Arquivo da tag: Japão

As duas leis que ajudam o Japão a ser um dos países mais ‘magros’ do mundo

japonesa-orientalA lista dos 50 países com menores índices de obesidade do mundo está cheia de nações que lutam contra a pobreza, a fome, a falta de segurança – ou tudo isso ao mesmo tempo. Mas no 38º lugar, entre Mali e Zimbábue, um país se difere do resto.

Com apenas 3,7% de obesidade entre a população adulta, o Japão é, de longe, a nação desenvolvida com taxas mais baixas.

Se o país for comparado a outros membros do G8 (grupo de nações com as economias mais industrializadas do planeta), as diferenças são gritantes: Alemanha, França e Itália têm entre 21% e 22% de obesos na população, Reino Unido tem aproximadamente 26% e os Estados Unidos, quase no outro extremo, registram 33,6%.

Para efeito de comparação, o Brasil tem 17,1% de obesos entre a população.

A BBC Mundo, serviço da BBC em espanhol, conversou com Katrin Engelhardt, especialista em nutrição da OMS (Organização Mundial da Saúde), sobre o sucesso japonês em manter níveis baixos de obesidade e sobrepeso em todas as idades da população.

Por trás dos bons resultados, destaca Engelhardt, há um governo comprometido com políticas para manter o sobrepeso sob controle, investindo muito em programas de nutrição e educação para a saúde.

Todas essas medidas fazem parte de uma campanha nacional chamada “Saúde Japão 21”.

Para começar, entenda duas leis específicas que ajudam a garantir a boa saúde no país e a frear a obesidade:

Lei Shuku Iku, para a educação das crianças

“Essa lei tem um nome bem profundo”, explica Engelhardt. Shuku faz referência à comida, à dieta e ao ato de comer, enquanto Iku se refere à educação intelectual, moral e física.

O objetivo dessa regra é aumentar a informação dos estudantes sobre a cadeia alimentar, a procedência e a produção dos alimentos, além de exigir educação sobre nutrição desde os primeiros anos de escola até o nível secundário.

Vigente desde 2005, a Lei Shuku Iku determina processos como cardápios saudáveis nas escolas e contratação de nutricionistas profissionais que também tenham formação como professores para dar aulas específicas sobre alimentação.

Além disso, a lei prega a promoção de uma cultura social ao redor da comida. O que isso significa: as crianças são estimuladas a preparar e compartir alimentos nos colégios.

Na hora das refeições, as salas de aula são transformadas em uma espécie de restaurante. As crianças ajudam a por a mesa, servem umas às outras e comem todas juntas.
A ideia é transmitir a mensagem de que “comer é um ato social”, diz Engelhardt.

Além disso, segundo a especialista, não há quiosques ou máquinas de comida dentro das escolas, o que faz com que os alunos dificilmente consigam encontrar lanches que não sejam saudáveis, com batatas fritas ou bebidas açucaradas.

Lei Metabo, para controlar o peso em adultos

Outra legislação que a especialista destaca para explicar o êxito japonês é a Lei Metabo (de metabolismo), que estimula adultos entre 40 e 75 anos a fazerem uma medição anual da circunferência abdominal.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, uma circunferência de mais de 94 cm para homens e mais de 80 cm para mulheres traz mais risco de complicações metabólicas, como doenças cardiovasculares.

Essas medições são feitas pela administração pública e também por empresas.

“Os empregadores têm um dia anual claramente identificado, quando todo o pessoal precisa medir a circunferência da barriga”, afirma a especialista da OMS.

Se as medidas não forem saudáveis, as empresas estimulam os empregados a participarem de sessões de apoio e a fazerem mais exercícios.

O objetivo da lei é estimular os adultos a serem mais conscientes sobre a importância de um peso saudável e da prática de atividades físicas.

A lei prevê ainda o seguinte:

– As companhias estimulam que trabalhadores façam exercícios durante seus horários livres. Algumas inclusive têm ginásios ou quadras de badminton para que os empregados possam se exercitar facilmente na hora do almoço ou depois do trabalho;

– Os funcionários são estimulados a chegar ao trabalho caminhando ou de bicicleta, e o governo promove segurança nas ciclovias para estimular o exercício.

Comida tradicional e porções pequenas

Mas além das leis específicas, há peculiaridades culturais que ajudam aos japoneses a se manterem no peso.

Como em outras sociedades asiáticas como a Coreia do Sul, que também tem um índice de obesidade bem baixo (4,6%), no Japão se dá muita importância à comida tradicional.

“A ênfase está na comida recém-preparada e produzida localmente”, destaca Katrin Engelhardt.

Os japoneses têm muito orgulho dos pequenos terrenos e das hortas urbanas onde produzem alimentos na forma natural.

“Em algumas culturas asiáticas, a comida sempre foi vista como algo quase medicinal”, diz a especialista. Além disso, ela destaca um fator cultural que também impacta: eles historicamente preferem porções pequenas.

“Nos eventos familiares japoneses, na cozinha tradicional, são servidos muitos pratos em porções pequenas, cheias de vegetais e comida muito fresca”, explica Engelhardt.

Enquanto isso, por exemplo, em algumas ilhas do Pacífico que têm índices de obesidade mais altos do mundo, como Tonga, Palau, Nauru, Niue e Ilhas Cook (mais de 40%), as porções são gigantescas, combinadas com índices de atividade física extremamente baixos.

Os países da América Latina com índices mais baixos de obesidade

1. Haiti: 6,7%

2. Honduras: 12,3%

3. Bolívia: 12,4%

4. Nicarágua: 12,6%

5. Guatemala: 13,4%

Os países da América Latina com índices mais altos de obesidade

1. Argentina: 26,7%

2. Chile: 24,8%

3. México: 23,7%

4. Uruguai: 23,5%

5. Venezuela: 21,9%

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Com volta de Thaisa, Brasil bate Japão e se garante nas quartas de final

imagem: Lucas Lima/UOL
imagem: Lucas Lima/UOL

A seleção brasileira feminina de vôlei garantiu nesta quarta-feira sua vaga para as quartas de final dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Jogando no Ginásio do Maracanãzinho pela terceira rodada do Grupo A, o time do técnico José Roberto Guimarães derrotou o Japão por 3 sets a 0 (parciais de 25/18, 25/17 e 25/22) e assegurou sua presença na próxima fase da Olimpíada.

A partida marcou a volta da central Thaísa, que havia sido poupada por precaução nos dois primeiros jogos do Brasil na Rio-2016 (vitórias por 3 sets a 0 sobre Camarões e Argentina). A camisa 6 se recuperava de uma lesão na panturrilha anterior à competição no Rio de Janeiro.

Classificada, a seleção volta a entrar em quadra na sexta-feira (12) pela quarta rodada do Grupo A. Às 22h35, mede forças com a Coreia do Sul; antes disso, às 20h30, o Japão encara a Rússia.

Léia, destaque na defesa

Se o Brasil passou com facilidade pelas japonesas, deve muito à atuação da líbero Léia. A camisa 19 se destacou na defesa e na recepção, neutralizando os ataques das adversárias e entregando a bola sem sustos para a criação de jogadas das companheiras.

Bloqueio garante Brasil no 1º set

A seleção japonesa até tentou dar trabalho no começo do primeiro set, mas não resistiu à eficiência do bloquei brasileiro – foi justamente em um bloqueio duplo de Sheilla e Fabiana que o Brasil fechou a parcial em 25/18. O lance redimiu a camisa 13, que errou dois saques ao pisar na linha.

No 2º set, Thaísa estreia

Se o bloqueio foi o ponto-chave do primeiro set, o fundamento que decidiu o segundo foi o levantamento – destaque para a distribuição de Dani Lins. Poupada até então, Thaísa entrou em quadra no fim do set, para a festa da torcida presente no Maracanãzinho. Dominante, a seleção fechou com facilidade em 25/17.

Distração quase complicou no último set

A terceira parcial poderia ter sido mais tranquila, mas as donas da casa diminuíram o ritmo, se distraíram e permitiram que as nipônicas crescessem no jogo e empatassem em 18/18. José Roberto Guimarães então apostou na saída de Fê Garay para a entrada de Jaqueline. A troca surtiu efeito e o time da casa fechou a parcial em 25/22 – justamente em um ataque de Thaísa.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Brasil atropela Japão e vence mais uma no polo aquático masculino

imagem: Laszlo Balogh/Reuters
imagem: Laszlo Balogh/Reuters

A seleção masculina de polo aquático conseguiu sua segunda vitória em dois jogos, dessa vez de virada, ao fazer 16 a 8 sobre o Japão nesta segunda-feira (8), no Centro Aquático Maria Lenk. O resultado deixou o time em situação confortável no Grupo A, em que quatro das seis equipes avançam.

A torcida teve um papel importante na vitória. O Brasil começou perdendo por dois gols feitos logo nos primeiros minutos, mas as arquibancadas empurraram o time com gritos importados do futebol. O time reagiu, virou e transformou um começo ruim em um passeio.

“Uh, pulaê, faz o caldeirão ferver”, foi um dos cânticos entoados pela torcida.

O próximo desafio da seleção acontece nesta terça-feira (10), contra a Sérvia, que empatou suas duas primeiras partidas. O jogo começa às 19h30 (de Brasília).

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Brasil supera Japão em teste olímpico com gol de Gabriel e Neymar discreto

imagem: Evaristo Sá / AFP
imagem: Evaristo Sá / AFP

O último teste do Brasil para os Jogos Olímpicos foi positivo. Com 30 minutos de bom futebol no primeiro tempo e muitas substituições no segundo, a equipe do treinador Rogério Micale superou o Japão por 2 a 0, neste sábado, no Estádio Serra Dourada com mais de 33 mil torcedores.

Com a expectativa de ter Fernando Prass de volta, o Brasil viaja no domingo a Brasília e completa a preparação para a estreia nos Jogos Olímpicos na próxima quinta, contra a África do Sul. Já os japoneses, no Grupo B da competição estreiam no mesmo dia contra a Nigéria, em Manaus.

Gols de Gabriel e Marquinhos dão a vitória para a seleção brasileira

Evaristo Sá / AFP
Gabriel abriu o placar no Serra Douradoimagem: Evaristo Sá / AFP

O atacante santista provou novamente que tem um faro de gol especial. Gabigol, que já havia marcado na estreia pela seleção principal e é o maior artilheiro do ciclo olímpico, abriu o caminho aos 32min com linda arrancada em velocidade pelo centro em que deixou três marcadores para trás. Marquinhos, aos 40min, ampliou na estreia dele pelo time sub-23: após escanteio batido por Neymar, ele subiu mais alto que os japoneses e fez de cabeça.

O melhor: Felipe Anderson chama responsabilidade e deixa ótima impressão

Evaristo Sá / AFP
imagem: Evaristo Sá / AFP

A seleção teve dificuldades para se encontrar nos primeiros 15 minutos de jogo, mas desde esse momento Felipe Anderson foi importante. Chamou a responsabilidade, levou a equipe à frente e criou jogadas de perigo que deram mais confiança para que o placar fosse construído na sequência. Felipe, mesmo assim, foi substituído no intervalo.

O pior: Zeca tem atuação discreta e destoa do restante do time

Titular da lateral direita, o santista errou alguns passes e cruzamentos no confronto e não atuou no nível que normalmente exibe por sua equipe. A atuação, ainda assim, esteve longe de comprometer. William, do Internacional, foi testado na etapa final.

Neymar faz sucesso com os dribles, mas prende demais a bola

Evaristo Sá / AFP
Neymar foi perseguido pelos japoneses durante o amistosoimagem: Evaristo Sá / AFP

O atacante do Barcelona-ESP atuou pela primeira vez desde a volta das férias e teve boa atuação. Capitão do time, Neymar porém voltou a ser individualista em alguns momentos e carregou demais a bola sem participar ativamente do jogo coletivo proposta pela equipe.

Antes do jogo, ‘rave’ e Fernando Prass no aquecimento

O sistema de som do Serra Dourada tocou um compilado de música eletrônica em alto volume durante o aquecimento das duas seleções. O Brasil, curiosamente, aqueceu por quase 30 minutos em ritmo forte. Fora da partida, Fernando Prass foi com os demais goleiros no gramado e se exercitou bastante. Ele foi poupado por dores no cotovelo direito.

Micale ganha confiança com vitória e dá ritmo para todos os jogadores

No primeiro jogo desde que foi definido como treinador para a Olimpíada, Rogério Micale comandou uma equipe que convenceu em boa parte dos momentos do jogo. Ele chegou a testar os quatro atacantes da equipe juntos com a entrada de Luan no intervalo. Depois, deu minutos a todos os demais convocados para os Jogos do Rio.

Tite e Edu Gaspar acompanham o amistoso in loco. Del Nero também

O treinador da seleção principal chegou a Goiânia neste sábado com o coordenador para assistir à partida in loco. Tite cantou o Hino Nacional de olhos fechados na tribuna do Serra Dourada. Já o presidente da CBF, que não viaja para o exterior com o time brasileiro, esteve no camarote ao lado de André Pitta, presidente da Federação Goiana, e Coronel Nunes, da Paraense.

Festa bonita no Serra Dourada com 33 mil torcedores e muita camisa amarela

Ueslei Marcelino / Reuters
Torcedor brasileiro fez sua parte no Serra Douradaimagem: Ueslei Marcelino / Reuters

A venda de ingressos para a partida disparou nos últimos dias em Goiânia e proporcionou um público que Vila Nova, Goiás e Atlético-GO não costumam levar ao estádio. O público, que fez barulho, ola, apoiou a seleção e até acendeu celulares no segundo tempo, jogou junto da seleção. A promoção da CBF para meia entrada para quem usasse a camisa da seleção funcionou. Boa parte do estádio estava vestido de amarelo.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 2 X 0 JAPÃO
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO)
Data: 30 de julho de 2016 (Sábado)
Horário: 16h30(de Brasília)
Gols: Gabriel e Marquinhos (Brasil)
Público pagante: 32.517
Público total: 33.458
Renda: R$ 1.508.070,00
BRASIL: Uilson, Zeca (William), Rodrigo Caio (Luan Garcia), Marquinhos e Douglas Santos; Thiago Maia (Rodrigo Dourado), Rafinha (Luan) e Felipe Anderson (Renato Augusto); Neymar, Gabriel (Walace) e Gabriel Jesus
Técnico: Rogério Micale
JAPÃO: Nakamura (Kushibiki); Muroya, Shiotani (Iwanami), Ueda e Fujiharu (Kamekawa); Endo, Harakawa (Oshima) e Nakajima; Yajima (Asano), Koroki e Minamino
Técnico: Makoto Teguramori
Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Nº de mortos após ataque a centro de deficientes no Japão vai a 19

japãoO número de mortos após ataque contra um centro de atendimento de pessoas com deficiência, nesta terça-feira (26), em Sagamihara, no oeste de Tóquio, no Japão, subiu para 19 mortos, informou o Departamento dos Bombeiros. 25 pessoas ficaram feridas.

“Os médicos confirmaram a morte de 19 pessoas”, disse um porta-voz dos Bombeiros, revendo um boletim da polícia. O mesmo funcionário informou que dos 25 feridos, 20 estavam em estado grave.

Um homem jovem se entregou à polícia por volta das 3h local (15h de segunda, 25, em Brasília), afirmando ser o autor do ataque, disse o porta-voz policial da prefeitura de Kanagawa.

Segundo a agência de notícias “Kyodo”, o agressor seria um ex-funcionário do centro de saúde de 26 anos chamado Satoshi Uematsu.

Ao se entregar a polícia, Uematsu teria dito que “todos os deficientes deveriam desaparecer”.

A polícia, que recebeu um chamado alertando para o ataque contra o centro, informou que há uma investigação em andamento “para determinar os detalhes” do incidente ocorrido em Sagamihara, cidade de 700 mil habitantes.

Segundo a rede de televisão “NHK”, o agressor é um jovem estudante de magistério que havia trabalhado no centro há cerca de dois anos.

O agressor teria quebrado as janelas para entrar no centro, onde havia 160 internos.

O estabelecimento, conhecido como Tsukui Yamayuri-en, é integrado por dois prédios principais, além de um ginásio e uma piscina, e abriga pacientes com entre 17 e 75 anos.

Ainda segundo a NHK, a polícia encontrou várias facas em poder do agressor, algumas com sangue.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Japão constrói muralha contra tsunamis

muroO governo do Japão está construindo uma grande muralha para se proteger de tsunamis.

A construção terá 12,5 metros de altura e se estenderá por mais de 400 quilômetros na costa noroeste do país.

A muralha é feita de cimento e formada por uma cadeia de paredes menores e blocos que facilitam a construção.

A obra custou algo em torno de US$ 6,8 bilhões (mais de R$ 21 bilhões) e visa evitar um desastre parecido com o ocorrido em março de 2011, no qual um tsunami provocado por um terremoto no Oceano Pacífico destruiu comunidades costeiras e a usina nuclear de Fukushima, deixando um total de 19 mil mortos.

Os que são a favor do projeto afirmam que a muralha é uma espécie de mal necessário e alegam que a edificação ainda pode criar novos postos de trabalho. Estima-se que a construção do muro demore dois anos.

Os críticos da muralha afirmam que ela vai arruinar completamente a paisagem, prejudicar os ecossistemas marinhos e a indústria pesqueira local.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Falsa segurança?

Segundo vários especialistas, a muralha pode reduzir a potência do impacto de um eventual tsunami e, desta forma, o dano causado pela onda. Mas, também pode criar uma espécie de falsa confiança.

Muitos dos que morreram ou desapareceram no último tsunami não prestaram atenção aos alertas de perigo.

Margarta Wahlstrom, diretora do Escritório da ONU para Redução de Riscos em Desastres, lembra que a falta de uma infraestrutura básica pode ser catastrófica quando países em desenvolvimento são atingidos por estes fenômenos. Mas a dependência extrema deste tipo de proteção pode fazer com que as pessoas se sintam seguras demais.

“Há uma fé exagerada na tecnologia como solução, apesar de tudo que aprendemos, nos mostra que o conhecimento e a intuição das pessoas é o que faz a diferença. A tecnologia, de fato, nos torna um pouco mais vulneráveis”, disse Wahlstrom durante uma conferência na semana passada em Sendai, Japão.

Akie Abe, esposa do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, também fez críticas ao projeto.

Na opinião de Akie, a muralha fará com que os moradores das cidades costeiras não fiquem atentos aos sinais de um tsunami no futuro. Além disso, para ela, a manutenção desta muralha será cara.

Eficácia questionada

AP
Os críticos do projeto afirmam que a muralha dá uma sensação de falsa segurança

Outros duvidam até da eficácia da muralha.

“O mais seguro é que as pessoas vivam em locais mais elevados e que suas casas e locais de trabalho estejam em áreas diferentes. Se fizermos isto, não precisaremos de uma grande muralha”, disse à agência AP Tsuneaki Iguchi, prefeito de Iwanuma, cidade que ficou debaixo d’água no último tsunami.

As provas quanto à utilidade da muralha não são unânimes.

Em 2011, a localidade de Fudai, no noroeste da ilha, escapou das ondas graças a um sistema de comportas e um muro. Estas construções foram feitas graças a um prefeito do local que enfrentou um tsunami e fez com que a construção do muro fosse uma prioridade de seu governo.

O projeto, iniciado na década de 1970, foi muito criticado, classificado como um gasto desnecessário. Mas, graças a este projeto, Fudai se manteve de pé.

No entanto, na região de Kamaishi, na prefeitura de Iwate, um grande muro que demorou três décadas para ficar pronto a um custo de US$ 1,6 bilhões (mais de R$ 5 bilhões) desmoronou durante o tsunami de 2011 e deixou a cidade totalmente sem defesas.

Mas, apesar de as obras da grande muralha já estarem em andamento, o certo é que nenhum projeto de construção poderá eliminar totalmente a necessidade de proteção dos fenômenos mais violentos da natureza.

“O que quero destacar é que não importa o que as pessoas tentem criar, não vamos vencer a natureza. Por isso nós, humanos, temos que encontrar uma forma de coexistir com ela. É preciso fugir quando há perigo. O mais importante é salvar sua vida”, disse à agência de notícias AP Takeshi Konno, prefeito da cidade costeira de Rikusentakata.

 

BBC Brasil

Brasil goleia Japão desfalcado com quatro de Neymar e engata a quarta com Dunga

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

O time reserva Japão não foi capaz de frear o bom início de Dunga no comando da seleção brasileira. Nesta terça-feira, em Cingapura, o Brasil contou com quatro gols de Neymar para vencer por 4 a 0 e garantir os 100% de aproveitamento em quatro jogos desde o retorno do treinador, que assumiu a equipe após o fiasco liderado por Luiz Felipe Scolari na Copa do Mundo. Com seus gols, Neymar se tornou o quinto maior artilheiro da história da seleção: 40 gols.

Com 10 dos 11 titulares que venceram a Argentina no sábado (David Luiz, contundido, deu lugar a Gil), o Brasil teve o controle da partida em todo o tempo e terminou mais uma partida sem sofrer gols (não fora vazado tambémcontra Colômbia, Equador e Argentina). As jogadas com transição rápida da defesa para o ataque e as tabelas entre os jogadores de frente (Oscar, Willian, Neymar e Tardelli) foram destaque mais uma vez. Dunga adota o mesmo estilo de jogo que empregou quando dirigiu a seleção entre 2006 e 2010. Mas nesta terça ele teve seu trabalho facilitado.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O Japão não contou com alguns de seus principais jogadores: Kagawa, do Borussia Dortmund, Uchida, do Schalke 04 e Hiroki Sakai, do Hannover, não estiveram nem entre os relacionados. Honda, do Milan, e Nagatomo, da Inter de Milão, começaram o jogo entre os reservas.

Se com sua força máxima o Japão já não representaria grande ameaça ao Brasil, sem seus principais nomes a partida foi mera exibição de Neymar e Diego Tardelli, que estão demonstrando ótimo entrosamento neste início de parceria no ataque da seleção.

O gol que abriu o placar, aos 17 minutos, saiu de uma troca de posição dos dois em que Tardelli saiu da área, deixou espaço para Neymar penetrar e o lançou. O capitão ainda driblou o goleiro antes de marcar.

No primeiro tempo, Japão chegou com perigo só aos 23 do primeiro tempo em chute de Kobayashi por cima do gol de Jefferson. Aos 28, o Japão reclamou de pênalti em chute desviado com o braço por Luiz Gustavo na linha da grande área. O árbitro de Cingapura não anotou a infração.

Dunga usou o segundo tempo para observar três jogadores que ainda não tinham muitos minutos na seleção principal: Mário Fernandes entrou na lateral-direita no lugar de Danilo, Éverton Ribeiro substituiu Willian e Philippe Coutinho na vaga de Oscar.

E a parceria entre Neymar e Coutinho, que vem desde a seleção sub-15 do Brasil, apareceu logo aos dois minutos do segundo tempo. Neymar se posicionou entre os zagueiros na intermediária e foi lançado pelo meia do Liverpool. Cara a cara com o goleiro, o jogador do Barcelona marcou seu 38º gol em 58 jogos pela seleção. Ele já é o sexto maior artilheiro da história seleção e está um atrás de Bebeto, quinto com 39.

Ao longo da segunda etapa, Dunga ainda deu lugar a Kaká, Robinho e Souza, que fez sua estreia com a seleção. Os três entraram muito bem nos lugares de Elias, Tardelli e Luiz Gustavo. O terceiro gol de saiu após rebote de chute de Coutinho, aos 31. Aos 35, após cruzamento de Kaká, Neymar marcou de cabeça.

A seleção brasileira volta a campo no dia 12 de novembro, contra a Turquia, em Istambul. No dia 19 do mesmo mês enfrenta a Áustria em Viena. São os dois últimos jogos da equipe em 2014. A convocação para os dois jogos será no dia 23 de outubro.

FICHA TÉCNICA: BRASIL 4 x 0 JAPÃO

Local: Estádio Nacional de Cingapura

Horário: 7h45 (de Brasília)

Árbitro: Ahmad A’Qashah (CIN

Gols: Neymar aos 17 minutos do primeiro tempo e aos 2, 31 e 35 minutos do segundo tempo.

Escalações:

Brasil: Jefferson; Danilo (Mário Fernandes, no intervalo), Miranda, Gil e Filipe Luís; Luiz Gustavo (Souza, aos 27 do 2º tempo), Elias (Kaká, aos 30 do 2º tempo), Oscar (Philippe Coutinho, no intervalo) e Willian (Éverton Ribeiro, no intervalo); Neymar e Diego Tardelli (Robinho, aos 19 do 2º tempo). Técnico: Dunga

Japão: Kawashima; Gotoku Sakai, Shiotani e Kosuke Ota; Morishige, Morioka (Honda, no intervalo), Shibasaki, Junya Tanaka (Hosogai, aos 25 do 2º tempo) e Taguchi; Okazaki e Kobayashi (Muto, aos 6 do 2º tempo). Técnico: Javier Aguirre

IG

Japão atinge recorde de 54 mil idosos com 100 anos

Toyo Shibata morreu aos 101 anos.
Toyo Shibata morreu aos 101 anos.

O Japão atingiu nesse domingo (15) um novo recorde de longevidade de sua população, já que o número de pessoas de 100 ou mais anos superou os 54 mil, um aumento de mais de 5,5% em relação ao ano anterior.

Segundo o Ministério da Saúde, o total de centenários japoneses chega a 54.397, 3.021 mais do que os registrados nesta mesma data em 2012 e representa uma proporção de 42,66 por 100 mil habitantes.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

As mulheres continuam sendo de longe as mais longevas no Japão, já que as de 100 ou mais anos superam 47.600, 87,5% do total, enquanto os homens não chegam a 6.800.

Os números divulgados pelo Ministério representam uma estimativa elaborada no dia 1º de setembro levando em conta o número de pessoas que completariam neste domingo 100 ou mais anos, de acordo com os registros de todo o país.

A publicação dos dados coincide com a comemoração na segunda-feira (16) do Dia do Respeito aos Anciãos, festa nacional em um país cuja população é a mais longeva do planeta.

O número de pessoas centenárias aumentou de maneira considerável nas últimas cinco décadas, já que em 1963 os maiores de 100 anos eram apenas 153.

Foi em 1998 que chegou pela primeira vez aos 10 mil para alcançar de maneira surpreendente os 30 mil em 2007 e superar os 50 mil no ano passado, segundo os dados divulgados pelo Ministério da Saúde.

A expectativa média de vida no Japão, segundo dados de 2012, é de 86,41 anos para as mulheres e 79,94 anos para os homens.

Em agosto passado, o governo revelou que o número de pessoas de mais de 65 anos tinha superado, pela primeira vez, os 30 milhões, o que representa quase um quarto dos 126 milhões de habitantes do Japão.

O envelhecimento da população é um dos grandes problemas para o futuro do país, já que se estima que cerca de 40% de seus cidadãos terão mais de 65 anos até o ano de 2060.

O aumento do número de pessoas idosas se mostra como um difícil cenário para o sistema de seguridade social da terceira maior economia do mundo, que deverá poder garantir a força de seu sistema de saúde e de previdência diante da queda da idade produtiva.

G1

Você sabia que pode ‘alugar’ um velho no Japão?

idosos1No Japão, você pode alugar um idoso. O serviço oferecido pelo site Ossan Rental oferece duas opções para sua escolha: o ex-jogador de beisebol Mikio Sendou, de 65 anos, e o produtor de moda Takanobu Nishimoto, de 46 anos de idade.

Você pode realizar qualquer atividade com eles, como ir às compras, fazer uma refeição, pedir conselhos amorosos, visitar museus, ir ao cinema ou simplesmente reclamar da vida – e eles vão te dar toda atenção. Mas o serviço de companhia vai só até aí, que é para ninguém pensar besteira.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O que chama a atenção sobre esse site é que ele existe desde 1996, e pelo que consta em seus registros mais de 50 pessoas alugaram seus velhinhos desde o final de julho. Desse número, 70% são mulheres, e há pessoas que contrataram o serviço mais de uma vez nesse período.

Será que esses senhores são companhias tão boas assim, que vale até repetir o aluguel? Aparentemente, ninguém mais precisa se sentir sozinho no Japão, nem que para isso tenha que pagar um personal velhinho para ter ao lado.

Curiosamente, a palavra japonesa “ossan” é uma maneira não muito educada de se referir a pessoas idosas ou de meia-idade. A melhor tradução para o português é mesmo “velho”, o que pode soar um pouco grosseiro. Será que os senhores se sentem ofendidos? E você, o que acha desse serviço? Vai um velhinho aí?

Mega Curioso

Em jogo emocionante com sete gols, Itália derrota o Japão e se classifica

A torcida na Arena Pernambuco adotou o Japão para apoiar no jogo contra a Itália. Gritou “Japão”, “Olé” e nome de Kagawa. Não foi o suficiente para empurrar a equipe asiática para a vitória, mas dificilmente algum pernambucano saiu decepcionado do estádio na noite desta quarta-feira. Na melhor partida da Copa das Confederações até o momento, Giovinco fez o gol da vitória italiana por 4 a 3 aos 40 minutos do segundo tempo, garantindo a classificação de sua equipe e da seleção brasileira para as semifinais da competição.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Honda e Kagawa abriram 2 a 0 para o Japão. De Rossi, no fim do primeiro tempo, Uchida (contra) e Balotelli, de pênalti, viraram para Itália no início da segunda etapa. Okazaki fez o terceiro do Japão, antes de Giovinco decidir a partida aos 40 do segundo tempo.

Sebastian Giovinco gol Itália Japão (Foto: Reuters)Giovinco empurra a bola para o gol aberto para garantir a vitória da Itália sobre o Japão (Foto: Reuters)

Empatados com seis pontos, Itália e Brasil decidem o primeiro lugar do Grupo A no sábado, às 16h, na Arena Fonte Nova, em Salvador. Com saldo melhor (cinco contra dois), a seleção brasileira tem a vantagem do empate para tentar escapar da Espanha (provável líder do Grupo B) na semifinal. Também no sábado, às 16h, os eliminados Japão e México se despedem da competição no Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte.

Japão domina, torcida grita “Olé”, e Itália acorda no fim

torcida Itália e Japão jogo Recife (Foto: AFP)Torcida apoiou o Japão no confronto no Recife
(Foto: AFP)

A torcida no Recife era para o Japão. No pouco tempo que tinha posse de bola, a Itália era vaiada, enquanto até carrinho japonês era aplaudido. E o apoio foi retribuído. Os asiáticos partiram para cima desde o início e deram trabalho a Buffon com uma cabeçada com Maeda livre na área, mas que chegou tranquila para o goleiro italiano.

A vontade japonesa foi recompensada aos 20 minutos. De Sciglio recuou mal para Buffon, o goleiro saiu de carrinho e acabou atingindo Okazaki, fazendo pênalti. Na cobrança, Honda bateu forte no canto para abrir o placar. Com a Itália totalmente envolvida, Cesare Prandelli fez uma substituição logo aos 30, colocando o atacante Giovinco no lugar do meio-campo Aquilani. Mas, dois minutos depois, o Japão ampliou quando Chiellini e Montolivo vacilaram na área, e Kagawa girou para chutar de voleio no canto.

Os gritos de “Olé” no toque de bola japonês pareceram acordar a Itália. No escanteio cobrado por Pirlo, De Rossi ganhou no alto e diminuiu aos 40 minutos. Os italianos passaram a pressionar e quase conseguiram o empate, quando Giaccherini acertou a trave adversária já nos acréscimos.

Shinji Kagawa chute jogo Itália Japão (Foto: Reuters)Shinji Kagawa acerta belo chute para marcar o segundo gol do Japão na partida (Foto: Reuters)

Emoção do início ao fim e Inacreditável F.C.

O Japão tentou voltar a comandar o jogo na volta do segundo tempo, mas bastaram sete minutos para a história da partida mudar. Primeiro, Yoshida deu bobeira, Giaccherini recuperou a bola e cruzou rasteiro para Balotelli. Uchida tentou cortar, mas acabou fazendo o gol contra aos 4. Um minuto depois, o árbitro marcou pênalti duvidoso quando a bola bateu no braço de Hasebe dentro da área. Balotelli cobrou bem e, aos 7, virou o duelo.

Sebastian Giovinco gol Itália Japão (Foto: Reuters)Giovinco, Marchisio e Balotelli comemoram o gol
da vitória italiana (Foto: Reuters)

A torcida seguiu apoiando a seleção asiática, e a resposta veio aos 23 minutos. Endo cobrou falta para a área, Okazaki se adiantou à marcação e cabeceou para empatar o duelo mais uma vez. O gol deu gás para o Japão, que passou a criar grandes chances, inclusive uma digna de “Inacreditável Futebol Clube”. Okazaki chutouna trave e, no rebote, Kagawa acertou uma cabeçada no travessão, com o gol aberto.

O castigo pelos gols perdidos aconteceu aos 40. De Rossi deu belo passe para Marchisio, à direita da área japonesa, e o meia cruzou rasteiro para Giovinco, livre na área, apenas empurrar para o gol aberto e fazer 4 a 3. O Japão não se entregou. Dois minutos depois, Okazaki acertou a trave adversária mais uma vez, e Yoshida, impedido, mandou o rebote para a rede, mas o gol foi anulado. Quando o juiz apitou o fim do jogo, a torcida aplaudiu o espetáculo e, mais uma vez, gritou “Japão”.

Yuto Nagatomo derrota Japão Itália (Foto: Getty Images)Nagatomo não esconde a decepção depois da derrota e da eliminação do Japão (Foto: Getty Images)
Globoesporte.com