Arquivo da tag: Manifestação

Prefeitos da Paraíba e RN fazem manifestação na próxima sexta-feira na PB

Na próxima sexta-feira (5), os prefeitos dos estados da Paraíba e Rio Grande do Norte farão uma mobilização na Praça do Meio do Mundo – que é o encontro da BR 412 com a BR 230 – na divisa dos municípios de Campina Grande, Boa Vista e Pocinhos, na Paraíba. O evento está sendo coordenado pela Federação das Associações de Municípios da Paraíba (Famup) com o objetivo de alertar os cidadãos sobre a crise na administração municipal.

De acordo com o presidente da Famup, Tota Guedes, será uma manifestação pacífica, com os manifestantes vestindo camisetas e bonés da mobilização e entregando a pauta do movimento aos transeuntes e autoridades presentes. “Não haverá interdição das BR’s”, garantiu Tota Guedes, acrescentando que do movimento sairá a Carta do Meio do Mundo, reunindo reivindicações dos gestores dos dois estados nordestinos.

“A ideia é chamar a atenção da população para a crise dos municípios da PB e RN, as dificuldades da administração municipal e a necessidade de um novo pacto federativo”, reforçou Tota Guedes, adiantando que no documento, os prefeitos estarão pleiteando principalmente o aumento do repasse financeiro dos programas sociais que, na grande maioria, não é atualizado há mais de 10 anos. A manifestação antecede a XX Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, que ocorrerá entre 15 e 18 de maio, em Brasília.

clickpb

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Trabalhadores Rurais de Bananeiras farão manifestação contra reforma da previdência

sindicatoO sindicato dos trabalhadores Rurais de Bananeiras irá promover no próximo dia 3 de março uma mobilização em defesa da previdência social rural. A exemplo das mobilizações que estão acontecendo em todo o país, a intenção é chamar a atenção do governo federal contra a reforma da previdência.

Segundo a presidente Ivanete Leandro, a mobilização também serve para mostrar à sociedade os prejuízos que os trabalhadores terão com a reforma. “Nosso movimento é para mostrar que nós não aceitamos de forma alguma essa reforma, que vem unicamente para prejudicar a todos os trabalhadores da nossa cidade e do país, prejudicar aqueles que honestamente trabalham a vida toda para ter um final de vida mais digno e especialmente aos trabalhadores rurais que colocam o alimento saudável na mesa de todos nós”, explicou.

Ivanete ressaltou a importância do apoio dos poderes públicos da cidade. “Graças a Deus aqui em Bananeiras nós contamos com o total apoio da Câmara Municipal e do prefeito Douglas Lucena, que disse que está nessa luta junto ao sindicato, como também das lideranças religiosas da nossa cidade. Por isso que é importante que cada cidadão bananeirense compareça na próxima sexta-feira tanto na Câmara como nas ruas da cidade, porque vamos ocupar as ruas da nossa cidade para mostrar que Bananeiras é contra a reforma”, falou.

A mobilização contará com uma audiência especial na Câmara Municipal as 9h e terá a presença do deputado Federal Luiz Couto (PT) e representantes da FETAG..

Focando a Notícia

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Lei que torna vaquejada manifestação e patrimônio cultural é sancionada por Michel Temer

vaquejadaO presidente Michel Temer sancionou sem vetos a lei que eleva rodeios, vaquejadas e outras expressões artístico-culturais à condição de manifestação cultural nacional e de patrimônio cultural imaterial.

Em julgamento feito em 6 de outubro, o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou inconstitucional uma lei cearense que regulamentava eventos desse tipo. Desde então, a proposta que visava à sua legalização ganhou força no Congresso Nacional e foi aprovada no mesmo dia (1º de novembro) tanto na Comissão de Educação, Cultura e Esporte quanto no plenário do Senado. A decisão do STF resultou também em uma manifestação contrária a ela, feita por vaqueiros no dia 11 de outubro na Esplanada dos Ministérios.

A vaquejada é uma atividade competitiva bastante praticada no Nordeste brasileiro, na qual os vaqueiros têm como objetivo derrubar o boi, puxando-o pelo rabo. As pessoas contrárias à atividade argumentam ser comum o tratamento cruel de animais. Com a sanção presidencial publicada no Diário Oficial da União de hoje (30), a prática passa a ter respaldo legal.

Na defesa que fez de seu relatório aprovado em novembro, o senador Roberto Muniz (PP/BA) argumentou existir ações de aperfeiçoamento da atividade para proteção do animal. Segundo ele, é preciso discutir formas de cuidar bem dos animais sem que seja necessário negar a prática de manifestações culturais, e que a proibição da vaquejada representa “desprezo do que é a cultura nordestina”, em especial a cultura do interior do país.

Com a sanção da lei, além da vaquejada passam também a ser considerados patrimônio cultural imaterial do Brasil o rodeio e as expressões culturais decorrentes dela – caso de montarias, provas de laço, apartação, bulldog, paleteadas, Team Penning e Work Penning, e provas como as de rédeas, dos Três Tambores e Queima do Alho. Também se enquadram como patrimônio cultural imaterial os concursos de berrante, apresentações folclóricas e de músicas de raiz.

Wildemberg Sales foi um dos organizadores do Movimento Vaquejada Legal no Distrito Federal (DF), evento feito em outubro contrário à decisão do STF. Segundo ele, cerca de 700 mil famílias vivem de forma direta ou indireta da vaquejada em todo o país. Ele também alega não haver agressão aos animais durante os espetáculos e que essas suspeitas decorrem, em parte, do fato de a vaquejada ser confundida com outras atividades, como é o caso da farra do boi.

clickpb

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Caco Barcellos é agredido durante manifestação de servidores na Alerj

caco-bacellosO jornalista da TV Globo Caco Barcellos, que cobria o protesto de servidores estaduais, na tarde desta quarta-feira, foi agredido por manifestantes contrários a sua presença no local. Caco foi impedido de cobrir o ato próximo à Assembleia Legislativa do Estado (Alerj).

Ao sair do local, alguns servidores o seguiram. O jornalista foi atingindo por um cone de trânsito, na altura da Avenida Erasmo Braga.

Um jornalista do Jornal O Globo, mais cedo, foi agredido por um dos manifestantes. Vestido com uma camisa azul, um homem tentou agredir o repórter, que mexia no celular e conseguiu se esquivar do soco. Ao correr, um outro manifestante deu um chute em sua perna. O repórter perdeu seus óculos.

A TV Globo se manifestou sobre o caso:

“Caco cobria o protesto para reportagem do ‘Profissão Repórter’, quando foi agredido e impedido de registrar o momento. Felizmente, ele está bem. A Globo repudia qualquer tipo de hostilidade que impeça a transmissão da notícia ao espectador, único fim do trabalho jornalístico da Globo, que preza pela isenção e correção.”

Extra

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Pacientes com doenças graves fazem manifestação exigindo direito a remédio no SUS

manifestacao-remedioO movimento ‘STF, Minha Vida Não Tem Preço’ reuniu neste domingo (16), dezenas de pessoas em manifestação na Praça Mauá para sensibilizar a sociedade e gestores sobre a importância de um julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) que pode afetar milhões de portadores de doenças raras dependentes do fornecimento de tratamento pela rede pública de saúde. O Supremo vai julgar se cabe ao Poder Público arcar com o fornecimento de remédios de alto custo que não estão incluídos no Sistema Único de Saúde (SUS) e determinar se é obrigação do Estado financiar medicamentos que não têm autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Presente ao ato realizado em frente ao Museu do Amanhã, a dona de casa Simone Arede falou sobre o caso do filho, Thiago, de 31 anos, que tem homocistinúria, doença que exige dieta com restrição proteica. Cada lata do suplemento alimentar para repor as necessidades nutricionais de Thiago custa em média R$1,7 mil, e ele precisa tomar sete latas por mês. “Dependendo do resultado do Supremo, ele pode ficar sem esse remédio e não tenho condição de pagar,” disse Simone, que faz parte do grupo Mães Metabólicas, cujos filhos não podem ingerir proteína. “Nesse grupo há também pessoas com tirosinemia, que fazem uso de um remédio que é muito caro e não tem registro na Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]. Sem esse remédio durante um mês, eles morrem”, afirmou a dona de casa.

O presidente da Associação de Fibrose Cística do Rio de Janeiro, Cristiano Silveira, tem um filho com essa doença, cujo tratamento exige medicamentos específicos e importados. “Os fabricantes, muitas vezes, não têm interesse comercial em registrar o medicamento na Anvisa, pois são muito poucos pacientes no Brasil. Como o paciente só tem aquele tratamento, acaba acionando a Justiça para ter direito a importar a droga, que já salva vidas lá fora e não chega aqui por questão comercial e burocrática”, disse Silveira. Mais de 4 mil pessoas no País têm fibrose cística, que afeta principalmente os pulmões, pâncreas e o sistema digestivo. “No Brasil, uma pessoa com fibrose cística vive a metade do tempo de uma pessoa com a mesma doença nos Estados Unidos, onde há acesso aos medicamentos necessários.”

Crianças que sofrem de doenças raras foram ao ato em frente ao Museu do Amanhã
Crianças que sofrem de doenças raras foram ao ato em frente ao Museu do Amanhã

Foto: Agência Brasil

A dona de casa Ivanilda Oliveira dos Santos foi à manifestação com a filha Júlia, de 12 anos, que nasceu com mucopolissacaridose (MPS), doença degenerativa que impede o processamento de moléculas do açúcar e prejudica o crescimento e o desenvolvimento motor. “Ela toma o medicamento na veia uma vez por semana durante três horas. Custa cerca de R$20 mil por mês. Sem esse medicamento, ela morre.”

Apesar das limitações ocasionadas pela doença, Júlia cursa o 7º ano na escola perto de sua casa, em São João de Meriti, Baixada Fluminense, faz aulas de dança e circo. “Gosto mais de fazer palhaçaria e malabarismo. Com o tempo, a gente pega a manha”, disse Júlia. “Levo uma vida normal, dentro do possível. Sem o medicamento, vai ficar bem difícil.”

A presidente da Associação Carioca Distrofia Muscular, Maria Clara Migowski Pinto Barbosa, explicou que há mais de 30 tipos de distrofia – doença genética em que os músculos enfraquecem progressivamente -, e o tratamento envolve várias especialidades. “No meu caso, ainda não existe medicamento específico. Mas minha luta hoje é pelos meninos com distrofia de Duchenne (DMD), a mais comum, que tem uma progressão muito forte. No início da adolescência, eles param de andar. Com as novas tecnologias, estão vivendo mais”. Os pais e os dois irmãos de Maria Clara morreram em consequência de doenças raras. “Acho simbólico estarmos aqui no Museu do Amanhã, pois queremos acreditar que há um futuro, há esperança para uma qualidade de vida para esses pacientes.”

A dona de casa Flávia Medela descobriu que o filho, de 12 anos, tinha DMD quando ele estava com 5 anos. “Os médicos achavam que era dor de crescimento. Somente com 9 anos veio o diagnóstico. Há pouco tempo, tive a boa notícia de que ele se encaixa em uma medicação, mas, em seguida, veio a má notícia de que o SUS não cobre esse medicamento. A angústia é grande, porque estamos perdendo muitos meninos com Duchenne. Sei que tem remédio, mas não posso fazer nada pelo meu filho. Se ele tivesse tomado o remédio desde o início, talvez não estivesse perdendo o movimento dos braços e das pernas”.

O ministro do STF Teori Zavascki pediu vista (mais tempo para estudar a ação) no fim de setembro, e o julgamento foi adiado. Já haviam votado os ministros Marco Aurélio Mello, relator do caso, Luís Roberto Barroso e Edson Fachin.

O movimento STF, Minha Vida Não Tem Preço foi criado em setembro por associações de todo o Brasil que representam mais de 50 patologias, entre doenças graves e raras. Eles já recolheram mais de 380 mil assinaturas para pressionar o STF a acolher as ações.

Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Ex-jogadores convocam manifestação em protesto contra a CBF

ocupa-cbfO momento conturbado pela qual passa a CBF – que teve sua eleição para um dos cargos de vice-presidente suspensa liminarmente pela Justiça do Rio – começa a mobilizar ex-atletas, treinadores e artistas. Nesta segunda-feira, surgiu nas redes sociais o movimento #OcupaCBF, que está convocando para um ato em frente à sede da entidade, na Barra da Tijuca, para esta terça feira.

A página do movimento no Facebook informa que Alex Souza, Raí, Paulo André, Djalminha, Paulo Autuori, Paulo César Caju, Simoninha e Afonsinho subscrevem o movimento. Foi lançado também um site – www.ocupacbf.com -, que compila notícias envolvendo a CBF e convoca para o ato desta terça. A manifestação em frente à sede da entidade está sendo convocada para às 15h.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

O protesto deve acontecer um dia antes da eleição para vice-presidente da entidade. O coronel Antonio Carlos Nunes, da Federação Paraense, é candidato único e é o favorito de Del Nero a assumir a CBF. Porém, o pleito foi suspenso pela Justiça do Rio de Janeiro, atendendo ao presidente da Federação Catarinense, Delfim Peixoto, que acusa a entidade de ‘golpe’. Se for eleito, coronel Nunes será o vice mais velho da entidade (79 anos) e assumirá a casa no lugar de Marco Polo Del Nero. Também na quarta-feira, Del Nero prometeu ser ouvido na CPI do Futebol.Movimento #OcupaCBF convoca público para um ato em frente à sede da entidade, na BarraMovimento #OcupaCBF convoca público para um ato em frente à sede da entidade, na Barra

Folha de São Paulo

Movimentos articulam manifestação a favor do impeachment na PB

manifestoManifestações favoráveis ao “impeachment” da presidente Dilma Rousseff (PT) prometem tomar as ruas de João Pessoa e Campina Grande no próximo domingo.  Em Campina Grande, o ato contra Dilma acontece a partir das 14h na Praça da Bandeira, Centro da Cidade. Na Capital será às 15h, no Busto do Almirante Tamandaré, em Tambaú.

O presidente estadual do PT, Charliton Machado, tuitando sobre o pedido de impeachment, defendeu a presidente  . “Dilma Rousseff tem que se preparar contra o arsenal midiático e a conspiração. Coragem não lhe falta em sua biografia. #DilmaFica”, afirmou.

Charliton Machado esclareceu que os movimentos sociais tem  defendido a manutenção da democracia. e do governo petista Ele reafirmou que os movimentos sociais querem debater os pacotes econômicos, mas não abrem mão de defender o governo do PT”.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

pbagora

Se promovendo em manifestação socialite Ju Isen faz topless na Avenida Paulista, SP

juJu Isen repetiu o feito no início do ano e tirou a roupa novamente durantes as manifestações que aconteceram neste domingo, 16. A socialite chegou na Avenida Paulista, em São Paulo, vestindo uma camiseta branca que já evidenciava a ausência de sutiã. Depois de assinar algumas edições da revista Sexy, da qual foi capa, Ju seguiu para a frente do MASP, onde tirou a camiseta.

Desta vez, a socialite dispensou os adesivos que colou nos seios em sua primeira aparição nos protestos. Enquanto outros manifestantes filmavam e tiravam fotos, Ju exibia as páginas de sua revista e segurava a bandeira do Brasil. Muitos pediram para tirar foto ao lado de Ju.meuip

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

oparalelocampestre

Manifestação no Centro de JP : Presidente da CUT afirma que pode ter greve nacional

manifesto-cutMovimentos sindicais e organizações sociais foram às ruas de João Pessoa nesta sexta-feira (29), para reivindicar contra o projeto da terceirização, o ajuste fiscal praticado pela União e a perda de direitos dos trabalhadores com a aprovação das Medidas Provisórias 664 e 665, que alteram o acesso à concessão do auxílio-doença, pensão por morte, abono salarial e ao seguro-desemprego. A concentração começou por volta das 9h, no Parque Solon de Lucena e a marcha seguiu em direção à Praça dos Três Poderes.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

A manifestação faz parte das atividades do Dia Nacional de Paralisação e Manifestação Rumo à Greve Geral, que acontece em todo o país. O Dia Nacional de Paralisação é organizado pelas centrais sindicais CUT, CTB, Nova Central-NCST e CONLUTAS, além dos Movimentos dos Trabalhadores Desempregados e dos Trabalhadores Rurais Sem Terra.

O presidente da CUT na Paraíba, Paulo Marcelo, argumentou que o Governo Federal não reflete nos anseios dos trabalhadores. “Se os projetos continuarem, os trabalhadores entraram em greve”, afirmou.

A manifestação no Centro da Capital atraiu cerca de 600 trabalhadores de diversos movimentos sociais.

Pedro Callado / João Thiago

População de Araruna faz manifestação nesta sexta-feira(8) contra onda de violência

pazMoradores da cidade de Araruna, no Curimataú Paraibano, promovem nesta sexta-feira (08), um ato público motivado em decorrência do crescimento da violência (assaltos, furtos e homicídios) na cidade.

A concentração ocorrerá em frente ao Centro Cultural, a partir das 13h. Depois, o grupo percorrerá pelas ruas de Araruna até a câmara municipal para cobrar melhoria nesta área.

O empresário Henrique (Dr. Delícia), um dos organizadores do movimento, comentou a nossa reportagem que recentemente a violência teve um aumento expressivo no município. “A insegurança é total, tivemos a morte de um rapaz que teve sua vida tirada em plena praça pública lotada de gente, vários assaltos aos universitários, e incontáveis episódios de violência de origem criminosa, as pessoas estão com medo de sair de suas casas, os comerciantes estão reféns desses marginais, a policia faz a sua parte dentro do possível. A população do município de Araruna vem sofrendo com a insegurança pública. ” disse o empresário.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Fonte: Araruna Online