Arquivo da tag: mercado

Mercado de estética cresceu 567% em cinco anos

Especialista afirma que as pessoas buscam cada vez mais saúde e bem-estar, o que impulsiona o setor

Nos últimos cinco anos, o mercado de estética brasileiro cresceu 567%, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC). De acordo com o levantamento, o número de profissionais da área aumentou de 72 mil para mais de 480 mil.

“A correria do dia a dia faz com que as pessoas fiquem estressadas, e os cuidados estéticos promovem maior relaxamento, renovando o corpo e a mente. Além disso, cuidar de si eleva a autoestima e evita a depressão, bem como doenças emocionais. Por isso, as pessoas buscam cada vez mais esse tipo de serviço”, afirma a coordenadora do curso de Estética e Cosmética do Centro Universitário Internacional Uninter, professora Vera Lucia Pereira dos Santos.

Para 2019, as perspectivas de crescimento são de 1,5% a 2% em comparação a 2018, quando o setor movimentou R$ 47,5 bilhões. “É um mercado promissor, que existe desde antes da era cristã e que só cresce. A tendência é que continue ascendendo, com novas criações no mundo da cosmética e farmacêutica para a conservação da pele, aparência jovem e vida saudável. Para obter essa tríade, faz-se imprescindível as habilidades dos profissionais da estética”, explica.

Vantagens do cuidado com a aparência

A humanidade sempre buscou a ‘eternidade’. Como ela é inalcançável, criou-se a conservação do corpo. É o que explica a professora: “A valorização do corpo tem correlação direta com a automotivação, o que impulsiona o ser humano a agir com entusiasmo”.

Já no mundo contemporâneo, a boa aparência está relacionada ao sucesso profissional, pois as pessoas avaliam a expressão visual – seja ela das pessoas com as quais interagem ou dos espaços os quais frequentam. Por isso, o semblante e fisionomia são parte dos bens e serviços que o cliente adquire. “Um profissional com boa aparência cativa o cliente, torna a pessoa mais feliz e disposta a pagar o que lhe foi solicitado. Por meio da beleza, ele traz também uma sensação de segurança e bem-estar”, defende a professora.

 

Sobre o Grupo Uninter

O Grupo Uninter é o maior centro universitário do país, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e a única instituição de ensino a distância do Brasil recredenciada com nota máxima pelo Ministério da Educação (MEC). Sediado em Curitiba (PR), já formou mais de 500 mil alunos e, hoje, tem mais de 250 mil alunos ativos nos mais de 200 cursos ofertados entre graduação, pós-graduação, mestrado e extensão, nas modalidades presencial, semipresencial e a distância. Com centenas de polos de apoio presencial, estrategicamente localizados em todo o território brasileiro, mantém cinco campi no coração de Curitiba. São 2 mil funcionários trabalhando todos os dias para transformar a educação brasileira em realidade. Para saber mais acesse uninter.com.

 

 

Ao menos 12 animais são achados mortos em mercado de JP

Pelo menos 12 animais, entre cães e gatos, foram encontrados mortos no lixo do Mercado da Torre, em João Pessoa, na manhã deste sábado (3). A suspeita é que eles tenham sido envenenados. Um dos animais mortos é uma cadela que amamentava oito filhotes, agora abandonados no local.

Um vídeo com a denúncia foi compartilhado nas redes sociais pelo presidente da Comissão de Direito e Bem-estar Animal da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Francisco Garcia.

Além de denunciar a morte dos animais, ele também relatou sobre a precariedade do descarte do lixo no mercado. “É um crime ambiental duplo. Além da morte dos animais, a forma como o lixo é acondicionado aqui”, disse Garcia.

Moradores, ambulantes e comerciantes da área se uniram para salvar os filhotes que sobreviveram e registrar imagens do caso.

 

(Foto: Reprodução/Imagem compartilhada por Francisco Garcia)

portalcorreio

 

 

Novas áreas de atuação no mercado: como as universidades estão se preparando para isso

Para muitas pessoas, o Dia do Trabalho é uma data para ser lembrada uma vez ao ano, mas para nós que trabalhamos com educação e formação de profissionais, a preocupação com o tema ocorre ao longo dos 365 dias. Sempre estamos pensando em como proporcionar a melhor formação a todos aqueles que buscam um curso superior para se preparar para o mercado de trabalho atual e futuro.

Não há dúvidas de que a evolução das tecnologias digitais trará (e já está trazendo) grandes transformações ao mercado, aos empregos, aos negócios e à sociedade, principalmente para as profissões que possam ser impactadas por robótica, inteligência artificial e automação. É muito óbvio dizer que serviços de telemarketing serão substituídos por chat bots e que no lugar dos atendentes de fast food entrarão, por exemplo, os terminais de autoatendimento – como nos bancos.

Podemos afirmar que muitas profissões tradicionais serão fortemente impactadas pela tecnologia no futuro, como administração, jornalismo, direito, engenharia, medicina, entre outras. Ser impactado é diferente de ser extinto; eles serão diferentes de como são constituídos hoje, vão incorporar mais tecnologia, mais matemática e estatística, vão exigir maior capacidade de análise e interpretação de dados, maior uso de tecnologia aplicada aos processos e aos negócios. Não se trata de extinção, mas de regeneração – afinal de contas precisamos aprender ao longo da vida, para a vida e para sempre.

E não é apenas com a extinção e a adaptação de empregos e profissões que nos preocupamos, mas também com o surgimento de novas carreiras. Uma vez colocada à disposição da sociedade, a tecnologia não pode ser mais retirada (tomemos como base a própria internet para nos questionarmos: “será que ainda conseguimos viver sem internet?”). Podemos afirmar que conectividade, tecnologia, globalização, interação e novos serviços vão gerar novas rotinas de trabalho, mudando a lógica do emprego formal existente. Tudo deverá ser mais flexível, tanto empregos, quanto profissões.

Na primeira semana de abril/2019, o governo chinês apresentou um de seus novos programas estatais o “Made in China 2025”, que tem como objetivo colocar o país na liderança da indústria hi-tech mundial, criando 13 novas profissões: engenheiro de IA (Inteligência Artificial), engenheiro de IoT (internet das coisas), engenheiro de big data, engenheiro de computação na nuvem, gestor digital, técnico em modelagem para arquitetura, operador de e-sports, jogador de e-sports, piloto de drone, analista de dados em agricultura, instalador de IoT, operador de robô e manutenção de robô.

Na Escola Superior de Gestão, Comunicação e Negócios do Centro Universitário Internacional Uninter, elencamos um conjunto de tecnologias que vão impactar empregos e profissões nos próximos anos, entre elas: internet das coisas (IoT), big data, inteligência artificial (IA), impressão 3D, blockchain, criptomoedas, e-commerce, marketing digital, business intelligence (BI), realidade aumentada, redes sociais, omnichannel e segurança cibernética.

Esses avanços nos levaram à criação de mais de dez novos cursos superiores de tecnologia, com duração de dois anos cada um, que incorporam as tecnologias apresentadas acima. Os novos cursos são: Gestão de Startups e Empreendedorismo Digital, Negócios Digitais, Varejo Digital, Assessoria Executiva Digital, Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital, E-Commerce e Sistemas Logísticos, Gestão Global Trading: Negócios, Logística e Finanças Globais, Coaching e Desenvolvimento Humano, Gestão Empreendedora de Serviços e Gestão Estratégica Empresarial. Isso tudo sem falar em cursos de Gerontologia, Segurança Cibernética e Gestão de Organizações do Terceiro Setor.

Para o segundo semestre de 2019 ainda estão previstos os cursos de Bacharelado em Design Gráfico, Design de Interiores e Design de Produto, além de mais três cursos inovadores que envolvem o Design de Animação, o Design de Games e o Design Editorial, todos eles voltados às novas tendências e evoluções tecnológicas da atualidade, como a produção de produtos e materiais para o meio digital, textos, animações e jogos.

Autor: Elton Ivan Schneider é diretor da Escola Superior de Gestão, Comunicação e Negócios do Centro Universitário Internacional Uninter.

 

Assessoria de imprensa da Uninter

 

Mercado de trabalho para cuidadores de idosos cresce 547% nos últimos dez anos

Número de empregados passa de 5.263 em 2007 para 34.051 em 2017, sendo a ocupação que mais aumenta no País

O envelhecimento da população aliado à redução do tamanho das famílias brasileiras pode explicar o aumento no número de cuidadores de idosos na última década: a quantidade desse tipo de ocupação saltou de 5.263 em 2007 para 34.051 em 2017 representando um crescimento de 547% durante o período.

E não é para menos. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que, de 1940 a 2016, a expectativa de vida do brasileiro aumentou em mais de 30 anos, sendo hoje de 75,8 anos. “A procura por esse tipo de profissional está diretamente ligada a esse índice. Hoje, 15% da população brasileira é de idosos e, até 2030, a expectativa é chegar a 25%”, explica a professora do curso de Serviço Social do Centro Universitário Internacional Uninter, Denise de Almeida.

Regulamentação

O crescimento e a formalização desse mercado, no entanto, esbarram na falta de regulamentação e de capacitação adequada dos profissionais. Como a ocupação ainda não foi regulamentada como uma profissão, não há regras claras sobre a formação mínima que deveria ser exigida nem qual seria o conteúdo obrigatório dos cursos.

 

Um Projeto de Lei tramita na Câmara para criar e regulamentar a profissão de cuidador não só de idosos, mas de crianças e de pessoas com deficiência ou doença rara. Há também um Projeto de Lei do Senado Federal para determinar as atribuições de quem desempenha essa função.

“Observamos um grande número de profissionais da saúde, como técnico de enfermagem, por exemplo, que estão exercendo a função. Mas em alguns casos, ele não é especialista em cuidar de idosos ou não possui alguma formação na área de geriatria. Ainda há poucos cursos na área disponíveis no Brasil e a formação é considerada média”, avalia.

Diante desse cenário, os pré-requisitos e o perfil de quem atua como cuidador de idoso estão relacionados apenas na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO). De acordo com o texto, devem ser contratados maiores de idade, que fizeram cursos livres com duração entre 80 e 160 horas e que demonstrem empatia e paciência.

“O profissional deve dialogar com o paciente para estabelecer um vínculo e fazê-lo sentir-se parte de um grupo. Além disso, é importante conhecer a rotina da família e como todos se organizam diante da situação. Entre as principais atividades estão os cuidados com higiene, medicação e descarte de materiais, bem como cuidados com alimentação e ao risco de queda”, observa Denise.

Sobre o Grupo Uninter

O Grupo UNINTER é o maior centro universitário do país, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).  Sediado em Curitiba – PR, já formou mais de 500 mil alunos e, hoje, tem mais de 200 mil alunos ativos nos mais de 200 cursos ofertados entre graduação, pós-graduação, mestrado e extensão, nas modalidades presencial, semipresencial e a distância. Com mais de 700 polos de apoio presencial, estrategicamente localizados em todo o território brasileiro, mantém quatro campi no coração de Curitiba. São 2 mil funcionários trabalhando todos os dias para transformar a educação brasileira em realidade. Para saber mais acesse uninter.com.

Assessoria de imprensa da Uninter

 

Mais de 100 medicamentos deverão ser retirados do mercado, diz recomendação do MP-Procon

Mais de cem tipos de medicamentos de diversos laboratórios deverão ser recolhidos do mercado, de acordo com a recomendação que será expedida nesta terça-feira (4) pelo Programa de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério Público da Paraíba (MP-Procon/MPPB), Vigilâncias Sanitárias do Estado e do Município de João Pessoa, Conselhos Regionais de Medicina e Farmácia, Comissão de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PB) e Procons da Capital, Bayeux e Cabedelo. A recomendação conjunta será expedida às 9h, na sede do MP-Procon, localizada no Parque Solón de Lucena, em João Pessoa aos Sindicatos das Farmácias e Distribuidoras de Medicamentos.

De acordo com o 1° promotor de Justiça de Defesa do Consumidor da Capital e diretor do MP-Procon, Francisco Glauberto Bezerra, a recomendação diz que os estabelecimentos deverão fazer a logística reversa para viabilizar o recolhimento dos medicamentos que apresentaram problemas, nos últimos seis meses, de acordo com avaliação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “A primeira coisa que o consumidor que tiver qualquer um desses medicamentos deve fazer é suspender imediatamente o uso. Depois, ele deve voltar à farmácia onde fez a compra para devolver o produto e receber seu dinheiro de volta. Se houver qualquer dificuldade para fazer isso, a pessoa deve procurar os órgãos de defesa do consumidor”, orientou.

Ainda segundo o promotor de Justiça, a negativa do recolhimento por parte de farmácias e distribuidoras pode resultar em sanções que vão de multa à prisão. A lista completa com os 144 medicamentos, laboratórios, lotes e motivos para o recolhimento será divulgada amanhã.

Dossiê

Desde que foi criado, em 2015, o MP-Procon realiza um monitoramento das publicações da Anvisa no Diário Oficial da União sobre medicamentos com determinações de recolhimento. O trabalho faz parte do ‘Programa Permanente de Prevenção de Acidentes de Consumo’, desenvolvido pelo órgão ministerial paraibano e pela Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor de João Pessoa.

De acordo com os dados levantados pelo MPPB, em apenas dois anos, a Anvisa determinou o recolhimento de mais de 160 medicamentos do mercado por falta de qualidade. Na Capital, a Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor já instaurou 44 inquéritos civis públicos para investigar 42 laboratórios. “A comercialização de medicamentos fora dos padrões de qualidade expõe os consumidores a situações que colocam em risco a saúde, em decorrência da ingestão de produtos fora dos padrões sanitários”, alertou Glauberto.

Dentre as principais causas que ocasionam o recolhimento de medicamentos no Brasil estão o resultado insatisfatório nos ensaios de aspecto e descrição da amostra (27%); problemas na embalagem, como erros de impressão e trocas de informação (21%); resultado de inspeção sanitária insatisfatório (11%) e presença de corpo estranho no medicamento (10%).

Dos 44 inquéritos civis públicos instaurados pela Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor de João Pessoa, atualmente encontram-se ativos 37, investigando 35 laboratórios. Os demais foram arquivados, sendo que seis inquéritos foram arquivados em 2015, porque ficou constatado documentalmente que não houve a comercialização dos produtos objetos da determinação do recolhimento no Estado da Paraíba e um foi arquivado em 2016, porque a Anvisa revogou a suspensão do funcionamento da empresa Infan Indústria Química e Farmacêutica Nacional S.A..

Subnotificação e controle no pós-registro do medicamento

Um problema que preocupa o MP-Procon é a subnotificação dos medicamentos alvos de recolhimento, que pode estar sendo provocada por uma mudança na metodologia de comunicação por parte da Anvisa à Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça (Senacon/MJ). Em 2013, a Senacon recebeu informações sobre problemas na qualidade de 3,5 milhões de unidades de medicamentos; em 2015, foram comunicados problemas em apenas 45,6 mil unidades de medicamentos. A queda pode ser explicada porque apenas produtos com problemas considerados graves pela Anvisa passaram a ser comunicados. Para o MP-Procon, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária deve comunicar à Secretaria Nacional todos os problemas relacionados a medicamentos – não apenas os classificados como mais nocivos à saúde e segurança do consumidor – para que seja feita uma investigação.

Outro problema que preocupa os órgãos de defesa do consumidor está respaldado em um acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU) de 2016, onde o tribunal concluiu que a Anvisa não tinha o controle adequado sobre os medicamentos após o registro do produto feito pelos laboratórios. Na ocasião, o TCU recomendou ao órgão que apresentasse, no prazo de 90 dias, um plano de ação com providências para adequar o sistema para que haja um maior controle nesse sentido.

Imprensa MPPB 

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Governo agiliza exame de patentes e entrada de genéricos no mercado

genericosO exame de patentes de medicamentos e a chegada de novos genéricos ao mercado serão agilizados com a assinatura de acordo entre a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi). A avaliação é dos presidentes da Anvisa, Jarbas Barbosa, e do Inpi, Luiz Otávio Pimentel.

Hoje (12), no Palácio do Planalto, em Brasília, foi assinada uma portaria conjunta que põe fim ao impasse de 16 anos entre os dois órgãos na área de produtos e processos farmacêuticos. A medida envolve mais de 20 mil pedidos de patente.

Saúde Pública

Com a nova regra, a Anvisa fica responsável pela análise dos pedidos com foco no impacto à saúde pública, enquanto o Inpi será responsável pelos critérios de patenteabilidade.

De acordo com Barbosa, a medida ajudar a ampliar o lançamento de produtos genéricos por conta da análise mais rápida. Isso porque o impasse entre os órgãos fazia com que a patente ficasse vigente por prazo superior ao previsto de 10 anos.

Enquanto a patente está vigente, não é possível lançar medicamentos genéricos. “Dá previsibilidade e o tempo da patente só vai ser o previsto na lei, não vai ter essa extensão indevida”, disse.

Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Inadimplência no mercado de crédito fica estável em setembro

inadimplenciaA inadimplência média das operações de crédito no sistema financeiro ficou estável em 3,7% em setembro, mostrou o Banco Central (BC) nesta quarta-feira. Nas operações com pessoas físicas, o índice de calote subiu de 4,1% para 4,2% de agosto para setembro. Já no crédito a pessoas jurídicas, a inadimplência ficou estável em 3,3%.

Considerando as operações de pessoas físicas com recursos livres, a taxa de calote ficou estável em 6,2%, enquanto as empresas mantiveram nível de inadimplência de 5,5%. Assim, a inadimplência total com recursos livres ficou estável em 5,9%.

No crédito direcionado, a inadimplência total subiu de 1,5% para 1,6%. A inadimplência das pessoas físicas ficou em 2%, após marcar 1,8% em agosto, e das empresas permaneceu em 1,3%.

Os empréstimos com recursos livres são aqueles cujas taxas são definidas livremente entre os bancos e os tomadores em cada operação. Incluem, por exemplo, cheque especial, cartão de crédito e financiamento de veículos.

O crédito direcionado é composto por operações cujos juros ou cuja fonte de recursos são definidos pelo governo, como o financiamento habitacional e o crédito rural, por exemplo.

Juro

A taxa de juro média cobrada nas operações de crédito como um todo registrou alta de 0,1 ponto percentual em setembro, saindo de 32,9% ao ano em agosto para 33% um mês depois. Em 12 meses, o custo médio do dinheiro aumentou 3,7 pontos percentuais.

Em setembro, a baixa dos juros ficou concentrada no segmento de pessoas jurídicas, com recuo de 0,6 ponto porcentual, para 21,4% ao ano. No caso das famílias, as taxas avançaram 0,7 ponto porcentual, para 42,5% ao ano.

Concessões de crédito

O sistema financeiro concedeu em setembro 2,1% a menos em novos empréstimos e financiamentos em comparação a um mês antes, apontou o Banco Central (BC). O número leva em conta as concessões totais em cada mês. Considerando a média por dia útil, houve aumento de 7,2%, na comparação com agosto.

Houve alta nas concessões para empresas e redução nas operações com famílias. Na comparação dos volumes acumulados em cada mês, as concessões para clientes corporativos aumentaram 5%, somando R$ 122,6 bilhões em setembro.

Para as famílias, o sistema financeiro concedeu R$ 152,5 bilhões em novos empréstimos e financiamentos, 7,2% abaixo do que tinha concedido em agosto.

Sob o ponto de vista do tipo de recurso usado pelas instituições para fornecer o crédito, a concessão com recursos livres caiu 1,5% e com recursos direcionados recuou 7% no mês passado.

As concessões no crédito direcionado caíram 17,1% nas operações com pessoas físicas, enquanto foi registrada uma alta de 3,6% nas operações com empresas.

Quando são consideradas as concessões no crédito livre, o volume subiu 5,2% nas operações com empresas e diminuiu 6,2% nas operações com as famílias.

Estoque

O estoque total de crédito do país recuou 0,2% em setembro, para R$ 3,110 trilhões. Como proporção do Produto Interno Bruto (PIB) estimado pelo BC para 12 meses, o estoque de operações saiu de 51,2% em agosto para 50,8% um mês depois. Em 12 meses, o recuo do estoque de crédito está em 1,7%.

O saldo total do crédito livre caiu 0,2% em setembro sobre o mês anterior, totalizando R$ 1,547 trilhão. O crédito direcionado diminuiu 0,2% no período, para R$ 1,563 trilhão.

No crédito às famílias, o saldo total aumentou 0,1% entre agosto e setembro, chegando a R$ 1,541 trilhão. Para as empresas, a retração foi de 0,4%, com o montante somando R$ 1,569 trilhão.

Valor Econômico

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

49 medicamentos serão retirados do mercado paraibano recomenda o MPPB

medicamentosA Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa/PB) encaminhou orientação às Coordenadorias de Vigilância Sanitária de todos os municípios paraibanos para que cumpram recomendação do Programa de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério Público (MP-Procon) e promovam imediatamente a retirada do mercado de 49 medicamentos que estão com lotes comprometidos.

De acordo com a diretora-geral da Agevisa/PB, Glaciane Mendes, a recomendação do MP-Procon foi discutida em audiência conjunta do Ministério Público, Procons Estadual e Municipais de João Pessoa e Cabedelo, Agevisa/PB, Coordenadoria de Vigilância Sanitária de João Pessoa, Sindicato das Drogarias e Farmácias, representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PB) e dos Conselhos Regionais de Medicina e de Farmácia.

A retirada dos medicamentos, segundo o diretor-geral do MP-Procon, Glauberto Bezerra, na reunião em João Pessoa, faz parte do Programa de Prevenção de Acidente de Consumo, que atende às necessidades dos consumidores na proteção de seus interesses tanto econômico como em qualidade de vida. Na oportunidade, ele ressaltou que “em 16 meses a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) detectou 148 medicamentos com problemas de qualidade, que vão desde as embalagens trocadas até medicamentos de 10 ml com comprimidos de 20 ml, inclusive ampolas com corpo estranho dentro. “Até os medicamentos ‘Rivotril’ e o ‘Lexotan’ constam problemas em alguns lotes e devem ser retirados imediatamente das prateleiras”, enfatizou.

Na orientação encaminhada às Visas municipais, a diretora-geral da Agevisa/PB, Glaciane Mendes, ressaltou a determinação do Ministério Público de instaurar Inquérito Civil para apurar e adotar as providências cabíveis caso haja descumprimento da recomendação.

Secom-PB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Gasolina, etanol, diesel: entenda tudo sobre os combustíveis do mercado

Na hora de comprar um veículo, o tipo de combustível que ele utiliza deve ser levado em consideração. Mas qual a melhor opção? Vale mais a pena abastecer com álcool ou gasolina? O que os combustíveis aditivados oferecem? Saiba mais sobre as possibilidades do mercado.

Gasolina
• Comum: Chamada oficialmente de Tipo C, é derivada do petróleo e possui enxofre em sua composição. Assim, é a mais poluente. Normalmente não contém agentes detergentes e acaba acumulando detritos que danificam o motor e o sistema de combustão. Ela tem coloração amarelada, é a mais encontrada em postos de combustíveis, e tem 25% a 27% de etanol anidro em sua composição.

• Aditivada: A gasolina aditivada é o Tipo C com agentes detergentes. De coloração esverdeada, ela impede o acúmulo de detritos e até pode limpar o material que já foi depositado, mas não influencia na potência do carro. Caso queira mudar da comum para a aditivada, faça isso aos poucos, pois a mudança brusca pode entupir o filtro e prejudicar o motor.

• Premium: Mais cara de todas, a gasolina premium tem a maior octanagem do mercado e produz uma queima mais eficiente. Isso prolonga a vida de alguns componentes do motor e polui menos. Sua coloração é amarelada e ela possui 25% de etanol em sua composição. Caso queira utilizá-la, consulte o manual do veículo, pois ela é indicada para motores mais potentes.

dunlop_combustiveis (Foto: Divulgação Dunlop)

Etanol
• Comum: Feito principalmente com a fermentação da cana-de-açúcar, é vendido nos postos na forma hidratada, a fim de melhor lubrificar o motor. Para isso, ele deve ser límpido, transparente, isento de impurezas, com graduação alcoólica entre 95,1% e 96% e com PH neutro. Por ser produzido nacionalmente e a baixo custo, seu preço é menor que o da gasolina, exceto nos períodos de entressafra da cana-de-açúcar. Sua compra compensa quando o preço está 30% mais barato em relação à gasolina.

• Aditivado: Assim como a gasolina, o álcool aditivado tem adição de agentes que melhoram sua qualidade e lubrificação, estendendo a vida útil do motor. Além disso, seu rendimento aumenta cerca de 3% em relação ao álcool comum. Por consumir menos combustível na mesma distância rodada, ele pode ser mais viável economicamente do que o comum, que é mais barato.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Diesel
Derivado do petróleo, o Diesel é altamente tóxico e inflamável. Por isso, é utilizado em motores que possuem combustão interna como caminhões, ônibus, picapes com capacidade de carga superior a 1.000 kg e utilitários com tração 4×4 e reduzida. Sua versão limpa (S-10) tem menor concentração de enxofre e é menos poluente. Ainda assim, sua utilização em automóveis de passeio é proibida pelo governo desde 1976.

Gás Natural (GNV)
Sem aditivos ou variações, é o combustível mais puro, seguro (é considerado não-tóxico) e em conta. É econômico, pouco poluente e mantém a vida útil do motor por mais tempo. Ainda assim, os carros que utilizam GNV devem vir preparados de fábrica e precisam de certificação caso forem modificados, pois ele trabalha com uma pressão muito alta, o que pode ser um risco.

Com a frequente preocupação com o meio ambiente e o valor de produção de combustíveis derivados de fontes não renováveis, a busca por novas formas de alimentar o motor dos automóveis está cada vez mais acirrada. Carros movidos a energia elétrica e a hidrogênio já estão sendo produzidos e testados, a fim de diminuir a poluição e os custos.

 

 

G1

Homem é morto a facadas em mercado público, em Guarabira

jovem-assassinadoUm homem foi morto a golpes de faca na tarde deste sábado (29) no mercado público do peixe, no Centro de Guarabira. A vítima, identificada como Carlos dos Santos Souza, residia no bairro Mutirão. Os motivos do crime ainda são desconhecidos.

De acordo com o Centro de Operações da Polícia Militar (Copom), o suspeito de ter cometido o crime foi detido nas imediações do terminal rodoviário municipal. Na delegacia, Francisco de Assis, de 29 anos, revelou que mora em Sertãozinho, mas negou ter desferido as facadas. No entanto, testemunhas afirmaram que o homem, após o crime, jogou a faca em uma barraca. A vítima morreu no local.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

 

manchetepb