Arquivo da tag: Leite

UFPB cria leite de cabra em pó sem lactose

Uma pesquisa do Departamento de Biologia Molecular da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) está desenvolvendo um novo produto alimentício, o leite em pó de cabra. Segundo a coordenadora do projeto, Tatiane Santi Gadelha a ideia é aprimorar o produto, que só estará pronto para consumo após passar por testes, inclusive em humanos.

“Nós fizemos o teste e não acusou presença da lactose. Utilizamos um método para identificar mínimas quantidades e não acusou. Mas não sabemos ainda se existem traços”, explica a pesquisadora.

Gadelha ressalta ainda que, até então, não houve verificação de como o produto se comporta no organismo humano. “É preciso cautela no desenvolvimento dos testes, porque muitas pessoas que possuem intolerância à lactose podem passar mal com um contato mínimo”.

O leite caprino é uma rica fonte de nutrientes. A proteína é expressiva no produto. O estudo tem a colaboração de estudantes de pós-graduação da UFPB que pesquisam leite caprino e é realizado por meio de parceria com o Instituto UFPB de Desenvolvimento da Paraíba (IDep), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e produtores de leite de cabra do Estado da Paraíba.

 

clickpb

 

 

Diretor da empresa ‘Leite Cariri’ é encontrado morto na cidade de Caturité

O direto da empresa ‘Leite Cariri’, Pedro Bezerra Cabral, de 60 anos, foi encontrado morto na manhã desta quinta-feira (29), nas proximidades da sua residência na cidade de Caturité, Agreste paraibano.

De acordo com informações policiais Pedro teria sido morto com um tiro na cabeça.

Ainda não há informações sobre a autoria ou motivação do crime.

A polícia segue investigando.

PB Agora

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Aprenda a fazer um delicioso pudim de leite em pó

pudimEssa receita com certeza entrará na lista de favoritas daquelas pessoas que adoram leite em pó, não importa com o que. Uma das maiores vantagens do prato é o fato de não levar leite condensado e consequentemente ser um pouco mais light. É uma forma de comer muito bem e não precisar se preocupar tanto!

INGREDIENTES
  • 1 copo (americano) de leite em pó
  • 14 colheres (sopa) açúcar
  • 500 ml de leite integral
  • 3 ovos
  • 1 xícara de água em temperatura ambiente

Modo de Preparo

  • Primeiro faça a calda do pudim.
  • Em uma panela coloque 6 colheres de açúcar e a água. Cozinhe em fogo baixo até que atinge o ponto de caramelo.
  • Depois de pronto, despeje o caramelo na forma de pudim e reserve.
  • Agora é hora do pudim de leite em pó em si. Em um liquidificador coloque primeiro os ingredientes líquidos (500 ml de leite e 3 ovos), bata tudo até que fique uma mistura homogênea.
  • Depois acrescente os outros ingredientes (8 colheres de açúcar e leite em pó). Bata novamente por 5 minutos.
  • Despeje a mistura na forma de pudim. Tenha bastante cuidado para que ela não se misture com o caramelo do fundo.
  • Leve ao forno em banho maria por cerca de 50 minutos ou até fure com um garfo e ele saia limpo.
  • Deixe esfriar um pouco e retire da forma, sirva em seguida.

Você sabia?

– Pouco se sabe sobre a origem do pudim, a informação que se tem é que na Europa Medieval ele era servido na forma salgada. Os principais ingrediente dessa receita antiga eram farinha, ovos, gordura e alguns tipos de carne como linguiça. Tudo isso formava uma massa sólida que podia receber diferentes nomes como pudim de sangue ou pudim preto.

– Com o passar dos anos a receita ganhou sua versão doce. Do pudim de leite codensado surgiram outros tipos que são muito admirados no Brasil. Entre eles estão o pudim de leite em pó , o de brigadeirão e o de biscoito.

receitanamesa

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Queda dos dentes de leite: entenda os cuidados necessários nessa fase

dents-de-leiteAs crianças possuem 20 decíduos, ou os chamados dentes de leite. São dez na arcada superior e dez na arcada inferior. Esses dentes são formados por coroa, raiz e tecido pulpar na parte interna, conhecida como canal ou polpa do dente, sendo assim, compostos por estruturas semelhantes aos dentes permanentes, mas diferentes no tamanho e formato anatômico.

O início da troca dentária ocorre em média na faixa dos cinco aos sete anos de idade com os incisivos centrais inferiores e é uma fase que envolve grande ansiedade por parte dos pais e das próprias crianças, devido à medo, dúvidas e insegurança. Além do fator envolvendo uma nova fase de maturidade, já que a queda dos primeiros dentes acaba sendo para os mais novos uma prova de que estão crescendo e que já não são meras crianças. E aos olhos dos pais também, pode ser de difícil aceitação o fato de que seus filhos não são mais “bebês”.

Muitas crianças se sentem orgulhosas e ansiosas quando estão prestes a perder um dentinho, mas outras podem se sentir envergonhadas de ficarem “banguelas”. Os pais devem ajudar agindo naturalmente e incentivar a criança dizendo que irá cair um dentinho para nascer um “novo e bem bonito” no lugar deste, explicando que é um processo natural, que seus amiguinhos da escola também estão trocando os dentes e também ganharão uma “janelinha”. Outra ideia que pode ser usada como opção, é a mãe tirar fotos do novo sorriso para colocar no álbum de fotos, e assim, fazer com que a criança entenda que ela está evoluindo.

É importante evitar que a criança fique colocando a mão suja na boca tentando amolecer o dente, porque isso acaba levando mais microrganismos e deixando a região inflamada. O ideal é que o dente caia naturalmente, caso contrário, precisará de avaliação de um profissional.

Geralmente, os primeiros dentes a cair são os anteriores, seguidos pelos caninos e depois os posteriores, mas pode existir alterações nessa ordem. É importante salientar que os primeiros molares permanentes nascem aos seis anos de idade, atrás do último dentinho de leite (segundo molar decíduo), sem que haja a troca. Porém algumas mães ficam surpresas quando vão ao consultório e ficam sabendo que estes são dentes permanentes.

Normalmente o que faz o dente de leite cair é a pressão exercida pelo seu sucessor permanente, sendo que ele poderá aparecer logo em seguida ou em até um mês depois. Nos casos mais demorados, pode estar ocorrendo por falta de espaço para o dente que está nascendo ou devido a gengivas muito fibrosas, e então, deve ser acompanhado de perto por um profissional especializado, pois podem ter outros fatores impedindo os dentes de erupcionar corretamente.

O processo da perda dos dentes de leite ocorre naturalmente e de maneira fisiológica por meio de reabsorção da sua raiz pelo dente permanente que irá erupcionar em seu lugar. Muitas vezes eles caem durante a alimentação, escovação ou até mesmo sozinho. Se os dentes estiverem em sua correta posição e com espaço adequado na arcada, o dente permanente segue um determinado caminho de erupção de encontro à raiz do dente de leite de modo que vai gradualmente estimulando sua reabsorção, até que toda a raiz que está inserida no osso seja perdida. Assim o dente decíduo vai tendo sua mobilidade aumentada até que acaba permanecendo somente a coroa inserida na gengiva.

É comum, portanto, ter um leve desconforto gengival acompanhado de um pequeno sangramento na região que envolve o dente que está prestes a cair ou após a perda dentária. Neste último caso, pode ser feita um bolinha de algodão ou gaze para que a criança fique mordendo por 5 minutos até que cesse o sangramento. É muito importante que os pais entendam que é um processo natural e mantenham a calma e a serenidade para que a criança não fique nervosa ou apreensiva.

Em alguns casos, os dentes podem encontrar alguma dificuldade para cair e isso pode estar relacionado a diversos motivos, entre eles:

  • Perda do caminho de erupção do dente permanente, que acaba por não reabsorver por completo a raiz do dente decíduo
  • Arcada muito pequena e/ou estreita, em que os dentes não tenham seu devido espaço
  • Falta de estimulo mastigatório do dente em questão
  • Forte inserção de fibras gengivais.

O estímulo do dente através da mastigação de alimentos duros e fibrosos auxilia esse processo e é importante para que tudo ocorra na sua correta cronologia. Em algumas situações pode ser necessário a intervenção de um odontopediatra para auxiliar nesse processo e com um exame clínico e/ou radiográfico irá avaliar a indicação de fazer a remoção dentária com o uso de anestésicos.

A higiene e os cuidados necessários

A importância da boa higiene mesmo nos dentes que estão com muita mobilidade e prestes a caírem também deve ser ressaltada. Isto é significativo para que a criança não fique incomodada devido a uma possível inflamação acompanhada de sangramento gengival no local e para proteção dos dentes permanentes contra cáries. Os dentes permanentes também devem receber cuidados especiais, porque são dentes que ficarão para a vida toda.

Os dentes de leite podem cair antecipadamente, fora do período normal, por causa de algum trauma na região, por quedas, ou batidas na face ou até mesmo por lesões de cáries. Esses casos devem ser avaliados e acompanhados por um profissional, pois podem causar uma série de problemas como alteração na posição de língua atrapalhando a fala, mastigação e deglutição; perda do espaço ideal para o dente permanente, causando problemas nos encaixe das mordidas; acarretar em algum dano psicológico na criança por ficar sem os dentes antes da fase em que os amigos ficarão e muitas vezes ao se sentirem envergonhadas, ficam inibidas socialmente.

Por isso, a minha dica fundamental é que a criança tenha um acompanhamento profissional desde os seus primeiros meses.

minhavida

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Estudo mostra que proteína do leite pode agir contra zika e chikungunya

laboratorioPesquisadores do Instituto Evandro Chagas e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) fizeram testes em laboratório que indicam que uma proteína presente no leite bovino, a lactoferrina, pode reduzir o poder de ataque dos vírus causadores da zika e da chikungunya.

O potencial antiviral da lactoferrina já era conhecido dos cientistas, por isso a ideia de testá-la em relação a essas duas doenças agora em evidência. Assim como as vacas, os seres humanos produzem uma substância equivalente, a lactoferrina humana. Ela está presente na saliva, na lágrima, nos leite de vaca e materno.

No estudo, o efeito da lactoferrina bovina foi testado em células de rim de macaco e verificou-se uma redução de até 80% na efetividade dos vírus. Não foi observado nenhum tipo de efeito tóxico provocado pela proteína.

Isso significa que pessoas com zika ou chikungunya deveriam ingerir bastante leite? Não, porque o estudo é bastante inicial: apenas descreve um mecanismo genérico que “pode ser explorado para desenvolver uma potencial estratégia contras as infecções (de zika e chikungunya)”.

De acordo com o Jornal Nacional, beber leite simplesmente não poderia prevenir ou tratar uma infecção de zika e chikungunya porque nesse caso a quantidade de proteína não seria suficiente para combate a esses vírus. Descobrir a dosagem exata seria o próximo passo do estudo.

Os autores testaram a ação da lactoferrina antes e depois da infecção das células por zika ou chikungunya. Ela agiu contra os vírus nos dois casos, mas ficou claro que quando ela estava presente antes da infecção, era mais efetiva. Os pesquisadores também perceberam que, quanto maior a dosagem da proteína, maior sua ação.

O estudo pode ajudar a desenvolver uma estratégia de combate a zika e a chikungunya simultaneamente.

O trabalho está publicado no site de pesquisas de biologia bioRxiv, ainda sem a revisão de especialistas que é comum nas publicações científicas. Estudos sobre zika, dada a gravidade da crise da doença, tem sido divulgados de forma preliminar na comunidade científica como forma de acelerar a busca por formas de combater a doença.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Taça de Leite em Pó com Creme de Avelã

taca-de-leite-em-po-com-creme-de-avelaIngredientes

Creme de leite em pó

  • 200 grama(s) de manteiga sem sal
  • 1 lata(s) de leite condensado
  • 3 colher(es) de sopa de açúcar de confeiteiro
  • 10 colher(es) de sopa de leite em pó
  • 2 caixinha(s) de creme de leite bem gelado

Creme de avelã

  • 1 pote(s) grande de creme de avelã (650 gramas)
  • 1 lata(s) de creme de leite com soro (agite a lata)

Brigadeiro de leite em pó

  • 1 lata(s) de leite condensado
  • 3 colher(es) de sopa de leite em pó
  • 1 colher(es) de sopa de manteiga

Ganache de creme de avelã

  • 1 xícara(s) de chá de chocolate ao leite ou meio amargo picado
  • 1/2 xícara(s) de chá de creme de leite
  • 1 colher(es) de sopa de manteiga sem sal
  • 1 xícara(s) de chá de creme de avelã

Montagem

  • Biscoitos maisena
  • Sorvete de creme
  • Barras de chocolate para enfeitar

Modo de preparo

Creme de leite em pó

Na batedeira, coloque a manteiga, o leite condensado, o açúcar de confeiteiro, o leite em pó e a essência. Bata por cerca de 10 minutos, até ficar um creme bem volumoso e claro. Com a batedeira desligada, junte o creme de leite. Misture bem e reserve.

Creme de avelã

Misture os dois ingredientes até formar um creme perfeito e reserve.

Brigadeiro de leite em pó

Leve os três ingredientes ao fogo médio até dar o ponto de brigadeiro.

Ganache de creme de avelã

Leve o creme de leite, a manteiga e o creme de avelã ao fogo médio e misture até formar um creme. Em seguida, acrescente o chocolate picado e espere derreter. Reserve.

Montagem

Comece pelo pavê: forre um refratário com o creme de leite em pó. Em seguida, coloque biscoitos maisena em cima do creme. Repita o procedimento duas vezes e finalize com o creme de avelã. Leve para gelar por 5 horas.

Cubra a taça com o Brigadeiro de Leite em Pó. Passe a taça em leite em pó e coloque-a em um prato. Coloque a Ganache de Creme de Avelã no pé da taça.

Coloque em metade da taça o sorvete de creme e em cima o pavê. Finalize com a ganache, as barras de chocolate e um brigadeiro de leite em pó.

Uol

 

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Ex Mastruz com Leite vende Pizza em JP para bancar saúde do filho

Alberto-RíverA equipe do programa ‘Domingo Show’ da Rede Record esteve em João Pessoa onde produziu matéria com o cantor Alberto River,  ex-vocalista da banda Mastruz com Leite, e da dançarina Dayse Correia, que  vendem Pizza para bancar o tratamento de saúde do filho Adriel.

Ao receber  Luiz Fernando Bacci, Alberto Ríver lembrou da carreira e falou do drama vivido após descobrir o problema do filho há cerca de três anos. De acordo com ele, os recursos arrecadados com o negócio não sobra para bancar o tratamento do filho.

Alberto Ríver acabou ganhando o apoio de outros artistas como Solange  do Aviões do Forró, Frank Aguiar, e Batista Lima.

No Palco do Domingo Show, Alberto Ríver ainda recebeu outras ajudas como um site oficial onde está sendo feito um leilão com objetos de famosos para arrecadar recursos para ajudar no tratamento do filho.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

O interessados devem acessar o endereço  www.ajudeoadriel.com.br

Sobre a carreira, Alberto Ríver disse que  não  quis mais cantar após ser cortado da banda sem nenhuma explicação.

Roberto Targino – MaisPB

Doação de leite materno em Guarabira ajuda mães de outras cidades da PB

Leite-maternoO banco de leite materno do Hospital Regional de Guarabira, no Agreste paraibano, está com um estoque maior do que a quantidade consumida na região. Um projeto implantado na unidade hospitalar tem ajudado mães de outras regiões do estado a receber o leite doado por moradoras do município. Segundo a idealizadora do projeto, a enfermeira Josefa do Nascimento, atualmente o hospital tem no banco uma média de 90 litros por mês, mas consome apenas cinco litros.

Zefinha, como Josefa é conhecida entre os funcionários, é enfermeira da unidade hospitalar há 14 anos. Atualmente ela trabalha no alojamento conjunto, com as mães que acabaram de ter filhos. Em janeiro deste ano o hospital estava sem reserva de leite humano, então ela e outros funcionários resolveram dialogar com as mães sobre a importância da doação. Um mês depois o hospital começou a construir o estoque.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

“Quando identificamos mães com bastante leite, a gente vai e explica pra elas sobre a importância do aleitamento materno, que supre todas as necessidades dos bebês. Após isso, fazemos a coleta e transferimos para o banco”, diz.

De acordo com a diretora do banco de leite humano de Guarabira, Daniele Meireles, como a oferta de leite é maior do que a procura no município, a cidade repassa a diferença para outras regiões do estado. “Toda nossa transferência tem que passar pelo Centro de Referência, em João Pessoa. Os outros hospitais fazem o contato conosco e conversamos com o centro para viabilizar a transferência e suprir a necessidade dos outros hospitais”, explica.

Segundo o diretor geral do Hospital Regional de Guarabira, Cleonaldo Freire, para que o banco funcione da forma como foi pensado, é preciso criar uma sintonia entre o hospital e as mães. “É feito um trabalho de coleta externa para que a mulher se sinta acolhida. É feito um trabalho de humanização tanto no hospital quanto após ela receber alta”, diz.

As coletas do leite acontecem no hospital e também através de solicitação, quando a equipe do banco vai até a casa da doadora. Após coletado, o leite passa por um processo de pasteurização, quando é esterilizado para eliminação de microorganismos nocivos à saúde dos bebês. “Com este processo feito, a gente sabe que o leite está 100% pronto e pode distribuir para as crianças que estão nos hospitais”, explica o técnico de laboratório George de Mesquita.

Com G1 Paraíba

Quando peixe, milho e até leite não são saudáveis

alimentacaosaudavelConsuma menos gordura, coma tantas porções de carboidratos e não passe de 2 mil calorias diárias. As clássicas recomendações dos nutricionistas estão com os dias contados. O Ministério da Saúde acaba de lançar uma cartilha que promete revolucionar a forma como o brasileiro vê a alimentação. Em vez de classificá-los simplesmente como carboidratos, proteínas e lipídios, o novo Guia Alimentar para a População Brasileira faz uma divisão entre alimentos naturais, processados e ultraprocessados. É nisso que as pessoas devem prestar atenção na hora de escolher o que vão pôr no prato.

Nem todo alimento de peixe, por exemplo, é saudável. O fresco é. Contém boas doses de proteína, vitaminas e minerais. O atum e a sardinha em lata estão um degrau abaixo. Eles recebem da indústria altas quantidades de sal e óleo para serem conservados. Apesar de manter parte dos nutrientes, o processamento altera o alimento original: o óleo aumenta a densidade calórica do peixe e o excesso de sódio é associado a doenças do coração. O peixe empanado já é outra história. Para fazer os nuggets, a indústria usa gordura vegetal hidrogenada, corantes, realçadores de sabor, ingredientes prejudiciais à saúde. São tantas adições, que, quando o alimento é ultraprocessado, não sobra praticamente nada do original — apenas o nome, o que dá uma falsa impressão a quem consome o produto.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

O mesmo raciocínio vale para leite, queijo e bebida láctea; milho verde, em conserva e cereal matinal; trigo (em farinha ou em grão), pão caseiro e pão de forma (inclusive o integral).

Para manter a saúde, a regra de ouro do guia é priorizar os alimentos naturais ou minimamente processados, como o tradicional arroz com feijão. Óleos, sal e açúcar, com moderação, temperam sem alterar a qualidade nutricional do prato. As conservas, os queijos e os pães artesanais entram em pequenas quantidades, para compor pratos baseados em alimentos frescos. Já produtos como lasanha pronta, macarrão instantâneo e embutidos devem ser evitados.

Ricos em açúcares, gorduras, com teor elevado de sódio, pouca fibra e alta densidade energética, os ultraprocessados têm uma composição nutricional desbalanceada. Estão diretamente relacionados à obesidade e a outras doenças crônicas, como hipertensão, diabetes e vários tipos de câncer.

— Essa abordagem que deixa claro o quanto os produtos ultraprocessados não são saudáveis é inédita — afirma Elisabetta Recine, coordenadora do Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutricional da Universidade de Brasília (UnB).

Não bastam nutrientes – Preocupados com o avanço da obesidade, os especialistas perceberam que não bastava só orientar ingerir mais ou menos carboidratos, proteínas, gorduras. Até porque isso pode levar a um pensamento errado de que basta consumir qualquer produto que tenha os nutrientes para estar bem alimentado.

Hoje é fácil encontrar embalagens de bebidas lácteas, achocolatados e barrinhas de cereais anunciando vitaminas, minerais e fibras. Esses nutrientes, porém, não têm os mesmos efeitos do que os encontrados, por exemplo, numa maçã. É o alimento em si — com toda a sinergia dos seus compostos — que faz a diferença para a saúde, e não o nutriente isolado.

— É comprovado que os nutrientes adicionados pela indústria não reproduzem os mesmos efeitos que os de alimentos in natura. Eles podem até ser danosos — ressalta Maria Laura Louzada, pesquisadora do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde (Nupens) da Universidade de São Paulo, que participou do projeto.

Os industrializados, porém, estão cada dia mais presentes na mesa nacional. Por isso, a nova classificação do guia — que não coloca mais no mesmo grupo o arroz e o cereal matinal, por exemplo — ganha importância.

O feijão ainda é o alimento preferido dos brasileiros, mas vem perdendo espaço dos anos 70 para cá. E não só ele. Pesquisas mostram que alimentos tradicionais, como arroz, carne, leite, ovos, tiveram um decréscimo intenso. Em compensação, refrigerante, salsicha, sorvetes e comida pronta congelada começaram a encher a geladeira das famílias.

Cerca de um quarto das crianças de 5 a 10 anos comem biscoitos recheados, balas e doces praticamente todo dia, segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 2009. O refrigerante é outra preferência nacional: 23,3% dos brasileiros tomam a bebida, ao menos, cinco vezes por semana. Por outro lado, só 26,3% comem a quantidade adequada de hortaliças e frutas.

Um dado interessante é que a compra de sal, açúcar e óleo, ingredientes básicos para cozinhar, também reduziu. Não é um bom sinal, entretanto. É um péssimo sinal. Mostra é que estamos parando de comer comida de verdade. Os ultraprocessados estão tomando o lugar dos alimentos tradicionais. E o preço não justifica a troca: no Brasil, ainda é mais barato preparar refeições em casa que consumir produtos prontos. Na Inglaterra, por exemplo, isso não acontece.

É nos países de renda baixa e média que os ultraprocessados encontram mais terreno para crescer. No Brasil, saltaram de menos de 20% nos anos 1980 para, em 2009, 28% do total das calorias ingeridas. Bem abaixo, ainda, dos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido. Nesses países, o índice ultrapassa os 50%.

Com 70% ainda de calorias vindas de alimentos frescos, o Brasil tem uma janela de oportunidade para reverter o quadro:

— Os países que têm uma cultura culinária mais forte, como Brasil e França, têm menos uso hoje de industrializados. A força da alimentação tradicional é uma das barreiras para frear essa transição — afirma Maria Laura.

Cultura à mesa – Com linguagem fácil, o novo guia, elaborado em parceria com o Nupens (USP) e com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), pretende alcançar toda a população, e não só os profissionais da saúde. O texto está disponível na internet e os 60 mil exemplares impressos vão para hospitais e escolas. Segundo o Ministério da Saúde, o próximo passo é desenvolver estratégias para divulgar o conteúdo, entre elas vídeos e cursos de autoaprendizagem.

Outra originalidade do guia é que ele valoriza a cultura culinária de todas as regiões. Fala de comida caseira, e não só de alimentos isolados. Essa novidade brasileira tem gerado repercussão internacional.

Agência Senado

Cabedelo esclarece problema que gerou denúncia de leite de coco vencido

leitedecocoA Prefeitura Municipal de Cabedelo, na Grande João Pessoa, tranquilizou a população de que o leite de coco distribuído com a população não está vencido, conforme denúncias de vereadores da cidade.

Ainda segundo a Prefeitura de Cabedelo, documento da empresa distribuidora do leito de coco, a Brazmac Ltda, informa que houve um erro na impressão do rótulo produto.

“O produto pode ser consumido sem causar riscos à saúde da população”, diz a nota encaminhada a imprensa.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Confira abaixo a nota na Prefeitura de Cabedelo sobre o caso

A Prefeitura Municipal de Cabedelo vem a público tranquilizar a população em relação aos produtos de Semana Santa que foram distribuídos pela Secretaria Municipal de Ação e Inclusão Social e informar que todos os itens entregues pela gestão estão dentro do prazo de validade. Todos os lotes foram checados, antes de realizar a entrega à população.

 Os vereadores que fazem oposição à atual gestão fizeram a denúncia da suposta distribuição de leite de coco fora do prazo de validade. A empresa Distribuidora Brazmac Ltda, que forneceu os produtos, esclareceu através de nota (segue anexo) que existe um erro na impressão dos produtos.

 O equívoco aconteceu com a data de fabricação que foi impressa com a mesma da data que o produto sai da validade. Na realidade, o prazo é de um ano após a fabricação, o que significa que o leite de coco tem data de validade até 2016. Ou seja, o produto pode ser consumido sem causar riscos à saúde da população.

 Lamentamos que os parlamentares não vejam a importância deste programa social “Peixe na sua Mesa” que atende tantas pessoas carentes. Nosso objetivo é prestar serviço ao povo de Cabedelo, levando ações que melhorem a qualidade de vida. Denúncias infundadas não farão com que recuemos. Vamos continuar trabalhando para a construção de um município melhor e com justiça social.

Abaixo justificativas da Brazmac, empresa responsável pelo produto, sobre o assunto

Declaração Leite de Côco(1)

MaisPB