Arquivo da tag: Mentir

Mentir demais faz você se adaptar com a desonestidade

mentirosoSegundo estudos realizados, quando uma pessoa mente, são experimentadas várias sensações emocionais que fazem com ela se sinta mal.

Esses sentimentos podem ser medidas e são a base dos detectores de mentiras. Alguns pesquisadores demonstraram até que é possível derrubar com fármacos as barreiras fisiológicas contra a transgressão.

Um estudo realizado com estudantes de 1964, foi observado que quando tomavam um medicamento simpaticolítico, que bloqueia os sinais associados com o comportamento desonesto, tinham o dobro de probabilidade de enganar durante um exame do que aqueles que tomaram placebo.

Um grupo de pesquisadores da University College London comprovou que isso também ocorre com as sensações associadas a burlar as normas morais, um fenômeno que poderia explicar como se pode chegar a cometer atos desonestos graves a partir de outros que, a princípio, parecem irrelevantes.

Fonte: PavBlog

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

 

Mentir cor para fraudar cotas pode se tornar crime previsto no Código Penal

mentir-corConvidados de audiência pública nessa segunda-feira (14) na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) sugeriram a tipificação do crime de fraude no sistema de cotas.

Conforme afirmaram, têm aumentado os casos de pessoas brancas que se autodeclaram pretas ou pardas para tirarem proveito das cotas em concursos públicos, em disputas por bolsa de estudo ou em seleção para ingresso em universidades públicas.

— Temos que ter um tipo penal específico para essa questão, para servir de aviso àqueles que querem burlar o sistema de cotas. Precisamos estabelecer critérios rígidos para punir os que fraudarem esse projeto social — sugeriu Paulo Sergio Rangel, desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

O governo é omisso no enfrentamento do problema, na opinião de Frei David Santos, diretor executivo de Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes (Educafro). A entidade deve apresentar à CDH sugestão de projeto de lei para tornar mais rigorosa a punição dos infratores.

— Após registro [da sugestão] na comissão, eu avoco a relatoria, dou parecer favorável e o projeto começa a tramitar em nome da comissão — explicou o senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da CDH.

Frei David citou exemplos de fraudes verificadas em concursos do Itamaraty e da Polícia Federal, no Programa Universidade para Todos (ProUni) e no Programa de Financiamento Estudantil (Fies).

— O índice de fraudes é muito grande. De modo geral, as universidades e os organizadores de concurso público não estão levando a sério averiguação [da autodeclaração]. Precisamos que o governo crie mecanismos para punir os fraudadores e evitar novos casos — defendeu Frei David.

Conflitos

Conforme o diretor da Educafro, a Lei 12.990/2014 estabelece que 20% das vagas nos concursos públicos sejam para candidatos que se declararem pretos ou pardos no ato da inscrição. Não há, no entanto, previsão legal para comprovação da veracidade da declaração e os casos de contestação são cada vez mais frequentes, aumentando a pilha de processos no Judiciário e causando grande prejuízo aos candidatos.

O diplomata Jackson Lima defendeu a adoção de regras complementares à autodeclaração, como a apresentação de foto e a realização de entrevista para os quiserem se beneficiar da política de cotas.

— A verificação de autodeclaração não representa, em hipótese alguma, lesão de direitos — afirmou Lima.

Medidas de verificação também foram consideradas úteis para coibir fraudes na lei de cotas nas universidades públicas (Lei 12.711/2012), que combina critério racial e de renda. Representando a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Ronaldo Barros disse que o governo conseguiu reduzir desvios e ampliar o alcance dessa lei.

— Completamos três anos da Lei 12.711/2012 com 100% de implantação nas universidades e institutos federais e ampliação nas universidades estaduais. Só faltam 15 estaduais para que a gente feche o ciclo completo de implantação das políticas de ação afirmativa no ensino superior — disse.

Ele destacou a ajuda dos movimentos sociais no monitoramento da aplicação das cotas nas universidades públicas e disse que a participação de negros cresceu para 34% do total de estudantes nessas instituições.

Conforme afirmou Ronaldo Barros, o governo está atento à implantação à política de cotas no serviço público e tem tomando medidas para impedir o descumprimento da lei.

Fundo contra o racismo

Também participou do debate Mário Teodoro, consultor do Senado e integrante de grupo que realiza campanha para recolher assinaturas para apresentação de projeto de iniciativa popular para criação de fundo nacional de combate ao racismo.

Como explicou, o fundo foi retirado do Estatuto da Igualdade Racial por recomendação da equipe econômica do governo federal, à época da tramitação da matéria no Congresso.

Agora, um grupo formado por entidades de todo o país busca reunir 1,5 milhão de assinaturas para dar entrada ao projeto de lei que resgata o fundo, que deverá gerar R$ 2,4 bilhões de receita até 2020, para ações afirmativas para inclusão da população negra.

Na audiência pública, representantes do Educafro fizeram a entrega de 30 mil assinaturas em favor do projeto, totalizando 100 mil assinaturas em apoio à criação do fundo, como informou Mário Teodoro.

Agência Senado

 

Mentir é a pior solução para demitir funcionário; veja dicas para lidar com a situação

Um dos maiores desafios da vida profissional – ao menos para os chefes – é saber como demitir alguém. O que dizer nessa situação? Será que vale a pena mentir e dar a desculpa de que a empresa está passando por um corte de despesas, mas que a culpa não é do funcionário? Para os especialistas, a melhor alternativa é dizer a verdade. “Dita de forma ética e bem pensada, a verdade não magoa”, afirma Branca Barão, especialista em carreira e comportamento humano. “Isso ainda irá ajudá-lo a crescer e se tornar um profissional melhor em outra oportunidade de trabalho”.

Mentir é a pior solução para demitir um funcionário, pois ele sairá sem saber quais são seus pontos fracos. “O profissional não reconhecerá que precisa melhorar e poderá ser demitido novamente no futuro”, afirma Daniella Correa, consultora de RH da Catho Online. “E se o verdadeiro motivo da demissão for descoberto, o gestor pode perder a credibilidade com a equipe”. Além disso, a empresa pode passar a imagem de antiética aos demais funcionários, pois não tem a consideração e a coerência de dizer os motivos verdadeiros das demissões. E assim, o que era um caso isolado vira uma rotina de desculpas.

Também não se deve apelar para o outro extremo e dar lições de moral ou apontar todos os defeitos e erros cometidos. A situação já é demasiadamente delicada para proporcionar humilhações. “O funcionário deve sair sabendo o real motivo e levando um pacote de coisas que precisa melhorar ou adquirir”, afirma a psicóloga Miriam Barros, especialista em coaching. Deixar o funcionário ainda mais magoado faz do gestor um psicopata corporativo. (Para saber se seu colega ou chefe pode ser um psicopata, faça o teste.)

DEZ PASSOS PARA DEMITIR UM FUNCIONÁRIO

Antes da demissão:

1. Informe-se muito bem sobre o período em que a pessoa trabalhou na empresa e os resultados que apresentou -ou deixou de apresentar.

2. Se você tiver a missão de demitir um funcionário de outro gestor, descubra a relação que ele tinha com seu superior, quem era seu líder e quais os problemas que tiveram.

3. Se estiver demitindo um chefe de departamento, conheça mais sobre a relação dele com a equipe, seus pontos fortes e fracos, suas amizades.

4. Coloque-se no lugar do profissional. “Conheça o ser humano que será demitido. Saiba como é seu comportamento, seu estilo, suas expectativas com relação à empresa”, diz a especialista em carreira Branca Barão.

5. Agende uma reunião, de preferência, em uma sala reservada. “A conversa deve acontecer pessoalmente, nunca por e-mail ou telefone”, afirma Daniella Correa, consultora de RH da Catho Online.

No momento da demissão: 

6. Olhe nos olhos do funcionário, sorria, ofereça-lhe uma água ou um café. “Embora o ambiente não propicie uma situação confortável, use da boa vontade e faça o possível para que ele seja menos desagradável”, diz Branca Barão. “Procure gerar empatia”.

7. Seja direto. Longas preparações geram ansiedade e intensificam sensações ruins –que já são naturais nessa situação. “Encontre um equilíbrio entre não se mostrar totalmente frio e distante e nem envolvido demais”, afirma a psicóloga Miriam Barros.

8. Fale representando a empresa e não deixe a conversa ir para o pessoal. Diga em quais pontos o funcionário não atendeu às expectativas da organização. Mostre resultados não alcançados e as chances dadas. “Nesse momento, o profissional se sente injustiçado e esquece as tentativas que ocorreram para preservá-lo ali. Lembre-o que responsabilidade é de ambos, empresa e colaborador”, afirma Branca Barão.

9. Mostre-se aberto a questões e dúvidas e responda com o máximo de honestidade possível. Ressalte pontos fortes e reais e oriente-o sobre cursos complementares.

10. Ofereça ajuda no processo de recolocação e indique um caminho para enviar currículos.

Uol Notícias