Arquivo da tag: indiciados

Diretor e agente de presídio em Solânea são indiciados suspeitos de liberar preso para ir a Motel

Suspeitos de terem liberado um preso para ir a um motel, um agente penitenciário e o diretor da cadeia pública de Solânea foram indiciados na quinta-feira (20) pela polícia civil. Em entrevista ao Portal ClickPB, o delegado seccional de Solânea, Diógenes Fernandes, informou que após o episódio o detendo não retornou ao presídio.

De acordo com ele, o caso aconteceu no dia 17 de maio e o preso teria sido pego por uma mulher, natural de Soledade, em um veículo modelo Onix, próximo à unidade prisional. Alan Júnior, 28 anos foi embora com uma mala de roupas e ainda roubou uma pistola  040 da unidade.

O homem que é natural do estado do Paraná, responde pelo crime de estelionato em diversos estados do país. Já foram registrados mais de 10 casos de crimes cometidos por ele.

Segundo o delegado, o diretor responderá pelo crime de prevaricação e o agente por facilitação dolosa. Toda a equipe envolvida no caso foi afastada enquanto o processo administrativo se desenrola.”Entregamos o inquérito à Justiça na quinta-feira. Sabemos que ele fugiu junto com a sua namorada. Eles já tinham um caso desde a prisão do suspeito. Ela fugiu junto com os dois filhos dela”, explicou.

 

clickpb

 

 

Dilma manda afastar servidores indiciados pela PF

O Palácio do Planalto decidiu neste sábado demitir ou afastar todos os servidores envolvidos na Operação Porto Seguro, entre eles a chefe de gabinete da Presidência em São Paulo, Rosemary Novoa de Noronha e José Weber Holanda, segundo na hierarquia da Advocacia-Geral da União (AGU).

Na operação, foram indiciados 18 suspeitos de participação em um esquema de fraude em pareceres técnicos com a finalidade de beneficiar interesses de empresas privadas.

Seis pessoas foram presas na operação, entre as quais dois diretores de agências reguladoras – os irmãos Paulo Rodrigues Vieira, da Agência Nacional de Águas (ANA), e Rubens Carlos Vieira, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

De acordo com a ordem de Dilma Rousseff, os dois foram afastados de seus cargos, com a determinação de que sejam abertos processos disciplinares para apuração da conduta de ambos.

Segundo a orientação da presidente, todos os órgãos públicos que tiverem funcionários indiciados devem agir da mesma forma, com a abertura de processos disciplinares.

Com informações do portal G1

Pais de bebê que ingeriu cocaína são indiciados na Paraíba

O delegado Ramirez São Pedro, da Delegacia de Entorpecentes, indiciou os pais da criança de nove meses que morreu no mês de julho, em João Pessoa,  por ter ingerido cocaína, segundo o laudo toxicológico do Instituto de Polícia Científica (IPC).

De acordo com o delegado, o indiciamento ocorreu porque ficou comprovado nos autos do processo de que a criança ingeriu cocaína. “A Polícia Civil chegou a esse entendimento depois de ouvir desde psicólogos aos médicos que atenderam a criança. Ficou não apenas comprovado que a criança ingeriu cocaína como também que ingeriu na casa dos pais. Por isso, eles foram indiciados por homicídio culposo”, explicou.

Na época, segundo o delegado, os pais da criança alegaram que ela ingeriu cocaína numa praça no bairro dos Funcionários, em João Pessoa. “Não há como comprovar se os pais deram cocaína à criança. Porém, temos a mais absoluta certeza de que o relato de que a ingestão da droga ocorreu numa praça não procede”, acrescentou.

Ramirez São Pedro informou ainda que espera a devolução dos autos que já foram enviados para o Fórum Criminal da capital para anexar o exame cadavérico feito na criança, cujo resultado ainda não saiu, e também o exame toxicológico feito nos pais. “Junto a isso, vamos também anexar o interrogatório dos pais, que agora passam da condição de investigados para indiciados”, frisou.

G1 PB

Seis policiais são indiciados em caso de morte por espancamento na PB

Médico apresentou resultados dos exames e laudo final na manhã desta sexta (Foto: Rafael Melo/G1)

A delegada de Homicídios de Campina Grande, Cassadra Duarte, divulgou na manhã desta sexta-feira (14) em entrevista coletiva a conclusão do inquérito sobre o caso de Tiago Moreira, jovem que morreu supostamente espancado por policiais há mais de um mês na cidade. Seis policiais militares foram idiciados por tortura seguida de morte e o inquérito será encaminhado ainda nesta sexta-feira para o Ministério Público.

A delegada explicou que o indiciamento teve base nos depoimentos das testemunhas e no resultado dos exames toxicológico e anatomopatológico realizados pelo Instituto de Polícia Científica de João Pessoa. O laudo final emitido pelo IPC foi entregue à delegada esta semana e apontou que o técnico em monitoramento eletrônico morreu por asfixia por sufocação indireta por compressão torácica e intoxicação exógena.

De acordo com o inquérito, Tiago Moreira teria invadido a casa de um policial militar e o agrediu. O policial teria contido o rapaz com a ajuda de outro PM que também estava de folga e, em seguida, chamado reforço policial. A delegada disse que, segundo os depoimentos das testemunhas, no momento em que os outros policiais que estavam em serviço chegaram, eles teriam passado a agredir o jovem, mesmo com ele estando amarrado.

A delegada disse que os próprios moradores tinham ajudado os dois policiais que estavam de folga a imobilizar Tiago, que estaria suspostamente descontrolado, entregando cordas para amarrá-lo. Porém, quando os outros PMs chegaram e agrediram o rapaz, a população tentou impedir a ação. Ao todo, 18 policiais teriam participado da ação e foram arroladas no inquérito, mas a delegada entendeu que apenas seis agrediram a vítima e, entre eles, o dono da casa, e o outro que estava de folga. Os PMs também foram agredidos, de acordo com um exame de corpo de delito.

O inquérito descreve que o fato teria se iniciado às 12h do dia 5 de agosto e que a ação da polícia durou em média uma hora. “Após a chegada do reforço os policiais levaram em média 50 minutos na ocorrência e em três minutos chegaram ao hospital para prestar o socorro a vítima”, disse a delegada. Na época do crime, um funcionário do hospital disse que os policiais o teriam forçado a colocar do atestado de óbito que a vítima chegou ao local ainda com vida. “Na verdade, o que houve foi que o médico não sabia que era preciso assinar um documento para liberar o corpo para o IML e um major o cobrou a assinatura desse documento. Ele não entendeu e informou errado”, disse a delegada.

O laudo
De acordo com o gerente operacional dos Institutos de Medicina Legal (IML) da Paraíba, o médico Flávio Fabres, o laudo comprova que a vítima sofreu algum tipo de força contundente na região do tórax, que teria desencadeado um processo de asfixia. Segundo ele, essa ação não seria suficiente para tirar a vida do rapaz, mas o uso de cocaína atrelado a essa compressão acabou resultando na asfixia. Ainda segundo o médico, os exames também apontaram que o jovem teve um pequeno infarto e que teria ingerido álcool.

Ele explicou que a vítima não teria como realizar essa compressão na altura do pescoço contra si mesmo, mas que uma força externa teria agido. “Não sei o que pode ter sido usado, não tenho como precisar. Se foi o piso do coturno, se foi um cacetete. A única certeza é que houve algum tipo de agressão, que pode ou não ser caracterizado como tortura, mas que não seria capaz de matar um cidadão não usuário de droga. O uso da cocaína, que ficou comprovado através do exame, contribuiu para o processo de asfixia provocado inicialmente pelas lesões da agressão”, disse.

O chefe de disciplina da Polícia Militar do estado, coronel Francisco Castro, disse que acredita na inocência dos policiais até que eles sejam condenados. “O caso não está encerrado, está apenas começando. Quem merece tem que pagar”, disse. Segundo ele, um Inquérito Policial Militar também está sendo realizado paralelamente, já que se tratam de militares. O MP pode pedir uma reconstituição do crime já que foi recomendada pelo IPC.

O crime
Tiago Moreira, de 27 anos de idade, morreu no dia 5 de agosto deste ano. A esposa da vítima, Alessandra Alves, disse que Tiago teve uma crise de abstinência de drogas e acabou invadindo a casa de um policial. A casa do PM fica a menos de 30 metros da casa da vítima. Lá, segundo Alessandra, ele teria sido espancado e assassinado por doze policiais. De acordo com o comandante do 2º Batalhão da Polícia Militar, tenente coronel Souza Neto, o policial e a esposa dele foram agredidos por Tiago e chamaram reforço policial para conter o rapaz. Em seguida, policiais levaram o corpo da vítima até o Hospital Doutor Edgley e deixaram na porta, segundo o próprio hospital.

G1 PB

IPC confirma que bebê de 9 meses ingeriu cocaína; pais serão indiciados por homicídio

O Instituto de Polícia Científica de João Pessoa confirmou que o bebê de 9 meses que morreu na última sexta-feira (13) na Capital ingeriu cocaína. O resultado do exame toxicológico feito em fragmentos de sangue, urina e vísceras estomacais de Mariana Laissa Barreto Lucas foi divulgado na manhã desta quarta-feira (18) durante entrevista coletiva. A causa da morte da criança foi intoxicação por ingestão de drogas.

De acordo com o delegado Ramirez de Almeida, da Delegacia de Repressão ao Entorpecente, os pais do bebê serão indiciados por homicídio. Segundo ele, as investigações que vão apontar se trata de homicídio doloso (aquele que tem a intenção de matar) ou culposo (quando não tem intenção de matar).

Além de Ramirez, participam da coletiva o diretor operacional do IML, Flávio Fabres e o diretor executivo da Gerência de Medicina e Odontologia Legal (Gemol), Israel Aureliano.

Entenda o caso

Uma menina de apenas nove meses de vida foi socorrida no último domingo (8), para o Hospital Arlinda Marques, em João Pessoa, apresentando quadro de febre e convulsões. O bebê mora no bairro de Cruz das Armas, localizado na Zona Oeste da Capital paraibana.

Segundo a diretora administrativa do hospital, Aline Nery, a menina foi encaminhada para unidade de saúde volta das 17h30 e desde o registro de entrada, a vítima ficou inconsciente.

A vítima teve três paradas cardíacas. Na última sexta-feira (13), a criança não resistiu às complicações e veio a óbito.

portalcorreio