paraíba ela disse que não sabe como a criança se feriu. “Ela tava no banheiro, porque ela anda demais”, disse a mãe.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

DNA aponta que filho de menina de 11 anos estuprada em João Pessoa é do padrasto

O teste de DNA feito no filho da menina de 11 anos que teria sido estuprada e engravidado do padastro, deu positivo, apontando que o padastro é mesmo o pai da criança. De acordo com o laudo do exame realizado pelo Instituto de Polícia Científica da Paraíba (IPC-PB).

O homem está preso desde setembro, nega a autoria do estupro e teve habeas corpus negado pelo Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB).

De acordo a defesa do homem, poderá ser pedida uma contraprova.

PB Agora

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Adolescente é detido suspeito de matar padrasto com facadas na PB

sireneUm adolescente suspeito de matar o padrasto com pelo menos 25 facadas foi apreendido no domingo (2), na cidade de Patos, no Sertão paraibano. A prisão foi feita pela Polícia Civil e o jovem foi levado para a delegacia, onde esperava até a manhã desta segunda-feira (3) para ser transferido para o Centro Educacional do Adolescente (CEA).

O crime ocorreu no dia 29 de março, também na cidade de Patos. Segundo informações da avó do suspeito repassadas à Polícia Militar, o adolescente chegou em casa sob efeito de drogas e teve uma forte discussão com o padrasto, pegou uma faca e golpeou a vítima várias vezes.

A vítima ainda tentou pedir socorro, mas morreu no meio da rua por causa dos graves ferimentos e o adolescente tinha fugido depois do crime. A avó do suspeito informou que os dois tinham um relacionamento muito tumultuado.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br