Arquivo da tag: julho

Começa nesta terça pagamento de julho dos servidores estaduais

O Governo do Estado inicia nesta terça-feira (30) o pagamento do funcionalismo público estadual referente ao mês de julho, quando recebem os aposentados e pensionistas. Na quarta-feira (31), será a vez dos servidores da ativa receberem seus salários. O anúncio foi feito pelo governador João Azevêdo, nesta segunda-feira (29), durante o programa ‘Fala, governador’, transmitido em cadeia estadual pela Rádio Tabajara.

O gestor destacou o compromisso da administração de efetuar o pagamento dos servidores estaduais dentro do mês trabalhado, o que representa uma injeção na economia de mais de R$ 350 milhões. “Isso fortalece o comércio e a área de serviços porque a Paraíba já tem como uma coisa certa essa injeção mensal de recursos, o que tem permitido a estabilidade econômica do nosso Estado”, frisou.

Calendário:

30/07 – aposentados e pensionistas
31/07 – servidores da ativa

 

Secom

 

 

Pagamento de julho dos servidores estaduais começa na terça-feira, dia 30

O pagamento do mês de julho dos servidores estaduais acontecerá a partir da próxima terça-feira (30).

Primeiramente receberão os aposentados e pensionistas e na quarta-feira (31), os servidores da ativa.

A Paraíba possui mais de 100 mil servidores estaduais.

A Secretaria de Administração ressaltou que com a confirmação das datas o pagamento dos servidores estaduais continua sendo realizado dentro do mês trabalhado.

PB Agora

 

 

Mais de 11 mil servidores não concluíram atualização cadastral e Governo faz mutirão nos dias 30 e 31 de julho

O Governo da Paraíba, por meio da Secretaria de Estado da Administração, realiza um mutirão da atualização cadastral nos próximos dias 30 e 31 de julho, no Espaço Cultural José Lins do Rego, na Capital. A ação presencial concentrada é para atingir os servidores estaduais inativos e ativos (efetivos, comissionados, prestadores de serviço, aposentados e pensionistas) que ainda não fizeram o processo por meio da internet.

Durante esses dois dias, equipes da Secretaria de Estado da Administração realizam o processo na estrutura que será montada no Teatro de Arena do Espaço Cultural. O atendimento será das 8h às 18h. Pelo menos 11.238 servidores, sendo 8.688 servidores inativos e 2.550 ativos faltam concluir o processo da atualização, que é uma exigência do Governo Federal. O prazo acaba dia 31 de julho. Quem não atualizar os dados terá o salário de agosto bloqueado.

A secretária de Estado da Administração, Jacqueline Gusmão, reforça que os servidores levem os documentos necessários para a realização do cadastro. “O documento de identidade e o comprovante de residência são obrigatórios, mas se o servidor mudou de estado civil, teve mais filhos, tem mais dependentes ou até mesmo concluiu um curso superior – neste caso apenas para os ativos –, é necessário levar os documentos que comprovem todas essas mudanças”, explica a secretária.

Quem quiser, poderá tirar dúvidas sobre quais documentos levar ligando para o 0800 083 9800. A ligação é gratuita e pode ser feita de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h30, inclusive em horário de almoço. Pelo site www.tiraduvidas.pb.gov.br também é possível digitar qualquer palavra-chave que o sistema localiza a resposta correta para a dúvida.

O procedimento para realizar a atualização cadastral dos servidores continua sendo feito pela internet, no Portal do Governo da Paraíba (www.paraiba.pb.gov.br). Porém, até a data do mutirão que vai acontecer no Espaço Cultural, os servidores inativos poderão comparecer presencialmente na sede da PBPrev, no Centro Administrativo Estadual (ambos na Capital) e na Casa da Cidadania de Campina Grande, Guarabira e Patos para fazer a atualização.

Os aposentados e pensionistas não devem confundir a atualização cadastral com a prova de vida que está sendo realizada pelo Banco Bradesco. São duas ações diferentes. Quem já fez a prova de vida na instituição bancária, deve fazer também a atualização cadastral e vice-versa.

 

clickpb

 

 

Chuvas na PB são normais e devem seguir até o fim de julho

As fortes chuvas registradas na parte leste da Paraíba são consideradas normais para este período do ano, conforme informado ao Portal Correio pela Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa). De acordo com a meteorologista Marle Bandeira, elas ocorrem porque há grande concentração de umidade vinda do Oceano Atlântico em direção à costa.

Segundo o site da Aesa, a Capital registrou 86,2 milímetros (mm) de chuvas de domingo (21) até esta quarta (24). A Defesa Civil de João Pessoa garantiu que não houve nenhum problema na Capital e que os números são normais. O coordenador do órgão, Noé Estrela, informou também que há previsão de mais chuvas.

A Defesa Civil alertou ainda que as chuvas podem causar alagamentos e enchentes, e informou que o órgão está a disposição através do telefone 0800 285 9020. Em todo o estado, a Defesa Civil atende no 199 e o Corpo de Bombeiros, no 193.

Alagamentos em JP durante o dia

A Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de João Pessoa (Semob-JP) registrou alagamentos durante esta quarta-feira (24) na Capital por conta das chuvas. Até às 14h30, a água acumulada foi encontrada nos seguintes pontos:

– Viaduto do Cristo, em frente ao Trevo Autoshopping;
– Valdemar Nazeazeno, ao lado da Central de Polícia;
– Avenida das Industrias, no Bairro das Indústrias;
– Lateral do Centro Administrativo Municipal;
– Ladeira Valentina x Mangabeira;
– Rua Prof. Osvaldo Miranda Pereira, João Agripino.

Ao Portal Correio, o Corpo de Bombeiros de João Pessoa informou que não houve ocorrências decorrentes das chuvas.

Campina Grande

Já em Campina Grande, o teto de uma concessionária de veículos desabou durante a madrugada desta quarta-feira (24). Vários automóveis que estavam no local foram atingidos.

Conforme o coordenador da Defesa Civil de Campina Grande, Ruiter Sansão, uma árvore também chegou a cair próximo a um posto de combustível no bairro da Liberdade e os bairros Novo Horizonte e Distrito Industrial registraram pontos de alagamento.

Segundo ele, a região do bairro Novo Horizonte, próxima ao aeroporto, é de planície de Campina Grande e a água da chuva que chega aos canais tende a seguir naquela direção.

Conforme previsão meteorológica da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (AESA), para Campina Grande é de que o clima permaneça favorável ao aumento da nebulosidade e a ocorrência de chuvas, de intensidade moderada. “A partir desta quinta-feira (25), a previsão é que em Campina já comece a reduzir o volume de chuvas,” informou Marle Bandeira, meteorologista do órgão. Em todo o estado podem ocorrer chuvas e as temperaturas ficam entre 15°C e 31°C.

Patos

Patos não está na lista de 64 cidades que deverão ter chuvas fortes, nem aparace no mapa de pluviometria para esta época. Normalmente, as chuvas no Sertão da Paraíba ocorrem nos primeiros meses do ano. Porém, nesta quarta, a cidade sertaneja também registrou chuvas.

 

 

portalcorreio

 

 

Veja previsão do tempo na PB e clima para o fim de semana, 20 e 21 de julho

A previsão do tempo na Paraíba para este sábado (20) tem variação da temperatura de 15ºC no Cariri e Curimataú, até a máxima de 33ºC no Sertão. No Litoral, as temperaturas oscilam entre 20°C e 29°C, enquanto no Agreste a variação é de 17°C e 26°C. O Brejo, geralmente região mais fria do estado, tem variação de 17°C a 25°C.

Segundo dados da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa), o tempo deve permanecer com nebulosidade variável e ocorrência de chuvas a qualquer hora no setor leste da Paraíba.

Em João Pessoa, a previsão para o sábado é de dia chuvoso durante o dia e durante a noite. As temperaturas podem variar de 21ºC a 26ºC. Já para o domingo, a previsão é de sol com muitas nuvens durante o dia e períodos de nublado, com chuva a qualquer hora. A temperatura varia entre 20°C a 27°C..

Em Campina Grande, a previsão para todo fim de semana é de sol com muitas nuvens durante o dia e períodos de nublado, com chuva a qualquer hora. A variação de temperatura é de 20°C a 25°C no sábado e de 19ºC a 26ºC no domingo.

As previsões do tempo e clima são feitas pela Agência Executiva de Gestão de Águas da Paraíba (Aesa) e pelo Climatempo.

G1

 

Veja previsão do tempo na PB e clima para o fim de semana, 13 e 14 de julho

A previsão do tempo na Paraíba para este sábado (13) tem variação da temperatura de 16ºC no Cariri e Curimataú, até a máxima de 33ºC no Sertão. No Litoral, as temperaturas oscilam entre 21°C e 29°C, enquanto no Agreste a variação é de 18°C e 29°C. O Brejo, geralmente região mais fria do estado, tem variação de 17°C a 26°C.

Segundo dados da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa), devem permanecer as condições de nebulosidade variável e propícias à ocorrência de chuvas em algumas áreas do estado da Paraíba, especialmente entre o Litoral e Brejo.

Em João Pessoa, a previsão para o sábado é sol com muitas nuvens durante o dia. Podem ocorrer períodos de tempo nublado, com chuva a qualquer hora. A temperatura varia no fim de semana entre 21°C e 29°C.

Em Campina Grande, a previsão é de sol e aumento de nuvens de manhã, podendo ocorrer pancadas de chuva à tarde e à noite. A variação de temperatura em todo fim de semana é de 19°C a 28°C.

As previsões do tempo e clima são feitas pela Agência Executiva de Gestão de Águas da Paraíba (Aesa) e pelo Climatempo.

G1

 

Pequenos negócios têm até dia 15 de julho para retornar ao Simples

A data limite foi estabelecida pela Receita Federal por meio de Resolução e vale para as empresas de pequeno porte excluídas do Simples em 1º de janeiro de 2018
As micro e pequenas empresas (MPE) excluídas do Simples Nacional terão até o dia 15 de julho deste ano para requerer o retorno ao sistema. Na quarta-feira (3), o Comitê Gestor do Simples Nacional (SGSN) editou Resolução que permite esta ação. Os pequenos negócios podem retornar ao Simples Nacional desde que tenham sido excluídos do sistema em 1º de janeiro de 2018, tenham aderido ao Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte optantes pelo Simples Nacional (Pert-SN), instituído pela Lei Complementar nº 126, de 6 de abril de 2018 e não tenham incorrido nas vedações previstas na Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006.
“O Simples Nacional tem impacto direto na sobrevivência da micro e pequena empresa. Estudos realizados pelo Sebrae mostram que, se o modelo de tributação acabasse, 67% das empresas optantes fechariam as portas, seriam empurradas para a informalidade ou reduziriam suas atividades. Por isso, esta Resolução é tão importante, representa uma oportunidade para as micro e pequenas empresas”, defende o presidente do Sebrae, Carlos Melles.
A opção de retornar ao Simples Nacional poderá ser feita até o dia 15 de julho, perante a Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil, por meio de um formulário. No requerimento deve constar a assinatura do contribuinte ou por seu representante legal, e instruído com o documento de constituição da pessoa jurídica ou equiparada, com as respectivas alterações que permitam identificar os responsáveis por sua gestão.
Conforme a Secretaria-Executiva do Comitê Gestor do Simples Nacional o contribuinte deve estar ciente de que, em caso de prestação de informação falsa, ele poderá ser excluído retroativamente do Simples Nacional, além de estar sujeito às demais penalidades previstas na legislação. Outro aspecto importante é que, uma vez deferida a opção extraordinária, as MPE ficarão sujeitas às obrigações tributárias principais e acessórias decorrentes, desde 1º de janeiro de 2018.
Simples Nacional
O Simples é um regime tributário facilitado e simplificado para os pequenos negócios. Criado em 2006 pela Lei Complementar nº 123, o Simples abrange a participação de todos os entes federados (União, Estados, Distrito Federal e Municípios) e reúne, em um único documento de arrecadação (DAS) os seguintes tributos: IRPJ, CSLL, PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS, ISS e a Contribuição para a Seguridade Social destinada à Previdência Social a cargo da pessoa jurídica (CPP).
Sebrae/PB

 

Veja previsão do tempo na PB e clima para o fim de semana, 6 e 7 de julho

A previsão do tempo na Paraíba para este sábado (7) tem variação da temperatura de 16ºC no Cariri e Curimataú, até a máxima de 33ºC no Sertão. No Litoral, as temperaturas oscilam entre 21°C e 29°C, enquanto no Agreste a variação é de 18°C e 29°C. O Brejo, geralmente região mais fria do estado, tem variação de 17°C a 26°C.

Segundo dados da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa), deve permanecer a condição de céu parcialmente nublado na maioria das regiões. Entretanto, no decorrer do dia, existe a possibilidade de chuvas passageiras em áreas isoladas do Litoral, Brejo e Agreste.

Em João Pessoa, a previsão para o sábado é de sol com algumas nuvens. Não deve chover na capital. A temperatura varia no fim de semana entre 22°C e 30°C.

Em Campina Grande, a previsão é de sol com algumas nuvens. Não deve chover na cidade durante este fim de semana. A variação de temperatura em todo fim de semana é de 18°C a 28°C.

As previsões do tempo e clima são feitas pela Agência Executiva de Gestão de Águas da Paraíba (Aesa) e pelo Climatempo.

G1

 

Saída de mais de 3 mil funcionários da Caixa Econômica começa em julho

A saída de 3,5 mil funcionários da Caixa Econômica Federal (CEF) através do Programa de Demissão Voluntária Estimulada (PDVE) começará a ser efetivada a partir da próxima semana. O anúncio sobre a medida foi feito ainda em maio e faz parte de um plano de redução de custos. Em menos de três anos, a Caixa já realizou três programas de demissão voluntária, o que já teria impactado em 3,6% menos gasto com pessoal em 2018, quando 2.228 empregadores deixaram o banco.

Ainda em 2019, cerca de dois mil servidores serão admitidos. Até o momento, 325 pessoas já foram chamadas e a perspectiva, de acordo com informações da assessoria de comunicação da CEF, é que os 1.675 restantes sejam convocados nos próximos meses. Todos fazem parte do banco de vagas de Pessoas Com Deficiência (PCD). Os funcionários estão passando pelo processo de admissão, como a realização de exames médicos, ações de integração e assinatura de contrato.

“Foi um pedido (dos servidores). Eu já fui a mais de 60 agências e as pessoas cobravam poder ter esse plano (de demissão). Porque ele oferece alguns benefícios. Você se aposenta e recebe vários salários na frente”, afirmou o presidente da CEF, Pedro Guimarães, em entrevista exclusiva ao O POVO.

Ele explicou que, em 1989, houve um concurso público para provimento de muitas vagas na instituição e, em 2019, as servidoras que assumiram cargos naquele ano já estão aptas a se aposentar, após 30 anos de serviço público prestado. Os funcionários que se aposentarem ainda este ano permanecerão com o direito ao plano de saúde. Este é o primeiro PDVE executado durante a gestão de Pedro Guimarães.

“Agora, a partir do dia 5 de julho, (saem) 3.500 pessoas que já poderiam se aposentar. Já iriam, mas agora conseguem se aposentar recebendo 9,7 salários. Elas têm um ganho quase de um ano trabalhado para se aposentar”, complementou o presidente. Pedro Guimarães ressaltou ainda que dois mil funcionários seriam chamados, aprovados no concurso realizado em 2014. Os funcionários serão contratados pelo regime CLT.

O economista Lauro Chaves, conselheiro do Conselho Federal de Economia (CFE), comenta que o presidente da Caixa destacou, durante visita a Fortaleza, que a instituição terá uma atuação cada vez mais focada na área social e que, do ponto de vista organizacional, o redimensionamento dos custos operacionais do banco – e consequentemente do seu quadro de funcionários – seria justificável.

“Não ficou claro então, porque seriam convocados aprovados em concursos recentes. Vale reforçar o relevante papel que a CEF desempenha na economia brasileira e que para isso deve ter eficiência operacional e foco estratégico”, comentou Lauro.

Para o presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará, Carlos Eduardo Bezerra, a redução do quadro de pessoas na CEF pode impactar no atendimento da instituição, mais especificamente em relação à execução de ações de crédito. “Significa a precarização do atendimento em um momento que, desde 2013, percebemos mudança no volume de crédito sendo alterado de bancos públicos para bancos privados”, avalia. A preocupação, segundo ele, é que a medida impacte negativamente em programas sociais como o Minha Casa, Minha Vida e Bolsa Família.

A assessoria de comunicação da CEF ressaltou que são abertas 3.500 vagas para quem quer se aposentar voluntariamente. Para isso, o funcionário precisa ter finalizado, até dezembro deste ano, o processo de aposentadoria através do INSS, o que pode demandar meses até sua concretização. O impacto dessa realidade no não preenchimento de vagas pode chegar até 10%.

 

O Povo

 

 

Contas de energia terão bandeira amarela em julho

A bandeira tarifária utilizada como referência nas contas de luz do mês de julho será a amarela. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (28) em comunicado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Com a medida, as cobranças terão um acréscimo de R$ 1,50 para cada 100 quilowatts-hora consumidos.

O adicional retorna às contas após a autoridade reguladora ter definido bandeira verde em junho, situação em que não é cobrado acréscimo nas contas. No comunicado, a Aneel justificou a bandeira amarela pelo fato de julho ser um mês “típico da seca nas principais bacias hidrográficas do país”.

“A previsão hidrológica para o mês sinaliza vazões abaixo da média histórica e tendência de redução dos níveis dos principais reservatórios. Esse cenário requer o aumento da geração termelétrica, o que influenciou o aumento do preço da energia (PLD) e dos custos relacionados ao risco hidrológico (GSF) em patamares condizentes com o da Bandeira Amarela”, justificou a agência.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado, de acordo com a Aneel, para sinalizar aos consumidores os custos reais da geração de energia elétrica. O funcionamento das bandeiras tarifárias tem três cores, a verde, a amarela e a vermelha (nos patamares 1 e 2), que indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

O cálculo para acionamento das bandeiras tarifárias leva em conta, principalmente, dois fatores: o risco hidrológico e o preço da energia. Os recursos pagos pelos consumidores vão para uma conta específica e depois são repassados às distribuidoras de energia para compensar o custo extra da produção de energia em períodos de seca.

No dia 21 de maio, a Aneel aprovou um reajuste no valor das bandeiras tarifárias. Com os novos valores, caso haja o acionamento da bandeira amarela, o acréscimo cobrado na conta passou de R$ 1 para R$ 1,50 a cada 100 kWh consumidos. Já a bandeira vermelha patamar 1 passou de R$ 3 para R$ 4 a cada 100 kWh e no patamar 2, passou de R$ 5 para R$ 6 por 100 kWh consumidos. A bandeira verde não tem cobrança extra.

 

 

Agência Brasil