Arquivo da tag: médicos

Síndrome do esgotamento profissional acomete 26% dos médicos no Brasil

Ronaldo Gismondi, Doutor em Medicina pela UERJ e médico conteudista da startup de saúde PEBMED, comenta pesquisa norte-americana que apurou o quanto Burnout e Depressão são cada vez mais comuns na classe médica

São Paulo, maio de 2019 – Altas demandas de trabalho, estresse, ansiedade, dificuldades para dormir e exaustão, são alguns dos sintomas de uma enfermidade que está cada vez mais presente na vida dos brasileiros: a síndrome de Burnout. Diagnosticada por meio de um esgotamento físico e mental, a doença acomete profissionais, em sua maioria com uma rotina muito intensa de trabalho. Entre professores, psicólogos, assistentes sociais e policiais, os mais afetados pela síndrome são os médicos.

De acordo com o mais recente relatório do Medscape sobre Burnout no Brasil, cerca de 26% dos médicos afirmam sofrer da doença e outros 11% relatam ter tanto burnout como depressão. O levantamento foi realizado de forma online e anônima com 1.838 profissionais de medicina, de 38 especialidades diferentes em 2018.

O efeito da síndrome na rotina de trabalho destes médicos é um ponto relevante e que levanta preocupação – uma vez que – são responsáveis pela tomada de decisão clínica em diagnósticos e circunstâncias complexas. A pesquisa aponta que 34% dos profissionais admitem ser menos cuidadosos com as anotações dos pacientes, já 33% afirmam ser menos engajados em escutar e responder de maneira atenta.

A pesquisa, entretanto, revela que 49% dos médicos entrevistados não procuram ajuda, por considerar que os sintomas não são suficientemente graves.

Dicas de como identificar e lidar com a síndrome

Por Ronaldo Gismondi, Doutor em Medicina pela UERJ e médico conteudista da startup de saúde PEBMED

  • Não deixe para lá: a pessoa começa a apresentar os sintomas, mas acredita que seja temporário, até que o esgotamento chega;

  • A exaustão emocional traz adversidades ao dia-a-dia: queda de produtividade e problemas com memória, além da perda de motivação e falta da sensação de “realização”;

  • Separe um tempo para ‘recarregar as baterias’: não será um tempo perdido, mas sim um investimento para que o seu rendimento melhore;

  • Mexa-se: procure atividades que você goste muito ou uma terapia profissional, isso ajuda a melhorar o estresse.

O médico ainda reforça que caso os sintomas permaneçam, o ideal é procurar ajuda profissional, pois pode ser necessário fazer uso de medicações até que o quadro se estabilize. O relatório registrou que dentre os motivos pelos quais o número de casos de Burnout aumentou, estão: baixa remuneração, carga horária excessiva e desrespeito por parte de chefes e empregados.

Sobre a PEBMED
Startup carioca lançada em 2012, por três médicos da Universidade Federal Fluminense, criadores do Whitebook, um aplicativo de compartilhamento de informações que auxilia médicos e estudantes de medicina na tomada de decisão clínica. O objetivo é reunir dados, diagnósticos e diretrizes atualizadas em 7 mil conteúdos de 28 especialidades diferentes. O aplicativo já contabiliza mais de 370 mil usuários e 1 em cada 4 médicos e estudantes acessam. Atualmente, o app está presente em mais de duas mil cidades em todo o Brasil e alcança cerca de 160 mil pessoas ativas por dia.

 

Assessoria PEBMED

 

 

Criança morre e médicos suspeitam de abuso sexual

Uma menina de um ano e dois meses, moradora da cidade de Lagoa Seca, Agreste da Paraíba, portadora de Síndrome de Down e cardiopata, morreu nessa quinta-feira (9), às 18h30, após dar entrada no Hospital da Criança e do Adolescente de Campina Grande.

Os médicos, após exames, suspeitaram que ela teria sido abusada sexualmente, por identificar uma dilatação anormal nas partes íntimas da criança. O conselho tutelar de Lagoa Seca disse que se mantém atento ao caso e à suspeita de maus tratos contra a irmã da criança, uma menina de sete anos.

Após a suspeita, a mãe da criança, de 44 anos, registou um boletim de ocorrência, sobre um possível abuso sexual e solicitando o encaminhamento para o Núcleo de Medicina e Odontologia Legal de Campina Grande (Numol) para exames. O material foi encaminhado para o laboratório forense e o resultado só estará pronto após 30 dias.

O conselho tutelar pediu cautela até que a investigação seja concluída, mas chamou atenção para a segurança da irmã da criança, que tem sete anos. A criança mais velha pode estar passando por negligências e violências psicológicas.

“O que chega aqui é sigiloso, mas já tínhamos começado um acompanhamento a essa família”, afirma o conselho tutelar da cidade. “Não se sabe ainda se existe esse abusador ou não”, conclui.

O delegado da Polícia Civil de Lagoa Seca, Cícero Pereira, ainda está tomando informações sobre o caso. “Vamos saber alguma coisa quando iniciarmos o procedimento, imediatamente”, explicou.

*Com informações de Sandra Macedo, da Rede Correio Sat

Dezessete cidades da PB vão receber profissionais do ‘Mais Médicos’

Foto: divulgação

Os médicos formados em instituição de educação superior brasileira ou com diploma revalidado no Brasil têm até esta terça-feira (12) para escolher os municípios onde desejam atuar pelo programa Mais Médicos. Os profissionais que quiserem atuar na Paraíba podem escolher uma das 17 cidades que receberão médicos do programa.

Ao todo, 8.042 profissionais tiveram a inscrição validada e poderão disputar entre as 983 vagas em 512 municípios e 1 Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) disponíveis no atual edital. “É um compromisso fortalecer a participação dos brasileiros no Mais Médicos. A reposição vai garantir a continuidade do atendimento prestado aos mais de 63 milhões de brasileiros beneficiados com esta ação”, ressalta o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Os candidatos inscritos e que selecionarem as opções de municípios devem aguardar, no próximo dia 15, a publicação do resultado preliminar da alocação, de acordo com o cronograma disponível no site do Mais Médicos. A previsão é que os profissionais iniciem as atividades no dia 8 de janeiro.

O Ministério da Saúde tem lançado editais periódicos para repor e substituir médicos da cooperação com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) por profissionais brasileiros. Além disso, também estão sendo repostas vagas oriundas de desistências e de encerramento de contrato. Ampliar a participação de médicos brasileiros no programa é um compromisso da gestão do ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Municípios

Os municípios tiveram até o dia 1º deste mês para indicar o quantitativo de vagas disponíveis. Entre os 983 postos ofertados, a região Nordeste possui a maior quantidade, com 341 oportunidades, seguido do Sudeste (253), Sul (167), Norte (125) e Centro-Oeste (97). Entre os dias 3 e 5 de janeiro está previsto o período de validação dos médicos pelo gestor municipal no Sistema de Gerenciamento de Programas (SGP).

O programa

Criado em 2013, o Programa Mais Médicos ampliou à assistência na Atenção Básica fixando médicos nas regiões com carência de profissionais. O programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI), levando assistência para cerca de 63 milhões de brasileiros. Do total de médicos participantes, 47,1% são profissionais da cooperação com a OPAS, 45,6% brasileiros formados no Brasil ou no exterior e 4,16% são intercambistas estrangeiros.

Confira quais cidades paraibanas receberão o Mais Médicos em 2018:

– Aroeiras
– Alagoa Grande
– Baía da Traição
– Conde
– Curral De Cima
– Gurinhém
– João Pessoa
– Juazeirinho
– Lagoa De Dentro
– Marizópolis
– Picuí
– Pilões
– Pocinhos
– Santa Rita
– São José da Lagoa Tapada
– Tavares
– Triunfo

Portal Correio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

MPF investiga 175 médicos em João Pessoa por acúmulo de cargos e outras irregularidades

(Foto: Francisco França/Jornal da Paraíba)

O Ministério Público Federal na Paraíba (MPF-PB) instaurou inquéritos civis para investigar o acúmulo irregular de cargos ou cargas horárias que excedem 60 horas semanais por parte de 175 médicos que têm vínculo, pelo menos, com a Maternidade Cândida Vargas, em João Pessoa.

Segundo o procurador da República Rodolfo Alves Silva, o primeiro inquérito foi instaurado em agosto de 2016 para verificar se havia acúmulo de cargos dos profissionais de saúde da Cândida Vargas. Após consulta ao Cadastro nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), foram constatadas irregularidades nos vínculos ou cargas horárias de 175 médicos, todos vinculados ao mesmo hospital.

Segundo o procurador, a Constituição Federal permite que o médico acumule até dois cargos em unidades que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS), desde que haja compatibilidade de horário. Além disso, o Superior Tribunal de Justiça [STJ] determinou que, nessas hipóteses, a carga horária máxima semanal seja de 60 horas.

“Com a consulta, identificou-se, em dados brutos, que existia, dentre esses 175 profissionais, vários com mais de dois vínculos, com carga horária inferior ou superior a 60 horas semanais, e outro grupo que tem vínculos limitados a dois órgãos, mas que tem carga horária superior a 60 horas semanais. Por isso, foram instaurados vários procedimentos para investigar cada situação”, explicou.

Rodolfo Alves informou que foram solicitadas posicionamentos dos médicos e dos estabelecimentos envolvidos. “Tudo ainda vai ser avaliado. Foi identificada a situação, mas pode ser erro do sistema, por exemplo. Pode ser que o profissional não esteja mais trabalhando e a instituição não tenha feito o desligamento do sistema”, comentou.

Sendo comprovada a irregularidade, os médicos vão ter que optar por diminuir a carga horária ou se desvincular a uma unidade de saúde, dependendo de qual foi o problema identificado. Caso seja verificado que o profissional recebeu sem trabalhar, em casos de incompatibilidade de horários, por exemplo, o médico pode ser enquadrado no crime de improbidade administrativa.

A Secretaria Municipal de Saúde informou ao G1 que, até o momento, não foi notificada pelo Ministério Público Federal (MPF) sobre o inquérito. “Desta forma não temos um posicionamento sobre a questão”, diz a nota.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Paraíba terá quase 400 profissionais atuando no programa mais médicos

medicoA partir de fevereiro, a Paraíba vai contar com 387 médicos distribuídos em 155 municípios no Programa Mais Médicos. Destes profissionais, 228 são brasileiros e 159 estrangeiros. O Estado já contava com 350 médicos atuando nos postos de saúde e agora ganha mais 37 profissionais, distribuídos em 31 municípios, dentro do programa do Governo Federal.

Segundo a coordenadora da comissão estadual do programa, Rosiani Videres, o interesse dos médicos brasileiros no Mais Médicos tem aumentado. “Os médicos brasileiros estão de fato bastante interessados e acreditam no programa. A prova é que 99% das vagas deste último edital serão ocupadas por eles, além disso, nos últimos editais também foi grande o índice de brasileiros”, disse.

Lançado em 2013 pelo Governo Federal, o Mais Médicos faz parte de um amplo pacto de melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), com objetivo de acelerar os investimentos em infraestrutura nos hospitais e unidades de saúde e ampliar o número de médicos nas regiões carentes do país. De acordo com Rosiani, desde a implantação do programa na Paraíba, os médicos vêm suprindo as carências de atendimento à população, imprimindo um modelo de atenção que acolhe e cuida da população, oferecendo atenção integral para as famílias.

“Vários fatores contribuem para que o Programa Mais Médicos seja de grande importância para a população. Os médicos têm suprido as carências de atendimento, se fixando nos municípios, especialmente na regiões mais afastadas da capital. Além disso, vem ampliando e qualificando a formação dos médicos, promovendo melhorias na qualidade da infraestrutura das Unidades Básicas de Saúde (UBS), por meio do Programa Requalifica”, concluiu Rosiani Videres.

 Correio da Paraíba com assessoria

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Araruna e Cacimba de Dentro recebem médicos cubanos do programa Mais Médicos

cubanosTrinta e quatro profissionais do Programa Mais Médicos chegaram ao Aeroporto Castro Pinto, em Bayeux, nessa quinta-feira (15). Eles vieram no avião da Força Aérea Brasileira (FAB) e foram recepcionados por representantes da Secretaria de Estado da Saúde, por meio da coordenadora da Comissão Estadual do Programa, Rosiani Videres, além dos gestores de saúde dos municípios onde trabalharão nas Unidades de Saúde da Família (USF) durante três anos.

“Estes médicos estão vindo para repor os profissionais que retornaram a Cuba, após terem trabalhado nos municípios paraibanos, durante três anos, tempo previsto no contrato”, explicou Rosiani.

A médica Eliete Sanchez vai trabalhar em Araruna. “Estou muito feliz com a possibilidade de sair do meu país para ajudar pessoas de outros lugares e vou fazer isso oferecendo o meu melhor”, falou.

O secretário de Saúde de Mogeiro, Jammes Araújo, foi recepcionar outra profissional que vai trabalhar no seu município. Disse que a experiência com os médicos cubanos significa um divisor de águas na Atenção Básica.

“Eles têm um atendimento diferenciado por entenderem mais de Atenção Básica. Com isso, criam vínculo com a comunidade e oferecem um atendimento humanizado. No pré-natal, por exemplo, fazem questão de participar junto aos enfermeiros. O resultado é que, mesmo falando línguas diferentes, a comunicação ocorre de forma bastante afetiva e o que é melhor, influencia a conduta do médico brasileiro”, observou.

Os municípios que receberam os 34 médicos são: Água Branca, Aguiar, Alagoinha, Araruna, Aroeiras, Assunção, Baraúna, Boa Ventura, Cacimba de Dentro, Carrapateira, Congo, Cubati, Frei Martinho, Igaracy, Juru, Mogeiro, Monteiro, Nova Olinda, Olho D’Água, Pedra Lavrada, Piancó, Picuí, Pirpirituba, Poço Dantas, Pombal, Santa Cecília, Santana de Mangueira, São Bento, São José de Princesa, São Sebastião de Umbuzeiro, Seridó, Sossego, Taperoá e Umbuzeiro.

Secom PB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Médicos dizem que Neto, da Chape, poderá voltar a jogar, conta pai

netoO pai do zagueiro Neto postou uma mensagem de otimismo a seus amigos na madrugada desta sexta-feira (02). Segundo ele, o jogador passou por uma cirurgia na perna e os médicos disseram que ele poderá até voltar a jogar futebol.

“Venho informar com muita satisfação e felicidade que meu filho está cada vez melhor”, escreveu Helam Marinho Zampier no Facebook. “Acaba de fazer cirurgia na perna e médicos afirmam que voltará ao futebol. Agradeço as orações e continuemos com elas pois ainda precisamos de confirmações e alta para poder vê-lo de perto. E tenho que dominar minha ansiedade que é muita.”

Trata-se de uma evolução na situação do zagueiro, um dos seis sobreviventes do acidente com a delegação da Chapecoense. Neto já tinha passado por cirurgias para drenar o sangue e ajudar a expandir os pulmões. A última atualização de seu estado de saúde dava conta de uma melhora na condição respiratória.

Além dele, o jornalista Rafael Henzel, da rádio Oeste Capital de Chapecó, já tinha apresentado melhora nas últimas 12 horas. Apesar do estado de ambos ainda inspirar cuidados, eles estavam estáveis.

Também permanecem internados o goleiro Jackson Follmann e o lateral Alan Ruschell.
Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

PB terá 13 vagas para profissionais do ‘Mais Médicos’ em novo edital do governo

maismedicosO Ministério da Saúde lança, nesta sexta-feira (11), edital para contratação de brasileiros no programa Mais Médicos. Na Paraíba, serão ofertadas 13 vagas, a serem distribuídas nos municípios de Alagoinha, Aroeiras, Baía da Traição, Belém, Bonito de Santa Fé, Itapororoca, Juazeirinho, Mamanguape, Picuí, Santana dos Garrotes e Sumé.

As inscrições serão realizadas entre 20 de novembro e 23 de dezembro, e as vagas que não forem preenchidas por médicos brasileiros com atuação no país serão ofertadas aos brasileiros formados em qualquer país. Uma novidade deste edital é que o médico terá 15 dias para permutar sua vaga com outro profissional selecionado. Com isso, os candidatos terão mais uma chance de o médico garantir atuação onde deseja entre as cinco opções que podem fazer. A cada três meses, um edital trará novas vagas.

Nesse primeiro edital, as oportunidades estão, em sua maioria, localizadas em capitais, regiões metropolitanas e em municípios com mais de 250 mil habitantes, considerados com alto poder de atração para os médicos brasileiros. Das 1.004 vagas abertas em todo Brasil, cerca de 40% estão localizadas no Nordeste (404). O Sudeste é segunda região com maior oferta – 331 vagas, 33% do total. Já as regiões Centro-Oeste, Norte e Sul, ofertam respectivamente, 75, 79 e 115 oportunidades.

A meta do governo federal é chegar a 4 mil substituições de médicos cooperados por brasileiros em três anos, reduzindo de 11,4 mil para 7,4 mil participantes cubanos. Para isso, o Ministério da Saúde quer atrair os brasileiros ofertando vagas em locais que estão entre as opões mais escolhidas por esses candidatos nas últimas seleções e que, atualmente, são ocupadas por cubanos do 1° e 2° ciclos do Programa.

portalcorreio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Aplicativo é criado para denunciar ausência de médicos nos PSFs

aplicativoA convocação dos Ministérios Públicos Federal e Estadual da Paraíba para que a população denuncie os médicos que não estiverem cumprindo à risca o horário de expediente nos Postos de Saúde da Família (PSFs) ganhará, em breve, um forte aliado. Um aplicativo para celular será criado para facilitar o contato dos cidadãos com os órgãos fiscalizadores e, assim, agilizar as denúncias que porventura forem formalizadas. MPF e MPPB querem a instalação de pontos eletrônicos nesses locais de trabalho para monitorar o horário dos profissionais. O Sindicato dos Médicos não contesta a medida, mas entende que há outros problemas mais urgentes a serem solucionados.

A ideia do aplicativo, de acordo com o procurador Regional dos Direitos do Cidadão José Godoy Bezerra de Sousa, é fazer com que o cidadão encontre mais facilidade para denunciar a ausência de médicos nos PSFs de suas comunidades. “Ainda não temos uma data de quando será feito. Está sendo trabalhado. Nós estamos utilizando a estrutura do Ministério Público Estadual, que tem um trabalho belíssimo nessa área através do Gaeco e da sua área de informática. E a nossa idéia é de fazer uma parceria nesse sentido. É algo que está sendo pensando e planejado”, revelou o procurador.

José Godoy reafirmou que a preocupação dos órgãos fiscalizadores é manter o funcionamento na área da Atenção Básica de Saúde. “Nós temos que entender que a Atenção Básica é a base da saúde. Ela é a base para não termos hospitais super lotados e ela é a porta de entrada para os demais níveis de saúde como os hospitais, os exames e tudo mais. Então a busca para que ela funcione cada vez melhor é uma busca para uma saúde melhor. Sem ela funcionar adequadamente dificilmente teremos uma saúde de qualidade”, explicou.

Sindicato quer debater outros temas

O secretário geral do Sindicato dos Médicos da Paraíba, Tarcísio Campos, informou que o órgão solicitou uma reunião com o MPF para debater a recomendação sobre a implantação do ponto eletrônico nos PSFs.  A categoria, segundo ele, não contesta o ponto mas quer debater outros problemas considerados urgentes, como por exemplo, o atraso nos salários de alguns profissionais.

“Em Santa Rita, os médicos estão sem receber os salários há dois meses. Em Bayeux, o atraso é constante e as prefeituras não estão pagando o Pmac (pagamento por desempenho). Então temos que debater todos esses assuntos”, declarou.

Tarcísio Campos afirmou que a categoria não tem nada contra o cumprimento da carga horária de 40 horas semanais desde que os profissionais possam se aposentar com o valor recebido enquanto estão na ativa. Ele também questionou o porquê da exigência da carga horária  e monitoramento apenas para as classe médica.

“É dever de todos os servidores públicos dos três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) e que ocupam todos os cargos cumprirem sua carga horária. Já que está tendo essa cobrança para com os médicos que se estenda para os demais servidores públicos de todas as esferas”, sugeriu Tarcísio Campos .

Médicos não cumprem carga horária

Tarcísio Campos reconheceu que os médicos dos PSFs do interior do Estado, principalmente, não cumprem a carga horária de 40 horas semanais.  “Para que isso aconteça é preciso que os prefeitos façam concurso público e paguem um salário que seja incorporado na aposentadoria”, finalizou.

correiodaparaiba

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Salários do Mais Médicos serão de R$ 11,5 mil a partir de janeiro de 2017

maismedicosPortaria do Ministério da Saúde e do Ministério da Educação publicada nesta segunda (26) no Diário Oficial da União reajusta de R$ 10.570 para R$ 11.520 o salário de profissionais do Programa Mais Médicos. O novo valor mensal da chamada bolsa-formação já considera a contribuição previdenciária e passa a valer a partir de janeiro de 2017.

“O valor da bolsa-formação será revisto anualmente, tendo como referência o mês de junho do exercício financeiro em curso, mediante indexação pelo incremento da inflação no Brasil nos 12 meses anteriores à data de cálculo da revisão, com efeitos financeiros a partir de janeiro do ano subsequente”, informou a publicação.

Programa

O Mais Médicos foi criado pelo governo federal com o objetivo de melhorar o atendimento a usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Além de levar mais médicos para regiões onde há escassez ou ausência desses profissionais, a iniciativa prevê mais investimentos para construção, reforma e ampliação de unidades básicas de saúde, além da criação de novas vagas de graduação e residência médica para qualificar a formação desses.

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br