Arquivo da tag: o

‘O amor une a homofobia, não’: MEL lança primeiro comercial com beijo gay da TV brasileira

homofobia-naoO Movimento do Espírito Lilás (MEL) em parceria com o Ministério Público do Trabalho inovou ao veicular o primeiro comercial com beijo gay da TV brasileira.

Intitulado de ‘o Amor Une, a Homofobia Não’, a nova campanha da ONG Mel foi lançada nesta sexta-feira, dia 16 de maio, em alusão ao Dia Internacional de Combate à Homofobia, que é comemorado no dia 17 de maio.

Reafirmando que o respeito à diversidade é dever de todos, independente de orientação sexual e da identidade de gênero, o movimento também apresenta a homofobia como um problema que acaba famílias, separa pessoas e destrói vidas.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

As inserções do vídeo ocorrerá em todos os canais da mídia televisiva paraibana.

Assista:

 

Paraiba.com com Assessoria

 

Uefa troca amistosos por ‘Liga dos Campeões de seleções’. E quem sai perdendo? O Brasil

esporte-futebol-amistosos-internacionais-espanha-italia-20140305-002-size-598O atacante Pedro comemora o gol da vitória da Espanha por 1 a 0 sobre a Itália, em amistoso disputado no estádio Vicente Calderón em Madri – Paul Hanna/Reuters

Com a criação do novo torneio europeu, a tendência é que a seleção brasileira faça cada vez menos jogos contra seleções de ponta, e dispute cada vez mais amistosos contra equipes inexpressivas.

O sucesso estrondoso da Liga dos Campeões e o interesse cada vez menor pelos amistosos entre seleções motivou o surgimento de uma nova competição na Europa: a Liga das Nações. O torneio tenta replicar a fórmula vitoriosa do torneio interclubes para o futebol entre seleções. A ideia é aproveitar as chamadas “datas Fifa”, quando o calendário de jogos entre clubes é suspenso para permitir amistosos entre os países, e ocupá-las com partidas oficiais e competitivas, tornando os compromissos entre seleções europeias mais atraentes e, principalmente, mais rentáveis. A proposta foi aprovada pelos 54 países integrantes da Uefa nesta quinta-feira, durante congresso da entidade em Astana, Casaquistão.

Saem perdendo as seleções fortes de fora da Europa, como Brasil, Argentina e Uruguai. Elas passarão a ter enorme dificuldade para marcar amistosos com os europeus, já que eles estarão envolvidos na disputa da Liga das Nações. Assim, a tendência é que a seleção brasileira faça cada vez menos jogos contra seleções de ponta, e dispute cada vez mais amistosos contra equipes inexpressivas (no histórico recente da equipe há encontros com Iraque, Zâmbia, Gabão, China, Honduras, Egito e Costa Rica). A seleção, porém, ainda terá mais alguns anos para medir forças com as gigantes da Europa – a Liga das Nações só começará a ser disputada no fim de 2018, depois da Copa do Mundo da Rússia.

A competição terá quatro divisões, com direito a sistema de acesso e rebaixamento. O formato ainda não está totalmente definido, mas a previsão é de que os doze times mais bem colocados no ranking da Uefa serão divididos em quatro grupos de três países. Os vencedores de cada chave avançarão à fase final do torneio, prevista para junho de 2019. As piores campanhas serão rebaixadas. Mesmo com a nova competição, as seleções ainda disputariam as Eliminatórias para a Eurocopa de 2020, mas a Liga das Nações já garantiria algumas vagas no principal torneio do continente. A Uefa planeja ainda incluir a Liga das Nações no programa das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, no Catar.

“Tomamos uma decisão muito importante”, disse o presidente da Uefa, o francês Michel Platini, ao discursar sobre a criação da liga. Ele deixou claro que os europeus não estão satisfeitos com o atual uso das datas Fifa. “Os amistosos realmente não interessam a ninguém – nem à audiência, nem aos jornalistas, nem aos jogadores.” O secretário-geral da Uefa, Gianni Infantino, disse que os clubes europeus, que constantemente reclamam da obrigação de ceder seus jogadores às seleções, também deverão ser beneficiados. “É uma boa notícia para eles, já que as equipes terão seus jogadores de volta mais cedo e não ficarão exaustos por causa de longas viagens internacionais”, defendeu o dirigente.

Veja

FENAJ realiza o I Encontro Nacional de Jornalistas pela Igualdade Racial

fenajMaceió será sede do I Encontro Nacional dos Jornalistas pela igualdade Racial (I Enjira). O evento, que deve reunir cerca de 100 participantes representando todos os estados do Brasil, é uma realização da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e do Sindicato dos Jornalistas de Alagoas (Sindjornal), como parte integrante da programação do 36º Congresso Nacional dos Jornalistas, que acontecerá no período de 2 a 6 de abril do próximo ano, no Centro de Convenções, em Jaraguá (http://36congressojornalistas.com/enjira/).
Com o tema “Os jornalistas e a construção da Igualdade Racial na Mídia”, o I Enjira tem como objetivo fomentar um diálogo sobre o tema etnia e raça e seus desafios na mídia brasileira, traçando encaminhamentos para a implementação de ações afirmativas voltadas à igualdade racial nos veículos de comunicação social e nas assessorias de imprensa das esferas privada e pública.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A realização do encontro é uma antiga aspiração dos coletivos de jornalistas que lutam contra o racismo e em defesa de ações afirmativas na mídia existentes nos sindicatos da categoria de vários estados, a exemplo do Núcleo de Jornalistas Afrobrasileiros do Rio Grande do Sul e das Comissões de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojiras) de São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Alagoas, Paraíba e Bahia. Por considerar a importância do tema, a Fenaj criou a Comissão Nacional de Jornalistas pela Igualdade Racial (Conajira).
Programação do I ENJIRA
02 DE ABRIL DE 2014 – Quarta feira
09h00 – Credenciamento
09h00 – Abertura
09h30 – Painel “Os jornalistas e a construção da igualdade racial na mídia”
– Cleidiana Ramos – Repórter especial no jornal A Tarde (BA) e premiada na categoria Mídia Impressa do Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento – 2013;
– Washington Andrade – Jornalista, diretor-geral do Portal Áfricas;
– Rosane Borges – Coordenadora do Centro Nacional de Informação e Referência da Cultura Negra.
11h00 – Debate
12h00 – Almoço
13h30 – Grupos de Trabalhos (GT’s)
15h30 – Plenária
17h00 – Encerramento
Fonte: premioabdiasnascimento