Arquivo da tag: maternidade

Bebê abandonada em maternidade foi adotada por casal de Guarabira

Um casal da cidade de Guarabira adotou a recém-nascida abandonada pela mãe depois do parto no Hospital Regional de Guarabira. A menina foi adota há pouco mais de 30 dias, respeitando-se a fila da adoção, de acordo com a Vara da Infância e Juventude da Comarca de Guarabira.

Uma jovem, identificada por Juliana Fernandes da Paz, de 23 anos, moradora da cidade de Araçagi, ganhou neném em parto normal no dia 7 de maio passado, no Hospital Regional de Guarabira, e fugiu dois dias depois pela janela do banheiro da enfermaria.

Uma funcionária da limpeza contou que teve de pedir ajuda para arrombar a porta, que foi fechada pela mãe. Ela teria usado um balde grande, cheio de roupas, para escalar a parede até chegar à janela, por onde conseguiu fugir.

A direção da unidade hospitalar acionou o Conselho Tutelar para que fossem adotadas as medidas. A criança permaneceu no hospital sob os cuidados da equipe de enfermagem e pediatria até ser transferida para uma casa de acolhimento da cidade (Comunidade Talita), onde ficou até que a Justiça definisse seu destino.

Preenchidos os critérios para adoção definidos em lei, o juízo sacramentou a adoção para o casal, que não teve a identidade nem endereço revelados, para garantir o sigilo e a segurança do casal e da criança.

Quando o caso foi levado a conhecimento público e amplamente divulgado pela imprensa, muitos foram os casais que apresentaram para adotar a criança, mas somente os que já estavam na fila de espera é que tiveram as condições avaliadas pela Justiça.

Quem pode adotar e como?

Qualquer pessoa maior de 18 anos, independente do estado civil, credo religioso, orientação sexual ou aspectos econômicos pode adotar. No entanto, o pretendente deve ser, pelo menos, 16 anos mais velho que o adotando e estar disposto a oferecer um ambiente familiar adequado para o desenvolvimento da criança ou adolescente.

Uma das modalidades legalizadas de adoção ocorre por meio do Cadastro Nacional de Adoção (CNA), quando uma equipe da Vara da Infância e Juventude cruza as informações no sistema e encaminha a criança ou adolescente para a pessoa ou casal que se encontra na fila de pretendentes.

Já nos casos em que um dos cônjuges ou companheiro decide adotar o filho do outro, acontece a chamada adoção unilateral, na qual mantém-se a relação de filiação do adotado com o pai ou a mãe, incluindo, apenas, a nova relação de parentesco.

Além disso, em algumas situações, também é permitido que a mãe biológica entregue diretamente seu filho a alguém. As situações específicas envolvem adoção unilateral; adoção em família, desde que haja afetividade ou afinidade; ou casos em que o adotante for tutor ou guardião legal de criança maior de três anos de idade.

 

portal25horas

 

 

Mulher descobre gravidez de gêmeos na hora do parto em Maternidade de Mamanguape

Um fato inusitado no Hospital Geral de Mamanguape, localizado no Litoral Norte da Paraíba, aconteceu na semana passada, mas só foi divulgado nesta segunda-feira (1). A dona de casa Ana Daniele de Souza, 31 anos, deu entrada na maternidade da unidade saúde na manhã da quinta-feira (27) já em trabalho de parto e, logo após o nascimento da criança, uma menina a quem os pais chamaram de Rebeca, o pequeno Isaac veio ao mundo, surpreendendo a todos, pois a família não fazia ideia de que se tratava de uma gestação gemelar. As crianças nasceram de parto normal, e devem receber alta nos próximos dias.

Como a família não sabia da existência do outro bebê, assim que nasceu, Isaac foi inserido na lista de beneficiados do projeto de humanização Beija-Flor, desenvolvido na unidade hospitalar. Assim, alguns minutos depois, foi providenciado um kit com o material que o pequeno necessitava neste primeiro momento.

Ainda surpresa com a novidade, a mãe Ana Daniele, moradora da Baía da Traição, conta que está bastante feliz por saber que os filhos mais novos estão bem. “Vim para Mamanguape acreditando que teria o quinto filho, uma menina. Foi um susto para mim e para meu marido saber que levaríamos mais uma criança para casa. Os médicos e enfermeiros estão nos ajudando, inclusive com doações para o nosso pequeno, pois só tínhamos roupinhas e enxoval para uma criança, mas, apesar da surpresa, somos gratos por esse presente”, contou a mãe dos gêmeos.

 

clickpb

 

 

 

Maternidade nas redes sociais: conteúdos podem gerar comparação e frustração

Em tempos de redes sociais, compartilhar parte da rotina virou algo normal para muitos e até profissão para alguns, que passam a ser reconhecidos como influenciadores. Na infinita gama de assuntos apresentados nas plataformas está a maternidade dita como real. De acordo com a psicóloga do Hospital Edmundo Vasconcelos, Marina Arnoni Balieiro, esta exposição nem sempre é benéfica a quem assiste ao conteúdo.

A especialista explica que apesar de apresentarem a temática como uma realidade, há uma escolha no que compartilhar, e neste recorte, é possível que frustrações sejam despertadas nas mães que assistem a esses conteúdos. “É muito difícil basear sua realidade nas redes sociais. Nestes espaços são compartilhados o que priorizam como importante, e por isso, gera uma comparação entre as mães que consomem esse conteúdo, entendendo que a sua vida é pior”, complementa.

Neste cenário, a diferença de educação e possíveis falhas não devem ser vistas como pontos negativos. Marina ressalta que a relação entre pais e filhos não tem uma fórmula e depende da personalidade e estrutura familiar. “Cada um vai ter uma forma de lidar com os filhos, e nesta relação, assim como qualquer outra, a falha é inerente, e isso não torna a maternidade pior, ou melhor”, reforça.

Assim como a falha, a ausência é outro assunto tratado nas redes, mas que não é totalmente prejudicial no processo de educação. Neste quesito, a psicóloga esclarece que às vezes é na falta que é possível ensinar e aprender. A partir disso a criança é estimulada a ter independência e compreender o espaço dos pais.

“Claro que quando ainda são pequenos dependem mais dos adultos, mas ensinar sobre essa ausência ajuda na rotina pessoal, e compreender que ter tempo pra si é indispensável para a saúde e para a relação com os filhos, pois é possível aproveitar o tempo juntos com mais entrega”, conclui.

HOSPITAL EDMUNDO VASCONCELOS

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Hospital Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 1.000 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 230 mil consultas ambulatoriais, 145 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,45 milhão de exames por ano. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o primeiro lugar no Prêmio Melhores Empresas para Trabalhar na categoria Saúde – Hospitais, conquistado por dois anos consecutivos, 2017 e 2018.

 

 

PEC que amplia licença-maternidade é aprovada

O Conselho de Constituição e Justiça aprovou, nesta terça- feira(15), a admissibilidade da proposta do deputado federal Efraim Filho(DEM) que amplia a licença-maternidade para gestante ou mãe adotiva de mais de uma criança.

De acordo com o texto, a atual licença de 120 dias terá um acréscimo de 30 dias a partir do nascimento ou adoção do segundo filho. A medida beneficia, por exemplo, as mães de gêmeos, trigêmeos e múltiplos.

Na avaliação do parlamentar, a ausência desta previsão legal prejudica a qualidade de vida da mãe e dos filhos, sobretudo nos casos em que a criança necessita de cuidados especiais.

“Em 55,5% das gestações de múltiplos, os bebês nascem antes de 36 semanas de gestação. Com isso, aumenta-se o risco de terem pulmões subdesenvolvidos e maior risco de problemas no desenvolvimento cerebral e neurológico”, explicou.

Segundo o deputado, a PEC foi inspirada na proposta apresentada pela estudante Cinthya Pâmella Casado Paulo, que,na época, representava a Escola Professor Lordão (PB), durante o Programa Parlamento Jovem Brasileiro, em 2015. Atualmente,ela faz o curso de Direito, em João Pessoa.

Com a aprovação pela admissibilidade na CCJ,  será criada uma comissão especial para apreciação e aprovada em comissão. Ela será votada em dois turnos pelo Plenário.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Mulheres são presas na maternidade Frei Damião acusadas de tentar roubar bebê

maternidade-frei-damiaoDuas mulheres foram detidas na manhã desta terça-feira (15) na maternidade Frei Damião acusadas de tentar roubar um bebê. À polícia, uma delas contou que a outra não podia ter filhos e que elas teriam ido procurar uma mãe para doar a criança.

Uma das mulheres, Lidiane Nascimento, afirmou que conheceu a outra, Damiana Vilma de Sousa Andrade, na tarde de ontem quando ela pediu ajuda para adotar uma criança, pois não podia ter filhos e resolveu ajudar.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Na versão das acusadas, elas teriam ido até a maternidade a Lidiane afirmou ter conversado com a assistente social para consultar as mães e ver se alguma queria doar a criança, porém a polícia contesta esta versão afirmando que a conversa com a assistente social foi na verdade uma distração para que a outra mulher pudesse entrar na área que estavam as crianças e sequestrar uma delas.

A outra mulher teria oferecido R$ 50 para uma funcionária do hospital ceder uma bata para que ela pudesse entrar sem ser percebida.

Funcionários do hospital perceberam a movimentação suspeita e a direção acionou a polícia. A polícia foi até a casa de Lidiane buscar os documentos dela para então ir até uma delegacia especializada.

A direção do hospital e a Secretaria de Saúde não quiseram se pronunciar sobre o fato.

Marília Domingues / Daniel Lustosa

Maternidade muda o cérebro das mulheres para sempre, diz estudo

gravidezTer filhos muda o cérebro da mulher e sua resposta aos hormônios para sempre. Esse é o principal resultado de um estudo coordenado pela pesquisadora Liisa Galea, da Universidade de British Columbia, no Canadá.

O trabalho, apresentado no Annual Canadian Neuroscience Meeting, descobriu que o grande aumento na quantidade de estrógenos – hormônios sexuais femininos – durante a gravidez pode influenciar no desenvolvimento de áreas importantes do sistema nervoso central. Além disso, ele ajudou a esclarecer se a terapia de reposição hormonal feita na menopausa aumenta, ou não, o risco de Alzheimer.

No estudo, foi analisado o comportamento em ratas de dois tipos de estrógenos usados nesses tratamentos, o estradiol e a estrona, levando em consideração a idade dos animais e se eles já tinham procriado.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Segundo os cientistas, durante a gravidez, ambos podem alterar a “neuroplasticidade” ou gerar um super crescimento das células nervosas no hipocampo, área do cérebro responsável pela memória.

Uma das descobertas da pesquisa foi que o estradiol aumentou a produção de novas células e a chance de elas sobreviverem por mais tempo. Isso permitiu uma melhora na memória das ratas, que conseguiram se lembrar mais rapidamente de como sair de um labirinto.

Com os roedores que receberam a estrona, componente mais comum nas terapias de reposição, o mesmo só aconteceu com aqueles que ainda não tinham tido filhotes. O hormônio, quando injetado nas ratas que já haviam procriado, prejudicou a sua habilidade de aprender e memorizar.

IG

Maternidade fecha na cidade de Esperança/PB e a população vai às ruas protestar

protestoA maternidade São Francisco de Assis, na cidade de Esperança, fechou as portas na tarde deste domingo. Segundo o diretor da instituição, o fim das atividades aconteceu devido às altas despesas da unidade, que chegava a apresentar, há muito tempo, um déficit de R$ 30 mil por mês.

Com o fechamento da maternidade, mais de 700 atendimentos mensais nas áreas de clínica médica, pequenas cirurgias e internações serão cancelados.

Em protesto contra o fechamento da unidade, a população de Esperança foi às ruas. Cerca de mil pessoas levando faixas e bandeiras caminharam pela cidade, passando em frente à maternidade e à prefeitura, pedindo a reabertura da unidade.

A direção da maternidade afirma que a prefeitura está quatro meses atrasada com seus repasses. A assessoria da prefeitura alega que os repasses estão sendo feitos de forma correta.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Da Redação 
Com Paraíba.com.br

Explosão de gás em maternidade mata ao menos quatro bebês e fere 37 na Cidade do México

maternidadeUma explosão de gás em uma maternidade em Cuajimalpa, na Cidade do México, matou ao menos sete pessoas, incluindo quatro bebês, e deixou 37 pessoas feridas. Segundo o prefeito Miguel Ángel Mancera, um caminhão que abastecia o hospital com o produto teve a mangueira arrebentada e causou a explosão pouco após as 7h (locais). Um número desconhecido de pessoas estaria presas nos escombros.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Autoridades de emergência alertaram para o colapso do prédio após a explosão. Inicialmente, o prefeito indicou que havia 54 feridos.

Mais de 40 pessoas foram deslocadas para hospitais próximos ao local. A maior parte dos ferimentos foi causada pelos vidros quebrados, e não seria grave.

Segundo Mancera, cerca de 30 a 40% do hospital teria sido danificado, que teria espaços sob risco de desabamento.

— Temos que ver o que pode ser utilizado e o que não — informou o prefeito.

O secretário de proteção civil da Cidade do México, Fausto Lugo, disse à rede Televisa que a prioridade das operações agora está em resgatar pessoas que poderiam estar sob escombros.

O Globo

Mulher é presa por sequestrar criança em Itaporanga-PB para forjar maternidade e manter relacionamento

Mayara foi presa e autuada; ela é estudante de direito e filha do vice-prefeito de Mari
Mayara foi presa e autuada; ela é estudante de direito e filha do vice-prefeito de Mari

O casal Luiz Júnior da Silva e Auricélia, que reside na Av. Getúlio Vargas, em Itaporanga-PB, viveu momentos de aflição ao tomar conhecimento que o filho de 6 meses, que se encontrava com a avó materna no sítio Várzea da Cruz, município de Boa Ventura, havia sido sequestrado no começo da noite dessa sexta-feira, 6, mas, em menos de 40 minutos, homens do destacamento local da Polícia Militar conseguiram resgatar a criança e prender a acusada. O reencontro dos pais com o menino ocorreu na delegacia de Itaporanga, para onde a mulher, o namorado dela e o bebê foram levados.

Mulher é presa por sequestrar criança em Itaporanga-PB para forjar maternidade e manter relacionamento
Família reencontra a criança
O reencontro foi um momento de muita emoção e comoção para a família. Júnior, que trabalha animando festas infantis, contou que foi trabalhar em um evento na noite dessa sexta-feira junto com a esposa, e precisou deixar o filho com a mãe dela, e, quando tomou conhecimento do caso, a criança já estava de volta aos braços da avó e a acusada detida.
CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
Maiara Rafael da Costa Ferreira, de 21 anos, que é de Mari, mas reside em João Pessoa, foi presa na PB-386, quando saía da cidade de Boa Ventura em direção a Ibiara, onde iria apresentar a criança aos sogros como sendo filho dela e do namorado. Um exame de DNA para provar a paternidade já havia sido marcado pela família do rapaz para este sábado em Conceição, mas a criança que ela levaria até eles era vítima de um sequestro.
Ela foi presa em um carro que era dirigido pelo namorado, mas os primeiros levantamentos policiais indicam que o jovem não sabia do crime e conduzia a namorada e o menino para a casa dos seus pais sem imaginar o plano criminoso que a mulher havia arquitetado para forjar a maternidade e segurar o relacionamento, que tem quase um ano. Os dois se conheceram em Ibiara, por onde ela passou como agente de planos de habitação como prestadora de serviço à Caixa Econômica Federal, mas sem vínculo empregatício com o banco.
De acordo com informações apuradas pela reportagem, meses antes, ela informou à família dele que havia engravidado de gêmeos e que uma das crianças não tinha sobrevivido, inclusive, segundo a mãe do rapaz, Maiara teria mandado laudos médicos indicando a suposta gravidez e foto do bebê morto, mas sempre houve desconfiança por parte dos familiares na história contada pela jovem, e agora acreditam que ela nunca esteve grávida ou que tenha perdido a gravidez, motivando-a ao plano de falsa maternidade. “É uma loucura isso, porque dias antes ela já havia mandado lá para casa também todas as coisas da criança, e agente começou a acreditar que era verdade, mas veja o que aconteceu”, comentou a mãe do jovem durante passagem pela delegacia de Itaporanga, onde foi buscar o filho.
Ele foi liberado pelo delegado, enquanto a namorada, que confessou ter planejado e executado o crime sem conhecimento do rapaz, deverá ser autuada por sequestro e vai permanecer presa. Mas a polícia ainda tem alguns pontos para esclarecer, como por exemplo, como a mulher conseguiu convencer o rapaz a ir até o sítio pegar a criança sem que ele desconfiasse de que alguma coisa estava errada.
A ação do sequestro
Conforme informações de familiares do rapaz, Maiara, que se encontrava em João Pessoa, combinou com o namorado para ir pegá-la em Diamante, mas a jovem desceu antes intencionada a encontrar uma criança e realizar seu plano.
A mulher desembarcou em Itaporanga e, em um abrigo de passageiros, interessou-se pela criança que estava com a avó e seguiu no mesmo carro para Boa Ventura, onde, inicialmente, tentou sequestrar um outro bebê, conforme a própria mãe do recém-nascido. Ela chegou à residência dizendo que queria fazer uma doação de um enxoval infantil à família e pediu para tirar uma foto com o bebê, mas a mãe desconfiou e a acusada foi embora.
No entanto, não desistiu do seu plano e, depois de encontrar o namorado, foi até o sítio Várzea da Cruz, e, na residência da senhora com quem ela tinha viajado no carro de linha, conseguiu sequestrar a criança. “Ela chegou lá dizendo que uma mulher que tinha vindo com a gente no carro tinha sido morta e queria que eu fosse até o local com ela, mas eu disse que não podia ir porque estava cuidando das crianças, mas, no momento que eu entrei para a cozinha, ela pegou o menino e foi embora”, comentou a avó do bebê.
Mas, ao perceber o sequestro, um morador seguiu o carro de moto, momento que a polícia também foi acionada. Em uma ação rápida, os cabos Vieira, Demésio e o soldado Neves interceptaram o veículo na saída de Boa Ventura e conseguiram por fim ao sequestro, que comoveu a população boaventurense. Alguns moradores tentaram linchar a acusada, que foi encaminhada junto com o namorado para a delegacia de Itaporanga, onde passou toda a noite e, neste sábado, deverá ser autuada.
Neste momento, o delegado está procedendo o flagrante e, depois de autuada, a mulher deverá ser encaminhada ao presídio. Maiara é estudante de direito e filha do vice-prefeito de Mari, segundo informações dos familiares do namorado dela.
 
Da Redação
com Folha do Vali

Blog Mari Fuxico

MPPB apura denúncia de mulheres dando à luz no chão em maternidade de CG

pacientesMédicos que prestam serviços no Instituto de Saúde da Prefeitura de Campina Grande Elpídio de Almeida (Isea) prestaram denúncia na promotoria de Defesa da Saúde de Campina Grande, através de documentos, sobre o suposto tratamento desumano, que o hospital vem dispensado aos pacientes.

De acordo com a denúncia, o Isea apresenta superlotação, bem como péssimas condições de trabalho enfrentadas pelos profissionais da saúde, como falta de equipamentos básicos.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Os documentos, que relatam o suposto caos instalado no hospital, vieram acompanhados de algumas fotografias nas quais as pacientes são atendidas no chão, partos são realizados em sofás, parturientes são amontoadas em corredores, mostrando o quadro de irregularidades do Isea.

Segundo o promotor de Justiça Luciano de Almeida Maracajá esses fatos são inadmissíveis.

“Por maior que seja a crise na saúde pública e estrutural, não se admite que pessoas sejam atendidas no chão como animais. As fotos espelham uma triste realidade: mães tendo seus filhos em sofás porque não dispõem do mínimo, que é o leito, além de mulheres sendo atendidas no chão frio de um corredor”.

Diante da denúncia, foi aberto um procedimento preparatório na Promotoria da Saúde, requisitando explicações à Secretária Municipal de Saúde e à diretoria do hospital, bem como inspeção por parte Conselho Regional de Medicina (CRM).

Da Redação com Assessoria
Foto: Reprodução TV Cabo