Arquivo da tag: obesas

Mulheres obesas recorrem à cirurgia bariátrica para engravidar

obesaAlém de aumentar os riscos de câncer e de doenças crônicas, a obesidade pode prejudicar a fertilidade feminina. Por esse motivo, muitas mulheres têm recorrido à cirurgia bariátrica para serem mães.

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), Almino Ramos, em geral a obesidade provoca alterações hormonais e prejudica o desenvolvimento dos óvulos, o que pode gerar infertilidade ou dificuldade de engravidar. “Com a cirurgia, a perda de peso corrige essas irregularidades hormonais, aumentando as chances de gravidez”, disse ele.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Mas depois da cirurgia bariátrica é necessário que a mulher espere um período, de no mínimo um ano, antes de engravidar, já que antes disso o organismo ainda está em fase de adaptação à nova rotina nutricional. “O ideal seria que, antes da gravidez, fossem feitos todos os exames e avaliações, com liberação tanto do serviço de cirurgia bariátrica quanto do obstetra ou ginecologista”, aconselhou Ramos.

O excesso de peso na gravidez pode ocasionar diabetes gestacional, eclâmpsia, parto prematuro ou até mesmo aborto espontâneo. Além disso, engravidar acima do peso pode gerar os mesmos problemas para a criança, e ainda pode causar malformação fetal.

Segundo dados do Ministério da Saúde, pouco mais de 18% das brasileiras maiores de 18 anos são obesas, ou seja, tem o Índice de Massa Corpórea superior a 30.

Ramos ressalta que o objetivo principal da cirurgia bariátrica não é a perda de peso, e sim a melhora da saúde como um todo, com o controle de doenças como hipertensão, diabetes, colesterol e triglicérides altos, problemas ortopédicos e apneia do sono, entre outros.

“A cirurgia também melhora as condições para a gestação, mas não é uma solução mágica. As mulheres precisam se informar, falar com seu obstetra e estar cientes de que deverão seguir as recomendações médicas para que os benefícios da operação sejam reais. É necessário acompanhamento médico contínuo e uma mudança no estilo de vida, com dieta balanceada e uso de suplementos”, explicou.

Caso depois da cirurgia, a mulher engravide antes do período recomendado, ele salientou que, além de todos os exames de rotina de uma gestante, ela ainda deve ter acompanhamento nutricional durante a gestação e fazer exames de avaliação para checar se existe carência de algum nutriente, o que consequentemente prejudicaria a gravidez.

”Por isso, é preciso redobrar os cuidados nas relações sexuais. Após a cirurgia, a mulher deve procurar uma avaliação ginecológica adequada para definir qual método anticoncepcional seria mais indicado. O parceiro deve sempre usar preservativo, que serve de segurança extra até que novas medidas anticoncepcionais sejam definidas”, aconselhou Ramos.

Fonte: Agência Brasil

Crianças obesas têm risco quatro vezes maior de serem jovens obesos

crianca-obesa-zouzou-shutterstoUm estudo publicado no New England Journal of Medicine com mais de sete mil crianças dos Estados Unidos revelou que um terço das que estavam acima do peso adequado no jardim de infância eram obesas quando chegaram à oitava série. Além disso, uma criança que é obesa no jardim de infância tem risco quatro vezes maior de ser obesa na adolescência do que uma criança com peso normal. “A mensagem principal é que a obesidade se estabelece muito cedo na vida e continua na adolescência e na idade adulta”, afirma Ruth Loos, professora de medicina preventiva da Icahn School of Medicine, em Nova York, que não esteve envolvida com a pesquisa. O resultado surgiu a partir da análise de um estudo que acompanhou crianças dos 5 aos 14 anos. Segundo os autores do estudo, os dados podem ajudar a reformular iniciativas de combate à obesidade infantil e sugerem que os esforços devem começar mais cedo. Os resultados não explicam por que isso acontece. Predisposições genéticas e ambientes que estimulem as crianças a comerem mais são algumas das razões apontadas por especialistas.

 

[Folha de S. Paulo (SP)